SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Continente Africano
Revisão 8º anos
Professora Christie
Capítulo 13
Raízes do
subdesenvolvimento
africano
Um dos principais motivos do subdesenvolvimento
africano é a forma de ocupação e exploração, que
corresponde à forma de colonização que ocorreu
não somente na África, mas também na América e
Ásia.
A África permaneceu, durante muito tempo,
servindo como ponto de apoio às caravanas
portuguesas que iam em direção à Índia, até esse
momento não existia de forma efetiva a
exploração.
No século XVI, os europeus começaram a capturar
negros africanos com o intuito de vendê-los (como
mercadoria) para o trabalho escravo, eles foram
distribuídos por vários países do mundo, o Brasil foi
o país que mais utilizou mão de obra escrava. A
escravidão perdurou por três séculos.
Subdesenvolvimento Africano e suas raízes
A colonização da África no século
XIX
No século XIX, a Europa já tinha iniciado o
processo de industrialização; como a atividade
exigia grande quantidade de matéria prima, houve
a expansão da exploração na África e na Ásia, mas
houve outro motivo que fez intensificar o
aumento da exploração, foi a descolonização da
América do Norte.
Impulsionados pelo crescimento industrial, os
países que tinham iniciado sua estruturação
promoveram um encontro para definir a divisão
do continente africano e estabelecer quais áreas
seriam exploradas, essa foi denominada de
Conferência de Berlim, na qual participaram:
Inglaterra, França, Bélgica, Holanda, entre outros.
Nesse mesmo período aconteceram várias
expedições ditas ‘científicas’ na África, mas na
verdade a intenção primordial era a de detectar e
conhecer os recursos minerais existentes.
A Conferência de Berlim
A Conferência de Berlim estabeleceu a partilha e provocou uma
desestruturação nas sociedades africanas, com isso surgiram inúmeros
problemas: os europeus, na partilha, mudaram as fronteiras nativas
e incitaram a rivalidades étnicas, pois quando as fronteiras foram
estabelecidas, em razão da diversidade cultural, muitos grupos rivais ficaram
juntos e outros se separaram; houve uma mudança produtiva, pois deixaram
o cultivo de subsistência para atender aos interesses europeus, esses
introduziram a monocultura e a extração mineral. Em todo esse processo, os
europeus não tiveram respeito com os africanos, pois não levaram em conta
a identidade cultural do povo.
As resistências e a dominação cultural
• Com a presença dos europeus, que impuseram sua cultura,
alguns grupos se rebelaram e se confrontaram. Como os africanos
não tinham armas, foram facilmente derrotados, até porque os
europeus possuíam experiência em guerras.
• As imposições culturais foram no sentido de fazê-los vestir
roupas, já que alguns grupos tribais não tinham esse costume,
mudança de hábitos alimentares, mudança da língua e religião
(introduzindo o catolicismo), mudança produtiva, enfim, houve a
perda da identidade cultural, essa dominação ocorreu até a
metade do século XX.
Até no início do século XX, somente a Libéria era
independente, em 1920, o Egito; em 1940, Etiópia e a África
do Sul.
• Embora tenha ocorrido a descolonização, o processo de
estruturação da África enfrenta vários problemas, tais
como dificuldades internas que remetem às questões
políticas, as lutas tribais, que são heranças da partilha; os
governos ditatoriais, que muitas vezes são
extremamente corruptos, a dependência financeira e o
neocolonialismo
O processo de descolonização
Capítulo 14
Apropriação do
espaço geográfico
na África
A economia da maioria dos
países africanos é baseada no
desenvolvimento de atividades
primárias, e o grande volume da
produção destina-se à
comercialização e principalmente
à exportação.
As atividades primárias que mais
se destacam são a agricultura
(monocultora de produtos
tropicais), introduzida durante a
colonização por meio do sistema
de plantation e as atividades
extrativas mineral e vegetal.
É nas atividades primárias que está empregada a maior parte da
população economicamente ativa (PEA) desses países, com
algumas exceções, como nos casos da África do Sul, Argélia,
Egito e Tunísia. A atividade industrial é bem pouco difundida,
sendo a África o continente com o menor índice de
industrialização no mundo.
Pecuária
Extrativismo vegetal
Agricultura Comercial
A agricultura na África Islâmica - de forma tradicional, com
recursos técnicos básicos e de baixa produtividade.
A maioria dos camponeses dessa região se dedicam à
atividades pecuárias ( de ovinos e caprinos)
Na África Subsaariana - grandes lavouras monocultoras
cultivadas em terras com maior fertilidade.
As atividades agropecuárias são praticadas de maneiras
distintas na África Islâmica e na África Subsaariana.
Mesmo com a presença do maior deserto do
mundo, o Saara com cerca de 10.000.000km²
e também de muitas áreas de clima
semiárido, na África Islâmica são
desenvolvidos importantes cultivos agrícolas,
principalmente nas regiões litorâneas da
Argélia, Tunísia e Líbia, e nas áreas de solos
férteis na margem do Rio Nilo, no Egito.
Rio Nilo - Egito
• Na África Subsaariana são cultivadas: café, cana-de-açúcar,
amendoim algodão, chá, banana, abacaxi e cacau. Assim essa
região destaca-se como grande produtora e exportadora
mundial desses produtos.
• As condições climáticas limitam o desenvolvimento das
atividades agropecuárias em diversas regiões do continente
africano.
• No Saara o desenvolvimento da agropecuária de subsistência
restringe-se aos oásis espalhados na imensidão do deserto.
Os oásis são utilizador para irrigar
as áreas em sua volta permitindo
a produção de frutas, cereais,
hortaliças e pequenas criações de
animais.
Na África Islâmica, existem vários
oásis importantes para a
população que vive em meio do
Saara. Oásis no Saara - Argélia
Por que muitos países africanos
têm que importar alimentos?
• A agricultura de subsistência, ou para o consumo próprio, se
caracteriza pelo uso de instrumentos e técnicas rudimentares
e tem baixo rendimento.
• O lavrador faz a queimada para limpar o terreno e,
posteriormente, com a enxada, tira os torrões de terra e faz a
semeadura, utilizando as próprias cinzas, ricas em potássio,
como fertilizante.
• O uso constante de queimadas prejudica o solo, obrigando o
agricultor a se deslocar para outras áreas, onde reproduz o
mesmo sistema de cultivo. O fogo ateado às matas destrói os
microrganismos do solo e transforma troncos e folhas em
cinzas, impedindo a formação da matéria orgânica
fundamental à manutenção da fertilidade do solo.
Desertificação do Sahel
• Nas últimas décadas, a região do Sahel tem sido afetada pelo avanço
da desertificação, processo que se inicia com a degradação das terras e leva solos
produtivos a se tornarem completamente estéreis, semelhantes aos desertos.
As principais causas dessa desertificação são:
• Desmatamento – cortes das árvores para lenha, cercas e quebra ventos;
• Criação de gado (pisoteio do gado destrói a vegetação e deixa o solo mais
exposto, além de se alimentarem de galhos mais baixos e gramíneas);
• Construção excessiva de poços artesianos
que exauri os lençóis freáticos.
Poço artesanal no Senegal
Uma estrutura fundiária desigual
• Na África Subsaariana, convive, lado a lado, uma agricultura monocultora
comercial, desenvolvida em grandes propriedades rurais, e uma
agricultura de subsistência, realizada por comunidades que exploram a
terra de forma coletiva.
• Nas comunidades nativas os agricultores são pobres e eles não recebem
assistência do governo. A tecnologia é rústica e a produtividade é baixa. Já
nas propriedades dos brancos, os recursos empregados são mais
avançados (mecanização agrícola, sementes selecionadas, melhoramento
genético)
A fome na África
Causas naturais
A África passa por uma crise de pobreza e fome, onde que um
das principais causas é a causa naturais que inclui a seca, clima,
terremotos, inundações, pragas de insetos, falta de chuva e
água, falta de semente e muitas outras causas que já deixaram
muitos mortos.
Causas humanas
Citamos acima algumas causa da pobreza na África, porém a
pior delas é a causa humanas que inclui conflitos civis, guerras
que impedem a chegada de alimentos nas regiões, invasões,
destruição de colheitas, distribuição ineficientes dos alimentos
e muito mais.
E a monocultura, qual a sua relação
com a fome?
A produção monocultora produz reflexos sociais negativos, isso
acontece porque o cultivo de alimentos (inhame, mandioca,
sorgo), que fazem parte da dieta local, não é produzido para dar
lugar a produtos de exportação. Por não serem autossuficientes
na produção de alimentos, esses países são obrigados a importar,
o que agrava ainda mais os problemas ligados à fome.
África – Mineração
 A abundância de jazidas minerais foi um dos
aspectos naturais da África que mais atraíram os
colonizadores europeus, os quais necessitavam
cada vez mais de matérias-primas para abastecer a
crescente industrialização de seus países.
• A maior parte do território africano é constituído
de terrenos geologicamente muito antigos (Pré-
Cambriano) e portanto bastante desgastados pela
ação erosiva. Assim há um afloramento de rochas
e minerais.
Atualmente, apenas cinco países africanos exploram jazidas
de diamante em seus territórios, produzindo cerca de 45% do
total mundial desse mineral. Na Namíbia, no sudoeste da
África, a exploração de diamantes e outros minérios, como o
urânio, o chumbo e o cádmio gera grande parte do PIB. A
mineração é realizada, sobretudo, por empresas europeias,
norte-americanas e sul-africanas.
Mina em Botsuana no
sul da África.
As minas de diamantes
são exploradas desde
seu descobrimento.
Rede de Transportes
O sistema de transportes é bastante precário e constitui um entrave ao
desenvolvimento industrial africano. Implantado pelos colonizadores,
tinha como principal finalidade possibilitar o escoamento de matérias-
primas e gêneros agrícolas para os portos marítimos, de onde os
produtos seguiam para as metrópoles. Por isso, hoje a África ressente-se
da falta de uma rede rodoviária e ferroviária que interligue eficazmente
suas regiões.
Capítulo 15
Indústria urbanização
e movimentos
populacionais na África
Industrialização na África
• A indústria africana é uma das mais
pobres do mundo.
• O setor que mais se destaca é o ligado à
mineração. Mesmo a grande variedade
de matérias-primas, sobretudo minerais,
que poderia ser utilizada para promover
a indústria africana, é destinada
basicamente ao mercado externo.
Atuando nesse panorama, as modestas indústrias africanas dedicam-
se, em geral, ao beneficiamento de matérias-primas, como
madeiras, óleos comestíveis, açúcar e algodão, ou ao
beneficiamento de minérios para exportação. As poucas cidades que
apresentam algumas indústrias estão quase sempre no litoral.
O sistema de transportes, bastante precário, constitui um entrave ao
desenvolvimento industrial. A África ainda não possui uma rede
rodoviária e ferroviária que interligue eficazmente suas regiões.
O setor industrial é muito limitado. Faltam capitais,
tecnologia, mão-de-obra especializada, uma melhor rede de
transportes e mercado consumidor pois o nível de renda da
população é muito baixo. A maior parte dos países africanos
é dependente da importação de produtos industrializados.
Fatores que provocam deficiências no setor industrial:
falta de interesse por parte dos empresários locais e das
multinacionais em investir na implantação de indústrias;
reduzido desenvolvimento tecnológico;
falta de mão-de-obra qualificada;
rede de transportes precária;
mercado consumidor restrito (com baixo poder
aquisitivo).
Economiasdependentes,populaçõesdebilitadas.
• Na década de 1960, muitas nações africanas tornaram-se
independentes. Empréstimos foram concedidos a juros baixos para
serem empregados na construção de estradas, ferrovias, usinas
elétricas, aeroportos, hospitais, escolas, entre outros.
• A maior parte dos empréstimos cedidos por bancos americanos e
europeus foram desviados para fins militares, como a compra de
armamentos, ou para enriquecer membros corruptos do poder
público.
• Os juros desses empréstimos multiplicaram fazendo disparar o valor
da dívida externa dos países.
• O pagamento da dívida tem comprometido grande parte do PIB de
vários países africanos, limitando a capacidade de investir em
setores (saúde e a educação para população.
• Foi construída apenas uma infraestrutura mínima na maioria dos
países africanos, que passou a atender indústrias e empresas
agrícolas multinacionais.
A baixa qualidade de vida dos africanos é proveniente de diversos
fatores. É possível apontar como os principais: a dívida externa e a
corrupção.
A dívida externa consome grande parte da receita das nações,
além disso, existe ainda o desvio de verbas, de recursos que
deveriam ser investidos em serviços sociais básicos (moradia,
saúde, educação, entre outros); por isso, grande parte da
população africana não desfruta de políticas assistencialistas.
Assim, a qualidade dos serviços públicos é precária, o que resulta
no pior IDH do mundo.
A África é o continente que apresenta a maior taxa de
crescimento vegetativo do mundo, cerca de 2% ao ano, fato que
agrava ainda mais os problemas sociais existentes (epidemia de
doenças, fome, desemprego, e muitos outros). Se o
crescimento populacional africano continuar nesse ritmo, no
ano de 2020 a população absoluta do continente será de
aproximadamente 1,3 bilhão de habitantes.
Apesar de apresentar taxas de mortalidade elevadas em
todas as faixas etárias, as taxas de natalidade são altas, em
média, 3,7% ao ano.
A expectativa de vida é muito baixa, geralmente um
africano não vive mais que 49 anos. Desequilíbrio que afeta
diretamente a população economicamente ativa, pois a
quantidade de trabalhadores não é suficiente para manter
os jovens que ainda não ingressaram no mercado de
trabalho.
Êxodo rural e urbanização na África
• Causas ligadas ao êxodo rural:
empobrecimento dos solos;
apropriação de áreas agrícolas e
pastoris coletivas por propriedades
monocultoras;
intensos conflitos políticos e étnicos
Geralmente as taxas de urbanização são muito elevadas nos
países de maior desenvolvimento industrial. Porém, em países
predominantemente agrários a população urbana vem
crescendo.
Desigualdadesno espaçourbano africano
Mesmo após o processo de descolonização da África, vários
centros urbanos continuaram apresentando o espaço
dividido racialmente. O exemplo mais conhecido foi o
Apartheid.
No continente africano existe falta de condições em diversas
áreas. Nomeadamente na área de saúde e de acessos, a vias
e comunicações. Mas também têm falta de condições no que
diz respeito ao comércio, educação, alimentação, que
envolve a produção agrícola e o clima que são fatores
negativos pois contribuem para que continue a haver fome
em África.
Grandes fluxos migratórios
• Século XV e XVI – africanos para América – Escravos.
• Após século XIX – migrações internas em função da introdução
das atividades de mineração e plantation.
• Recentemente – êxodo rural. Também tem migração de uma
área rural para outra.
Causas das migrações internas.
Além dos fatores da migração interna, há outros
fatores que têm causadoas migraçõesexternas:
• Crises econômicas
• Governos Ditatoriais
Consequências:
• Perda da PEA
• Abandono de aldeias
8º ano trimestral
8º ano trimestral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Africa aspectos fisicos
Africa aspectos fisicosAfrica aspectos fisicos
Africa aspectos fisicos
Professor
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
Marco Santos
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
moajr2
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 
O continente americano localização
O continente americano   localizaçãoO continente americano   localização
O continente americano localização
Luciano Pessanha
 

Mais procurados (20)

Localização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da ÁsiaLocalização, demografia e regionalização da Ásia
Localização, demografia e regionalização da Ásia
 
População da Europa
População da EuropaPopulação da Europa
População da Europa
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Modulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africanaModulo 04 - A economìa africana
Modulo 04 - A economìa africana
 
A regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundialA regionalização do espaço geográfico mundial
A regionalização do espaço geográfico mundial
 
Africa aspectos fisicos
Africa aspectos fisicosAfrica aspectos fisicos
Africa aspectos fisicos
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Regionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundialRegionalização do espaço geográfico mundial
Regionalização do espaço geográfico mundial
 
Antartida
AntartidaAntartida
Antartida
 
Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Geografia da América do Sul
Geografia da América do SulGeografia da América do Sul
Geografia da América do Sul
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Cartografia completa
Cartografia completaCartografia completa
Cartografia completa
 
Região nordeste 7º ano
Região nordeste  7º anoRegião nordeste  7º ano
Região nordeste 7º ano
 
O continente americano localização
O continente americano   localizaçãoO continente americano   localização
O continente americano localização
 

Semelhante a 8º ano trimestral

Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociaisCaps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
profacacio
 
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoesTrabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
Thaina Jacome
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
trabalho de geografia
trabalho de geografia trabalho de geografia
trabalho de geografia
Gabriel Luis
 

Semelhante a 8º ano trimestral (20)

Africa - 5ª Série.ppt
Africa - 5ª Série.pptAfrica - 5ª Série.ppt
Africa - 5ª Série.ppt
 
Unidade 9 8º ano
Unidade 9   8º anoUnidade 9   8º ano
Unidade 9 8º ano
 
Africa
AfricaAfrica
Africa
 
ApresentaçãO Africa
ApresentaçãO AfricaApresentaçãO Africa
ApresentaçãO Africa
 
Aula 22 áfrica - quadro econômico e político
Aula 22   áfrica - quadro econômico e políticoAula 22   áfrica - quadro econômico e político
Aula 22 áfrica - quadro econômico e político
 
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociaisCaps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
Caps. 7 e 8 - ÁFrica: aspectos naturais, econômicos e sociais
 
Agropecuaria no brasil
Agropecuaria no brasilAgropecuaria no brasil
Agropecuaria no brasil
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
 
Continente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e históricoContinente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e histórico
 
Unidade 8 8º ano
Unidade 8   8º anoUnidade 8   8º ano
Unidade 8 8º ano
 
Trabalho geo
Trabalho geoTrabalho geo
Trabalho geo
 
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoesTrabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
Trabalho geografia 2013 TJ e BF produçoes
 
Geo49
Geo49Geo49
Geo49
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
 
A
AA
A
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
áFrica socioeconômico
áFrica socioeconômicoáFrica socioeconômico
áFrica socioeconômico
 
trabalho de geografia
trabalho de geografia trabalho de geografia
trabalho de geografia
 

Mais de Christie Freitas

Mais de Christie Freitas (20)

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
6ano unidade3
6ano unidade36ano unidade3
6ano unidade3
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto anoUnidade 8 sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 

Último

Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

8º ano trimestral

  • 1. Continente Africano Revisão 8º anos Professora Christie
  • 3. Um dos principais motivos do subdesenvolvimento africano é a forma de ocupação e exploração, que corresponde à forma de colonização que ocorreu não somente na África, mas também na América e Ásia. A África permaneceu, durante muito tempo, servindo como ponto de apoio às caravanas portuguesas que iam em direção à Índia, até esse momento não existia de forma efetiva a exploração. No século XVI, os europeus começaram a capturar negros africanos com o intuito de vendê-los (como mercadoria) para o trabalho escravo, eles foram distribuídos por vários países do mundo, o Brasil foi o país que mais utilizou mão de obra escrava. A escravidão perdurou por três séculos. Subdesenvolvimento Africano e suas raízes
  • 4.
  • 5. A colonização da África no século XIX No século XIX, a Europa já tinha iniciado o processo de industrialização; como a atividade exigia grande quantidade de matéria prima, houve a expansão da exploração na África e na Ásia, mas houve outro motivo que fez intensificar o aumento da exploração, foi a descolonização da América do Norte. Impulsionados pelo crescimento industrial, os países que tinham iniciado sua estruturação promoveram um encontro para definir a divisão do continente africano e estabelecer quais áreas seriam exploradas, essa foi denominada de Conferência de Berlim, na qual participaram: Inglaterra, França, Bélgica, Holanda, entre outros. Nesse mesmo período aconteceram várias expedições ditas ‘científicas’ na África, mas na verdade a intenção primordial era a de detectar e conhecer os recursos minerais existentes.
  • 6. A Conferência de Berlim A Conferência de Berlim estabeleceu a partilha e provocou uma desestruturação nas sociedades africanas, com isso surgiram inúmeros problemas: os europeus, na partilha, mudaram as fronteiras nativas e incitaram a rivalidades étnicas, pois quando as fronteiras foram estabelecidas, em razão da diversidade cultural, muitos grupos rivais ficaram juntos e outros se separaram; houve uma mudança produtiva, pois deixaram o cultivo de subsistência para atender aos interesses europeus, esses introduziram a monocultura e a extração mineral. Em todo esse processo, os europeus não tiveram respeito com os africanos, pois não levaram em conta a identidade cultural do povo.
  • 7. As resistências e a dominação cultural • Com a presença dos europeus, que impuseram sua cultura, alguns grupos se rebelaram e se confrontaram. Como os africanos não tinham armas, foram facilmente derrotados, até porque os europeus possuíam experiência em guerras. • As imposições culturais foram no sentido de fazê-los vestir roupas, já que alguns grupos tribais não tinham esse costume, mudança de hábitos alimentares, mudança da língua e religião (introduzindo o catolicismo), mudança produtiva, enfim, houve a perda da identidade cultural, essa dominação ocorreu até a metade do século XX.
  • 8. Até no início do século XX, somente a Libéria era independente, em 1920, o Egito; em 1940, Etiópia e a África do Sul. • Embora tenha ocorrido a descolonização, o processo de estruturação da África enfrenta vários problemas, tais como dificuldades internas que remetem às questões políticas, as lutas tribais, que são heranças da partilha; os governos ditatoriais, que muitas vezes são extremamente corruptos, a dependência financeira e o neocolonialismo O processo de descolonização
  • 9. Capítulo 14 Apropriação do espaço geográfico na África
  • 10. A economia da maioria dos países africanos é baseada no desenvolvimento de atividades primárias, e o grande volume da produção destina-se à comercialização e principalmente à exportação. As atividades primárias que mais se destacam são a agricultura (monocultora de produtos tropicais), introduzida durante a colonização por meio do sistema de plantation e as atividades extrativas mineral e vegetal. É nas atividades primárias que está empregada a maior parte da população economicamente ativa (PEA) desses países, com algumas exceções, como nos casos da África do Sul, Argélia, Egito e Tunísia. A atividade industrial é bem pouco difundida, sendo a África o continente com o menor índice de industrialização no mundo.
  • 12. A agricultura na África Islâmica - de forma tradicional, com recursos técnicos básicos e de baixa produtividade. A maioria dos camponeses dessa região se dedicam à atividades pecuárias ( de ovinos e caprinos) Na África Subsaariana - grandes lavouras monocultoras cultivadas em terras com maior fertilidade. As atividades agropecuárias são praticadas de maneiras distintas na África Islâmica e na África Subsaariana.
  • 13. Mesmo com a presença do maior deserto do mundo, o Saara com cerca de 10.000.000km² e também de muitas áreas de clima semiárido, na África Islâmica são desenvolvidos importantes cultivos agrícolas, principalmente nas regiões litorâneas da Argélia, Tunísia e Líbia, e nas áreas de solos férteis na margem do Rio Nilo, no Egito. Rio Nilo - Egito
  • 14. • Na África Subsaariana são cultivadas: café, cana-de-açúcar, amendoim algodão, chá, banana, abacaxi e cacau. Assim essa região destaca-se como grande produtora e exportadora mundial desses produtos. • As condições climáticas limitam o desenvolvimento das atividades agropecuárias em diversas regiões do continente africano. • No Saara o desenvolvimento da agropecuária de subsistência restringe-se aos oásis espalhados na imensidão do deserto. Os oásis são utilizador para irrigar as áreas em sua volta permitindo a produção de frutas, cereais, hortaliças e pequenas criações de animais. Na África Islâmica, existem vários oásis importantes para a população que vive em meio do Saara. Oásis no Saara - Argélia
  • 15. Por que muitos países africanos têm que importar alimentos? • A agricultura de subsistência, ou para o consumo próprio, se caracteriza pelo uso de instrumentos e técnicas rudimentares e tem baixo rendimento. • O lavrador faz a queimada para limpar o terreno e, posteriormente, com a enxada, tira os torrões de terra e faz a semeadura, utilizando as próprias cinzas, ricas em potássio, como fertilizante. • O uso constante de queimadas prejudica o solo, obrigando o agricultor a se deslocar para outras áreas, onde reproduz o mesmo sistema de cultivo. O fogo ateado às matas destrói os microrganismos do solo e transforma troncos e folhas em cinzas, impedindo a formação da matéria orgânica fundamental à manutenção da fertilidade do solo.
  • 16.
  • 17. Desertificação do Sahel • Nas últimas décadas, a região do Sahel tem sido afetada pelo avanço da desertificação, processo que se inicia com a degradação das terras e leva solos produtivos a se tornarem completamente estéreis, semelhantes aos desertos. As principais causas dessa desertificação são: • Desmatamento – cortes das árvores para lenha, cercas e quebra ventos; • Criação de gado (pisoteio do gado destrói a vegetação e deixa o solo mais exposto, além de se alimentarem de galhos mais baixos e gramíneas); • Construção excessiva de poços artesianos que exauri os lençóis freáticos. Poço artesanal no Senegal
  • 18. Uma estrutura fundiária desigual • Na África Subsaariana, convive, lado a lado, uma agricultura monocultora comercial, desenvolvida em grandes propriedades rurais, e uma agricultura de subsistência, realizada por comunidades que exploram a terra de forma coletiva. • Nas comunidades nativas os agricultores são pobres e eles não recebem assistência do governo. A tecnologia é rústica e a produtividade é baixa. Já nas propriedades dos brancos, os recursos empregados são mais avançados (mecanização agrícola, sementes selecionadas, melhoramento genético)
  • 19. A fome na África Causas naturais A África passa por uma crise de pobreza e fome, onde que um das principais causas é a causa naturais que inclui a seca, clima, terremotos, inundações, pragas de insetos, falta de chuva e água, falta de semente e muitas outras causas que já deixaram muitos mortos.
  • 20. Causas humanas Citamos acima algumas causa da pobreza na África, porém a pior delas é a causa humanas que inclui conflitos civis, guerras que impedem a chegada de alimentos nas regiões, invasões, destruição de colheitas, distribuição ineficientes dos alimentos e muito mais.
  • 21. E a monocultura, qual a sua relação com a fome? A produção monocultora produz reflexos sociais negativos, isso acontece porque o cultivo de alimentos (inhame, mandioca, sorgo), que fazem parte da dieta local, não é produzido para dar lugar a produtos de exportação. Por não serem autossuficientes na produção de alimentos, esses países são obrigados a importar, o que agrava ainda mais os problemas ligados à fome.
  • 22. África – Mineração  A abundância de jazidas minerais foi um dos aspectos naturais da África que mais atraíram os colonizadores europeus, os quais necessitavam cada vez mais de matérias-primas para abastecer a crescente industrialização de seus países. • A maior parte do território africano é constituído de terrenos geologicamente muito antigos (Pré- Cambriano) e portanto bastante desgastados pela ação erosiva. Assim há um afloramento de rochas e minerais.
  • 23. Atualmente, apenas cinco países africanos exploram jazidas de diamante em seus territórios, produzindo cerca de 45% do total mundial desse mineral. Na Namíbia, no sudoeste da África, a exploração de diamantes e outros minérios, como o urânio, o chumbo e o cádmio gera grande parte do PIB. A mineração é realizada, sobretudo, por empresas europeias, norte-americanas e sul-africanas. Mina em Botsuana no sul da África. As minas de diamantes são exploradas desde seu descobrimento.
  • 24. Rede de Transportes O sistema de transportes é bastante precário e constitui um entrave ao desenvolvimento industrial africano. Implantado pelos colonizadores, tinha como principal finalidade possibilitar o escoamento de matérias- primas e gêneros agrícolas para os portos marítimos, de onde os produtos seguiam para as metrópoles. Por isso, hoje a África ressente-se da falta de uma rede rodoviária e ferroviária que interligue eficazmente suas regiões.
  • 25. Capítulo 15 Indústria urbanização e movimentos populacionais na África
  • 26. Industrialização na África • A indústria africana é uma das mais pobres do mundo. • O setor que mais se destaca é o ligado à mineração. Mesmo a grande variedade de matérias-primas, sobretudo minerais, que poderia ser utilizada para promover a indústria africana, é destinada basicamente ao mercado externo. Atuando nesse panorama, as modestas indústrias africanas dedicam- se, em geral, ao beneficiamento de matérias-primas, como madeiras, óleos comestíveis, açúcar e algodão, ou ao beneficiamento de minérios para exportação. As poucas cidades que apresentam algumas indústrias estão quase sempre no litoral. O sistema de transportes, bastante precário, constitui um entrave ao desenvolvimento industrial. A África ainda não possui uma rede rodoviária e ferroviária que interligue eficazmente suas regiões.
  • 27. O setor industrial é muito limitado. Faltam capitais, tecnologia, mão-de-obra especializada, uma melhor rede de transportes e mercado consumidor pois o nível de renda da população é muito baixo. A maior parte dos países africanos é dependente da importação de produtos industrializados. Fatores que provocam deficiências no setor industrial: falta de interesse por parte dos empresários locais e das multinacionais em investir na implantação de indústrias; reduzido desenvolvimento tecnológico; falta de mão-de-obra qualificada; rede de transportes precária; mercado consumidor restrito (com baixo poder aquisitivo).
  • 28. Economiasdependentes,populaçõesdebilitadas. • Na década de 1960, muitas nações africanas tornaram-se independentes. Empréstimos foram concedidos a juros baixos para serem empregados na construção de estradas, ferrovias, usinas elétricas, aeroportos, hospitais, escolas, entre outros. • A maior parte dos empréstimos cedidos por bancos americanos e europeus foram desviados para fins militares, como a compra de armamentos, ou para enriquecer membros corruptos do poder público. • Os juros desses empréstimos multiplicaram fazendo disparar o valor da dívida externa dos países. • O pagamento da dívida tem comprometido grande parte do PIB de vários países africanos, limitando a capacidade de investir em setores (saúde e a educação para população. • Foi construída apenas uma infraestrutura mínima na maioria dos países africanos, que passou a atender indústrias e empresas agrícolas multinacionais.
  • 29.
  • 30. A baixa qualidade de vida dos africanos é proveniente de diversos fatores. É possível apontar como os principais: a dívida externa e a corrupção. A dívida externa consome grande parte da receita das nações, além disso, existe ainda o desvio de verbas, de recursos que deveriam ser investidos em serviços sociais básicos (moradia, saúde, educação, entre outros); por isso, grande parte da população africana não desfruta de políticas assistencialistas. Assim, a qualidade dos serviços públicos é precária, o que resulta no pior IDH do mundo.
  • 31. A África é o continente que apresenta a maior taxa de crescimento vegetativo do mundo, cerca de 2% ao ano, fato que agrava ainda mais os problemas sociais existentes (epidemia de doenças, fome, desemprego, e muitos outros). Se o crescimento populacional africano continuar nesse ritmo, no ano de 2020 a população absoluta do continente será de aproximadamente 1,3 bilhão de habitantes.
  • 32. Apesar de apresentar taxas de mortalidade elevadas em todas as faixas etárias, as taxas de natalidade são altas, em média, 3,7% ao ano. A expectativa de vida é muito baixa, geralmente um africano não vive mais que 49 anos. Desequilíbrio que afeta diretamente a população economicamente ativa, pois a quantidade de trabalhadores não é suficiente para manter os jovens que ainda não ingressaram no mercado de trabalho.
  • 33. Êxodo rural e urbanização na África • Causas ligadas ao êxodo rural: empobrecimento dos solos; apropriação de áreas agrícolas e pastoris coletivas por propriedades monocultoras; intensos conflitos políticos e étnicos Geralmente as taxas de urbanização são muito elevadas nos países de maior desenvolvimento industrial. Porém, em países predominantemente agrários a população urbana vem crescendo.
  • 34.
  • 35. Desigualdadesno espaçourbano africano Mesmo após o processo de descolonização da África, vários centros urbanos continuaram apresentando o espaço dividido racialmente. O exemplo mais conhecido foi o Apartheid.
  • 36. No continente africano existe falta de condições em diversas áreas. Nomeadamente na área de saúde e de acessos, a vias e comunicações. Mas também têm falta de condições no que diz respeito ao comércio, educação, alimentação, que envolve a produção agrícola e o clima que são fatores negativos pois contribuem para que continue a haver fome em África.
  • 37.
  • 38. Grandes fluxos migratórios • Século XV e XVI – africanos para América – Escravos. • Após século XIX – migrações internas em função da introdução das atividades de mineração e plantation. • Recentemente – êxodo rural. Também tem migração de uma área rural para outra.
  • 40.
  • 41. Além dos fatores da migração interna, há outros fatores que têm causadoas migraçõesexternas: • Crises econômicas • Governos Ditatoriais Consequências: • Perda da PEA • Abandono de aldeias