SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Transporte de Cargas de Especiais e os riscos envolvidos:
Aplicação da metodologia Survey
Engº Antonio Fernando Navarro1
Introdução
O transporte de uma carga é representado pelo deslocamento da mesma seguindo
um roteiro e uma rota com um objetivo específico. O transporte pode servir para se posicionar em
um mesmo local os vários componentes do produto, para preparar o produto para ser conectado a
outros ou aplicar o produto em um local de destino.
As formas de transporte são ditadas não só pelo tamanho ou dimensões das
cargas, como também seus pesos, urgências no deslocamento das mesmas ou necessidades outras
como a de conexão entre seus vários componentes. Em atividades industriais há uma natural
tendência de que as partes a serem movimentadas sejam produzidas e aplicadas em paralelo,
reduzindo assim os cronogramas finais de produção, ou seja, o produto final é fabricado em partes,
simultaneamente, em uma mesma fábrica ou fábricas distintas.
Os riscos associados ao transporte de cargas podem significar perdas às próprias
cargas transportadas, a pessoas ou a bens patrimoniais.
Quando se menciona transporte de cargas, quase sempre se associa a atividade a
ambientes industriais, onde as cargas passam a ser enormes equipamentos, que precisam ser
movidos por várias razões e meios. Más uma das cargas mais importantes ou preciosas, que muitas
vezes são transportadas são os seres humanos, seja em transporte público, ou em cestos, quando
realizando serviços em linhas aéreas, ou se deslocando de embarcações de apoio para os conveses
dos navios ou de plataformas. Há muitos incidentes nesse tipo de deslocamento, quase sempre
provocados por ventos fortes que balançam os cestos ou gaiolas. Quando os cestos chegam a se
chocar contra o costado das embarcações os operários ali embarcados podem se soltar e cair no mar,
de alturas que podem chegar a 20 ou 30 metros.
1
Antonio Fernando Navarro é físico, engenheiro civil, engenheiro de segurança do trabalho, mestre em saúde e meio ambiente, doutorando em
engenharia civil, especialista em gerenciamento de riscos, engenheiro e professor da Universidade Federal Fluminense – UFF/RJ – e-mail:
navarro@vm.uff.br; afnavarro@terra.com.br.
2 de 20
Em uma avaliação simples envolvendo sinistros com 46 veículos de transporte,
sendo 20% desses atuando em canteiros de obras, conseguimos identificar algumas causas, isoladas,
como:
Risco Causa % da amostra
Tombamento da carga Amarração inadequada 38%
Alteração da velocidade do veículo transportador 17%
Mudança de direção 13%
Deslocamento acidental da carga 10%
Impacto lateral da carga com objetos fixos à margem do
trajeto 9%
Problemas de fixação dos cabos nos pontos de
amarração projetados na carga 7%
Rompimento dos cabos ou cintas 6%
Desnivelamento do piso 6%
Em um sinistro é muito raro que exista somente uma causa. Por isso o somatório dos percentuais
apresentados suplanta o número de ocorrências avaliadas. Em algumas ocorrências identificamos a
contribuição de pelo menos duas ou mais situações. (AFANP)
Seguidamente ouvimos ou assistimos cenas envolvendo o transporte, de modo
geral, e os acidentes. São rotuladas como causas: imperícias, imprudências, negligências. Parece até
que essas palavras encontram-se inscritas no vocabulário gravado na mente das pessoas. Apesar de
apresentarem significados distintos quase sempre se encontram associadas às tragédias.
Neste paper iremos tratar de forma prática as questões que envolvem os riscos
associados a transportes de cargas, baseados em nossos estudos, pesquisas e avaliações de
atividades, onde imperícia, imprudência ou negligência foram fatores preponderantes.
Imperícia, Imprudência, Negligência
Excetuando-se os casos de incidentes ou acidentes provocados por falhas dos
equipamentos de guindar ou movimentar as cargas, quase sempre se os associa a falhas provocadas
pelos operadores. Nesse momento de análise dos acidentes, surgem as palavras: Imperícia,
Imprudência e Negligência. Nessa primeira discussão serão apresentados cada um desses temas.
Primeiramente sob a forma de definição da expressão e complementando a idéia com a associação
desses às falhas detectadas no transporte de cargas.
a) Imperícia
As definições para a palavra “imperícia” são: falta de habilidade, experiência ou
destreza; incompetência. A palavra possui como sinônimos: inabilidade (estado de uma pessoa
3 de 20
legalmente incapaz), inaptidão (falta de aptidão, incapacidade total: inaptidão para um trabalho),
incapacidade (falta de aptidão legal para gozar de um direito ou exercê-lo sem assistência ou
autorização: a incapacidade dos menores ou dos interditos foi estabelecida com o fim de os
proteger), incompetência (ausência de conhecimentos suficientes, inabilidade, ignorância) e
inexperiência (falta de experiência: a inexperiência da juventude).
A imperícia, apesar de apresentar vários sinônimos, significa um adjetivo
desqualificador para um trabalhador. Essa desqualificação, em grande parte, pode ser devido à
própria empresa que contrata o trabalhador, pois cabe a essa contratar pessoas hábeis para a
execução dos serviços, ou optar por dar a oportunidade para os trabalhadores mais empenhados,
capacitando-os.
Na atividade de transporte existem situações onde os serviços são simples, como o
de carregar um saco de cimento sobre um carrinho de mão, ou uma carga um pouco maior sobre
uma plataforma sobre rodas. Para tanto, não há a necessidade de maiores conhecimentos, basta
apenas a vontade do trabalhador para que a tarefa seja cumprida com êxito. Todavia, um simples ato
de imperícia do trabalhador, ao se desviar de objetos móveis ou fixos, no trajeto, pode causar a
queda da carga ou acidentes envolvendo a carga, o veículo transportador e objetos ou pessoas.
Quanto maior for a carga, seja quanto ao peso e quanto ao volume maiores
deverão ser os cuidados necessários no transporte. Nesse caso, a imperícia do operador pode ser um
fator relevante para a ocorrência de acidentes.
Voltando às cargas menores, tomemos como exemplo o transporte de um feixe de
vergalhões através de uma plataforma de transporte, apresentada na imagem a seguir.
Se o trabalhador não tiver a perícia para executar a tarefa e nem a percepção dos
riscos, poderá empilhar os vergalhões uns sobre os outros. Assim que a carga estiver completa ele
puxará a plataforma e conduzirá a carga ao seu destino final. Um feixe de varas de aço – vergalhões
– empregados para a preparação das ferragens de uma estrutura de concreto armado (armado por
possuir armadura, ou ferragens) não é uma carga estável, porque as varas tem a secção circular e
também porque podem ter comprimento de até 12 metros, assim, a carga não fica contida no meio
4 de 20
de transporte, ultrapassando as extremidades. Se durante o transporte o trabalhador tiver que fazer
uma mudança súbita do traçado as varas podem se deslocar e até cair do carrinho. Também, por
terem grande comprimento, podem atingir pessoas que se encontrem próximas.
Um trabalhador hábil irá perceber que precisará prender o feixe de varas por meio
de cintas ou arames, e que deverá sinalizar as extremidades expostas com um tecido vermelho, ou
outra cor que chame a atenção das pessoas. Já o trabalhador inábil pode não ter essa mesma
percepção e conduzir o carrinho com os vergalhões soltos. Com o deslocamento do mesmo sobre
um piso irregular os vergalhões irão se soltar uns dos outros, podendo até cair do carrinho. Nesse
caso bem simples, que poderia ter sido substituído por caixas de madeira ou de papelão sobrepostas,
a carga sem uma correta fixação pode cair do carrinho e atingir pessoas.
Do conjunto de acidentes relatados, atribui-se à Imperícia mais de 40% de todos
os acidentes ocorridos. Nesses casos há falhas não só dos trabalhadores como também dos
supervisores, que permitiram que o transporte se desse sem as proteções requeridas.
No segundo exemplo temos a perícia. No transporte apresentado a seguir, de
cargas de grande dimensão –equipamentos para uma refinaria – percebe-se que a carga é muito
maior do que o veículo transportador. O centro de gravidade do conjunto carga + veículo fica bem
acima da carreta, podendo provocar o tombamento da carga e do veículo. Para que isso não ocorra a
carga deve ser bem estaiada (presa por cabos de aço ou cintas) e o veículo transita em baixa
velocidade. Assim, tem-se menor probabilidade de tombamento da mesma.
Em outro exemplo, a seguir, a perícia é o elemento primordial para o sucesso do
transporte, pois os dois veículos transportadores devem estar perfeitamente alinhados, e na mesma
5 de 20
velocidade. Pela foto verifica-se também que os pneumáticos do caminhão estão perfeitamente
encaixados nas plataformas das carretas.
Há uma relação direta entre as dimensões da carga e o tamanho do veículo de
transporte. Na imagem a seguir pode ser avaliada uma plataforma de carga com 200 pneus, todos
com capacidade de mudar de direção sincronizadamente. Assim, fica mais fácil deslocar-se a carga
em todas as direções. A carga é posicionada o mais próximo possível da pista, para baixar o centro
de gravidade do conjunto o o tornar menos instável. As carretas devem se deslocar
sincronizadamente e à velocidade constante para que a carga não se solte e venha ao chão. Enfim,
passam a existir controles de velocidade dos veículos transportadores, das tensões que prendem a
carca aos veículos, da inclinação da carga e do ambiente onde os veículos estão transitando, dando-
se especial atenção a rebaixamentos da pista de rolamento, ressaltos, passagens sob viadutos ou
linhas elétricas aéreas.
6 de 20
Outro exemplo desses veículos especiais é o apresentado a seguir, utilizado para o
transporte de uma grande embarcação. Aqui também pode ser avaliada a perícia no posicionamento
e amarração da carga. As plataformas de carga são ideais quando se tem carregamentos
estaticamente equilibrados, quando se pode realizar uma amarração da carga adequada e se tem
total controle dos deslocamentos laterais, movimentando-se os eixos sincronizadamente.
Este tipo de transporte apresenta o inconveniente que elevar o centro de gravidade do conjunto
veículo transportador + carga transportada. Quanto mais distante o centro de gravidade estiver da
pista de rolamento maior será o risco de tombamento da carga. Nesse caso específico, onde a carga
não pode ser fracionada, o importante é verificar-se continuamente as tensões das cintas que
prendem a carga à carroceria do veículo transportador. Também é importante que a velocidade de
deslocamento seja baixa e contínua, evitando-se qualquer tipo de freada, que poderá deslocar a
carga. Como se trata de carga de grandes dimensões, onde a dimensão altura é grande, haverá
sempre o risco de tombamento lateral.
b) Imprudência
Ato contrário à prudência: o doente cometeu imprudências. Inconveniência,
inadvertência, indiscrição, temeridade. Possui como sinônimos: açodamento (ato ou efeito de
açodar ou de açodar-se; pressa, precipitação), atrapalhação (confusão, desordem; acanhamento),
azáfama (pressa; atrapalhação; grande afã), precipitação (ato ou resultado de precipitar ou
precipitar-se. Extrema velocidade; grande pressa; afobação. Rapidez em tomar uma resolução;
irreflexão) e pressa (urgência, presteza, afã. Impaciência, precipitação).
A imprudência é resultado de vários fatores. Uma pessoa pode ser imprudente por
ser extremamente proativa, porém sem o conhecimento técnico necessário; pode ser imprudente por
realizar algo perigoso e sem uma proteção adequada – uma das frases mais comuns ditas pelo
7 de 20
imprudente é – faço isso há mais de 20 anos – confiando que por já haver feito o trabalho várias
vezes sem que não tenha ocorrido nada, isso continuará ocorrendo. De modo geral o imprudente
não mede consequências, ou seja, não se dá conta dos prováveis resultados de seu ato.
Um operário imprudente transportava esta caixa, sem os cuidados necessários,
quando um dos cabos de içamento rompeu-se e a carga caiu sobre uma tubovia. O acidente poderia
ter sido evitado ou atenuado se a tubovia tivesse sido protegida por sacos de areia, que
amorteceriam o impacto e reduziriam os danos. Tal transporte seria totalmente inadequado se uma
dessas tubulações fosse empregada para o transporte de gás ou líquidos altamente inflamáveis. Uma
ação preventiva, caso não se pudesse cumprir nenhuma ação preventiva seria a do bloqueio do fluxo
dos líquidos ou flúidos transportados nos dutos, bloqueando-se as válvulas de controle de
passagem..
8 de 20
Neste outro exemplo, acima, uma carga de pedras vai ao chão, em uma caçamba
sem a tampa traseira, atribuindo-se o fato às irregularidades do piso, vindo a cair e provocando o
quase tombamento do caminhão. Podem até existir inúmeras explicações para o fato de a carga estar
sendo transportada sem a tampa traseira do veículo, que, porém, não justifica o acidente. Algumas
dessas explicações podem estar associadas a um deslocamento curto, ou à facilidade de descarga
das pedras, com uma pequena elevação da caçamba do caminhão. A irregularidade (carga solta) da
carga fez com que o caminhão se inclinasse perigosamente. Pode se entender que ao trafegar em
uma pista irregular algumas pedras tivessem se deslocado, alterando o centro de gravidade da carga.
c) Negligência
A negligência pode estar associada à falta de cuidado, de aplicação, de exatidão;
descuido, incúria, displicência, desatenção. Muitos podem ser os fatores causadores de um ato
negligente, que responde por quase cinquenta por cento dos acidentes. O toque de um celular, o fato
do operário passar a prestar a atenção à conversa dos outros, a momentânea desatenção causada pela
entrada de pessoas estranhas ao ambiente do trabalho ou o deslocamento de veículos pode ser
motivo para a ocorrência de acidentes.
Na fotografia a seguir tem-se a elevação e transporte de um submarino através de
duas cábreas. A falta de cuidado no nivelamento da carga ou no controle da velocidade das balsas
pode causar o tombamento ou queda da carga.
9 de 20
Submarino sendo içado por um conjunto de dois guindastes flutuantes.
Içamento, para posicionamento de módulo de plataforma fixa. Trata-se de atividade extremamente
perigosa, principalmente pelos dados às próprias cargas e que depende de um acurado controle da
movimentação. Os ajustes de posicionamento são pequenos, não excedendo de trinta milímetros.
A operação ilustrada na foto anterior é a do posicionamento de um módulo de
plataforma fixa sobre a jaqueta (base). Para que a operação seja um sucesso ficam próximos aos
pontos de apoio operários, repassando para o supervisor da operação as informações para o correto
encaixe do módulo na jaqueta. A menos desatenção pode significar danos no suporte da jaqueta e
semanas de retrabalho.
Neste exemplo a carga é acondicionada em containers e esses são transportados por navios
especiais. Muitos são os casos de containers que se deslocam e caem ao mar devido a
deslocamentos acidentais dos navios. Os containers são posicionados uns sobre os outros, e
posicionados entre pequenas travas existentes no container inferior. Conta-se também que o peso
10 de 20
próprio do container e da carga serão suficientes para mantê-los em suas posições. Não há
amarrações por cabos ou cintas.
Apesar do transporte de containers em navios parecer uma atividade simples e
rotineira, a carga, como um todo, deve ser bem posicionada, para que a embarcação não fique
desequilibrada e venha a tombar sob a ação de uma onda mais forte.
Exemplos de cargas transportadas por embarcação especial. Esse tipo de
embarcação é submergida para que a carga, que se encontra flutuando, seja posicionada na
embarcação. Depois de deslastreada a embarcação sobe a seu nível normal de flutuabilidade. Como
as cargas transportadas apresentam minimamente 3.000 toneladas, conta-se com o peso da carga
como fator preponderante para que a carga não se desloque. A possibilidade de deslocamento existe
pela própria movimentação da embarcação e condições de mar. Assim, os cuidados para evitar os
acidentes passam a ser maiores, inclusive com a prévia avaliação climática que deve anteceder a
atividade de transporte.
11 de 20
Transporte de carga por empilhadeira móvel. É facilmente perceptível que o operador não tem
visibilidade frontal enquanto manuseia o equipamento. Assim, seria necessário o apoio de alguém
que orientasse o deslocamento da carga e o posicionamento da mesma.
Muitas vezes, no transporte por empilhadeira móvel, a carga obstrui a visão do
operador de um desnível do piso, podendo causar a queda da mesma. Por ser um transporte
silencioso, as pessoas nas proximidades devem ser alertadas dos riscos.
Transporte de equipamento especial com cavalo mecânico especial e carreta
dupla. São atividades extremamente complexas e em baixa velocidade. Nesse tipo de transporte não
só deve existir um planejamento rigoroso da atividade como também o controle e supervisão da
atividade, representada pelo conjunto veículo transportador + carga transportada.
12 de 20
Deslocamento de embarcação com o emprego de quatro trolleys, cujas rodas são
acionadas individualmente, por meio de controles centralizados. Os cuidados comentados
anteriormente devem ser redobrados quando os meios de transporte são múltiplos.
Transporte de cargas superpostas, para racionalização dos meios de transporte. Nessa foto verifica-
se que as embarcações transportadas encontram-se apoiadas uma sobre as outras. O rebocador, aqui
com a função de empurrador da balsa está posicionado em um dos bordos, exigindo maior perícia
do piloto. Há outra embarcação à vante, controlando o deslocamento. Tem-se, nessa ocasião uma
condição de transporte adequada pois não há ondulações no rio. Trata-se de um caso típico onde se
avaliam os eventuais cenários futuros, como o do deslocamento de uma das embarcações
transportadas, o do surgimento de uma marola pela passagem de uma embarcação ou o descontrole
durante a faina do rebocador à ré (popa) da balsa.
13 de 20
Transporte de carga pesada com dois cavalos mecânicos, um à frente e outro à ré. Esse tipo de
transporte é extremamente perigoso pois a carga apresenta elevado peso e dimensões e conta com o
movimento sincronizado entre os dois cavalos mecânicos. Uma falha mínima já provocaria um
desastre.
Veículo para transportes especiais, com o centro de gravidade mais baixo do que o normal,
oferecendo maior segurança durante o transporte. Um dos inconvenientes, neste caso em questão, é
o fato do operador do equipamento não ter a visão ampla do entorno do veículo, necessitando de
pessoal de apoio para orientação.
Os riscos derivados da imprudência, imperícia ou negligência podem potencializar
a quantidade de ocorrências de incidentes e acidentes, principalmente em função fatos outros como:
• Prazo para a entrega;
• Características do produto se frágil ou não;
• Cargas especiais quanto ao peso e ou dimensões;
• Capacidade de suportação do peso da mercadoria transportada, associado ao peso do veículo
transportador;
• Locais de embarque e de desembarque;
14 de 20
• Locais de difícil acesso para o carregamento ou descarregamento;
• Necessidade de equipamentos especiais para a descarga dos materiais;
• Meios para a proteção mesmo que temporária das cargas;
• Custos associados ao transporte;
• Meios de transporte disponíveis;
• Necessidade de embalagens especiais;
• Possibilidade de transporte a granel ou fracionado, entre outras questões.
Não se pode ignorar que quanto maior é a quantidade de manuseios da mercadoria
maiores são as possibilidades de existência de danos aos bens. Isso se dá, em grande parte, devido
às atividades de estiva.
Tipos de cargas transportadas
As cargas transportadas podem ser ter as seguintes características físicas:
• Cargas sólidas;
• Cargas líquidas;
• Cargas gasosas;
As formas de como as cargas podem ser acondicionadas são:
• Tambores metálicos;
• Caixas de madeira, plásticas ou de papelão;
• Containers para sólidos, líquidos ou gases;
• Containers pressurizados ou climatizados;
• Pallets metálicos;
• Carga a granel disposta no meio de transporte;
• Cargas acondicionadas em bags ou outros meios de contenção para cargas à granel;
• Cargas sem embalagem, etc..
Em função das características físicas das cargas e das formas de como são
acondicionadas, são definidas as estratégias de transporte. Em uma obra civil, para a montagem da
estrutura da construção, por exemplo, em concreto armado, são necessários materiais, que
aglomerados, misturados e posicionados possibilitam que a estrutura seja erigida. Assim, em vista
dos volumes de materiais empregados, para acelerar-se o processo de construção, são preparadas no
15 de 20
canteiro de obras as fôrmas de madeira ou metálicas, onde serão acondicionadas as ferragens e o
concreto. As ferragens podem chegar em carretas e cortadas e preparadas no canteiro de obras, ou já
virem prontas do fornecedor. O concreto pode chegar em betoneiras e seu lançado por bombas,
sendo bombeados diretamente nas formas. Para cada tipo de carga e forma de transporte há riscos
associados, potencializados por falhas decorrentes de imprudência, imperícia ou negligência.
Avaliação Global – ferramentas de análise
Vários são os aspectos a serem observados nas atividades de transporte de cargas,
alguns dos quais podem ser redundantes, ou seja, mais de um fator pode ter contribuído para a
ocorrência de acidentes ou incidentes, como por exemplo, o rompimento de uma eslinga, sem que a
carga tenha ido ao solo, em uma atividade de içamento conjugada com a movimentação. As causas
básicas podem ser definidas através de pesquisas e análises dos acidentes. Neste paper utilizou-se
como base para a análise uma listagem de 221 acidentes de transporte de cargas, sem se distinguir,
nessa fase, as características das cargas. A relação das causas básicas é a apresentada a seguir:
Causas básicas % acidentes
Rompimento de lingadas 55%
Mau dimensionamento dos pesos e dispositivos de içamento 30%
Tombamento do veículo transportador 15%
Irregularidades no piso 25%
Movimentação em função do vento 10%
Balanço excessivo em função dos desníveis de terreno 15%
Quebra da lança de içamento do equipamento de guindar 5%
Falhas operacionais 40%
Falhas no planejamento das atividades 35%
Quebra dos acessórios de içamento da carga 20%
Defeito de materiais 65%
Quebra dos pontos de amarração 10%
Quebra dos pontos de pega 10%
Rompimento das embalagens 45%
Queda do material transportado por má estiva 20%
Dimensionamento inadequado do centro de gravidade 15%
Impacto contra objetos fixos ao longo do caminho 25%
Impacto contra objetos móveis 20%
Estatística elaborada por Navarro (2012)
16 de 20
(Navarro, 2012)
Acidente provocado pelo choque da carreta contra um poste, posicionado em um trecho com curva.
O acidente poderia ter sido previsto caso houvesse um planejamento prévio do transporte. Nesse
planejamento, até mesmo pelas dimensões da carga e do veículo transportador poderia ser
empregados modelos computacionais que auxiliariam a evitar os acidentes. São acidentes mais
comuns do que se imagina, principalmente quando não se realiza qualquer tipo de análise prévia.
17 de 20
Transporte especial com duas carretas. Nesse tipo de transporte o maior risco é o da ocorrência de
ventos laterais que forcem o deslocamento da carga pela plataforma dos veículos. O risco passa a
ser agravado caso não haja sincronismo no deslocamento dos veículos ou o desalinhamento na pista
de rolamento. A pista não se encontra 100% nivelada, acarretando um risco maior.
Nesta foto, de movimentação de carga para montagem da extremidade de uma
torre, os operários ficam posicionados de modo a fixar a extremidade por meio de pontos de solda
ou parafusos. Qualquer desatenção do operador do guindaste, ou a incidência de ventos mais fortes
pode causar acidentes fatais.
Evitando os riscos
Em atividades de transporte não se consegue eliminar riscos, mas sim mitiga-los.
A razão é devida ao fato de estarem presentes inúmeros fatores que passam a contribuir para as
ocorrências. O desnivelamento súbito do piso por uma tábua deixada no caminho, a falta de
18 de 20
conferência da tensão dos cabos de amarração, o rompimento de cabos ou cintas, o surgimento de
ventos mais fortes balançando a carga, um mal súbito do encarregado ou do operário responsável
pela operação do equipamento, enfim, inúmeros outros fatores podem ocorrer em conjunto ou
isoladamente e, o que é pior, muitas vezes sem terem sido previstos nos planejamentos da atividade.
Por essa razão é que se torna quase impossível eliminar-se o risco. Trata-se, de modo análogo, à
tentativa de solucionar-se uma equação matemática com várias incógnitas, sem que se tenha meios
de encontra-las para a solução.
Os principais riscos que devem ser avaliados para a realização devem ser
extraídos da planilha apresentada anteriormente. Mas, pode-se simplificar essa análise em alguns
tópicos, como a saber:
1. Toda a atividade, por mais simples que seja, deve ser planejada. O planejamento deve
contemplar não só a própria atividade do transporte, como também o ambiente onde essa
atividade se desenvolverá. Para movimentações com cargas de grandes dimensões e peso
deve-se utilizar modelos de simulação em 3D, que possibilitam obter-se alternativas mais
seguras;
2. A carga transportada deve ser observada como um todo, avaliando-se, no estudo:
• Dimensões;
• Peso;
• Centro de gravidade do conjunto;
• Centro de gravidade do componente de maior peso;
• Possibilidade de modularizar-se o transporte;
• Existência de protuberâncias, extremidades e ressaltos, que podem ser pontos de
contato com objetos durante o transporte;
• Utilização de lingadas com coeficiente de segurança maior ou igual a 5;
• Existência de pontos de pega ou de amarração das lingadas;
• Inspeção de todos os pontos, suas conexões e soldas;
• Inspeção de todo o material empregado na atividade, cabos e todos seus acessórios;
• Definição do meio de transporte, assegurando-se que haja uma folga mínima entre a
capacidade do mesmo e o peso da carga superior a 3;
• Verificação se todos os componentes do meio de transporte;
• Avaliação do percurso, verificando:
Possíveis pontos de contato,
Irregularidades do piso,
19 de 20
Restrição quanto à largura,
Possibilidade de a carga ser deixada sobre calços caso haja ventos com
velocidade superior a 15km/h,
Possibilidade do equipamento de transporte ficar parado por razões técnicas,
sem que haja o estorvo na circulação dos demais veículos,
Proximidade de linhas elétricas,
Proximidade da movimentação de outras cargas,
Movimentação de pessoal sob a carga,
Obstruções a serem ultrapassadas,
Existência de aclives ou declives.
• Local onde a carga será depositada;
• Existência de guias ou de pontos de conexão com outros elementos;
3. Toda a atividade de movimentação de cargas de grandes dimensões ou pesos deve ter
APENAS UM RESPONSÁVEL, a quem todos devem se reportar;
4. TODOS os envolvidos na operação são importantes e necessários. Assim, deve existir um
meio seguro de comunicação com as pessoas. O operador do equipamento ou operadores, já
que há transportes com vários equipamentos envolvidos, como apresentado em algumas
fotografias anteriores, devem ter sistema de comunicação segura, já que as sinalizações
habituais por gestos podem ser mal interpretadas ou entendidas, podendo ser a causa de um
acidente;
5. Especial atenção deve ser dado a trechos do percurso com curvas ou com mudança do
alinhamento da estrada, principalmente se a carreta for longa, com mais de 30 metros.
Conclusão
Por fim, uma atividade de transporte de carga é perigosa e pode apresentar
complexidades que aumentam o grau de risco. Em muitas dessas operações os trabalhadores devem
se aproximar tanto quanto possível para o posicionamento de spinas (pinos) ou parafusos de
fixação. Nesses momentos, qualquer balanço da carga pode significar pessoas mortas ou com
graves lesões.
Os acidentes somente podem ser considerados como algo normal quando um ou
vários procedimentos de segurança são descumpridos. Basta que o planejamento seja mal executado
para que a probabilidade de ocorrência de acidentes cresça exponencialmente. Isso costuma ocorrer
quando a empresa não possui a adequada cultura de segurança, quando as atividades são realizadas
20 de 20
“para ontem” e quando há improvisos. Somente estes três itens citados neste parágrafo já seriam
responsáveis por mais de 60% das ocorrências de acidentes.
Todas as imagens apresentadas, com a movimentação de cargas de grandes
dimensões, apresentam em comum não só o fato de poder se empregar mais de um veículo
transportador, como também de se estudar não só o posicionamento da carga, que deve estar em
equilíbrio com o conjunto carga/transportador, mas a questão de mantê-la presa evitando eventuais
mudanças de posição. Esse risco é mais provável devido a ventos laterais, afrouxamento das cintas
e cabos ou correntes, de "trancos" dos veículos por razões várias, seja pela existência de
desnivelamento da pista, o engate da marcha (câmbio) equivocada, parada brusca de um dos
veículos por razões diversas, inclusive falhas nos motores, enfim, um simples evento pode afetar
todo o transporte e gerar a possibilidade da queda ou tombamento da mesma. Cargas que são altas,
apresentam grandes dimensões ou peso são cargas perigosas quanto ao transporte. Nem sempre no
processo de fabricação se pode "fracionar" as cargas, o que implicaria em reconexões na montagem
final.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Prevenção e combate a incêndio.ppt
Prevenção e combate a incêndio.pptPrevenção e combate a incêndio.ppt
Prevenção e combate a incêndio.ppt
EMILSONCASMET
 
Escavações, fundações e desmonte de rochas
Escavações, fundações e desmonte de rochasEscavações, fundações e desmonte de rochas
Escavações, fundações e desmonte de rochas
André Fragoso
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
HugoDalevedove
 
ESPUMA - Agente Extintor
ESPUMA - Agente ExtintorESPUMA - Agente Extintor
ESPUMA - Agente Extintor
Iago Mendes
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
Odair Medrado
 
Aula 5 epi
Aula 5   epiAula 5   epi
Aula 5 epi
Daniel Moura
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
Karol Oliveira
 
Epi's
Epi'sEpi's
Epi's
victorosa
 
Apresentação nr 21
Apresentação  nr 21Apresentação  nr 21
Apresentação nr 21
RODRIGO MENDES
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
DiegoAugusto86
 
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe APrevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Lucas Vinícius
 
Nr 21 trabalho a céu aberto
Nr  21 trabalho a céu aberto Nr  21 trabalho a céu aberto
Nr 21 trabalho a céu aberto
Camila Aguiar
 
Epi’s
Epi’sEpi’s
Epi’s
Ítalo Vieira
 
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
MAURICIO WILLIAM
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
Rafael Parish
 
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência AmbientalCheck List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Treinamento de brigada de incêndio
Treinamento de brigada de incêndio Treinamento de brigada de incêndio
Treinamento de brigada de incêndio
EVALDO JUNIO SILVA DA GAMA
 

Mais procurados (20)

Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Prevenção e combate a incêndio.ppt
Prevenção e combate a incêndio.pptPrevenção e combate a incêndio.ppt
Prevenção e combate a incêndio.ppt
 
Escavações, fundações e desmonte de rochas
Escavações, fundações e desmonte de rochasEscavações, fundações e desmonte de rochas
Escavações, fundações e desmonte de rochas
 
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos QuímicosSegurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
Segurança e Gestão na Manipulação de Produtos Químicos
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
ESPUMA - Agente Extintor
ESPUMA - Agente ExtintorESPUMA - Agente Extintor
ESPUMA - Agente Extintor
 
Residuos Industriais
Residuos IndustriaisResiduos Industriais
Residuos Industriais
 
Aula 5 epi
Aula 5   epiAula 5   epi
Aula 5 epi
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 
Epi's
Epi'sEpi's
Epi's
 
Apresentação nr 21
Apresentação  nr 21Apresentação  nr 21
Apresentação nr 21
 
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
Métodos de extinção do fogo aplicado a brigada orgânica
 
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe APrevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
Prevenção, proteção e combate ao incêndio de classe A
 
Nr 21 trabalho a céu aberto
Nr  21 trabalho a céu aberto Nr  21 trabalho a céu aberto
Nr 21 trabalho a céu aberto
 
Epi’s
Epi’sEpi’s
Epi’s
 
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...Certificado para treinamento de operador de betoneira   segurança do trabalho...
Certificado para treinamento de operador de betoneira segurança do trabalho...
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
386895700-Treinamento-de-Combate-a-Incendio.ppt
 
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência AmbientalCheck List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
Check List de Inspeção de Kit de Emergência Ambiental
 
Treinamento de brigada de incêndio
Treinamento de brigada de incêndio Treinamento de brigada de incêndio
Treinamento de brigada de incêndio
 

Semelhante a Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodologia survey

Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Universidade Federal Fluminense
 
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Universidade Federal Fluminense
 
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Universidade Federal Fluminense
 
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
Universidade Federal Fluminense
 
Movimentação de carga e seus riscos associados
Movimentação de carga e seus riscos associadosMovimentação de carga e seus riscos associados
Movimentação de carga e seus riscos associados
Universidade Federal Fluminense
 
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
Universidade Federal Fluminense
 
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associadosAvaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
Universidade Federal Fluminense
 
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletesFicha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Leonor Alves
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Universidade Federal Fluminense
 
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentosOperadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Welinton Tulio
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Ana Cristina Vieira
 
Arrumação no Transporte de Cargas.pdf
Arrumação no Transporte de Cargas.pdfArrumação no Transporte de Cargas.pdf
Arrumação no Transporte de Cargas.pdf
Rosana Andrea Miranda
 
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptxnr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
MeuProdutoDigital
 

Semelhante a Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodologia survey (13)

Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
 
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
 
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargasAcidentes causados durante a movimentação de cargas
Acidentes causados durante a movimentação de cargas
 
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
Análise das probabilidades de ocorrências de acidentes causados durante a mov...
 
Movimentação de carga e seus riscos associados
Movimentação de carga e seus riscos associadosMovimentação de carga e seus riscos associados
Movimentação de carga e seus riscos associados
 
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
Revista Proteção: Transporte de Cargas - fevereiro de 2013
 
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associadosAvaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
Avaliação global do transporte de cargas e os riscos associados
 
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletesFicha de trabalho nº 3 tec.dist.  porta-paletes
Ficha de trabalho nº 3 tec.dist. porta-paletes
 
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções geraisPlano de rigging para a movimentação segura das cargas   instruções gerais
Plano de rigging para a movimentação segura das cargas instruções gerais
 
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentosOperadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
Operadores de Empilhadeira wel seg consultoria e treinamentos
 
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargasSht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
Sht vol-9-movimentacao-mecanica-de-cargas
 
Arrumação no Transporte de Cargas.pdf
Arrumação no Transporte de Cargas.pdfArrumação no Transporte de Cargas.pdf
Arrumação no Transporte de Cargas.pdf
 
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptxnr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
nr andreson da gama tolentino 11 slides.pptx
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Universidade Federal Fluminense
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Universidade Federal Fluminense
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Universidade Federal Fluminense
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Universidade Federal Fluminense
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Universidade Federal Fluminense
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Universidade Federal Fluminense
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Universidade Federal Fluminense
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Universidade Federal Fluminense
 
Gestão de Riscos Ambientais - Percepções
Gestão de Riscos Ambientais - PercepçõesGestão de Riscos Ambientais - Percepções
Gestão de Riscos Ambientais - Percepções
Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Gestão de Riscos Ambientais - Percepções
Gestão de Riscos Ambientais - PercepçõesGestão de Riscos Ambientais - Percepções
Gestão de Riscos Ambientais - Percepções
 

Último

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 

Último (11)

Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 

Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodologia survey

  • 1. 1 de 20 Transporte de Cargas de Especiais e os riscos envolvidos: Aplicação da metodologia Survey Engº Antonio Fernando Navarro1 Introdução O transporte de uma carga é representado pelo deslocamento da mesma seguindo um roteiro e uma rota com um objetivo específico. O transporte pode servir para se posicionar em um mesmo local os vários componentes do produto, para preparar o produto para ser conectado a outros ou aplicar o produto em um local de destino. As formas de transporte são ditadas não só pelo tamanho ou dimensões das cargas, como também seus pesos, urgências no deslocamento das mesmas ou necessidades outras como a de conexão entre seus vários componentes. Em atividades industriais há uma natural tendência de que as partes a serem movimentadas sejam produzidas e aplicadas em paralelo, reduzindo assim os cronogramas finais de produção, ou seja, o produto final é fabricado em partes, simultaneamente, em uma mesma fábrica ou fábricas distintas. Os riscos associados ao transporte de cargas podem significar perdas às próprias cargas transportadas, a pessoas ou a bens patrimoniais. Quando se menciona transporte de cargas, quase sempre se associa a atividade a ambientes industriais, onde as cargas passam a ser enormes equipamentos, que precisam ser movidos por várias razões e meios. Más uma das cargas mais importantes ou preciosas, que muitas vezes são transportadas são os seres humanos, seja em transporte público, ou em cestos, quando realizando serviços em linhas aéreas, ou se deslocando de embarcações de apoio para os conveses dos navios ou de plataformas. Há muitos incidentes nesse tipo de deslocamento, quase sempre provocados por ventos fortes que balançam os cestos ou gaiolas. Quando os cestos chegam a se chocar contra o costado das embarcações os operários ali embarcados podem se soltar e cair no mar, de alturas que podem chegar a 20 ou 30 metros. 1 Antonio Fernando Navarro é físico, engenheiro civil, engenheiro de segurança do trabalho, mestre em saúde e meio ambiente, doutorando em engenharia civil, especialista em gerenciamento de riscos, engenheiro e professor da Universidade Federal Fluminense – UFF/RJ – e-mail: navarro@vm.uff.br; afnavarro@terra.com.br.
  • 2. 2 de 20 Em uma avaliação simples envolvendo sinistros com 46 veículos de transporte, sendo 20% desses atuando em canteiros de obras, conseguimos identificar algumas causas, isoladas, como: Risco Causa % da amostra Tombamento da carga Amarração inadequada 38% Alteração da velocidade do veículo transportador 17% Mudança de direção 13% Deslocamento acidental da carga 10% Impacto lateral da carga com objetos fixos à margem do trajeto 9% Problemas de fixação dos cabos nos pontos de amarração projetados na carga 7% Rompimento dos cabos ou cintas 6% Desnivelamento do piso 6% Em um sinistro é muito raro que exista somente uma causa. Por isso o somatório dos percentuais apresentados suplanta o número de ocorrências avaliadas. Em algumas ocorrências identificamos a contribuição de pelo menos duas ou mais situações. (AFANP) Seguidamente ouvimos ou assistimos cenas envolvendo o transporte, de modo geral, e os acidentes. São rotuladas como causas: imperícias, imprudências, negligências. Parece até que essas palavras encontram-se inscritas no vocabulário gravado na mente das pessoas. Apesar de apresentarem significados distintos quase sempre se encontram associadas às tragédias. Neste paper iremos tratar de forma prática as questões que envolvem os riscos associados a transportes de cargas, baseados em nossos estudos, pesquisas e avaliações de atividades, onde imperícia, imprudência ou negligência foram fatores preponderantes. Imperícia, Imprudência, Negligência Excetuando-se os casos de incidentes ou acidentes provocados por falhas dos equipamentos de guindar ou movimentar as cargas, quase sempre se os associa a falhas provocadas pelos operadores. Nesse momento de análise dos acidentes, surgem as palavras: Imperícia, Imprudência e Negligência. Nessa primeira discussão serão apresentados cada um desses temas. Primeiramente sob a forma de definição da expressão e complementando a idéia com a associação desses às falhas detectadas no transporte de cargas. a) Imperícia As definições para a palavra “imperícia” são: falta de habilidade, experiência ou destreza; incompetência. A palavra possui como sinônimos: inabilidade (estado de uma pessoa
  • 3. 3 de 20 legalmente incapaz), inaptidão (falta de aptidão, incapacidade total: inaptidão para um trabalho), incapacidade (falta de aptidão legal para gozar de um direito ou exercê-lo sem assistência ou autorização: a incapacidade dos menores ou dos interditos foi estabelecida com o fim de os proteger), incompetência (ausência de conhecimentos suficientes, inabilidade, ignorância) e inexperiência (falta de experiência: a inexperiência da juventude). A imperícia, apesar de apresentar vários sinônimos, significa um adjetivo desqualificador para um trabalhador. Essa desqualificação, em grande parte, pode ser devido à própria empresa que contrata o trabalhador, pois cabe a essa contratar pessoas hábeis para a execução dos serviços, ou optar por dar a oportunidade para os trabalhadores mais empenhados, capacitando-os. Na atividade de transporte existem situações onde os serviços são simples, como o de carregar um saco de cimento sobre um carrinho de mão, ou uma carga um pouco maior sobre uma plataforma sobre rodas. Para tanto, não há a necessidade de maiores conhecimentos, basta apenas a vontade do trabalhador para que a tarefa seja cumprida com êxito. Todavia, um simples ato de imperícia do trabalhador, ao se desviar de objetos móveis ou fixos, no trajeto, pode causar a queda da carga ou acidentes envolvendo a carga, o veículo transportador e objetos ou pessoas. Quanto maior for a carga, seja quanto ao peso e quanto ao volume maiores deverão ser os cuidados necessários no transporte. Nesse caso, a imperícia do operador pode ser um fator relevante para a ocorrência de acidentes. Voltando às cargas menores, tomemos como exemplo o transporte de um feixe de vergalhões através de uma plataforma de transporte, apresentada na imagem a seguir. Se o trabalhador não tiver a perícia para executar a tarefa e nem a percepção dos riscos, poderá empilhar os vergalhões uns sobre os outros. Assim que a carga estiver completa ele puxará a plataforma e conduzirá a carga ao seu destino final. Um feixe de varas de aço – vergalhões – empregados para a preparação das ferragens de uma estrutura de concreto armado (armado por possuir armadura, ou ferragens) não é uma carga estável, porque as varas tem a secção circular e também porque podem ter comprimento de até 12 metros, assim, a carga não fica contida no meio
  • 4. 4 de 20 de transporte, ultrapassando as extremidades. Se durante o transporte o trabalhador tiver que fazer uma mudança súbita do traçado as varas podem se deslocar e até cair do carrinho. Também, por terem grande comprimento, podem atingir pessoas que se encontrem próximas. Um trabalhador hábil irá perceber que precisará prender o feixe de varas por meio de cintas ou arames, e que deverá sinalizar as extremidades expostas com um tecido vermelho, ou outra cor que chame a atenção das pessoas. Já o trabalhador inábil pode não ter essa mesma percepção e conduzir o carrinho com os vergalhões soltos. Com o deslocamento do mesmo sobre um piso irregular os vergalhões irão se soltar uns dos outros, podendo até cair do carrinho. Nesse caso bem simples, que poderia ter sido substituído por caixas de madeira ou de papelão sobrepostas, a carga sem uma correta fixação pode cair do carrinho e atingir pessoas. Do conjunto de acidentes relatados, atribui-se à Imperícia mais de 40% de todos os acidentes ocorridos. Nesses casos há falhas não só dos trabalhadores como também dos supervisores, que permitiram que o transporte se desse sem as proteções requeridas. No segundo exemplo temos a perícia. No transporte apresentado a seguir, de cargas de grande dimensão –equipamentos para uma refinaria – percebe-se que a carga é muito maior do que o veículo transportador. O centro de gravidade do conjunto carga + veículo fica bem acima da carreta, podendo provocar o tombamento da carga e do veículo. Para que isso não ocorra a carga deve ser bem estaiada (presa por cabos de aço ou cintas) e o veículo transita em baixa velocidade. Assim, tem-se menor probabilidade de tombamento da mesma. Em outro exemplo, a seguir, a perícia é o elemento primordial para o sucesso do transporte, pois os dois veículos transportadores devem estar perfeitamente alinhados, e na mesma
  • 5. 5 de 20 velocidade. Pela foto verifica-se também que os pneumáticos do caminhão estão perfeitamente encaixados nas plataformas das carretas. Há uma relação direta entre as dimensões da carga e o tamanho do veículo de transporte. Na imagem a seguir pode ser avaliada uma plataforma de carga com 200 pneus, todos com capacidade de mudar de direção sincronizadamente. Assim, fica mais fácil deslocar-se a carga em todas as direções. A carga é posicionada o mais próximo possível da pista, para baixar o centro de gravidade do conjunto o o tornar menos instável. As carretas devem se deslocar sincronizadamente e à velocidade constante para que a carga não se solte e venha ao chão. Enfim, passam a existir controles de velocidade dos veículos transportadores, das tensões que prendem a carca aos veículos, da inclinação da carga e do ambiente onde os veículos estão transitando, dando- se especial atenção a rebaixamentos da pista de rolamento, ressaltos, passagens sob viadutos ou linhas elétricas aéreas.
  • 6. 6 de 20 Outro exemplo desses veículos especiais é o apresentado a seguir, utilizado para o transporte de uma grande embarcação. Aqui também pode ser avaliada a perícia no posicionamento e amarração da carga. As plataformas de carga são ideais quando se tem carregamentos estaticamente equilibrados, quando se pode realizar uma amarração da carga adequada e se tem total controle dos deslocamentos laterais, movimentando-se os eixos sincronizadamente. Este tipo de transporte apresenta o inconveniente que elevar o centro de gravidade do conjunto veículo transportador + carga transportada. Quanto mais distante o centro de gravidade estiver da pista de rolamento maior será o risco de tombamento da carga. Nesse caso específico, onde a carga não pode ser fracionada, o importante é verificar-se continuamente as tensões das cintas que prendem a carga à carroceria do veículo transportador. Também é importante que a velocidade de deslocamento seja baixa e contínua, evitando-se qualquer tipo de freada, que poderá deslocar a carga. Como se trata de carga de grandes dimensões, onde a dimensão altura é grande, haverá sempre o risco de tombamento lateral. b) Imprudência Ato contrário à prudência: o doente cometeu imprudências. Inconveniência, inadvertência, indiscrição, temeridade. Possui como sinônimos: açodamento (ato ou efeito de açodar ou de açodar-se; pressa, precipitação), atrapalhação (confusão, desordem; acanhamento), azáfama (pressa; atrapalhação; grande afã), precipitação (ato ou resultado de precipitar ou precipitar-se. Extrema velocidade; grande pressa; afobação. Rapidez em tomar uma resolução; irreflexão) e pressa (urgência, presteza, afã. Impaciência, precipitação). A imprudência é resultado de vários fatores. Uma pessoa pode ser imprudente por ser extremamente proativa, porém sem o conhecimento técnico necessário; pode ser imprudente por realizar algo perigoso e sem uma proteção adequada – uma das frases mais comuns ditas pelo
  • 7. 7 de 20 imprudente é – faço isso há mais de 20 anos – confiando que por já haver feito o trabalho várias vezes sem que não tenha ocorrido nada, isso continuará ocorrendo. De modo geral o imprudente não mede consequências, ou seja, não se dá conta dos prováveis resultados de seu ato. Um operário imprudente transportava esta caixa, sem os cuidados necessários, quando um dos cabos de içamento rompeu-se e a carga caiu sobre uma tubovia. O acidente poderia ter sido evitado ou atenuado se a tubovia tivesse sido protegida por sacos de areia, que amorteceriam o impacto e reduziriam os danos. Tal transporte seria totalmente inadequado se uma dessas tubulações fosse empregada para o transporte de gás ou líquidos altamente inflamáveis. Uma ação preventiva, caso não se pudesse cumprir nenhuma ação preventiva seria a do bloqueio do fluxo dos líquidos ou flúidos transportados nos dutos, bloqueando-se as válvulas de controle de passagem..
  • 8. 8 de 20 Neste outro exemplo, acima, uma carga de pedras vai ao chão, em uma caçamba sem a tampa traseira, atribuindo-se o fato às irregularidades do piso, vindo a cair e provocando o quase tombamento do caminhão. Podem até existir inúmeras explicações para o fato de a carga estar sendo transportada sem a tampa traseira do veículo, que, porém, não justifica o acidente. Algumas dessas explicações podem estar associadas a um deslocamento curto, ou à facilidade de descarga das pedras, com uma pequena elevação da caçamba do caminhão. A irregularidade (carga solta) da carga fez com que o caminhão se inclinasse perigosamente. Pode se entender que ao trafegar em uma pista irregular algumas pedras tivessem se deslocado, alterando o centro de gravidade da carga. c) Negligência A negligência pode estar associada à falta de cuidado, de aplicação, de exatidão; descuido, incúria, displicência, desatenção. Muitos podem ser os fatores causadores de um ato negligente, que responde por quase cinquenta por cento dos acidentes. O toque de um celular, o fato do operário passar a prestar a atenção à conversa dos outros, a momentânea desatenção causada pela entrada de pessoas estranhas ao ambiente do trabalho ou o deslocamento de veículos pode ser motivo para a ocorrência de acidentes. Na fotografia a seguir tem-se a elevação e transporte de um submarino através de duas cábreas. A falta de cuidado no nivelamento da carga ou no controle da velocidade das balsas pode causar o tombamento ou queda da carga.
  • 9. 9 de 20 Submarino sendo içado por um conjunto de dois guindastes flutuantes. Içamento, para posicionamento de módulo de plataforma fixa. Trata-se de atividade extremamente perigosa, principalmente pelos dados às próprias cargas e que depende de um acurado controle da movimentação. Os ajustes de posicionamento são pequenos, não excedendo de trinta milímetros. A operação ilustrada na foto anterior é a do posicionamento de um módulo de plataforma fixa sobre a jaqueta (base). Para que a operação seja um sucesso ficam próximos aos pontos de apoio operários, repassando para o supervisor da operação as informações para o correto encaixe do módulo na jaqueta. A menos desatenção pode significar danos no suporte da jaqueta e semanas de retrabalho. Neste exemplo a carga é acondicionada em containers e esses são transportados por navios especiais. Muitos são os casos de containers que se deslocam e caem ao mar devido a deslocamentos acidentais dos navios. Os containers são posicionados uns sobre os outros, e posicionados entre pequenas travas existentes no container inferior. Conta-se também que o peso
  • 10. 10 de 20 próprio do container e da carga serão suficientes para mantê-los em suas posições. Não há amarrações por cabos ou cintas. Apesar do transporte de containers em navios parecer uma atividade simples e rotineira, a carga, como um todo, deve ser bem posicionada, para que a embarcação não fique desequilibrada e venha a tombar sob a ação de uma onda mais forte. Exemplos de cargas transportadas por embarcação especial. Esse tipo de embarcação é submergida para que a carga, que se encontra flutuando, seja posicionada na embarcação. Depois de deslastreada a embarcação sobe a seu nível normal de flutuabilidade. Como as cargas transportadas apresentam minimamente 3.000 toneladas, conta-se com o peso da carga como fator preponderante para que a carga não se desloque. A possibilidade de deslocamento existe pela própria movimentação da embarcação e condições de mar. Assim, os cuidados para evitar os acidentes passam a ser maiores, inclusive com a prévia avaliação climática que deve anteceder a atividade de transporte.
  • 11. 11 de 20 Transporte de carga por empilhadeira móvel. É facilmente perceptível que o operador não tem visibilidade frontal enquanto manuseia o equipamento. Assim, seria necessário o apoio de alguém que orientasse o deslocamento da carga e o posicionamento da mesma. Muitas vezes, no transporte por empilhadeira móvel, a carga obstrui a visão do operador de um desnível do piso, podendo causar a queda da mesma. Por ser um transporte silencioso, as pessoas nas proximidades devem ser alertadas dos riscos. Transporte de equipamento especial com cavalo mecânico especial e carreta dupla. São atividades extremamente complexas e em baixa velocidade. Nesse tipo de transporte não só deve existir um planejamento rigoroso da atividade como também o controle e supervisão da atividade, representada pelo conjunto veículo transportador + carga transportada.
  • 12. 12 de 20 Deslocamento de embarcação com o emprego de quatro trolleys, cujas rodas são acionadas individualmente, por meio de controles centralizados. Os cuidados comentados anteriormente devem ser redobrados quando os meios de transporte são múltiplos. Transporte de cargas superpostas, para racionalização dos meios de transporte. Nessa foto verifica- se que as embarcações transportadas encontram-se apoiadas uma sobre as outras. O rebocador, aqui com a função de empurrador da balsa está posicionado em um dos bordos, exigindo maior perícia do piloto. Há outra embarcação à vante, controlando o deslocamento. Tem-se, nessa ocasião uma condição de transporte adequada pois não há ondulações no rio. Trata-se de um caso típico onde se avaliam os eventuais cenários futuros, como o do deslocamento de uma das embarcações transportadas, o do surgimento de uma marola pela passagem de uma embarcação ou o descontrole durante a faina do rebocador à ré (popa) da balsa.
  • 13. 13 de 20 Transporte de carga pesada com dois cavalos mecânicos, um à frente e outro à ré. Esse tipo de transporte é extremamente perigoso pois a carga apresenta elevado peso e dimensões e conta com o movimento sincronizado entre os dois cavalos mecânicos. Uma falha mínima já provocaria um desastre. Veículo para transportes especiais, com o centro de gravidade mais baixo do que o normal, oferecendo maior segurança durante o transporte. Um dos inconvenientes, neste caso em questão, é o fato do operador do equipamento não ter a visão ampla do entorno do veículo, necessitando de pessoal de apoio para orientação. Os riscos derivados da imprudência, imperícia ou negligência podem potencializar a quantidade de ocorrências de incidentes e acidentes, principalmente em função fatos outros como: • Prazo para a entrega; • Características do produto se frágil ou não; • Cargas especiais quanto ao peso e ou dimensões; • Capacidade de suportação do peso da mercadoria transportada, associado ao peso do veículo transportador; • Locais de embarque e de desembarque;
  • 14. 14 de 20 • Locais de difícil acesso para o carregamento ou descarregamento; • Necessidade de equipamentos especiais para a descarga dos materiais; • Meios para a proteção mesmo que temporária das cargas; • Custos associados ao transporte; • Meios de transporte disponíveis; • Necessidade de embalagens especiais; • Possibilidade de transporte a granel ou fracionado, entre outras questões. Não se pode ignorar que quanto maior é a quantidade de manuseios da mercadoria maiores são as possibilidades de existência de danos aos bens. Isso se dá, em grande parte, devido às atividades de estiva. Tipos de cargas transportadas As cargas transportadas podem ser ter as seguintes características físicas: • Cargas sólidas; • Cargas líquidas; • Cargas gasosas; As formas de como as cargas podem ser acondicionadas são: • Tambores metálicos; • Caixas de madeira, plásticas ou de papelão; • Containers para sólidos, líquidos ou gases; • Containers pressurizados ou climatizados; • Pallets metálicos; • Carga a granel disposta no meio de transporte; • Cargas acondicionadas em bags ou outros meios de contenção para cargas à granel; • Cargas sem embalagem, etc.. Em função das características físicas das cargas e das formas de como são acondicionadas, são definidas as estratégias de transporte. Em uma obra civil, para a montagem da estrutura da construção, por exemplo, em concreto armado, são necessários materiais, que aglomerados, misturados e posicionados possibilitam que a estrutura seja erigida. Assim, em vista dos volumes de materiais empregados, para acelerar-se o processo de construção, são preparadas no
  • 15. 15 de 20 canteiro de obras as fôrmas de madeira ou metálicas, onde serão acondicionadas as ferragens e o concreto. As ferragens podem chegar em carretas e cortadas e preparadas no canteiro de obras, ou já virem prontas do fornecedor. O concreto pode chegar em betoneiras e seu lançado por bombas, sendo bombeados diretamente nas formas. Para cada tipo de carga e forma de transporte há riscos associados, potencializados por falhas decorrentes de imprudência, imperícia ou negligência. Avaliação Global – ferramentas de análise Vários são os aspectos a serem observados nas atividades de transporte de cargas, alguns dos quais podem ser redundantes, ou seja, mais de um fator pode ter contribuído para a ocorrência de acidentes ou incidentes, como por exemplo, o rompimento de uma eslinga, sem que a carga tenha ido ao solo, em uma atividade de içamento conjugada com a movimentação. As causas básicas podem ser definidas através de pesquisas e análises dos acidentes. Neste paper utilizou-se como base para a análise uma listagem de 221 acidentes de transporte de cargas, sem se distinguir, nessa fase, as características das cargas. A relação das causas básicas é a apresentada a seguir: Causas básicas % acidentes Rompimento de lingadas 55% Mau dimensionamento dos pesos e dispositivos de içamento 30% Tombamento do veículo transportador 15% Irregularidades no piso 25% Movimentação em função do vento 10% Balanço excessivo em função dos desníveis de terreno 15% Quebra da lança de içamento do equipamento de guindar 5% Falhas operacionais 40% Falhas no planejamento das atividades 35% Quebra dos acessórios de içamento da carga 20% Defeito de materiais 65% Quebra dos pontos de amarração 10% Quebra dos pontos de pega 10% Rompimento das embalagens 45% Queda do material transportado por má estiva 20% Dimensionamento inadequado do centro de gravidade 15% Impacto contra objetos fixos ao longo do caminho 25% Impacto contra objetos móveis 20% Estatística elaborada por Navarro (2012)
  • 16. 16 de 20 (Navarro, 2012) Acidente provocado pelo choque da carreta contra um poste, posicionado em um trecho com curva. O acidente poderia ter sido previsto caso houvesse um planejamento prévio do transporte. Nesse planejamento, até mesmo pelas dimensões da carga e do veículo transportador poderia ser empregados modelos computacionais que auxiliariam a evitar os acidentes. São acidentes mais comuns do que se imagina, principalmente quando não se realiza qualquer tipo de análise prévia.
  • 17. 17 de 20 Transporte especial com duas carretas. Nesse tipo de transporte o maior risco é o da ocorrência de ventos laterais que forcem o deslocamento da carga pela plataforma dos veículos. O risco passa a ser agravado caso não haja sincronismo no deslocamento dos veículos ou o desalinhamento na pista de rolamento. A pista não se encontra 100% nivelada, acarretando um risco maior. Nesta foto, de movimentação de carga para montagem da extremidade de uma torre, os operários ficam posicionados de modo a fixar a extremidade por meio de pontos de solda ou parafusos. Qualquer desatenção do operador do guindaste, ou a incidência de ventos mais fortes pode causar acidentes fatais. Evitando os riscos Em atividades de transporte não se consegue eliminar riscos, mas sim mitiga-los. A razão é devida ao fato de estarem presentes inúmeros fatores que passam a contribuir para as ocorrências. O desnivelamento súbito do piso por uma tábua deixada no caminho, a falta de
  • 18. 18 de 20 conferência da tensão dos cabos de amarração, o rompimento de cabos ou cintas, o surgimento de ventos mais fortes balançando a carga, um mal súbito do encarregado ou do operário responsável pela operação do equipamento, enfim, inúmeros outros fatores podem ocorrer em conjunto ou isoladamente e, o que é pior, muitas vezes sem terem sido previstos nos planejamentos da atividade. Por essa razão é que se torna quase impossível eliminar-se o risco. Trata-se, de modo análogo, à tentativa de solucionar-se uma equação matemática com várias incógnitas, sem que se tenha meios de encontra-las para a solução. Os principais riscos que devem ser avaliados para a realização devem ser extraídos da planilha apresentada anteriormente. Mas, pode-se simplificar essa análise em alguns tópicos, como a saber: 1. Toda a atividade, por mais simples que seja, deve ser planejada. O planejamento deve contemplar não só a própria atividade do transporte, como também o ambiente onde essa atividade se desenvolverá. Para movimentações com cargas de grandes dimensões e peso deve-se utilizar modelos de simulação em 3D, que possibilitam obter-se alternativas mais seguras; 2. A carga transportada deve ser observada como um todo, avaliando-se, no estudo: • Dimensões; • Peso; • Centro de gravidade do conjunto; • Centro de gravidade do componente de maior peso; • Possibilidade de modularizar-se o transporte; • Existência de protuberâncias, extremidades e ressaltos, que podem ser pontos de contato com objetos durante o transporte; • Utilização de lingadas com coeficiente de segurança maior ou igual a 5; • Existência de pontos de pega ou de amarração das lingadas; • Inspeção de todos os pontos, suas conexões e soldas; • Inspeção de todo o material empregado na atividade, cabos e todos seus acessórios; • Definição do meio de transporte, assegurando-se que haja uma folga mínima entre a capacidade do mesmo e o peso da carga superior a 3; • Verificação se todos os componentes do meio de transporte; • Avaliação do percurso, verificando: Possíveis pontos de contato, Irregularidades do piso,
  • 19. 19 de 20 Restrição quanto à largura, Possibilidade de a carga ser deixada sobre calços caso haja ventos com velocidade superior a 15km/h, Possibilidade do equipamento de transporte ficar parado por razões técnicas, sem que haja o estorvo na circulação dos demais veículos, Proximidade de linhas elétricas, Proximidade da movimentação de outras cargas, Movimentação de pessoal sob a carga, Obstruções a serem ultrapassadas, Existência de aclives ou declives. • Local onde a carga será depositada; • Existência de guias ou de pontos de conexão com outros elementos; 3. Toda a atividade de movimentação de cargas de grandes dimensões ou pesos deve ter APENAS UM RESPONSÁVEL, a quem todos devem se reportar; 4. TODOS os envolvidos na operação são importantes e necessários. Assim, deve existir um meio seguro de comunicação com as pessoas. O operador do equipamento ou operadores, já que há transportes com vários equipamentos envolvidos, como apresentado em algumas fotografias anteriores, devem ter sistema de comunicação segura, já que as sinalizações habituais por gestos podem ser mal interpretadas ou entendidas, podendo ser a causa de um acidente; 5. Especial atenção deve ser dado a trechos do percurso com curvas ou com mudança do alinhamento da estrada, principalmente se a carreta for longa, com mais de 30 metros. Conclusão Por fim, uma atividade de transporte de carga é perigosa e pode apresentar complexidades que aumentam o grau de risco. Em muitas dessas operações os trabalhadores devem se aproximar tanto quanto possível para o posicionamento de spinas (pinos) ou parafusos de fixação. Nesses momentos, qualquer balanço da carga pode significar pessoas mortas ou com graves lesões. Os acidentes somente podem ser considerados como algo normal quando um ou vários procedimentos de segurança são descumpridos. Basta que o planejamento seja mal executado para que a probabilidade de ocorrência de acidentes cresça exponencialmente. Isso costuma ocorrer quando a empresa não possui a adequada cultura de segurança, quando as atividades são realizadas
  • 20. 20 de 20 “para ontem” e quando há improvisos. Somente estes três itens citados neste parágrafo já seriam responsáveis por mais de 60% das ocorrências de acidentes. Todas as imagens apresentadas, com a movimentação de cargas de grandes dimensões, apresentam em comum não só o fato de poder se empregar mais de um veículo transportador, como também de se estudar não só o posicionamento da carga, que deve estar em equilíbrio com o conjunto carga/transportador, mas a questão de mantê-la presa evitando eventuais mudanças de posição. Esse risco é mais provável devido a ventos laterais, afrouxamento das cintas e cabos ou correntes, de "trancos" dos veículos por razões várias, seja pela existência de desnivelamento da pista, o engate da marcha (câmbio) equivocada, parada brusca de um dos veículos por razões diversas, inclusive falhas nos motores, enfim, um simples evento pode afetar todo o transporte e gerar a possibilidade da queda ou tombamento da mesma. Cargas que são altas, apresentam grandes dimensões ou peso são cargas perigosas quanto ao transporte. Nem sempre no processo de fabricação se pode "fracionar" as cargas, o que implicaria em reconexões na montagem final.