SlideShare uma empresa Scribd logo
N°

MANUAL
CLIENTE:

/

FOLHA:

PROGRAMA:

ROSTO

C.C:

CARTEIRA DE GASOLINA

ÁREA:

SEP:

TÍTULO:

PROCEDIMENTO PARA COLETA DE AMOSTRAS
DOC Nº:

RESPONSÁVEL:

ARQ. ELETR.:

Nº CONTRATO:

ANTONIO FERNANDO NAVARRO
REG. CREA:

42.758/D

ÍNDICE DE REVISÕES
DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

REV.
0

DATA

PARA INFORMAÇÃO

REV.0

REV.A

REV.B

REV.C

REV.D

REV.E

REV.F

REV.G

REV.H

DATA
PROJETO
EXECUÇÃO

NAVARRO

VERIFICAÇÃO
APROVAÇÃO

NAVARRO

As informações deste documento foram elaboradas pelo Eng. ANTONIO FERNANDO NAVARRO, para divulgação da metodologia.
A presente manual não deverá ser empregado para fins comerciais e tão somente para a disseminação de conhecimento, livremente, citando-se o autor.
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

1/16

Nº Doc/

Revisão

Data

00

Descrição Sumária
Para Informação

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

2/16

Nº Doc/

1. Objetivo
O procedimento aqui descrito tem como principal objetivo estabelecer as normas a serem
adotadas nas operações de coleta de amostras para caracterização de resíduos, análise de
potabilidade de água e de efluentes líquidos como parte integrante do monitoramento
ambiental, descrevendo os cuidados e critérios que devem ser observados na obtenção
das amostras a fim que sejam representativas, mantendo todas as suas propriedades
físicas, químicas e biológicas e isentas de elementos estranhos ao meio que representa

2. Aplicação
Este procedimento se aplica a todas as atividades de coleta de amostras em todos os
serviços de Construção e Montagem.

3. Esclarecimentos / Definições
Amostra - Quantidade de líquido a ser estudada, obtida através de um processo de
amostragem;
Amostragem - Procedimento para coleta de amostra que tem o objetivo de representar o
meio que se está amostrando;
Análise Química - Quantificação de determinado elemento químico em uma amostra
específica;
Efluente Líquido - Resíduo líquido resultante de um processo ou atividade;
Preservação - Manutenção das características iniciais de uma amostra por um
determinado tempo;
Plano de Amostragem - Documento contendo o conjunto de informações referentes aos
parâmetros que serão analisados, pontos de coleta de amostra, freqüência, métodos de
amostragem e de análise.
Potabilidade - Qualidade do líquido em condição adequada para consumo humano;

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

3/16

Nº Doc/

Resíduos Sólidos - São todos os restos sólidos e/ou semi-sólidos provenientes de
atividades ou processos de origem industrial, doméstica, agropecuária, hospitalar,
comercial ou outras e que se encontrem no estado sólido, semi-sólido e/ou líquido – cujas
particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgoto ou corpos
d’água ou exijam para sua disposição soluções técnicas ou economicamente viáveis em
face da melhor tecnologia disponível.

Ficam incluídos nesta definição os lodos

provenientes de sistemas de tratamento de água e efluentes, bem como aqueles gerados
em equipamentos e instalações de controle de poluição;
Rinsagem - Técnica de se “lavar” as paredes internas do frasco com líquido antes de
enchê-lo totalmente, garantindo que se tenha dentro do mesmo a exata concentração
analítica encontrada na fonte geradora e que todo tipo de interferente seja eliminado.

4. Responsabilidades
4.1. Coordenação de Meio Ambiente
− Elaborar plano de Amostragem para caracterização de resíduos sólidos
− Elaborar / controlar cronograma de coleta de amostras de água e efluente para análise
em laboratório externo
− Garantir a contratação de laboratório credenciado pelo órgão ambiental competente.
4.2. Técnico de Meio Ambiente
− Acompanhar a coleta de amostra dos líquidos a serem analisados juntamente com o
técnico do laboratório contratado;
− Envio para laboratório devidamente credenciado pelo órgão ambiental competente;.

5. Descrição
5.1 Amostra para Potabilidade

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

4/16

Nº Doc/

Será dada preferência na contratação dos serviços de análise no laboratório externo com
serviço de coleta e transporte incluso.
5.1.1 Análises Físico-Química
− Deixar a água escorrer livremente por cerca de 3 (três) minutos;
− Rinsar o frasco de coleta com amostra;
− Encher completamente o frasco de coleta com a amostra;
− Tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente adiabático contendo gelo;
− Enviar imediatamente após a coleta da amostra para laboratório credenciado
5.1.2

Análise Bacteriológica

As coletas de amostras para análises microbiológicas deverão ser realizadas pelo
laboratório responsável pela análise
5.2 Amostra para Análise de Efluente
Será dada preferência na contratação dos serviços de análise no laboratório externo com
serviço de coleta e transporte incluso.
5.2.1

Coleta de Amostra Simples

− Utilizar luva e óculos para realizar a coleta;
− Drenar um pouco de efluente do ponto de coleta durante 3 (três) minutos;
− Rinsar o frasco de coleta com a amostra três vezes seguida, exceto se o mesmo
contiver algum preservativo;
− Encher o frasco de coleta com a amostra;
− Tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente adiabático contendo gelo;
− Enviar imediatamente após a coleta da amostra para laboratório credenciado
5.2.2

Coleta de Amostra Composta

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

5/16

Nº Doc/

Realizar coleta de amostras simples conforme tabela abaixo e transferir o volume de
amostra para o frasco de coleta;
Volume

Alíquota

(mL)

(mL)

1.000

250

4 / dia

5.000

1000

5 / dia

Freqüência

A cada coleta simples realizada, tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente
adiabático contendo gelo;
Enviar a amostra composta para laboratório credenciado.
Observações:
Quando o frasco possuir preservantes, a amostra deverá ser adicionada vagarosamente
no frasco, sem realização de rinsagem do mesmo.
Todas as amostras simples deverão ser entregues no mesmo dia; e as compostas,
coletadas no dia anterior a entrega e preservadas em recipiente adiabático contendo gelo.
Para cara grupo de amostras coletadas (água ou efluente) deverá ser preenchido o
formulário – Coleta de Amostra, apresentado no Anexo I
5.2.3

Especificações dos Frascos de Coleta e Preservação das Amostras

Análise

Tipo de
coleta

Frasco

Volume
(mL)

Preservação

DBO

Composta

V ou P

2000

Refrigeração com gelo aprox. 4ºC

DQO

Composta

V ou P

1000

pH < 2 com H2SO4 e refrigeração
com gelo aprox. 4ºC

Ph

Simples

V ou P

500

Não Aplicável

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

6/16

Nº Doc/

Temperatura

Simples

V ou P

500

Não Aplicável

Cloro
Residual

Simples

P

300

Refrigeração com gelo aprox. 4º C

RNFT

Composta

V ou P

1000

Refrigeração com gelo aprox. 4º C

SS

Composta

V ou P

1000

Refrigeração com gelo aprox. 4º C

Óleos e
Graxas

Simples

V

1000

1mL de H2SO4 concentrado e
refrigeração com gelo aprox. 4º C

Nota 1: V = Vidro

Nota 2: P = Plástico
5.3 Amostras para Caracterização de Resíduos Sólidos
Mensalmente, será preenchida uma planilha de controle da geração, transporte e
disposição de resíduos que foram destinados pela obra. O modelo encontra-se no Anexo
III.
5.3.1

Definição do Objetivo da Amostragem

Realizar a coleta de uma quantidade representativa do resíduo, com o intuito de
determinar as características quanto à classificação, método de tratamento, etc..
5.3.2

Pré-Caracterização de um Resíduo

Nesta etapa se faz o levantamento do processo que deu origem ao resíduo. Geralmente as
informações levantadas são: volume aproximado, estado físico, temperatura, principais ou
possíveis constituintes, etc..

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

7/16

Nº Doc/

De posse dessas informações, poderá ser definido o tipo de amostrador, determinar os
parâmetros que serão investigados ou analisados, quantidade de amostras e o volume
que serão necessários, tipo de frasco de coleta e método de preservação.
5.3.3 Plano de Amostragem
O plano de amostragem deve ser definido antes de se coletar qualquer amostra, deve ser
consistente com o objetivo da amostragem e com a pré-caracterização do resíduo.
No plano deve conter:
− Avaliação do local;
− Forma de armazenamento;
− Pontos de amostragem;
− Tipos de amostradores;
− Números de amostras a serem coletadas, tipo de amostras e volumes;
− Número e tipo de frascos de coleta;
− Método de preservação;
− Tempo de armazenagem;
− EPI’s necessários para a coleta..
5.4 Seleção do Amostrador
− O material da confecção do amostrador não poderá reagir com o material a ser
coletado.
− O Anexo II apresenta os amostradores recomendados para cada tipo de resíduo
5.5 Seleção do Recipiente do Amostrador
Deverá ser considerada durante a escolha do frasco de amostragem a compatibilidade do
material do frasco com o resíduo.

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

8/16

Nº Doc/

Recomendações:
− Para

resíduos

sólidos

ou

pastosos

em

geral,

utiliza-se

frascos

de

polietileno

descartáveis;
− Se o resíduo contiver solventes em sua composição, deve ser utilizado frasco de vidro
cor âmbar;
− Caso seja utilizado frascos rígidos para amostra sólida ou semi-sólida, estes frascos
devem ter boca larga e ser feitos de materiais compatíveis com o resíduo
5.6 Ponto de Amostragem
É o local onde será coletada a amostra. No Anexo III há uma tabela apresentando os
pontos de amostragem em função dos tipos e formas de recipientes
5.7 Número de Amostras
a) Para obtenção da concentração média do resíduo, deverá ser coletada uma ou mais
amostras compostas;
b) Para obtenção da faixa de variação da concentração do resíduo deverá ser coletada no
mínimo três amostras simples.
5.8 Procedimento de Amostragem
Neste item não será descrito todos os tipos de amostradores que a norma aborda. Pois
nem todos serão aplicáveis a rotina do empreendimento caso surja uma amostragem em
uma situação diferente das citadas neste procedimento, utilizar a NBR 10.007 como
referência.
5.8.1

Amostragem em Leitos de Secagem, Lagos Secos e Solos Contaminados

− A área onde o resíduo estiver acumulado em quadrículas imaginárias;
− Utilizar pá ou trado para retirada de amostras até 20 cm;
− Utilizar trado ou amostrador similar para amostras de profundidades superiores a 20
cm;
Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

9/16

Nº Doc/

− As instruções para utilização do amostrador encontram-se no Anexo IV Referência.

5.8.2

Amostragem em Montes ou Pilhas de Resíduos

− Os pontos de amostragens devem ser determinados conforme definido no Anexo III;
− O amostrador indicado para este caso está explicitado no Anexo II.
NOTA: Toda amostra deve ser identificada imediatamente após a coleta.

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

10/16

Nº Doc/

Preservação e Armazenamento de Amostras
Sólidas

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

11/16

Nº Doc/

6. Controle Operacional
Para uma melhor segurança no procedimento de coleta deve-se seguir algumas regras
que evitam acidentes, transtornos e que se ponha todo o trabalho a perder. São elas:
− Tomar bastante cuidado com parapeitos na hora de puxar as garrafas de profundidade;
− Em locais de difícil acesso, levar nas mãos o material estritamente necessário à coleta;
− O funcionário deve sempre estar devidamente uniformizado, usando luvas, botas,
capacete, óculos de proteção e nos casos de necessidade, máscara contra gases;
− O funcionário responsável pela coleta deve ter recebido treinamento teórico e prático
antes de exercer a mesma;
− Manter-se sempre atento quanto ao uso de preservantes de caráter químico;
Durante a coleta de resíduos e ou líquidos (água / efluente) não serão gerados

−

resíduos. Todo o material que o laboratório enviar com o técnico que realizará a coleta
/ amostragem, será retornado com o mesmo ao laboratório

7. Registros
7.1 - Controle de Coleta de Amostra
7.2 - Laudo de Análise de Potabilidade e Efluente.
7.3 - Laudo de Caracterização de Resíduos

8. Referências
Operação da ETE;
Plano Diretor de Resíduos e Efluentes – PDRE;
Plano de Monitoramento e Medição;
Amostragem de Resíduos;

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

12/16

Nº Doc/

Anexo I – Formulário de Controle para Coleta de Amostras

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

13/16

Nº Doc/

Anexo II - Amostradores Recomendados para cada Tipo de Resíduo
Amostrador
Recomendado

Limitações/Recomendações

Amostrador de grãos

Utilizar para sólidos com
partículas de diâmetros < 0,6 m

Amostrador “tier”

Não é recomendado para
materiais muito secos

Resíduos secos sobre o solo

Pá

Não usar para amostras a mais
de 8 cm de profundidade.

Resíduos no solo a mais de
20 cm de profundidade

Trado

-

Tipo de Resíduo

Sólido em pó ou granulado
em montes ou pilhas de
resíduos

Anexo III – Pontos de Amostragem Recomendados
Tipo de Recipiente

Ponto de Amostragem

Retirar as amostras de pelo menos três seções (do topo,
Montes ou pilhas de
resíduos

do meio e da base). Em cada seção, devem ser coletadas
quatro

alíquotas,

eqüidistantes.

O

amostrador

deve

penetrar obliquamente nos montes ou pilhas

Leitos de secagem, lagoas
secas ou solo contaminado

Dividir a superfície em uma rede quadriculada imaginária.
De cada quadrícula retirar uma amostra representativa da
área contaminada.

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

14/16

Nº Doc/

Anexo IV – Procedimento para Utilização de Amostradores
PÁ
Este amostrador é um tipo de pá de jardineiro, com lâmina normalmente afiada. Esta pá
pode ser usada para coletar amostras de materiais granulares, amostras em recipientes
rasos e amostras superficiais de solo
Proceder da seguinte maneira:
− Verificar se a pá está descontaminada e/ou estéril
− Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos
de amostragem
− Introduzir a pá no material a ser amostrado, retirando um volume de amostra
suficiente;
− Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula;
− Preservar a amostra, se necessário;
− Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a
amostra para o laboratório;
− Limpar a pá e embalá-la em saco plástico.
TRADO
Este amostrador é normalmente utilizado em sondagens de solo, podendo ser utilizado
para amostragem de resíduos. O seu acionamento pode ser manual ou mecânico, e a
preservação ou destruição do perfil do material a ser amostrado depende do tipo de broca
utilizada.
O trado é particularmente útil na coleta de amostras a profundidades maiores que 20 cm.
Proceder da seguinte maneira:
− Verificar se o trado está descontaminado e/ou estéril;
− Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos
de amostragem;
− Selecionar a broca adequada;
− Colocar o trado sobre o ponto de amostragem;
Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

15/16

Nº Doc/

− Cravar até a profundidade de amostragem desejada;
− Retirar o trado e transferir a amostra coletada para um frasco de amostragem;
− Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula;
− Preservar a amostra, se necessário;
− Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a
amostra para o laboratório;
− Limpar o trado e embalá-la em saco plástico.
AMOSTRADOR DE GRÃOS
Este amostrador é feito com dois tubos telescópicos chanfrados, um externo e outro
interno, geralmente de aço inoxidável ou material inerte descartável. O externo possui
uma ponteira cônica que permite a introdução do amostrador na massa de resíduos a ser
amostrada. Este amostrador é usado para resíduos em pó ou na forma granular com
diâmetro inferior a 0,6 cm, acondicionados em sacos, tambores, big bags e similares.
Proceder da seguinte maneira:
− Verificar se o amostrador está descontaminado e/ou estéril
− Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos
de amostragem;
− Colocar o amostrador na posição fechada e introduzi-lo no material;
− Girar o tubo interior até posição aberta;
− Agitar o amostrador algumas vezes para permitir que os materiais entrem pelas suas
fendas;
− Fechar o amostrador e retirá-lo do material, procedendo à limpeza da parede externa;
− Colocar o amostrador na posição horizontal e com as aberturas para cima;
− Girar e retirar o tubo interno;
− Transferir a amostra coletada no tubo interno para um frasco de amostragem;
− Preservar a amostra, se necessário;
− Tampar o frasco e enviar a amostra para o laboratório;
− Limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior;

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro
Tipo de Documento

Código do Documento

Procedimento Específico
Título do Documento

Revisão

Pág.

Procedimento para Coleta de Amostras

00

16/16

Nº Doc/

− O amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se
proceder à limpeza e descontaminação.
AMOSTRADOR DE MONTES E PILHAS – TRIER
Este amostrador é feito com um tubo longo de aço inox e possui uma parte chinfrada em
quase todo o seu comprimento. A ponta e as bordas do chanfro são afiadas para permitir
que o material a ser amostrado seja cortado quando o amostrador girar no interior da
massa de resíduos. Este amostrador é usado de modo similar ao amostrador de grãos.
Quando o pó ou material granular está úmido ou aglomerado, deve-se usar o amostrador
“trier” e não o amostrador de grãos.
Proceder da seguinte maneira:
− Verificar

se

o

amostrador

está

com

as

bordas

convenientemente

afiadas,

descontaminado e/ou estéril;
− Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos
de amostragem;
− Introduzir o amostrador no material a ser amostrado, em um ângulo entre 0º e 45º
com a horizontal;
− Girar o amostrador uma ou duas vezes para cortar o material;
− Retirar vagarosamente o amostrador do material, assegurando-se de que a sua
abertura está para cima;
− Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula ou
escova;
− Preservar a amostra, se necessário;
− Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a
amostra para o laboratório;
− Limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior;
− O amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se
proceder à limpeza e descontaminação.

Área

Emitente

Área

Aprovação

GSC

Antonio Fernando Navarro

GSC

Antonio Fernando Navarro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Gráficos - Bioestatistica
Aula de Gráficos - BioestatisticaAula de Gráficos - Bioestatistica
Aula de Gráficos - Bioestatistica
Fisio Unipampa
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Giovanna Ortiz
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Nathy Oliveira
 
Aula bioestatistica
Aula bioestatisticaAula bioestatistica
Aula bioestatistica
AleNiv
 
aula 5 estatistica.pptx
aula 5 estatistica.pptxaula 5 estatistica.pptx
aula 5 estatistica.pptx
Estevao Ualane/ Assuntos Medicos
 
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
Grupo2apcm
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
Francielson Almeida Alves
 
Aula 9 política pública ambiental
Aula 9   política pública ambientalAula 9   política pública ambiental
Aula 9 política pública ambiental
Alex Santiago Nina
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
Filipa Andrade
 
O problema e_a_hipotese
O problema e_a_hipoteseO problema e_a_hipotese
O problema e_a_hipotese
Ademir Vogel
 
Oficina de revisão sistemática e bibliometria
Oficina de revisão sistemática e bibliometriaOficina de revisão sistemática e bibliometria
Oficina de revisão sistemática e bibliometria
Helio Ferenhof, Dr. Eng, MBA, PMP, ITIL .'.
 
Bioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacaoBioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacao
Fabiano Reis
 
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua DoceAnatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Igor Machado Moura
 
Aula 04 metodologia de um tcc
Aula 04   metodologia de um tccAula 04   metodologia de um tcc
Aula 04 metodologia de um tcc
Hidematuda
 
Roteiro para elaboração relatorio aula prática
Roteiro para elaboração relatorio aula práticaRoteiro para elaboração relatorio aula prática
Roteiro para elaboração relatorio aula prática
UNIPAC - Uberlândia
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
Giovanna Ortiz
 
Capítulo 10 de Creswell
Capítulo 10 de CreswellCapítulo 10 de Creswell
Planejamento ambiental cap 03
Planejamento ambiental cap 03Planejamento ambiental cap 03
Planejamento ambiental cap 03
Paulo Orlando
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
Isabella Marra
 

Mais procurados (20)

Aula de Gráficos - Bioestatistica
Aula de Gráficos - BioestatisticaAula de Gráficos - Bioestatistica
Aula de Gráficos - Bioestatistica
 
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
Aula 2   caracterização qualitativa esgotoAula 2   caracterização qualitativa esgoto
Aula 2 caracterização qualitativa esgoto
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
 
Aula bioestatistica
Aula bioestatisticaAula bioestatistica
Aula bioestatistica
 
aula 5 estatistica.pptx
aula 5 estatistica.pptxaula 5 estatistica.pptx
aula 5 estatistica.pptx
 
Perda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitatsPerda e fragmentação de habitats
Perda e fragmentação de habitats
 
CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005CONAMA 357.2005
CONAMA 357.2005
 
Aula 9 política pública ambiental
Aula 9   política pública ambientalAula 9   política pública ambiental
Aula 9 política pública ambiental
 
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)Aula 09   legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
Aula 09 legislação aplicada e padrões - prof. nelson (area 1)
 
GESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTALGESTÃO AMBIENTAL
GESTÃO AMBIENTAL
 
O problema e_a_hipotese
O problema e_a_hipoteseO problema e_a_hipotese
O problema e_a_hipotese
 
Oficina de revisão sistemática e bibliometria
Oficina de revisão sistemática e bibliometriaOficina de revisão sistemática e bibliometria
Oficina de revisão sistemática e bibliometria
 
Bioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacaoBioestatistica basica completa-apresentacao
Bioestatistica basica completa-apresentacao
 
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua DoceAnatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
 
Aula 04 metodologia de um tcc
Aula 04   metodologia de um tccAula 04   metodologia de um tcc
Aula 04 metodologia de um tcc
 
Roteiro para elaboração relatorio aula prática
Roteiro para elaboração relatorio aula práticaRoteiro para elaboração relatorio aula prática
Roteiro para elaboração relatorio aula prática
 
Aula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislaçãoAula 1 normas e legislação
Aula 1 normas e legislação
 
Capítulo 10 de Creswell
Capítulo 10 de CreswellCapítulo 10 de Creswell
Capítulo 10 de Creswell
 
Planejamento ambiental cap 03
Planejamento ambiental cap 03Planejamento ambiental cap 03
Planejamento ambiental cap 03
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 

Destaque

Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - AmaviPlano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
Alexandre Salvador
 
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde pgrss
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde   pgrssPlano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde pgrss
Universidade Federal Fluminense
 
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
Grupo Treinar
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
Universidade Federal Fluminense
 
Programa de Planos de Amostragem
Programa de Planos de AmostragemPrograma de Planos de Amostragem
Programa de Planos de Amostragem
Grupo Treinar
 
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
Universidade Federal Fluminense
 
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
REDERESÍDUO
 
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
HÉRCULES MENEZES TEIXEIRA FILHO
 
10007 2004 amostragem
10007 2004 amostragem10007 2004 amostragem
10007 2004 amostragem
Brunna Almeida
 
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Universidade Federal Fluminense
 
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_praProcedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
Andreia Oliveira
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Marcos Arbiza
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
Templum Consultoria Online
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
guest8af68839
 
Resíduos Industriais
Resíduos IndustriaisResíduos Industriais
Resíduos Industriais
ミゲル ソレッス
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
Universidade Federal Fluminense
 
19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos
Homero Alves de Lima
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Master Ambiental
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
Odair Medrado
 

Destaque (20)

Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - AmaviPlano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos - Amavi
 
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde pgrss
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde   pgrssPlano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde pgrss
 
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
Curso sobre Planos de Amostragem por Atributos
 
Procedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostrasProcedimento para a coleta de amostras
Procedimento para a coleta de amostras
 
Programa de Planos de Amostragem
Programa de Planos de AmostragemPrograma de Planos de Amostragem
Programa de Planos de Amostragem
 
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
 
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
Plano de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo por Sil...
 
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
 
10007 2004 amostragem
10007 2004 amostragem10007 2004 amostragem
10007 2004 amostragem
 
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrssPlamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde   pgrss
Plamp de gerenciamentode resíduos de serviços de saúde pgrss
 
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_praProcedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
Procedimento identificacao de_residuos_perigosos_final_revisado_assinado_pra
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
 
Resíduos Industriais
Resíduos IndustriaisResíduos Industriais
Resíduos Industriais
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Plano de emergência ambiental pea
Plano de emergência ambiental   peaPlano de emergência ambiental   pea
Plano de emergência ambiental pea
 
19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos19 aula transporte de produtos perigosos
19 aula transporte de produtos perigosos
 
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 Gerenciamento de Resíduos Sólidos Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Gerenciamento de Resíduos Sólidos
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
 

Semelhante a Procedimento para a coleta de amostras

Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-scLivro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Juliana Rodrigues
 
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptxAMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AnaEmlia7
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
alexandrelourador
 
Pre 4 (1)
Pre 4 (1)Pre 4 (1)
Pre 4 (1)
Tiago Fernando
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
alexandrelourador
 
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes   pdrePlano diretor de resíduos e efluentes   pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Universidade Federal Fluminense
 
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes   pdrePlano diretor de resíduos e efluentes   pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Universidade Federal Fluminense
 
Procedimento para casos de intoxicação alimentar
Procedimento para casos de intoxicação alimentarProcedimento para casos de intoxicação alimentar
Procedimento para casos de intoxicação alimentar
Universidade Federal Fluminense
 
Manual de bpf
Manual de  bpfManual de  bpf
NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
Ane Costa
 
Plano de emergência ambiental - PEA
Plano de emergência ambiental -  PEAPlano de emergência ambiental -  PEA
Plano de emergência ambiental - PEA
Universidade Federal Fluminense
 
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
Marcelo Silva Vitor Amaral
 
It 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpIt 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lp
junio Juninho
 
Coleta agua efluente
Coleta agua efluenteColeta agua efluente
Coleta agua efluente
Jefferson Barbosa
 
1 pop’s
1 pop’s1 pop’s
1 pop’s
Fernanda Sloto
 
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptxTreinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
MarcusViniciusCordei5
 
inspecao
inspecaoinspecao
Analise do ar interno
Analise do ar internoAnalise do ar interno
Analise do ar interno
Leonardo Cozac
 
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricasProcedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Universidade Federal Fluminense
 
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricasProcedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Universidade Federal Fluminense
 

Semelhante a Procedimento para a coleta de amostras (20)

Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-scLivro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
Livro manual-tecnico-para-coleta-de-amostras-de-agua-mp-sc
 
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptxAMOSTRAGEM AULA 01.pptx
AMOSTRAGEM AULA 01.pptx
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
 
Pre 4 (1)
Pre 4 (1)Pre 4 (1)
Pre 4 (1)
 
Ficha da visita estudo
Ficha da visita estudoFicha da visita estudo
Ficha da visita estudo
 
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes   pdrePlano diretor de resíduos e efluentes   pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
 
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes   pdrePlano diretor de resíduos e efluentes   pdre
Plano diretor de resíduos e efluentes pdre
 
Procedimento para casos de intoxicação alimentar
Procedimento para casos de intoxicação alimentarProcedimento para casos de intoxicação alimentar
Procedimento para casos de intoxicação alimentar
 
Manual de bpf
Manual de  bpfManual de  bpf
Manual de bpf
 
NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
 
Plano de emergência ambiental - PEA
Plano de emergência ambiental -  PEAPlano de emergência ambiental -  PEA
Plano de emergência ambiental - PEA
 
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
213230309 nbr-12085-1991-mb-3422-agentes-quimicos-no-ar-coleta-de-aerodispers...
 
It 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lpIt 004 exame pratico lp
It 004 exame pratico lp
 
Coleta agua efluente
Coleta agua efluenteColeta agua efluente
Coleta agua efluente
 
1 pop’s
1 pop’s1 pop’s
1 pop’s
 
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptxTreinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
 
inspecao
inspecaoinspecao
inspecao
 
Analise do ar interno
Analise do ar internoAnalise do ar interno
Analise do ar interno
 
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricasProcedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
 
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricasProcedimento de controle de emissões atmosféricas
Procedimento de controle de emissões atmosféricas
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Universidade Federal Fluminense
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Universidade Federal Fluminense
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Universidade Federal Fluminense
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
Universidade Federal Fluminense
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Universidade Federal Fluminense
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 

Último

EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Procedimento para a coleta de amostras

  • 1. N° MANUAL CLIENTE: / FOLHA: PROGRAMA: ROSTO C.C: CARTEIRA DE GASOLINA ÁREA: SEP: TÍTULO: PROCEDIMENTO PARA COLETA DE AMOSTRAS DOC Nº: RESPONSÁVEL: ARQ. ELETR.: Nº CONTRATO: ANTONIO FERNANDO NAVARRO REG. CREA: 42.758/D ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS REV. 0 DATA PARA INFORMAÇÃO REV.0 REV.A REV.B REV.C REV.D REV.E REV.F REV.G REV.H DATA PROJETO EXECUÇÃO NAVARRO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO NAVARRO As informações deste documento foram elaboradas pelo Eng. ANTONIO FERNANDO NAVARRO, para divulgação da metodologia. A presente manual não deverá ser empregado para fins comerciais e tão somente para a disseminação de conhecimento, livremente, citando-se o autor.
  • 2. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 1/16 Nº Doc/ Revisão Data 00 Descrição Sumária Para Informação Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 3. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 2/16 Nº Doc/ 1. Objetivo O procedimento aqui descrito tem como principal objetivo estabelecer as normas a serem adotadas nas operações de coleta de amostras para caracterização de resíduos, análise de potabilidade de água e de efluentes líquidos como parte integrante do monitoramento ambiental, descrevendo os cuidados e critérios que devem ser observados na obtenção das amostras a fim que sejam representativas, mantendo todas as suas propriedades físicas, químicas e biológicas e isentas de elementos estranhos ao meio que representa 2. Aplicação Este procedimento se aplica a todas as atividades de coleta de amostras em todos os serviços de Construção e Montagem. 3. Esclarecimentos / Definições Amostra - Quantidade de líquido a ser estudada, obtida através de um processo de amostragem; Amostragem - Procedimento para coleta de amostra que tem o objetivo de representar o meio que se está amostrando; Análise Química - Quantificação de determinado elemento químico em uma amostra específica; Efluente Líquido - Resíduo líquido resultante de um processo ou atividade; Preservação - Manutenção das características iniciais de uma amostra por um determinado tempo; Plano de Amostragem - Documento contendo o conjunto de informações referentes aos parâmetros que serão analisados, pontos de coleta de amostra, freqüência, métodos de amostragem e de análise. Potabilidade - Qualidade do líquido em condição adequada para consumo humano; Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 4. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 3/16 Nº Doc/ Resíduos Sólidos - São todos os restos sólidos e/ou semi-sólidos provenientes de atividades ou processos de origem industrial, doméstica, agropecuária, hospitalar, comercial ou outras e que se encontrem no estado sólido, semi-sólido e/ou líquido – cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgoto ou corpos d’água ou exijam para sua disposição soluções técnicas ou economicamente viáveis em face da melhor tecnologia disponível. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água e efluentes, bem como aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição; Rinsagem - Técnica de se “lavar” as paredes internas do frasco com líquido antes de enchê-lo totalmente, garantindo que se tenha dentro do mesmo a exata concentração analítica encontrada na fonte geradora e que todo tipo de interferente seja eliminado. 4. Responsabilidades 4.1. Coordenação de Meio Ambiente − Elaborar plano de Amostragem para caracterização de resíduos sólidos − Elaborar / controlar cronograma de coleta de amostras de água e efluente para análise em laboratório externo − Garantir a contratação de laboratório credenciado pelo órgão ambiental competente. 4.2. Técnico de Meio Ambiente − Acompanhar a coleta de amostra dos líquidos a serem analisados juntamente com o técnico do laboratório contratado; − Envio para laboratório devidamente credenciado pelo órgão ambiental competente;. 5. Descrição 5.1 Amostra para Potabilidade Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 5. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 4/16 Nº Doc/ Será dada preferência na contratação dos serviços de análise no laboratório externo com serviço de coleta e transporte incluso. 5.1.1 Análises Físico-Química − Deixar a água escorrer livremente por cerca de 3 (três) minutos; − Rinsar o frasco de coleta com amostra; − Encher completamente o frasco de coleta com a amostra; − Tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente adiabático contendo gelo; − Enviar imediatamente após a coleta da amostra para laboratório credenciado 5.1.2 Análise Bacteriológica As coletas de amostras para análises microbiológicas deverão ser realizadas pelo laboratório responsável pela análise 5.2 Amostra para Análise de Efluente Será dada preferência na contratação dos serviços de análise no laboratório externo com serviço de coleta e transporte incluso. 5.2.1 Coleta de Amostra Simples − Utilizar luva e óculos para realizar a coleta; − Drenar um pouco de efluente do ponto de coleta durante 3 (três) minutos; − Rinsar o frasco de coleta com a amostra três vezes seguida, exceto se o mesmo contiver algum preservativo; − Encher o frasco de coleta com a amostra; − Tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente adiabático contendo gelo; − Enviar imediatamente após a coleta da amostra para laboratório credenciado 5.2.2 Coleta de Amostra Composta Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 6. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 5/16 Nº Doc/ Realizar coleta de amostras simples conforme tabela abaixo e transferir o volume de amostra para o frasco de coleta; Volume Alíquota (mL) (mL) 1.000 250 4 / dia 5.000 1000 5 / dia Freqüência A cada coleta simples realizada, tampar e preservar o frasco de coleta em recipiente adiabático contendo gelo; Enviar a amostra composta para laboratório credenciado. Observações: Quando o frasco possuir preservantes, a amostra deverá ser adicionada vagarosamente no frasco, sem realização de rinsagem do mesmo. Todas as amostras simples deverão ser entregues no mesmo dia; e as compostas, coletadas no dia anterior a entrega e preservadas em recipiente adiabático contendo gelo. Para cara grupo de amostras coletadas (água ou efluente) deverá ser preenchido o formulário – Coleta de Amostra, apresentado no Anexo I 5.2.3 Especificações dos Frascos de Coleta e Preservação das Amostras Análise Tipo de coleta Frasco Volume (mL) Preservação DBO Composta V ou P 2000 Refrigeração com gelo aprox. 4ºC DQO Composta V ou P 1000 pH < 2 com H2SO4 e refrigeração com gelo aprox. 4ºC Ph Simples V ou P 500 Não Aplicável Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 7. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 6/16 Nº Doc/ Temperatura Simples V ou P 500 Não Aplicável Cloro Residual Simples P 300 Refrigeração com gelo aprox. 4º C RNFT Composta V ou P 1000 Refrigeração com gelo aprox. 4º C SS Composta V ou P 1000 Refrigeração com gelo aprox. 4º C Óleos e Graxas Simples V 1000 1mL de H2SO4 concentrado e refrigeração com gelo aprox. 4º C Nota 1: V = Vidro Nota 2: P = Plástico 5.3 Amostras para Caracterização de Resíduos Sólidos Mensalmente, será preenchida uma planilha de controle da geração, transporte e disposição de resíduos que foram destinados pela obra. O modelo encontra-se no Anexo III. 5.3.1 Definição do Objetivo da Amostragem Realizar a coleta de uma quantidade representativa do resíduo, com o intuito de determinar as características quanto à classificação, método de tratamento, etc.. 5.3.2 Pré-Caracterização de um Resíduo Nesta etapa se faz o levantamento do processo que deu origem ao resíduo. Geralmente as informações levantadas são: volume aproximado, estado físico, temperatura, principais ou possíveis constituintes, etc.. Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 8. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 7/16 Nº Doc/ De posse dessas informações, poderá ser definido o tipo de amostrador, determinar os parâmetros que serão investigados ou analisados, quantidade de amostras e o volume que serão necessários, tipo de frasco de coleta e método de preservação. 5.3.3 Plano de Amostragem O plano de amostragem deve ser definido antes de se coletar qualquer amostra, deve ser consistente com o objetivo da amostragem e com a pré-caracterização do resíduo. No plano deve conter: − Avaliação do local; − Forma de armazenamento; − Pontos de amostragem; − Tipos de amostradores; − Números de amostras a serem coletadas, tipo de amostras e volumes; − Número e tipo de frascos de coleta; − Método de preservação; − Tempo de armazenagem; − EPI’s necessários para a coleta.. 5.4 Seleção do Amostrador − O material da confecção do amostrador não poderá reagir com o material a ser coletado. − O Anexo II apresenta os amostradores recomendados para cada tipo de resíduo 5.5 Seleção do Recipiente do Amostrador Deverá ser considerada durante a escolha do frasco de amostragem a compatibilidade do material do frasco com o resíduo. Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 9. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 8/16 Nº Doc/ Recomendações: − Para resíduos sólidos ou pastosos em geral, utiliza-se frascos de polietileno descartáveis; − Se o resíduo contiver solventes em sua composição, deve ser utilizado frasco de vidro cor âmbar; − Caso seja utilizado frascos rígidos para amostra sólida ou semi-sólida, estes frascos devem ter boca larga e ser feitos de materiais compatíveis com o resíduo 5.6 Ponto de Amostragem É o local onde será coletada a amostra. No Anexo III há uma tabela apresentando os pontos de amostragem em função dos tipos e formas de recipientes 5.7 Número de Amostras a) Para obtenção da concentração média do resíduo, deverá ser coletada uma ou mais amostras compostas; b) Para obtenção da faixa de variação da concentração do resíduo deverá ser coletada no mínimo três amostras simples. 5.8 Procedimento de Amostragem Neste item não será descrito todos os tipos de amostradores que a norma aborda. Pois nem todos serão aplicáveis a rotina do empreendimento caso surja uma amostragem em uma situação diferente das citadas neste procedimento, utilizar a NBR 10.007 como referência. 5.8.1 Amostragem em Leitos de Secagem, Lagos Secos e Solos Contaminados − A área onde o resíduo estiver acumulado em quadrículas imaginárias; − Utilizar pá ou trado para retirada de amostras até 20 cm; − Utilizar trado ou amostrador similar para amostras de profundidades superiores a 20 cm; Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 10. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 9/16 Nº Doc/ − As instruções para utilização do amostrador encontram-se no Anexo IV Referência. 5.8.2 Amostragem em Montes ou Pilhas de Resíduos − Os pontos de amostragens devem ser determinados conforme definido no Anexo III; − O amostrador indicado para este caso está explicitado no Anexo II. NOTA: Toda amostra deve ser identificada imediatamente após a coleta. Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 11. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 10/16 Nº Doc/ Preservação e Armazenamento de Amostras Sólidas Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 12. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 11/16 Nº Doc/ 6. Controle Operacional Para uma melhor segurança no procedimento de coleta deve-se seguir algumas regras que evitam acidentes, transtornos e que se ponha todo o trabalho a perder. São elas: − Tomar bastante cuidado com parapeitos na hora de puxar as garrafas de profundidade; − Em locais de difícil acesso, levar nas mãos o material estritamente necessário à coleta; − O funcionário deve sempre estar devidamente uniformizado, usando luvas, botas, capacete, óculos de proteção e nos casos de necessidade, máscara contra gases; − O funcionário responsável pela coleta deve ter recebido treinamento teórico e prático antes de exercer a mesma; − Manter-se sempre atento quanto ao uso de preservantes de caráter químico; Durante a coleta de resíduos e ou líquidos (água / efluente) não serão gerados − resíduos. Todo o material que o laboratório enviar com o técnico que realizará a coleta / amostragem, será retornado com o mesmo ao laboratório 7. Registros 7.1 - Controle de Coleta de Amostra 7.2 - Laudo de Análise de Potabilidade e Efluente. 7.3 - Laudo de Caracterização de Resíduos 8. Referências Operação da ETE; Plano Diretor de Resíduos e Efluentes – PDRE; Plano de Monitoramento e Medição; Amostragem de Resíduos; Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 13. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 12/16 Nº Doc/ Anexo I – Formulário de Controle para Coleta de Amostras Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 14. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 13/16 Nº Doc/ Anexo II - Amostradores Recomendados para cada Tipo de Resíduo Amostrador Recomendado Limitações/Recomendações Amostrador de grãos Utilizar para sólidos com partículas de diâmetros < 0,6 m Amostrador “tier” Não é recomendado para materiais muito secos Resíduos secos sobre o solo Pá Não usar para amostras a mais de 8 cm de profundidade. Resíduos no solo a mais de 20 cm de profundidade Trado - Tipo de Resíduo Sólido em pó ou granulado em montes ou pilhas de resíduos Anexo III – Pontos de Amostragem Recomendados Tipo de Recipiente Ponto de Amostragem Retirar as amostras de pelo menos três seções (do topo, Montes ou pilhas de resíduos do meio e da base). Em cada seção, devem ser coletadas quatro alíquotas, eqüidistantes. O amostrador deve penetrar obliquamente nos montes ou pilhas Leitos de secagem, lagoas secas ou solo contaminado Dividir a superfície em uma rede quadriculada imaginária. De cada quadrícula retirar uma amostra representativa da área contaminada. Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 15. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 14/16 Nº Doc/ Anexo IV – Procedimento para Utilização de Amostradores PÁ Este amostrador é um tipo de pá de jardineiro, com lâmina normalmente afiada. Esta pá pode ser usada para coletar amostras de materiais granulares, amostras em recipientes rasos e amostras superficiais de solo Proceder da seguinte maneira: − Verificar se a pá está descontaminada e/ou estéril − Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem − Introduzir a pá no material a ser amostrado, retirando um volume de amostra suficiente; − Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula; − Preservar a amostra, se necessário; − Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; − Limpar a pá e embalá-la em saco plástico. TRADO Este amostrador é normalmente utilizado em sondagens de solo, podendo ser utilizado para amostragem de resíduos. O seu acionamento pode ser manual ou mecânico, e a preservação ou destruição do perfil do material a ser amostrado depende do tipo de broca utilizada. O trado é particularmente útil na coleta de amostras a profundidades maiores que 20 cm. Proceder da seguinte maneira: − Verificar se o trado está descontaminado e/ou estéril; − Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; − Selecionar a broca adequada; − Colocar o trado sobre o ponto de amostragem; Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 16. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 15/16 Nº Doc/ − Cravar até a profundidade de amostragem desejada; − Retirar o trado e transferir a amostra coletada para um frasco de amostragem; − Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula; − Preservar a amostra, se necessário; − Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; − Limpar o trado e embalá-la em saco plástico. AMOSTRADOR DE GRÃOS Este amostrador é feito com dois tubos telescópicos chanfrados, um externo e outro interno, geralmente de aço inoxidável ou material inerte descartável. O externo possui uma ponteira cônica que permite a introdução do amostrador na massa de resíduos a ser amostrada. Este amostrador é usado para resíduos em pó ou na forma granular com diâmetro inferior a 0,6 cm, acondicionados em sacos, tambores, big bags e similares. Proceder da seguinte maneira: − Verificar se o amostrador está descontaminado e/ou estéril − Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; − Colocar o amostrador na posição fechada e introduzi-lo no material; − Girar o tubo interior até posição aberta; − Agitar o amostrador algumas vezes para permitir que os materiais entrem pelas suas fendas; − Fechar o amostrador e retirá-lo do material, procedendo à limpeza da parede externa; − Colocar o amostrador na posição horizontal e com as aberturas para cima; − Girar e retirar o tubo interno; − Transferir a amostra coletada no tubo interno para um frasco de amostragem; − Preservar a amostra, se necessário; − Tampar o frasco e enviar a amostra para o laboratório; − Limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior; Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro
  • 17. Tipo de Documento Código do Documento Procedimento Específico Título do Documento Revisão Pág. Procedimento para Coleta de Amostras 00 16/16 Nº Doc/ − O amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se proceder à limpeza e descontaminação. AMOSTRADOR DE MONTES E PILHAS – TRIER Este amostrador é feito com um tubo longo de aço inox e possui uma parte chinfrada em quase todo o seu comprimento. A ponta e as bordas do chanfro são afiadas para permitir que o material a ser amostrado seja cortado quando o amostrador girar no interior da massa de resíduos. Este amostrador é usado de modo similar ao amostrador de grãos. Quando o pó ou material granular está úmido ou aglomerado, deve-se usar o amostrador “trier” e não o amostrador de grãos. Proceder da seguinte maneira: − Verificar se o amostrador está com as bordas convenientemente afiadas, descontaminado e/ou estéril; − Usar os equipamentos de proteção individual adequados e executar os procedimentos de amostragem; − Introduzir o amostrador no material a ser amostrado, em um ângulo entre 0º e 45º com a horizontal; − Girar o amostrador uma ou duas vezes para cortar o material; − Retirar vagarosamente o amostrador do material, assegurando-se de que a sua abertura está para cima; − Transferir a amostra para um frasco de amostragem com o auxílio de uma espátula ou escova; − Preservar a amostra, se necessário; − Tampar o frasco de amostragem, identificá-lo, preencher a ficha de coleta e enviar a amostra para o laboratório; − Limpar o amostrador e embalá-lo em saco plástico para limpeza posterior; − O amostrador de polietileno deve ser descartado e, quando for reutilizável, deve-se proceder à limpeza e descontaminação. Área Emitente Área Aprovação GSC Antonio Fernando Navarro GSC Antonio Fernando Navarro