A reforma religiosa

2.887 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.887
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A reforma religiosa

  1. 1. A Reforma Religiosa
  2. 2. • No começo do século XVI, a Igreja passava por um período delicado. A venda de cargos eclesiásticos e de indulgências e o enfraquecimento da influência do papa por causa do prestígio crescente dos reis europeus, que muitas vezes influenciavam diretamente nas decisões da Igreja, criaram um ambiente oportuno a um movimento reformista.
  3. 3. • No final da Idade Média surgiu um forte espírito nacionalista que se desenvolveu em vários países onde a imagem da Igreja, ou seja, do Papa, já estava desgastada. Esse espírito nacionalista foi explorado pelos príncipes e reis, que desejavam aumentar seus poderes, dominando a Igreja.
  4. 4. • Nesse período, os reis e os nobres estavam interessados no grande patrimônio da Igreja; eles queriam tomar posse das terras e de outras propriedades da Igreja; A igreja possuía 20% das terras da Alemanha e 20% das terras da França.
  5. 5. • A burguesia comercial, em plena expansão no século XVI, estava cada vez mais inconformada, pois a Igreja Católica condenava lucro e os juros. Por outro lado, o papa arrecadava dinheiro para a construção da basílica de São Pedro em Roma com a venda das indulgências (venda do perdão).
  6. 6. • O novo pensamento renascentista também era contra as ideias da Igreja. Os homens renascentistas, começavam a ler mais e formar uma opinião cada vez mais crítica, porque tinham mais acesso a livros. Passaram a adotar pensamento baseado na ciência e na busca da verdade através de experiências e da razão.
  7. 7. Antecedentes da Reforma:• Na Inglaterra, John Wycliff pregava o confisco dos bens da Igreja, o voto de pobreza por parte dos membros do clero e uma retomada das Sagradas Escrituras como única fonte da fé.• No reino da Boêmia, atual República Tcheca, John Huss, seguia ideias de John Wycliff. Por causa de suas pregações, Huss foi preso, condenado e executado.
  8. 8. John Wycliff:
  9. 9. John Huss:
  10. 10. A Execução de Huss:
  11. 11. Martinho Lutero
  12. 12. • O início da reforma religiosa foi o ataque de Martinho Lutero, em 1517, à prática da Igreja de vender indulgências. Martinho Lutero era um monge da ordem católica dos agostinianos, nascido em Eisleben, em 1483, na Alemanha.
  13. 13. • Após os primeiros estudos, Lutero matriculou- se na Universidade de Erfurt, em 1501, onde se graduou em Artes. Após ter passado alguns anos no mosteiro, estudando o pensamento de Santo Agostinho, foi nomeado professor de teologia da Universidade de Wittenberg.
  14. 14. • Lutero admirava os escritos e as ideias de John Huss sobre a liberdade cristã e a necessidade de reconduzir o mundo cristão à simplicidade da vida dos primeiros apóstolos. Através de exaustivo estudo, Lutero encontrou respostas para suas dúvidas e, a partir desse momento, começou a defender A doutrina da salvação pela fé.
  15. 15. • Ele elaborou 95 teses que criticavam duramente a compra de indulgências. Eis algumas delas:• Tese 21 - Estão errados os que pregam as indulgências e afirmam ao próximo que ele será liberto e salvo de todo castigo dos pecados cometidos mediante indulgência do papa.
  16. 16. • Tese 36 - Todo cristão que se arrepende verdadeiramente dos seus pecados e sente pesar por ter pecado tem total perdão dos pecados e consequentemente de suas dívidas, mesmo sem a carta de indulgência.• Tese 43 - Deve-se ensinar aos cristãos que aquele que dá aos pobres ou empresta a quem necessita age melhor do que se comprasse indulgências.
  17. 17. • Substituição do Latim pelo idioma alemão nos cultos religiosos; Questiona a grande quantidade de sacramentos (Preserva dois sacramentos: batismo e eucaristia); Livre interpretação da Bíblia; Rejeita a Hierarquia Religiosa da Igreja de Roma; pregava a Salvação pela fé.
  18. 18. • Esses princípios foram considerados uma afronta à Igreja Católica. Em 1520, Lutero foi declarado herege, depois foi excomungado pela Igreja Católica;ele queima publicamente a carta do papa (Bula papal), traduz a Bíblia para o Alemão, casa-se com uma ex-freira, e foge para a Saxônia (região da atual Alemanha).
  19. 19. • Através da tradução da Bíblia para o idioma alemão, o número de adeptos às ideias de Lutero aumentou e o poder da Igreja diminuiu no Sacro Império Romano-Germânico (atual Alemanha), onde Lutero viveu. Os príncipes alemães tomaram as terras da Igreja Católica e os camponeses revoltaram-se, em 1524, contra a exploração da Igreja e dos príncipes.
  20. 20. • Lutero, que era protegido pelos príncipes, condenou a revolta dos camponeses e do líder protestante radical, Thomaz Munzer. Munzer foi decapitado e um grande número de camponeses revoltados foi massacrado pelos exércitos organizados pelos príncipes locais apoiados por Lutero.
  21. 21. • A preocupação de Lutero em defender as ideias feudais, fez com que sua doutrina fosse considerada uma religião, a religião dos nobres. Esses nobres assumiram cargos importantes na Igreja, que foi chamada de Igreja Luterana. A reforma religiosa de Lutero chegou a outros países, como a Dinamarca, Suécia, Noruega, os quais foram rompendo os laços com a Igreja Católica, possibilitando o surgimento de novas doutrinas religiosas.
  22. 22. João Calvino:
  23. 23. O Calvinismo:• João Calvino (1509-1564) nasceu na França. Em 1523 ingressa na Universidade de Paris, estuda latim, filosofia e dialética. Por se posicionar a favor das obras protestantes, Calvino fugiu para a Suíça. Em 1536, publicou a obra INSTITUIÇÃO DA RELIGIÃO CRISTÃ. Rapidamente suas pregações se espalharam e ele passou a ter controle sobre a vida política, religiosa e social das pessoas. Colocou uma censura tão rígida quanto à católica.
  24. 24. • Calvino dizia que o arrependimento não levaria o homem à salvação, pois este tinha natureza irremediavelmente pecadora. Formulou então a Teoria da Predestinação: Deus concedia a salvação a poucos eleitos, escolhidos por toda a eternidade. Calvino pregava que a riqueza material através do trabalho era um sinal que a pessoa estava destinada à salvação. Por isso foi tão bem aceita entre os burgueses.
  25. 25. A Execução de Miguel Servet:
  26. 26. A Reforma Religiosa na INGLATERRA:• Henrique VIII (1491-1547) nasce em Greenwich e tornou-se herdeiro do trono da Inglaterra em 1502, após a morte do irmão mais velho. Em 1509 é coroado e casa-se com Catarina de Aragão, a viúva de seu irmão. Poliglota, esportista e estudioso de teologia, vai contra a doutrina de Lutero, o que lhe vale o título de defensor da fé, concedido pelo papa Leão X.
  27. 27. Henrique VIII:
  28. 28. • Com o apoio do Parlamento e do povo, descontente com os privilégios e poderes eclesiásticos, Henrique VIII rompe com a Igreja Católica e cria o anglicanismo. É reconhecido como chefe supremo da Igreja da Inglaterra. O rei passa a ser o chefe supremo da Igreja Anglicana ou Episcopal e o seu líder espiritual é o arcebispo de Canterbury.
  29. 29. • A Reforma anglicana é promulgada em 1534 pelo rei Henrique VIII, através do Ato de Supremacia, o Parlamento reconhecia a coroa como chefe da Igreja da Inglaterra e entre 1536-1539 os mosteiros eram suprimidos e as suas propriedades anexadas pelo rei e distribuídas pela nobreza adepta da reforma. Ele usa como pretexto a recusa do papa em aceitar seu divórcio de sua esposa, a rainha Catarina de Aragão; ela era espanhola e tia de Carlos V rei da Espanha e do Sacro Império Romano Germânico; Henrique VIII queria se casar e com Ana Bolena, uma dama de sua corte.
  30. 30. Catarina de Aragão:
  31. 31. Ana Bolena:
  32. 32. As esposas de Henrique VIII:
  33. 33. • As igrejas Católica e Anglicana são semelhantes quanto à profissão de fé, à liturgia e aos sacramentos, mas a igreja Anglicana não reconhece a autoridade do papa. Da Inglaterra, a religião Anglicana espalha-se para as colônias, especialmente na América do Norte.

×