SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL HENRIQUE
   EUFRÁSIO DE SANTANA
        Rua 31 de março, s/n , Centro
                 PUREZA/RN




RELATÓRIO DE FUNCIONALIDADE DO
   LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS
         DA NATUREZA




 AUTOR: JONAS FLORIPE GINANI FILHO
            RESPONSÁVEL PELO LABORATÓRIO E
            PROFESSOR DE FÍSICA E MATEMÁTICA




       PUREZA/RN, 22 DE JULHO DE 2010
SUMÁRIO:




1. INTRODUÇÃO


2. ORGANIZAÇÃO


3. EQUIPAMENTOS


4. RECURSOS FINANCEIROS


5. RECURSOS HUMANOS


6. ENSINO


7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
1. INTRODUÇÃO:

   O presente relatório corresponde às ações desenvolvidas no corrente ano, já que em
anos anteriores o laboratório não estava montado e, portanto, não funcionava. Do
material que foi destinado à escola pelo antigo Projeto Alvorada, 60 a 70% não mais
existe ( valores estimados por comparação com outros laboratórios ). A sala funcionava
como depósito e uma das bancadas de granito foi quebrada, restando-lhe apenas a parte
que possui a pia e torneira. Após a transferência para esta escola, iniciei a desocupação,
limpeza e arrumação da sala em 02 de janeiro. Foi preciso fazer recuperação de
instalação elétrica, trocar lâmpadas florescentes e recuperar alguns equipamentos como
destilador, microscópios, painéis sobre os sistemas orgânicos. Foi preciso também
colocar fechadura na porta de entrada, pois ela estava sem chave.
   A vidraria passou por uma lavagem geral, também realizada por mim, já que havia
vidraria com restos de produtos químicos utilizados em anos anteriores, sem
identificação, o que poderia causar acidentes em leigos. Infelizmente retiravam os
reagentes e vidraria para fazer experimentos e os abandonavam em qualquer lugar
inclusive no chão. Uma temeridade.
   O material existente foi organizado dentro de armários de Física I, II e III; o de
Química com reagentes; o de Vidraria e o de Biologia.
   Utilizando material recuperado do lixo e outros adquiridos com recursos próprios
deste relator e responsável, foi possível montar um grande número de experimentos
capazes de enriquecer as aulas de Física, Química e Biologia.
   O laboratório se encontra preparado para as práticas das disciplinas de Ciências da
Natureza, mas os professores não conseguem ver neste, algo muito positivo, pois não
tem funcionários para preparar os experimentos e lavá-los após a prática.
   Com relação à disciplina de Física que ministro nesta escola, os alunos participam de
práticas e elaboram relatórios sobre os experimentos realizados, além disso, ministrei
um curso de aprofundamento e uso do laboratório para alguns alunos (09) com o intuito
de que, pelo menos eles, possam mostrar como utilizar os equipamentos e sua
explicação básica. Além disso, o laboratório serviu de base para a preparação de alguns
alunos para a Olimpíada de Saúde e Meio Ambiente e a de Astronomia e Astronáutica.


   2. ORGANIZAÇÃO:
    O Laboratório de Ciências da Natureza está organizado de forma a servir às
disciplinas de Física, Química e Biologia com vários experimentos de fácil montagem e
utilização. Os equipamentos estão distribuídos em armários devidamente identificados e
o de reagentes têm os produtos separados respeitando, dentro do possível, as
especificidades de cada um. Para compensar a perda de parte de uma das bancadas, foi
colocada uma mesa de desenho com cadeiras giratórias. Para os professores da área e
para o responsável foi colocada uma mesa com duas cadeiras giratórias além de uma
prateleira para colocar os livros didáticos e outros materiais de consulta. Também foi
improvisado um carrinho para experimentos, como apoio para guardar material de
expediente e documentos do laboratório. Como a escola não dispunha de uma estante de
aço disponível foi improvisado também, uma mesa de desenho para receber os vidros
com espécimes formalizados. Na bancada do fundo do laboratório foi colocado a estufa,
destilador e microscópio com câmara de vídeo. Ao lado foi colocada uma mesa
comprida para receber outros dois microscópios monoculares e a televisão de 20
polegadas ligada ao microscópio binocular com câmera. Em cada bancada e na mesa do
responsável, cestos de lixo. Para aproveitar a presença dos alunos no laboratório, foram
fixados cartazes ilustrando alguns assuntos importantes como alerta contra drogas e
frases e fotos de cientistas importantes entre outros.
3. EQUIPAMENTOS:

a) FÍSICA:


 i. MECÂNICA:


             Lei da inércia:                      Foguete:




                      Torre de Pisa ( Centro de gravidade):




                 Passarinho amigo ( Centro de gravidade):




       Cone ( Centro de gravidade ):         Dinamômetros:
Conjunto de roldanas:    Itens para composição com
                                    roldanas:




    Jogo de esferas:           Conjunto de molas:




Lançamentos horizontais:   Composição de forças:
Movimento uniforme:          Lançamento vertical:




   Time digital:                   Vai-vem:




   Montanha russa:               Plano inclinado:




                     Túnel de vento:
Colisões:




ii. HIDROSTÁTICA:

                    Submarino:                  Fonte de Heron:




                Tornado:                     Elevador hidráulico:




                            Bomba de aquário:
iii. TERMOLOGIA:

                              Dilatação do ar:




                                 Termômetros:




           Termômetro de Galileu:                Calorímetro:




                   Ignitor:                  Produção de nevoeiro:
Condutômetro térmico:




iv. ONDULATÓRIA:


                           Pêndulos:




                           Diapasão:




v. ELETRICIDADE:

                        Versorum:
Eletroímã:




Bobinas:                      Circuitos elétricos:




           Motor elementar:




              Gerador:
Amperímetro:             Teste de continuidade:




            Kit eletrônico ( incompleto ):




Kit campo magnético:             Jogo de ímãs:




     Bússolas:                Demonstrador de energia solar
                                     (danificado):
Máquina de Winhurst (danificada):




vi. ÓPTICA:


              Disco de Newton:               Buraco negro:




              Fibra óptica:            Decomposição da luz:
Caleidoscópio:         Espelho plano e número de imagens:




                 Câmara escura:




                      Ilusões :




            Banco óptico ( lentes e espelhos ):
Espelhos planos vidros opacos:         Radiômetro:




                              As fases da lua e o eclipse solar:




b) QUÍMICA



 i. MATÉRIAS E SUAS FUNÇÕES:


      Centrifugador manual:               Misturador:
Destilador:               Medidor de Ph (danificado):




Reservatório para água destilada:      Modelos moleculares:




    Medidor de salinidade:          Colheres e pegadores de aço:




          Balanças:                   Canetas para vidraria:
Sistemas heterogêneos:




 ii. FUNÇÕES INORGÂNICAS:


                   Condução de eletricidade em soluções:




 iii. REAÇÕES QUÍMICAS:

                                   Eletrólise:




c) BIOLOGIA:

 i. MICROSCOPIA:
Microscópios:




ii. DIVERSOS:


                  Os pulmões:                       Estufa:




                       Lupas:                   Pinças e estiletes:




                Armadilha para insetos:          Funil plástico:
Placas de toque:           Conjunto de modelos para mitose e
                                               meiose:




  Shistossoma Mansoni            Conjunto de lâminas preparadas:
       e caramujo:




Bomba de encher ( danificada):       Amassador de latas:




     Pipetas plásticas:                  Paquímetros:
d) VIDRARIA:

     Proveta de 100 ml – 3 und.
     Tubo de ensaio 55 ml – 4 und.
     Tubo de ensaio 25 ml – 45 und.
     Tubo de ensaio 15 ml – 5 und.
     Erlenmayer 125 ml – 3 und.
     Balão de fundo chato 125 ml – 3 und.
     Balão volumétrico c/ tampa 100 ml – 2 und.
     Balão para destilação 125 ml – 2 und.
     Funil de decantação 60 ml – 2 und.( 1 com tampa quebrada )
     Pipeta de vidro 5 ml – 4 und.
     Bastão de vidro – 2 und.
     Bureta 10 ml – 1 und.
     Tubos de vidro – 5 und.
     Condensador – 2 und.
     Tubos de vidro em U – 5 und.
     Pisceta 250 ml – 1 und.
     Vidro de relógio – 3 und.
     Becker 250 ml – 3 und.
     Becker 200 ml – 4 und.
     Becker 150 ml – 3und.
     Cadinho – 4 und.
     Almofariz sem pistilo – 1 und.
     Funil pequeno – 6 und.
     Placa de Petri pequena – 7 und.
     Placa de Petri grande – 3 und.
     Conta-gotas – 4 und.
     Mufa dupla – 3 und.
     Argola metálica c/ mufa – 3 und.
     Garra c/ mufa – 3 und.
     Garra s/ mufa – 2 und.
     Suporte universal – 2 und.
     Meia haste metálica – 3 und.
     Tripé – 3 und.
     Fogareiro s/ bujão – 2 und.
     Tela de amianto pequena – 3 und.
     Tela de amianto grande – 3 und.
     Fogareiro para álcool – 4 und.
     Pegador de madeira – 9 und.
     Rolhas grandes – 8 und.
     Rolhas médias – 4 und.
     Rolhas pequenas – 22 und.
     Papel de filtro grande – 18 und.
     Papel de filtro pequeno – 120 und.
     Escova para tubo de ensaio – 3 und.
     Indicador de pH em fita ( usado ) – 1 caixa peq.
   Pêra – 2 und. (1 danificada)
     Caixa de lâminas c/ 50 – 1 und.
     Caixa de lâminas c/ 35 – 1 und.
     Caixa de lamínulas c/ 100 – 1 und.
     Caixa de lamínulas c/ 10 – 1 und.

e) REAGENTES:

     Óxido de cálcio 50g – 1 und.
     Óxido de ferro 50g – 1 und.
     Óxido de mercúrio 50g – 1 und.
     Óxido de manganês 50g – 1 und.
     Glicina 20g – 1 und.
     Carbonato de cálcio – 90 comprimidos
     Cromato de potássio 20g – 1 und.
     Dicromato de potássio 50g – 1 und.
     Dextrose 50g – 1 und.
     Soro fisiológico ( vencido) – 4 und.
     Nitrato de sódio 50g – 1 und.
     Nitrito de sódio 20g – 1 und.
     Cloreto de amônio 100g – 1 und.
     Cloreto de ferro III 100g – 1 und.
     Cloreto de potássio 50g – 1 und.
     Hidróxido de sódio 100 ml – 6 und. ( 2 usados)
     Hidróxido de bário 20g – 1 und.
     Hidróxido de zinco 50g – 1 und.
     Lâmina de ferro c/ 10 pç – 1 und.
     Lâmina de cobre c/ 10 pç – 2 und.
     Lâmina de alumínio c/ 10 pç – 3 und.
     Sulfito de sódio 100g – 1 und.
     Sulfato de alumínio 100g – 1 und.
     Sulfato de zinco 100g – 1 und.
     Tiocianato de amônio 20g – 1 und.
     Tiossulfato de sódio 100g – 1 und.
     Sulfato de cobre II 50g – 1 und.
     Sulfato ferroso de amônio 50g – 1 und.
     Azul de bromotimol usado – 1 und.
     Alaranjado de metila usado – 2 und.
     Fenoftaleína usado – 1 und.
     Azul de metileno usado – 1 und.
     Azul de metila usado – 1 und.
     Sudan III usado – 1 und.
     Indicador universal usado – 1 und.
     Permanganato de potássio usado – 1 und.
     Éter etílico usado – 1 und.
     Lugol usado – 1 und.
     Álcool etílico usado – 1 und.
   Glicerina ( usado ) – 1 und.
      Xilol usado – 1 und.
      Raspas de magnésio usado – 1 und.
      Óleo de coco 100 ml – 2 und.
      Tampão universal ( NaOH 0,1 M) – 2 und.
      Ácido sulfônico usado – 1 und.
      Ácido clorídrico usado – 2 und.
      Ácido sulfúrico usado – 1 und.
      Ácido oxálico usado – 1 und.
      Ácido cítrico 50g – 1 und.
      Formaldeído 30% ( usado ) – 1 und.
      Álcool comercial usado – 2 und.
      Água oxigenada 1 litro (vencido) – 1 und.
      Bloco de parafina usado – 1 und.
      Óleo de soja usado – 2 und.

4. RECURSOS FINANCEIROS:
   O laboratório de Ciências da Natureza não dispõe de recursos financeiros para
atualizá-lo ou consertar alguns equipamentos danificados. Para montá-lo foi usado
recursos do professor responsável, inclusive para algumas práticas. A escola não dispõe
de verbas para o laboratório.

5. RECURSOS HUMANOS:
   O laboratório dispõe apenas do professor responsável que cuida da limpeza,
preparação das suas aulas práticas e manutenção dos equipamentos. A escola não tem
funcionários suficientes para suas funções básicas. Com relação aos demais professores
da área, apenas um usou o laboratório para mostrar o microscópio em uma única aula.
Não foi possível trazê-los para o laboratório, talvez pela falta de um funcionário que se
encarregue da preparação dos experimentos e a posterior limpeza.

6. ENSINO:
    De abril a julho, o laboratório foi utilizado para projetos de Ciência com o
treinamento de 9 alunos, aulas práticas da disciplina de Física da segunda e terceira
séries do ensino médio, como apoio para a Olimpíada de Astronomia e Astronáutica e
Olimpíada de Saúde e Meio e Ambiente.




7. CONSIDERAÇÕES FINAIS:
O laboratório é um excelente meio auxiliar para os professores. Encontra-se em
condições razoáveis em termos de equipamento, material e até mesmo nos reagentes
mais comuns, que apesar de antigos, ainda servem para as práticas. Um ou outro item
faz falta, como o formol. Para aproveitar a iniciativa dos alunos de trazer espécimes,
tive que adquirir um litro, embora tenha feito no início do ano um projeto de Feira de
Ciência com custo de R$ 1200,00 que requisitava este item entre outros.
   A experiência montando laboratórios, fazendo práticas e organizando Feira de
Ciências, me leva a concluir que não se justifica investir em laboratórios de Ciências da
Natureza sem que a escola esteja com seu quadro de professores completo e com
funcionários suficientes, inclusive para o laboratório. O próprio laboratório é
desmontado para se transformar em sala de aula e o material é desviado ou danificado
por mau uso se não tiver um professor que o assuma e brigue por ele. A SEEC investe
em cursos para professores, inclusive de áreas não afins ( um absurdo ) para chegarem
na escola e simplesmente esquecerem, pois a Secretaria não faz o básico que é cobrar os
resultados do investimento.
   Montei este laboratório usando material reciclado e recursos próprios, além do que
restou do antigo Projeto Alvorada e creio que é um dos mais preparados para auxiliar os
professores desta região. É possível que por motivos superiores me transfira da escola
ainda neste segundo semestre, caberá então à direção encontrar um novo professor
responsável ou, se for o caso, transformá-lo numa sala de aula.




                                  ADENDO:
  O kit para desenho mostrado abaixo foi levado para a sala dos professores, local
mais adequado, facilitando o acesso a este item, em 22 de julho de 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Lauryenne Oliveira
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
Roberto Rorras Moura
 
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Acqua Blue Fitnnes
 
Reação de saponificação
Reação de saponificaçãoReação de saponificação
Reação de saponificação
Adrianne Mendonça
 
Relatorio tamara producao de sabao
Relatorio tamara producao de sabaoRelatorio tamara producao de sabao
Relatorio tamara producao de sabao
tamiiSacramento
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
Ilana Moura
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
Rodrigo Henrique
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
Queler X. Ferreira
 
Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
Jéssica Rodrigues'
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
Ezequias Guimaraes
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
Marilena Meira
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
TEYSON VASCONCELOS
 
Divergência e Convergência
Divergência e ConvergênciaDivergência e Convergência
Divergência e Convergência
Ana Paula Garcia
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
Fatima Comiotto
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
Andreson Mattos
 
Modelo de relatório de prática
Modelo de relatório de práticaModelo de relatório de prática
Modelo de relatório de prática
Adriana Quevedo
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Eliando Oliveira
 

Mais procurados (20)

Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
 
Ficha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminárioFicha de avaliação de seminário
Ficha de avaliação de seminário
 
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
 
Reação de saponificação
Reação de saponificaçãoReação de saponificação
Reação de saponificação
 
Relatorio tamara producao de sabao
Relatorio tamara producao de sabaoRelatorio tamara producao de sabao
Relatorio tamara producao de sabao
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
Padronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOHPadronização de HCl e teor de NaOH
Padronização de HCl e teor de NaOH
 
Relatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimentalRelatório aula pratica química geral experimental
Relatório aula pratica química geral experimental
 
Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: REAÇÕES DO ALUMÍNIO METÁLICO E DO CLORETO DE ALUMÍNIO
 
Dilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluçõesDilução e mistura de soluções
Dilução e mistura de soluções
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
 
Divergência e Convergência
Divergência e ConvergênciaDivergência e Convergência
Divergência e Convergência
 
Vidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratórioVidrarias de laboratório
Vidrarias de laboratório
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.Relatorio de fisica.
Relatorio de fisica.
 
Modelo de relatório de prática
Modelo de relatório de práticaModelo de relatório de prática
Modelo de relatório de prática
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 

Destaque

A Maquete: Construção
A Maquete: ConstruçãoA Maquete: Construção
A Maquete: Construção
jdlimaaear
 
Maquete fisica
Maquete fisicaMaquete fisica
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
Dra. Camila Hamdan
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do Relatório
Jamildo Melo
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
stagewd
 
Pilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímicaPilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímica
Fernanda Cordeiro
 
Relatório experimental 2 corrigido
Relatório experimental 2   corrigidoRelatório experimental 2   corrigido
Relatório experimental 2 corrigido
antoniopedropinheiro
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
Ana Dias
 
Pilhas (básico)
Pilhas (básico)Pilhas (básico)
Pilhas (básico)
Fernanda Cordeiro
 
Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)
José Roberto Mattos
 
Eletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhasEletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhas
Kaires Braga
 
Modelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em químicaModelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em química
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
renataiatsunik
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Adrianne Mendonça
 

Destaque (15)

A Maquete: Construção
A Maquete: ConstruçãoA Maquete: Construção
A Maquete: Construção
 
Maquete fisica
Maquete fisicaMaquete fisica
Maquete fisica
 
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
Maquete Virtual - UDF/4R (Tour Virtual) - Jogos em Realidade Virtual e Aument...
 
Conclusão do Relatório
Conclusão do RelatórioConclusão do Relatório
Conclusão do Relatório
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
 
Pilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímicaPilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímica
 
Relatório experimental 2 corrigido
Relatório experimental 2   corrigidoRelatório experimental 2   corrigido
Relatório experimental 2 corrigido
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
 
Pilhas (básico)
Pilhas (básico)Pilhas (básico)
Pilhas (básico)
 
Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)Células galvânicas (pilhas)
Células galvânicas (pilhas)
 
Eletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhasEletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhas
 
Modelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em químicaModelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em química
 
Modelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fimModelo de relatório experimental.pdf fim
Modelo de relatório experimental.pdf fim
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 

Semelhante a RELATÓRIO DO LABORATÓRIO

Apostila pratica
Apostila praticaApostila pratica
Apostila pratica
Ivaldo Nascimento
 
Material Magnetico em Formigas
Material Magnetico em FormigasMaterial Magnetico em Formigas
Material Magnetico em Formigas
marciofdias
 
Cap 2 como se faz ciência
Cap 2   como se faz ciênciaCap 2   como se faz ciência
Cap 2 como se faz ciência
Sarah Lemes
 
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
larissaegaspar
 
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
larissaegaspar
 
Revista cienciaelementar v3n2
Revista cienciaelementar v3n2Revista cienciaelementar v3n2
Revista cienciaelementar v3n2
IsabelPereira2010
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
Victor Said
 
book
bookbook
Revista cienciaelementar v2n1
Revista cienciaelementar v2n1Revista cienciaelementar v2n1
Revista cienciaelementar v2n1
Rigo Rodrigues
 
E&D Ensino Experimental FQ
E&D Ensino Experimental FQE&D Ensino Experimental FQ
E&D Ensino Experimental FQ
IsabelPereira2010
 
Historia-1 série ensino médio-Brenda Kauany
Historia-1 série ensino médio-Brenda KauanyHistoria-1 série ensino médio-Brenda Kauany
Historia-1 série ensino médio-Brenda Kauany
BrendaKauany1
 
Apostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lpApostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lp
telmanm
 
Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2ed
Manoel Paixão
 
Manual funasa análise de água
Manual funasa análise de águaManual funasa análise de água
Manual funasa análise de água
brayamperini
 
Conteudo programatico
Conteudo programaticoConteudo programatico
Conteudo programatico
diegomoraesramos
 
Apostila _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
Apostila  _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducaoApostila  _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
Apostila _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
Junior Moreira
 

Semelhante a RELATÓRIO DO LABORATÓRIO (16)

Apostila pratica
Apostila praticaApostila pratica
Apostila pratica
 
Material Magnetico em Formigas
Material Magnetico em FormigasMaterial Magnetico em Formigas
Material Magnetico em Formigas
 
Cap 2 como se faz ciência
Cap 2   como se faz ciênciaCap 2   como se faz ciência
Cap 2 como se faz ciência
 
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
 
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
Apostila água em foco 02 04-2012 final[1]
 
Revista cienciaelementar v3n2
Revista cienciaelementar v3n2Revista cienciaelementar v3n2
Revista cienciaelementar v3n2
 
História das pilhas
História das pilhasHistória das pilhas
História das pilhas
 
book
bookbook
book
 
Revista cienciaelementar v2n1
Revista cienciaelementar v2n1Revista cienciaelementar v2n1
Revista cienciaelementar v2n1
 
E&D Ensino Experimental FQ
E&D Ensino Experimental FQE&D Ensino Experimental FQ
E&D Ensino Experimental FQ
 
Historia-1 série ensino médio-Brenda Kauany
Historia-1 série ensino médio-Brenda KauanyHistoria-1 série ensino médio-Brenda Kauany
Historia-1 série ensino médio-Brenda Kauany
 
Apostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lpApostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lp
 
Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2ed
 
Manual funasa análise de água
Manual funasa análise de águaManual funasa análise de água
Manual funasa análise de água
 
Conteudo programatico
Conteudo programaticoConteudo programatico
Conteudo programatico
 
Apostila _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
Apostila  _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducaoApostila  _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
Apostila _levitador__olho___roda_de_hamilton__forno_de_inducao
 

Mais de Jonasblog

A ESPIRAL DE TESLA
A ESPIRAL DE TESLAA ESPIRAL DE TESLA
A ESPIRAL DE TESLA
Jonasblog
 
AS 35 VACAS - versão 2
AS 35 VACAS - versão 2AS 35 VACAS - versão 2
AS 35 VACAS - versão 2
Jonasblog
 
FOGUETE DE GARRAFA PET
FOGUETE DE GARRAFA PETFOGUETE DE GARRAFA PET
FOGUETE DE GARRAFA PET
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
Jonasblog
 
O PROBLEMA DOS OITO PÃES
O PROBLEMA DOS OITO PÃESO PROBLEMA DOS OITO PÃES
O PROBLEMA DOS OITO PÃES
Jonasblog
 
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
Jonasblog
 
TRÂNSITO 2015
TRÂNSITO 2015TRÂNSITO 2015
TRÂNSITO 2015
Jonasblog
 
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTONO BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
Jonasblog
 
AS 35 VACAS
AS 35 VACASAS 35 VACAS
AS 35 VACAS
Jonasblog
 
IDOSO E COM PARKINSON
IDOSO E COM PARKINSONIDOSO E COM PARKINSON
IDOSO E COM PARKINSON
Jonasblog
 
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
Jonasblog
 
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS - 5
PV NOTÍCIAS - 5PV NOTÍCIAS - 5
PV NOTÍCIAS - 5
Jonasblog
 
ÁBACO 2
ÁBACO 2ÁBACO 2
ÁBACO 2
Jonasblog
 
UMA ETERNIDADE
UMA ETERNIDADEUMA ETERNIDADE
UMA ETERNIDADE
Jonasblog
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
Jonasblog
 
DIA DO PROFESSOR
DIA DO PROFESSORDIA DO PROFESSOR
DIA DO PROFESSOR
Jonasblog
 

Mais de Jonasblog (20)

A ESPIRAL DE TESLA
A ESPIRAL DE TESLAA ESPIRAL DE TESLA
A ESPIRAL DE TESLA
 
AS 35 VACAS - versão 2
AS 35 VACAS - versão 2AS 35 VACAS - versão 2
AS 35 VACAS - versão 2
 
FOGUETE DE GARRAFA PET
FOGUETE DE GARRAFA PETFOGUETE DE GARRAFA PET
FOGUETE DE GARRAFA PET
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº11
 
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO N° 10
 
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
PV NOTÍCIAS EDIÇÃO Nº 09
 
O PROBLEMA DOS OITO PÃES
O PROBLEMA DOS OITO PÃESO PROBLEMA DOS OITO PÃES
O PROBLEMA DOS OITO PÃES
 
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
FEIRA DE CIÊNCIAS 2015
 
TRÂNSITO 2015
TRÂNSITO 2015TRÂNSITO 2015
TRÂNSITO 2015
 
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTONO BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
O BÊBADO E AS LEIS DE NEWTON
 
AS 35 VACAS
AS 35 VACASAS 35 VACAS
AS 35 VACAS
 
IDOSO E COM PARKINSON
IDOSO E COM PARKINSONIDOSO E COM PARKINSON
IDOSO E COM PARKINSON
 
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
PV NOTÌCIAS - EDIÇÃO Nº 7
 
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
FEIRA DE CIÊNCIAS 2014
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO Nº 6
 
PV NOTÍCIAS - 5
PV NOTÍCIAS - 5PV NOTÍCIAS - 5
PV NOTÍCIAS - 5
 
ÁBACO 2
ÁBACO 2ÁBACO 2
ÁBACO 2
 
UMA ETERNIDADE
UMA ETERNIDADEUMA ETERNIDADE
UMA ETERNIDADE
 
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
PV NOTÍCIAS - EDIÇÃO 4
 
DIA DO PROFESSOR
DIA DO PROFESSORDIA DO PROFESSOR
DIA DO PROFESSOR
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 

RELATÓRIO DO LABORATÓRIO

  • 1. ESCOLA ESTADUAL HENRIQUE EUFRÁSIO DE SANTANA Rua 31 de março, s/n , Centro PUREZA/RN RELATÓRIO DE FUNCIONALIDADE DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA AUTOR: JONAS FLORIPE GINANI FILHO RESPONSÁVEL PELO LABORATÓRIO E PROFESSOR DE FÍSICA E MATEMÁTICA PUREZA/RN, 22 DE JULHO DE 2010
  • 2. SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 2. ORGANIZAÇÃO 3. EQUIPAMENTOS 4. RECURSOS FINANCEIROS 5. RECURSOS HUMANOS 6. ENSINO 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 3. 1. INTRODUÇÃO: O presente relatório corresponde às ações desenvolvidas no corrente ano, já que em anos anteriores o laboratório não estava montado e, portanto, não funcionava. Do material que foi destinado à escola pelo antigo Projeto Alvorada, 60 a 70% não mais existe ( valores estimados por comparação com outros laboratórios ). A sala funcionava como depósito e uma das bancadas de granito foi quebrada, restando-lhe apenas a parte que possui a pia e torneira. Após a transferência para esta escola, iniciei a desocupação, limpeza e arrumação da sala em 02 de janeiro. Foi preciso fazer recuperação de instalação elétrica, trocar lâmpadas florescentes e recuperar alguns equipamentos como destilador, microscópios, painéis sobre os sistemas orgânicos. Foi preciso também colocar fechadura na porta de entrada, pois ela estava sem chave. A vidraria passou por uma lavagem geral, também realizada por mim, já que havia vidraria com restos de produtos químicos utilizados em anos anteriores, sem identificação, o que poderia causar acidentes em leigos. Infelizmente retiravam os reagentes e vidraria para fazer experimentos e os abandonavam em qualquer lugar inclusive no chão. Uma temeridade. O material existente foi organizado dentro de armários de Física I, II e III; o de Química com reagentes; o de Vidraria e o de Biologia. Utilizando material recuperado do lixo e outros adquiridos com recursos próprios deste relator e responsável, foi possível montar um grande número de experimentos capazes de enriquecer as aulas de Física, Química e Biologia. O laboratório se encontra preparado para as práticas das disciplinas de Ciências da Natureza, mas os professores não conseguem ver neste, algo muito positivo, pois não tem funcionários para preparar os experimentos e lavá-los após a prática. Com relação à disciplina de Física que ministro nesta escola, os alunos participam de práticas e elaboram relatórios sobre os experimentos realizados, além disso, ministrei um curso de aprofundamento e uso do laboratório para alguns alunos (09) com o intuito de que, pelo menos eles, possam mostrar como utilizar os equipamentos e sua explicação básica. Além disso, o laboratório serviu de base para a preparação de alguns alunos para a Olimpíada de Saúde e Meio Ambiente e a de Astronomia e Astronáutica. 2. ORGANIZAÇÃO: O Laboratório de Ciências da Natureza está organizado de forma a servir às disciplinas de Física, Química e Biologia com vários experimentos de fácil montagem e utilização. Os equipamentos estão distribuídos em armários devidamente identificados e o de reagentes têm os produtos separados respeitando, dentro do possível, as especificidades de cada um. Para compensar a perda de parte de uma das bancadas, foi colocada uma mesa de desenho com cadeiras giratórias. Para os professores da área e para o responsável foi colocada uma mesa com duas cadeiras giratórias além de uma prateleira para colocar os livros didáticos e outros materiais de consulta. Também foi improvisado um carrinho para experimentos, como apoio para guardar material de expediente e documentos do laboratório. Como a escola não dispunha de uma estante de aço disponível foi improvisado também, uma mesa de desenho para receber os vidros com espécimes formalizados. Na bancada do fundo do laboratório foi colocado a estufa, destilador e microscópio com câmara de vídeo. Ao lado foi colocada uma mesa comprida para receber outros dois microscópios monoculares e a televisão de 20
  • 4. polegadas ligada ao microscópio binocular com câmera. Em cada bancada e na mesa do responsável, cestos de lixo. Para aproveitar a presença dos alunos no laboratório, foram fixados cartazes ilustrando alguns assuntos importantes como alerta contra drogas e frases e fotos de cientistas importantes entre outros.
  • 5. 3. EQUIPAMENTOS: a) FÍSICA: i. MECÂNICA: Lei da inércia: Foguete: Torre de Pisa ( Centro de gravidade): Passarinho amigo ( Centro de gravidade): Cone ( Centro de gravidade ): Dinamômetros:
  • 6. Conjunto de roldanas: Itens para composição com roldanas: Jogo de esferas: Conjunto de molas: Lançamentos horizontais: Composição de forças:
  • 7. Movimento uniforme: Lançamento vertical: Time digital: Vai-vem: Montanha russa: Plano inclinado: Túnel de vento:
  • 8. Colisões: ii. HIDROSTÁTICA: Submarino: Fonte de Heron: Tornado: Elevador hidráulico: Bomba de aquário:
  • 9. iii. TERMOLOGIA: Dilatação do ar: Termômetros: Termômetro de Galileu: Calorímetro: Ignitor: Produção de nevoeiro:
  • 10. Condutômetro térmico: iv. ONDULATÓRIA: Pêndulos: Diapasão: v. ELETRICIDADE: Versorum:
  • 11. Eletroímã: Bobinas: Circuitos elétricos: Motor elementar: Gerador:
  • 12. Amperímetro: Teste de continuidade: Kit eletrônico ( incompleto ): Kit campo magnético: Jogo de ímãs: Bússolas: Demonstrador de energia solar (danificado):
  • 13. Máquina de Winhurst (danificada): vi. ÓPTICA: Disco de Newton: Buraco negro: Fibra óptica: Decomposição da luz:
  • 14. Caleidoscópio: Espelho plano e número de imagens: Câmara escura: Ilusões : Banco óptico ( lentes e espelhos ):
  • 15. Espelhos planos vidros opacos: Radiômetro: As fases da lua e o eclipse solar: b) QUÍMICA i. MATÉRIAS E SUAS FUNÇÕES: Centrifugador manual: Misturador:
  • 16. Destilador: Medidor de Ph (danificado): Reservatório para água destilada: Modelos moleculares: Medidor de salinidade: Colheres e pegadores de aço: Balanças: Canetas para vidraria:
  • 17. Sistemas heterogêneos: ii. FUNÇÕES INORGÂNICAS: Condução de eletricidade em soluções: iii. REAÇÕES QUÍMICAS: Eletrólise: c) BIOLOGIA: i. MICROSCOPIA:
  • 18. Microscópios: ii. DIVERSOS: Os pulmões: Estufa: Lupas: Pinças e estiletes: Armadilha para insetos: Funil plástico:
  • 19. Placas de toque: Conjunto de modelos para mitose e meiose: Shistossoma Mansoni Conjunto de lâminas preparadas: e caramujo: Bomba de encher ( danificada): Amassador de latas: Pipetas plásticas: Paquímetros:
  • 20. d) VIDRARIA:  Proveta de 100 ml – 3 und.  Tubo de ensaio 55 ml – 4 und.  Tubo de ensaio 25 ml – 45 und.  Tubo de ensaio 15 ml – 5 und.  Erlenmayer 125 ml – 3 und.  Balão de fundo chato 125 ml – 3 und.  Balão volumétrico c/ tampa 100 ml – 2 und.  Balão para destilação 125 ml – 2 und.  Funil de decantação 60 ml – 2 und.( 1 com tampa quebrada )  Pipeta de vidro 5 ml – 4 und.  Bastão de vidro – 2 und.  Bureta 10 ml – 1 und.  Tubos de vidro – 5 und.  Condensador – 2 und.  Tubos de vidro em U – 5 und.  Pisceta 250 ml – 1 und.  Vidro de relógio – 3 und.  Becker 250 ml – 3 und.  Becker 200 ml – 4 und.  Becker 150 ml – 3und.  Cadinho – 4 und.  Almofariz sem pistilo – 1 und.  Funil pequeno – 6 und.  Placa de Petri pequena – 7 und.  Placa de Petri grande – 3 und.  Conta-gotas – 4 und.  Mufa dupla – 3 und.  Argola metálica c/ mufa – 3 und.  Garra c/ mufa – 3 und.  Garra s/ mufa – 2 und.  Suporte universal – 2 und.  Meia haste metálica – 3 und.  Tripé – 3 und.  Fogareiro s/ bujão – 2 und.  Tela de amianto pequena – 3 und.  Tela de amianto grande – 3 und.  Fogareiro para álcool – 4 und.  Pegador de madeira – 9 und.  Rolhas grandes – 8 und.  Rolhas médias – 4 und.  Rolhas pequenas – 22 und.  Papel de filtro grande – 18 und.  Papel de filtro pequeno – 120 und.  Escova para tubo de ensaio – 3 und.  Indicador de pH em fita ( usado ) – 1 caixa peq.
  • 21. Pêra – 2 und. (1 danificada)  Caixa de lâminas c/ 50 – 1 und.  Caixa de lâminas c/ 35 – 1 und.  Caixa de lamínulas c/ 100 – 1 und.  Caixa de lamínulas c/ 10 – 1 und. e) REAGENTES:  Óxido de cálcio 50g – 1 und.  Óxido de ferro 50g – 1 und.  Óxido de mercúrio 50g – 1 und.  Óxido de manganês 50g – 1 und.  Glicina 20g – 1 und.  Carbonato de cálcio – 90 comprimidos  Cromato de potássio 20g – 1 und.  Dicromato de potássio 50g – 1 und.  Dextrose 50g – 1 und.  Soro fisiológico ( vencido) – 4 und.  Nitrato de sódio 50g – 1 und.  Nitrito de sódio 20g – 1 und.  Cloreto de amônio 100g – 1 und.  Cloreto de ferro III 100g – 1 und.  Cloreto de potássio 50g – 1 und.  Hidróxido de sódio 100 ml – 6 und. ( 2 usados)  Hidróxido de bário 20g – 1 und.  Hidróxido de zinco 50g – 1 und.  Lâmina de ferro c/ 10 pç – 1 und.  Lâmina de cobre c/ 10 pç – 2 und.  Lâmina de alumínio c/ 10 pç – 3 und.  Sulfito de sódio 100g – 1 und.  Sulfato de alumínio 100g – 1 und.  Sulfato de zinco 100g – 1 und.  Tiocianato de amônio 20g – 1 und.  Tiossulfato de sódio 100g – 1 und.  Sulfato de cobre II 50g – 1 und.  Sulfato ferroso de amônio 50g – 1 und.  Azul de bromotimol usado – 1 und.  Alaranjado de metila usado – 2 und.  Fenoftaleína usado – 1 und.  Azul de metileno usado – 1 und.  Azul de metila usado – 1 und.  Sudan III usado – 1 und.  Indicador universal usado – 1 und.  Permanganato de potássio usado – 1 und.  Éter etílico usado – 1 und.  Lugol usado – 1 und.  Álcool etílico usado – 1 und.
  • 22. Glicerina ( usado ) – 1 und.  Xilol usado – 1 und.  Raspas de magnésio usado – 1 und.  Óleo de coco 100 ml – 2 und.  Tampão universal ( NaOH 0,1 M) – 2 und.  Ácido sulfônico usado – 1 und.  Ácido clorídrico usado – 2 und.  Ácido sulfúrico usado – 1 und.  Ácido oxálico usado – 1 und.  Ácido cítrico 50g – 1 und.  Formaldeído 30% ( usado ) – 1 und.  Álcool comercial usado – 2 und.  Água oxigenada 1 litro (vencido) – 1 und.  Bloco de parafina usado – 1 und.  Óleo de soja usado – 2 und. 4. RECURSOS FINANCEIROS: O laboratório de Ciências da Natureza não dispõe de recursos financeiros para atualizá-lo ou consertar alguns equipamentos danificados. Para montá-lo foi usado recursos do professor responsável, inclusive para algumas práticas. A escola não dispõe de verbas para o laboratório. 5. RECURSOS HUMANOS: O laboratório dispõe apenas do professor responsável que cuida da limpeza, preparação das suas aulas práticas e manutenção dos equipamentos. A escola não tem funcionários suficientes para suas funções básicas. Com relação aos demais professores da área, apenas um usou o laboratório para mostrar o microscópio em uma única aula. Não foi possível trazê-los para o laboratório, talvez pela falta de um funcionário que se encarregue da preparação dos experimentos e a posterior limpeza. 6. ENSINO: De abril a julho, o laboratório foi utilizado para projetos de Ciência com o treinamento de 9 alunos, aulas práticas da disciplina de Física da segunda e terceira séries do ensino médio, como apoio para a Olimpíada de Astronomia e Astronáutica e Olimpíada de Saúde e Meio e Ambiente. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS:
  • 23. O laboratório é um excelente meio auxiliar para os professores. Encontra-se em condições razoáveis em termos de equipamento, material e até mesmo nos reagentes mais comuns, que apesar de antigos, ainda servem para as práticas. Um ou outro item faz falta, como o formol. Para aproveitar a iniciativa dos alunos de trazer espécimes, tive que adquirir um litro, embora tenha feito no início do ano um projeto de Feira de Ciência com custo de R$ 1200,00 que requisitava este item entre outros. A experiência montando laboratórios, fazendo práticas e organizando Feira de Ciências, me leva a concluir que não se justifica investir em laboratórios de Ciências da Natureza sem que a escola esteja com seu quadro de professores completo e com funcionários suficientes, inclusive para o laboratório. O próprio laboratório é desmontado para se transformar em sala de aula e o material é desviado ou danificado por mau uso se não tiver um professor que o assuma e brigue por ele. A SEEC investe em cursos para professores, inclusive de áreas não afins ( um absurdo ) para chegarem na escola e simplesmente esquecerem, pois a Secretaria não faz o básico que é cobrar os resultados do investimento. Montei este laboratório usando material reciclado e recursos próprios, além do que restou do antigo Projeto Alvorada e creio que é um dos mais preparados para auxiliar os professores desta região. É possível que por motivos superiores me transfira da escola ainda neste segundo semestre, caberá então à direção encontrar um novo professor responsável ou, se for o caso, transformá-lo numa sala de aula. ADENDO: O kit para desenho mostrado abaixo foi levado para a sala dos professores, local mais adequado, facilitando o acesso a este item, em 22 de julho de 2010.