SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE ESTUDOS
SUPERIORES DE ITAITUBA – LTDA
CURSO DE LICENCIATURA PLENA
        EM LETRAS
ESTUDOS
               Pré-
TEÓRICOS DA    Modernismo
LITERATURA I    Docente: Walbea
                Lúcia
ACADÊMICOS:
    André Ronilson;
    Azenate Borges;
     Camyla Castro;
    Josiane Veloso;
      Miuria Goes;
       Rejane Brito;
SUMÁRIO
     Pré-
  Modernismo?
    Contexto
    Histórico;
 Caracterização;
      Na Musica;
      Na Pintura;
     Na literatura;
      Na Poesia;
       Na prosa;

 Autores e suas
     Obra;
     Lima Barreto;
  Euclides da Cunha;
    Monteiro Lobato;
     Graça Aranha;
PRÉ-MODERNISMO?
 O Pré-Modernismo ou período sincrético não
constitui uma escola literária...
CONTEXTO HISTÓRICO
    (no rio de janeiro, são paulo, Nordeste)
                         Revolta da Chibata
                          (João Cândido)




  Guerra do contestado                        Revolta da Vacina
     (1912-1916)
                                               (varíola-1904)
A Era do cangaço
                                                        (Lampião)



As greves operárias (em
      São Paulo)




                          o fanatismo religioso do
                                Padre Cícero


                          Antônio Conselheiro e a
                            Guerra de Canudos
“ (...) o momento histórico
                                    brasileiro interferiu na
    CARACTERIZAÇÃO                    produção literária,
                                  marcando a transição dos
                                  valores estéticos do século
                                     XIX para uma nova
 O Pré-Modernismo é uma         realidade que se desenhava
 literatura de Crítica Social.               (...)”
                                   “Precisamos descobrir o
 Desmistifica o                            Brasil!
 Romantismo e seu                    Escondido atrás das
                                          florestas,
 Nacionalismo Ufanista.            Com a água dos rios no
                                             meio,
 Mostra o Brasil real, com      Subdivisão das
                                    O Brasil está dormindo,
 seus Conflitos Político-                 coitado!”
                                 Características Pré-
 Sociais.
                                 Modernista estão:de
                                     Carlos Drummond
                                 Andrade
 Portanto, um                        Na Musica;
 Nacionalismo Crítico-                Na Pintura;
                                      Na Literatura;
 Amargo.                              Na Poesia;
                                      Na Prosa;
NA MÚSICA
Música Popular:                             Música Erudita:
Ritmos: o maxixe,                          Destacou-se o cearense
 toada, modinha e serena                    Alberto Nepomuceno;
 ta, crescimento                             Intenções naturalistas;
 do carnaval ao sucesso
 de compositores como
 Chiquinha Gonzaga e o
                                      “O sertão vai
 nascimento do samba em
                                      virar mar, dá no
 sua versão recente.
“... a vizinhança concluiu logo que   coração... Um
o major aprendia a tocar violão.      medo que algum
Mas que coisa? Um homem tão           dia o mar
sério metido nessas malandragens!”    também vire
       (Lima Barreto, Policarpo       sertão...”
              Quaresma)
NA PINTURA
 Pouco se influenciou
 pelas renovações;
 Permanecia o estilo
 Acadêmico;
 Resumia-se a temas e a
 ambientes da elite;
 Rodolfo Amoedo –
 Más notícias;
NA PINTURA BRASILEIRA
  (1913)
Lasar Segall;
Obra revolucionária;




                        Anita Malffati (1917);
                         Renovação artística;
NA LITERATURA
Um traço conservador
   A permanência de características realistas/naturalistas, na
      prosa, e a permanência de um poesia de caráter ainda
      parnasiano ou simbolista.

Um traço renovador
   Esse traço renovador — como ocorreu na música — revela-
  se no interesse com que os novos escritores analisaram a
  realidade brasileira de sua época: a literatura incorpora as
  tensões sociais do período.
   Ruptura com o passado;
   Denuncia da realidade brasileira;
   Regionalismo;
   Tipos humanos marginalizados;
   Fatos políticos, econômicos e sociais.
NA POESIA

Poucas novidades;
Prevalecia a poesia Parnasiana;
Augusto dos Anjos –Exceção
                      “Meu coração tem catedrais imensas,
                       Templos de priscas e longíquas datas,
                      Onde um nume de amor, em serenatas,
                       Canta a aleluia virginal das crenças.”
                                  (Vandalismo)
NA PROSA
   Obras crítica e questionadoras;
         Realidade do país;
     Ambiente rural e regional;
     Ambiente urbano e social;
        Ambiente indefinido.
PRINCIPAIS AUTORES o bastante para
                OBS: Não avançaram
                                             ser considerados modernos.
                 Lima                         • A literatura popular e
                Barreto                        suburbana de Lima Barreto.
                                              • A proposta modernizadora
Euclides                                       de Graça Aranha.
                                  Monteiro
  da
 Cunha
                                  Lobato      • As manifestações polêmicas
                 Pré -                         de Monteiro Lobato.
               Modernistas
                                              • A erudição assombrosa de
                                               Euclides da Cunha.

                             Augusto          • A poesia escatológica de
      Graça                                    Augusto dos Anjos.
                               dos
      Aranha
                              Anjos
LIMA BARRETO -    A LITERATURA
POPULAR E SUBURBANA
               Triste Fim de Policarpo Quaresma
                Lima Barreto procurou "escrever
                brasileiro", com simplicidade. Para
               isso, teve de ignorar muitas vezes as
                  normas gramaticais e de estilo,
                    provocando a ira dos meios
                   acadêmicos conservadores e
                            parnasianos.
―Lima Barreto,
 simbolicamente, aponta as
  engrenagens da História:
 Pátria, ao fim e ao cabo, é
  uma construção, não um
  sonho; é um processo de
enfrentamento da realidade,
  não de idealismo. Amar a
Pátria significa participar da
criação de todos, para todos
 - Policarpo Quaresma está
vivo dentro dos que querem
 um país que abrigue todos
        os brasileiros.‖
          (Flávia Suassuna)
Novela da Rede Globo- Fera Ferida (1994)
                                             O enredo foi inspirado no universo ficcional
                                             de Lima Barreto, mais especificamente nos
                                             romances Clara dos Anjos, Recordações
                                              do Escrivão Isaías Caminha, Triste Fim
                                             de Policarpo Quaresma, Vida e Morte de
                                              M. J. Gonzaga de Sá, e em personagens
                                              dos contos Nova Califórnia e O Homem
                                                       que Sabia Javanês.




  O livro conta a história de um químico
misterioso que aparece na pequena cidade
     de Tubiacanga e realiza a incrível
experiência de transformar ossos humanos
 em ouro. Tem início, assim, uma deliciosa
   paródia à corrida do ouro do final do
    século XIX nos Estados Unidos, já
  transformada em novela de televisão.
EUCLIDES CUNHA-           A ERUDIÇÃO
ASSOMBROSA
             Quando irrompeu o movimento de
              Canudos, São Paulo colaborou
               com o país na repressão do
             conflito, mandando para o teatro
                da luta o Batalhão Paulista.
              Euclides foi encarregado pelo
             jornal Estado de S. Paulo para
             acompanhar como observador
              de guerra o movimento rebelde
             chefiado por Antônio Conselheiro
             no arraial de Canudos, em pleno
                       sertão baiano.
 Euclides não ficou até a
derrubada de Canudos.
Mas conseguiu reunir
material para, durante
cinco anos, elaborar Os
Sertões (1902).
 Euclides conseguiu ficar
 internacionalmente
 famoso com a publicação
 desta obra-prima.
 Ele foi o primeiro escritor
 brasileiro a diagnosticar o
 subdesenvolvimento do
 Brasil.
“O Sertanejo é,
 antes de tudo, um
      forte.”
(Euclides da Cunha)
 O escritor morreu em 1909. Ao
       saber que sua esposa, mais
    conhecida como Ana de Assis, o
    abandonara pelo jovem tenente
        Dilermando de Assis, que
  aparentemente já tinha sido ou era
   seu amante há tempos - e a quem
   Euclides atribuía a paternidade de
  um dos filhos de Ana, "a espiga de
 milho no meio do cafezal" (querendo
    dizer que era o único louro numa
família de tez morena) -, saiu armado
      na direção da casa do militar,
       disposto a matar ou morrer.
   Dilermando era campeão de tiro e
   matou-o. Tudo indica que o matou
 lealmente, tanto que foi absolvido na
Justiça Militar. Ana casou-se com ele.
 O corpo de Euclides foi examinado
    pelo médico e escritor Afrânio
Peixoto, que também assinou o laudo
   e viria mais tarde a ocupar a sua
  cadeira na Academia Brasileira de
   Letras.( minissérie DESEJO em
                  1990)
MONTEIRO LOBATO –                     AS
MANIFESTAÇÕES POLEMICAS
              Num artigo publicado em 1917, Monteiro
             Lobato reagiu assim à exposição de Anita
             Malfatti, no jornal O Estado de São Paulo:

                       "Há duas espécies de artistas.
                       Uma composta dos que veem
                        normalmente as coisas e em
                       consequência fazem arte pura.
                       (...) A outra espécie é formada
                       dos que veem anormalmente a
                     natureza e a interpretam à luz das
                     teorias efêmeras, sob a sugestão
                       estrábica de escolas rebeldes,
                      surgidas cá e lá como furúnculos
                          da cultura excessiva. São
                          produtos do cansaço e do
                     sadismo de todos os períodos da
                                decadência(...)―
                       (in Paranóia ou mistificação? )
A Exposição de Pintura Moderna de Anita Malfatti foi realizada em São Paulo,
    entre 12 de dezembro de 1917 e 11 de janeiro de 1918, e é considerada o
"estopim" da Semana de Arte Moderna de 1922. O impacto das telas de Anita tem
a ver com seu aspecto expressionista, novo para os padrões da arte brasileira de
                                    então
“Urupês” é uma série de 14 contos, tendo como
                                     ênfase a vida do caboclo, através de seus costumes,
                                                     crenças e tradições.

                                    A joia do livro é a personificação da figura do
                                    caboclo, criando o famoso personagem ―Jeca
“Pobre Jeca Tatu! Como és bonito     Tatu‖, apelidado de urupê (uma espécie de
 no romance e feio na realidade!”   fungo parasita). Vive "e vegeta de cócoras", à
          Urupês                    base da lei do menor esforço, alimentando-se
                                     e curando-se daquilo que a natureza lhe dá,
                                             alheio a tudo o que se passa.
                                      Com a personagem Jeca Tatu, um típico
                                     caipira acomodado e miserável do interior
                                    paulista, Lobato critica a face de um Brasil
                                     agrário, atrasado e ignorante, cheio de
                                      vícios e vermes. Seu ideal era um país
                                      moderno estimulado pela ciência e pelo
                                                     progresso.
                                               “Pobre Jeca Tatu! Como és bonito
                                               no romance e feio na realidade!”
                                                         Urupês
GRAÇA ARANHA –              A PROPOSTA
MODERNIZADORA

                  Professor de direito, promotor
                   público, juiz e diplomata, o
                 maranhense Graça Aranha teve
                  uma vida movimentada em 62
                   anos: acompanhou Joaquim
                 Nabuco como seu secretário na
                 Inglaterra, e mais tarde seria ele
                próprio diplomata na Noruega, na
                   Holanda e na França. Foi no
                período de diplomacia que lançou
                seu livro mais famoso, o romance
                          Canaã(1902).
“Uma tese simples porém equivocada, a da
superioridade de certas raças sobre outras, com base
  em ideias filosóficas ou psicológicas duvidosas. A
  palavra instinto, por exemplo, aparece dezenas de
 vezes nas 285 páginas de Canaã, mas não associada
 à psicanálise de Sigmund Freud (neste época Freud
        já havia escrito, entre outras obras, A
     Psicopatologia da Vida Cotidiana), mas a
 conceitos como o de evolução, mencionado apenas
     de passagem por Darwin em A Origem das
Espécies e desenvolvido de maneira equivocada por
     Herbert Spencer: a evolução vista como um
  confronto de seres inferiores versus superiores. Os
  colonos alemães são vistos como símbolos de uma
realidade onde as pessoas são, pela própria natureza,
 melhor talhadas para a realização de grandes obras.
Já o mulato é visto quase sempre como representante
 de uma classe ou indolente ou até trabalhadora, mas
     que não tem nenhuma grandeza.” (por Fábio
          Fernandes, em O viajante Imóvel)
“(...) É o contraste entre o racismo
 e o universalismo, entre a 'lei da
    força' e a 'lei do amor' que
   polariza ideologicamente, em
 Canaã, as atitudes do imigrante
     europeu diante da sua nova
              morada.”
AUGUSTO DOS ANJOS –                   A
POESIA ESCATOLÓGICA
              Embora formado em Direito
               foi professor de Literatura a
                         vida toda.
                 Poeta que explorou as
                temáticas da podridão, da
              decomposição e dos terrores
                         noturnos.
                      Publicou : Eu
                       Pessimista;
                    Poeta simbolista;
                 Termos considerados
                antipoéticos e inquietantes.
“Já o verme - este
  operário das
     ruínas-
  Que o sangue
    podre das
   carnificinas
Come e à vida em
  geral declara
    guerra”.
Concluindo
...
http://www.literaturaeshow.com.br/2011/02/duas-musicas-para-entendermos-o-pre.html
http://cult.nucleo.inf.br/index.php?option=com_content&view=article&id=98:a-literatura-no-pre-
 modernismo&catid=131:estilo-literario&Itemid=136
http://cult.nucleo.inf.br/index.php?option=com_content&view=article&id=99:a-literatura-nas-
 vanguardas-europeias&catid=131:estilo-literario&Itemid=137
http://www.profeneida.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=276:pre-
 modernismo-teoria&catid=62:pre-modernismo&Itemid=129
http://www.mundoeducacao.com.br/literatura/premodernismo.htm
http://www.coladaweb.com/literatura/pre-modernismo
http://www.colegioweb.com.br/literatura/caracteristicas-do-pre-modernismo.html
http://wapedia.mobi/pt/Pr%C3%A9-Modernismo
BOSI, Alfredo. A Literatura Brasileira: vol. V - O Pré-Modernismo, 4ª ed., São Paulo: Cultrix,
 1973.
FARACO, Carlos e MOURA, Francisco. Língua e Literatura, volume 3, Ática, São Paulo, 2ª ed.,
 1983115
http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/historia-literatura-411313.shtml
http://www.mundovestibular.com.br/articles/355/1/TRISTE-FIM-DE-POLICARPO-QUARESMA---
 Lima-Barreto-Resumo/Paacutegina1.html
TV CULTURA on line
Pré   modernismo walbea

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
NAPNE
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
Lucélia Rodrigues
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
CrisBiagio
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
ma.no.el.ne.ves
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
Elaine Chiullo
 
A poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzagaA poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzaga
ma.no.el.ne.ves
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
CrisBiagio
 
Barroco
Barroco Barroco
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
jasonrplima
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
Tereza Honoria
 

Mais procurados (20)

Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
 
A poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzagaA poesia de tomás antônio gonzaga
A poesia de tomás antônio gonzaga
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Conhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barrocaConhecendo a arte barroca
Conhecendo a arte barroca
 

Destaque

Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Danielle Carvalho
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Parnasianismo 3ªº a
Parnasianismo 3ªº aParnasianismo 3ªº a
Parnasianismo 3ªº a
Governo de Rondônia
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
professorakarin2013
 
3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
Luan02
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
José Ricardo Lima
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Blog Estudo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Newltemberg Santos
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
Ana Karina Silva
 

Destaque (12)

Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Parnasianismo 3ªº a
Parnasianismo 3ªº aParnasianismo 3ªº a
Parnasianismo 3ªº a
 
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karinPré modernismo (1902- 1922) profª karin
Pré modernismo (1902- 1922) profª karin
 
3 8 graça aranha
3 8 graça aranha3 8 graça aranha
3 8 graça aranha
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo I
Pré modernismo IPré modernismo I
Pré modernismo I
 

Semelhante a Pré modernismo walbea

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Cláudia Heloísa
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
CrisBiagio
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
Colégio Elisa Andreoli
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
VIVIAN TROMBINI
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Andrezza Cameski
 
Pré
PréPré
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Renata Haratani
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
Mônica D'Almenery
 
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte BrasileiraEstudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
portunhol
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
liceuterceiroc
 
pré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptxpré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptx
almeidaluana280
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Walace Cestari
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
GabrielLessa19
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
jojopaiva
 

Semelhante a Pré modernismo walbea (20)

Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
O pre modernismo
O pre modernismoO pre modernismo
O pre modernismo
 
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian TrombiniO Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
O Pré - Modernismo - Professora Vivian Trombini
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Pré
PréPré
Pré
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte BrasileiraEstudo da Literatura, História e Arte Brasileira
Estudo da Literatura, História e Arte Brasileira
 
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºCPortugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
Portugues - PRÉ-MODERNISMO. LICEU CUIABANO 3ºC
 
pré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptxpré modernismo, principais autores br.pptx
pré modernismo, principais autores br.pptx
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
[SLIDES] Aula 19 - Pré-modernismo.pptx
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 

Mais de Miuria Goes

helenismo
helenismohelenismo
helenismo
Miuria Goes
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
Miuria Goes
 
Casa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo IIICasa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo III
Miuria Goes
 
poriferos e cnidarios
poriferos e cnidariosporiferos e cnidarios
poriferos e cnidarios
Miuria Goes
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
Miuria Goes
 
Energia dos rios e marés
Energia dos rios e marésEnergia dos rios e marés
Energia dos rios e marés
Miuria Goes
 
A favor do desmatamento
A favor do desmatamentoA favor do desmatamento
A favor do desmatamento
Miuria Goes
 
Trabalho de geografia corrupção
Trabalho de geografia   corrupçãoTrabalho de geografia   corrupção
Trabalho de geografia corrupção
Miuria Goes
 

Mais de Miuria Goes (8)

helenismo
helenismohelenismo
helenismo
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Casa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo IIICasa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo III
 
poriferos e cnidarios
poriferos e cnidariosporiferos e cnidarios
poriferos e cnidarios
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
 
Energia dos rios e marés
Energia dos rios e marésEnergia dos rios e marés
Energia dos rios e marés
 
A favor do desmatamento
A favor do desmatamentoA favor do desmatamento
A favor do desmatamento
 
Trabalho de geografia corrupção
Trabalho de geografia   corrupçãoTrabalho de geografia   corrupção
Trabalho de geografia corrupção
 

Pré modernismo walbea

  • 1. CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE ITAITUBA – LTDA CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS
  • 2. ESTUDOS Pré- TEÓRICOS DA Modernismo LITERATURA I Docente: Walbea Lúcia
  • 3. ACADÊMICOS: André Ronilson; Azenate Borges; Camyla Castro; Josiane Veloso; Miuria Goes;  Rejane Brito;
  • 4. SUMÁRIO  Pré- Modernismo?  Contexto Histórico;  Caracterização;  Na Musica;  Na Pintura;  Na literatura;  Na Poesia;  Na prosa;  Autores e suas Obra; Lima Barreto;  Euclides da Cunha;  Monteiro Lobato;  Graça Aranha;
  • 5. PRÉ-MODERNISMO? O Pré-Modernismo ou período sincrético não constitui uma escola literária...
  • 6. CONTEXTO HISTÓRICO (no rio de janeiro, são paulo, Nordeste) Revolta da Chibata (João Cândido) Guerra do contestado Revolta da Vacina (1912-1916) (varíola-1904)
  • 7. A Era do cangaço (Lampião) As greves operárias (em São Paulo) o fanatismo religioso do Padre Cícero Antônio Conselheiro e a Guerra de Canudos
  • 8. “ (...) o momento histórico brasileiro interferiu na CARACTERIZAÇÃO produção literária, marcando a transição dos valores estéticos do século XIX para uma nova  O Pré-Modernismo é uma realidade que se desenhava literatura de Crítica Social. (...)” “Precisamos descobrir o  Desmistifica o Brasil! Romantismo e seu Escondido atrás das florestas, Nacionalismo Ufanista. Com a água dos rios no meio,  Mostra o Brasil real, com Subdivisão das O Brasil está dormindo, seus Conflitos Político- coitado!” Características Pré- Sociais. Modernista estão:de Carlos Drummond Andrade  Portanto, um  Na Musica; Nacionalismo Crítico-  Na Pintura;  Na Literatura; Amargo.  Na Poesia;  Na Prosa;
  • 9. NA MÚSICA Música Popular: Música Erudita: Ritmos: o maxixe, Destacou-se o cearense toada, modinha e serena Alberto Nepomuceno; ta, crescimento  Intenções naturalistas; do carnaval ao sucesso de compositores como Chiquinha Gonzaga e o “O sertão vai nascimento do samba em virar mar, dá no sua versão recente. “... a vizinhança concluiu logo que coração... Um o major aprendia a tocar violão. medo que algum Mas que coisa? Um homem tão dia o mar sério metido nessas malandragens!” também vire (Lima Barreto, Policarpo sertão...” Quaresma)
  • 10. NA PINTURA  Pouco se influenciou pelas renovações;  Permanecia o estilo Acadêmico;  Resumia-se a temas e a ambientes da elite;  Rodolfo Amoedo – Más notícias;
  • 11. NA PINTURA BRASILEIRA (1913) Lasar Segall; Obra revolucionária; Anita Malffati (1917); Renovação artística;
  • 12. NA LITERATURA Um traço conservador  A permanência de características realistas/naturalistas, na prosa, e a permanência de um poesia de caráter ainda parnasiano ou simbolista. Um traço renovador  Esse traço renovador — como ocorreu na música — revela- se no interesse com que os novos escritores analisaram a realidade brasileira de sua época: a literatura incorpora as tensões sociais do período.  Ruptura com o passado;  Denuncia da realidade brasileira;  Regionalismo;  Tipos humanos marginalizados;  Fatos políticos, econômicos e sociais.
  • 13. NA POESIA Poucas novidades; Prevalecia a poesia Parnasiana; Augusto dos Anjos –Exceção “Meu coração tem catedrais imensas, Templos de priscas e longíquas datas, Onde um nume de amor, em serenatas, Canta a aleluia virginal das crenças.” (Vandalismo)
  • 14. NA PROSA Obras crítica e questionadoras; Realidade do país; Ambiente rural e regional; Ambiente urbano e social; Ambiente indefinido.
  • 15. PRINCIPAIS AUTORES o bastante para OBS: Não avançaram ser considerados modernos. Lima • A literatura popular e Barreto suburbana de Lima Barreto. • A proposta modernizadora Euclides de Graça Aranha. Monteiro da Cunha Lobato • As manifestações polêmicas Pré - de Monteiro Lobato. Modernistas • A erudição assombrosa de Euclides da Cunha. Augusto • A poesia escatológica de Graça Augusto dos Anjos. dos Aranha Anjos
  • 16. LIMA BARRETO - A LITERATURA POPULAR E SUBURBANA Triste Fim de Policarpo Quaresma  Lima Barreto procurou "escrever brasileiro", com simplicidade. Para isso, teve de ignorar muitas vezes as normas gramaticais e de estilo, provocando a ira dos meios acadêmicos conservadores e parnasianos.
  • 17. ―Lima Barreto, simbolicamente, aponta as engrenagens da História: Pátria, ao fim e ao cabo, é uma construção, não um sonho; é um processo de enfrentamento da realidade, não de idealismo. Amar a Pátria significa participar da criação de todos, para todos - Policarpo Quaresma está vivo dentro dos que querem um país que abrigue todos os brasileiros.‖ (Flávia Suassuna)
  • 18. Novela da Rede Globo- Fera Ferida (1994) O enredo foi inspirado no universo ficcional de Lima Barreto, mais especificamente nos romances Clara dos Anjos, Recordações do Escrivão Isaías Caminha, Triste Fim de Policarpo Quaresma, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá, e em personagens dos contos Nova Califórnia e O Homem que Sabia Javanês. O livro conta a história de um químico misterioso que aparece na pequena cidade de Tubiacanga e realiza a incrível experiência de transformar ossos humanos em ouro. Tem início, assim, uma deliciosa paródia à corrida do ouro do final do século XIX nos Estados Unidos, já transformada em novela de televisão.
  • 19. EUCLIDES CUNHA- A ERUDIÇÃO ASSOMBROSA Quando irrompeu o movimento de Canudos, São Paulo colaborou com o país na repressão do conflito, mandando para o teatro da luta o Batalhão Paulista. Euclides foi encarregado pelo jornal Estado de S. Paulo para acompanhar como observador de guerra o movimento rebelde chefiado por Antônio Conselheiro no arraial de Canudos, em pleno sertão baiano.
  • 20.  Euclides não ficou até a derrubada de Canudos. Mas conseguiu reunir material para, durante cinco anos, elaborar Os Sertões (1902).  Euclides conseguiu ficar internacionalmente famoso com a publicação desta obra-prima.  Ele foi o primeiro escritor brasileiro a diagnosticar o subdesenvolvimento do Brasil.
  • 21. “O Sertanejo é, antes de tudo, um forte.” (Euclides da Cunha)
  • 22.  O escritor morreu em 1909. Ao saber que sua esposa, mais conhecida como Ana de Assis, o abandonara pelo jovem tenente Dilermando de Assis, que aparentemente já tinha sido ou era seu amante há tempos - e a quem Euclides atribuía a paternidade de um dos filhos de Ana, "a espiga de milho no meio do cafezal" (querendo dizer que era o único louro numa família de tez morena) -, saiu armado na direção da casa do militar, disposto a matar ou morrer. Dilermando era campeão de tiro e matou-o. Tudo indica que o matou lealmente, tanto que foi absolvido na Justiça Militar. Ana casou-se com ele.  O corpo de Euclides foi examinado pelo médico e escritor Afrânio Peixoto, que também assinou o laudo e viria mais tarde a ocupar a sua cadeira na Academia Brasileira de Letras.( minissérie DESEJO em 1990)
  • 23. MONTEIRO LOBATO – AS MANIFESTAÇÕES POLEMICAS Num artigo publicado em 1917, Monteiro Lobato reagiu assim à exposição de Anita Malfatti, no jornal O Estado de São Paulo: "Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem normalmente as coisas e em consequência fazem arte pura. (...) A outra espécie é formada dos que veem anormalmente a natureza e a interpretam à luz das teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. São produtos do cansaço e do sadismo de todos os períodos da decadência(...)― (in Paranóia ou mistificação? )
  • 24. A Exposição de Pintura Moderna de Anita Malfatti foi realizada em São Paulo, entre 12 de dezembro de 1917 e 11 de janeiro de 1918, e é considerada o "estopim" da Semana de Arte Moderna de 1922. O impacto das telas de Anita tem a ver com seu aspecto expressionista, novo para os padrões da arte brasileira de então
  • 25. “Urupês” é uma série de 14 contos, tendo como ênfase a vida do caboclo, através de seus costumes, crenças e tradições. A joia do livro é a personificação da figura do caboclo, criando o famoso personagem ―Jeca “Pobre Jeca Tatu! Como és bonito Tatu‖, apelidado de urupê (uma espécie de no romance e feio na realidade!” fungo parasita). Vive "e vegeta de cócoras", à Urupês base da lei do menor esforço, alimentando-se e curando-se daquilo que a natureza lhe dá, alheio a tudo o que se passa. Com a personagem Jeca Tatu, um típico caipira acomodado e miserável do interior paulista, Lobato critica a face de um Brasil agrário, atrasado e ignorante, cheio de vícios e vermes. Seu ideal era um país moderno estimulado pela ciência e pelo progresso. “Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade!” Urupês
  • 26. GRAÇA ARANHA – A PROPOSTA MODERNIZADORA Professor de direito, promotor público, juiz e diplomata, o maranhense Graça Aranha teve uma vida movimentada em 62 anos: acompanhou Joaquim Nabuco como seu secretário na Inglaterra, e mais tarde seria ele próprio diplomata na Noruega, na Holanda e na França. Foi no período de diplomacia que lançou seu livro mais famoso, o romance Canaã(1902).
  • 27. “Uma tese simples porém equivocada, a da superioridade de certas raças sobre outras, com base em ideias filosóficas ou psicológicas duvidosas. A palavra instinto, por exemplo, aparece dezenas de vezes nas 285 páginas de Canaã, mas não associada à psicanálise de Sigmund Freud (neste época Freud já havia escrito, entre outras obras, A Psicopatologia da Vida Cotidiana), mas a conceitos como o de evolução, mencionado apenas de passagem por Darwin em A Origem das Espécies e desenvolvido de maneira equivocada por Herbert Spencer: a evolução vista como um confronto de seres inferiores versus superiores. Os colonos alemães são vistos como símbolos de uma realidade onde as pessoas são, pela própria natureza, melhor talhadas para a realização de grandes obras. Já o mulato é visto quase sempre como representante de uma classe ou indolente ou até trabalhadora, mas que não tem nenhuma grandeza.” (por Fábio Fernandes, em O viajante Imóvel)
  • 28. “(...) É o contraste entre o racismo e o universalismo, entre a 'lei da força' e a 'lei do amor' que polariza ideologicamente, em Canaã, as atitudes do imigrante europeu diante da sua nova morada.”
  • 29. AUGUSTO DOS ANJOS – A POESIA ESCATOLÓGICA  Embora formado em Direito foi professor de Literatura a vida toda.  Poeta que explorou as temáticas da podridão, da decomposição e dos terrores noturnos.  Publicou : Eu  Pessimista;  Poeta simbolista;  Termos considerados antipoéticos e inquietantes.
  • 30. “Já o verme - este operário das ruínas- Que o sangue podre das carnificinas Come e à vida em geral declara guerra”.
  • 32. http://www.literaturaeshow.com.br/2011/02/duas-musicas-para-entendermos-o-pre.html http://cult.nucleo.inf.br/index.php?option=com_content&view=article&id=98:a-literatura-no-pre- modernismo&catid=131:estilo-literario&Itemid=136 http://cult.nucleo.inf.br/index.php?option=com_content&view=article&id=99:a-literatura-nas- vanguardas-europeias&catid=131:estilo-literario&Itemid=137 http://www.profeneida.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=276:pre- modernismo-teoria&catid=62:pre-modernismo&Itemid=129 http://www.mundoeducacao.com.br/literatura/premodernismo.htm http://www.coladaweb.com/literatura/pre-modernismo http://www.colegioweb.com.br/literatura/caracteristicas-do-pre-modernismo.html http://wapedia.mobi/pt/Pr%C3%A9-Modernismo BOSI, Alfredo. A Literatura Brasileira: vol. V - O Pré-Modernismo, 4ª ed., São Paulo: Cultrix, 1973. FARACO, Carlos e MOURA, Francisco. Língua e Literatura, volume 3, Ática, São Paulo, 2ª ed., 1983115 http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/historia-literatura-411313.shtml http://www.mundovestibular.com.br/articles/355/1/TRISTE-FIM-DE-POLICARPO-QUARESMA--- Lima-Barreto-Resumo/Paacutegina1.html TV CULTURA on line