SlideShare uma empresa Scribd logo
REFLETINDO SOBRE AS PROPOSTAS E SUAS
POSSÍVEIS AMPLIAÇÕES...
OS ALUNOS CHEGAM À ESCOLA COM A LÍNGUA ADQUIRIDA
NA ESFERA FAMILIAR, QUE OS AJUDAM A ORGANIZAR O
SEU DIA A DIA.
É PAPEL DA ESCOLA ENSINÁ-LOS A ADEQUAR OS REGISTROS
ÀS DIFERENTES SITUAÇÕES COMUNICATIVAS.
As situações comunicativas — e, portanto, os textos
orais ou escritos — são sempre orientadas e
determinadas pelas características do contexto de
produção no qual se realizam. Isso significa dizer que
todo discurso é elaborado por um produtor, que
assume determinado papel social, definindo a
perspectiva sob a qual o assunto/tema será visto.
Além disso, todo enunciado é orientado por
determinadas finalidades e pelas representações que
o produtor tem a respeito de quem é o seu
interlocutor — que conhecimentos ele tem sobre o
assunto, sobre a linguagem, que perspectivas
orientam a sua visão do tema, entre outros aspectos.
Todo discurso também é orientado para ser publicado em
determinado portador (livro, revista ou jornal — impressos,
radiofônicos ou eletrônicos, mural, folder, panfleto, folheto,
entre outros) e lugar de circulação (escola, igreja, rua, fábrica,
shopping, clube, universidade etc.).
Para finalizar, todo discurso é organizado por meio de um
gênero, que possui características específicas.
Um discurso — e, portanto, um texto oral ou escrito — será
tão mais eficiente quanto mais adequado estiver às
características do contexto de produção.
A constituição dessa proficiência deve, assim, ser finalidade
da escola, de forma que os conhecimentos necessários para
tanto sejam tomados como objeto de aprendizado.
Nessa perspectiva, é preciso aprender sobre os gêneros que não
se conhece!
E é esse o trabalho da escola: ensinar a organizar textos nos
gêneros que os alunos ainda não dominam, mas que circulam
nas instâncias públicas de linguagem e não no universo privado.
Para tanto, as atividades devem possibilitar que o aluno
participe de práticas sociais de linguagem, que acontecem
também fora do âmbito escolar.
Ao considerar que a linguagem é uma prática social,
compreende-se que um escritor será mais proficiente se melhor
se apropriar dos procedimentos de participação dessas práticas
de linguagem.
O ensino da língua deve contemplar a produção de textos orais
e escritos, a leitura e escuta de textos e a análise e a reflexão
sobre a língua e a linguagem.
Em suma, o ensino de Língua Portuguesa organiza-se em dois
grandes tipos de atividades: as de uso da linguagem e as de
reflexão sobre o uso e sobre a própria linguagem.
Por isso, se em qualquer componente curricular o livro didático
não deve ser o único instrumento de trabalho, no ensino da
Língua Portuguesa isso é crucial.
Embora o livro traga uma diversidade de gêneros textuais, cabe
ao professor ampliar esse repertório e estimular as habilidades
de desenvolvimento apresentadas pelos alunos, com atividades
que proponham a eles descrever, narrar, dissertar, relatar,
expor, argumentar — sequências tipológicas que se efetivam
por meio dos diversos gêneros (como relatórios, projetos,
descritivos, resumos, verbetes de enciclopédia, cartas, crônicas,
entre outros).
Leituras compartilhadas e análise das semelhanças e diferenças
entre os diversos textos também são propostas que contribuem
para a finalidade do ensino da língua materna.
“Aprende-se a escrever por meio da convivência com textos de
diversos gêneros que repetimos de memória, ou que
reproduzimos completando, adaptando, suprimindo,
modificando, quer o conteúdo temático, quer o estilo verbal,
quer a construção composicional que nos inscrevemos nessa
cadeia, interagindo com os textos já produzidos e suscitando
outros”.
NÓBREGA, Maria José
“Aprende-se a escrever por meio da convivência com textos de
diversos gêneros que repetimos de memória, ou que
reproduzimos completando, adaptando, suprimindo,
modificando, quer o conteúdo temático, quer o estilo verbal,
quer a construção composicional que nos inscrevemos nessa
cadeia, interagindo com os textos já produzidos e suscitando
outros”.
NÓBREGA, Maria José
Para permitir a apropriação das especificidades dos diversos
gêneros, procurou-se operar, didaticamente, com as
seguintes categorias de produção de textos: transcrição,
reprodução, decalque e autoria, conforme o quadro abaixo:
CATEGORIAS DIDÁTICAS PARA A
PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE
TEXTOS
CONTEÚDO
TEMÁTICO
(o que dizer?)
CONSTRUÇÃO
COMPOSICIONAL/ ESTILO
VERBAL (como dizer)
Transcrição
Reprodução
Decalque
Autoria
Nessa perspectiva, as atividades de fala e de escrita, na
escola, devem partir da definição das características do
contexto de produção, estabelecendo todos os elementos
dele constitutivos: para quem se vai escrever; com qual
finalidade; de que lugar se escreverá; em qual portador o
texto se tornará público; em que espaço circulará; em
que gênero se organizará.
O aluno precisará ser orientado a adequar seu texto a
todas as características especificadas, pois dessa
adequação depende a eficácia do texto.
O processo de produção de textos supõe, também, a
utilização de procedimentos de planejamento, revisão
processual e revisão final do texto. Esses procedimentos
devem tornar-se objeto de ensino nas atividades didáticas
planejadas pelo professor.
Canteiro – Músicas para brincar- sugestões
Canteiro – Músicas para brincar- sugestões
A. Depois de escutar a canção “Os ovos da galinha” com a turma, fazer perguntas como: Os sons que aparecem
na música são do campo ou da cidade? Quais são as diferenças entre eles? Vamos imitá-los? Que outros sons da
fazenda você conhece? Vamos reproduzi-los? Que sons você ouve ao longo do dia que são típicos da cidade?
Vamos fazer uma lista?
B. O professor também pode explorar o coro das galinhas, perguntando às crianças quantas galinhas elas acham
que participam do coro. Depois de explicar que três cantoras imitam as aves, pode ouvir de novo a canção para
que as crianças percebam as diferenças na voz de cada uma das cantoras.
C. Antes de ouvir a canção mais uma vez, o professor pode propor às crianças uma brincadeira de movimento
com a parlenda A galinha do vizinho. Brincar de roda é uma boa atividade para a criança expressar emoções,
desbloquear inibições e se aproximar dos colegas. O ideal é organizar a turma em uma roda, pedindo para que
todos deem as mãos para cantar e girar no ritmo dessa parlenda:
A galinha do vizinho
Bota ovo amarelinho.
Bota um, bota dois, bota três,
Bota quatro, bota cinco, bota seis,
Bota sete, bota oito, bota nove,
Bota dez!
D. A canção “Os ovos da galinha” tem um ritmo bem alegre, ideal para convidar as crianças para dançar. A dança
em grupo, além de estimular a interação, desenvolve a noção de espaço e a coordenação dos movimentos. O
professor pode fazer grupos de crianças e, com a ajuda delas, inventar movimentos, criando
diferentes coreografias.
E. Pedir para os alunos realizarem a transcrição da parlenda.
É comum na reprodução ou reconto o trabalho com contos de fadas e/ou
fábulas, porém podemos também trazer outras propostas para esse tipo de
escrita, como por exemplo: apresentar e ler, ao longo de uma semana, várias
versões de uma mesma história e em seguida perguntar às crianças sobre as
diferenças e semelhanças percebidas. Também realizar uma votação com a
turma e listar as versões favoritas.
Eleita a versão que a turma mais gostou, pedir para os alunos realizarem a
ilustração da mesma. Releia-a quantas vezes for necessário, dramatize, peça a
uma criança para recontar.
Peça aos alunos que escrevam primeiro só o final, depois avance
gradativamente.
Um bom exemplo, é a obra Que história é essa?, de Flávio de Souza, na qual
conta histórias bem conhecidas, porém adotando o ponto de vista de
personagens secundários que, muitas vezes, têm pouca participação no
enredo da versão original.
Discutir com as crianças essas estratégias de criação amplia bastante seu
modo de olhar para as histórias e pode apontar novos caminhos de produção
escrita.
Esta proposta pode parecer simples, porém necessita de um trabalho sistematizado e
ampliado de repertoriação.
Por exemplo, na proposta do livro didático, temos o poema “ O mendigo e a lua”,
O MENDIGO E A LUA.
(LÉO CUNHA)
SE FOR DE COMER É QUEIJO.
SE FOR DE CORRER É BOLA.
SE FOR GOSTAR É BEIJO.
SE FOR DE GASTAR É SOLA.
SE NÃO FOR, É TODA LUA,
SE NÃO FOR, É TODA SUA.
PARA QUE O ALUNO REALIZE A PROPOSTA:
SE FOR DE COMER É ______________.
SE FOR DE CORRER É _____________.
SE FOR GOSTAR É _____________.
SE FOR DE GASTAR É ___________.
SE NÃO FOR, É TODA LUA,
SE NÃO FOR, É TODA SUA.
O QUE ELE PRECISA SABER? QUE CONDIÇÕES DE ESCRITA DEVEM SER OFERECIDAS A ELES?
COMO AMPLIAR ESTA ATIVIDADE?
SUGESTÕES:
1.MOSTRAR PARA OS ALUNOS MODELOS DE DECALQUES E PEDIR PARA ELES RELATAREM O
QUE OBSERVARAM;
Se esta cidade fosse minha
Paulo Netho
Se esta cidade fosse minha,
Eu mandava chamar todas as crianças
E propunha uma troca de sonhos,
Brincadeiras e esperanças.
Se esta cidade fosse minha,
Eu mandava abrir os parques
Dia e noite, noite e dia
E, lá, sem medo,
Ficava até o sol raiar.
Se esta cidade fosse minha,
Eu mandava multar o engraçadinho
Que jogasse lixo no chão
(justo onde o sol vem se deitar?!)
Se esta cidade fosse minha,
Eu mandava soltar os pássaros:
O lugar deles é nas praças,
Nas matas e no ar.
Poesia Futebol Clube e outros poemas.
1.ed. São Paulo: Formato, 2007. p. 43.
TEXTO DA ALUNA ISABELLE
2) EXPLICAR AOS ALUNOS O QUE É UM DECALQUE E PARA QUE SERVE;
3) CHAMAR A ATENÇÃO DOS MESMOS PARA A ESTRUTURA DO POEMA (VERSOS, RIMAS
INTERCALADAS);
4) RELACIONAR OS VERBOS COM OS OBJETOS (EX: COMER – QUEIJO, GOSTAR – BEIJO) E
CONVERSAR/ QUESTIONAR PARA VER SE NÃO PODERÍAMOS TER AS PALAVRAS EM OUTRO
LUGAR COMO GOSTAR –QUEIJO E GASTAR – BOLA);
5) DIZER-LHES QUE ESCREVERÃO UM DECALQUE DO POEMA, NO QUAL ELES SERÃO OS
AUTORES E PODERÃO ATÉ ASSINAR SEUS NOMES, PARA AFIXAR NO MURAL DA ESCOLA
JUNTO COM O TEXTO ORGINAL;
6) CRIAR UMA TABELA COLETIVA COM OS ALUNOS, LISTANDO AS PALAVRAS QUE FAZEM
PARTE DO CAMPO SEMÂNTICO PROPOSTO PELO POEMA:
COMER CORRER GOSTAR GASTAR
desenhodesenho
NOME DO
PERSONAGEM
É UMA ANIMAL
OU UMA
PESSOA?
É DO SEXO
FEMININO OU
MASCULINO?
COMO É
FISICAMENTE?
QUALIDADES
OU DEFEITOS /CURIOSIDADES
E PRINCIPALMENTE OS CONTOS QUE
TRAZEM MUITA RIQUEZA DE
DESCRIÇÃO DOS PERSONAGENS!
PROPOSTA 1:
- ESCRITA DE LEGENDAS PARA AS FOTOS DA SALA EM DIVERSOS
MOMENTOS NA ESCOLA PARA COLOCAR NO MURAL DA ESCOLA OU
PARA FAZER UM ÁLBUM DA SALA: BRINCANDO, FAZENDO ATIVIDADE
DE ARTE, ESTUDANDO, NA INFORMÁTICA, NA MERENDA, EM ALGUM
PASSEIO OU FESTA DA ESCOLA.
Para fazer um álbum...
Objetivos
- Escrever legendas para fotografias considerando as características textuais e
discursivas do gênero.
- Revisar os textos escritos em pequenos grupos ou coletivamente.
Conteúdos
- Procedimentos de produção e revisão de textos escritos.
- Características textuais das legendas.
- Reflexão sobre o funcionamento do sistema de escrita.
Tempo estimado
Um mês.
Material necessário
Fotografias de diversos momentos com a turma (duas para cada dupla), e
materiais que tenham legendas, como álbuns de fotografias, figurinhas, revistas
e jornais (repertório sobre o tema).
Desenvolvimento 
1ª etapa 
Apresente a ideia de montar um álbum com fotos de atividades e momentos da turma.
Questione a garotada sobre a necessidade de as imagens serem acompanhadas por legendas.
2ª etapa 
A turma precisa se familiarizar com o estilo das legendas e observar como são escritas. Proponha a leitura de revistas e jornais.
Deixe os alunos explorá-los livremente, peça que encontrem legendas parecidas com as que pretendem escrever no álbum de fotos
e justifiquem as escolhas. Discuta as características linguísticas: são textos curtos? Descritivos? Diferentes do que encontramos
nos contos de fadas? Registre as conclusões. 
Flexibilidade para deficiência visual 
Coloque o aluno com deficiência junto a uma dupla e peça que um dos videntes descreva detalhadamente as imagens e o outro
leia as legendas em voz alta. Estimule-o a fazer perguntas para os colegas para obter mais informações.
3ª etapa
Distribua duas fotos para cada dupla e proponha a produção oral do texto. Cada grupo dita as legendas que gostaria de escrever.
Transcreva os textos no quadro e faça uma revisão coletiva, considerando o leitor ausente, a clareza do texto e a relação com a
foto.
Flexibilidade para deficiência visual
Oriente o estudante a tocar nas fotos com as mãos, mostrando-lhe onde estão dispostas e quantas são.
4ª etapa
Peça que as duplas escrevam a primeira versão das legendas. Nesse momento, circule pela sala e faça intervenções que ajudem
as crianças a pensar sobre a escrita enquanto realizam a tarefa. Sugira que leiam o que estão escrevendo, observem o trabalho do
colega, comentem o que ainda falta escrever e verifiquem se o escrito contempla quem ou o que é visto na foto. Tire cópias dessa
primeira versão do material produzido e identifique-a antes de iniciar a próxima etapa.
Flexibilidade para deficiência visual
Peça aos estudantes que estão formando o trio com o aluno com deficiência para explicarem a ele detalhadamente o que a foto
exibe e oriente-os a contar com a participação do colega na descrição do texto. Para estimular essa competência, proponha
atividades para casa ou para o AEE, para que leiam para ele as legendas de imagens. Recomende que ele descreva como imagina
ser a foto e quais elementos estão presentes.
5ª etapa
Proponha uma revisão coletiva de metade das legendas. Nesse momento,o objetivo é explicitar os problemas em relação à
interpretação das informações por parte dos alunos que não são seus autores. Assim, se propõe a interação dos autores reais com
leitores potenciais. Transcreva no quadro as produções, pedindo à turma que proponha mudanças, justifique cada uma delas e
avalie o resultado final.
6ª etapa
Separe a outra metade dos textos para ser revisada em pequenos grupos. Explicite que deverão ser explicados os problemas de
interpretação, porém, nesse momento, não faça intervenções diretas. Por fim, peça que revisem e selecionem o material que fará
parte do álbum.
Flexibilidade para deficiência visual
Privilegie o trio para que o aluno com deficiência tenha mais espaço de participação. Estimule sua crítica, colocando-o no lugar de
ouvinte do texto.
Produto final
Um álbum de fotos da turma, legendado pelas crianças.
Avaliação
Durante o processo de revisão, observe a qualidade e a propriedade dos comentários das crianças. Avalie a adequação das
legendas produzidas em relação à função comunicativa, à forma e aos aspectos linguísticos e ao conteúdo apresentado nas fotos.
..VideosComunicação oral gênero debate.wmv
..DesktopPACTOvídeos CEEL E LETRA E VIDAvídeos CEELvídeos ceelAlfabetização e Letramento Parte 01.mp4
A partir de 12’17”
..DesktopPACTOvídeos CEEL E LETRA E VIDAvídeos CEELvídeos ceelAlfabetização e Letramento Parte 02.mp4
Até 4’ 50”
Sugestões:
Escrita de um manual de brincadeiras aprendidas pelos alunos durante o ano para que os colegas
das outras salas possam lê-lo e aprenderem a brincar também!!!
Sugestões:
Escrita de um diário coletivo semanal, que será lido ao final de cada mês.
Sugestões:
Além de todas essas propostas, sabemos que podemos trabalhar com
bilhetes, convites, panfletos, folders, etc com os alunos dos primeiros anos,
desde que sejam propostas significativas e concretas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
jose ebner
 
Sequência didática cantigas de roda
Sequência didática cantigas de roda Sequência didática cantigas de roda
Sequência didática cantigas de roda
Rosilane
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Sequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava linguaSequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava lingua
Marisa Seara
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
angelafreire
 
Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
  Consciência fonológica - livro de atividades.pdf  Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
Adriana Motta
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
Isa ...
 
Matemática 1º ano
Matemática 1º anoMatemática 1º ano
Matemática 1º ano
GERALDOGOMESDEBARROS
 
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docxFICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
vaniamorandi1
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
simonclark
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
SimoneHelenDrumond
 
Sequência didática 1º ao 5º ano
Sequência didática 1º ao 5º anoSequência didática 1º ao 5º ano
Sequência didática 1º ao 5º ano
André Moraes
 
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º anoProjeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Christiane Queiroz
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Naysa Taboada
 
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nívelFicha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Alekson Morais
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 
Projeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com PoesiasProjeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com Poesias
Profrochedo
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
proletramentoalfa
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 

Mais procurados (20)

Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
Sequência didática cantigas de roda
Sequência didática cantigas de roda Sequência didática cantigas de roda
Sequência didática cantigas de roda
 
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Sequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava linguaSequencia didática trava lingua
Sequencia didática trava lingua
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
 
Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
  Consciência fonológica - livro de atividades.pdf  Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
Consciência fonológica - livro de atividades.pdf
 
Ficha de avaliação
Ficha de avaliaçãoFicha de avaliação
Ficha de avaliação
 
Matemática 1º ano
Matemática 1º anoMatemática 1º ano
Matemática 1º ano
 
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docxFICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
FICHA DE ACOMPANHAMENTO NÍVEIS DE HIPÓTESE DE ESCRITA E LEITURA.docx
 
Plano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigidoPlano de ensino português corrigido
Plano de ensino português corrigido
 
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitadoParecer de um aluno inteligênte mas agitado
Parecer de um aluno inteligênte mas agitado
 
Sequência didática 1º ao 5º ano
Sequência didática 1º ao 5º anoSequência didática 1º ao 5º ano
Sequência didática 1º ao 5º ano
 
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º anoProjeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
Projeto da sala de leitura para turmas de 4º ano
 
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestreFicha descritiva 1 ano 3 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 3 trimestre
 
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nívelFicha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
Ficha de acompanhamento bimestral do aluno por nível
 
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar  por simone helen drumondPlanejamento adaptação escolar  por simone helen drumond
Planejamento adaptação escolar por simone helen drumond
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Projeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com PoesiasProjeto Brincando com Poesias
Projeto Brincando com Poesias
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 

Destaque

Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2
Aprender com prazer
 
Unidade 2 1
Unidade 2   1Unidade 2   1
Unidade 2 1
Aprender com prazer
 
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetizaçãoSistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
Aprender com prazer
 
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
Aprender com prazer
 
A importância do registro do professor
A importância do registro do professorA importância do registro do professor
A importância do registro do professor
Aprender com prazer
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
Aprender com prazer
 
Unidade 3 leitura
Unidade 3   leituraUnidade 3   leitura
Unidade 3 leitura
Aprender com prazer
 
Unidade 5 ano 2
Unidade 5 ano 2Unidade 5 ano 2
Unidade 5 ano 2
Aprender com prazer
 
Consciencia fonologica
Consciencia fonologicaConsciencia fonologica
Consciencia fonologica
Aprender com prazer
 
Intertextualidade ano 2
Intertextualidade ano 2Intertextualidade ano 2
Intertextualidade ano 2
Aprender com prazer
 
Direitos de aprendizagem lp unidade 1
Direitos de aprendizagem lp unidade 1Direitos de aprendizagem lp unidade 1
Direitos de aprendizagem lp unidade 1
Aprender com prazer
 
Pacto lp 4º encontro
Pacto lp   4º encontroPacto lp   4º encontro
Pacto lp 4º encontro
Aprender com prazer
 
Rotina unidade 2 3
Rotina unidade 2   3Rotina unidade 2   3
Rotina unidade 2 3
Aprender com prazer
 
Pacto lp unidade 1
Pacto lp   unidade 1Pacto lp   unidade 1
Pacto lp unidade 1
Aprender com prazer
 
Ciclo de alfabetização
Ciclo de alfabetizaçãoCiclo de alfabetização
Ciclo de alfabetização
Aprender com prazer
 
Revisão textual
Revisão textualRevisão textual
Revisão textual
Aprender com prazer
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa aula 1
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa    aula  1Pacto nacional pela alfabetização na idade certa    aula  1
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa aula 1
Aprender com prazer
 
Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2
Aprender com prazer
 
Revisao final unidades pnaic
Revisao final unidades pnaicRevisao final unidades pnaic
Revisao final unidades pnaic
Aprender com prazer
 
Jogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçaoJogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçao
Aprender com prazer
 

Destaque (20)

Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2Produção de textos ano 2
Produção de textos ano 2
 
Unidade 2 1
Unidade 2   1Unidade 2   1
Unidade 2 1
 
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetizaçãoSistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
Sistema de escrita - consciência fonológica - alfabetização
 
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
“ REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: O REGISTRO DAS EXPERIÊ...
 
A importância do registro do professor
A importância do registro do professorA importância do registro do professor
A importância do registro do professor
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
 
Unidade 3 leitura
Unidade 3   leituraUnidade 3   leitura
Unidade 3 leitura
 
Unidade 5 ano 2
Unidade 5 ano 2Unidade 5 ano 2
Unidade 5 ano 2
 
Consciencia fonologica
Consciencia fonologicaConsciencia fonologica
Consciencia fonologica
 
Intertextualidade ano 2
Intertextualidade ano 2Intertextualidade ano 2
Intertextualidade ano 2
 
Direitos de aprendizagem lp unidade 1
Direitos de aprendizagem lp unidade 1Direitos de aprendizagem lp unidade 1
Direitos de aprendizagem lp unidade 1
 
Pacto lp 4º encontro
Pacto lp   4º encontroPacto lp   4º encontro
Pacto lp 4º encontro
 
Rotina unidade 2 3
Rotina unidade 2   3Rotina unidade 2   3
Rotina unidade 2 3
 
Pacto lp unidade 1
Pacto lp   unidade 1Pacto lp   unidade 1
Pacto lp unidade 1
 
Ciclo de alfabetização
Ciclo de alfabetizaçãoCiclo de alfabetização
Ciclo de alfabetização
 
Revisão textual
Revisão textualRevisão textual
Revisão textual
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa aula 1
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa    aula  1Pacto nacional pela alfabetização na idade certa    aula  1
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa aula 1
 
Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2Projeto e sequencia ano 2
Projeto e sequencia ano 2
 
Revisao final unidades pnaic
Revisao final unidades pnaicRevisao final unidades pnaic
Revisao final unidades pnaic
 
Jogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçaoJogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçao
 

Semelhante a Práticas de produção de texto no primeiro ano

Sequência de atividades
Sequência de atividadesSequência de atividades
Sequência de atividades
Fernanda Damm
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
Professora Cida
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Celismara Seleguin
 
Unidade3 ativ 2_penha
Unidade3 ativ 2_penhaUnidade3 ativ 2_penha
Unidade3 atividade2 plano de aula edna
Unidade3 atividade2 plano de aula ednaUnidade3 atividade2 plano de aula edna
Unidade3 atividade2 plano de aula edna
Edna Maria Matias Sousa
 
Unidade3 atividade2 plano de aula penha
Unidade3 atividade2 plano de aula penhaUnidade3 atividade2 plano de aula penha
Unidade3 atividade2 plano de aula penha
Maria da Penha Costa e Silva Amorim
 
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
Terezinha de Jesus Morais Alves
 
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinha
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinhaUnidade3 atividade2 plano de aula terezinha
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinha
Terezinha de Jesus Morais Alves
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Edna Monteiro
 
Poesia projeto
Poesia projetoPoesia projeto
Poesia projeto
vanyeroger
 
Situação de aprendizagem aparecida martins borges testa
Situação de aprendizagem   aparecida martins borges testaSituação de aprendizagem   aparecida martins borges testa
Situação de aprendizagem aparecida martins borges testa
claricelis
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
elannialins
 
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
Maria Rosilene
 
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
valdirnicioli1
 
Slides olimpíadas de língua portuguea
Slides  olimpíadas de língua portugueaSlides  olimpíadas de língua portuguea
Slides olimpíadas de língua portuguea
Hilda Pereira Louça carneiro
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Naysa Taboada
 
Slide plano de aula
Slide plano de aulaSlide plano de aula
Sequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesiaSequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesia
pipatcleopoldina
 

Semelhante a Práticas de produção de texto no primeiro ano (20)

Sequência de atividades
Sequência de atividadesSequência de atividades
Sequência de atividades
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
 
Unidade3 ativ 2_penha
Unidade3 ativ 2_penhaUnidade3 ativ 2_penha
Unidade3 ativ 2_penha
 
Unidade3 atividade2 plano de aula edna
Unidade3 atividade2 plano de aula ednaUnidade3 atividade2 plano de aula edna
Unidade3 atividade2 plano de aula edna
 
Unidade3 atividade2 plano de aula penha
Unidade3 atividade2 plano de aula penhaUnidade3 atividade2 plano de aula penha
Unidade3 atividade2 plano de aula penha
 
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
Unidade3 atividade2 plano_de_ aula _terezinha_2-3
 
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinha
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinhaUnidade3 atividade2 plano de aula terezinha
Unidade3 atividade2 plano de aula terezinha
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Poesia projeto
Poesia projetoPoesia projeto
Poesia projeto
 
Situação de aprendizagem aparecida martins borges testa
Situação de aprendizagem   aparecida martins borges testaSituação de aprendizagem   aparecida martins borges testa
Situação de aprendizagem aparecida martins borges testa
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
Sequenciadidaticapoesia130709093055phpapp01
 
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
 
Slides olimpíadas de língua portuguea
Slides  olimpíadas de língua portugueaSlides  olimpíadas de língua portuguea
Slides olimpíadas de língua portuguea
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
 
Slide plano de aula
Slide plano de aulaSlide plano de aula
Slide plano de aula
 
Sequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesiaSequencia didatica poesia
Sequencia didatica poesia
 

Mais de Aprender com prazer

Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7   educação estatística - gráficos e tabelasCaderno 7   educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Aprender com prazer
 
Caderno7 ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
Caderno7   ed. estatística - classificaçao e categorizaçaoCaderno7   ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
Caderno7 ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
Aprender com prazer
 
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7   educação estatística - gráficos e tabelasCaderno 7   educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Aprender com prazer
 
Caderno 7 ed. estatística introdução
Caderno 7   ed. estatística introduçãoCaderno 7   ed. estatística introdução
Caderno 7 ed. estatística introdução
Aprender com prazer
 
Conexões matemáticas situações problema
Conexões matemáticas   situações problemaConexões matemáticas   situações problema
Conexões matemáticas situações problema
Aprender com prazer
 
Contando o tempo
Contando o tempoContando o tempo
Contando o tempo
Aprender com prazer
 
Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2
Aprender com prazer
 
Grandezas e medidas parte 1
Grandezas e medidas parte 1Grandezas e medidas parte 1
Grandezas e medidas parte 1
Aprender com prazer
 
Massa x peso
Massa x pesoMassa x peso
Massa x peso
Aprender com prazer
 
Tempo x sistema monetário
Tempo x sistema monetárioTempo x sistema monetário
Tempo x sistema monetário
Aprender com prazer
 
Travessia do rio problemas
Travessia do rio problemasTravessia do rio problemas
Travessia do rio problemas
Aprender com prazer
 
Resolução de problemas em aula de matemática um problema mal resolvido
Resolução de problemas em aula de matemática   um problema mal resolvidoResolução de problemas em aula de matemática   um problema mal resolvido
Resolução de problemas em aula de matemática um problema mal resolvido
Aprender com prazer
 
Fio de contas
Fio de contasFio de contas
Fio de contas
Aprender com prazer
 
Resolução e formulação de problemas
Resolução e formulação de problemasResolução e formulação de problemas
Resolução e formulação de problemas
Aprender com prazer
 
Os jogos e o snd
Os jogos e o sndOs jogos e o snd
Os jogos e o snd
Aprender com prazer
 
Campo multiplicativo final
Campo multiplicativo finalCampo multiplicativo final
Campo multiplicativo final
Aprender com prazer
 
Geometria caderno 5
Geometria caderno 5Geometria caderno 5
Geometria caderno 5
Aprender com prazer
 
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
Aprender com prazer
 
Cálculos e algoritmos caderno 4
Cálculos e algoritmos caderno 4 Cálculos e algoritmos caderno 4
Cálculos e algoritmos caderno 4
Aprender com prazer
 
Caderno 3 - matemática
Caderno 3 - matemáticaCaderno 3 - matemática
Caderno 3 - matemática
Aprender com prazer
 

Mais de Aprender com prazer (20)

Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7   educação estatística - gráficos e tabelasCaderno 7   educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
 
Caderno7 ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
Caderno7   ed. estatística - classificaçao e categorizaçaoCaderno7   ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
Caderno7 ed. estatística - classificaçao e categorizaçao
 
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7   educação estatística - gráficos e tabelasCaderno 7   educação estatística - gráficos e tabelas
Caderno 7 educação estatística - gráficos e tabelas
 
Caderno 7 ed. estatística introdução
Caderno 7   ed. estatística introduçãoCaderno 7   ed. estatística introdução
Caderno 7 ed. estatística introdução
 
Conexões matemáticas situações problema
Conexões matemáticas   situações problemaConexões matemáticas   situações problema
Conexões matemáticas situações problema
 
Contando o tempo
Contando o tempoContando o tempo
Contando o tempo
 
Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2Grandezas e medidas parte 2
Grandezas e medidas parte 2
 
Grandezas e medidas parte 1
Grandezas e medidas parte 1Grandezas e medidas parte 1
Grandezas e medidas parte 1
 
Massa x peso
Massa x pesoMassa x peso
Massa x peso
 
Tempo x sistema monetário
Tempo x sistema monetárioTempo x sistema monetário
Tempo x sistema monetário
 
Travessia do rio problemas
Travessia do rio problemasTravessia do rio problemas
Travessia do rio problemas
 
Resolução de problemas em aula de matemática um problema mal resolvido
Resolução de problemas em aula de matemática   um problema mal resolvidoResolução de problemas em aula de matemática   um problema mal resolvido
Resolução de problemas em aula de matemática um problema mal resolvido
 
Fio de contas
Fio de contasFio de contas
Fio de contas
 
Resolução e formulação de problemas
Resolução e formulação de problemasResolução e formulação de problemas
Resolução e formulação de problemas
 
Os jogos e o snd
Os jogos e o sndOs jogos e o snd
Os jogos e o snd
 
Campo multiplicativo final
Campo multiplicativo finalCampo multiplicativo final
Campo multiplicativo final
 
Geometria caderno 5
Geometria caderno 5Geometria caderno 5
Geometria caderno 5
 
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal   caderno 3
Jogos na aprendizagem do sistema de numeração decimal caderno 3
 
Cálculos e algoritmos caderno 4
Cálculos e algoritmos caderno 4 Cálculos e algoritmos caderno 4
Cálculos e algoritmos caderno 4
 
Caderno 3 - matemática
Caderno 3 - matemáticaCaderno 3 - matemática
Caderno 3 - matemática
 

Último

“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 

Último (20)

“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 

Práticas de produção de texto no primeiro ano

  • 1. REFLETINDO SOBRE AS PROPOSTAS E SUAS POSSÍVEIS AMPLIAÇÕES...
  • 2. OS ALUNOS CHEGAM À ESCOLA COM A LÍNGUA ADQUIRIDA NA ESFERA FAMILIAR, QUE OS AJUDAM A ORGANIZAR O SEU DIA A DIA. É PAPEL DA ESCOLA ENSINÁ-LOS A ADEQUAR OS REGISTROS ÀS DIFERENTES SITUAÇÕES COMUNICATIVAS.
  • 3. As situações comunicativas — e, portanto, os textos orais ou escritos — são sempre orientadas e determinadas pelas características do contexto de produção no qual se realizam. Isso significa dizer que todo discurso é elaborado por um produtor, que assume determinado papel social, definindo a perspectiva sob a qual o assunto/tema será visto. Além disso, todo enunciado é orientado por determinadas finalidades e pelas representações que o produtor tem a respeito de quem é o seu interlocutor — que conhecimentos ele tem sobre o assunto, sobre a linguagem, que perspectivas orientam a sua visão do tema, entre outros aspectos.
  • 4. Todo discurso também é orientado para ser publicado em determinado portador (livro, revista ou jornal — impressos, radiofônicos ou eletrônicos, mural, folder, panfleto, folheto, entre outros) e lugar de circulação (escola, igreja, rua, fábrica, shopping, clube, universidade etc.). Para finalizar, todo discurso é organizado por meio de um gênero, que possui características específicas. Um discurso — e, portanto, um texto oral ou escrito — será tão mais eficiente quanto mais adequado estiver às características do contexto de produção. A constituição dessa proficiência deve, assim, ser finalidade da escola, de forma que os conhecimentos necessários para tanto sejam tomados como objeto de aprendizado.
  • 5. Nessa perspectiva, é preciso aprender sobre os gêneros que não se conhece! E é esse o trabalho da escola: ensinar a organizar textos nos gêneros que os alunos ainda não dominam, mas que circulam nas instâncias públicas de linguagem e não no universo privado. Para tanto, as atividades devem possibilitar que o aluno participe de práticas sociais de linguagem, que acontecem também fora do âmbito escolar.
  • 6. Ao considerar que a linguagem é uma prática social, compreende-se que um escritor será mais proficiente se melhor se apropriar dos procedimentos de participação dessas práticas de linguagem. O ensino da língua deve contemplar a produção de textos orais e escritos, a leitura e escuta de textos e a análise e a reflexão sobre a língua e a linguagem. Em suma, o ensino de Língua Portuguesa organiza-se em dois grandes tipos de atividades: as de uso da linguagem e as de reflexão sobre o uso e sobre a própria linguagem.
  • 7. Por isso, se em qualquer componente curricular o livro didático não deve ser o único instrumento de trabalho, no ensino da Língua Portuguesa isso é crucial. Embora o livro traga uma diversidade de gêneros textuais, cabe ao professor ampliar esse repertório e estimular as habilidades de desenvolvimento apresentadas pelos alunos, com atividades que proponham a eles descrever, narrar, dissertar, relatar, expor, argumentar — sequências tipológicas que se efetivam por meio dos diversos gêneros (como relatórios, projetos, descritivos, resumos, verbetes de enciclopédia, cartas, crônicas, entre outros). Leituras compartilhadas e análise das semelhanças e diferenças entre os diversos textos também são propostas que contribuem para a finalidade do ensino da língua materna.
  • 8. “Aprende-se a escrever por meio da convivência com textos de diversos gêneros que repetimos de memória, ou que reproduzimos completando, adaptando, suprimindo, modificando, quer o conteúdo temático, quer o estilo verbal, quer a construção composicional que nos inscrevemos nessa cadeia, interagindo com os textos já produzidos e suscitando outros”. NÓBREGA, Maria José “Aprende-se a escrever por meio da convivência com textos de diversos gêneros que repetimos de memória, ou que reproduzimos completando, adaptando, suprimindo, modificando, quer o conteúdo temático, quer o estilo verbal, quer a construção composicional que nos inscrevemos nessa cadeia, interagindo com os textos já produzidos e suscitando outros”. NÓBREGA, Maria José
  • 9. Para permitir a apropriação das especificidades dos diversos gêneros, procurou-se operar, didaticamente, com as seguintes categorias de produção de textos: transcrição, reprodução, decalque e autoria, conforme o quadro abaixo: CATEGORIAS DIDÁTICAS PARA A PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS CONTEÚDO TEMÁTICO (o que dizer?) CONSTRUÇÃO COMPOSICIONAL/ ESTILO VERBAL (como dizer) Transcrição Reprodução Decalque Autoria
  • 10. Nessa perspectiva, as atividades de fala e de escrita, na escola, devem partir da definição das características do contexto de produção, estabelecendo todos os elementos dele constitutivos: para quem se vai escrever; com qual finalidade; de que lugar se escreverá; em qual portador o texto se tornará público; em que espaço circulará; em que gênero se organizará. O aluno precisará ser orientado a adequar seu texto a todas as características especificadas, pois dessa adequação depende a eficácia do texto. O processo de produção de textos supõe, também, a utilização de procedimentos de planejamento, revisão processual e revisão final do texto. Esses procedimentos devem tornar-se objeto de ensino nas atividades didáticas planejadas pelo professor.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Canteiro – Músicas para brincar- sugestões
  • 22. Canteiro – Músicas para brincar- sugestões A. Depois de escutar a canção “Os ovos da galinha” com a turma, fazer perguntas como: Os sons que aparecem na música são do campo ou da cidade? Quais são as diferenças entre eles? Vamos imitá-los? Que outros sons da fazenda você conhece? Vamos reproduzi-los? Que sons você ouve ao longo do dia que são típicos da cidade? Vamos fazer uma lista? B. O professor também pode explorar o coro das galinhas, perguntando às crianças quantas galinhas elas acham que participam do coro. Depois de explicar que três cantoras imitam as aves, pode ouvir de novo a canção para que as crianças percebam as diferenças na voz de cada uma das cantoras. C. Antes de ouvir a canção mais uma vez, o professor pode propor às crianças uma brincadeira de movimento com a parlenda A galinha do vizinho. Brincar de roda é uma boa atividade para a criança expressar emoções, desbloquear inibições e se aproximar dos colegas. O ideal é organizar a turma em uma roda, pedindo para que todos deem as mãos para cantar e girar no ritmo dessa parlenda: A galinha do vizinho Bota ovo amarelinho. Bota um, bota dois, bota três, Bota quatro, bota cinco, bota seis, Bota sete, bota oito, bota nove, Bota dez! D. A canção “Os ovos da galinha” tem um ritmo bem alegre, ideal para convidar as crianças para dançar. A dança em grupo, além de estimular a interação, desenvolve a noção de espaço e a coordenação dos movimentos. O professor pode fazer grupos de crianças e, com a ajuda delas, inventar movimentos, criando diferentes coreografias. E. Pedir para os alunos realizarem a transcrição da parlenda.
  • 23.
  • 24. É comum na reprodução ou reconto o trabalho com contos de fadas e/ou fábulas, porém podemos também trazer outras propostas para esse tipo de escrita, como por exemplo: apresentar e ler, ao longo de uma semana, várias versões de uma mesma história e em seguida perguntar às crianças sobre as diferenças e semelhanças percebidas. Também realizar uma votação com a turma e listar as versões favoritas. Eleita a versão que a turma mais gostou, pedir para os alunos realizarem a ilustração da mesma. Releia-a quantas vezes for necessário, dramatize, peça a uma criança para recontar. Peça aos alunos que escrevam primeiro só o final, depois avance gradativamente. Um bom exemplo, é a obra Que história é essa?, de Flávio de Souza, na qual conta histórias bem conhecidas, porém adotando o ponto de vista de personagens secundários que, muitas vezes, têm pouca participação no enredo da versão original. Discutir com as crianças essas estratégias de criação amplia bastante seu modo de olhar para as histórias e pode apontar novos caminhos de produção escrita.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Esta proposta pode parecer simples, porém necessita de um trabalho sistematizado e ampliado de repertoriação. Por exemplo, na proposta do livro didático, temos o poema “ O mendigo e a lua”, O MENDIGO E A LUA. (LÉO CUNHA) SE FOR DE COMER É QUEIJO. SE FOR DE CORRER É BOLA. SE FOR GOSTAR É BEIJO. SE FOR DE GASTAR É SOLA. SE NÃO FOR, É TODA LUA, SE NÃO FOR, É TODA SUA. PARA QUE O ALUNO REALIZE A PROPOSTA: SE FOR DE COMER É ______________. SE FOR DE CORRER É _____________. SE FOR GOSTAR É _____________. SE FOR DE GASTAR É ___________. SE NÃO FOR, É TODA LUA, SE NÃO FOR, É TODA SUA. O QUE ELE PRECISA SABER? QUE CONDIÇÕES DE ESCRITA DEVEM SER OFERECIDAS A ELES? COMO AMPLIAR ESTA ATIVIDADE?
  • 28. SUGESTÕES: 1.MOSTRAR PARA OS ALUNOS MODELOS DE DECALQUES E PEDIR PARA ELES RELATAREM O QUE OBSERVARAM; Se esta cidade fosse minha Paulo Netho Se esta cidade fosse minha, Eu mandava chamar todas as crianças E propunha uma troca de sonhos, Brincadeiras e esperanças. Se esta cidade fosse minha, Eu mandava abrir os parques Dia e noite, noite e dia E, lá, sem medo, Ficava até o sol raiar. Se esta cidade fosse minha, Eu mandava multar o engraçadinho Que jogasse lixo no chão (justo onde o sol vem se deitar?!) Se esta cidade fosse minha, Eu mandava soltar os pássaros: O lugar deles é nas praças, Nas matas e no ar. Poesia Futebol Clube e outros poemas. 1.ed. São Paulo: Formato, 2007. p. 43. TEXTO DA ALUNA ISABELLE
  • 29.
  • 30. 2) EXPLICAR AOS ALUNOS O QUE É UM DECALQUE E PARA QUE SERVE; 3) CHAMAR A ATENÇÃO DOS MESMOS PARA A ESTRUTURA DO POEMA (VERSOS, RIMAS INTERCALADAS); 4) RELACIONAR OS VERBOS COM OS OBJETOS (EX: COMER – QUEIJO, GOSTAR – BEIJO) E CONVERSAR/ QUESTIONAR PARA VER SE NÃO PODERÍAMOS TER AS PALAVRAS EM OUTRO LUGAR COMO GOSTAR –QUEIJO E GASTAR – BOLA); 5) DIZER-LHES QUE ESCREVERÃO UM DECALQUE DO POEMA, NO QUAL ELES SERÃO OS AUTORES E PODERÃO ATÉ ASSINAR SEUS NOMES, PARA AFIXAR NO MURAL DA ESCOLA JUNTO COM O TEXTO ORGINAL;
  • 31. 6) CRIAR UMA TABELA COLETIVA COM OS ALUNOS, LISTANDO AS PALAVRAS QUE FAZEM PARTE DO CAMPO SEMÂNTICO PROPOSTO PELO POEMA: COMER CORRER GOSTAR GASTAR
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 52.
  • 53.
  • 54. NOME DO PERSONAGEM É UMA ANIMAL OU UMA PESSOA? É DO SEXO FEMININO OU MASCULINO? COMO É FISICAMENTE? QUALIDADES OU DEFEITOS /CURIOSIDADES
  • 55. E PRINCIPALMENTE OS CONTOS QUE TRAZEM MUITA RIQUEZA DE DESCRIÇÃO DOS PERSONAGENS!
  • 56.
  • 57.
  • 58. PROPOSTA 1: - ESCRITA DE LEGENDAS PARA AS FOTOS DA SALA EM DIVERSOS MOMENTOS NA ESCOLA PARA COLOCAR NO MURAL DA ESCOLA OU PARA FAZER UM ÁLBUM DA SALA: BRINCANDO, FAZENDO ATIVIDADE DE ARTE, ESTUDANDO, NA INFORMÁTICA, NA MERENDA, EM ALGUM PASSEIO OU FESTA DA ESCOLA.
  • 59. Para fazer um álbum... Objetivos - Escrever legendas para fotografias considerando as características textuais e discursivas do gênero. - Revisar os textos escritos em pequenos grupos ou coletivamente. Conteúdos - Procedimentos de produção e revisão de textos escritos. - Características textuais das legendas. - Reflexão sobre o funcionamento do sistema de escrita.
  • 60. Tempo estimado Um mês. Material necessário Fotografias de diversos momentos com a turma (duas para cada dupla), e materiais que tenham legendas, como álbuns de fotografias, figurinhas, revistas e jornais (repertório sobre o tema).
  • 61. Desenvolvimento  1ª etapa  Apresente a ideia de montar um álbum com fotos de atividades e momentos da turma. Questione a garotada sobre a necessidade de as imagens serem acompanhadas por legendas. 2ª etapa  A turma precisa se familiarizar com o estilo das legendas e observar como são escritas. Proponha a leitura de revistas e jornais. Deixe os alunos explorá-los livremente, peça que encontrem legendas parecidas com as que pretendem escrever no álbum de fotos e justifiquem as escolhas. Discuta as características linguísticas: são textos curtos? Descritivos? Diferentes do que encontramos nos contos de fadas? Registre as conclusões.  Flexibilidade para deficiência visual  Coloque o aluno com deficiência junto a uma dupla e peça que um dos videntes descreva detalhadamente as imagens e o outro leia as legendas em voz alta. Estimule-o a fazer perguntas para os colegas para obter mais informações.
  • 62. 3ª etapa Distribua duas fotos para cada dupla e proponha a produção oral do texto. Cada grupo dita as legendas que gostaria de escrever. Transcreva os textos no quadro e faça uma revisão coletiva, considerando o leitor ausente, a clareza do texto e a relação com a foto. Flexibilidade para deficiência visual Oriente o estudante a tocar nas fotos com as mãos, mostrando-lhe onde estão dispostas e quantas são. 4ª etapa Peça que as duplas escrevam a primeira versão das legendas. Nesse momento, circule pela sala e faça intervenções que ajudem as crianças a pensar sobre a escrita enquanto realizam a tarefa. Sugira que leiam o que estão escrevendo, observem o trabalho do colega, comentem o que ainda falta escrever e verifiquem se o escrito contempla quem ou o que é visto na foto. Tire cópias dessa primeira versão do material produzido e identifique-a antes de iniciar a próxima etapa. Flexibilidade para deficiência visual Peça aos estudantes que estão formando o trio com o aluno com deficiência para explicarem a ele detalhadamente o que a foto exibe e oriente-os a contar com a participação do colega na descrição do texto. Para estimular essa competência, proponha atividades para casa ou para o AEE, para que leiam para ele as legendas de imagens. Recomende que ele descreva como imagina ser a foto e quais elementos estão presentes.
  • 63. 5ª etapa Proponha uma revisão coletiva de metade das legendas. Nesse momento,o objetivo é explicitar os problemas em relação à interpretação das informações por parte dos alunos que não são seus autores. Assim, se propõe a interação dos autores reais com leitores potenciais. Transcreva no quadro as produções, pedindo à turma que proponha mudanças, justifique cada uma delas e avalie o resultado final. 6ª etapa Separe a outra metade dos textos para ser revisada em pequenos grupos. Explicite que deverão ser explicados os problemas de interpretação, porém, nesse momento, não faça intervenções diretas. Por fim, peça que revisem e selecionem o material que fará parte do álbum. Flexibilidade para deficiência visual Privilegie o trio para que o aluno com deficiência tenha mais espaço de participação. Estimule sua crítica, colocando-o no lugar de ouvinte do texto. Produto final Um álbum de fotos da turma, legendado pelas crianças. Avaliação Durante o processo de revisão, observe a qualidade e a propriedade dos comentários das crianças. Avalie a adequação das legendas produzidas em relação à função comunicativa, à forma e aos aspectos linguísticos e ao conteúdo apresentado nas fotos.
  • 64.
  • 66.
  • 67. ..DesktopPACTOvídeos CEEL E LETRA E VIDAvídeos CEELvídeos ceelAlfabetização e Letramento Parte 01.mp4 A partir de 12’17” ..DesktopPACTOvídeos CEEL E LETRA E VIDAvídeos CEELvídeos ceelAlfabetização e Letramento Parte 02.mp4 Até 4’ 50” Sugestões: Escrita de um manual de brincadeiras aprendidas pelos alunos durante o ano para que os colegas das outras salas possam lê-lo e aprenderem a brincar também!!!
  • 68.
  • 69. Sugestões: Escrita de um diário coletivo semanal, que será lido ao final de cada mês.
  • 70. Sugestões: Além de todas essas propostas, sabemos que podemos trabalhar com bilhetes, convites, panfletos, folders, etc com os alunos dos primeiros anos, desde que sejam propostas significativas e concretas.