SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 91
Baixar para ler offline
Projeto Político-Pedagógico da
Escola: uma construção coletiva
                 Prof. Kaio Maluf
O que é o projeto político-
pedagógico?
No sentido etimológico, o
termo projeto vem do latim
projectu, particípio passado do
verbo projicere, que significa
lançar diante.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Em nossos projetos
expomos nossa
intenção de fazer, de
realizar. Antevemos um
futuro diferente do
presente.    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Todo projeto supõe rupturas com o presente e
promessas para o futuro. Projetar significa
tentar quebrar um estado confortável para
arriscar-se, atravessar um período de
instabilidade e buscar uma nova estabilidade
em função da promessa que cada projeto
contém de estado melhor do que o presente.
Um projeto educativo pode ser tomado como
promessa frente a determinadas rupturas. As
promessas tornam visíveis os campos de ação
possível, comprometendo seus atores e autores
(GADOTTI, 1994. p. 579).
                          Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico
vai além de um simples
agrupamento de planos de
ensino e de atividades diversas.
Ele é construído e vivenciado
em todos os momentos, por
todos os envolvidos com o
processo educativo da escola.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico
assume duas dimensões:
Política no sentido de
compromisso com a formação
do cidadão para um tipo de
sociedade.
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico
assume duas dimensões:
Pedagógico no sentido de
definir as ações educativas e as
características necessárias às
escolas de cumprirem seus
propósitos e sua
intencionalidade.
                   Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico é
um processo permanente de
reflexão e discussão dos
problemas da escola, na busca de
alternativas viáveis à efetivação de
sua intencionalidade, que não é
descritiva ou constatativa, mas é
constitutiva.
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico
também deve propiciar a vivência
democrática necessária para a
participação de todos os membros
da comunidade escolar e o
exercício da cidadania.
Política ↔ Pedagógica
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico objetiva
realizar um trabalho que supere os
conflitos, buscando eliminar as relações
competitivas, corporais e autoritárias,
rompendo com a rotina do mando
impessoal e racionalizado da burocracia
que permeia as relações no interior da
escola, diminuindo os efeitos
fragmentários da divisão do trabalho que
reforça as diferenças e hierarquiza os
poderes de decisão.
                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Vídeo da Cremilda




                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O projeto político-pedagógico
trabalha em dois níveis:
1. Organização da escola como um
todo;




                                                 Global
2. Organização da sala de aula,
incluindo sua relação com o
contexto social imediato,
procurando preservar a visão de
totalidade.
                   Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
A principal possibilidade de
construção do projeto
político-pedagógico passa
pela relativa autonomia da
escola, de sua capacidade de
delinear sua própria
identidade.
                Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
A escola é, assim,
espaço público, lugar
de debate, do
diálogo, fundado na
reflexão coletiva...
            Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Toda construção do projeto
político-pedagógico deve ser
alicerçada em uma prática
social que esteja
compromissada em solucionar
os problemas da educação e
do ensino de nossa escola.
                Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
As novas formas têm que ser
pensadas em um contexto de luta,
de correlações de força – às vezes
desfavoráveis. Terão que nascer no
próprio “chão da escola”, com apoio
dos professores e pesquisadores.
Não poderão ser inventadas por
alguém, longe da escola e da luta da
escola (FREITAS, 1991. p. 23).
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Se a escola nutre-se da vivência
cotidiana de cada um de seus
membros, coparticipantes de sua
organização do trabalho pedagógico à
administração central, seja MEC, SEE,
SME, não compete a eles definir um
modelo pronto e acabado, mas sim
estimular inovações e coordenar as
ações pedagógicas planejadas e
organizadas pela própria Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
                      Prof.
                            escola.
A construção do Projeto Político-
Pedagógico somente será efetiva
quando se propiciar situações que
permitam a todo pessoal da escola
(professores, equipe escolar e
funcionários) a aprender a pensar
e a realizar o fazer pedagógico de
forma coerente.
                   Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Igualdade de condições para
acesso e permanência na
escola; mesmo que tenhamos
desigualdade no ponto de
partida temos que tê-la na
chegada.
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Igualdade de oportunidades
que requer, portanto, mais que
a expansão quantitativa de
ofertas; requer ampliação do
atendimento com simultânea
manutenção de qualidade.
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Qualidade que não pode
ser privilégio de minorias
econômicas e sociais:
para todos.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Qualidade: Formal ou
Técnica ↔ Política
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Qualidade: Formal ou
Técnica ↔ Política
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Qualidade: Formal                  ou
Técnica (instrumentos e
os métodos) ↔ Política
(participação).
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Qualidade: A
           escola de
qualidade tem a
obrigação de evitar de
todas as maneiras
possíveis repetências e a
evasão.                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O PPP, ao mesmo tempo em
que exige dos educadores,
funcionários, alunos e pais a
definição clara do tipo de escola
que intentam, requer a
definição de fins: tipo de
sociedade e o tipo de cidadão a
serem formados na escola.
                   Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Gestão democrática é um
princípio consagrado pela
Constituição Federal e
abrange as dimensões
pedagógicas, administrativa
e financeira.
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Gestão democrática exige a
compreensão em
profundidade dos problemas
postos pela prática
pedagógica.
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Gestão democrática implica
o repensar da estrutura de
poder da escola, tendo em
vista a socialização.
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Poderes da socialização:
Participação coletiva
          x
   Individualismo
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Poderes da socialização:
Reciprocidade
      x
 Exploração
              Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Poderes da socialização:
Solidariedade
      x
  Opressão
              Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Poderes da socialização:
  Autonomia
       x
Dependência dos
 autores de leis
               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Gestão democrática, para Marques (1990, p. 21):
A participação ampla assegura a
transparência das decisões, fortalece
as pressões para que sejam elas
legítimas, garante o controle sobre os
acordos estabelecidos e, sobretudo,
contribui para que sejam
contempladas questões que de outra
forma não entrariam em cogitação.
                                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Liberdade = Autonomia


                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Autonomia e liberdade
fazem parte da própria
natureza do ato
pedagógico.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Liberdade na escola deve ser
pensada na relação entre
administradores, professores,
funcionários, alunos que aí
assumem sua parte de
responsabilidade na construção do
PPP e na relação com o contexto
social.
                           Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Liberdade deve ser
considerada, também como
liberdade para aprender,
ensinar, pesquisar e divulgar a
arte e saber direcionados para
uma intencionalidade definida
coletivamente.
                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério: formação
(inicial e continuada), condições de
trabalho (recursos didáticos, recursos
físicos e materiais, dedicação integral à
escola, redução do número de alunos
na sala de aula, etc.), remuneração e
outros elementos essenciais.
                                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
Caminho: articulação entre
instituições formadoras.
Indissociabilidade entre a
formação inicial e a
formação continuada.
                      Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
“valorizar a experiência e o
conhecimento que os
professores têm a partir de
sua prática pedagógica” (Veiga e
Carvalho, 1994. p. 51).
                      Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
A formação continuada deve
fazer parte do PPP:
a) proceder ao levantamento de
necessidades de formação
continuada de seus
profissionais.
                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
A formação continuada deve fazer
parte do PPP:
b) elaborar seu programa de formação,
contando com a participação e o apoio
dos órgãos centrais, no sentido de
fortalecer seu papel na concepção, na
execução e na avaliação do referido
programa.
                                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
“O grande desafio da escola, ao
construir sua autonomia, deixando de
lado seu papel de mera repetidora de
programas de treinamento, é ousar
assumir o papel predominante na
formação dos profissionais” (Veiga e
Carvalho, 1994. p. 50).
                                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Princípios norteadores do PPP:
Valorização do magistério
É preciso ter consciência de que a
dominação no interior da escola efetiva-se
por meio das relações de poder que se
expressam nas práticas autoritárias e
conservadoras dos diferentes profissionais,
distribuídos hierarquicamente, bem como
as formas de controle existentes no interior
da escola.
                                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Construindo o Projeto Político
Pedagógico
7 elementos básicos:
     Finalidades da escola
     Estrutura organizacional
     Currículo
     Tempo escolar
     Processo de decisão
     Relações de trabalho
     Avaliação
                         Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades (perguntas básicas)
1. Das finalidades estabelecidas na
legislação em vigor, o que a escola
persegue, com maior ou menor
ênfase?

                     Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades (perguntas básicas)
2. Como é perseguida sua finalidade
cultural, ou seja, a de preparar
culturalmente os indivíduos para
uma melhor compreensão da
sociedade em que vivem?
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades (perguntas básicas)
3. Como a escola procura atingir sua
finalidade política e social, ao
formar indivíduos para a
participação política que implica
direitos e deveres da cidadania?
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades (perguntas básicas)
4. Como a escola atinge sua
finalidade de formação profissional,
ou melhor, como ela possibilita a
compreensão do papel do trabalho
na formação profissional do aluno?
                     Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades (perguntas básicas)
5. Como a escola analisa sua
finalidade humanística, ao procurar
promover o desenvolvimento
integral da pessoa?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades
É necessário decidir,
coletivamente, o que se
quer reforçar dentro da
escola e como detalhar as
finalidades para se atingir a
almejada cidadania.
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades
“Interessará reter se as finalidades
são impostas por entidades
exteriores ou se são definidas no
interior do ‘território social’ e se
são definidas por consenso ou por
conflito ou até se é matéria
ambígua, imprecisa ou marginal”
(Alves, 1992. p. 15).
                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Finalidades
Para ser autônoma, a escola
não pode depender dos
órgãos centrais e
intermediários que definem
a política da qual ela não
passa de executora.
                Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional

2 tipos:
administrativa e pedagógica

                Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
administrativa:
locação e gestão dos
recursos humanos,
físicos e financeiros.
              Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
administrativa:
elementos que têm forma material –
arquitetura do edifício, equipamentos
e materiais didáticos, mobiliário,
distribuição das dependências
escolares e espaços livres, cores,
limpeza e saneamento básico (água,
esgoto, lixo e energia elétrica).
                      Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
pedagógica:
interações políticas, questões
de ensino e aprendizagem e de
currículo, todos os setores
necessários ao
desenvolvimento do trabalho
pedagógico.       Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

1. O que sabemos da estrutura
pedagógica?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

2. Que tipo de gestão está
sendo praticada?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

3. O que queremos e
precisamos mudar na nossa
escola?
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

4. Qual é o organograma
previsto?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

5. Quem o constitui e qual é a
lógica interna?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

6. Quais as funções educativas
predominantes?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

7. Como são vistas a
constituição e a distribuição do
poder?
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Estrutura organizacional
Questões básicas:

8. Quais os fundamentos
regimentais?

                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
é a interação entre
sujeitos que têm um
mesmo objetivo e a opção
por um referencial teórico
que o sustente.
               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
transmissão dos
conhecimentos
historicamente produzidos e
as formas de assimilá-los
[produção, transmissão e
assimilação]
               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
é a organização do
conhecimento escolar.

               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
Não podemos perder de vista
que o conhecimento escolar é
dinâmico e não uma mera
simplificação do conhecimento
científico, que se adequaria à
faixa etária e aos interesses dos
alunos.            Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo (pontos básicos)
1. o currículo não é um
instrumento neutro. Ideologia
que precisa ser desvelada pela
escola para evitar a
manutenção da dominação
expressa pela manutenção de
privilégios.      Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo (pontos básicos)
2. o currículo não pode ser
separado do contexto social,
uma vez que ele é
historicamente situado e
culturalmente determinado.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo (pontos básicos)
3. tipo de organização do
currículo para diminuir o
abismo existentes entre as
diferentes disciplinas quando o
currículo é tratado de maneira
hierárquica e fragmentária.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo (pontos básicos)
4. controle social através do
currículo formal: conteúdos
curriculares, metodologia e
recursos de ensino, avaliação e
relação pedagógica.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo (pontos básicos)
4. controle social através do
currículo formal: conteúdos
curriculares, metodologia e
recursos de ensino, avaliação e
relação pedagógica.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
“o contexto apropriado ao
desenvolvimento de práticas curriculares
que favoreçam o bom rendimento e a
autonomia dos estudantes e, em particular,
que reduzam os elevados índices de evasão
e repetência de nossa escola de primeiro
grau” (Aronowitz e Giroux, 1985. p. 22).

                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Currículo
Controle social, na visão crítica,
é uma contribuição e uma ajuda
para a contestação e a
resistência à ideologia veiculada
por intermédio dos currículos
escolares.
                   Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O tempo escolar
O calendário escolar ordena o tempo:
- determina o início e o fim do ano;
- prevê os dias letivos, as férias, os
períodos escolares em que o ano se
divide;
- os feriados cívicos e religiosos, as
datas reservadas à avaliação, os
períodos para reuniões técnicas,
cursos, et cetera.       Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O tempo escolar
O horário escolar, que fixa o
número de horas por semana e
que varia em razão das
disciplinas constantes na grade
curricular, estipula também o
número de aulas por professor.
                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O tempo escolar
Ler a citação de Enguita na pág.
30.


                  Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O processo de decisão
Sem a participação de todos
no processo de decisão fica
muito difícil uma
administração adequada à
realização dos objetivos
educacionais da escola.
                Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O processo de decisão
. Revisão das atribuições
específicas e gerais;
. Distribuição de poder;
. Descentralização do
processo de decisão;
                 Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O processo de decisão
como?


               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O processo de decisão
. Instalação de mecanismos
institucionais visando à
participação política de
todos os envolvidos co o
processo educativo da
escola.
               Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
O processo de decisão
. Instalação de processos eletivos de
escola de seus dirigentes,
colegiados com representa de
alunos, pais, associação de pais e
professores, grêmio estudantil,
processos coletivos de avaliação
continuada dos serviços escolares,
etc.
                     Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
As relações de trabalho

   Solidariedade, reciprocidade e
        participação coletiva
                  X
Divisão de trabalho, fragmentação e
        controle hierárquico.
                    Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
As relações de trabalho
   Há uma correlação de forças e é nesse
  embate que se originam os conflitos, as
     tensões, as rupturas, propiciando a
construção de novas formas de relações de
 trabalho, com espaços abertos à reflexão
    coletiva que favoreçam o diálogo, a
comunicação horizontal entre os diferentes
   segmentos envolvidos com o processo
  educativo, a descentralização do poder.
                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
Avaliação
deve se dar numa visão crítica, partindo da
 necessidade de se conhecer a realidade
escolar, buscando explicar e compreender
                 critica



                        Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Planejamento pedagogico
Planejamento pedagogicoPlanejamento pedagogico
Planejamento pedagogico
straraposa
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
Paulo Sérgio
 

Mais procurados (20)

Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
 
Ppp slide
Ppp slidePpp slide
Ppp slide
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCCPlanejamento pedagógico alinhado à BNCC
Planejamento pedagógico alinhado à BNCC
 
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
9.A construção do projeto político pedagógico da escola como prática de gestã...
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola5.projeto político pedagógico da escola
5.projeto político pedagógico da escola
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
Orientacoes PPP
Orientacoes PPPOrientacoes PPP
Orientacoes PPP
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Metodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantilMetodologia da educação infantil
Metodologia da educação infantil
 
Planejamento Educacional
Planejamento EducacionalPlanejamento Educacional
Planejamento Educacional
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
Planejamento pedagogico
Planejamento pedagogicoPlanejamento pedagogico
Planejamento pedagogico
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
 

Destaque

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICOPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
Tecnomil
 
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
guestd36b23
 
Normatização do projeto político pedagógico
Normatização do projeto político pedagógicoNormatização do projeto político pedagógico
Normatização do projeto político pedagógico
Paulinha2011
 
O Ciberespaço e suas Oportunidades
O Ciberespaço e suas OportunidadesO Ciberespaço e suas Oportunidades
O Ciberespaço e suas Oportunidades
João Paulo Lacerda
 

Destaque (20)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICOPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
 
Projeto Político Pedagógico
Projeto Político PedagógicoProjeto Político Pedagógico
Projeto Político Pedagógico
 
Jobal proyecto las tic.
Jobal proyecto las tic.Jobal proyecto las tic.
Jobal proyecto las tic.
 
Saletras 2013 - Universidade, Escola e Ensino de Língua Portuguesa
Saletras 2013 - Universidade, Escola e Ensino de Língua PortuguesaSaletras 2013 - Universidade, Escola e Ensino de Língua Portuguesa
Saletras 2013 - Universidade, Escola e Ensino de Língua Portuguesa
 
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICOPROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
 
Projeto político pedagógico
Projeto político pedagógicoProjeto político pedagógico
Projeto político pedagógico
 
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
Projeto PolíTico PedagóGico Ec18
 
Apostila projeto político pedagógico fak
Apostila projeto político pedagógico   fakApostila projeto político pedagógico   fak
Apostila projeto político pedagógico fak
 
Normatização do projeto político pedagógico
Normatização do projeto político pedagógicoNormatização do projeto político pedagógico
Normatização do projeto político pedagógico
 
A elaboração do projeto político pedagógico
A elaboração do projeto político pedagógicoA elaboração do projeto político pedagógico
A elaboração do projeto político pedagógico
 
Norma culta e variedades linguísticas apostilinha
Norma culta e variedades linguísticas   apostilinhaNorma culta e variedades linguísticas   apostilinha
Norma culta e variedades linguísticas apostilinha
 
Slide do projeto leitura-lingua portuguesa-corrigido
Slide do projeto leitura-lingua portuguesa-corrigidoSlide do projeto leitura-lingua portuguesa-corrigido
Slide do projeto leitura-lingua portuguesa-corrigido
 
A lingua portuguesa
A lingua portuguesaA lingua portuguesa
A lingua portuguesa
 
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
PLAYtalk - Crescer, viver e brincar com Hiperatividade – Apresentação de "Jun...
 
Criança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professoresCriança, mídia e consumo na formação de professores
Criança, mídia e consumo na formação de professores
 
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão GeralAplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
Aplicações e Práticas Web 2.0 - Uma Visão Geral
 
PNEM - Caderno I Etapa II
PNEM - Caderno I Etapa IIPNEM - Caderno I Etapa II
PNEM - Caderno I Etapa II
 
Cronica esportiva
Cronica esportivaCronica esportiva
Cronica esportiva
 
O Ciberespaço e suas Oportunidades
O Ciberespaço e suas OportunidadesO Ciberespaço e suas Oportunidades
O Ciberespaço e suas Oportunidades
 
As mídias de ontem, hoje e amanhã
As mídias de ontem, hoje e amanhãAs mídias de ontem, hoje e amanhã
As mídias de ontem, hoje e amanhã
 

Semelhante a Projeto político pedagógico da escola slide 1

Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolarTexto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
Pibid Unileste Biologia
 
A organização escolar e a gestão democrática
A organização escolar e a gestão democráticaA organização escolar e a gestão democrática
A organização escolar e a gestão democrática
katiaaureliano
 
Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
Superestagio
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
OZILDO1
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
OZILDO1
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
nilvacirilo
 
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gicoTexto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
familiaestagio
 
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
familiaestagio
 
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento iiA organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
katiaaureliano
 

Semelhante a Projeto político pedagógico da escola slide 1 (20)

Importancia do projeto politico pedagogico
Importancia do projeto politico pedagogicoImportancia do projeto politico pedagogico
Importancia do projeto politico pedagogico
 
Ilma veiga - PPP VILLAS BOAS.pptx
Ilma veiga - PPP VILLAS BOAS.pptxIlma veiga - PPP VILLAS BOAS.pptx
Ilma veiga - PPP VILLAS BOAS.pptx
 
Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolarTexto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
Texto 2 a-importancia_do_projeto_politico_pedag_na_educacao_escolar
 
A organização escolar e a gestão democrática
A organização escolar e a gestão democráticaA organização escolar e a gestão democrática
A organização escolar e a gestão democrática
 
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianosGestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
Gestão Escolar: enfrentando os desafios cotidianos
 
Plano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolarPlano de ação omc escolar
Plano de ação omc escolar
 
Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção Projeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 
Gestão educacional ii – concepções e fundamentos do ppp
Gestão educacional ii – concepções e fundamentos do pppGestão educacional ii – concepções e fundamentos do ppp
Gestão educacional ii – concepções e fundamentos do ppp
 
Módulo x seção 2
Módulo x   seção 2Módulo x   seção 2
Módulo x seção 2
 
PROJETO POLITICO-PEDAGÓGICO.ppt
PROJETO POLITICO-PEDAGÓGICO.pptPROJETO POLITICO-PEDAGÓGICO.ppt
PROJETO POLITICO-PEDAGÓGICO.ppt
 
Pedagogia 7 e 8
Pedagogia 7 e 8Pedagogia 7 e 8
Pedagogia 7 e 8
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
 
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
A importância do projeto político pedagógico no desenvolvimento das ações da ...
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
 
Pedagogia para Concursos - Projeto político pedagógico
Pedagogia para Concursos - Projeto político pedagógicoPedagogia para Concursos - Projeto político pedagógico
Pedagogia para Concursos - Projeto político pedagógico
 
Ppp e planejamento
Ppp e planejamentoPpp e planejamento
Ppp e planejamento
 
Projeto politico pedagógico
Projeto politico pedagógicoProjeto politico pedagógico
Projeto politico pedagógico
 
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gicoTexto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
Texto projeto pol+¡tico pedag+¦gico
 
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
Projeto pol+¡tico pedag+¦gico texto word 2003
 
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento iiA organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
A organização escolar e a gestão democrática – projeto e planejamento ii
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Projeto político pedagógico da escola slide 1

  • 1.
  • 2. Projeto Político-Pedagógico da Escola: uma construção coletiva Prof. Kaio Maluf
  • 3. O que é o projeto político- pedagógico? No sentido etimológico, o termo projeto vem do latim projectu, particípio passado do verbo projicere, que significa lançar diante. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 4. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 5. Em nossos projetos expomos nossa intenção de fazer, de realizar. Antevemos um futuro diferente do presente. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 6. Todo projeto supõe rupturas com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para arriscar-se, atravessar um período de instabilidade e buscar uma nova estabilidade em função da promessa que cada projeto contém de estado melhor do que o presente. Um projeto educativo pode ser tomado como promessa frente a determinadas rupturas. As promessas tornam visíveis os campos de ação possível, comprometendo seus atores e autores (GADOTTI, 1994. p. 579). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 7. O projeto político-pedagógico vai além de um simples agrupamento de planos de ensino e de atividades diversas. Ele é construído e vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos com o processo educativo da escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 8. O projeto político-pedagógico assume duas dimensões: Política no sentido de compromisso com a formação do cidadão para um tipo de sociedade. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 9. O projeto político-pedagógico assume duas dimensões: Pedagógico no sentido de definir as ações educativas e as características necessárias às escolas de cumprirem seus propósitos e sua intencionalidade. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 10. O projeto político-pedagógico é um processo permanente de reflexão e discussão dos problemas da escola, na busca de alternativas viáveis à efetivação de sua intencionalidade, que não é descritiva ou constatativa, mas é constitutiva. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 11. O projeto político-pedagógico também deve propiciar a vivência democrática necessária para a participação de todos os membros da comunidade escolar e o exercício da cidadania. Política ↔ Pedagógica Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 12. O projeto político-pedagógico objetiva realizar um trabalho que supere os conflitos, buscando eliminar as relações competitivas, corporais e autoritárias, rompendo com a rotina do mando impessoal e racionalizado da burocracia que permeia as relações no interior da escola, diminuindo os efeitos fragmentários da divisão do trabalho que reforça as diferenças e hierarquiza os poderes de decisão. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 13. Vídeo da Cremilda Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 14. O projeto político-pedagógico trabalha em dois níveis: 1. Organização da escola como um todo; Global 2. Organização da sala de aula, incluindo sua relação com o contexto social imediato, procurando preservar a visão de totalidade. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 15. A principal possibilidade de construção do projeto político-pedagógico passa pela relativa autonomia da escola, de sua capacidade de delinear sua própria identidade. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 16. A escola é, assim, espaço público, lugar de debate, do diálogo, fundado na reflexão coletiva... Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 17. Toda construção do projeto político-pedagógico deve ser alicerçada em uma prática social que esteja compromissada em solucionar os problemas da educação e do ensino de nossa escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 18. As novas formas têm que ser pensadas em um contexto de luta, de correlações de força – às vezes desfavoráveis. Terão que nascer no próprio “chão da escola”, com apoio dos professores e pesquisadores. Não poderão ser inventadas por alguém, longe da escola e da luta da escola (FREITAS, 1991. p. 23). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 19. Se a escola nutre-se da vivência cotidiana de cada um de seus membros, coparticipantes de sua organização do trabalho pedagógico à administração central, seja MEC, SEE, SME, não compete a eles definir um modelo pronto e acabado, mas sim estimular inovações e coordenar as ações pedagógicas planejadas e organizadas pela própria Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com Prof. escola.
  • 20. A construção do Projeto Político- Pedagógico somente será efetiva quando se propiciar situações que permitam a todo pessoal da escola (professores, equipe escolar e funcionários) a aprender a pensar e a realizar o fazer pedagógico de forma coerente. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 21. Princípios norteadores do PPP: Igualdade de condições para acesso e permanência na escola; mesmo que tenhamos desigualdade no ponto de partida temos que tê-la na chegada. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 22. Princípios norteadores do PPP: Igualdade de oportunidades que requer, portanto, mais que a expansão quantitativa de ofertas; requer ampliação do atendimento com simultânea manutenção de qualidade. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 23. Princípios norteadores do PPP: Qualidade que não pode ser privilégio de minorias econômicas e sociais: para todos. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 24. Princípios norteadores do PPP: Qualidade: Formal ou Técnica ↔ Política Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 25. Princípios norteadores do PPP: Qualidade: Formal ou Técnica ↔ Política Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 26. Princípios norteadores do PPP: Qualidade: Formal ou Técnica (instrumentos e os métodos) ↔ Política (participação). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 27. Princípios norteadores do PPP: Qualidade: A escola de qualidade tem a obrigação de evitar de todas as maneiras possíveis repetências e a evasão. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 28. O PPP, ao mesmo tempo em que exige dos educadores, funcionários, alunos e pais a definição clara do tipo de escola que intentam, requer a definição de fins: tipo de sociedade e o tipo de cidadão a serem formados na escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 29.
  • 30. Princípios norteadores do PPP: Gestão democrática é um princípio consagrado pela Constituição Federal e abrange as dimensões pedagógicas, administrativa e financeira. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 31. Princípios norteadores do PPP: Gestão democrática exige a compreensão em profundidade dos problemas postos pela prática pedagógica. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 32. Princípios norteadores do PPP: Gestão democrática implica o repensar da estrutura de poder da escola, tendo em vista a socialização. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 33. Poderes da socialização: Participação coletiva x Individualismo Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 34. Poderes da socialização: Reciprocidade x Exploração Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 35. Poderes da socialização: Solidariedade x Opressão Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 36. Poderes da socialização: Autonomia x Dependência dos autores de leis Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 37. Princípios norteadores do PPP: Gestão democrática, para Marques (1990, p. 21): A participação ampla assegura a transparência das decisões, fortalece as pressões para que sejam elas legítimas, garante o controle sobre os acordos estabelecidos e, sobretudo, contribui para que sejam contempladas questões que de outra forma não entrariam em cogitação. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 38. Princípios norteadores do PPP: Liberdade = Autonomia Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 39. Princípios norteadores do PPP: Autonomia e liberdade fazem parte da própria natureza do ato pedagógico. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 40. Princípios norteadores do PPP: Liberdade na escola deve ser pensada na relação entre administradores, professores, funcionários, alunos que aí assumem sua parte de responsabilidade na construção do PPP e na relação com o contexto social. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 41. Princípios norteadores do PPP: Liberdade deve ser considerada, também como liberdade para aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a arte e saber direcionados para uma intencionalidade definida coletivamente. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 42. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério: formação (inicial e continuada), condições de trabalho (recursos didáticos, recursos físicos e materiais, dedicação integral à escola, redução do número de alunos na sala de aula, etc.), remuneração e outros elementos essenciais. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 43. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério Caminho: articulação entre instituições formadoras. Indissociabilidade entre a formação inicial e a formação continuada. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 44. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério “valorizar a experiência e o conhecimento que os professores têm a partir de sua prática pedagógica” (Veiga e Carvalho, 1994. p. 51). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 45. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério A formação continuada deve fazer parte do PPP: a) proceder ao levantamento de necessidades de formação continuada de seus profissionais. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 46. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério A formação continuada deve fazer parte do PPP: b) elaborar seu programa de formação, contando com a participação e o apoio dos órgãos centrais, no sentido de fortalecer seu papel na concepção, na execução e na avaliação do referido programa. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 47. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério “O grande desafio da escola, ao construir sua autonomia, deixando de lado seu papel de mera repetidora de programas de treinamento, é ousar assumir o papel predominante na formação dos profissionais” (Veiga e Carvalho, 1994. p. 50). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 48. Princípios norteadores do PPP: Valorização do magistério É preciso ter consciência de que a dominação no interior da escola efetiva-se por meio das relações de poder que se expressam nas práticas autoritárias e conservadoras dos diferentes profissionais, distribuídos hierarquicamente, bem como as formas de controle existentes no interior da escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 49. Construindo o Projeto Político Pedagógico 7 elementos básicos: Finalidades da escola Estrutura organizacional Currículo Tempo escolar Processo de decisão Relações de trabalho Avaliação Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 50. Finalidades (perguntas básicas) 1. Das finalidades estabelecidas na legislação em vigor, o que a escola persegue, com maior ou menor ênfase? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 51. Finalidades (perguntas básicas) 2. Como é perseguida sua finalidade cultural, ou seja, a de preparar culturalmente os indivíduos para uma melhor compreensão da sociedade em que vivem? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 52. Finalidades (perguntas básicas) 3. Como a escola procura atingir sua finalidade política e social, ao formar indivíduos para a participação política que implica direitos e deveres da cidadania? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 53. Finalidades (perguntas básicas) 4. Como a escola atinge sua finalidade de formação profissional, ou melhor, como ela possibilita a compreensão do papel do trabalho na formação profissional do aluno? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 54. Finalidades (perguntas básicas) 5. Como a escola analisa sua finalidade humanística, ao procurar promover o desenvolvimento integral da pessoa? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 55. Finalidades É necessário decidir, coletivamente, o que se quer reforçar dentro da escola e como detalhar as finalidades para se atingir a almejada cidadania. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 56. Finalidades “Interessará reter se as finalidades são impostas por entidades exteriores ou se são definidas no interior do ‘território social’ e se são definidas por consenso ou por conflito ou até se é matéria ambígua, imprecisa ou marginal” (Alves, 1992. p. 15). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 57. Finalidades Para ser autônoma, a escola não pode depender dos órgãos centrais e intermediários que definem a política da qual ela não passa de executora. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 58. Estrutura organizacional 2 tipos: administrativa e pedagógica Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 59. Estrutura organizacional administrativa: locação e gestão dos recursos humanos, físicos e financeiros. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 60. Estrutura organizacional administrativa: elementos que têm forma material – arquitetura do edifício, equipamentos e materiais didáticos, mobiliário, distribuição das dependências escolares e espaços livres, cores, limpeza e saneamento básico (água, esgoto, lixo e energia elétrica). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 61. Estrutura organizacional pedagógica: interações políticas, questões de ensino e aprendizagem e de currículo, todos os setores necessários ao desenvolvimento do trabalho pedagógico. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 62. Estrutura organizacional Questões básicas: 1. O que sabemos da estrutura pedagógica? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 63. Estrutura organizacional Questões básicas: 2. Que tipo de gestão está sendo praticada? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 64. Estrutura organizacional Questões básicas: 3. O que queremos e precisamos mudar na nossa escola? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 65. Estrutura organizacional Questões básicas: 4. Qual é o organograma previsto? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 66. Estrutura organizacional Questões básicas: 5. Quem o constitui e qual é a lógica interna? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 67. Estrutura organizacional Questões básicas: 6. Quais as funções educativas predominantes? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 68. Estrutura organizacional Questões básicas: 7. Como são vistas a constituição e a distribuição do poder? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 69. Estrutura organizacional Questões básicas: 8. Quais os fundamentos regimentais? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 70. Currículo é a interação entre sujeitos que têm um mesmo objetivo e a opção por um referencial teórico que o sustente. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 71. Currículo transmissão dos conhecimentos historicamente produzidos e as formas de assimilá-los [produção, transmissão e assimilação] Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 72. Currículo é a organização do conhecimento escolar. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 73. Currículo Não podemos perder de vista que o conhecimento escolar é dinâmico e não uma mera simplificação do conhecimento científico, que se adequaria à faixa etária e aos interesses dos alunos. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 74. Currículo (pontos básicos) 1. o currículo não é um instrumento neutro. Ideologia que precisa ser desvelada pela escola para evitar a manutenção da dominação expressa pela manutenção de privilégios. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 75. Currículo (pontos básicos) 2. o currículo não pode ser separado do contexto social, uma vez que ele é historicamente situado e culturalmente determinado. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 76. Currículo (pontos básicos) 3. tipo de organização do currículo para diminuir o abismo existentes entre as diferentes disciplinas quando o currículo é tratado de maneira hierárquica e fragmentária. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 77. Currículo (pontos básicos) 4. controle social através do currículo formal: conteúdos curriculares, metodologia e recursos de ensino, avaliação e relação pedagógica. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 78. Currículo (pontos básicos) 4. controle social através do currículo formal: conteúdos curriculares, metodologia e recursos de ensino, avaliação e relação pedagógica. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 79. Currículo “o contexto apropriado ao desenvolvimento de práticas curriculares que favoreçam o bom rendimento e a autonomia dos estudantes e, em particular, que reduzam os elevados índices de evasão e repetência de nossa escola de primeiro grau” (Aronowitz e Giroux, 1985. p. 22). Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 80. Currículo Controle social, na visão crítica, é uma contribuição e uma ajuda para a contestação e a resistência à ideologia veiculada por intermédio dos currículos escolares. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 81. O tempo escolar O calendário escolar ordena o tempo: - determina o início e o fim do ano; - prevê os dias letivos, as férias, os períodos escolares em que o ano se divide; - os feriados cívicos e religiosos, as datas reservadas à avaliação, os períodos para reuniões técnicas, cursos, et cetera. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 82. O tempo escolar O horário escolar, que fixa o número de horas por semana e que varia em razão das disciplinas constantes na grade curricular, estipula também o número de aulas por professor. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 83. O tempo escolar Ler a citação de Enguita na pág. 30. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 84. O processo de decisão Sem a participação de todos no processo de decisão fica muito difícil uma administração adequada à realização dos objetivos educacionais da escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 85. O processo de decisão . Revisão das atribuições específicas e gerais; . Distribuição de poder; . Descentralização do processo de decisão; Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 86. O processo de decisão como? Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 87. O processo de decisão . Instalação de mecanismos institucionais visando à participação política de todos os envolvidos co o processo educativo da escola. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 88. O processo de decisão . Instalação de processos eletivos de escola de seus dirigentes, colegiados com representa de alunos, pais, associação de pais e professores, grêmio estudantil, processos coletivos de avaliação continuada dos serviços escolares, etc. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 89. As relações de trabalho Solidariedade, reciprocidade e participação coletiva X Divisão de trabalho, fragmentação e controle hierárquico. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 90. As relações de trabalho Há uma correlação de forças e é nesse embate que se originam os conflitos, as tensões, as rupturas, propiciando a construção de novas formas de relações de trabalho, com espaços abertos à reflexão coletiva que favoreçam o diálogo, a comunicação horizontal entre os diferentes segmentos envolvidos com o processo educativo, a descentralização do poder. Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com
  • 91. Avaliação deve se dar numa visão crítica, partindo da necessidade de se conhecer a realidade escolar, buscando explicar e compreender critica Prof. Kaio Maluf – kaiomaluf@gmail.com