SlideShare uma empresa Scribd logo
Pré-Modernismo (1902- 1922)
Que país é esse?
Profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
- O avanço científico e tecnológico no início
do século XX traz novas perspectivas à
humanidade.
- As invenções contribuem para um
clima de conforto e praticidade. Afinal, o telefone, a
lâmpada elétrica, o automóvel e o telégrafo
começam a influenciar, definitivamente, a vida das
pessoas.
- Além dessas, a arte mostrou um inovado
meio de comunicação, diversão e entretenimento: o
cinema.
- É em meio a tanto progresso que a 1ª
Guerra Mundial eclode. Em meio a tantos
acontecimentos, havia muito que se dizer, e por
isso, a literatura é vasta nos primeiros anos do
século XX.
- Logo, os estilos literários vão desde os
poetas parnasianos e simbolistas (que ainda
produziam) até os que se concentravam na política
e nas peculiaridades de sua região.
Chamamos de Pré-Modernismo a essa fase
de transição literária entre as escolas anteriores e a
ruptura dos novos escritores com as mesmas.
Enquanto a Europa preparava-se para a
guerra, o Brasil vivia a chamada política do “café-
com-leite”, onde os grandes latifundiários do café
dominavam a economia(domínio paulista/mineiro
nas eleições presidenciais).
Ao passo que esta classe dominante e
consumista seguia a moda europeia, as agitações
sociais aconteciam, principalmente no Nordeste.
Na Bahia, ocorre a famosa “Revolta de
Canudos”, que inspirava a obra “Os Sertões” do
escritor Euclides da Cunha. Em 1910, a rebelião
“Revolta da chibata” era liderada por João Cândido,
o “Almirante Negro”, contra os maltratos vividos na
Marinha.
Pré-modernismo
Período que não é um
movimento literário, mas sim
uma época de transição das
estéticas vigentes ainda em fins
do século XIX e início do XX
(Realismo-Naturalismo,
Simbolismo e Parnasianismo)
para o Modernismo.
O fator característico dessa fase
é o nacionalismo temático: um
nacionalismo com olhar crítico,
questionador, muito diferente da
visão idealizada dos românticos e
muito próximo da perspectiva de
país contornada pelo
Modernismo a partir de 1922.
A literatura passa a ser um
instrumento para que os
brasileiros conheçam melhor
o seu Brasil. O fazer literário
se torna uma forma de ação
social.
No entanto, essa literatura
não era a que agradava aos
governantes do país: para
os tais, o texto literário
deveria expor a face bela e
modernizante que o Brasil
vivia.
Era o período da Belle époque -
expressão francesa que
denomina o período entre 1885 e
1918, no qual Paris exportava
cultura e modelos de
comportamento -, e o Brasil
passava por melhorias urbanas,
especialmente no Rio de Janeiro,
então capital brasileira.
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Desigualdades sociais
Essa não era, entretanto, a
verdade geral. Havia enormes
diferenças sociais entre as regiões
brasileiras. A literatura então se
engaja e denuncia as inverdades
da propaganda oficial, que
procurava transmitir a sensação
de que a República (1888) era a
chegada da modernidade e da
democracia para o país como um
todo.
Brasil e seus brasis:
desigualdade social
O Brasil não-oficial
Os escritores pré-
modernistas se encarregaram
de revelar o Brasil não-oficial,
não propagandeado, o país
dos contrastes, os locais onde
a modernidade não chega,
inclusive, até os dias de hoje.
Os tipos humanos marginalizados,
como o sertanejo nordestino, o
habitante dos subúrbios cariocas, o
caipira paulista, ganharam espaço -
e com eles a realidade de que faziam
parte. O Brasil encontrou-se com os
diferentes "Brasis" nesse trabalho
de investigação e análise da
realidade cultural.
Características
Ruptura com o passado: inovação nas obras,
rompimento com os moldes pré-estabelecidos
das obras dos períodos anteriores. A linguagem
de Augusto dos Anjos, por exemplo, é cheia de
palavras não-poéticas (cuspe, vômito, escarro,
vermes...), oposição direta ao modelo
parnasiano, ainda em vigor na época.
Denúncia da realidade brasileira: o Brasil deixa
de ser idealizado e os verdadeiros problemas
são mostrados, avesso da idealização
romântica.O Brasil não-oficial dos nordestinos,
caboclos e caipiras é exposto.
Regionalismo: descrição do universo
brasileiro: o norte e nordeste são
mostrados por meio da obra de Euclides
do Cunha; o interior paulista com
Monteiro Lobato; o Espírito Santo com
Graça Aranha e o subúrbio carioca com
Lima Barreto.
Ligação com fatos políticos,
econômicos e sociais: diminui a
distância entre a realidade e a ficção.
Em Triste fim de Policarpo Quaresma,
de Lima Barreto, por exemplo, é
retratado o governo de Floriano
Peixoto e a Revolta da Armada; Os
Sertões, de Euclides da Cunha,
demonstra a crueldade da Guerra de
Canudos; Canaã, de Graça Aranha,
documenta a imigração alemã no
Espírito Santo.
O marco do Pré-Modenismo no Brasil é a publicação, em
1902, de Os Sertões, obra na qual Euclides da Cunha
denuncia o absurdo da Guerra de Canudos. Com forte teor
determinista, segundo o qual o homem é fruto do meio, é o
primeiro pré-modernista a aproximar literatura e História. A
estrutura do livro é a seguinte:
•A terra: caracteriza o sertão nordestino: clima, solo, relevo,
vegetação...
•O homem: quem é o sertanejo e quem foi Antônio
Conselheiro.
•A luta: confronto: narração da luta entre as tropas oficiais
e os seguidores de Conselheiro. O livro termina com a
descrição da queda do Arraial de Canudos e a destruição
de todas as casas erguidas no local.
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Mapa do estado da Bahia
com destaque para uma
cidadezinha quase na
fronteira com o Estado de
Pernambuco, que leva o
nome da histórica
Canudos, a 10 km da
cidade original
A Guerra de Canudos
ocorreu entre os anos de 1896
e 1897 no sertão da Bahia.
Seu líder messiânico foi
Antônio Conselheiro, que
estabeleceu uma comunidade
em Canudos. Seu intuito era
governá-la e torna-lá auto-
sustentável.
A Guerra de Canudos foi um conflito singular na
história dos primeiros anos do Brasil República, que
aconteceu no período do governo do primeiro
presidente civil da história de nosso país: presidente
Prudente de Moraes (1894-1898).
Após quatro expedições militares, no dia 5 de outubro
de 1897, um ano de incensáveis lutas e uma feroz
resistência por parte de seus defensores, o arraial
chamado Belomonte, fundado por Antônio
Conselheiro no Nordeste da Bahia, foi finalmente
tomado pelo exército.
Os número final de mortes na
Guerra de Canudos é assustador.
Mais de 5.000 homens mortos em
batalha. Ao fim da guerra, um dos
aspectos positivos foi a volta do
debate sobre o povo sertanejo no
Brasil. Milhares de homens que
tentavam sobreviver à miséria e à
falta de recursos.
Dois olhares sobre um mesmo conflito:
Euclides da Cunha, no final de Os Sertões, registrava:
“Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a
história, resistiu até ao esgotamento completo.
Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do
termo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram
os seus últimos defensores, todos morreram.
Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos
e uma criança, na frente dos quais rugiam
raivosamente 5 mil soldados.
Forremo-nos à tarefa de descrever os seus
últimos momentos. Nem poderíamos fazê-lo. Esta
página, imaginamo-la sempre profundamente
emocionante e trágica; mas cerramo-la vacilante e
sem brilhos...”
Já Olavo Bilac, poeta parnasiano, escrevendo
sobre o mesmo episódio, comemorava:
“Enfim, arrasada a cidadela maldita!enfim,
dominado o antro negro, cavado no centro do
robusto sertão, onde o Profeta das longas
barbas sujas concentrava sua força diabólica,
feita de fé e de patifaria, alimentada pela
superstição e pela rapinagem…”
Antônio Conselheiro:
“O sertão vai virar mar”
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
•Hoje, o arraial de Canudos, à beira do rio
Vaza-barris, em pleno sertão baiano,
encontra-se submerso nas águas do açude
de Cocorobó.
•
• E mais: para reforçar a profecia do
beato, outra imensa região do sertão
baiano virou mar. No vale do rio São
Francisco foi construída a imensa
barragem de Sobradinho, deixando
submersas várias cidades.
Outros autores
Lima Barreto: a vida nos subúrbios
cariocas. Afonso Henriques de Lima
Barreto nasceu no Rio de Janeiro em
13 de maio de 1881. Era mestiço,
pobre e socialista, vítima de toda
sorte de preconceitos. Teve também
problemas com alcoolismo, o que
resultou em sua internação em um
hospício, entre 1914 e 1919. Morreu
em 1922.
LIMA BARRETO
O romance mais conhecido do autor
é Triste fim de Policarpo Quaresma.
Policarpo é considerado o Dom
Quixote Nacional: aquele que
acredita em um ideal, se dá por ele,
não busca vantagens pessoais e,
por causa desse mesmo idealismo,
é tido como louco, quando na
verdade, é apenas alguém puro de
intenções.
Monteiro Lobato: descrição do
caipira paulista; denúncia da
realidade brasileira
Autor das famosas histórias do Sítio
do Pica-pau Amarelo, viveu no interior
e pôde observar as dificuldades e os
vícios característicos da vida rural,
fatos desconhecidos do Brasil
"oficial".
No livro Urupês (1918), Lobato traça o
perfil do caipira que vivia pelo interior
de São Paulo. É nessa obra que dá
forma ao Jeca Tatu, símbolo do atraso
e da miséria do caboclo brasileiro.
Augusto dos Anjos: a marca da
angústia e do pessimismo (o poeta
do desencanto)
•Autor que recebeu influência de
várias estéticas, mas não se limita
a nenhuma: do Simbolismo
recupera o gosto pelas imagens
fortes, que despertam sensações,
(no caso do autor, de asco e horror)
e a preocupação com a construção
formal do poema.
linguagem singular
•O uso de termos científicos marca a
inspiração do Naturalismo. A
preferência pelo soneto traz ecos do
Parnasianismo. É por essa fusão de
escolas literárias que é difícil rotulá-
lo como pertencente à uma
determinada escola.
“Tome, Dr., esta tesoura, e ... corte
Minha singularíssima pessoa.
Que importa a mim que a bicharia
roa
Todo meu coração, depois da
morte?!”
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Resumo das
características
As duas principais características desse
movimento são:
conservadorismo – que cultivavam os
valores naturalistas(observação fiel da
realidade , mostrando que o indivíduo é
determinado pelo ambiente e pela
hereditariedade;
renovação – falavam sobre a realidade
brasileira e as tensões vividas pela
sociedade do período e os dilemas vividos
pela sociedade na época.
Ruptura com o passado
Os autores adotaram inovações que feriam o
academicismo.
Regionalismo
A realidade rural brasileira é exposta sem os traços
idealizadores do Romantismo. A miséria do homem
do campo é apresentada de forma chocante.
Literatura-denúncia
Os livros são escritos em tom de denúncia da
realidade brasileira. O Brasil oficial (cidades da
Região Sul, belezas do litoral, aspectos positivos da
civilização urbana) é substituído por um Brasil não-
oficial (sertão nordestino, caboclos interioranos,
realidade dos subúrbios).
Contemporaneidade
A literatura retrata fatos políticos, situação econômica e social
contemporâneos, diminuindo a distância entre realidade e
ficção. Vejamos obras e autores que exemplificam isso:
a) Triste fim de Policarpo Quaresma, de LIma Barreto –
Retrata o governo de Floriano Peixoto e a Revolta da
Armada.
b) Os Sertões, de Euclides da Cunha – Faz um relato da
Guerra de Canudos, mostrando-a como uma das primeiras
manifestações pela terra no Brasil.
c) Cidades Mortas, de Monteiro Lobato – Mostra a
passagem do café pelo Vale do Paraíba paulista.
d) Canaã, de Graça Aranha – Exibe um documento sobre a
imigração alemã no Espírito Santo.
Euclides da Cunha (1866-
1909) - carioca
Obras:
Os Sertões (1902) - Retrata a Guerra
dos Canudos, sendo publicado nos
seguintes idiomas: alemão, chinês,
francês, inglês, dinamarquês,
espanhol, holandês, italiano e sueco.
Contrastes e Confrontos (1907) - Pode-
se dizer que é uma obra científica e
uma obra de arte. Trata-se de uma
obra única na história das letras
brasileiras.
À Margem da História (1909) -
Publicação póstuma, reúne os artigos
de Euclides sobre a Amazônia antes e
após sua viagem à região. Os ensaios
amazônicos reforçam a tese de uma
formação histórica marcada por
contrastes e antagonismos. O dever da
ciência e dos intelectuais era, para
Euclides da Cunha, promover o
encontro entre Estado e nação.
Monteiro Lobato
(1882-1948)
Obras:
Urupês (1918) - Aborda a decadência da
agricultura no Vale do Paraíba, após o
“ciclo” do café.
Idéias de Jeca Tatu (1919) - História de
Vilela, Camilo e Rita envolvidos em um
triângulo amoroso.
A Menina do Narizinho Arrebitado
(1920) - Tem como personagens
principais Emília e Narizinho em mais
uma de suas histórias inéditas.
O Pica-Pau Amarelo (1939) - Aborda a
Turma do Sítio (Emília, Narizinho,
Pedrinho, Marquês de Rabicó,
Conselheiro, Quindim, Visconde de
Sabugosa, Dona Benta, Tia Nastácia, Tio
Barnabé, Cuca, Saci, etc) vivendo
situações e aventuras que mexem com
a imaginação da criançada.
Lima Barreto (1881-
1922) - carioca
Obras:
Recordações do Escrivão Isaías
Caminha (romance – 1909)
Triste Fim de Policarpo Quaresma
(romance – 1911)
Numa e Ninfa (romance – 1915)
Morte e M. J. Gonzaga de Sá
(romance – 1919)
Os Bruzundangas (crônica – 1923)
Clara dos Anjos (romance – 1924)
Histórias e Sonhos (contos – 1956)
Diário Íntimo (memórias – 1956)
Cemitério dos Vivos (memórias –
1956)
AUGUSTO DOS ANJOS
(1884-1914)
PARAIBANO
OBRAS:
Saudade (poema - 1900) - Mostra que
tanto os atos bons quanto os ruins do
passado de alguém são necessários
para completar o indivíduo.
Eu e Outras Poesias (único livro de
poemas - 1912) - Articula o trinômio
como reflexo de um momento histórico
marcado por um sentimento de perda,
um mal-estar disseminado entre os
intelectuais, uma angústia diante da
falência da Civilização Ocidental e dos
ideais do Progresso.
Psicologia de um Vencido (soneto) -
Com o uso de palavras rebuscadas e
repleto de simbolismo, este soneto
aborda o pessimismo marcante e
retrata a tragédia da morte com
naturalidade.
Versos íntimos - Como todos os outros
poemas e sonetos de Anjos, este
também aborda a morte e o próprio
"eu" o centro do seu pensamento.
Graça Aranha (1868-
1931) – maranhense
Obras:
Canaã (1902/romance)
Estética da Vida (1921/ensaio)
Espírito Moderno (1925/ensaio)
A Viagem Maravilhosa
(1927/romance)
Simões Lopes Neto
1865-1916 - gaúcho
Obras:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Blog Estudo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
Péricles Penuel
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
Israel Ferreira
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
Victor Said
 
Crônica
CrônicaCrônica
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
Universidad Nacional de Misiones
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Claudia Ribeiro
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
clemildapetrolina
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Anjo da Luz
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
Viviane Gomes
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
Alexandre Costa
 
Clarice Lispector - A hora da estrela.
Clarice Lispector - A hora da estrela.Clarice Lispector - A hora da estrela.
Clarice Lispector - A hora da estrela.
Daniele dos Santos Souza Onodera
 

Mais procurados (20)

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire 1 arcadismo power meire
1 arcadismo power meire
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Primeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismoPrimeira fase do modernismo
Primeira fase do modernismo
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
O negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileiraO negro na literatura brasileira
O negro na literatura brasileira
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Romantismo slide
Romantismo   slideRomantismo   slide
Romantismo slide
 
Clarice Lispector - A hora da estrela.
Clarice Lispector - A hora da estrela.Clarice Lispector - A hora da estrela.
Clarice Lispector - A hora da estrela.
 

Semelhante a Pré modernismo (1902- 1922) profª karin

Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Ingrid Coelho
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
NunaMedeiros
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Madeleine Marcelino
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Pré
PréPré
pré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptxpré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptx
almeidaluana280
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Andriane Cursino
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Renata Haratani
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Governo do Estado de São Paulo
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Walace Cestari
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
Colégio Elisa Andreoli
 

Semelhante a Pré modernismo (1902- 1922) profª karin (20)

Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré
PréPré
Pré
 
pré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptxpré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptx
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 

Pré modernismo (1902- 1922) profª karin

  • 1. Pré-Modernismo (1902- 1922) Que país é esse? Profª karin
  • 3. Que país é esse?
  • 4. Que país é esse?
  • 5. Que país é esse?
  • 6. - O avanço científico e tecnológico no início do século XX traz novas perspectivas à humanidade. - As invenções contribuem para um clima de conforto e praticidade. Afinal, o telefone, a lâmpada elétrica, o automóvel e o telégrafo começam a influenciar, definitivamente, a vida das pessoas. - Além dessas, a arte mostrou um inovado meio de comunicação, diversão e entretenimento: o cinema.
  • 7. - É em meio a tanto progresso que a 1ª Guerra Mundial eclode. Em meio a tantos acontecimentos, havia muito que se dizer, e por isso, a literatura é vasta nos primeiros anos do século XX. - Logo, os estilos literários vão desde os poetas parnasianos e simbolistas (que ainda produziam) até os que se concentravam na política e nas peculiaridades de sua região. Chamamos de Pré-Modernismo a essa fase de transição literária entre as escolas anteriores e a ruptura dos novos escritores com as mesmas.
  • 8. Enquanto a Europa preparava-se para a guerra, o Brasil vivia a chamada política do “café- com-leite”, onde os grandes latifundiários do café dominavam a economia(domínio paulista/mineiro nas eleições presidenciais). Ao passo que esta classe dominante e consumista seguia a moda europeia, as agitações sociais aconteciam, principalmente no Nordeste.
  • 9. Na Bahia, ocorre a famosa “Revolta de Canudos”, que inspirava a obra “Os Sertões” do escritor Euclides da Cunha. Em 1910, a rebelião “Revolta da chibata” era liderada por João Cândido, o “Almirante Negro”, contra os maltratos vividos na Marinha.
  • 10. Pré-modernismo Período que não é um movimento literário, mas sim uma época de transição das estéticas vigentes ainda em fins do século XIX e início do XX (Realismo-Naturalismo, Simbolismo e Parnasianismo) para o Modernismo.
  • 11. O fator característico dessa fase é o nacionalismo temático: um nacionalismo com olhar crítico, questionador, muito diferente da visão idealizada dos românticos e muito próximo da perspectiva de país contornada pelo Modernismo a partir de 1922.
  • 12. A literatura passa a ser um instrumento para que os brasileiros conheçam melhor o seu Brasil. O fazer literário se torna uma forma de ação social.
  • 13. No entanto, essa literatura não era a que agradava aos governantes do país: para os tais, o texto literário deveria expor a face bela e modernizante que o Brasil vivia.
  • 14. Era o período da Belle époque - expressão francesa que denomina o período entre 1885 e 1918, no qual Paris exportava cultura e modelos de comportamento -, e o Brasil passava por melhorias urbanas, especialmente no Rio de Janeiro, então capital brasileira.
  • 16. Desigualdades sociais Essa não era, entretanto, a verdade geral. Havia enormes diferenças sociais entre as regiões brasileiras. A literatura então se engaja e denuncia as inverdades da propaganda oficial, que procurava transmitir a sensação de que a República (1888) era a chegada da modernidade e da democracia para o país como um todo.
  • 17. Brasil e seus brasis: desigualdade social
  • 18. O Brasil não-oficial Os escritores pré- modernistas se encarregaram de revelar o Brasil não-oficial, não propagandeado, o país dos contrastes, os locais onde a modernidade não chega, inclusive, até os dias de hoje.
  • 19. Os tipos humanos marginalizados, como o sertanejo nordestino, o habitante dos subúrbios cariocas, o caipira paulista, ganharam espaço - e com eles a realidade de que faziam parte. O Brasil encontrou-se com os diferentes "Brasis" nesse trabalho de investigação e análise da realidade cultural.
  • 20. Características Ruptura com o passado: inovação nas obras, rompimento com os moldes pré-estabelecidos das obras dos períodos anteriores. A linguagem de Augusto dos Anjos, por exemplo, é cheia de palavras não-poéticas (cuspe, vômito, escarro, vermes...), oposição direta ao modelo parnasiano, ainda em vigor na época. Denúncia da realidade brasileira: o Brasil deixa de ser idealizado e os verdadeiros problemas são mostrados, avesso da idealização romântica.O Brasil não-oficial dos nordestinos, caboclos e caipiras é exposto.
  • 21. Regionalismo: descrição do universo brasileiro: o norte e nordeste são mostrados por meio da obra de Euclides do Cunha; o interior paulista com Monteiro Lobato; o Espírito Santo com Graça Aranha e o subúrbio carioca com Lima Barreto.
  • 22. Ligação com fatos políticos, econômicos e sociais: diminui a distância entre a realidade e a ficção. Em Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, por exemplo, é retratado o governo de Floriano Peixoto e a Revolta da Armada; Os Sertões, de Euclides da Cunha, demonstra a crueldade da Guerra de Canudos; Canaã, de Graça Aranha, documenta a imigração alemã no Espírito Santo.
  • 23. O marco do Pré-Modenismo no Brasil é a publicação, em 1902, de Os Sertões, obra na qual Euclides da Cunha denuncia o absurdo da Guerra de Canudos. Com forte teor determinista, segundo o qual o homem é fruto do meio, é o primeiro pré-modernista a aproximar literatura e História. A estrutura do livro é a seguinte: •A terra: caracteriza o sertão nordestino: clima, solo, relevo, vegetação... •O homem: quem é o sertanejo e quem foi Antônio Conselheiro. •A luta: confronto: narração da luta entre as tropas oficiais e os seguidores de Conselheiro. O livro termina com a descrição da queda do Arraial de Canudos e a destruição de todas as casas erguidas no local.
  • 27. Mapa do estado da Bahia com destaque para uma cidadezinha quase na fronteira com o Estado de Pernambuco, que leva o nome da histórica Canudos, a 10 km da cidade original
  • 28. A Guerra de Canudos ocorreu entre os anos de 1896 e 1897 no sertão da Bahia. Seu líder messiânico foi Antônio Conselheiro, que estabeleceu uma comunidade em Canudos. Seu intuito era governá-la e torna-lá auto- sustentável.
  • 29. A Guerra de Canudos foi um conflito singular na história dos primeiros anos do Brasil República, que aconteceu no período do governo do primeiro presidente civil da história de nosso país: presidente Prudente de Moraes (1894-1898). Após quatro expedições militares, no dia 5 de outubro de 1897, um ano de incensáveis lutas e uma feroz resistência por parte de seus defensores, o arraial chamado Belomonte, fundado por Antônio Conselheiro no Nordeste da Bahia, foi finalmente tomado pelo exército.
  • 30. Os número final de mortes na Guerra de Canudos é assustador. Mais de 5.000 homens mortos em batalha. Ao fim da guerra, um dos aspectos positivos foi a volta do debate sobre o povo sertanejo no Brasil. Milhares de homens que tentavam sobreviver à miséria e à falta de recursos.
  • 31. Dois olhares sobre um mesmo conflito: Euclides da Cunha, no final de Os Sertões, registrava: “Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a história, resistiu até ao esgotamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do termo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente 5 mil soldados. Forremo-nos à tarefa de descrever os seus últimos momentos. Nem poderíamos fazê-lo. Esta página, imaginamo-la sempre profundamente emocionante e trágica; mas cerramo-la vacilante e sem brilhos...”
  • 32. Já Olavo Bilac, poeta parnasiano, escrevendo sobre o mesmo episódio, comemorava: “Enfim, arrasada a cidadela maldita!enfim, dominado o antro negro, cavado no centro do robusto sertão, onde o Profeta das longas barbas sujas concentrava sua força diabólica, feita de fé e de patifaria, alimentada pela superstição e pela rapinagem…”
  • 35. •Hoje, o arraial de Canudos, à beira do rio Vaza-barris, em pleno sertão baiano, encontra-se submerso nas águas do açude de Cocorobó. • • E mais: para reforçar a profecia do beato, outra imensa região do sertão baiano virou mar. No vale do rio São Francisco foi construída a imensa barragem de Sobradinho, deixando submersas várias cidades.
  • 36. Outros autores Lima Barreto: a vida nos subúrbios cariocas. Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu no Rio de Janeiro em 13 de maio de 1881. Era mestiço, pobre e socialista, vítima de toda sorte de preconceitos. Teve também problemas com alcoolismo, o que resultou em sua internação em um hospício, entre 1914 e 1919. Morreu em 1922.
  • 37. LIMA BARRETO O romance mais conhecido do autor é Triste fim de Policarpo Quaresma. Policarpo é considerado o Dom Quixote Nacional: aquele que acredita em um ideal, se dá por ele, não busca vantagens pessoais e, por causa desse mesmo idealismo, é tido como louco, quando na verdade, é apenas alguém puro de intenções.
  • 38. Monteiro Lobato: descrição do caipira paulista; denúncia da realidade brasileira Autor das famosas histórias do Sítio do Pica-pau Amarelo, viveu no interior e pôde observar as dificuldades e os vícios característicos da vida rural, fatos desconhecidos do Brasil "oficial". No livro Urupês (1918), Lobato traça o perfil do caipira que vivia pelo interior de São Paulo. É nessa obra que dá forma ao Jeca Tatu, símbolo do atraso e da miséria do caboclo brasileiro.
  • 39. Augusto dos Anjos: a marca da angústia e do pessimismo (o poeta do desencanto) •Autor que recebeu influência de várias estéticas, mas não se limita a nenhuma: do Simbolismo recupera o gosto pelas imagens fortes, que despertam sensações, (no caso do autor, de asco e horror) e a preocupação com a construção formal do poema.
  • 40. linguagem singular •O uso de termos científicos marca a inspiração do Naturalismo. A preferência pelo soneto traz ecos do Parnasianismo. É por essa fusão de escolas literárias que é difícil rotulá- lo como pertencente à uma determinada escola.
  • 41. “Tome, Dr., esta tesoura, e ... corte Minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa Todo meu coração, depois da morte?!”
  • 44. As duas principais características desse movimento são: conservadorismo – que cultivavam os valores naturalistas(observação fiel da realidade , mostrando que o indivíduo é determinado pelo ambiente e pela hereditariedade; renovação – falavam sobre a realidade brasileira e as tensões vividas pela sociedade do período e os dilemas vividos pela sociedade na época.
  • 45. Ruptura com o passado Os autores adotaram inovações que feriam o academicismo. Regionalismo A realidade rural brasileira é exposta sem os traços idealizadores do Romantismo. A miséria do homem do campo é apresentada de forma chocante. Literatura-denúncia Os livros são escritos em tom de denúncia da realidade brasileira. O Brasil oficial (cidades da Região Sul, belezas do litoral, aspectos positivos da civilização urbana) é substituído por um Brasil não- oficial (sertão nordestino, caboclos interioranos, realidade dos subúrbios).
  • 46. Contemporaneidade A literatura retrata fatos políticos, situação econômica e social contemporâneos, diminuindo a distância entre realidade e ficção. Vejamos obras e autores que exemplificam isso: a) Triste fim de Policarpo Quaresma, de LIma Barreto – Retrata o governo de Floriano Peixoto e a Revolta da Armada. b) Os Sertões, de Euclides da Cunha – Faz um relato da Guerra de Canudos, mostrando-a como uma das primeiras manifestações pela terra no Brasil. c) Cidades Mortas, de Monteiro Lobato – Mostra a passagem do café pelo Vale do Paraíba paulista. d) Canaã, de Graça Aranha – Exibe um documento sobre a imigração alemã no Espírito Santo.
  • 47. Euclides da Cunha (1866- 1909) - carioca Obras: Os Sertões (1902) - Retrata a Guerra dos Canudos, sendo publicado nos seguintes idiomas: alemão, chinês, francês, inglês, dinamarquês, espanhol, holandês, italiano e sueco. Contrastes e Confrontos (1907) - Pode- se dizer que é uma obra científica e uma obra de arte. Trata-se de uma obra única na história das letras brasileiras. À Margem da História (1909) - Publicação póstuma, reúne os artigos de Euclides sobre a Amazônia antes e após sua viagem à região. Os ensaios amazônicos reforçam a tese de uma formação histórica marcada por contrastes e antagonismos. O dever da ciência e dos intelectuais era, para Euclides da Cunha, promover o encontro entre Estado e nação.
  • 48. Monteiro Lobato (1882-1948) Obras: Urupês (1918) - Aborda a decadência da agricultura no Vale do Paraíba, após o “ciclo” do café. Idéias de Jeca Tatu (1919) - História de Vilela, Camilo e Rita envolvidos em um triângulo amoroso. A Menina do Narizinho Arrebitado (1920) - Tem como personagens principais Emília e Narizinho em mais uma de suas histórias inéditas. O Pica-Pau Amarelo (1939) - Aborda a Turma do Sítio (Emília, Narizinho, Pedrinho, Marquês de Rabicó, Conselheiro, Quindim, Visconde de Sabugosa, Dona Benta, Tia Nastácia, Tio Barnabé, Cuca, Saci, etc) vivendo situações e aventuras que mexem com a imaginação da criançada.
  • 49. Lima Barreto (1881- 1922) - carioca Obras: Recordações do Escrivão Isaías Caminha (romance – 1909) Triste Fim de Policarpo Quaresma (romance – 1911) Numa e Ninfa (romance – 1915) Morte e M. J. Gonzaga de Sá (romance – 1919) Os Bruzundangas (crônica – 1923) Clara dos Anjos (romance – 1924) Histórias e Sonhos (contos – 1956) Diário Íntimo (memórias – 1956) Cemitério dos Vivos (memórias – 1956)
  • 50. AUGUSTO DOS ANJOS (1884-1914) PARAIBANO OBRAS: Saudade (poema - 1900) - Mostra que tanto os atos bons quanto os ruins do passado de alguém são necessários para completar o indivíduo. Eu e Outras Poesias (único livro de poemas - 1912) - Articula o trinômio como reflexo de um momento histórico marcado por um sentimento de perda, um mal-estar disseminado entre os intelectuais, uma angústia diante da falência da Civilização Ocidental e dos ideais do Progresso. Psicologia de um Vencido (soneto) - Com o uso de palavras rebuscadas e repleto de simbolismo, este soneto aborda o pessimismo marcante e retrata a tragédia da morte com naturalidade. Versos íntimos - Como todos os outros poemas e sonetos de Anjos, este também aborda a morte e o próprio "eu" o centro do seu pensamento.
  • 51. Graça Aranha (1868- 1931) – maranhense Obras: Canaã (1902/romance) Estética da Vida (1921/ensaio) Espírito Moderno (1925/ensaio) A Viagem Maravilhosa (1927/romance)
  • 52. Simões Lopes Neto 1865-1916 - gaúcho Obras: