SlideShare uma empresa Scribd logo
MANUAL DE PRÁTICAS DE UM
LABORATÓRIO DE QUÍMICA COM
MATERIAIS ALTERNATIVOS
SUBPROJETO
PIBID/QUÍMICA/FAEC-UECE
Crateús - CE
2013
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ
FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE CRATEÚS
CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA
ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PRESIDENTE EURICO GASPAR
DUTRA
Integrantes do Subprojeto PIBID/QUÍMICA/FAEC
Coordenador de Área: Prof. Ms. Saulo Robério Rodrigues Maia
Professora Supervisora: Profª. Esp. Terezinha de Jesus Melo
Bolsistas de Iniciação a Docência
Aparecida Soares Cavalcante
Francisco Fernandes de Oliveira Júnior
Gerardo Machado Aguiar Junior
Gerlane Maria da Silva
Idarlene Marcelino Rodrigues Alves
Jéssica Rodrigues Sousa
Nauanne Rayelle Vasconcelos Martins
CRATEÚS – CE
2013
AGRADECIMENTOS
Ao grupo gestor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Presidente Eurico
Gaspar Dutra, tendo na sua direção a Profª Cláudia Maria Vasconcelos e, como
coordenadora pedagógica, a Profª Quitéria Ferreira Balacó, pelo acolhimento e apoio
irrestrito ao projeto, proporcionando o desenvolvimento do manual de práticas nas
dependências da escola e, outras atividades realizadas pelo subprojeto PIBID-
QUÍMICA-FAEC.
A CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)
pelas bolsas concedidas aos integrantes do projeto e o aporte financeiro para a
confecção deste manual.
SUMÁRIO
1. FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DE UMA REAÇÃO 05
1.1 TEMPERATURA 05
1.2 SUPERFÍCIE DE CONTATO 06
1.3 CONCENTRAÇÃO 07
1.4 CATALISADOR 07
2. A ESPONJA DE AÇO CONTÉM FERRO? 08
3. CORRIDA BRILHANTE 10
4. O SEGREDO DAS CORES DAS CANETINHAS 12
5. ENCHEDOR AUTOMÁTICO DE BALÕES 14
6. O QUE SOBE E O QUE DESCE? 15
7. CAMADA DE LÍQUIDOS 17
8. COMPARAÇÃO DE DENSIDADES 19
9. CORES QUE SE MOVEM 20
10. GEOMETRIA MOLECULAR 21
11. PREPARANDO ÁGUA DESTILADA 23
12. PREPARANDO HIDROGÊNIO 24
13. SOBE E DESCE QUÍMICO 25
14. O CONCEITO DE REAÇÃO QUÍMICA 27
15. OXIDAÇÃO: DESTRUIÇÃO RÁPIDA 28
16. IODOFÓRMIO: UM MEDICAMENTO 30
17. PROTEÍNAS? ONDE? 32
18. URÉIA E FORMOL: UMA SÓLIDA UNIÃO 34
19. O ÁLCOOL VEM DO AÇÚCAR? 35
20. QUEIMANDO O REAL 37
21. COMO FAZER SABÃO COMUM 38
22. COMO FAZER SABÃO COM ÁLCOOL 39
23. BOLAS DE NAFTALINA SALTITANTES 41
24. EFEITO TYNDALL: IDENTIFICAÇÃO DAS SUSPENSÕES 43
25. PORQUE A VELA QUEIMA? 44
26. COLÓIDES? ONDE? 45
BIBLIOGRAFIA 47
5
1. FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DE UMA REAÇÃO
1.1 TEMPERATURA
Materiais
 Comprimidos efervescentes
 Água gelada, quente e à temperatura ambiente
 Copos
Procedimento
1. Coloque água da torneira em um copo, água gelada em outro, e água a 40ºC
em um terceiro copo (o mesmo volume de água nos três).
2. Coloque um comprimido em cada copo.
3. Anote, para cada copo, o tempo que leva para que todo o comprimido se
decomponha.
Comentários:
1) A velocidade da reação foi influenciada pela temperatura da água?
2) Qual a influência do aumento da temperatura sobre a velocidade da reação?
FONTE: Foto da experiência “temperatura” realizada pela aluna Jéssica Rodrigues.
ÁGUA GELADA
ÁGUA NA TEMPERATURA
AMBIENTE
ÁGUA MORNA
6
1.2 SUPERFÍCIE DE CONTATO
Materiais
 Comprimidos efervescentes
 Copos
 Lâmina de corte
Procedimento
1. Coloque água da torneira em cada béquer.
2. Deixe um dos comprimidos inteiros e o segundo triturar em finas partículas.
3. Colocar os dois comprimidos, uma em cada béquer, anotar o tempo que estas
partes levam para se dissolver.
Comentários:
1) A reação de decomposição do comprimido se processa com igual velocidade em
cada copo?
2) Porque ocorreu esta diferença de velocidade na reação entre os dois
comprimidos?
FONTE: Foto da experiência “superfície de contato” realizada pela aluna Jéssica Rodrigues.
COMPRIMIDO
INTEIRO
COMPRIMIDO
TRITURADO
7
1.3 CONCENTRAÇÃO
Materiais
 Comprimido efervescente
 Vinagre
 Copos
Procedimento
1. Coloque volumes iguais de água em dois copos, à mesma temperatura.
2. Em um dos copos, adicione uma colher de chá de vinagre e, ao outro, uma
colher de sopa. Agite o conteúdo para tornar a solução homogênea.
3. Coloque um comprimido em cada copo, ao mesmo tempo, e observe
atentamente.
1.4 CATALISADOR
Materiais
 Peróxido de hidrogênio (H2O2)
 Batata ou pedaço de carne
 Copos
Procedimento:
1. Coloque água oxigenada em dois copos estreitos.
2. A um dos copos adicione a batata ou o pedaço de carne.
3. Nas extremidades dos copos coloque uma bexiga.
Comentários
No tubo que contém a batata teremos uma reação mais veloz, fato este
comprovado por maior produção de gás oxigênio, fazendo com que a bexiga fixa no
mesmo fique mais cheia.
8
2. A ESPONJA DE AÇO CONTÉM FERRO?
Objetivo
Com este experimento propõe-se discutir a constituição da matéria e a
formação de substâncias a partir de reações de oxidação, introduzindo aspectos
relativos ao cotidiano.
Materiais
 2 garrafas PET
 1 esponja de aço
 Água oxigenada 10 volumes (podem ser usada outras concentrações)
 Garrafa de refrigerante de limão
Procedimento
1. Lave bem 2 garrafas PET e adicione em cada uma delas pedaços de
esponjas de aço.
2. Preencha a primeira com água suficiente para cobrir a esponja, feche a tampa
da garrafa e agite por alguns instantes. Observe o que ocorre e anote os resultados.
3. Em seguida, repita o procedimento anterior adicionando à segunda garrafa
PET o refrigerante de limão, até cobrir totalmente a esponja de aço. Feche a garrafa
e agite bem por alguns minutos. Deixe repousar e observe a coloração que se
forma. Você pode decantar a solução para frasco transparente. Os alunos deverão
anotar a mudança que ocorre.
4. Abra a garrafa e despeje uma pequena quantidade de água oxigenada.
5. Novamente tampe a garrafa e agite por alguns minutos. Você pode decantar a
solução para um frasco transparente para melhor observação. Verifique o que ocorre
após deixar repousar. Observe a mudança da coloração da solução.
Observação
Os estudantes devem pesquisar sobre a composição química do aço e as
cores dos íons de ferro em soluções ácidas. Depois, devem responder se, de acordo
com as observações, pode-se concluir que a esponja contém ferro.
9
Entendendo o experimento
A curiosidade natural fez do homem um explorador do mundo que o cerca.
Observar, analisar, perceber e descobrir, através da experimentação, constitui uma
formação fundamental na explicação do por que das coisas e contribui para o
crescimento do saber científico e educacional. Muitos desses conhecimentos são
usados para melhoria da qualidade de vida.
Neste experimento vamos identificar se a composição de uma esponja de aço
contém ferro e o que ocorre com ela na presença de determinados produtos.
Em meio ácido (refrigerantes de limão contém ácido cítrico) ocorre a
dissolução de íons ferro. Com a adição da água oxigenada (H2O2), os íons ferro
passam para íons Fe3+
o que é indicado pela coloração amarelada. Se adicionarmos
soda cáustica à solução, esta irá adquirir tonalidade avermelhada, pois os íons Fe3+
passarão a hidróxido de ferro.
Fe2+
(aq) + 2H2O2(aq) + H+
Fe3+
(aq) + (OH-
)(l) + •HO (solução amarela)
Fe3+
(aq) + (OH-
) (l) Fe(OH)3 (aq) (solução avermelhada)
O professor pode trabalhar inicialmente com assuntos referentes à matéria e
sua composição, formação de substâncias e seus constituintes. No cotidiano do
aluno podem-se inserir informações referentes à presença de íons ferro na água,
suas influências e efeitos na saúde humana.
Algumas questões importantes sobre este experimento que devem ser instigadas:
1- Por que só ocorreu mudança de coloração na solução com refrigerante?
2- Por que se adiciona a água oxigenada?
3- Qual a diferença entre os íons de ferro existentes?
4- O que é oxidação?
Resíduos, tratamento e descarte
As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para descarte.
O experimento proposto não gera resíduos agressivos ao meio ambiente, podendo,
então, ser utilizado de forma segura. Ainda assim, as soluções formadas poderão
ser encaminhadas à estação de tratamento de água e efluentes da sua cidade para
que sejam dados os devidos fins de tratamento. É também uma ótima oportunidade
dos alunos visitarem uma estação onde a água é tratada.
10
3. CORRIDA BRILHANTE
Objetivo
Este experimento serve para demonstrar ao aluno, de forma simples e
divertida, como funciona a tensão superficial da água e o que ocorre quando essa
tensão é quebrada em contato com o detergente.
Materiais
 Detergente
 Água
 Purpurina
 Recipiente transparente grande
Procedimento
1. Coloque a água em um recipiente transparente para melhor visualização do
experimento.
2. Coloque a purpurina aos poucos.
3. Pingue o detergente no lugar onde há maior quantidade de purpurina. Peça
aos estudantes que descrevam o que observam.
Entendendo o experimento
Por suas características físico-químicas, as moléculas da água são
fortemente atraídas umas pelas outras. Essa atração forma, na superfície da água,
uma membrana chamada tensão superficial.
A tensão superficial é uma força capaz de manter a água unida, ou coesa,
como se uma capa a cobrisse. Objetos leves, como folhas, purpurina e alguns
insetos, não conseguem romper essa membrana. Por essa razão não afundam e, às
vezes, nem se molham. O detergente, porém, é capaz de romper esta película que
se forma na superfície da água, “quebrando” a tensão superficial.
Neste experimento podemos ver o detergente quebrando a tensão superficial
da água pelo movimento da purpurina, que é menos densa do que a água.
Trata-se de um projeto simples que possibilita mostrar ao aluno que a
Química está presente em várias atividades do seu cotidiano, como, por exemplo,
11
lavar a louça. Pode-se explicar ao aluno a finalidade do detergente, como ele atua,
qual a sua composição química e questões de higiene, remetendo aos sabões e
sabonetes.
Resíduos, tratamento e descarte
Os resíduos gerados neste experimento podem ser descartados no lixo
comum. As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para a reciclagem.
FONTE: Foto da experiência “corrida brilhante” realizada pela aluna Aparecida Soares.
12
4. O SEGREDO DAS CORES DAS CANETINHAS
Quais são os pigmentos que se escondem em uma cor de canetinha? Quais
são as cores que formam o preto, o marrom e o azul? Usando uma técnica físico-
química de separação de misturas chamada cromatografia em papel, é possível
descobrir.
Objetivo
Verificar os pigmentos que se escondem em cada cor das canetinhas através
de uma técnica físico-química de separação de misturas chamada, Cromatografia
em papel.
Materiais
 Canetinhas coloridas
 Álcool (92 IMDM é melhor)
 Filtro de café
 1 copo
 Fita gomada
 Tesoura
Procedimento
1. Corte o filtro em tiras retangulares (o mais cumprido possível).
2. Encha o fundo do copo com um pouco de álcool.
3. Pinte uma bolinha na parte inferior do papel (1 dedo de distancia do final do
papel).
4. Prenda o filtro com a fita na caneta e coloque-a na boca do copo deixando o
álcool ser sugado pelo papel (a bolinha não pode encostar-se ao álcool).
13
FONTE: Foto da experiência ”o segredo das cores das canetinhas” realizada
pela aluna Nauanne Rayelle..
Teoria
A técnica utilizada nesta experiência chama-se cromatografia, que no caso
desta é a cromatografia em papel.
Na hora de fabricar as canetinhas em algumas cores são misturados dois ou
mais pigmentos, nem todas as cores, pois há cores com um único pigmento, mas os
pigmentos onde as cores são misturadas na hora que mergulhamos o filtro de papel
no álcool, o álcool vai subindo pelo papel até que passa pela a cor, na hora que ele
passa pela a cor começa a carregar junto esses pigmentos, que sempre vai ter um
pigmento que tende a grudar mais no papel e um pigmento que tende a ser levado
mais pelo o álcool, este que tende a grudar no papel vai ficar para trás e o que tende
a ser levado pelo o álcool vai subir mais rapidamente, então, os dois pigmentos irão
se separar, assim conseguiremos vermos quais pigmentos foram usados para fazer
aquela cor.
14
5. ENCHEDOR AUTOMÁTICO DE BALÕES
Materiais
 Vinagre
 Bicarbonato de sódio
 Balão
 Funil
 Garrafa de gargalo estreito
Procedimento
Colocar vinagre dentro de uma garrafa de gargalo estreito até encher cerca
de um quarto da mesma. Com o funil, colocar no balão um pouco de bicarbonato de
sódio. Enfiar o gargalo do balão no gargalo da garrafa. Levantar o balão de modo a
que o bicarbonato de sódio caia para dentro da garrafa. O vinagre começa a fazer
bolhas e o balão começa a encher devagarzinho.
Explicação
O ácido acético do vinagre reage com o bicarbonato de sódio libertando
dióxido de carbono. À medida que se forma mais gás, a pressão dentro da garrafa
aumenta e o balão enche. A reação química que explica este processo escreve-se
assim:
H+
(aq) + HCO3
-
(aq) CO2 (g) + H2O (l)
15
6. O QUE SOBE E O QUE DESCE?
Objetivo
Este experimento tem como finalidade demonstrar aos estudantes, de uma
forma prática e simples, as diferenças entre a densidade dos materiais e a força das
interações entre as moléculas de água.
Materiais
 1 copo ou béquer de 300 mL, transparente
 3 elásticos de borracha látex
 1 metro de papel higiênico, ou rolo de papel toalha
 200 mL de água
 1 prato raso
 3 palitos de dentes
Experimento
1. Coloque 200 mL de água no copo.
2. Retire duas folhas, nas dimensões de 20 x 20cm, de um rolo de papel toalha.
Sobreponha as folhas e dobre duas vezes até que formem um quadrado de
aproximadamente 10 x10cm.
3. Coloque o papel dobrado na boca do copo.
4. Prenda o papel toalha na boca do copo usando um elástico de borracha látex.
5. Com o prato raso já disposto, vire o copo de boca para baixo.
6. Transpasse pelo papel os palitos, um a um, e depois os empurre para dentro
do copo. Dessa forma, mesmo com o papel furado, a água não escapará e o palito
que entrou no copo flutuará (nesse momento o aluno irá perceber importância da
densidade).
Observação
Deve ser mostrado ao estudante que, apesar de vazar um pouco de água
porque o papel ensopou, não sairá água onde o palito furou (e neste momento o
aluno irá entender como funciona a tensão superficial).
16
Neste experimento, serão enfocadas as forças intermoleculares, responsáveis
por manter as moléculas unidas na formação das diferentes substâncias. Existem
diversos tipos de interações intermoleculares e, neste experimento, poderão ser
especialmente focadas as ligações de hidrogênio, aqui ocorrendo entre as moléculas
de água.
Outro tema a ser trabalhado é a densidade. A densidade é a relação entre a
massa de um material e o volume por ele ocupado. O cálculo da densidade é feito
pela seguinte expressão: Densidade = massa /volume.
A densidade determina a quantidade de matéria que está presente em uma
unidade de volume. Por exemplo, o mercúrio possui maior densidade do que o leite,
isso significa que num dado volume de mercúrio há mais matéria que em uma
mesma quantidade de leite.
Com este experimento o estudante perceberá que a água, uma substância
tão presente em nossas vidas, é um ótimo modelo para o estudo das propriedades
físico-químicas da matéria.
Resíduos, tratamento e descarte
Os resíduos gerados neste experimento podem ser descartados no lixo
comum. As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para a reciclagem.
FONTE: Foto da experiência “o que sobe e o que desce” realizada pela aluna
Idarlene Marcelino.
17
7. CAMADA DE LÍQUIDOS
Objetivos
Demonstrar de forma prática e simples duas propriedades das substâncias
químicas envolvidas que é: solubilidade e densidade.
Materiais
 1 Frasco cilíndrico alto, transparente e com tampa
 Xarope de milho ou mel
 Óleo vegetal
 Álcool contendo algumas gotas de corante alimentício
 Água com corante alimentício de outra cor
 Objetos pequenos de materiais diversos: bolinha de gude, bolinha de metal,
pedaço de vela, bolinha de naftalina, rolha de cortiça
Procedimento
1. Coloque no frasco o xarope de milho ou mel.
2. Adicione cuidadosamente, uma quantidade semelhante de água contendo
algumas gotas de corante, escorrendo-as pelas paredes do frasco.
3. Adicione a mesma quantidade de óleo vegetal por cima da água com corante.
4. Cuidadosamente adicione o álcool contendo algumas gotas de corante por
cima do óleo.
5. Coloque pequenos pedaços de plástico, rolhas de cortiça, pedaços de vela,
bolinhas de gude, e bolinhas de naftalina, etc. No cilindro e observe. Em que cada
camada cada objeto flutuou?
Resultados e discussão
Duas propriedades das substâncias estão envolvidas aqui: a solubilidade e a
densidade. Líquidos que não se misturam entre si são chamados de imiscíveis.
Neste caso apenas o óleo vegetal é imiscível com a água, e assim a ordem de
adição dos líquidos é importante para que estes não se misturem. Eventualmente, o
xarope irá se dissolver na água, porém, o processo é muito lento. Já o álcool não se
mistura coma água, pois a camada de óleo separa os dois líquidos.
18
O que aconteceria se o cilindro fosse invertido? Tampe-o e tente!
Ao inverter o cilindro você irá perceber que o álcool e a água se misturam,
formando uma única fase. Os líquidos foram colocados na ordem decrescente de
suas densidades, com o xarope de milho tendo a maior e o álcool a menor
densidade de todos os líquidos. Os objetos sólidos irão flutuar apenas em um líquido
que apresente uma densidade maior que a sua.
Camada de líquidos
Disponível em: http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9
GcRz6nRJkcVGaPCDvEn3WnbUwgx4GeT62rltJTqsNk2ZyhHlUh3c
19
8. COMPARAÇÃO DE DENSIDADES
Objetivo
Verificar que a densidade de uma mistura depende de sua comparação.
Materiais
 Colher pequena de chá
 1 Copo fundo e 1 largo (preferencialmente de vidro e transparente)
 1 ovo
 Sal
Procedimentos
1. Coloque o ovo dentro de um copo contendo cerca de 150 mL de água.
Observe o que acontece;
2. Depois, retire-o do copo e acrescente à água uma colher de sal. Agite a água
por alguns instantes até dissolver todo o sal. Recoloque o ovo no copo e observe
novamente o sistema;
3. Repita o procedimento anterior algumas vezes até que o sal colocado na
ultima adição não mais se dissolve e se deposite no fundo do copo.
4. Coloque o ovo dentro do copo contendo água. Repita o procedimento sempre.
Extraído de: educador.brasilescola.com
20
9. CORES QUE SE MOVEM
Objetivo
Mostrar como atua um tensoativo, diante da tensão superficial.
Materiais
 Leite
 Pires ou uma placa de petri
 Água
 Corantes alimentícios
 Detergente
 Palito de dente
Procedimento
1. Coloque o leite em um pires. Aguardar 1 minuto até que o leite se assente e
pare de mover;
2. Colocar uma gota de corante na superfície do leite próximo as bordas (para
que haja o mínimo de perturbação na superfície do líquido). Coloque outras gotas de
corante de cores diferentes sobre o leite, afastadas umas das outras junto á borda
do pires;
3. Molhar o palito de dente no detergente;
4. Tocar o centro do pires com o palito de dente e observar o fenômeno;
5. Colocar uma gota de corante no centro do pires;
6. Tocar o centro da gota de corante co o palito de dente, previamente molhado
com detergente;
7. Observar o que ocorre.
FONTE: Foto da experiência cores que se movem, realizada pela aluna Gerlane Silva
21
10. GEOMETRIA MOLECULAR
Objetivo
Utilizar esferas de massas de modelar para representar formas geométricas
de moléculas.
Materiais
 4 bastões de massas de modelar de cores diferentes (preta, cinza, vermelha
e azul)
 16 palitos de dente
Procedimento
PARTE A:
1. Modele uma esfera de cor preta, representando o átomo de carbono (C);
2. Insira nela 4 palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos
possíveis;
3. Fixe esferas pequenas de cor cinza (que representam átomos de hidrogênio)
na ponta de cada palito;
4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de
metano CH4.
PARTE B:
1. Modele uma esfera de cor azul, representando o átomo de nitrogênio (N);
2. Insira nela 4 palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos
possíveis;.
3. Fixe esferas pequenas de cor cinza na extremidade livre de três palitos,
deixando o quarto livre;
4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de
amônia (NH3).
PARTE C:
1. Modele uma esfera da cor vermelha representando o átomo de oxigênio (O);
2. Insira nela 4
Palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos possíveis;
22
3. Fixe esferas pequenas de cor cinza na extremidade livre de dois palitos,
deixando dois deles livres;
4. Observe a geometria do aglomerado obtido,, que representa a molécula de
água (H2O).
PARTE D:
1. Modele uma esfera de cor preta, representando o átomo de carbono;
2. Insira nela dois pares de palitos de maneira que um dos palitos fique o mais
afastado possível do outro par;
3. Fixe uma esfera vermelha nas extremidades livres de cada um desses pares;
4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de
dióxido de carbono (CO2).
23
11. PREPARANDO ÁGUA DESTILADA
Objetivo
Preparar água destilada.
Materiais
 Água
 Corante alimentício
 Chaleira
 Panela de metal pequena
 Gelo
 Frasco com tampa
 Fogão ou outra forma de aquecimento
Procedimento
1. Coloque cerca de um copo de água com algumas gotas de corante para
ferver na chaleira. Quando a água estiver fervendo, aproxime do bico da chaleira
uma pequena panela contendo gelo no seu interior. Observe o que ocorre do lado de
fora da panela com gelo.
2. Recolha a água destilada, inclinando a panela com gelo e colocando um
frasco bem embaixo de onde as gotas começarem a pingar;
3. Recolha cerca de meio copo de água destilada.
24
12. PREPARANDO HIDROGÊNIO
Objetivo
Preparar hidrogênio pela ação do ácido muriático (ácido clorídrico) sobre o
metal ferro. Reconhecê-lo após uma reação de deslocamento.
Materiais
 Tubo de ensaio
 Bombril ou prego
 Ácido muriático (HCl)
 Pegador de roupa
 Palito de fósforo
 Rolha
Procedimentos:
1. Coloque o prego ou Bombril em um copo pequeno e fino;
2. Segure o copo com o auxílio do pegador de roupa;
3. Cubra-o com o ácido muriático;
4. Feche o tubo com a ajuda da rolha;
5. Observe e espere por aproximadamente 1 minuto;
6. Acenda um palito de fósforo e o aproxime da entrada do tubo no mesmo
momento em que tira a rolha.
Análise: Quando se coloca ferro metálico (prego ou Bombril) na presença de ácido
muriático (HCl), ocorre a liberação do gás hidrogênio de acordo com a equação:
2HCl (aq) + Fe (s) FeCl2 (aq) + H 2 (g)
O H2 é um gás altamente inflamável e produz um pequeno estampido na sua
combustão.
25
13. SOBE E DESCE QUÍMICO
Objetivo
Analisar a diferença das uvas-passa na água e no sonrisal e observar o que
acontece em cada caso.
Materiais
 Um Copo de vidro
 Água
 1 Sonrisal
 Uvas-passa
Procedimentos
1. Coloque água no copo até a metade;
2. Pegue algumas uvas-passa, solte na água e observe o que acontece.
3. Adicione o sonrisal na água e observe o que acontece neste caso.
Discussão
As uvas-passa afundam no copo contendo apenas água, pois a densidade da
uva-passa é maior que a da água. Ao adicionarmos o sonrisal na água notamos a
produção de um gás. O gás liberado pelo comprimido é o gás carbônico. Se
observamos bem de perto a experiência, notamos que pequenas bolhas deste gás
ficam presas na superfície rugosa das uvas-passa. As uvas-passa ficam descendo e
subindo, porque a densidade do gás carbônico é muito menor que a da água.
As bolhas de gás que se prendem à uva- passa fazem com que a densidade
média do conjunto uva-passa + bolhas de gás fique menor que a da água. Ao chegar
ao topo do copo as bolhas se desprendem da uva-passa que volta a ficar mais
densa que a água e afunda.
26
O processo se repete por um bom tempo até enquanto houver bolhas de gás
que levem a uva-passa até o topo. No final, elas retornaram ao fundo do copo, pois
o gás tende a se soltar da sua superfície.
27
14. O CONCEITO DE REAÇÃO QUÍMICA
Objetivo
Provocar uma reação química e observar uma evidência de que ela ocorre.
Materiais
 Dois copos grandes
 Bicarbonato de sódio
 Colher de sopa
 Vinagre
Procedimentos
1. Faça a experiência sobre um local que possa ser facilmente limpo. Coloque
uma colherada de bicarbonato de sódio em um dos copos. No outro, adicione
vinagre até cerca de 2 cm de altura;
2. Observe atentamente cada um desses materiais e descreva no seu caderno o
aspecto deles;
3. Despeje o vinagre no copo que contém o bicarbonato de sódio. Observe o
que acontece e anote;
4. Volte a observar o copo após 15 minutos e registre o aspecto do que está
dentro do copo.
Discussão
O experimento descrito permitiu realizar um dos muitos exemplos de reação
química. Uma substância (denominada ácido acético) presente no vinagre reage
quimicamente com o bicarbonato de sódio produzindo novas substâncias. Uma
dessas substâncias produzidas é um gás (chamado gás carbônico ou dióxido de
carbono, o mesmo gás que forma as bolhas nos refrigerantes) cujo desprendimento
pode ser observado ao realizar o experimento.
Se uma ou mais substâncias presentes no estado inicial de um sistema
transformam-se em uma ou mais substâncias diferentes que estarão presentes no
estado final, a transformação é uma reação química ou transformação química.
28
15. OXIDAÇÃO: DESTRUIÇÃO RÁPIDA
Objetivo
Estudar algumas reações de oxidação de materiais orgânicos.
Materiais
 Cenoura média
 2 colheres de chá
 2 colheres de sopa
 6 copos de vidro
 Faca
 Frasco de vidro com tampa (100 mL)
 Liquidificador
 Óleo de soja (30 mL)
 Peneira fina
 Álcool (2,5 mL)
 Formol (2,5 mL)
 Comprimido de permanganato de potássio (100 mg)
Procedimento
O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos
os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e
discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser
respondido individualmente, como atividade extraclasse.
Duração prevista: 50 minutos
Procedimento
Observação: 1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10ml
1. Pulverizar o comprimido de permanganato de potássio (100 mg), colocar o
material em um copo e acrescentar 20 ml de água. Agite até dissolver todo o
material sólido. Esta é a solução 1 . Guardá-la no frasco de vidro com tampa.
29
2. Cortar a cenoura em pedaços pequenos e triturar bem no liquidificador com
250 ml de água (1 copo médio). Passar a mistura pela peneira. Colocar 20 ml do
líquido peneirado em um copo e, agitando, acrescentar 2,5 ml da solução.
3. Agitar e durante 15 minutos observar atentamente a cor da solução
resultante. Anotar as observações. Para facilitar a observação, colocar o copo com o
suco de cenoura puro ao lado do copo de experimento. Após 15 minutos, colocar
outros 20 ml da solução de cenoura e 2,5 ml da solução 1 em outro copo. Comparar
as cores das três soluções à medida que o tempo passa.
4. Colocar 30 ml de óleo de soja e 2,5 ml da solução 1 em um copo. Agitar bem
e durante 15 minutos observar a mistura. Anotar as observações.
5. Colocar 2,5 ml de álcool em um copo. Agitando, adicionar 2,5 ml da solução.
Observar a mistura durante 5 minutos. Anotar as observações.
6. Repetir o procedimento anterior (item d), porém colocando formol no lugar do
álcool.
Questionário
Descrever tudo o que você observou nos itens de 1 a 5 do procedimento.
Explique cada observação com as informações fornecidas na teoria.
Teoria
Nos experimentos empregamos um agente oxidante forte, o permanganato de
potássio (KMnO4), que é bastante utilizado para a oxidação de diversos tipos de
substâncias, especialmente compostos orgânicos. É fácil visualizar as reações em
que o íon MnO2, porque as cores das duas espécies químicas são bem diferentes: o
MnO4 sofre redução (agente oxidante) , porque as cores das duas espécies
químicas são bem diferentes: o MnO2 é lilás-escuro e o MnO2 é marrom-escuro.
Beta-caroteno é uma substância alaranjada presente na cenoura e em outros
vegetais, e no organismo de muitos animais, incluindo o homem, é utilizado como
fonte de vitamina A.
30
16. IODOFÓRMIO: UM MEDICAMENTO
Objetivo
Estudar, por meio de reações e materiais simples, a obtenção de um
medicamento.
Materiais
 Colher de chá
 Colher de sopa
 Conta-gotas
 Copo de vidro
 Álcool (2,5 mL)
 Tintura de iodo (10 mL)
 Hidróxido de sódio (soda cáustica) (20 g)
Execução
O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos
os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e
discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser
respondido individualmente, como atividade extraclasse.
Duração prevista: 30 minutos
Procedimento
Observação:1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10 ml
1. Colocar 50 ml de água e 1 colher de chá (rasa) de hidróxido de sódio (NaOH)
em um copo. Misturar bem, até dissolver, e então acrescentar 5 ml de acetona.
Agitando, adicionar (conta-gotas) 10 gotas de tintura de iodo e observar durante 5
minutos. A seguir, gotejar mais 20 gotas de tintura de iodo. Agitar a mistura e
observar durante 5 minutos. Anotar as observações.
2. Colocar 50 ml de água e 1 colher de chá (rasa) de hidróxido de sódio (NaOH)
em um copo. Misturar bem, até dissolver, e então acrescentar 2,5 ml de álcool.
31
Agitando, adicionar (conta-gotas) 40 gotas de tintura de iodo e observar durante 10
minutos. Anotar as observações.
Questionário
Descrever o que você observou durante os itens 1 e 2 do procedimento.
Explique as observações com as informações fornecidas na teoria.
Teoria
Ao se tratar a acetona ou álcool com tintura de iodo, na presença de solução
aquosa de hidróxido de sódio ocorre a formação de iodofórmio, um sólido amarelo-
claro insolúvel em água.
O iodofórmio é um medicamento empregado como anti-séptico e agente
antiinfeccioso de uso tópico. Tem uso veterinário como anti-séptico e como
desinfetante para lesões superficiais.
32
17. PROTEÍNAS? ONDE?
Objetivo
Analisar a presença de proteínas em alimentos.
Materiais
 2 colheres de chá
 2 colheres de sopa
 Conta-gotas
 8 copos de vidro
 Gelatina em pó sem cor e sem sabor (20 g)
 Leite (10 mL)
 Ovo
 Sulfato de cobre (50 g)
 Hidróxido de sódio (soda cáustica) (20 g)
Execução
O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos
os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e
discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser
respondido individualmente, como atividade extraclasse.
Duração prevista: 40 minutos
Procedimento
Observação:1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10 ml
1. Colocar 3 colheres de chá de sulfato de cobre e 60 ml de água em um copo.
Agitar até dissolver completamente o material sólido. Esta é a solução de cobre.
2. Colocar uma colher de chá de hidróxido de sódio (NaOH) e 30 ml de água em
um copo. Agitar até dissolver completamente o material sólido. Esta é a solução de
soda cáustica.
3. Colocar uma colher de chá de gelatina em ó e um copo. Acrescentar 10 ml de
água e agitar até ficar uma mistura uniforme. A seguir, adicionar (conta-gota) 3 gotas
33
da solução de cobre. Misturar bem e depois acrescentar 2,5 ml da solução de soda
cáustica. Observar durante 5 minutos e anotar as observações.
4. Quebrar o ovo e colocar a clara em um copo e gema em outro. Adicionar 50
ml de água ao copo contendo a clara e 50 ml de água ao copo contendo a gema.
Misturar bem, até homogeneizar, obtendo assim a solução de clara e a solução de
gema.
5. Colocar 10 ml da solução de clara em um copo e gotejar 3 gotas da solução
de cobre. Misturar bem e, a seguir, acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica.
Agite e durante 5 minutos observar. Anotar as observações.
6. Colocar 10 ml da solução de gema em um copo e gotejar 3 gotas da solução
de cobre. Misturar bem e, a seguir acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica.
Agitar e durante 5 minutos observar. Anotar as observações.
7. Colocar 10 ml de leite em um copo e gotejar 3 gotas da solução de cobre.
Misturar bem e, a seguir, acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica. Agitar e
durante 5 minutos observar. Anotar as observações.
Questionário
Descrever o que você observou nos itens 1 a 5 do procedimento. Explique
cada observação utilizando as informações fornecidas na teoria.
Teoria
A dissociação do sulfato de cobre em água leva à dissociação dos íons,
liberando os íons CU e SO em solução.
As proteínas são macromoléculas produzidas pelos seres vivos, formadas
por longas cadeias resultantes da união de moléculas de aminoácidos, cuja fórmula
geral é a seguinte.
As diferentes proteínas têm sequencias deferentes de grupos R, R’... e
arranjar espaciais também diferentes. Leite, ovos e gelatina são alimentos ricos em
proteínas.
Quando, em meio fortemente básico, o íon cobre II reage com proteínas,
ocorre então a denominada reação de biureto, com a formação de um complexo
de cor intensa. Os alimentos que contêm proteínas sofrem a reação de biureto.
34
18. URÉIA E FORMOL: UMA SÓLIDA UNIÃO
Objetivo
Estudar a formação de um polímero, utilizando materiais comuns.
Materiais
 Colher de chá
 Conta-gotas
 Frasco de vidro de pelos menos 20 ml
 Formol (10 ml)
 Uréia (20 ml)
 Ácido muriático (10 ml)
Procedimento
1. Colocar 1 colher de chá de uréia e 5 ml de formol no frasco de vidro.
2. Agite bem a mistura e, a seguir, adicionar (conta-gotas) 20 gotas de ácido
muriático.
3. Agite e observe.
Teoria
Polímeros são compostos de elevado peso moleculares formados pela união
de um grande número de moléculas, denominadas monômeros. Os monômeros
podem ser todos iguais ou substancia diferentes. Por exemplo; o polietileno (canos
plásticos, garrafas, cortinas etc.) é um polímero formado pela união de moléculas de
etileno (monômero), enquanto o náilon (fibras, cordas etc.) é um polímero formado
pela união de várias moléculas de hexametilenodiamina com ácido adípico.
Também há muito polímeros naturais, como o amido e a celulose, formados
pela união de moléculas de glicose, e as proteínas, formadas pela união de
moléculas de aminoácidos.
35
19. O ÁLCOOL VEM DO AÇÚCAR?
Objetivo
Estudar a reação utilizada industrialmente na obtenção do álcool.
Materiais
 Açúcar (100 g)
 Caneta para transparências ou etiquetas autocolante
 2 colher de chá
 2 colher de sopa
 6 copos de vidro
 Farinha de trigo (100 g)
 Fermento biológico (30 g)
 Geladeira
Procedimento
1. Colocar 30g de fermento biológico e 120 ml de água em um copo. Misturar
até homogeneizar. Esta é a solução de fermento.
2. Numerar 5 copos de vidro, dispostos em fila. Colocar 20 ml da solução de
fermento em cada copo.
3. No copo número 1, adicionar 2 colheres de chá (rasas) de farinha de trigo.
Misturar bem com a solução de fermento, até homogeneizar. Após 15,30 e 40
minutos, agitar suavemente a solução e observar cuidadosamente, atentando para a
liberação de bolhas de gás.
4. No copo número 2, adicionar 2 colheres de chá (rasas) de açúcar. Misturar
bem com a solução de fermento, até homogeneizar. Após 15, 30 e 40 minutos,
agitar suavemente, atento para liberação das bolhas de gás.
5. Nos copos números 3 e 4 adicionar, em cada um, 2 colheres de chá (rasas)
de açúcar e 2 colheres de chá (rasas) de farinha de trigo. Misturar bem com a
solução de fermento, até homogeneizar. Imediatamente a seguir, colocar o copo
número 4 no congelador. Após 15,30 e 40 minutos, agite suavemente as soluções
nos copos 3 e 4 e observar cuidadosamente, atentando para a liberação de bolhas
de gás.
36
6. O copo número 5 deverá conter apenas a solução de fermento. Após 15, 30 e
40 minutos, agite suavemente a solução a solução e observar cuidadosamente,
atentando para liberação de bolhas de gás.
Teoria
O fermento biológico contém duas enzimas denominadas invertase e zimase.
A invertase catalisa a degradação do açúcar comum (sacarose), fornecendo dois
outros açúcares, a glicose a e frutose. Em uma etapa seguinte, a zimase catalisa a
transformação da glicose e da frutose em álcool comum ( etanol ) e gás carbônico,
que é liberado na forma de bolhas de gás. As reações envolvidas são apresentadas
pelas equações abaixo. As reações catalisadas pelas enzimas invertase e zimase
são utilizadas industrialmente, na produção de álcool obtido a parte da cana-de-
açúcar.
37
20. QUEIMANDO O REAL
Materiais
 Água
 Álcool
 Pinça
 Uma vasilha de vidro
Procedimento
Colocar álcool na vasilha e o dobro de água em seguida molhar a cédula
segurando-a com a pinça e esperar que saia o excesso de álcool em seguida
coloque fogo na cédula, pois ela não vai queimar.
Teoria
O álcool entra em combustão e a água protege a nota evitando que ela
queime.
Extraído de: Ponto Ciência, queimando o real, 2013.
38
21. COMO FAZER SABÃO COMUM
Materiais
 50g de água
 20g de soda cáustica (NaOH)
 150g de óleo de soja
Procedimento:
1. Mediu-se em proveta 50 ml de água;
2. Pesou-se 20g de soda cáustica (NaOH);
3. Colocou-se um Becker com 50 ml de água;
4. Adicionou-se 20g de soda cáustica (NaOH) ao Becker;
5. Pesou-se 150g de óleo de soja em um Becker;
6. Adicionou-se aos poucos a solução de NaOH, ao óleo de soja;
7. Transferiu-se a mistura para um funil de separação e misturou-se durante 10
minutos;
Teoria
Durante o processo de dissolução da soda cáustica em água, foi observada
grande liberação de calor e aquecimento do becker devido à reação ser altamente
exotérmica. Devido à adição do óleo, que estava em temperatura ambiente, á soda
cáustica, notou-se a diminuição da temperatura da mistura.
Após alguns dias do preparo do sabão, verificou-se que a mistura estava com
uma consistência mais sólida e firme. Embora o sabão não tenha aroma específico,
é ótima a limpeza de panos de prato, ao qual foi utilizado para experimento, tendo
um resultado positivo, mostrando que se pode fazer um sabão de boa qualidade
para uso doméstico com materiais que antes eram descartados (óleos e gorduras).
39
22. COMO FAZER SABÃO COM ÁLCOOL
Material
 40g de gordura animal (banha)
 20 mL de óleo de soja
 10g de soda cáustica
 30 mL de água morna
 50 mL de etanol (álcool comum);
Procedimento
1. Derreter a gordura;
2. Acrescentar o óleo de soja;
3. Esfriar um pouco. Juntar o álcool, a soda (dissolvida em um pouco de água) e
o restante da água;
4. Homogeneizar e deixar descansar. Depois de dois dias retirar o sobrenadante
(sabão), colocar em uma fôrma (copo descartável) e deixar secar bem por mais três
dias.
 Pesou-se 40g de gordura animal (banha) na balança analítica e mediu-se 20
mL de óleo de soja; em seguida deve-se juntar os dois em um Becker.
 Em outro Becker, dissolveu-se 10g de hidróxido de sódio (NaOH, soda
cáustica) em 30 mL de água (ocorreu uma reação exotérmica); e adicionou-se 50
mL de álcool.
 No Becker contendo a gordura animal (banha) e o óleo de soja, foi-se
adicionando aos poucos a solução de hidróxido de sódio com álcool e mexendo-se
sem parar por 10 minutos até homogeneizar.
 Colocou-se na fôrma (copo descartável) e deixou-se descansar por uma
semana.
Conclusão
Foi possível obter o sabão com êxito a partir da reação de óleos e gorduras
com uma Base e um álcool, mas também com esses com esses reagentes pode
40
ocorrer uma reação secundária (já que a reação de saponificação foi favorecida) que
é a reação de transesterificação.
Foto da produção de sabão caseiro.
Disponível em: http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRvZU2Nq_8IFsw-
poE8XjEXzXnNZB2AP40rg3wXw_ZJCgou1EBUzA
41
23. BOLAS DE NAFTALINA SALTITANTES
Objetivo
Observar o movimento das bolas de naftalina.
Materiais
 Bolas de naftalina
 Água
 Bicarbonato de Sódio
 Vinagre
 Corante para bolo (utilizado apenas para colorir o experimento)
 Frasco de vidro alto (copo)
Procedimento
1. Coloque cerca de 10 a 20 mL de vinagre dentro do frasco.
2. Encha o recipiente com água, até cerca de três dedos do seu rebordo.
3. Adicione uma colher de sopa de bicarbonato de sódio.
4. Introduza as bolas de naftalina dentro do recipiente. Em seguida adicione
algumas gotas de corante.
5. Observe o que acontece.
Explicação
O bicarbonato de sódio reage com o ácido do vinagre e produz uma
substância gasosa, o dióxido de carbono (as bolhinhas de ar ao redor das bolas de
naftalina).
Este gás forma uma pressão suficiente para empurrar as bolas de naftalina.
As bolinhas ficam temporariamente a flutuar.
42
Extraído de: redeglobo.globo.com
Algumas dessas bolhas de ar libertam-se à superfície, e sem a sua ajuda, as
bolas de naftalina voltam a descer até ao fundo do recipiente.
Depois todo o processo se volta a repetir, até que o gás formado na reação
entre o bicarbonato de sódio e o vinagre se esgote.
43
24. EFEITO TYNDALL: IDENTIFICAÇÃO DAS SUSPENSÕES
Objetivo
Classificar as dispersões químicas por meio da observação do efeito Tyndall,
produzido pela luz.
Materiais
 3 copos transparentes do mesmo volume.
 Apontador a laser com o feixe de luz bem estreito.
 Amido de milho.
 Cloreto de sódio.
 Gelatina incolor
 Pedaço de 10 cm x 10 cm de cartolina preta.
Procedimento
1. Dissolver uma colher de chã de gelatina incolor em um copo de água morna e
aguarde que esfrie.
2. Misture uma colher de chá de amido de milho em outro copo de água à
temperatura ambiente.
3. Misture uma colher de chá de cloreto de sódio em outro copo de água à
temperatura ambiente.
4. Posicionar a cartolina e o feixe de luz em lados opostos a cada um dos copos.
5. Acenda o feixe e observe tanto a trajetória da luz quanto a marca que ela
produz na cartolina preta.
Observação
Os resíduos devem ser diluídos e jogados na pia.
Podem ser utilizados outros materiais como refrigerante.
44
25. POR QUE A VELA QUEIMA
Objetivo
Estudar a reação de combustão por meio de materiais simples.
Materiais
 Copo de vidro
 Faca
 Fósforo
 Régua
 Vela comum
Procedimento
1. Com a faca corte a vela em dois pedaços medindo 4 cm cada um.Deixe a
ponta do pavio livre para ser aceso.
2. Coloque os dois pedaços de vela um do lado do outro, sobre uma superfície
bem plana como um balcão e acendê-lo simultaneamente.
3. Ambos os acessos, coloque o copo invertido sobre um deles, de maneira que
não entre ar por baixo. Observe os dois pedaços.
Explicação
A vela é produzida a partir de uma cera obtida do petróleo, que contém
substâncias formadas por átomos de C e H, denominadas hidrocarbonetos. A
reação de combustão (queima completa) envolve a combinação com o oxigênio do
ar, para produzir vapor de água e gás carbônico. São indispensáveis dois fatores:
 Energia de ativação – é necessária para iniciar a reação de combustão, ou
seja, uma vela não queimará se não for acesa por um fósforo ou outra fonte
de calor. Depois de iniciada a combustão libera energia de ativação
necessária para que outras moléculas reajam, e a reação só cessa quando o
material acaba ou quando a chama é apagada com água ou de outra
maneira;
 Oxigênio do ar – se o oxigênio não pode alcançar a chama, onde está
ocorrendo à reação de combustão, a reação pára.
45
26. COLÓIDES? ONDE?
Objetivo
Apresentar aos alunos alguns materiais coloidais comuns.
Materiais
 Cola escolar lavável
 7 copos de vidro
 Detergente líquido
 Fogão
 Garfo
 Gelatina em pó sem cor e sem sabor
 Amido de milho
 Óleo de soja
 Ovo
 Panela pequena
 Cloreto de sódio
 Acetona
Procedimento
1. Coloque a clara do ovo em 1 copo. Com o garfo, sinta a consistência do
material.
2. Coloque 30 mL de água em 1 copo e adicione 1 colher de chá de cloreto de
sódio. Misture bem, sinta a consistência do material e observe o aspecto da
mistura.
3. Coloque 30 mL de acetona no 3º copo de adicione 10 mL de óleo de soja e
observe o aspecto da mistura.
4. Coloque 30 mL de detergente líquido em outro copo, observe e sinta a
consistência.
5. Coloque 20 mL de cola em 1 copo e com o garfo sinta a consistência do
material no momento que está colocado no copo e a cada 5 minutos durante
15 minutos.
46
6. Coloque 2 colheres de chá de amido de milho em 1 copo e acrescente 30 mL
de água e em seguida coloque a solução de maizena na panela. Leve ao
fogo e mecha até formar um creme consistente. Deixe esfriar e com o grafo,
sinta a consistência do material.
7. No sétimo copo coloque uma colher de sopa de gelatina em pó. Adicione 10
mL de água fria e misture bem. Em seguida acrescente 20 mL de água e
misture bem. Deixe esfriar e com o garfo sinta a consistência.
Explicação
Identificar a partir do procedimento uma solução verdadeira, uma solução
coloidal ou emulsão.
Quando são misturadas substâncias líquidas com outras sólidas pode ocorrer
a formação de diferentes sistemas:
 Soluções verdadeiras – solubilizam – se perfeitamente, não sendo possível
observar a olho nu, como água e álcool.
 Soluções coloidais – as partículas não podem ser vistas a olho nu, mas a
partir da consistência diferenciam-se das verdadeiras.
 Suspensões – possível de ser observada a olho nu, como água e olho.
Observação
Se não se observar partículas é uma solução, do contrário será uma
suspensão. E em relação à Consistência, se não apresenta partículas ao ser
testado, trata-se de uma solução coloidal, se não, é uma solução verdadeira.
47
BIBLIOGRAFIA
FOSCHINI, Júlio Cezar (organizador). Coleção ser protagonista. Química 1º ano:
Ensino Médio. 1ª edição. Edições SM, São Paulo, 2010.
GUGLIOTTI, M. Tensão superficial nos pulmões. Química Nova na Escola, v.16,
p.3, 2002.
HESS, Sônia. Experimentos de química com materiais domésticos. 1° edição,
Editora moderna, 2008.
MATEUS, Alfredo Luiz. Química na cabeça. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2001.
PERUZZO, Francisco Miragaia; CANTO, Eduardo Leite do. Química na abordagem
do cotidiano. 4ª edição. Editora Moderna, São Paulo, 2006.
QUÍMICA: A ciência central. Capítulo 11. Forças intermoleculares, líquidos e
sólidos. Disponível em: http://danieleluna.files.wordpress.com/2010/09/cap11.pdf.
Acesso em: 21/05/2010.
SANTOS, Wildson L. Pereira dos; MÓL, Gerson de Souza (coordenadores).
Química Cidadã: Materiais, substâncias constituintes, química ambiental e suas
implicações sociais. Volume 1, Editora Nova geração, São Paulo, 2010.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA (org.) A química perto de você:
experimentos de baixo custo para a sala de aula do Ensino Fundamental e Médio. 1ª
edição. São Paulo, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdfLista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Gabriela Almas
 
Aula estrutura atomica
Aula estrutura atomicaAula estrutura atomica
Aula estrutura atomica
dandias5
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
O mundo da FÍSICA
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
Augusto Sérgio Costa Souza
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
Vinícius Oliveira da Costa
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
Diego Moura
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Kátia Elias
 
Modelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorioModelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorio
Camila Neitzke
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
Karlla Costa
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
Jerfson Abreu Brito
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
Denise
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânica
V
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Ronaldo Santana
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
Bárbara Caldeira
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
Karol Maia
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
Rebeca Vale
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
fismatromulo
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
GernciadeProduodeMat
 

Mais procurados (20)

Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdfLista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
Lista de Exercícios_9ºano_2º bimestre.pdf
 
Aula estrutura atomica
Aula estrutura atomicaAula estrutura atomica
Aula estrutura atomica
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Modelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorioModelo padrao relatorio
Modelo padrao relatorio
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânica
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
 

Destaque

Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Cycyro Soares
 
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Maria José Ramalho
 
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
David Azevedo
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
Ailton Gordiano
 
Apostila experimentos
Apostila experimentosApostila experimentos
Apostila experimentos
Fabinho Silva
 
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-alunoCaderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
NILDA Leite Leite
 
Experiencias 1ano
Experiencias 1anoExperiencias 1ano
Experiencias 1ano
Lia Moura
 
Experiências com o ar
Experiências com o arExperiências com o ar
Experiências com o ar
Carmo Silva
 
Experiências com o ar
Experiências com o arExperiências com o ar
Experiências com o ar
Carmo Silva
 
Existência do ar e suas caracteristicas
Existência do ar e suas caracteristicasExistência do ar e suas caracteristicas
Existência do ar e suas caracteristicas
Nuno Trabulo
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
Luciene Rosa Gugé
 
Explicação experimento pulmão na garrafa
Explicação experimento pulmão na garrafaExplicação experimento pulmão na garrafa
Explicação experimento pulmão na garrafa
Sam Adam
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue

Destaque (13)

Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
 
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
Ciências experimentais no 1º ciclo 2012 2013
 
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.Atividades experimentais. Experiências com o ar.
Atividades experimentais. Experiências com o ar.
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
 
Apostila experimentos
Apostila experimentosApostila experimentos
Apostila experimentos
 
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-alunoCaderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
Caderno pedagc3b3gico-cic3aancias-5c2ba-ano-3-bim-2012-aluno
 
Experiencias 1ano
Experiencias 1anoExperiencias 1ano
Experiencias 1ano
 
Experiências com o ar
Experiências com o arExperiências com o ar
Experiências com o ar
 
Experiências com o ar
Experiências com o arExperiências com o ar
Experiências com o ar
 
Existência do ar e suas caracteristicas
Existência do ar e suas caracteristicasExistência do ar e suas caracteristicas
Existência do ar e suas caracteristicas
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
 
Explicação experimento pulmão na garrafa
Explicação experimento pulmão na garrafaExplicação experimento pulmão na garrafa
Explicação experimento pulmão na garrafa
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue
Projeto Dengue
 

Mais de Jéssica Rodrigues'

Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
Jéssica Rodrigues'
 
Prof reflexivo alarcao01
Prof reflexivo   alarcao01Prof reflexivo   alarcao01
Prof reflexivo alarcao01
Jéssica Rodrigues'
 
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
Jéssica Rodrigues'
 
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludkeO professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
Jéssica Rodrigues'
 
Formação de professores de química
Formação de professores de químicaFormação de professores de química
Formação de professores de química
Jéssica Rodrigues'
 
Formação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de químicaFormação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de química
Jéssica Rodrigues'
 
A pesquisa na formação de formadores de professores
A pesquisa na formação de formadores de professoresA pesquisa na formação de formadores de professores
A pesquisa na formação de formadores de professores
Jéssica Rodrigues'
 

Mais de Jéssica Rodrigues' (7)

Manual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicasManual de atividades lúdicas
Manual de atividades lúdicas
 
Prof reflexivo alarcao01
Prof reflexivo   alarcao01Prof reflexivo   alarcao01
Prof reflexivo alarcao01
 
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
Prescepção do professor acerca do uso das mídias e da tecnologia na prática p...
 
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludkeO professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
O professor, seu saber, sua pesquisa menga ludke
 
Formação de professores de química
Formação de professores de químicaFormação de professores de química
Formação de professores de química
 
Formação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de químicaFormação continuada de professores de química
Formação continuada de professores de química
 
A pesquisa na formação de formadores de professores
A pesquisa na formação de formadores de professoresA pesquisa na formação de formadores de professores
A pesquisa na formação de formadores de professores
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 

Manual de atividades práticas

  • 1. MANUAL DE PRÁTICAS DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA COM MATERIAIS ALTERNATIVOS SUBPROJETO PIBID/QUÍMICA/FAEC-UECE Crateús - CE 2013
  • 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE CRATEÚS CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PRESIDENTE EURICO GASPAR DUTRA Integrantes do Subprojeto PIBID/QUÍMICA/FAEC Coordenador de Área: Prof. Ms. Saulo Robério Rodrigues Maia Professora Supervisora: Profª. Esp. Terezinha de Jesus Melo Bolsistas de Iniciação a Docência Aparecida Soares Cavalcante Francisco Fernandes de Oliveira Júnior Gerardo Machado Aguiar Junior Gerlane Maria da Silva Idarlene Marcelino Rodrigues Alves Jéssica Rodrigues Sousa Nauanne Rayelle Vasconcelos Martins CRATEÚS – CE 2013
  • 3. AGRADECIMENTOS Ao grupo gestor da Escola de Ensino Fundamental e Médio Presidente Eurico Gaspar Dutra, tendo na sua direção a Profª Cláudia Maria Vasconcelos e, como coordenadora pedagógica, a Profª Quitéria Ferreira Balacó, pelo acolhimento e apoio irrestrito ao projeto, proporcionando o desenvolvimento do manual de práticas nas dependências da escola e, outras atividades realizadas pelo subprojeto PIBID- QUÍMICA-FAEC. A CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) pelas bolsas concedidas aos integrantes do projeto e o aporte financeiro para a confecção deste manual.
  • 4. SUMÁRIO 1. FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DE UMA REAÇÃO 05 1.1 TEMPERATURA 05 1.2 SUPERFÍCIE DE CONTATO 06 1.3 CONCENTRAÇÃO 07 1.4 CATALISADOR 07 2. A ESPONJA DE AÇO CONTÉM FERRO? 08 3. CORRIDA BRILHANTE 10 4. O SEGREDO DAS CORES DAS CANETINHAS 12 5. ENCHEDOR AUTOMÁTICO DE BALÕES 14 6. O QUE SOBE E O QUE DESCE? 15 7. CAMADA DE LÍQUIDOS 17 8. COMPARAÇÃO DE DENSIDADES 19 9. CORES QUE SE MOVEM 20 10. GEOMETRIA MOLECULAR 21 11. PREPARANDO ÁGUA DESTILADA 23 12. PREPARANDO HIDROGÊNIO 24 13. SOBE E DESCE QUÍMICO 25 14. O CONCEITO DE REAÇÃO QUÍMICA 27 15. OXIDAÇÃO: DESTRUIÇÃO RÁPIDA 28 16. IODOFÓRMIO: UM MEDICAMENTO 30 17. PROTEÍNAS? ONDE? 32 18. URÉIA E FORMOL: UMA SÓLIDA UNIÃO 34
  • 5. 19. O ÁLCOOL VEM DO AÇÚCAR? 35 20. QUEIMANDO O REAL 37 21. COMO FAZER SABÃO COMUM 38 22. COMO FAZER SABÃO COM ÁLCOOL 39 23. BOLAS DE NAFTALINA SALTITANTES 41 24. EFEITO TYNDALL: IDENTIFICAÇÃO DAS SUSPENSÕES 43 25. PORQUE A VELA QUEIMA? 44 26. COLÓIDES? ONDE? 45 BIBLIOGRAFIA 47
  • 6. 5 1. FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DE UMA REAÇÃO 1.1 TEMPERATURA Materiais  Comprimidos efervescentes  Água gelada, quente e à temperatura ambiente  Copos Procedimento 1. Coloque água da torneira em um copo, água gelada em outro, e água a 40ºC em um terceiro copo (o mesmo volume de água nos três). 2. Coloque um comprimido em cada copo. 3. Anote, para cada copo, o tempo que leva para que todo o comprimido se decomponha. Comentários: 1) A velocidade da reação foi influenciada pela temperatura da água? 2) Qual a influência do aumento da temperatura sobre a velocidade da reação? FONTE: Foto da experiência “temperatura” realizada pela aluna Jéssica Rodrigues. ÁGUA GELADA ÁGUA NA TEMPERATURA AMBIENTE ÁGUA MORNA
  • 7. 6 1.2 SUPERFÍCIE DE CONTATO Materiais  Comprimidos efervescentes  Copos  Lâmina de corte Procedimento 1. Coloque água da torneira em cada béquer. 2. Deixe um dos comprimidos inteiros e o segundo triturar em finas partículas. 3. Colocar os dois comprimidos, uma em cada béquer, anotar o tempo que estas partes levam para se dissolver. Comentários: 1) A reação de decomposição do comprimido se processa com igual velocidade em cada copo? 2) Porque ocorreu esta diferença de velocidade na reação entre os dois comprimidos? FONTE: Foto da experiência “superfície de contato” realizada pela aluna Jéssica Rodrigues. COMPRIMIDO INTEIRO COMPRIMIDO TRITURADO
  • 8. 7 1.3 CONCENTRAÇÃO Materiais  Comprimido efervescente  Vinagre  Copos Procedimento 1. Coloque volumes iguais de água em dois copos, à mesma temperatura. 2. Em um dos copos, adicione uma colher de chá de vinagre e, ao outro, uma colher de sopa. Agite o conteúdo para tornar a solução homogênea. 3. Coloque um comprimido em cada copo, ao mesmo tempo, e observe atentamente. 1.4 CATALISADOR Materiais  Peróxido de hidrogênio (H2O2)  Batata ou pedaço de carne  Copos Procedimento: 1. Coloque água oxigenada em dois copos estreitos. 2. A um dos copos adicione a batata ou o pedaço de carne. 3. Nas extremidades dos copos coloque uma bexiga. Comentários No tubo que contém a batata teremos uma reação mais veloz, fato este comprovado por maior produção de gás oxigênio, fazendo com que a bexiga fixa no mesmo fique mais cheia.
  • 9. 8 2. A ESPONJA DE AÇO CONTÉM FERRO? Objetivo Com este experimento propõe-se discutir a constituição da matéria e a formação de substâncias a partir de reações de oxidação, introduzindo aspectos relativos ao cotidiano. Materiais  2 garrafas PET  1 esponja de aço  Água oxigenada 10 volumes (podem ser usada outras concentrações)  Garrafa de refrigerante de limão Procedimento 1. Lave bem 2 garrafas PET e adicione em cada uma delas pedaços de esponjas de aço. 2. Preencha a primeira com água suficiente para cobrir a esponja, feche a tampa da garrafa e agite por alguns instantes. Observe o que ocorre e anote os resultados. 3. Em seguida, repita o procedimento anterior adicionando à segunda garrafa PET o refrigerante de limão, até cobrir totalmente a esponja de aço. Feche a garrafa e agite bem por alguns minutos. Deixe repousar e observe a coloração que se forma. Você pode decantar a solução para frasco transparente. Os alunos deverão anotar a mudança que ocorre. 4. Abra a garrafa e despeje uma pequena quantidade de água oxigenada. 5. Novamente tampe a garrafa e agite por alguns minutos. Você pode decantar a solução para um frasco transparente para melhor observação. Verifique o que ocorre após deixar repousar. Observe a mudança da coloração da solução. Observação Os estudantes devem pesquisar sobre a composição química do aço e as cores dos íons de ferro em soluções ácidas. Depois, devem responder se, de acordo com as observações, pode-se concluir que a esponja contém ferro.
  • 10. 9 Entendendo o experimento A curiosidade natural fez do homem um explorador do mundo que o cerca. Observar, analisar, perceber e descobrir, através da experimentação, constitui uma formação fundamental na explicação do por que das coisas e contribui para o crescimento do saber científico e educacional. Muitos desses conhecimentos são usados para melhoria da qualidade de vida. Neste experimento vamos identificar se a composição de uma esponja de aço contém ferro e o que ocorre com ela na presença de determinados produtos. Em meio ácido (refrigerantes de limão contém ácido cítrico) ocorre a dissolução de íons ferro. Com a adição da água oxigenada (H2O2), os íons ferro passam para íons Fe3+ o que é indicado pela coloração amarelada. Se adicionarmos soda cáustica à solução, esta irá adquirir tonalidade avermelhada, pois os íons Fe3+ passarão a hidróxido de ferro. Fe2+ (aq) + 2H2O2(aq) + H+ Fe3+ (aq) + (OH- )(l) + •HO (solução amarela) Fe3+ (aq) + (OH- ) (l) Fe(OH)3 (aq) (solução avermelhada) O professor pode trabalhar inicialmente com assuntos referentes à matéria e sua composição, formação de substâncias e seus constituintes. No cotidiano do aluno podem-se inserir informações referentes à presença de íons ferro na água, suas influências e efeitos na saúde humana. Algumas questões importantes sobre este experimento que devem ser instigadas: 1- Por que só ocorreu mudança de coloração na solução com refrigerante? 2- Por que se adiciona a água oxigenada? 3- Qual a diferença entre os íons de ferro existentes? 4- O que é oxidação? Resíduos, tratamento e descarte As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para descarte. O experimento proposto não gera resíduos agressivos ao meio ambiente, podendo, então, ser utilizado de forma segura. Ainda assim, as soluções formadas poderão ser encaminhadas à estação de tratamento de água e efluentes da sua cidade para que sejam dados os devidos fins de tratamento. É também uma ótima oportunidade dos alunos visitarem uma estação onde a água é tratada.
  • 11. 10 3. CORRIDA BRILHANTE Objetivo Este experimento serve para demonstrar ao aluno, de forma simples e divertida, como funciona a tensão superficial da água e o que ocorre quando essa tensão é quebrada em contato com o detergente. Materiais  Detergente  Água  Purpurina  Recipiente transparente grande Procedimento 1. Coloque a água em um recipiente transparente para melhor visualização do experimento. 2. Coloque a purpurina aos poucos. 3. Pingue o detergente no lugar onde há maior quantidade de purpurina. Peça aos estudantes que descrevam o que observam. Entendendo o experimento Por suas características físico-químicas, as moléculas da água são fortemente atraídas umas pelas outras. Essa atração forma, na superfície da água, uma membrana chamada tensão superficial. A tensão superficial é uma força capaz de manter a água unida, ou coesa, como se uma capa a cobrisse. Objetos leves, como folhas, purpurina e alguns insetos, não conseguem romper essa membrana. Por essa razão não afundam e, às vezes, nem se molham. O detergente, porém, é capaz de romper esta película que se forma na superfície da água, “quebrando” a tensão superficial. Neste experimento podemos ver o detergente quebrando a tensão superficial da água pelo movimento da purpurina, que é menos densa do que a água. Trata-se de um projeto simples que possibilita mostrar ao aluno que a Química está presente em várias atividades do seu cotidiano, como, por exemplo,
  • 12. 11 lavar a louça. Pode-se explicar ao aluno a finalidade do detergente, como ele atua, qual a sua composição química e questões de higiene, remetendo aos sabões e sabonetes. Resíduos, tratamento e descarte Os resíduos gerados neste experimento podem ser descartados no lixo comum. As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para a reciclagem. FONTE: Foto da experiência “corrida brilhante” realizada pela aluna Aparecida Soares.
  • 13. 12 4. O SEGREDO DAS CORES DAS CANETINHAS Quais são os pigmentos que se escondem em uma cor de canetinha? Quais são as cores que formam o preto, o marrom e o azul? Usando uma técnica físico- química de separação de misturas chamada cromatografia em papel, é possível descobrir. Objetivo Verificar os pigmentos que se escondem em cada cor das canetinhas através de uma técnica físico-química de separação de misturas chamada, Cromatografia em papel. Materiais  Canetinhas coloridas  Álcool (92 IMDM é melhor)  Filtro de café  1 copo  Fita gomada  Tesoura Procedimento 1. Corte o filtro em tiras retangulares (o mais cumprido possível). 2. Encha o fundo do copo com um pouco de álcool. 3. Pinte uma bolinha na parte inferior do papel (1 dedo de distancia do final do papel). 4. Prenda o filtro com a fita na caneta e coloque-a na boca do copo deixando o álcool ser sugado pelo papel (a bolinha não pode encostar-se ao álcool).
  • 14. 13 FONTE: Foto da experiência ”o segredo das cores das canetinhas” realizada pela aluna Nauanne Rayelle.. Teoria A técnica utilizada nesta experiência chama-se cromatografia, que no caso desta é a cromatografia em papel. Na hora de fabricar as canetinhas em algumas cores são misturados dois ou mais pigmentos, nem todas as cores, pois há cores com um único pigmento, mas os pigmentos onde as cores são misturadas na hora que mergulhamos o filtro de papel no álcool, o álcool vai subindo pelo papel até que passa pela a cor, na hora que ele passa pela a cor começa a carregar junto esses pigmentos, que sempre vai ter um pigmento que tende a grudar mais no papel e um pigmento que tende a ser levado mais pelo o álcool, este que tende a grudar no papel vai ficar para trás e o que tende a ser levado pelo o álcool vai subir mais rapidamente, então, os dois pigmentos irão se separar, assim conseguiremos vermos quais pigmentos foram usados para fazer aquela cor.
  • 15. 14 5. ENCHEDOR AUTOMÁTICO DE BALÕES Materiais  Vinagre  Bicarbonato de sódio  Balão  Funil  Garrafa de gargalo estreito Procedimento Colocar vinagre dentro de uma garrafa de gargalo estreito até encher cerca de um quarto da mesma. Com o funil, colocar no balão um pouco de bicarbonato de sódio. Enfiar o gargalo do balão no gargalo da garrafa. Levantar o balão de modo a que o bicarbonato de sódio caia para dentro da garrafa. O vinagre começa a fazer bolhas e o balão começa a encher devagarzinho. Explicação O ácido acético do vinagre reage com o bicarbonato de sódio libertando dióxido de carbono. À medida que se forma mais gás, a pressão dentro da garrafa aumenta e o balão enche. A reação química que explica este processo escreve-se assim: H+ (aq) + HCO3 - (aq) CO2 (g) + H2O (l)
  • 16. 15 6. O QUE SOBE E O QUE DESCE? Objetivo Este experimento tem como finalidade demonstrar aos estudantes, de uma forma prática e simples, as diferenças entre a densidade dos materiais e a força das interações entre as moléculas de água. Materiais  1 copo ou béquer de 300 mL, transparente  3 elásticos de borracha látex  1 metro de papel higiênico, ou rolo de papel toalha  200 mL de água  1 prato raso  3 palitos de dentes Experimento 1. Coloque 200 mL de água no copo. 2. Retire duas folhas, nas dimensões de 20 x 20cm, de um rolo de papel toalha. Sobreponha as folhas e dobre duas vezes até que formem um quadrado de aproximadamente 10 x10cm. 3. Coloque o papel dobrado na boca do copo. 4. Prenda o papel toalha na boca do copo usando um elástico de borracha látex. 5. Com o prato raso já disposto, vire o copo de boca para baixo. 6. Transpasse pelo papel os palitos, um a um, e depois os empurre para dentro do copo. Dessa forma, mesmo com o papel furado, a água não escapará e o palito que entrou no copo flutuará (nesse momento o aluno irá perceber importância da densidade). Observação Deve ser mostrado ao estudante que, apesar de vazar um pouco de água porque o papel ensopou, não sairá água onde o palito furou (e neste momento o aluno irá entender como funciona a tensão superficial).
  • 17. 16 Neste experimento, serão enfocadas as forças intermoleculares, responsáveis por manter as moléculas unidas na formação das diferentes substâncias. Existem diversos tipos de interações intermoleculares e, neste experimento, poderão ser especialmente focadas as ligações de hidrogênio, aqui ocorrendo entre as moléculas de água. Outro tema a ser trabalhado é a densidade. A densidade é a relação entre a massa de um material e o volume por ele ocupado. O cálculo da densidade é feito pela seguinte expressão: Densidade = massa /volume. A densidade determina a quantidade de matéria que está presente em uma unidade de volume. Por exemplo, o mercúrio possui maior densidade do que o leite, isso significa que num dado volume de mercúrio há mais matéria que em uma mesma quantidade de leite. Com este experimento o estudante perceberá que a água, uma substância tão presente em nossas vidas, é um ótimo modelo para o estudo das propriedades físico-químicas da matéria. Resíduos, tratamento e descarte Os resíduos gerados neste experimento podem ser descartados no lixo comum. As garrafas de plástico (PET) devem ser encaminhadas para a reciclagem. FONTE: Foto da experiência “o que sobe e o que desce” realizada pela aluna Idarlene Marcelino.
  • 18. 17 7. CAMADA DE LÍQUIDOS Objetivos Demonstrar de forma prática e simples duas propriedades das substâncias químicas envolvidas que é: solubilidade e densidade. Materiais  1 Frasco cilíndrico alto, transparente e com tampa  Xarope de milho ou mel  Óleo vegetal  Álcool contendo algumas gotas de corante alimentício  Água com corante alimentício de outra cor  Objetos pequenos de materiais diversos: bolinha de gude, bolinha de metal, pedaço de vela, bolinha de naftalina, rolha de cortiça Procedimento 1. Coloque no frasco o xarope de milho ou mel. 2. Adicione cuidadosamente, uma quantidade semelhante de água contendo algumas gotas de corante, escorrendo-as pelas paredes do frasco. 3. Adicione a mesma quantidade de óleo vegetal por cima da água com corante. 4. Cuidadosamente adicione o álcool contendo algumas gotas de corante por cima do óleo. 5. Coloque pequenos pedaços de plástico, rolhas de cortiça, pedaços de vela, bolinhas de gude, e bolinhas de naftalina, etc. No cilindro e observe. Em que cada camada cada objeto flutuou? Resultados e discussão Duas propriedades das substâncias estão envolvidas aqui: a solubilidade e a densidade. Líquidos que não se misturam entre si são chamados de imiscíveis. Neste caso apenas o óleo vegetal é imiscível com a água, e assim a ordem de adição dos líquidos é importante para que estes não se misturem. Eventualmente, o xarope irá se dissolver na água, porém, o processo é muito lento. Já o álcool não se mistura coma água, pois a camada de óleo separa os dois líquidos.
  • 19. 18 O que aconteceria se o cilindro fosse invertido? Tampe-o e tente! Ao inverter o cilindro você irá perceber que o álcool e a água se misturam, formando uma única fase. Os líquidos foram colocados na ordem decrescente de suas densidades, com o xarope de milho tendo a maior e o álcool a menor densidade de todos os líquidos. Os objetos sólidos irão flutuar apenas em um líquido que apresente uma densidade maior que a sua. Camada de líquidos Disponível em: http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9 GcRz6nRJkcVGaPCDvEn3WnbUwgx4GeT62rltJTqsNk2ZyhHlUh3c
  • 20. 19 8. COMPARAÇÃO DE DENSIDADES Objetivo Verificar que a densidade de uma mistura depende de sua comparação. Materiais  Colher pequena de chá  1 Copo fundo e 1 largo (preferencialmente de vidro e transparente)  1 ovo  Sal Procedimentos 1. Coloque o ovo dentro de um copo contendo cerca de 150 mL de água. Observe o que acontece; 2. Depois, retire-o do copo e acrescente à água uma colher de sal. Agite a água por alguns instantes até dissolver todo o sal. Recoloque o ovo no copo e observe novamente o sistema; 3. Repita o procedimento anterior algumas vezes até que o sal colocado na ultima adição não mais se dissolve e se deposite no fundo do copo. 4. Coloque o ovo dentro do copo contendo água. Repita o procedimento sempre. Extraído de: educador.brasilescola.com
  • 21. 20 9. CORES QUE SE MOVEM Objetivo Mostrar como atua um tensoativo, diante da tensão superficial. Materiais  Leite  Pires ou uma placa de petri  Água  Corantes alimentícios  Detergente  Palito de dente Procedimento 1. Coloque o leite em um pires. Aguardar 1 minuto até que o leite se assente e pare de mover; 2. Colocar uma gota de corante na superfície do leite próximo as bordas (para que haja o mínimo de perturbação na superfície do líquido). Coloque outras gotas de corante de cores diferentes sobre o leite, afastadas umas das outras junto á borda do pires; 3. Molhar o palito de dente no detergente; 4. Tocar o centro do pires com o palito de dente e observar o fenômeno; 5. Colocar uma gota de corante no centro do pires; 6. Tocar o centro da gota de corante co o palito de dente, previamente molhado com detergente; 7. Observar o que ocorre. FONTE: Foto da experiência cores que se movem, realizada pela aluna Gerlane Silva
  • 22. 21 10. GEOMETRIA MOLECULAR Objetivo Utilizar esferas de massas de modelar para representar formas geométricas de moléculas. Materiais  4 bastões de massas de modelar de cores diferentes (preta, cinza, vermelha e azul)  16 palitos de dente Procedimento PARTE A: 1. Modele uma esfera de cor preta, representando o átomo de carbono (C); 2. Insira nela 4 palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos possíveis; 3. Fixe esferas pequenas de cor cinza (que representam átomos de hidrogênio) na ponta de cada palito; 4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de metano CH4. PARTE B: 1. Modele uma esfera de cor azul, representando o átomo de nitrogênio (N); 2. Insira nela 4 palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos possíveis;. 3. Fixe esferas pequenas de cor cinza na extremidade livre de três palitos, deixando o quarto livre; 4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de amônia (NH3). PARTE C: 1. Modele uma esfera da cor vermelha representando o átomo de oxigênio (O); 2. Insira nela 4 Palitos de maneira que eles formem entre si os maiores ângulos possíveis;
  • 23. 22 3. Fixe esferas pequenas de cor cinza na extremidade livre de dois palitos, deixando dois deles livres; 4. Observe a geometria do aglomerado obtido,, que representa a molécula de água (H2O). PARTE D: 1. Modele uma esfera de cor preta, representando o átomo de carbono; 2. Insira nela dois pares de palitos de maneira que um dos palitos fique o mais afastado possível do outro par; 3. Fixe uma esfera vermelha nas extremidades livres de cada um desses pares; 4. Observe a geometria do aglomerado obtido, que representa a molécula de dióxido de carbono (CO2).
  • 24. 23 11. PREPARANDO ÁGUA DESTILADA Objetivo Preparar água destilada. Materiais  Água  Corante alimentício  Chaleira  Panela de metal pequena  Gelo  Frasco com tampa  Fogão ou outra forma de aquecimento Procedimento 1. Coloque cerca de um copo de água com algumas gotas de corante para ferver na chaleira. Quando a água estiver fervendo, aproxime do bico da chaleira uma pequena panela contendo gelo no seu interior. Observe o que ocorre do lado de fora da panela com gelo. 2. Recolha a água destilada, inclinando a panela com gelo e colocando um frasco bem embaixo de onde as gotas começarem a pingar; 3. Recolha cerca de meio copo de água destilada.
  • 25. 24 12. PREPARANDO HIDROGÊNIO Objetivo Preparar hidrogênio pela ação do ácido muriático (ácido clorídrico) sobre o metal ferro. Reconhecê-lo após uma reação de deslocamento. Materiais  Tubo de ensaio  Bombril ou prego  Ácido muriático (HCl)  Pegador de roupa  Palito de fósforo  Rolha Procedimentos: 1. Coloque o prego ou Bombril em um copo pequeno e fino; 2. Segure o copo com o auxílio do pegador de roupa; 3. Cubra-o com o ácido muriático; 4. Feche o tubo com a ajuda da rolha; 5. Observe e espere por aproximadamente 1 minuto; 6. Acenda um palito de fósforo e o aproxime da entrada do tubo no mesmo momento em que tira a rolha. Análise: Quando se coloca ferro metálico (prego ou Bombril) na presença de ácido muriático (HCl), ocorre a liberação do gás hidrogênio de acordo com a equação: 2HCl (aq) + Fe (s) FeCl2 (aq) + H 2 (g) O H2 é um gás altamente inflamável e produz um pequeno estampido na sua combustão.
  • 26. 25 13. SOBE E DESCE QUÍMICO Objetivo Analisar a diferença das uvas-passa na água e no sonrisal e observar o que acontece em cada caso. Materiais  Um Copo de vidro  Água  1 Sonrisal  Uvas-passa Procedimentos 1. Coloque água no copo até a metade; 2. Pegue algumas uvas-passa, solte na água e observe o que acontece. 3. Adicione o sonrisal na água e observe o que acontece neste caso. Discussão As uvas-passa afundam no copo contendo apenas água, pois a densidade da uva-passa é maior que a da água. Ao adicionarmos o sonrisal na água notamos a produção de um gás. O gás liberado pelo comprimido é o gás carbônico. Se observamos bem de perto a experiência, notamos que pequenas bolhas deste gás ficam presas na superfície rugosa das uvas-passa. As uvas-passa ficam descendo e subindo, porque a densidade do gás carbônico é muito menor que a da água. As bolhas de gás que se prendem à uva- passa fazem com que a densidade média do conjunto uva-passa + bolhas de gás fique menor que a da água. Ao chegar ao topo do copo as bolhas se desprendem da uva-passa que volta a ficar mais densa que a água e afunda.
  • 27. 26 O processo se repete por um bom tempo até enquanto houver bolhas de gás que levem a uva-passa até o topo. No final, elas retornaram ao fundo do copo, pois o gás tende a se soltar da sua superfície.
  • 28. 27 14. O CONCEITO DE REAÇÃO QUÍMICA Objetivo Provocar uma reação química e observar uma evidência de que ela ocorre. Materiais  Dois copos grandes  Bicarbonato de sódio  Colher de sopa  Vinagre Procedimentos 1. Faça a experiência sobre um local que possa ser facilmente limpo. Coloque uma colherada de bicarbonato de sódio em um dos copos. No outro, adicione vinagre até cerca de 2 cm de altura; 2. Observe atentamente cada um desses materiais e descreva no seu caderno o aspecto deles; 3. Despeje o vinagre no copo que contém o bicarbonato de sódio. Observe o que acontece e anote; 4. Volte a observar o copo após 15 minutos e registre o aspecto do que está dentro do copo. Discussão O experimento descrito permitiu realizar um dos muitos exemplos de reação química. Uma substância (denominada ácido acético) presente no vinagre reage quimicamente com o bicarbonato de sódio produzindo novas substâncias. Uma dessas substâncias produzidas é um gás (chamado gás carbônico ou dióxido de carbono, o mesmo gás que forma as bolhas nos refrigerantes) cujo desprendimento pode ser observado ao realizar o experimento. Se uma ou mais substâncias presentes no estado inicial de um sistema transformam-se em uma ou mais substâncias diferentes que estarão presentes no estado final, a transformação é uma reação química ou transformação química.
  • 29. 28 15. OXIDAÇÃO: DESTRUIÇÃO RÁPIDA Objetivo Estudar algumas reações de oxidação de materiais orgânicos. Materiais  Cenoura média  2 colheres de chá  2 colheres de sopa  6 copos de vidro  Faca  Frasco de vidro com tampa (100 mL)  Liquidificador  Óleo de soja (30 mL)  Peneira fina  Álcool (2,5 mL)  Formol (2,5 mL)  Comprimido de permanganato de potássio (100 mg) Procedimento O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser respondido individualmente, como atividade extraclasse. Duração prevista: 50 minutos Procedimento Observação: 1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10ml 1. Pulverizar o comprimido de permanganato de potássio (100 mg), colocar o material em um copo e acrescentar 20 ml de água. Agite até dissolver todo o material sólido. Esta é a solução 1 . Guardá-la no frasco de vidro com tampa.
  • 30. 29 2. Cortar a cenoura em pedaços pequenos e triturar bem no liquidificador com 250 ml de água (1 copo médio). Passar a mistura pela peneira. Colocar 20 ml do líquido peneirado em um copo e, agitando, acrescentar 2,5 ml da solução. 3. Agitar e durante 15 minutos observar atentamente a cor da solução resultante. Anotar as observações. Para facilitar a observação, colocar o copo com o suco de cenoura puro ao lado do copo de experimento. Após 15 minutos, colocar outros 20 ml da solução de cenoura e 2,5 ml da solução 1 em outro copo. Comparar as cores das três soluções à medida que o tempo passa. 4. Colocar 30 ml de óleo de soja e 2,5 ml da solução 1 em um copo. Agitar bem e durante 15 minutos observar a mistura. Anotar as observações. 5. Colocar 2,5 ml de álcool em um copo. Agitando, adicionar 2,5 ml da solução. Observar a mistura durante 5 minutos. Anotar as observações. 6. Repetir o procedimento anterior (item d), porém colocando formol no lugar do álcool. Questionário Descrever tudo o que você observou nos itens de 1 a 5 do procedimento. Explique cada observação com as informações fornecidas na teoria. Teoria Nos experimentos empregamos um agente oxidante forte, o permanganato de potássio (KMnO4), que é bastante utilizado para a oxidação de diversos tipos de substâncias, especialmente compostos orgânicos. É fácil visualizar as reações em que o íon MnO2, porque as cores das duas espécies químicas são bem diferentes: o MnO4 sofre redução (agente oxidante) , porque as cores das duas espécies químicas são bem diferentes: o MnO2 é lilás-escuro e o MnO2 é marrom-escuro. Beta-caroteno é uma substância alaranjada presente na cenoura e em outros vegetais, e no organismo de muitos animais, incluindo o homem, é utilizado como fonte de vitamina A.
  • 31. 30 16. IODOFÓRMIO: UM MEDICAMENTO Objetivo Estudar, por meio de reações e materiais simples, a obtenção de um medicamento. Materiais  Colher de chá  Colher de sopa  Conta-gotas  Copo de vidro  Álcool (2,5 mL)  Tintura de iodo (10 mL)  Hidróxido de sódio (soda cáustica) (20 g) Execução O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser respondido individualmente, como atividade extraclasse. Duração prevista: 30 minutos Procedimento Observação:1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10 ml 1. Colocar 50 ml de água e 1 colher de chá (rasa) de hidróxido de sódio (NaOH) em um copo. Misturar bem, até dissolver, e então acrescentar 5 ml de acetona. Agitando, adicionar (conta-gotas) 10 gotas de tintura de iodo e observar durante 5 minutos. A seguir, gotejar mais 20 gotas de tintura de iodo. Agitar a mistura e observar durante 5 minutos. Anotar as observações. 2. Colocar 50 ml de água e 1 colher de chá (rasa) de hidróxido de sódio (NaOH) em um copo. Misturar bem, até dissolver, e então acrescentar 2,5 ml de álcool.
  • 32. 31 Agitando, adicionar (conta-gotas) 40 gotas de tintura de iodo e observar durante 10 minutos. Anotar as observações. Questionário Descrever o que você observou durante os itens 1 e 2 do procedimento. Explique as observações com as informações fornecidas na teoria. Teoria Ao se tratar a acetona ou álcool com tintura de iodo, na presença de solução aquosa de hidróxido de sódio ocorre a formação de iodofórmio, um sólido amarelo- claro insolúvel em água. O iodofórmio é um medicamento empregado como anti-séptico e agente antiinfeccioso de uso tópico. Tem uso veterinário como anti-séptico e como desinfetante para lesões superficiais.
  • 33. 32 17. PROTEÍNAS? ONDE? Objetivo Analisar a presença de proteínas em alimentos. Materiais  2 colheres de chá  2 colheres de sopa  Conta-gotas  8 copos de vidro  Gelatina em pó sem cor e sem sabor (20 g)  Leite (10 mL)  Ovo  Sulfato de cobre (50 g)  Hidróxido de sódio (soda cáustica) (20 g) Execução O professor poderá dividir a turma em grupos, e cada equipe realizará todos os experimentos. Ao final, todas as equipes poderão expor os resultados obtidos e discuti-los em conjunto, com a participação do professor. O questionário poderá ser respondido individualmente, como atividade extraclasse. Duração prevista: 40 minutos Procedimento Observação:1 colher de chá = 2,5 ml; 1 colher de sopa = 10 ml 1. Colocar 3 colheres de chá de sulfato de cobre e 60 ml de água em um copo. Agitar até dissolver completamente o material sólido. Esta é a solução de cobre. 2. Colocar uma colher de chá de hidróxido de sódio (NaOH) e 30 ml de água em um copo. Agitar até dissolver completamente o material sólido. Esta é a solução de soda cáustica. 3. Colocar uma colher de chá de gelatina em ó e um copo. Acrescentar 10 ml de água e agitar até ficar uma mistura uniforme. A seguir, adicionar (conta-gota) 3 gotas
  • 34. 33 da solução de cobre. Misturar bem e depois acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica. Observar durante 5 minutos e anotar as observações. 4. Quebrar o ovo e colocar a clara em um copo e gema em outro. Adicionar 50 ml de água ao copo contendo a clara e 50 ml de água ao copo contendo a gema. Misturar bem, até homogeneizar, obtendo assim a solução de clara e a solução de gema. 5. Colocar 10 ml da solução de clara em um copo e gotejar 3 gotas da solução de cobre. Misturar bem e, a seguir, acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica. Agite e durante 5 minutos observar. Anotar as observações. 6. Colocar 10 ml da solução de gema em um copo e gotejar 3 gotas da solução de cobre. Misturar bem e, a seguir acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica. Agitar e durante 5 minutos observar. Anotar as observações. 7. Colocar 10 ml de leite em um copo e gotejar 3 gotas da solução de cobre. Misturar bem e, a seguir, acrescentar 2,5 ml da solução de soda cáustica. Agitar e durante 5 minutos observar. Anotar as observações. Questionário Descrever o que você observou nos itens 1 a 5 do procedimento. Explique cada observação utilizando as informações fornecidas na teoria. Teoria A dissociação do sulfato de cobre em água leva à dissociação dos íons, liberando os íons CU e SO em solução. As proteínas são macromoléculas produzidas pelos seres vivos, formadas por longas cadeias resultantes da união de moléculas de aminoácidos, cuja fórmula geral é a seguinte. As diferentes proteínas têm sequencias deferentes de grupos R, R’... e arranjar espaciais também diferentes. Leite, ovos e gelatina são alimentos ricos em proteínas. Quando, em meio fortemente básico, o íon cobre II reage com proteínas, ocorre então a denominada reação de biureto, com a formação de um complexo de cor intensa. Os alimentos que contêm proteínas sofrem a reação de biureto.
  • 35. 34 18. URÉIA E FORMOL: UMA SÓLIDA UNIÃO Objetivo Estudar a formação de um polímero, utilizando materiais comuns. Materiais  Colher de chá  Conta-gotas  Frasco de vidro de pelos menos 20 ml  Formol (10 ml)  Uréia (20 ml)  Ácido muriático (10 ml) Procedimento 1. Colocar 1 colher de chá de uréia e 5 ml de formol no frasco de vidro. 2. Agite bem a mistura e, a seguir, adicionar (conta-gotas) 20 gotas de ácido muriático. 3. Agite e observe. Teoria Polímeros são compostos de elevado peso moleculares formados pela união de um grande número de moléculas, denominadas monômeros. Os monômeros podem ser todos iguais ou substancia diferentes. Por exemplo; o polietileno (canos plásticos, garrafas, cortinas etc.) é um polímero formado pela união de moléculas de etileno (monômero), enquanto o náilon (fibras, cordas etc.) é um polímero formado pela união de várias moléculas de hexametilenodiamina com ácido adípico. Também há muito polímeros naturais, como o amido e a celulose, formados pela união de moléculas de glicose, e as proteínas, formadas pela união de moléculas de aminoácidos.
  • 36. 35 19. O ÁLCOOL VEM DO AÇÚCAR? Objetivo Estudar a reação utilizada industrialmente na obtenção do álcool. Materiais  Açúcar (100 g)  Caneta para transparências ou etiquetas autocolante  2 colher de chá  2 colher de sopa  6 copos de vidro  Farinha de trigo (100 g)  Fermento biológico (30 g)  Geladeira Procedimento 1. Colocar 30g de fermento biológico e 120 ml de água em um copo. Misturar até homogeneizar. Esta é a solução de fermento. 2. Numerar 5 copos de vidro, dispostos em fila. Colocar 20 ml da solução de fermento em cada copo. 3. No copo número 1, adicionar 2 colheres de chá (rasas) de farinha de trigo. Misturar bem com a solução de fermento, até homogeneizar. Após 15,30 e 40 minutos, agitar suavemente a solução e observar cuidadosamente, atentando para a liberação de bolhas de gás. 4. No copo número 2, adicionar 2 colheres de chá (rasas) de açúcar. Misturar bem com a solução de fermento, até homogeneizar. Após 15, 30 e 40 minutos, agitar suavemente, atento para liberação das bolhas de gás. 5. Nos copos números 3 e 4 adicionar, em cada um, 2 colheres de chá (rasas) de açúcar e 2 colheres de chá (rasas) de farinha de trigo. Misturar bem com a solução de fermento, até homogeneizar. Imediatamente a seguir, colocar o copo número 4 no congelador. Após 15,30 e 40 minutos, agite suavemente as soluções nos copos 3 e 4 e observar cuidadosamente, atentando para a liberação de bolhas de gás.
  • 37. 36 6. O copo número 5 deverá conter apenas a solução de fermento. Após 15, 30 e 40 minutos, agite suavemente a solução a solução e observar cuidadosamente, atentando para liberação de bolhas de gás. Teoria O fermento biológico contém duas enzimas denominadas invertase e zimase. A invertase catalisa a degradação do açúcar comum (sacarose), fornecendo dois outros açúcares, a glicose a e frutose. Em uma etapa seguinte, a zimase catalisa a transformação da glicose e da frutose em álcool comum ( etanol ) e gás carbônico, que é liberado na forma de bolhas de gás. As reações envolvidas são apresentadas pelas equações abaixo. As reações catalisadas pelas enzimas invertase e zimase são utilizadas industrialmente, na produção de álcool obtido a parte da cana-de- açúcar.
  • 38. 37 20. QUEIMANDO O REAL Materiais  Água  Álcool  Pinça  Uma vasilha de vidro Procedimento Colocar álcool na vasilha e o dobro de água em seguida molhar a cédula segurando-a com a pinça e esperar que saia o excesso de álcool em seguida coloque fogo na cédula, pois ela não vai queimar. Teoria O álcool entra em combustão e a água protege a nota evitando que ela queime. Extraído de: Ponto Ciência, queimando o real, 2013.
  • 39. 38 21. COMO FAZER SABÃO COMUM Materiais  50g de água  20g de soda cáustica (NaOH)  150g de óleo de soja Procedimento: 1. Mediu-se em proveta 50 ml de água; 2. Pesou-se 20g de soda cáustica (NaOH); 3. Colocou-se um Becker com 50 ml de água; 4. Adicionou-se 20g de soda cáustica (NaOH) ao Becker; 5. Pesou-se 150g de óleo de soja em um Becker; 6. Adicionou-se aos poucos a solução de NaOH, ao óleo de soja; 7. Transferiu-se a mistura para um funil de separação e misturou-se durante 10 minutos; Teoria Durante o processo de dissolução da soda cáustica em água, foi observada grande liberação de calor e aquecimento do becker devido à reação ser altamente exotérmica. Devido à adição do óleo, que estava em temperatura ambiente, á soda cáustica, notou-se a diminuição da temperatura da mistura. Após alguns dias do preparo do sabão, verificou-se que a mistura estava com uma consistência mais sólida e firme. Embora o sabão não tenha aroma específico, é ótima a limpeza de panos de prato, ao qual foi utilizado para experimento, tendo um resultado positivo, mostrando que se pode fazer um sabão de boa qualidade para uso doméstico com materiais que antes eram descartados (óleos e gorduras).
  • 40. 39 22. COMO FAZER SABÃO COM ÁLCOOL Material  40g de gordura animal (banha)  20 mL de óleo de soja  10g de soda cáustica  30 mL de água morna  50 mL de etanol (álcool comum); Procedimento 1. Derreter a gordura; 2. Acrescentar o óleo de soja; 3. Esfriar um pouco. Juntar o álcool, a soda (dissolvida em um pouco de água) e o restante da água; 4. Homogeneizar e deixar descansar. Depois de dois dias retirar o sobrenadante (sabão), colocar em uma fôrma (copo descartável) e deixar secar bem por mais três dias.  Pesou-se 40g de gordura animal (banha) na balança analítica e mediu-se 20 mL de óleo de soja; em seguida deve-se juntar os dois em um Becker.  Em outro Becker, dissolveu-se 10g de hidróxido de sódio (NaOH, soda cáustica) em 30 mL de água (ocorreu uma reação exotérmica); e adicionou-se 50 mL de álcool.  No Becker contendo a gordura animal (banha) e o óleo de soja, foi-se adicionando aos poucos a solução de hidróxido de sódio com álcool e mexendo-se sem parar por 10 minutos até homogeneizar.  Colocou-se na fôrma (copo descartável) e deixou-se descansar por uma semana. Conclusão Foi possível obter o sabão com êxito a partir da reação de óleos e gorduras com uma Base e um álcool, mas também com esses com esses reagentes pode
  • 41. 40 ocorrer uma reação secundária (já que a reação de saponificação foi favorecida) que é a reação de transesterificação. Foto da produção de sabão caseiro. Disponível em: http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRvZU2Nq_8IFsw- poE8XjEXzXnNZB2AP40rg3wXw_ZJCgou1EBUzA
  • 42. 41 23. BOLAS DE NAFTALINA SALTITANTES Objetivo Observar o movimento das bolas de naftalina. Materiais  Bolas de naftalina  Água  Bicarbonato de Sódio  Vinagre  Corante para bolo (utilizado apenas para colorir o experimento)  Frasco de vidro alto (copo) Procedimento 1. Coloque cerca de 10 a 20 mL de vinagre dentro do frasco. 2. Encha o recipiente com água, até cerca de três dedos do seu rebordo. 3. Adicione uma colher de sopa de bicarbonato de sódio. 4. Introduza as bolas de naftalina dentro do recipiente. Em seguida adicione algumas gotas de corante. 5. Observe o que acontece. Explicação O bicarbonato de sódio reage com o ácido do vinagre e produz uma substância gasosa, o dióxido de carbono (as bolhinhas de ar ao redor das bolas de naftalina). Este gás forma uma pressão suficiente para empurrar as bolas de naftalina. As bolinhas ficam temporariamente a flutuar.
  • 43. 42 Extraído de: redeglobo.globo.com Algumas dessas bolhas de ar libertam-se à superfície, e sem a sua ajuda, as bolas de naftalina voltam a descer até ao fundo do recipiente. Depois todo o processo se volta a repetir, até que o gás formado na reação entre o bicarbonato de sódio e o vinagre se esgote.
  • 44. 43 24. EFEITO TYNDALL: IDENTIFICAÇÃO DAS SUSPENSÕES Objetivo Classificar as dispersões químicas por meio da observação do efeito Tyndall, produzido pela luz. Materiais  3 copos transparentes do mesmo volume.  Apontador a laser com o feixe de luz bem estreito.  Amido de milho.  Cloreto de sódio.  Gelatina incolor  Pedaço de 10 cm x 10 cm de cartolina preta. Procedimento 1. Dissolver uma colher de chã de gelatina incolor em um copo de água morna e aguarde que esfrie. 2. Misture uma colher de chá de amido de milho em outro copo de água à temperatura ambiente. 3. Misture uma colher de chá de cloreto de sódio em outro copo de água à temperatura ambiente. 4. Posicionar a cartolina e o feixe de luz em lados opostos a cada um dos copos. 5. Acenda o feixe e observe tanto a trajetória da luz quanto a marca que ela produz na cartolina preta. Observação Os resíduos devem ser diluídos e jogados na pia. Podem ser utilizados outros materiais como refrigerante.
  • 45. 44 25. POR QUE A VELA QUEIMA Objetivo Estudar a reação de combustão por meio de materiais simples. Materiais  Copo de vidro  Faca  Fósforo  Régua  Vela comum Procedimento 1. Com a faca corte a vela em dois pedaços medindo 4 cm cada um.Deixe a ponta do pavio livre para ser aceso. 2. Coloque os dois pedaços de vela um do lado do outro, sobre uma superfície bem plana como um balcão e acendê-lo simultaneamente. 3. Ambos os acessos, coloque o copo invertido sobre um deles, de maneira que não entre ar por baixo. Observe os dois pedaços. Explicação A vela é produzida a partir de uma cera obtida do petróleo, que contém substâncias formadas por átomos de C e H, denominadas hidrocarbonetos. A reação de combustão (queima completa) envolve a combinação com o oxigênio do ar, para produzir vapor de água e gás carbônico. São indispensáveis dois fatores:  Energia de ativação – é necessária para iniciar a reação de combustão, ou seja, uma vela não queimará se não for acesa por um fósforo ou outra fonte de calor. Depois de iniciada a combustão libera energia de ativação necessária para que outras moléculas reajam, e a reação só cessa quando o material acaba ou quando a chama é apagada com água ou de outra maneira;  Oxigênio do ar – se o oxigênio não pode alcançar a chama, onde está ocorrendo à reação de combustão, a reação pára.
  • 46. 45 26. COLÓIDES? ONDE? Objetivo Apresentar aos alunos alguns materiais coloidais comuns. Materiais  Cola escolar lavável  7 copos de vidro  Detergente líquido  Fogão  Garfo  Gelatina em pó sem cor e sem sabor  Amido de milho  Óleo de soja  Ovo  Panela pequena  Cloreto de sódio  Acetona Procedimento 1. Coloque a clara do ovo em 1 copo. Com o garfo, sinta a consistência do material. 2. Coloque 30 mL de água em 1 copo e adicione 1 colher de chá de cloreto de sódio. Misture bem, sinta a consistência do material e observe o aspecto da mistura. 3. Coloque 30 mL de acetona no 3º copo de adicione 10 mL de óleo de soja e observe o aspecto da mistura. 4. Coloque 30 mL de detergente líquido em outro copo, observe e sinta a consistência. 5. Coloque 20 mL de cola em 1 copo e com o garfo sinta a consistência do material no momento que está colocado no copo e a cada 5 minutos durante 15 minutos.
  • 47. 46 6. Coloque 2 colheres de chá de amido de milho em 1 copo e acrescente 30 mL de água e em seguida coloque a solução de maizena na panela. Leve ao fogo e mecha até formar um creme consistente. Deixe esfriar e com o grafo, sinta a consistência do material. 7. No sétimo copo coloque uma colher de sopa de gelatina em pó. Adicione 10 mL de água fria e misture bem. Em seguida acrescente 20 mL de água e misture bem. Deixe esfriar e com o garfo sinta a consistência. Explicação Identificar a partir do procedimento uma solução verdadeira, uma solução coloidal ou emulsão. Quando são misturadas substâncias líquidas com outras sólidas pode ocorrer a formação de diferentes sistemas:  Soluções verdadeiras – solubilizam – se perfeitamente, não sendo possível observar a olho nu, como água e álcool.  Soluções coloidais – as partículas não podem ser vistas a olho nu, mas a partir da consistência diferenciam-se das verdadeiras.  Suspensões – possível de ser observada a olho nu, como água e olho. Observação Se não se observar partículas é uma solução, do contrário será uma suspensão. E em relação à Consistência, se não apresenta partículas ao ser testado, trata-se de uma solução coloidal, se não, é uma solução verdadeira.
  • 48. 47 BIBLIOGRAFIA FOSCHINI, Júlio Cezar (organizador). Coleção ser protagonista. Química 1º ano: Ensino Médio. 1ª edição. Edições SM, São Paulo, 2010. GUGLIOTTI, M. Tensão superficial nos pulmões. Química Nova na Escola, v.16, p.3, 2002. HESS, Sônia. Experimentos de química com materiais domésticos. 1° edição, Editora moderna, 2008. MATEUS, Alfredo Luiz. Química na cabeça. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2001. PERUZZO, Francisco Miragaia; CANTO, Eduardo Leite do. Química na abordagem do cotidiano. 4ª edição. Editora Moderna, São Paulo, 2006. QUÍMICA: A ciência central. Capítulo 11. Forças intermoleculares, líquidos e sólidos. Disponível em: http://danieleluna.files.wordpress.com/2010/09/cap11.pdf. Acesso em: 21/05/2010. SANTOS, Wildson L. Pereira dos; MÓL, Gerson de Souza (coordenadores). Química Cidadã: Materiais, substâncias constituintes, química ambiental e suas implicações sociais. Volume 1, Editora Nova geração, São Paulo, 2010. SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA (org.) A química perto de você: experimentos de baixo custo para a sala de aula do Ensino Fundamental e Médio. 1ª edição. São Paulo, 2010.