Slides olimpíadas de língua portuguea

15.404 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.404
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
384
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides olimpíadas de língua portuguea

  1. 1. OLIMPÍADAS DE LÍNGUA PORTUGUESA: ESCREVENDO O FUTURO *Criada em 2002, tem tido saltos sucessivos de abrangência e qualidade. Não é apenas um concurso de texto, constitui uma estratégia de mobilização que oferece aos professores e alunos a oportunidades de formação. Os docentes podem vivenciar através do material uma metodologia de ensino de língua que trabalha com gêneros textuais por meio de sequências didáticas.
  2. 2. <ul><li>A sociedade contemporânea vive a era da informação. Jornais, revistas, televisão, rádio, e-mail, blog, comunidade virtual, Orkut possibilitam que a informação circule em quantidade, velocidade e transitoriedade impressionantes. </li></ul><ul><li>Diante desse cenário, surge um grande desafio para a escola: definir quais conhecimentos acumulados no curso da história devem ser ensinados e de que forma. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Para trabalhar com gêneros textuais, é fundamental elaborar uma sequência didática( conjunto sistematizado de atividades entre si, planejadas para ensinar um conteúdo etapa por etapa, envolve atividades de aprendizagem e avaliação, organizadas de acordo com os objetivos que quer alcançar). Esse procedimento permite integrar práticas sociais de linguagem: escrita, leitura e oralidade, guiando as intervenções do professor, e na prática com seus alunos. </li></ul><ul><li>A sequência didática tem como finalidade abordar aspectos envolvidos na produção de textos em um determinado gênero. Esse conjunto de atividades permite que os alunos dominem as características próprias do gênero em estudo e tenham condições de escrever cada vez melhor. </li></ul>
  4. 4. Passos de uma sequência didática <ul><li>1º - Compartilhar a proposta de trabalho com os alunos. Fazer uma roda de conversa para apresentar o gênero que será estudado (em nosso caso o poema) e comentar as diversas atividades que serão desenvolvidas. Organizar um plano de ação e, anotar em um cartaz cada etapa da proposta. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>2º -Mapear o conhecimento prévio dos alunos: Nessa etapa, os alunos conversam sobre o que conhecem do gênero que será trabalhado e escrevem um primeiro texto. Essa produção aponta os saberes dos alunos e da pistas para que o professor possa melhor intervir no processo de aprendizagem; </li></ul><ul><li>3º_ Ampliar o repertório dos alunos: De posse do mapeamento dos alunos , o professor elabora um conjunto de atividades de leitura, escrita e oralidade, as mais diversas possíveis aproximando a turma do gênero em estudo. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>4º -Analisar as marcas do gênero: ler textos, identificar as marcas próprias do gênero (as expressões próprias, os tempos verbais utilizados); </li></ul><ul><li>5º - Buscar informações sobre o tema: é preciso conhecer o tema sobre o qual se escreve, qualquer que seja a situação comunicativa, pesquisando, entrevistando pessoas, coletando dados da cultura local. É preciso dominar o conteúdo (ter o que dizer) e a forma (ter como dizer), utilizando gêneros mais apropriado para a produção. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>6º - Produzir um texto coletivo: é uma etapa desafiadora. O professor coordena a produção do texto coletivo., dando oportunidades para que os alunos troquem ideias, exponham seus conhecimentos, dúvidas. Nesse papel o professor organiza as falas, faz intervenções, transforma o discurso oral num texto escrito. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>7º - Escrita de um texto individual: nessa etapa o aluno deve colocar em prática tudo que aprendeu ao longo da sequência didática. </li></ul><ul><li>8º - Fazer a revisão e aprimoramento do texto: exige ler, reler, identificar o que não esta claro e os aspectos que devem ser melhorados no texto. O professor precisa incentivar e auxiliar seus alunos a vencer esse desafio. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>9º - Publicar os textos dos alunos: escolher o portador mais adequado ao gênero. Ex: contos (livro ou coletânia, notícia (jornal local ou jornal mural). Com a publicação pronta, preparar com cuidado o lançamento. Convite pais, professores, colegas de escola, pessoas da comunidade. </li></ul><ul><li>AGORA VAMOS LER ALGUNS POEMAS </li></ul>
  10. 10. <ul><li>  </li></ul>Acima de qualquer suspeita a poesia está morta mas juro que não fui eu eu até que tentei fazer o melhor que podia para salvá-la imitei diligentemente augusto dos anjos paulo torres car-      los drummond de andrade manuel bandeira murilo      mendes vladmir maiakóvski joão cabral de melo neto      paul éluard oswald de andrade guillaume appolinaire      sosígenes costa bertolt brecht augusto de campos
  11. 11. <ul><li>não adiantou nada em desespero de causa cheguei a imitar um certo (ou       incerto) josé paulo paes poeta de ribeirãozinho estrada       de ferro araraquarense porém ribeirãozinho mudou de nome a estrada de ferro       araraquarense foi extinta e josé paulo paes parece       nunca ter existido nem eu </li></ul><ul><li>JOSÉ PAU PAES </li></ul>
  12. 12. CONVITE <ul><li>Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio,pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Como a água do rio que é água sempre nova. Como cada dia que é sempre um novo dia. Vamos brincar de poesia? </li></ul><ul><li>JOSÉ PAULO PAES </li></ul>
  14. 14. PARAISO <ul><li>SE ESTA RUA FOSSE MINHA, </li></ul><ul><li>EU MANDAVA LADRILHAR, </li></ul><ul><li>NÃO PARA AUTOMÓVEIS </li></ul><ul><li>MATAR GENTE, </li></ul><ul><li>MAS PARA CRIANÇA BRINCAR. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>SE ESTA MATA FOSSE MINHA, </li></ul><ul><li>EU NÃO DEIXAVA DERRUBAR. </li></ul><ul><li>SE CORTAREM TODAS AS </li></ul><ul><li>ÁRVORES, </li></ul><ul><li>ONDE É QUE OS PÁSSAROS VÃO </li></ul><ul><li>MORAR? </li></ul>
  16. 16. <ul><li>SE ESTE RIO FOSSE MEU, </li></ul><ul><li>EU NÃO DEIXAVA POLUIR. </li></ul><ul><li>JOGUEM ESGOTOS NOUTRA </li></ul><ul><li>PARTE, </li></ul><ul><li>QUE OS PEIXES MORAM AQUI. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>SE ESTE MUNDO FOSSE MEU, </li></ul><ul><li>EU FAZIA TANTAS MUDANÇAS </li></ul><ul><li>QUE ELE SERIA UM PARAÍSO </li></ul><ul><li>DE BICHOS, PLANTAS E </li></ul><ul><li>CRIANÇAS. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Em Paes, José Paulo. </li></ul><ul><li>Poemas para brincar. Ática, </li></ul><ul><li>1990. </li></ul>
  19. 19. Gênero “Memórias literárias. <ul><li>São textos que recuperam uma época com base em lembranças pessoais. Quem as produz, em geral, são escritores convidados por editoras para narrar suas memórias de modo literário. Esse texto tenta despertar as emoções do leitor por meio da beleza e da profundidade da linguagem. Quem escreve quer envolver quem lê com as memórias que estão sendo contadas. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Nas memórias literárias, o que é contado não é a realidade exata. A realidade dá base ao que está sendo escrito, mas o texto traz boa dose de inventividade. </li></ul><ul><li>Algumas marcas comuns aos textos de memórias são: </li></ul><ul><li>*Expressões em primeira pessoa usadas pelo narrador, como eu lembro... </li></ul><ul><li>*Verbos que remetem ao passado; </li></ul><ul><li>*Palavras utilizadas na época evocada; </li></ul><ul><li>*Expressões que ajudam a localizar o leitor na época narrada, como “naquele tempo”; </li></ul><ul><li>*Participação de outros personagens; de pessoas presentes nas lembranças dos entrevistados. </li></ul>
  21. 21. Proposta de trabalho <ul><li>1º etapa: </li></ul><ul><li>_Dinâmica: Dividir a turma em pequenos grupos e sugerir que façam uma viagem no tempo e resgatem as lembranças do município onde vivem: </li></ul><ul><li>_Quando chegou ao município? Já nasceu nesse lugar? </li></ul><ul><li>_Que recordações esse lugar traz a você? Onde costumava brincar? Que brinquedos usava? </li></ul><ul><li>_Tem alguma lembrança, objeto ou foto antigo que lembre uma passagem de sua vida? </li></ul><ul><li>_Que acontecimentos marcantes do seu município que tem valor para toda a comunidade? </li></ul><ul><li>_Sabendo que pessoas são as mais ricas fontes de memória, existe alguém em sua comunidade que tem uma memória rica do seu município? </li></ul>
  22. 22. <ul><li>2º etapa: Leitura do trecho do livro “Velhos amigos”, de Ecléa Bosi. </li></ul><ul><li>De onde vêm as histórias? Elas não estão escondidas como um tesouro na gruta de Aladim ou num baú que permanece no fundo do mar. Estão perto, ao alcance de sua mão. Você vai descobrir que as pessoas mais simples têm algo surpreendente a nos contar. </li></ul><ul><li>Quando um avô fica quietinho, com o olhar perdido no passado, não perca a ocasião. Tal como Aladim da lâmpada maravilhosa, você descobrirá os tesouros da memória. Se ter um velho amigo é bom, ter um amigo velho é ainda melhor. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>3º etapa: Dividir a turma em grupos e propor uma conversa com pessoas mais velhas do município onde vivem depois selecionar as informações mais importantes e socializar. </li></ul><ul><li>_Exposição de fotos , objetos antigos, cartas, utensílios domésticos, maquinas antigas, roupas, discos (preparar placas ou cartazes com informações sobre os objetos e os donos deles. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>1º proposta: </li></ul><ul><li>As memórias podem falar sobre vários aspectos: o modo de vida das pessoas, como era a escola, as brincadeiras de infância, a transformação da cidade ou do lugar, as festividades, os episódios pitorescos ou acontecimentos marcantes. Com essa visão produzam textos baseados nos comandos recebidos. </li></ul><ul><li>5º etapa: Leitura de textos de memórias de autores Tocantinense: </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Dividir a turma em grupos e propor as atividades de estudo do texto: </li></ul><ul><li>1º grupo: </li></ul><ul><li>Realize a leitura do texto, escolha trechos que descrevem a igreja Nossa Senhora das Mercês e apresente aos colegas. Lembrem-se para se fazer uma boa descrição é importante trazer à lembrança sensações, impressões e informações captadas pelos nossos sentidos: cheiros, sabores, formas, cores, sons.(capitulo X de Pedras de fogo – Edivaldo Rodrigues). </li></ul>
  26. 26. <ul><li>2º grupo: Quando escrevemos, usamos a entonação para expressar o que queremos. Na escrita são os sinais de pontuação que organizam o pensamento e facilitam a compreensão de quem lê. O travessão serve entre outras coisas para destacar ou explicar trechos desconhecidos do leitor. Saboreiem a leitura do trecho do Romance de Edvaldo Rodrigues sobre a inauguração da Catedral Nossa Senhora das Mercês e em seguida escolham um trecho que tenham palavras que vocês consideram desconhecidas para o leitor e reescrevam o trecho usando o travessão para intercalar a explicação do termo desconhecido. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>3º grupo: Ao escreverem memórias, os escritores se preocupam em caracterizar os lugares e pessoas do passado. Eles também fazem a comparação entre o tempo antigo e o atual, mostrando a diferença. Degustem o trecho do Romance “Pedras de Fogo” de Edvaldo Rodrigues. Esse trecho nos remete a inauguração da igreja Nossa Senhora das Mercês. Escolham um fragmento e faça comparações entre a Catedral e seus arredores no ano de inauguração e dos dias de hoje. </li></ul><ul><li>OBS: Lembrar micro-ônibus </li></ul>
  28. 28. <ul><li>4º etapa: </li></ul><ul><li>Entrevista com pessoas idosas da comunidade. </li></ul><ul><li>Escolhendo temas: </li></ul><ul><li>*Modos de viver do passado; </li></ul><ul><li>*transformações físicas da comunidade; </li></ul><ul><li>*Origem da comunidade; </li></ul><ul><li>*Antigos lugares de trabalho; </li></ul><ul><li>*Profissões que desapareceram; </li></ul><ul><li>*Eventos marcantes. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>5º etapa: produção do texto coletivo: isso irá ajudá-los a resgatar e organizar os recursos aprendidos nas oficinas anteriores. </li></ul><ul><li>_1º parágrafo: apresentar o entrevistado ao leitor, contar que ele é e por que foi escolhido. </li></ul><ul><li>_2º parágrafo: os alunos vão tomar o lugar do entrevistado na narrativa de memórias. O texto será escrito em primeira pessoa, como se o próprio entrevistado estivesse contando sua história. </li></ul><ul><li>Organização dos parágrafos seguintes. As memórias não seguem necessariamente a ordem cronológica. </li></ul><ul><li>No final do texto, deve-se incluir informações sobre o entrevistado: nome completo, idade, profissão e cidade em que mora. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>6º etapa: escrita do texto individual; </li></ul><ul><li>7º etapa: fazer a revisão e o aprimoramento do texto; </li></ul><ul><li>*Pertinência ao tema proposto: 1,0 </li></ul><ul><li>*Presença de elementos do gênero “memória” 3,0 </li></ul><ul><li>*Evidência de realização de entrevistas: 2,0 </li></ul><ul><li>*Originalidade: 1,0 </li></ul><ul><li>*Aspectos gerais de gramática e ortografia: 3,0. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>4º etapa: proposta 01: </li></ul><ul><li>Memórias podem ser escritas e conhecidas por outras pessoas, não apenas por quem a viveu. Ocupe o lugar de um memórialista , aquele que escreve as memórias do outro. Para isso se coloque no lugar do entrevistado e escreva um texto em primeira pessoa. Portanto não trará apenas fatos, mas também sentimentos, sensações e impressões. </li></ul>

×