SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina:
     Educação Física

Professor:                       Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves, Torres Novas
     Pedro Lopes

Trabalho elaborado por:
    Rui Oliveira n.º5364
    12.ºB




        [ O CORFEBOL EM PORTUGAL E NO MUNDO ]




  Data de entrega: 25 de novembro de 2011
                                   Enviado de rui.oliveira.rpo@gmail.com
                                           para tecdesporto@gmail.com
                                               a 1 de novembro de 2011
  Ano Letivo: 2011/2011
                                                               1.ºPeriodo
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                           Educação Física – 12.ºAno


                                           ÍNDICE

                                                                                                     Pág.

       Introdução...........................................................................            3

       Origem do Corfebol...............................................................                4

       Federação Internacional de Corfebol (IKF)................................                        5

       Países membros do IKF .........................................................                  5

       História do Corfebol em Portugal.............................................                    6

       Federação Portuguesa de Corfebol ..........................................                      7

       Clube de Carnaxide Cultura e Desportos ..................................                        7

       Núcleo de Corfebol do Benfica.................................................                   8

       Clube de Corfebol de Oeiras...................................................                   8

       Outros clubes em destaque a nível nacional..............................                         9

       Números do desporto nacional Federado .................................                          10

       Classificações da seleção sénior Portuguesa............................                          11

       Equipas em destaque............................................................                  11

       Árbitros em destaque............................................................                 11

       Corfebol Português na imprensa Portuguesa.............................                           12

       Conclusão ...........................................................................            14

       Bibliografia ..........................................................................          15




Página 2 de 15                                                                            Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                  Educação Física – 12.ºAno


                            INTRODUÇÃO

       Corfebol (do holandês Korfbal) é um desporto coletivo praticado
principalmente na Holanda e na Bélgica. O Corfebol difere de outros
desportos semelhantes porque é praticado por equipas mistas, formadas
por quatro homens e quatro mulheres.
       A palavra “Corfebol”, deriva da palavra "Korf", que significa cesto, é
um desporto jogado à mão, num campo retangular, no qual o principal
objetivo é colar a bola dentro do cesto. As principais características deste
desporto incluem todo o tipo de aptidões, jogo cooperativo, contacto físico
controlado e igualdade de sexos.
       Neste jogo coletivo é proibido: tocar a bola com a perna ou com o pé
ou com o joelho; bater a bola com o punho ou com o pé; bater ou tirar a
bola das mãos do adversário ou de um companheiro; correr ou andar com a
bola ou driblar; lançar de uma posição defensiva; lançar de uma posição
defendida: entre o atacante e o cesto; de frente para o atacante; com o
braço levantado à distância de um braço.
       Neste trabalho irei abordar um pouco sobre a história do Corfebol em
Portugal e no mundo, dar a conhecer a Federação Internacional de Corfebol
e seus principais países, a Federação Portuguesa de Corfebol, as equipas
Nacionais Jogadoras de Corfebol, principais campeonatos ganho por equipas
portuguesas entre outros curiosidades relacionadas com este mesmo
desporto.




Página 3 de 15                                                                  Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                 Educação Física – 12.ºAno


                     ORIGEM DO CORFEBOL


         Naquela altura a Associação de Educação Física de Amesterdão
solicitava um jogo que pudesse ser praticado por jovens de ambos os
sexos, não fosse muito dispendioso, solicitasse uma atividade física geral e
que fosse atraente para os jovens. Um jogo com estes requisitos não existia
mas Broekhuysen sentiu tê-lo encontrado na Suécia...

                            Nico Broekhuyesen

       O corfebol é um desporto coletivo desenvolvido
há mais de um século no continente Europeu, foi
inventado na Holanda pelo professor de Educação
Física Nico Broekhuysen em 1902. Possui regras
específicas, e semelhantes às do basquetebol, pois o
objetivo é o mesmo, introduzir a bola no cesto
adversário. O contato físico no corfebol não é
permitido, a marcação é sempre inivídual, e as
equipas são compostas obrigatoriamente por homens
e mulheres.
       Inspirado num jogo do qual tinha participado, o
professor Holandês de Educação Física, Nico
Broekhuysen retirou desse jogo características para reavaliar as suas ideias
relativas à modalide que estava a criar, que atribuiu o nome de “corfebol”.




       Depois de fazer alguns ajustes, Nico apresentou em 1903, a mais
nova sensação desportiva do momento. Jogado por homens e mulheres, o
desporte conseguiu um grande índice de aceitação, e até hoje isso
acontece, dado que na Holanda, cerca de 200 mil pessoas, entre atletas e
amadores, praticam o corfebol principalmente nas escolas, onde a
modalidade mais se fortalece, até porque consegue atrair a atenção dos
alunos fazendo com que num curto espaço de tempo os alunos estejam
motivados durante as suas aulas.
       Nas aulas de Educação Física, entre outros problemas, encontra-se a
dificuldade da integração entre rapazes e raparigas, devido aos problemas
de desrespeito às diferenças, o que acaba por trazer para as aulas a
violência não só física, mas moral.



Página 4 de 15                                                                 Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                 Educação Física – 12.ºAno


       O Corfebol, como qualquer outro desporto, apresenta um conjunto de
regras que lhe dá características muito próprias, sendo as que as
distinguem de todas as outras modalidades coletivas o facto de que as
equipas de Corfebol são obrigatoriamente compostas por atletas de ambos
os sexos, não é permitido o contato físico e não se pode progredir de posse
da bola em outras palavras, a cooperação e
a integração são fundamentais para se
jogar e o individualismo e a violência são
impossíveis de se concretizar. O Corfebol
vem como uma estratégia de trabalho para
os    professores    de  Educação     Física,
permitindo uma igualdade de oportunidades
educacionais, através da humanização do
desporto, com o fim da discriminação
sexual e da violência.



    FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE CORFEBOL
“THE INTERNATIONAL KORFBALL FEDERATION” - IKF

      The International Korfball Federation (IKF) foi fundada
em Antuérpia, na Bélgica no dia 11 de junho de 1933, como
sendo uma continuação do “Bureau Internacional de
Corfebol” criada em 1924 pelas Associações Holandês e
Belga da época.
      A IKF foi oficialmente reconhecida pelo Comitê
Olímpico Internacional em 1993. Tem como seus criadores o
Sportaccord , a Associação do COI Reconhecida Federações Desportivas
Internacionais e o International World Games Association.
      A IKF tem como objetivo divulgar o corfebol em todo o mundo. Este
federação fornece cerca de 60 países jogadores desta modalidade, atravéz
de verbas financeiras, e atravéz de material e apoio estrutural para que
cada país possa atinguir os seus objetivos.


                   PAÍSES MEMBROS DO IKF

       Os países membros da IKF podem ser encontrados em todo o mundo,
África, Américas, Ásia, Europa e Oceania.
       Ao todo são cerca de 59 países:          Argentina, Armênia, Aruba,
Austrália, Belarus, Bélgica, Bósnia-Herzegovina, Botswana, Brasil, Bulgária,
Canadá, Catalunha, China, Taipé Chinês, Croácia, Curacao, Chipre,
República Checa, Dinamarca, República Dominicana, Inglaterra, Finlândia,
França, Georgia, Alemanha, Grécia, Hong Kong China, Hungria, Índia,
Indonésia, Irlanda, Itália, Japão, Coréia, Luxemburgo, Macau China, Malawi,
Malásia, Mongólia, Nepal, Holanda, Nova Zelândia, Paquistão, Polônia,
Portugal, Roménia, Rússia, Scotland, Sérvia, Singapura, Eslováquia, África
do Sul, Suriname, Suécia, Turquia, EUA, País de Gales, Zâmbia.



Página 5 de 15                                                                 Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                 Educação Física – 12.ºAno


            HISTÓRIA DO CORTEBOL EM PORTUGAL


       O Corfebol em Portugal surgiu em
1982 num curso realizado em Lamego,
sobre “Jogos Populares e Desportivos
tradicionais”.
       Em 1985 foi realizada a primeira
ação de formação de Corfebol no ISEF de
Lisboa     (atualmente      Faculdade    de
Motricidade Humana), orientada pela
Federação Internacional de Corfebol (IKF),
tendo posteriormente sido criado o
primeiro núcleo de Corfebol integrando
professores e alunos do ISEF.
       Em 1986 surgiu o primeiro contacto
Internacional com a participação de
Portugal num torneio em Tilburg, na Holanda, que coincidiu com um grande
desenvolvimento da modalidade.
       Nasceu a secção de Corfebol do Clube de Futebol Sassoeiros
(Cascais) e começaram a ser dados os primeiros passos no sentido da
criação do Comité de Promoção do Corfebol (CPCP). Esta organização ficou
responsável pela representação da modalidade oficial a nível Internacional
e, em 1987, foi aceite pela IKF como membro associado.
       Nesse mesmo ano a Seleção Nacional a convite da IKF, participou no
3º Campeonato do Mundo, na Holanda, tendo ficado em 9º lugar, entre 12
equipas.
       Foi a partir dessa data que se registou um maior desenvolvimento da
modalidade, quer em termos técnicos quer em termos de associativismo
desportivo, com a formação de novas equipas e clubes. Foi possível, então,
realizar um maior número de jogos entre equipas nacionais. Em 1988/1989
realizou-se o primeiro campeonato nacional de Corfebol surgindo pela
primeira vez a disputa da Taça dos Clubes Campeões Europeus.
       O primeiro campeonato nacional, englobou duas divisões e houve
ainda, a Taça de Portugal.
       Em janeiro de 1990, Portugal estreou-se no Campeonato da Europa
de Sub-23, realizado na Holanda, tendo-se classificado no 4º lugar, entre
oito equipas.
       No ano seguinte Portugal organizou a Taça dos Clubes Campeões
Europeus de Corfebol, sendo a competição mais importante até hoje
disputada entre nós.
       Em março de 1991 foi criada a Federação Portuguesa de Corfebol.




Página 6 de 15                                                                 Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                  Educação Física – 12.ºAno


            FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CORFEBOL

       A Federação Portuguesa de Corfebol é uma
organização de utilidade pública desportiva “UPD” que
lidera a prática de competição e representação nacional
da modalidade e é associada da Confederação do
Desporto de Portugal e da IFP.
       A F.P.C. iniciou um percurso recente de
renovação dos seus quadros dirigentes com o objetivo
de expandir e divulgar a prática da modalidade,
projetando-a       para      níveis     superiores     de
desenvolvimento, assim destacamos:
     O papel pedagógico e social, com relevância para as camadas mais
       jovens, resultante de ser a única modalidade coletiva, mista. Propícia
       a uma forte sensibilização na luta pela igualdade de género.
     A perfeita adequação da modalidade aos programas de Desporto
       Escolar nomeadamente nos ensinos básicos, secundário e
       universitário.
     A sensibilização das empresas para o Corfebol como alavanca para os
       seus programas de responsabilidade social estimulando a luta pela
       igualdade e oportunidade de género, a integração social e o respeito
       pela interculturalidade.


      CLUBE DE CARNAXIDE CULTURA E DESPORTOS




                 Equipa A                                  Equipa B

       A equipa de Corfebol do C.C.C.D. tem obtido grande sucesso e
notoriedade no âmbito da alta competição, incluindo a participação em
provas internacionais, dirigentes na Federação, árbitros internacionais e a
inclusão de atletas do Clube na Seleção Nacional.
       A secção de Corfebol é formada pelos escalões de Escolas, Sub-16,
Juniores e Seniores A e B.
       O Clube de Carnaxide Cultura e Deporto com grande esforço e
dedicação dos seus atletas e técnicos, obtivemos bons êxitos desportivos,
sendo de realçar a conquista do Campeonato Nacional de Sub-16, na época
2005/2006 e da Taça de Portugal, na época 2006/2007, pela Equipa A,
sagrando-se a Equipa B Campeã Nacional da 2ª Divisão.



Página 7 de 15                                                                  Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                  Educação Física – 12.ºAno


                 NÚCLEO DE CORFEBOL DE BENFICA

       O     Núcleo      de
Corfebol de Benfica foi
criado    em    1993/1994,
como um núcleo da Escola
Secundária José Gomes
Ferreira. Este projeto teve
como mentor o Prof. Nuno
Ferro, que é atualmente o
Diretor Técnico.
       Esta iniciativa teve
um sucesso imediato, que
culminou com o 1º lugar
no Torneio de Desporto
Escolar desse ano. No ano
de arranque, o NCB também participou no 9º Torneio Internacional
organizado pelo ISEF Agon Club. Torneio este, em que o NCB teve a sua
primeira experiência internacional ao defrontar duas equipas holandesas.
       Na época 1999/2000, o NCB afirmou-se a nível interno, ao vencer
simultaneamente o Campeonato Nacional e a Taça de Portugal.
Em 2004/2005, numa época histórica para o clube e para o Corfebol
Nacional, o NCB terminou em 3º lugar na Europa Cup, que é atualmente a
melhor classificação obtida por uma equipa nacional nesta competição.
       Nessa temporada o NCB registou o seu melhor desempenho
desportivo de sempre, vencendo o Campeonato Nacional, a Taça de
Portugal e a Supertaça.
       Atualmente, o NCB tem 3 equipas (A, B e C) a participar nos
Campeonatos Nacionais de Corfebol e 1 equipa de ex-atletas que participa
na Taça de Portugal.



                  CLUBE DE CORFEBOL DE OEIRAS


      O Clube de Corfebol
de Oeiras (C.C.O.) foi
criado em 1996, após a
extinção do ISEF AGON
Clube (ISEF A.C.). Durante
cerca de uma década, o
ISEF    A.C.  dominou      a
competição         nacional,
conquistando            seis
Campeonatos       Nacionais
(em    oito  possíveis)    e
quatro Taças de Portugal
(em sete possíveis).
      Herdando do ISEF


Página 8 de 15                                                                  Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                     Educação Física – 12.ºAno


A.C. todo o seu património - associados, atletas, material e sobretudo a
tradição -, o C.C.O. prosseguiu os hábitos do seu predecessor, conquistando
logo no seu primeiro ano de existência (1996/97) os Campeonatos
Nacionais das 1ª e 2ª divisões. Mais recentemente voltou a ser Campeão
Nacional da 1ª divisão na época de 2002/03, 2005/06, 2007/08 , 2008/09.
       No seu historial, o C.C.O. conta ainda com a conquista de 5 Taças de
Portugal (2007/08 , 2008/09) e 4 Supertaças (2007/08 , 2008/09).
Num plano internacional, o C.C.O. esteve presente na fase final da Taça dos
Clubes Campeões Europeus em 1998, em Antuérpia, onde obteve o 6º lugar
em oito equipas participantes. Em 2003, voltou a participar na fase de
apuramento da Taça dos Clubes Campeões Europeus, na Alemanha, não
conseguindo, no entanto, ser apurado para a fase final.
       Em 2007 obteve a 5ª posíção nesta mesma competição na Bélgica, a
melhor classificação de sempre.
       Na época de 2008/09 o CCO conseguiu no Luxemburgo acesso à fase
final da competição que se realizou na Bélgica conseguindo um brilhante 3º
lugar apenas atrás dos monstros Holanda e Bélgica
       Atualmente o C.C.O conta com 2 equipas seniores e uma equipa do
escalão Sub-21, estando a equipa “A” a participar no Campeonato Nacional
da 1ª divisão e a equipa “B” no Campeonato Nacional da 2ª divisão.




  OUTROS CLUBES EM DESTAQUE A NIVEL NACIONAL




   Escola Secundária de Carcavelos             Grupo Desportivo dos Bons Dias

                Cascais Corfebol Clube;
                Clube Internacional Futebol;
                Grupo Desportivo São João Tojal;
                Korfbal Lisboa Project;
                Núcleo Corfebol Maristas;
                Núcleo Sportinguista de Caneças;




Página 9 de 15                                                                     Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                  Educação Física – 12.ºAno


     NÚMEROS DO DESPORTO NACIONAL FEDERADO

Número sobre equipas:
   Clubes de prática: 9
   Total de equipas em jogo: 23
   Total de atletas: 521
   Equipas internacionais nos últimos 3 anos: Sporting Clube de
     Portugal - Clube de Corfebol de Oeiras - Núcleo de Corfebol de
     Benfica – Cascais Corfebol Clube


Troféus das Seleções nos últimos anos
Seniores
    4 Lugar no Campeonato do Mundo de 2007
    3º Lugar no Torneio das 4 Melhores Nações Europeias 2009
    6º Lugar nos Jogos Mundiais 2009
    7º Lugar no Campeonato da Europa 2010
    7ª Posição no Ranking Mundial no final de 2007

Sub-21
   8º Lugar no Campeonato da Europa 2006

Sub 19
   4º Lugar no Júnior World Cup 2010


Atletas internacionais – 36
Árbitros internacionais
    3 Masculinos
    1 Feminino


Números do desporto nacional não federado
   28.000 Alunos no 2º e 3º ciclo + secundário que praticam Corfebol
     nas aulas de Educação Física
   725 Escolas têm Corfebol inscrito no programa anual de Educação
     Física.


Professores de Educação Física com formação Corfebol
    15.000 Com formação básica/inicio
    1.500 Com formação avançada através das faculdades ou FPC

       Instituto Superior da Maia
       Universidade Lusófona – Lisboa
       Faculdade de Ciências de Desporto e Educação Física
       Faculdade Motricidade Humana - Lisboa




Página 10 de 15                                                                 Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                   Educação Física – 12.ºAno


CLASSIFICAÇÕES DA SELEÇÃO SÉNIOR PORTUGUESA

               Campeonatos do Mundo
       3º   Campeonato do Mundo - Holanda 1987 - 9º Classificado
       4º   Campeonato do Mundo - Bélgica 1991 - 6º Classificado
       5º   Campeonato do Mundo - Índia 1995 - 3º Classificado
       6º   Campeonato do Mundo - Austrália 1999 - 5º Classificado
       7º   Campeonato do Mundo – Holanda 2003 - 6º Classificado
       8º   Campeonato do Mundo – Rep.Checa 2007 - 4 º Classificado

             Campeonatos da Europa
       1º Campeonato da Europa - Portugal 1998 - 3º Classificado
       2º Campeonato da Europa – Catalunha 2002 - 6º classificado


                       EQUIPAS EM DESTAQUE

        Até à presente época, as equipas com mais vitórias são:
       no Campeonato Nacional – Isef Agon Clube (6 vezes) e NC Benfica (5
        vezes)
       na Taça de Portugal – Isef Agon Clube (4 vezes) e GD Bons Dias e NC
        Benfica (3 vezes)
       na Supertaça de Portugal – GD Bons Dias

      Na época de 2004/2005, a equipa do Núcleo de Corfebol de Benfica
escreveu mais uma página na história do Corfebol português ao vencer
todas as competições nacionais (Campeonato, Taça e Supertaça) e
conquistando o 3º lugar na Taça dos Campeões Europeus, disputada em
França.


                       ÁRBITRO EM DESTAQUE

       Em Portugal existe um dos melhores árbitros do mundo, Jorge Alves.
Árbitro internacional, desde 1995, encontra-se no 1º lugar do ranking dos
árbitros com mais finais de campeonatos internacionais apitadas.




Página 11 de 15                                                                  Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                   Educação Física – 12.ºAno


 CORFEBOL PORTUGUÊS NA IMPRENSA PORTUGUESA




                                                                Fonte: Jornal Record

Corfebol: Mundial à vista
Seleção na china para competir com
os melhores

       A    Seleção     Nacional    de
corfebol vai participar, entre os dias
25 de outubro e 5 de novembro, no
Campeonato       do      Mundo      da
modalidade, que irá decorrer em
Shaoxing, na China.
       O    selecionador     nacional,
Jorge Ramos, já nomeou os 14
atletas que irão representar o país
na competição e não poupa elogios
aos seus pupilos: “Este grupo tem
uma      postura    exemplar.     Esta
modalidade ainda é amadora mas
todos eles têm um comportamento
profissional,      estão       sempre
empenhados e prontos para treinar-
se”, afirmou o técnico.
Fonte: Jornal Record
http://www.record.xl.pt/Modalidade
s/Outras/interior.aspx?content_id=7
16668



Página 12 de 15                                                                  Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                      Educação Física – 12.ºAno




                  Fonte: Boletim Municipal de Cascais, número II
                          http://issuu.com/cmcascais/docs/c_2d




                                                   Fonte: Jornal Record




Página 13 de 15                                                     Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                 Educação Física – 12.ºAno


                             CONCLUSÃO


       Com algum esforço e dedicação consegui finalmente concluir o
trabalho que me foi proposto. Por vezes, foi díficil encontrar informação
muito diversificada sobre este tema, pois, em portugal, o corfebol não é um
desporto que tenha muita popularidade comparativamente com outros.
       No entanto, consegui ter um prespectiva geral do corfebol em
Portugal e no mundo, contudo foi dificil obter algumas informações para a
concretização deste trabalho. Apesar disso queria agradecer à Federação
Portuguesa de Corfebol - Serviços de Comunicação & Assessoria de
Imprensa:     Paula    Gomes      (Fpc.gs.pg@execadvboard.com)     que   me
disponibilizou alguma informação que se encontra presente neste trabalho.
Um muito obrigado.
       A conclusão principal que tiro após a elaboração deste trabalho é que
os desportos coletivos, como é o caso do corfebol, auxiliam a formação e
desenvolvimento de conceitos básicos de cidadania, os aspetos afetivos,
sociais, cognitivos, culturais e biológicos.




Página 14 de 15                                                                Rui Oliveira
Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas
                                                                        Educação Física – 12.ºAno


                                 BIBLIOGRAFIA

Netgrafia:


       http://www.infopedia.pt/$corfebol
       http://www.fpcorfebol.pt/
       http://www.facebook.com/FPCorfebol
       http://pt.wikipedia.org/wiki/Corfebol
       http://www.ikf.org/
       http://issuu.com/cmcascais/docs/c_2d
       http://www.cco.pt.vu/
       http://www.ncb.planetaclix.pt/
       http://www.clubecarnaxide.com/



Livros:

       Movimento - Um Estilo de Vida - 10º, 11º e 12º anos, ASA / Autores:
        Avelino Azevedo, Lúcia Rêgo, Paula Batista;




Agradecimentos:
   Federação Portuguesa de Corfebol - Serviços de Comunicação &
     Assessoria de Imprensa:
     Paula Gomes - Fpc.gs.pg@execadvboard.com




Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico




Página 15 de 15                                                                       Rui Oliveira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
Paula Silva Silva
 
Apresentação andebol
Apresentação andebol Apresentação andebol
Apresentação andebol
Debora Tavares
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
ana pinho
 
Sebenta.módulo1.corfebol
Sebenta.módulo1.corfebolSebenta.módulo1.corfebol
Sebenta.módulo1.corfebol
Maria João Vasconcelos
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Rita Pereira
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
smigano
 
Sebenta.andebol.profissional
Sebenta.andebol.profissionalSebenta.andebol.profissional
Sebenta.andebol.profissional
Maria João Vasconcelos
 
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
Escola Secundaria Moura
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
AMLDRP
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
Sara Pereira
 
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Margarida Ferreira
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Futebol
FutebolFutebol
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
AnaGomes40
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Rugby
RugbyRugby
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
Rui Lemos
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Luis
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
luis reis
 

Mais procurados (20)

Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol Apresentação basquetebol
Apresentação basquetebol
 
Apresentação andebol
Apresentação andebol Apresentação andebol
Apresentação andebol
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
 
Sebenta.módulo1.corfebol
Sebenta.módulo1.corfebolSebenta.módulo1.corfebol
Sebenta.módulo1.corfebol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Sebenta.andebol.profissional
Sebenta.andebol.profissionalSebenta.andebol.profissional
Sebenta.andebol.profissional
 
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Voleibol
Voleibol Voleibol
Voleibol
 
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
 
Andebol.ppt
Andebol.pptAndebol.ppt
Andebol.ppt
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
 
Observação e Análise de Jogo
Observação e Análise de JogoObservação e Análise de Jogo
Observação e Análise de Jogo
 
Rugby
RugbyRugby
Rugby
 
Ginástica de aparelhos
Ginástica de aparelhosGinástica de aparelhos
Ginástica de aparelhos
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
 

Destaque

Corfebol
CorfebolCorfebol
Corfebol
Quedison
 
Ef. trabalho
Ef. trabalhoEf. trabalho
Ef. trabalho
Joana Algodão Doce
 
Voleibol, Futebol, Corfebol
Voleibol, Futebol, CorfebolVoleibol, Futebol, Corfebol
Voleibol, Futebol, Corfebol
Duarte Nunes
 
Salto aparelhos
Salto aparelhosSalto aparelhos
Salto aparelhos
aly pereira
 
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
CristinaPaes
 
Judo
JudoJudo
Judo
ana pinho
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
jose_santinha
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
gltrindade
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
SlideShare
 

Destaque (9)

Corfebol
CorfebolCorfebol
Corfebol
 
Ef. trabalho
Ef. trabalhoEf. trabalho
Ef. trabalho
 
Voleibol, Futebol, Corfebol
Voleibol, Futebol, CorfebolVoleibol, Futebol, Corfebol
Voleibol, Futebol, Corfebol
 
Salto aparelhos
Salto aparelhosSalto aparelhos
Salto aparelhos
 
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
Brincando e aprendendo com corda nas aulas de Educação Física
 
Judo
JudoJudo
Judo
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
 
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
A Guide to SlideShare Analytics - Excerpts from Hubspot's Step by Step Guide ...
 

Semelhante a Corfebol em Portugal e no Mundo

Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto TenrollerMétodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
Rafael Reis
 
metodos e planos para o ensino
metodos e planos para o ensinometodos e planos para o ensino
metodos e planos para o ensino
Rosane Moura
 
Andebol
AndebolAndebol
Futebol na educação fisica escolar
Futebol na educação fisica escolarFutebol na educação fisica escolar
Futebol na educação fisica escolar
Jordeilson Amaral
 
Livro esporte
Livro esporteLivro esporte
Formacao didactica da-orientacao_na_escola
Formacao didactica da-orientacao_na_escolaFormacao didactica da-orientacao_na_escola
Formacao didactica da-orientacao_na_escola
Sérgio Abreu
 
Tchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da PazTchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da Paz
Evandro Felipe
 
Breve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
Breve trabalho/curiosidades sobre o DesportoBreve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
Breve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
Maria Freitas
 
Esporte Danielle e Cristovão
Esporte Danielle e CristovãoEsporte Danielle e Cristovão
Esporte Danielle e Cristovão
Licurgo Oliveira
 
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidadeA dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
Nome Sobrenome
 
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em PortugalPassado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
Pollock12
 
O Voleibol
O VoleibolO Voleibol
O Voleibol
Marta Azevedo
 
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
Evandro Felipe
 
Modulo 04 manifestacoes jogos
Modulo 04   manifestacoes jogosModulo 04   manifestacoes jogos
Modulo 04 manifestacoes jogos
marcelosilveirazero1
 
Sofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundoSofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundo
Rui Oliveira
 
Caderno de rendimento do atleta de handebol greco
Caderno de rendimento do atleta de handebol   grecoCaderno de rendimento do atleta de handebol   greco
Caderno de rendimento do atleta de handebol greco
Eliseu Correa
 
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdfimpulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
Plinio22
 
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
CoachClaumerson
 
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
wesley422984
 
Guia paralímpico - EVO
Guia paralímpico - EVOGuia paralímpico - EVO
Guia paralímpico - EVO
Jaque Godinho
 

Semelhante a Corfebol em Portugal e no Mundo (20)

Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto TenrollerMétodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
Métodos e planos para o ensino - Carlos Alberto Tenroller
 
metodos e planos para o ensino
metodos e planos para o ensinometodos e planos para o ensino
metodos e planos para o ensino
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Futebol na educação fisica escolar
Futebol na educação fisica escolarFutebol na educação fisica escolar
Futebol na educação fisica escolar
 
Livro esporte
Livro esporteLivro esporte
Livro esporte
 
Formacao didactica da-orientacao_na_escola
Formacao didactica da-orientacao_na_escolaFormacao didactica da-orientacao_na_escola
Formacao didactica da-orientacao_na_escola
 
Tchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da PazTchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da Paz
 
Breve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
Breve trabalho/curiosidades sobre o DesportoBreve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
Breve trabalho/curiosidades sobre o Desporto
 
Esporte Danielle e Cristovão
Esporte Danielle e CristovãoEsporte Danielle e Cristovão
Esporte Danielle e Cristovão
 
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidadeA dimensão cultural da actividade física na actualidade
A dimensão cultural da actividade física na actualidade
 
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em PortugalPassado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
Passado, Presente, Futuro Do Futsal Em Portugal
 
O Voleibol
O VoleibolO Voleibol
O Voleibol
 
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
TCHOUKBALL no âmbito escolar: Proposta e Barreiras Nas escolas do ensino esta...
 
Modulo 04 manifestacoes jogos
Modulo 04   manifestacoes jogosModulo 04   manifestacoes jogos
Modulo 04 manifestacoes jogos
 
Sofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundoSofbol em Portugal e no mundo
Sofbol em Portugal e no mundo
 
Caderno de rendimento do atleta de handebol greco
Caderno de rendimento do atleta de handebol   grecoCaderno de rendimento do atleta de handebol   greco
Caderno de rendimento do atleta de handebol greco
 
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdfimpulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
impulsiona-2021.09-movimentoparalimpico.pdf
 
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
 
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
Esporte - Historicidade das diversas modalidades esportivas coletivas a parti...
 
Guia paralímpico - EVO
Guia paralímpico - EVOGuia paralímpico - EVO
Guia paralímpico - EVO
 

Mais de Rui Oliveira

Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Rui Oliveira
 
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno  - CRM Outeiro GrandeRegulamento Interno  - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Rui Oliveira
 
Estatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antigaEstatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antiga
Rui Oliveira
 
Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador
Rui Oliveira
 
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório PráticoGestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Rui Oliveira
 
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas EletrónicosRelatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Rui Oliveira
 
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2 Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Rui Oliveira
 
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô BombeiroPlaneamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Rui Oliveira
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
Rui Oliveira
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Rui Oliveira
 
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTOApresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Rui Oliveira
 
Teoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTONTeoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTON
Rui Oliveira
 
A natação em portugal
A natação em portugalA natação em portugal
A natação em portugal
Rui Oliveira
 
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
Rui Oliveira
 
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Rui Oliveira
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
Rui Oliveira
 
1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood
Rui Oliveira
 
Movimento circular
Movimento circularMovimento circular
Movimento circular
Rui Oliveira
 
Filarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªediçãoFilarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªedição
Rui Oliveira
 
Filarmónica XXI - 3.ª Edição
Filarmónica XXI - 3.ª EdiçãoFilarmónica XXI - 3.ª Edição
Filarmónica XXI - 3.ª Edição
Rui Oliveira
 

Mais de Rui Oliveira (20)

Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
Estatutos - CRM Outeiro Grande, atualizado em 2024
 
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno  - CRM Outeiro GrandeRegulamento Interno  - CRM Outeiro Grande
Regulamento Interno - CRM Outeiro Grande
 
Estatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antigaEstatutos CRMOG - versão antiga
Estatutos CRMOG - versão antiga
 
Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador Resumo - Visão Por Computador
Resumo - Visão Por Computador
 
Gestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório PráticoGestor de Filmes - Relatório Prático
Gestor de Filmes - Relatório Prático
 
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas EletrónicosRelatório Prático - Sistemas Eletrónicos
Relatório Prático - Sistemas Eletrónicos
 
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2 Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
Apontamentos Arquitetura de Computadores 2
 
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô BombeiroPlaneamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
Planeamento de uma prova no concurso - Robô Bombeiro
 
Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!Guião Felizmente há Luar!
Guião Felizmente há Luar!
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
 
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTOApresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
Apresentação CAPITULO SETE - MEMORIAL DO CONVENTO
 
Teoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTONTeoria da Relatividade de NEWTON
Teoria da Relatividade de NEWTON
 
A natação em portugal
A natação em portugalA natação em portugal
A natação em portugal
 
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
1.5.coeficiente de viscosidade de um líquido
 
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes Centenário de Nss. Sª de Lourdes
Centenário de Nss. Sª de Lourdes
 
1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático1.2.Atrito cinético e estático
1.2.Atrito cinético e estático
 
1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood1.1.Máquina de Atwood
1.1.Máquina de Atwood
 
Movimento circular
Movimento circularMovimento circular
Movimento circular
 
Filarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªediçãoFilarmónica XXI 1ªedição
Filarmónica XXI 1ªedição
 
Filarmónica XXI - 3.ª Edição
Filarmónica XXI - 3.ª EdiçãoFilarmónica XXI - 3.ª Edição
Filarmónica XXI - 3.ª Edição
 

Corfebol em Portugal e no Mundo

  • 1. Disciplina: Educação Física Professor: Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves, Torres Novas Pedro Lopes Trabalho elaborado por: Rui Oliveira n.º5364 12.ºB [ O CORFEBOL EM PORTUGAL E NO MUNDO ] Data de entrega: 25 de novembro de 2011 Enviado de rui.oliveira.rpo@gmail.com para tecdesporto@gmail.com a 1 de novembro de 2011 Ano Letivo: 2011/2011 1.ºPeriodo
  • 2. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno ÍNDICE Pág.  Introdução........................................................................... 3  Origem do Corfebol............................................................... 4  Federação Internacional de Corfebol (IKF)................................ 5  Países membros do IKF ......................................................... 5  História do Corfebol em Portugal............................................. 6  Federação Portuguesa de Corfebol .......................................... 7  Clube de Carnaxide Cultura e Desportos .................................. 7  Núcleo de Corfebol do Benfica................................................. 8  Clube de Corfebol de Oeiras................................................... 8  Outros clubes em destaque a nível nacional.............................. 9  Números do desporto nacional Federado ................................. 10  Classificações da seleção sénior Portuguesa............................ 11  Equipas em destaque............................................................ 11  Árbitros em destaque............................................................ 11  Corfebol Português na imprensa Portuguesa............................. 12  Conclusão ........................................................................... 14  Bibliografia .......................................................................... 15 Página 2 de 15 Rui Oliveira
  • 3. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno INTRODUÇÃO Corfebol (do holandês Korfbal) é um desporto coletivo praticado principalmente na Holanda e na Bélgica. O Corfebol difere de outros desportos semelhantes porque é praticado por equipas mistas, formadas por quatro homens e quatro mulheres. A palavra “Corfebol”, deriva da palavra "Korf", que significa cesto, é um desporto jogado à mão, num campo retangular, no qual o principal objetivo é colar a bola dentro do cesto. As principais características deste desporto incluem todo o tipo de aptidões, jogo cooperativo, contacto físico controlado e igualdade de sexos. Neste jogo coletivo é proibido: tocar a bola com a perna ou com o pé ou com o joelho; bater a bola com o punho ou com o pé; bater ou tirar a bola das mãos do adversário ou de um companheiro; correr ou andar com a bola ou driblar; lançar de uma posição defensiva; lançar de uma posição defendida: entre o atacante e o cesto; de frente para o atacante; com o braço levantado à distância de um braço. Neste trabalho irei abordar um pouco sobre a história do Corfebol em Portugal e no mundo, dar a conhecer a Federação Internacional de Corfebol e seus principais países, a Federação Portuguesa de Corfebol, as equipas Nacionais Jogadoras de Corfebol, principais campeonatos ganho por equipas portuguesas entre outros curiosidades relacionadas com este mesmo desporto. Página 3 de 15 Rui Oliveira
  • 4. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno ORIGEM DO CORFEBOL Naquela altura a Associação de Educação Física de Amesterdão solicitava um jogo que pudesse ser praticado por jovens de ambos os sexos, não fosse muito dispendioso, solicitasse uma atividade física geral e que fosse atraente para os jovens. Um jogo com estes requisitos não existia mas Broekhuysen sentiu tê-lo encontrado na Suécia... Nico Broekhuyesen O corfebol é um desporto coletivo desenvolvido há mais de um século no continente Europeu, foi inventado na Holanda pelo professor de Educação Física Nico Broekhuysen em 1902. Possui regras específicas, e semelhantes às do basquetebol, pois o objetivo é o mesmo, introduzir a bola no cesto adversário. O contato físico no corfebol não é permitido, a marcação é sempre inivídual, e as equipas são compostas obrigatoriamente por homens e mulheres. Inspirado num jogo do qual tinha participado, o professor Holandês de Educação Física, Nico Broekhuysen retirou desse jogo características para reavaliar as suas ideias relativas à modalide que estava a criar, que atribuiu o nome de “corfebol”. Depois de fazer alguns ajustes, Nico apresentou em 1903, a mais nova sensação desportiva do momento. Jogado por homens e mulheres, o desporte conseguiu um grande índice de aceitação, e até hoje isso acontece, dado que na Holanda, cerca de 200 mil pessoas, entre atletas e amadores, praticam o corfebol principalmente nas escolas, onde a modalidade mais se fortalece, até porque consegue atrair a atenção dos alunos fazendo com que num curto espaço de tempo os alunos estejam motivados durante as suas aulas. Nas aulas de Educação Física, entre outros problemas, encontra-se a dificuldade da integração entre rapazes e raparigas, devido aos problemas de desrespeito às diferenças, o que acaba por trazer para as aulas a violência não só física, mas moral. Página 4 de 15 Rui Oliveira
  • 5. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno O Corfebol, como qualquer outro desporto, apresenta um conjunto de regras que lhe dá características muito próprias, sendo as que as distinguem de todas as outras modalidades coletivas o facto de que as equipas de Corfebol são obrigatoriamente compostas por atletas de ambos os sexos, não é permitido o contato físico e não se pode progredir de posse da bola em outras palavras, a cooperação e a integração são fundamentais para se jogar e o individualismo e a violência são impossíveis de se concretizar. O Corfebol vem como uma estratégia de trabalho para os professores de Educação Física, permitindo uma igualdade de oportunidades educacionais, através da humanização do desporto, com o fim da discriminação sexual e da violência. FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE CORFEBOL “THE INTERNATIONAL KORFBALL FEDERATION” - IKF The International Korfball Federation (IKF) foi fundada em Antuérpia, na Bélgica no dia 11 de junho de 1933, como sendo uma continuação do “Bureau Internacional de Corfebol” criada em 1924 pelas Associações Holandês e Belga da época. A IKF foi oficialmente reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional em 1993. Tem como seus criadores o Sportaccord , a Associação do COI Reconhecida Federações Desportivas Internacionais e o International World Games Association. A IKF tem como objetivo divulgar o corfebol em todo o mundo. Este federação fornece cerca de 60 países jogadores desta modalidade, atravéz de verbas financeiras, e atravéz de material e apoio estrutural para que cada país possa atinguir os seus objetivos. PAÍSES MEMBROS DO IKF Os países membros da IKF podem ser encontrados em todo o mundo, África, Américas, Ásia, Europa e Oceania. Ao todo são cerca de 59 países: Argentina, Armênia, Aruba, Austrália, Belarus, Bélgica, Bósnia-Herzegovina, Botswana, Brasil, Bulgária, Canadá, Catalunha, China, Taipé Chinês, Croácia, Curacao, Chipre, República Checa, Dinamarca, República Dominicana, Inglaterra, Finlândia, França, Georgia, Alemanha, Grécia, Hong Kong China, Hungria, Índia, Indonésia, Irlanda, Itália, Japão, Coréia, Luxemburgo, Macau China, Malawi, Malásia, Mongólia, Nepal, Holanda, Nova Zelândia, Paquistão, Polônia, Portugal, Roménia, Rússia, Scotland, Sérvia, Singapura, Eslováquia, África do Sul, Suriname, Suécia, Turquia, EUA, País de Gales, Zâmbia. Página 5 de 15 Rui Oliveira
  • 6. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno HISTÓRIA DO CORTEBOL EM PORTUGAL O Corfebol em Portugal surgiu em 1982 num curso realizado em Lamego, sobre “Jogos Populares e Desportivos tradicionais”. Em 1985 foi realizada a primeira ação de formação de Corfebol no ISEF de Lisboa (atualmente Faculdade de Motricidade Humana), orientada pela Federação Internacional de Corfebol (IKF), tendo posteriormente sido criado o primeiro núcleo de Corfebol integrando professores e alunos do ISEF. Em 1986 surgiu o primeiro contacto Internacional com a participação de Portugal num torneio em Tilburg, na Holanda, que coincidiu com um grande desenvolvimento da modalidade. Nasceu a secção de Corfebol do Clube de Futebol Sassoeiros (Cascais) e começaram a ser dados os primeiros passos no sentido da criação do Comité de Promoção do Corfebol (CPCP). Esta organização ficou responsável pela representação da modalidade oficial a nível Internacional e, em 1987, foi aceite pela IKF como membro associado. Nesse mesmo ano a Seleção Nacional a convite da IKF, participou no 3º Campeonato do Mundo, na Holanda, tendo ficado em 9º lugar, entre 12 equipas. Foi a partir dessa data que se registou um maior desenvolvimento da modalidade, quer em termos técnicos quer em termos de associativismo desportivo, com a formação de novas equipas e clubes. Foi possível, então, realizar um maior número de jogos entre equipas nacionais. Em 1988/1989 realizou-se o primeiro campeonato nacional de Corfebol surgindo pela primeira vez a disputa da Taça dos Clubes Campeões Europeus. O primeiro campeonato nacional, englobou duas divisões e houve ainda, a Taça de Portugal. Em janeiro de 1990, Portugal estreou-se no Campeonato da Europa de Sub-23, realizado na Holanda, tendo-se classificado no 4º lugar, entre oito equipas. No ano seguinte Portugal organizou a Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corfebol, sendo a competição mais importante até hoje disputada entre nós. Em março de 1991 foi criada a Federação Portuguesa de Corfebol. Página 6 de 15 Rui Oliveira
  • 7. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CORFEBOL A Federação Portuguesa de Corfebol é uma organização de utilidade pública desportiva “UPD” que lidera a prática de competição e representação nacional da modalidade e é associada da Confederação do Desporto de Portugal e da IFP. A F.P.C. iniciou um percurso recente de renovação dos seus quadros dirigentes com o objetivo de expandir e divulgar a prática da modalidade, projetando-a para níveis superiores de desenvolvimento, assim destacamos:  O papel pedagógico e social, com relevância para as camadas mais jovens, resultante de ser a única modalidade coletiva, mista. Propícia a uma forte sensibilização na luta pela igualdade de género.  A perfeita adequação da modalidade aos programas de Desporto Escolar nomeadamente nos ensinos básicos, secundário e universitário.  A sensibilização das empresas para o Corfebol como alavanca para os seus programas de responsabilidade social estimulando a luta pela igualdade e oportunidade de género, a integração social e o respeito pela interculturalidade. CLUBE DE CARNAXIDE CULTURA E DESPORTOS Equipa A Equipa B A equipa de Corfebol do C.C.C.D. tem obtido grande sucesso e notoriedade no âmbito da alta competição, incluindo a participação em provas internacionais, dirigentes na Federação, árbitros internacionais e a inclusão de atletas do Clube na Seleção Nacional. A secção de Corfebol é formada pelos escalões de Escolas, Sub-16, Juniores e Seniores A e B. O Clube de Carnaxide Cultura e Deporto com grande esforço e dedicação dos seus atletas e técnicos, obtivemos bons êxitos desportivos, sendo de realçar a conquista do Campeonato Nacional de Sub-16, na época 2005/2006 e da Taça de Portugal, na época 2006/2007, pela Equipa A, sagrando-se a Equipa B Campeã Nacional da 2ª Divisão. Página 7 de 15 Rui Oliveira
  • 8. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno NÚCLEO DE CORFEBOL DE BENFICA O Núcleo de Corfebol de Benfica foi criado em 1993/1994, como um núcleo da Escola Secundária José Gomes Ferreira. Este projeto teve como mentor o Prof. Nuno Ferro, que é atualmente o Diretor Técnico. Esta iniciativa teve um sucesso imediato, que culminou com o 1º lugar no Torneio de Desporto Escolar desse ano. No ano de arranque, o NCB também participou no 9º Torneio Internacional organizado pelo ISEF Agon Club. Torneio este, em que o NCB teve a sua primeira experiência internacional ao defrontar duas equipas holandesas. Na época 1999/2000, o NCB afirmou-se a nível interno, ao vencer simultaneamente o Campeonato Nacional e a Taça de Portugal. Em 2004/2005, numa época histórica para o clube e para o Corfebol Nacional, o NCB terminou em 3º lugar na Europa Cup, que é atualmente a melhor classificação obtida por uma equipa nacional nesta competição. Nessa temporada o NCB registou o seu melhor desempenho desportivo de sempre, vencendo o Campeonato Nacional, a Taça de Portugal e a Supertaça. Atualmente, o NCB tem 3 equipas (A, B e C) a participar nos Campeonatos Nacionais de Corfebol e 1 equipa de ex-atletas que participa na Taça de Portugal. CLUBE DE CORFEBOL DE OEIRAS O Clube de Corfebol de Oeiras (C.C.O.) foi criado em 1996, após a extinção do ISEF AGON Clube (ISEF A.C.). Durante cerca de uma década, o ISEF A.C. dominou a competição nacional, conquistando seis Campeonatos Nacionais (em oito possíveis) e quatro Taças de Portugal (em sete possíveis). Herdando do ISEF Página 8 de 15 Rui Oliveira
  • 9. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno A.C. todo o seu património - associados, atletas, material e sobretudo a tradição -, o C.C.O. prosseguiu os hábitos do seu predecessor, conquistando logo no seu primeiro ano de existência (1996/97) os Campeonatos Nacionais das 1ª e 2ª divisões. Mais recentemente voltou a ser Campeão Nacional da 1ª divisão na época de 2002/03, 2005/06, 2007/08 , 2008/09. No seu historial, o C.C.O. conta ainda com a conquista de 5 Taças de Portugal (2007/08 , 2008/09) e 4 Supertaças (2007/08 , 2008/09). Num plano internacional, o C.C.O. esteve presente na fase final da Taça dos Clubes Campeões Europeus em 1998, em Antuérpia, onde obteve o 6º lugar em oito equipas participantes. Em 2003, voltou a participar na fase de apuramento da Taça dos Clubes Campeões Europeus, na Alemanha, não conseguindo, no entanto, ser apurado para a fase final. Em 2007 obteve a 5ª posíção nesta mesma competição na Bélgica, a melhor classificação de sempre. Na época de 2008/09 o CCO conseguiu no Luxemburgo acesso à fase final da competição que se realizou na Bélgica conseguindo um brilhante 3º lugar apenas atrás dos monstros Holanda e Bélgica Atualmente o C.C.O conta com 2 equipas seniores e uma equipa do escalão Sub-21, estando a equipa “A” a participar no Campeonato Nacional da 1ª divisão e a equipa “B” no Campeonato Nacional da 2ª divisão. OUTROS CLUBES EM DESTAQUE A NIVEL NACIONAL Escola Secundária de Carcavelos Grupo Desportivo dos Bons Dias  Cascais Corfebol Clube;  Clube Internacional Futebol;  Grupo Desportivo São João Tojal;  Korfbal Lisboa Project;  Núcleo Corfebol Maristas;  Núcleo Sportinguista de Caneças; Página 9 de 15 Rui Oliveira
  • 10. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno NÚMEROS DO DESPORTO NACIONAL FEDERADO Número sobre equipas:  Clubes de prática: 9  Total de equipas em jogo: 23  Total de atletas: 521  Equipas internacionais nos últimos 3 anos: Sporting Clube de Portugal - Clube de Corfebol de Oeiras - Núcleo de Corfebol de Benfica – Cascais Corfebol Clube Troféus das Seleções nos últimos anos Seniores  4 Lugar no Campeonato do Mundo de 2007  3º Lugar no Torneio das 4 Melhores Nações Europeias 2009  6º Lugar nos Jogos Mundiais 2009  7º Lugar no Campeonato da Europa 2010  7ª Posição no Ranking Mundial no final de 2007 Sub-21  8º Lugar no Campeonato da Europa 2006 Sub 19  4º Lugar no Júnior World Cup 2010 Atletas internacionais – 36 Árbitros internacionais  3 Masculinos  1 Feminino Números do desporto nacional não federado  28.000 Alunos no 2º e 3º ciclo + secundário que praticam Corfebol nas aulas de Educação Física  725 Escolas têm Corfebol inscrito no programa anual de Educação Física. Professores de Educação Física com formação Corfebol  15.000 Com formação básica/inicio  1.500 Com formação avançada através das faculdades ou FPC  Instituto Superior da Maia  Universidade Lusófona – Lisboa  Faculdade de Ciências de Desporto e Educação Física  Faculdade Motricidade Humana - Lisboa Página 10 de 15 Rui Oliveira
  • 11. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno CLASSIFICAÇÕES DA SELEÇÃO SÉNIOR PORTUGUESA Campeonatos do Mundo  3º Campeonato do Mundo - Holanda 1987 - 9º Classificado  4º Campeonato do Mundo - Bélgica 1991 - 6º Classificado  5º Campeonato do Mundo - Índia 1995 - 3º Classificado  6º Campeonato do Mundo - Austrália 1999 - 5º Classificado  7º Campeonato do Mundo – Holanda 2003 - 6º Classificado  8º Campeonato do Mundo – Rep.Checa 2007 - 4 º Classificado Campeonatos da Europa  1º Campeonato da Europa - Portugal 1998 - 3º Classificado  2º Campeonato da Europa – Catalunha 2002 - 6º classificado EQUIPAS EM DESTAQUE Até à presente época, as equipas com mais vitórias são:  no Campeonato Nacional – Isef Agon Clube (6 vezes) e NC Benfica (5 vezes)  na Taça de Portugal – Isef Agon Clube (4 vezes) e GD Bons Dias e NC Benfica (3 vezes)  na Supertaça de Portugal – GD Bons Dias Na época de 2004/2005, a equipa do Núcleo de Corfebol de Benfica escreveu mais uma página na história do Corfebol português ao vencer todas as competições nacionais (Campeonato, Taça e Supertaça) e conquistando o 3º lugar na Taça dos Campeões Europeus, disputada em França. ÁRBITRO EM DESTAQUE Em Portugal existe um dos melhores árbitros do mundo, Jorge Alves. Árbitro internacional, desde 1995, encontra-se no 1º lugar do ranking dos árbitros com mais finais de campeonatos internacionais apitadas. Página 11 de 15 Rui Oliveira
  • 12. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno CORFEBOL PORTUGUÊS NA IMPRENSA PORTUGUESA Fonte: Jornal Record Corfebol: Mundial à vista Seleção na china para competir com os melhores A Seleção Nacional de corfebol vai participar, entre os dias 25 de outubro e 5 de novembro, no Campeonato do Mundo da modalidade, que irá decorrer em Shaoxing, na China. O selecionador nacional, Jorge Ramos, já nomeou os 14 atletas que irão representar o país na competição e não poupa elogios aos seus pupilos: “Este grupo tem uma postura exemplar. Esta modalidade ainda é amadora mas todos eles têm um comportamento profissional, estão sempre empenhados e prontos para treinar- se”, afirmou o técnico. Fonte: Jornal Record http://www.record.xl.pt/Modalidade s/Outras/interior.aspx?content_id=7 16668 Página 12 de 15 Rui Oliveira
  • 13. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno Fonte: Boletim Municipal de Cascais, número II http://issuu.com/cmcascais/docs/c_2d Fonte: Jornal Record Página 13 de 15 Rui Oliveira
  • 14. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno CONCLUSÃO Com algum esforço e dedicação consegui finalmente concluir o trabalho que me foi proposto. Por vezes, foi díficil encontrar informação muito diversificada sobre este tema, pois, em portugal, o corfebol não é um desporto que tenha muita popularidade comparativamente com outros. No entanto, consegui ter um prespectiva geral do corfebol em Portugal e no mundo, contudo foi dificil obter algumas informações para a concretização deste trabalho. Apesar disso queria agradecer à Federação Portuguesa de Corfebol - Serviços de Comunicação & Assessoria de Imprensa: Paula Gomes (Fpc.gs.pg@execadvboard.com) que me disponibilizou alguma informação que se encontra presente neste trabalho. Um muito obrigado. A conclusão principal que tiro após a elaboração deste trabalho é que os desportos coletivos, como é o caso do corfebol, auxiliam a formação e desenvolvimento de conceitos básicos de cidadania, os aspetos afetivos, sociais, cognitivos, culturais e biológicos. Página 14 de 15 Rui Oliveira
  • 15. Escola Básica e Secundária de Artur Gonçalves – Torres Novas Educação Física – 12.ºAno BIBLIOGRAFIA Netgrafia:  http://www.infopedia.pt/$corfebol  http://www.fpcorfebol.pt/  http://www.facebook.com/FPCorfebol  http://pt.wikipedia.org/wiki/Corfebol  http://www.ikf.org/  http://issuu.com/cmcascais/docs/c_2d  http://www.cco.pt.vu/  http://www.ncb.planetaclix.pt/  http://www.clubecarnaxide.com/ Livros:  Movimento - Um Estilo de Vida - 10º, 11º e 12º anos, ASA / Autores: Avelino Azevedo, Lúcia Rêgo, Paula Batista; Agradecimentos:  Federação Portuguesa de Corfebol - Serviços de Comunicação & Assessoria de Imprensa: Paula Gomes - Fpc.gs.pg@execadvboard.com Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico Página 15 de 15 Rui Oliveira