SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Normatizações
Princípios  da  qualidade  em  Eventos
Mas o que é Normatização?
“o processo de formulação e aplicação de regras para a solução ou prevenção de
problemas, com a cooperação de todos os interessados, e, em particular, para a
promoção da economia global. No estabelecimento dessas regras recorre-­‐se à
tecnologia como o instrumento para estabelecer, de forma objetiva e neutra, as
condições que possibilitem que o produto, projeto, processo, sistema, pessoa, bem
ou serviço atendam às finalidades a que se destinam, sem se esquecer dos aspectos
de segurança.
Norma é o documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo
reconhecido, que fornece regras, diretrizes ou características mínimas para
atividades ou para seus resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de
ordenação em um dado contexto.
A norma é, por princípio, de uso voluntário, mas quase sempre é usada por
representar o consenso sobre o estado da arte de determinado assunto, obtido
entre especialistas das partes interessadas.”
(http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
As  Normas
• Tornam o desenvolvimento, a fabricação e o fornecimento de produtos e serviços
mais eficientes, mais seguros e mais limpos;
• Facilitam o comércio entre países tornando-­‐o mais justo;
• Fornecem aos governos uma base técnica para saúde, segurança e legislação
ambiental, e avaliação da conformidade;
• Compartilham os avanços tecnológicos e a boa prática de gestão;
• Disseminam a inovação;
• Protegem os consumidores e usuários em geral, de produtos e serviços; e
• Tornam a vida mais simples provendo soluções para problemas comuns.
(http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
As  Normas
“As normas asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como
qualidade, segurança, confiabilidade, eficiência, intercambialidade, bem como
respeito ambiental – e tudo isto a um custo econômico.
Quando os produtos e serviços atendem às nossas expectativas, tendemos a tomar
isso como certo e a não ter consciência do papel das normas. Rapidamente, nos
preocupamos quando produtos se mostram de má qualidade, não se encaixam, são
incompatíveis com equipamentos que já temos, não são confiáveis ou são perigosos.
Quando os produtos, sistemas, máquinas e dispositivos trabalham bem e com
segurança, quase sempre é porque eles atendem às normas.
As normas têm uma enorme e positiva contribuição para a maioria dos aspectos de
nossas vidas. Quando elas estão ausentes, logo notamos.”
(http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
Objetivo  das  normatizações
O objetivo da normalização é o estabelecimento de soluções, por consenso das
partes interessadas, para assuntos que têm caráter repetitivo, tornando-­‐se uma
ferramenta poderosa na autodisciplina dos agentes ativos dos mercados, ao
simplificar os assuntos, e evidenciando ao legislador se é necessária regulamentação
específica em matérias não cobertas por normas.
Qualquer norma é considerada uma referência idônea do mercado a que se destina,
sendo por isso usada em processos: de regulamentação, de acreditação, de
certificação, de metrologia, de informação técnica, e nas relações comerciais Cliente
– Fornecedor.
São objetivos, segundo o ABNT ISO/IEC Guia 2:2006, dentre outros:
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/objetivos
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/objetivos
Importância  e  Benefícios
As normas asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como
qualidade, segurança, confiabilidade, eficiência, intercambiabilidade, bem como
respeito ambiental – e tudo isto a um custo econômico.
Quando os produtos e serviços atendem às nossas expectativas, tendemos a tomar
isso certo e a não ter consciência do papel das normas. Rapidamente, nos
preocupamos quando produtos se mostram de má qualidade, não se encaixam, são
incompatíveis com equipamentos que já temos, não são confiáveis ou são perigosos.
Quando os produtos, sistemas, máquinas e dispositivos trabalham bem e com
segurança, quase sempre é porque eles atendem às normas.
As normas têm uma contribuição enorme e positiva para a maioria dos aspectos de
nossas vidas. Quando elas estão ausentes, logo notamos. São inúmeros os benefícios
trazidos pela normalização para a sociedade, mesmo que ela não se dê conta disso.
São exemplos de benefícios técnicos, econômicos e sociais obtidos com as normas
em setores da vida e do trabalho:
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
• A padronização das roscas de parafusos ajuda a fixar cadeiras, bicicletas para
crianças e aeronaves, bem como resolve os problemas de reparo e manutenção
causados pela falta de padronização, que antes eram um grande problema para
os fabricantes e usuários de produtos.
• As normas que estabelecem um consenso internacional em terminologia tornam
a transferência de tecnologia mais fácil e segura. Elas são uma etapa importante
no avanço de novas tecnologias e na difusão da inovação.
• Sem as dimensões padronizadas de contêineres de carga, o comércio
internacional seria mais lento e mais caro.
• Sem a normalização de telefones e de cartões bancários, a vida seria mais
complicada.
• A falta de normalização pode até afetar a própria qualidade de vida de pessoas
com deficiência, por exemplo, quando são barradas no acesso a produtos de
consumo, transportes e edifícios públicos, se as dimensões das cadeiras de rodas
e as entradas não forem padronizadas.
• Símbolos normalizados fornecem avisos de perigo e informações através das
fronteiras linguísticas.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
Importância  e  Benefícios
Importância  e  Benefícios
• O consenso sobre os graus de diferentes materiais permite uma referência
comum para fornecedores e clientes nos negócios.
• Um acordo sobre um número suficiente de variações de um produto para
atender às aplicações mais atuais permite economias de escala com benefícios
no custo para produtores e consumidores. Um exemplo é a padronização dos
tamanhos de papel.
• A normalização dos requisitos de desempenho ou de segurança de
equipamentos garante que as necessidades dos usuários serão atendidas, ao
mesmo tempo em que permite que fabricantes individualmente tenham a
liberdade de projetar suas próprias soluções sobre como atender a essas
necessidades.
• Protocolos de computador normalizados permitem que os produtos de
diferentes fornecedores "conversem" entre si.
• Documentos normalizados aceleram o trânsito de mercadorias ou identificam as
cargas sensíveis ou perigosas que podem ser manuseadas por pessoas que falam
línguas diferentes.
• A padronização de conexões e interfaces de todos os tipos assegura a
compatibilidade dos equipamentos de origens diversas e a interoperabilidade de
diferentes tecnologias.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
Importância  e  Benefícios
• Um acordo sobre métodos de ensaio permite comparações significativas de
produtos, ou desempenha um papel importante no controle da poluição, por
ruído, vibração ou emissões de poluentes.
• As normas de segurança para máquinas protegem as pessoas no trabalho, no
lazer, no mar -­‐ e até mesmo no dentista.
• Sem o acordo internacional contido nas normas técnicas sobre grandezas e
unidades métricas, as compras e o comércio seriam puro acaso, a ciência não
seria científica e o desenvolvimento tecnológico seria deficiente.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
Quem  sem  beneficia  com  as  normas?
Para as empresas, a adoção de normas significa que os fornecedores podem
desenvolver e oferecer produtos e serviços que atendam às especificações que têm
ampla aceitação em seus setores. Empresas que utilizam Normas Internacionais
podem competir em muito mais mercados ao redor do mundo.
Para os inovadores de novas tecnologias, as normas sobre aspectos como
terminologia, compatibilidade e segurança, aceleram a disseminação das inovações
e seu desenvolvimento em produtos possíveis de serem fabricados e negociados.
Para os clientes, a compatibilidade da tecnologia em todo o mundo, que é atingida
quando produtos e serviços são baseados em normas, fornece aos clientes uma
ampla gama de ofertas. Eles também se beneficiam dos efeitos da concorrência
entre fornecedores.
Para os governos, as normas proporcionam as bases tecnológicas e científicas que
sustentam a saúde, a segurança e a legislação ambiental.
Para o comércio internacional, as Normas Internacionais criam uma "igualdade"
para todos os concorrentes nesses mercados. A existência de normas nacionais ou
regionais divergentes pode criar barreiras técnicas ao comércio. As Normas
Internacionais são os recursos técnicos pelos quais a política de acordos comerciais
pode ser colocada em prática.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
Quem  sem  beneficia  com  as  normas?
Para os países em desenvolvimento, as Normas Internacionais que representam um
consenso internacional sobre o estado da arte, são uma fonte importante de know-­‐
how tecnológico. Ao definir as características dos produtos e serviços esperados
para atender aos mercados de exportação, as Normas Internacionais fornecem aos
países em desenvolvimento uma base para tomar as decisões certas ao investir seus
escassos recursos, e assim evitando desperdícios.
Para os consumidores, a conformidade dos produtos e serviços de acordo com as
normas oferece garantias sobre sua qualidade, segurança e confiabilidade.
Para qualquer pessoa, as normas contribuem para a qualidade de vida, em geral
assegurando que o transporte, máquinas e ferramentas utilizados sejam seguros.
Para o planeta que habitamos, as normas sobre a qualidade do ar, da água e dos
solos, sobre as emissões de gases e de radiação e sobre os aspectos ambientais de
produtos, podem contribuir para os esforços em preservar o meio ambiente.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
Níveis  de  normatização
É o alcance geográfico, político ou econômico de envolvimento na normalização, que
pode ser realizada no âmbito de:
a) um país específico – denominada Normalização Nacional;
b) uma única região geográfica, econômica ou política do mundo – denominada
Normalização Regional;
c) vários países do mundo – denominada Normalização Internacional.
De forma sistematizada a Normalização é executada por organismos que contam
com a participação das partes interessadas no assunto objeto da normalização e que
têm como principal função a elaboração, aprovação e divulgação de normas.
Os níveis da normalização costumam ser representados por uma pirâmide, que tem
em sua base a normalização empresarial, seguida da nacional e da regional, ficando
no topo a normalização internacional.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
Níveis  de  normatização
Nível internacional: Normas técnicas, de abrangência mundial, estabelecidas por um
Organismo Internacional de Normalização. São reconhecidas pela Organização
Mundial do Comércio (OMC) como a base para o comércio internacional.
Exemplo: International Organization for Standardization (ISO)
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
Níveis  de  normatização
Nível regional: Normas técnicas estabelecidas por um Organismo Regional de
Normalização para aplicação em um conjunto de países (uma região, como a Europa
ou o Mercosul). São denominadas Normas Regionais e aplicáveis ao conjunto de
países representados no Organismo Regional.
Exemplo: Normas da Associação Mercosul de normalização (AMN) ou Comitê
Europeu de Normalização (CEN).
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
Níveis  de  normatização
Nível nacional: Normas elaboradas pelas partes interessadas (governo, indústrias,
consumidores e comunidade científica de um país) e emitidas por um Organismo
Nacional de Normalização, reconhecido como autoridade para torná-­‐las públicas.
Aplicam-­‐se ao mercado de um país e, frequentemente, são reconhecidas pelo seu
ordenamento jurídico como a referência para as transações comerciais.
Normalmente são voluntárias, isto é, cabe aos agentes econômicos decidirem se as
usam ou não como referência técnica para uma transação.
Exemplo: Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou Associação
Alemã de Normas Técnicas (DIN).
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
Níveis  de  normatização
Nível de associação: Normas desenvolvidas no âmbito de entidades associativas e
técnicas para o uso de seus associados. Mas, também, chegam a ser utilizadas de
forma mais ampla, podendo se tornar referências importantes no comércio em
geral.
Exemplo: American Society for Testing and Materials (ASTM), IBAMA, ONG’s...
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
Níveis  de  normatização
Nível empresarial: Normas elaboradas por uma empresa ou grupo de empresas com
a finalidade de orientar as compras, a fabricação, as vendas e outras operações.
Exemplo: Normas Petrobras ou procedimentos de gestão da qualidade.
http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
ISO’s
ISO  significa  International Organization for  Standardization,  ou  seja,  Organização  
Internacional  para  Padronização/Normatização  e  seu  grande  objetivo  é  melhorar  a  
qualidade  de  produtos  e  serviços.
As  ISO  e  a  qualidade!
Quando  falamos  de  qualidade,  as  normas  ISO  são  formadas  com  um  direcionamento  
a  Gestão  de  Qualidade,  sendo  as  principais:
ISO  9000
É composto por um conjunto de normas relacionadas a gestão da qualidade: ISO
9000, ISO 9001, ISO 9004 e ISO 19011 e podem ser aplicada em diversos níveis de
organizações, como indústrias, empresas, instituições, etc e se referem a qualidade
dos processos da organização e não dos produtos ou serviços. Esse grupo de normas
descreve regras relacionadas a implantação, desenvolvimento, avaliação e
continuidade do Sistema de Gestão da Qualidade. Elas se tornaram oficiais a partir
de 1987, baseada em normas britânicas e ainda hoje, vem sofrendo revisões.
ISO  9000
O sistema ISO fornece uma infinidade de técnicas para a otimização dos processos
internos de uma indústria, empresa ou instituição. A aplicação dessas é profícua
para a empresa, uma vez que são posturas flexíveis, todas estudadas e
fundamentadas para a melhor satisfação do cliente. A padronização fornecida pelo
sistema ISO é aconselhável para qualquer instituição que quiser lucrar, beneficiando
ambos os lados: oferta e demanda.
ISO  9000
Principais  normas  da  Família  ISO  9000:
ISO  9001 -­‐ orientações  sobre  a  qualidade  dos  projetos,  bem  como  o  seu  
desenvolvimento,  produção,  instalação  e  manutenção.  É  uma  das  normas  mais  
específicas  e  mostra  como  deve  ser  cada  processo  da  empresa.  Ela  envolve  as  
normas  9002  e  9003.
ISO  9004 -­‐ estabelece  as  diretrizes  para  o  sucesso  sustentado  -­‐ orientações  básicas  
para  a  implantação  do  sistema  de  gestão  da  qualidade.
ISO  19011 -­‐ possui  as  diretrizes  para  auditorias  de  sistema  de  gestão.
ISO  9001
Ela é a norma que certifica os Sistemas de Gestão da Qualidade e define os
requisitos para a implantação desse sistema. Este documento que possui
ferramentas de padronização, é um modelo seguro para a implantação da Gestão da
Qualidade.
O objetivo da norma é trazer confiança ao cliente de que os produtos e serviços da
empresa serão criados de modo repetitivo e consistente, afim de que adquira uma
qualidade, de acordo com aquilo que foi definido pela empresa.
Qualquer empresa pública ou privada pode obter essa certificação com base na ISO
9001, independente do seu setor, produto/serviço oferecido. Esse documento é um
recurso valioso para a gestão da empresa, pois agrupa um conjunto de práticas de
gestão de empresas do mundo todo. Quando a empresa se certifica nesta norma,
ela terá competência para utilizar uma famosa ferramenta da qualidade: o Ciclo
PDCA (Plan-­‐Do-­‐Check-­‐Action) que significa planejar, fazer, checar e agir.
ISO  9001  – Princípios  da  Gestão  da  Qualidade
Foco no Cliente: os funcionários devem trabalhar para atender o cliente de forma
satisfatória e agradável, pois sem eles a empresa não obteria a sua fidelização.
Liderança: deve ter solidez e estar por dentro dos avanços do mercado da empresa.
Além disso, a organização deve oferecer as ferramentas necessárias para que os
liderados executem os processos com eficácia.
Abordagem de Processo: é a relação entre funcionários e as tarefas que são
executadas na empresa, além da relação entre a entrada e saída desses processos e
a oferta de recursos para que a atividade seja bem desempenhada.
Abordagem Sistêmica para a Gestão: os processos devem ser visualizados como um
sistema, onde tudo que faz parte do sistema interaja. A partir disso, os processos
poderão ser avaliados e organizados.
Envolvimento das Pessoas: conforme explica o conceito de Gestão da Qualidade, a
equipe de trabalho é um dos principais recursos da empresa.
Melhoria Contínua: nesse princípio, a equipe adquire o conhecimento de como os
processos devem ser feitos para atingirem a qualidade..
ISO  9001  – Princípios  da  Gestão  da  Qualidade
Abordagem Factual para Tomada de Decisões: através dos indicadores, das
auditorias e análises feitas através do Sistema de Gestão da Qualidade, os gestores
poderão verificar as oportunidades e desafios da empresa e assim tomar decisões
que auxiliarão na melhoria dos serviços e produtos.
Benefícios Mútuos nas Relações com os Fornecedores: tanto funcionários, quanto
fornecedores estabelecem uma relação de parceria com a empresa. Com esse
tratamento, prazos e preços contribuem para a qualidade dos produtos e serviços
Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade
O objetivo de utilizar essas ferramentas é chegar a um grau de eficiência/eficácia em
uma determinada atividade ou processo.
Mas, deve-­‐se ter profissionais capacitados para que as ferramentas sejam aplicadas
de maneira correta, pois senão corre-­‐se o risco de ter resultados incorretos.
Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade
Técnicas e Ferramentas da Qualidade
PDCA (Plan, Do, Check, Act), criado por Walter Andrew Sherwart: Traduzindo para o
português, Planejar, Fazer, Verificar, Agir (PFVA). Esse é um processo fundamental do
melhoramento e da qualidade.
Primeiramente, se planeja, ou seja, estabelecer metas, objetivos e modelos de
desempenho, rotinas, etc. Em segundo, se faz, se mede o desempenho real. A
próxima etapa é verificar, onde o indivíduo fará um balanço entre os objetivos e o
desempenho e determinará a diferença deles. Por último, deve-­‐se agir: executar
tudo e aperfeiçoar sem esbanjar.
Essas técnicas são necessárias para agradar o cliente, uma vez que na gestão de
qualidade a preocupação não é apenas com a produção, mas com a qualidade.
Outra coisa é aumentar a capacidade de cumprimento dos objetivos traçados no
plano inicial.
Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade
Fordismo
A preocupação de Ford foi apenas com a produção da sua indústria. Visava o lucro
das produções em massa, tanto é que, ele só produzia carros na cor preta, pois
secavam rápido e daria tempo de montar mais automóveis. Não há dúvida de que
seu modelo mecânico inovou no segmento industrial, mas não houve preocupação
com a qualificação e supervisão em todos os setores de produção.
Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade
Produção japonesa ou Toyotismo
Com um sistema sem pressa na produção, todo material era verificado, em todos os níveis
de produção, da primeira peça a finalização da montagem. Além disso, Tinha fiscalização
por meio de auditores para ver se estava tudo funcionando satisfatoriamente. Também
havia inspeção dos equipamentos utilizados em cada etapa, bem como a avaliação dos
fornecedores. A partir de um sistema de gestão flexível e inteligente, se evitou
desperdícios, trabalhos desnecessários, problemas de comunicação, materiais, possíveis
despesas com produtos inválidos, que não tinham mais função, correção dos objetos com
defeito, um reexame dos produtos e do trabalho, bem como a triagem de peças de carro,
por exemplo, que poderiam ser vendidas a preços inferiores.
Outra coisa era a análise de falhas. As falhas externas são em relação a produtos que não
agradaram o cliente e retroagem; outros que apresentam defeitos, que é o custo da
garantia dos produtos. Custos com as reclamações, alterações contratuais e o impacto na
reputação da empresa.
Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade
Técnicas para Gerenciamento da Qualidade
1) Planejamento: consiste na identificação dos padrões de um projeto.
2) Garantia de Qualidade: está relacionado a garantia da qualidade;
3) Controle de qualidade: está relacionado a fiscalização e supervisão. Dentro do
controle de qualidade, há ramificações do conceito: Gerenciamento das diretrizes,
por processo e rotina. A principal ideia desse primeiro gerenciamento é o modelo
IDEIA, incentivar a geração de ideias; Desenvolver iniciativas com produtos
significativos; Estabelecer consenso em relação a melhoria; Intensificar contatos;
Assegurar a coerência entre as normas e ações, com objetivos claros e definidos.
ISO  26000  – Responsabilidade  social
Negócios e organizações não operam no vácuo. Seu relacionamento com a
sociedade e com o meio ambiente em que operam, é um fator crítico em sua
habilidade de continuar operando efetivamente. E isso é cada vez mais usado como
uma medida para sua performance global.
A ISO 26000 providencia uma orientação de como os negócios e as organizações
podem operar de forma socialmente responsável. Isso significa agir de forma ética e
transparente, contribuindo assim para a saúde e bem estar da sociedade.
http://www.iso.org/iso/home/standards/iso26000.htm
ISO  20121  – Eventos  Sustentáveis
A ISO 20121:2012 especifica os requisitos para um evento do sistema de gestão de
sustentabilidade para todo tipo de evento ou de atividades relacionadas a eventos,
além de providenciar uma orientação na conformidade desses requisitos
Ela é aplicável para qualquer organização que deseje:
Estabelecer, implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de
sustentabilidade de eventos;
Garantir isso é uma conformidade com a política de desenvolvimento sustentável
estabelecida;
Demonstrar voluntariado em conformidade com a ISO 20121:2012 pela primeira
parte (autodeterminação e autodeclaração), segunda parte (confirmação da
conformidade pelas partes interessadas na organização, tais como clientes ou outras
pessoas em seu nome) ou uma terceira parte independente (tais como organismos
de certificação)
ISO  20121:2012  foi  designada  resolver  a  gestão  de  uma  melhor  sustentabilidade  
durante  todo  ciclo  de  gestão  de  eventos.
http://www.iso.org/iso/home/store/catalogue_tc/catalogue_detail.htm?csnumber=54552
PENSANDO  NO  EVENTO
O seu evento deve ser pensado de forma a garantir a satisfação de seu cliente
através da qualidade de processos de serviços e produtos, bem como garantir a
integridade da sociedade envolvida direta ou indiretamente antes, durante e depois.
Carnaval  na  Vila  Madalena
Maravilhoso  para  quem  frequenta!  Mas  é  bom  para  os  moradores  locais?
Ano  novo  na  Praia
Maravilhoso  para  quem  frequenta!  Mas  é  bom  o  meio  ambiente?
Atividade
Desenvolver, em grupos, uma lista de relações necessárias em determinados
eventos, para garantir a qualidade do mesmo. Pensar sempre na qualidade do
evento para com o cliente e para com a sociedade.
-­‐ CASAMENTO/DEBUTANTE;
-­‐ CORPORATIVO;
-­‐ FORMATURA;
-­‐ ESPORTIVO;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leito fluidizado
Leito fluidizadoLeito fluidizado
Leito fluidizadoAndersonNiz
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´spapacampos
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..rehcah
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfCASA
 
Lean manufacturing 4-implementação
Lean manufacturing   4-implementaçãoLean manufacturing   4-implementação
Lean manufacturing 4-implementaçãojparsilva
 
Haccp auditoria-checklist
Haccp auditoria-checklistHaccp auditoria-checklist
Haccp auditoria-checklistlurdidapk
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoEmmanuel Souza
 
Apresentação da Empresa
Apresentação da EmpresaApresentação da Empresa
Apresentação da EmpresaAssistebem
 
Relatório de vitamina c joão paulo
Relatório de vitamina c joão pauloRelatório de vitamina c joão paulo
Relatório de vitamina c joão pauloJoão Paulo Silva
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalJanielson Lima
 
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-PrivadaConcessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-PrivadaFernando Uva Rossa
 
redação empresarial
 redação empresarial redação empresarial
redação empresarialEstudante
 

Mais procurados (20)

Leito fluidizado
Leito fluidizadoLeito fluidizado
Leito fluidizado
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
 
Iso9000..
Iso9000..Iso9000..
Iso9000..
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
Gestor Sistema Integrado - SGI ( ISO 9001- ISO 14001 - 45001)
Gestor Sistema Integrado - SGI ( ISO 9001- ISO 14001 - 45001)Gestor Sistema Integrado - SGI ( ISO 9001- ISO 14001 - 45001)
Gestor Sistema Integrado - SGI ( ISO 9001- ISO 14001 - 45001)
 
Teoria das Filas
Teoria das FilasTeoria das Filas
Teoria das Filas
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
 
Componentes orgânicos: Vitaminas
Componentes orgânicos: VitaminasComponentes orgânicos: Vitaminas
Componentes orgânicos: Vitaminas
 
Lean manufacturing 4-implementação
Lean manufacturing   4-implementaçãoLean manufacturing   4-implementação
Lean manufacturing 4-implementação
 
Haccp auditoria-checklist
Haccp auditoria-checklistHaccp auditoria-checklist
Haccp auditoria-checklist
 
Kaizen
KaizenKaizen
Kaizen
 
Aguas industriais
Aguas industriaisAguas industriais
Aguas industriais
 
Antraquinonas
AntraquinonasAntraquinonas
Antraquinonas
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismo
 
Apresentação da Empresa
Apresentação da EmpresaApresentação da Empresa
Apresentação da Empresa
 
Relatório de vitamina c joão paulo
Relatório de vitamina c joão pauloRelatório de vitamina c joão paulo
Relatório de vitamina c joão paulo
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
 
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-PrivadaConcessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada
Concessão de Serviço Público e Parceria Público-Privada
 
Administração farmacêutica aula 01
Administração farmacêutica aula 01Administração farmacêutica aula 01
Administração farmacêutica aula 01
 
redação empresarial
 redação empresarial redação empresarial
redação empresarial
 

Destaque

Diagramas de ishikawa y hija de control
Diagramas de ishikawa y hija de controlDiagramas de ishikawa y hija de control
Diagramas de ishikawa y hija de controldnny94
 
Aula 10 7 ppan_2014_pdf
Aula 10 7 ppan_2014_pdfAula 10 7 ppan_2014_pdf
Aula 10 7 ppan_2014_pdfNey Azevedo
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidorcrrrs
 
A ética nos meios de comunicação
A ética nos meios de comunicaçãoA ética nos meios de comunicação
A ética nos meios de comunicaçãoElder Leite
 
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...Jonas Viega
 
Ética no marketing
Ética no marketingÉtica no marketing
Ética no marketingcrrrs
 
Propaganda e Ética
Propaganda e ÉticaPropaganda e Ética
Propaganda e ÉticaMa Rina
 
Normalização de dados - Primeira forma normal
Normalização de dados - Primeira forma normalNormalização de dados - Primeira forma normal
Normalização de dados - Primeira forma normalvitorleyva
 
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicaçãoLaércio Góes
 
Power point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletivaPower point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletivaHelena Cordeiro
 
Ética e Publicitária
Ética e PublicitáriaÉtica e Publicitária
Ética e Publicitáriaguest23d358
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploRudileine Fonseca
 
Gerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do ProjetoGerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do ProjetoMarco Rosner
 
Treinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�adoTreinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�adoogerente
 
Ética: conceitos e aspectos filosóficos
Ética: conceitos e aspectos filosóficosÉtica: conceitos e aspectos filosóficos
Ética: conceitos e aspectos filosóficosMarcel Gois
 
Responsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no MarketingResponsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no MarketingNicholas Gimenes
 

Destaque (20)

Diagramas de ishikawa y hija de control
Diagramas de ishikawa y hija de controlDiagramas de ishikawa y hija de control
Diagramas de ishikawa y hija de control
 
Os 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de demingOs 14 pontos da filosofia de deming
Os 14 pontos da filosofia de deming
 
Pmbok qualidadde
Pmbok qualidaddePmbok qualidadde
Pmbok qualidadde
 
Marketing e ética
Marketing e éticaMarketing e ética
Marketing e ética
 
Ética em Marketing
Ética em MarketingÉtica em Marketing
Ética em Marketing
 
Aula 10 7 ppan_2014_pdf
Aula 10 7 ppan_2014_pdfAula 10 7 ppan_2014_pdf
Aula 10 7 ppan_2014_pdf
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidor
 
A ética nos meios de comunicação
A ética nos meios de comunicaçãoA ética nos meios de comunicação
A ética nos meios de comunicação
 
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q  Ética e Legislação em...
Como não fazer Publicidade, Conar Anexos C, J, K, L, Q Ética e Legislação em...
 
Ética no marketing
Ética no marketingÉtica no marketing
Ética no marketing
 
Propaganda e Ética
Propaganda e ÉticaPropaganda e Ética
Propaganda e Ética
 
Normalização de dados - Primeira forma normal
Normalização de dados - Primeira forma normalNormalização de dados - Primeira forma normal
Normalização de dados - Primeira forma normal
 
Ética da comunicação
Ética da comunicaçãoÉtica da comunicação
Ética da comunicação
 
Power point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletivaPower point etica individual e coletiva
Power point etica individual e coletiva
 
Ética e Publicitária
Ética e PublicitáriaÉtica e Publicitária
Ética e Publicitária
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
 
Gerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do ProjetoGerenciamento De Qualidade Do Projeto
Gerenciamento De Qualidade Do Projeto
 
Treinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�adoTreinamento Kanban Avan�ado
Treinamento Kanban Avan�ado
 
Ética: conceitos e aspectos filosóficos
Ética: conceitos e aspectos filosóficosÉtica: conceitos e aspectos filosóficos
Ética: conceitos e aspectos filosóficos
 
Responsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no MarketingResponsabilidade Social e Ética no Marketing
Responsabilidade Social e Ética no Marketing
 

Semelhante a Princípios da qualidade em eventos

Artigo normalização e normas técnicas
Artigo normalização e normas técnicasArtigo normalização e normas técnicas
Artigo normalização e normas técnicasSextante_Consultoria
 
Artigo uso normas técnicas pelo governo
Artigo uso normas técnicas pelo governoArtigo uso normas técnicas pelo governo
Artigo uso normas técnicas pelo governoSextante_Consultoria
 
Artigo a importância da normalização para as mpe
Artigo a importância da normalização para as mpeArtigo a importância da normalização para as mpe
Artigo a importância da normalização para as mpeSextante_Consultoria
 
Artigo normalização 7( autorizado)
Artigo normalização 7( autorizado)Artigo normalização 7( autorizado)
Artigo normalização 7( autorizado)Adelaide Helena
 
Edital petrobrás
Edital petrobrásEdital petrobrás
Edital petrobrásvicarol
 
Procedimento soldagem
Procedimento soldagemProcedimento soldagem
Procedimento soldagemmarcelloc0
 
Edital petrobrás
Edital petrobrásEdital petrobrás
Edital petrobrásvicarol
 
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)Inmetro
 
Inmetro Manual de Barreiras Tecnicas
Inmetro Manual de Barreiras TecnicasInmetro Manual de Barreiras Tecnicas
Inmetro Manual de Barreiras TecnicasBarreiras Comerciais
 
FIESP Guia de medidas regulatorias
FIESP Guia de medidas regulatoriasFIESP Guia de medidas regulatorias
FIESP Guia de medidas regulatoriasBarreiras Comerciais
 
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...Sistema FIEB
 
1 um modelo de gestao de riscos
1   um modelo de gestao de riscos1   um modelo de gestao de riscos
1 um modelo de gestao de riscosEduardo Sampaio
 

Semelhante a Princípios da qualidade em eventos (20)

Normalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas TécnicasNormalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas Técnicas
 
Abnt perguntas frequentes
Abnt perguntas frequentesAbnt perguntas frequentes
Abnt perguntas frequentes
 
Artigo normalização e normas técnicas
Artigo normalização e normas técnicasArtigo normalização e normas técnicas
Artigo normalização e normas técnicas
 
Uso de Normas Técnicas pelo Governo
Uso de Normas Técnicas pelo GovernoUso de Normas Técnicas pelo Governo
Uso de Normas Técnicas pelo Governo
 
Cartilha cni normalização
Cartilha cni normalizaçãoCartilha cni normalização
Cartilha cni normalização
 
Artigo uso normas técnicas pelo governo
Artigo uso normas técnicas pelo governoArtigo uso normas técnicas pelo governo
Artigo uso normas técnicas pelo governo
 
Padronização de processos e procedimentos
Padronização de processos e procedimentosPadronização de processos e procedimentos
Padronização de processos e procedimentos
 
Artigo a importância da normalização para as mpe
Artigo a importância da normalização para as mpeArtigo a importância da normalização para as mpe
Artigo a importância da normalização para as mpe
 
As normas iso 14000
As normas iso 14000As normas iso 14000
As normas iso 14000
 
Artigo normalização 7( autorizado)
Artigo normalização 7( autorizado)Artigo normalização 7( autorizado)
Artigo normalização 7( autorizado)
 
Edital petrobrás
Edital petrobrásEdital petrobrás
Edital petrobrás
 
Procedimento soldagem
Procedimento soldagemProcedimento soldagem
Procedimento soldagem
 
Edital petrobrás
Edital petrobrásEdital petrobrás
Edital petrobrás
 
Abnt nbr iso_12207
Abnt nbr iso_12207Abnt nbr iso_12207
Abnt nbr iso_12207
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
 
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
Manual de Barreiras Técnicas às Exportações (2014)
 
Inmetro Manual de Barreiras Tecnicas
Inmetro Manual de Barreiras TecnicasInmetro Manual de Barreiras Tecnicas
Inmetro Manual de Barreiras Tecnicas
 
FIESP Guia de medidas regulatorias
FIESP Guia de medidas regulatoriasFIESP Guia de medidas regulatorias
FIESP Guia de medidas regulatorias
 
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...
Convergências, oportunidades e desafios das normas ABNT NBR ISO 26000 e ABNT...
 
1 um modelo de gestao de riscos
1   um modelo de gestao de riscos1   um modelo de gestao de riscos
1 um modelo de gestao de riscos
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...E-Commerce Brasil
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxvaniapatriciapimente
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdflucianatorresdemelo
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...E-Commerce Brasil
 
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIAMERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIARAFAELREBELO13
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxCarladeOliveira25
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...E-Commerce Brasil
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfReinerModro
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxEduardoRodriguesOliv2
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.E-Commerce Brasil
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...E-Commerce Brasil
 

Último (12)

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
Digitalização do varejo| Clienting no varejo: dados e tendências sobre relaci...
 
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
 
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
Digitalização do varejo | A importância do engajamento e fidelização de clien...
 
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIAMERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
MERCADO LIVRE DE ENERGIA - QUALIDADE NO USO DA ENERGIA
 
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptxsistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
sistema de transporte brasil - 7 ano.pptx
 
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
Digitalização do varejo | Tecnologia na gestão do negócio: como alavancar a e...
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptxCavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
Cavaleiros do Futebol: Equipamentos e Moda para Campeões.pptx
 
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.Digitalização de varejo | Importe ou morra.
Digitalização de varejo | Importe ou morra.
 
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
Digitalização do varejo | Como a logística pode ajudar na melhor experiência ...
 

Princípios da qualidade em eventos

  • 2. Mas o que é Normatização? “o processo de formulação e aplicação de regras para a solução ou prevenção de problemas, com a cooperação de todos os interessados, e, em particular, para a promoção da economia global. No estabelecimento dessas regras recorre-­‐se à tecnologia como o instrumento para estabelecer, de forma objetiva e neutra, as condições que possibilitem que o produto, projeto, processo, sistema, pessoa, bem ou serviço atendam às finalidades a que se destinam, sem se esquecer dos aspectos de segurança. Norma é o documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece regras, diretrizes ou características mínimas para atividades ou para seus resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. A norma é, por princípio, de uso voluntário, mas quase sempre é usada por representar o consenso sobre o estado da arte de determinado assunto, obtido entre especialistas das partes interessadas.” (http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
  • 3. As  Normas • Tornam o desenvolvimento, a fabricação e o fornecimento de produtos e serviços mais eficientes, mais seguros e mais limpos; • Facilitam o comércio entre países tornando-­‐o mais justo; • Fornecem aos governos uma base técnica para saúde, segurança e legislação ambiental, e avaliação da conformidade; • Compartilham os avanços tecnológicos e a boa prática de gestão; • Disseminam a inovação; • Protegem os consumidores e usuários em geral, de produtos e serviços; e • Tornam a vida mais simples provendo soluções para problemas comuns. (http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
  • 4. As  Normas “As normas asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como qualidade, segurança, confiabilidade, eficiência, intercambialidade, bem como respeito ambiental – e tudo isto a um custo econômico. Quando os produtos e serviços atendem às nossas expectativas, tendemos a tomar isso como certo e a não ter consciência do papel das normas. Rapidamente, nos preocupamos quando produtos se mostram de má qualidade, não se encaixam, são incompatíveis com equipamentos que já temos, não são confiáveis ou são perigosos. Quando os produtos, sistemas, máquinas e dispositivos trabalham bem e com segurança, quase sempre é porque eles atendem às normas. As normas têm uma enorme e positiva contribuição para a maioria dos aspectos de nossas vidas. Quando elas estão ausentes, logo notamos.” (http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/o-­‐que-­‐e)
  • 5. Objetivo  das  normatizações O objetivo da normalização é o estabelecimento de soluções, por consenso das partes interessadas, para assuntos que têm caráter repetitivo, tornando-­‐se uma ferramenta poderosa na autodisciplina dos agentes ativos dos mercados, ao simplificar os assuntos, e evidenciando ao legislador se é necessária regulamentação específica em matérias não cobertas por normas. Qualquer norma é considerada uma referência idônea do mercado a que se destina, sendo por isso usada em processos: de regulamentação, de acreditação, de certificação, de metrologia, de informação técnica, e nas relações comerciais Cliente – Fornecedor. São objetivos, segundo o ABNT ISO/IEC Guia 2:2006, dentre outros: http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/objetivos
  • 7. Importância  e  Benefícios As normas asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como qualidade, segurança, confiabilidade, eficiência, intercambiabilidade, bem como respeito ambiental – e tudo isto a um custo econômico. Quando os produtos e serviços atendem às nossas expectativas, tendemos a tomar isso certo e a não ter consciência do papel das normas. Rapidamente, nos preocupamos quando produtos se mostram de má qualidade, não se encaixam, são incompatíveis com equipamentos que já temos, não são confiáveis ou são perigosos. Quando os produtos, sistemas, máquinas e dispositivos trabalham bem e com segurança, quase sempre é porque eles atendem às normas. As normas têm uma contribuição enorme e positiva para a maioria dos aspectos de nossas vidas. Quando elas estão ausentes, logo notamos. São inúmeros os benefícios trazidos pela normalização para a sociedade, mesmo que ela não se dê conta disso. São exemplos de benefícios técnicos, econômicos e sociais obtidos com as normas em setores da vida e do trabalho: http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
  • 8. • A padronização das roscas de parafusos ajuda a fixar cadeiras, bicicletas para crianças e aeronaves, bem como resolve os problemas de reparo e manutenção causados pela falta de padronização, que antes eram um grande problema para os fabricantes e usuários de produtos. • As normas que estabelecem um consenso internacional em terminologia tornam a transferência de tecnologia mais fácil e segura. Elas são uma etapa importante no avanço de novas tecnologias e na difusão da inovação. • Sem as dimensões padronizadas de contêineres de carga, o comércio internacional seria mais lento e mais caro. • Sem a normalização de telefones e de cartões bancários, a vida seria mais complicada. • A falta de normalização pode até afetar a própria qualidade de vida de pessoas com deficiência, por exemplo, quando são barradas no acesso a produtos de consumo, transportes e edifícios públicos, se as dimensões das cadeiras de rodas e as entradas não forem padronizadas. • Símbolos normalizados fornecem avisos de perigo e informações através das fronteiras linguísticas. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios Importância  e  Benefícios
  • 9. Importância  e  Benefícios • O consenso sobre os graus de diferentes materiais permite uma referência comum para fornecedores e clientes nos negócios. • Um acordo sobre um número suficiente de variações de um produto para atender às aplicações mais atuais permite economias de escala com benefícios no custo para produtores e consumidores. Um exemplo é a padronização dos tamanhos de papel. • A normalização dos requisitos de desempenho ou de segurança de equipamentos garante que as necessidades dos usuários serão atendidas, ao mesmo tempo em que permite que fabricantes individualmente tenham a liberdade de projetar suas próprias soluções sobre como atender a essas necessidades. • Protocolos de computador normalizados permitem que os produtos de diferentes fornecedores "conversem" entre si. • Documentos normalizados aceleram o trânsito de mercadorias ou identificam as cargas sensíveis ou perigosas que podem ser manuseadas por pessoas que falam línguas diferentes. • A padronização de conexões e interfaces de todos os tipos assegura a compatibilidade dos equipamentos de origens diversas e a interoperabilidade de diferentes tecnologias. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
  • 10. Importância  e  Benefícios • Um acordo sobre métodos de ensaio permite comparações significativas de produtos, ou desempenha um papel importante no controle da poluição, por ruído, vibração ou emissões de poluentes. • As normas de segurança para máquinas protegem as pessoas no trabalho, no lazer, no mar -­‐ e até mesmo no dentista. • Sem o acordo internacional contido nas normas técnicas sobre grandezas e unidades métricas, as compras e o comércio seriam puro acaso, a ciência não seria científica e o desenvolvimento tecnológico seria deficiente. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
  • 11. Quem  sem  beneficia  com  as  normas? Para as empresas, a adoção de normas significa que os fornecedores podem desenvolver e oferecer produtos e serviços que atendam às especificações que têm ampla aceitação em seus setores. Empresas que utilizam Normas Internacionais podem competir em muito mais mercados ao redor do mundo. Para os inovadores de novas tecnologias, as normas sobre aspectos como terminologia, compatibilidade e segurança, aceleram a disseminação das inovações e seu desenvolvimento em produtos possíveis de serem fabricados e negociados. Para os clientes, a compatibilidade da tecnologia em todo o mundo, que é atingida quando produtos e serviços são baseados em normas, fornece aos clientes uma ampla gama de ofertas. Eles também se beneficiam dos efeitos da concorrência entre fornecedores. Para os governos, as normas proporcionam as bases tecnológicas e científicas que sustentam a saúde, a segurança e a legislação ambiental. Para o comércio internacional, as Normas Internacionais criam uma "igualdade" para todos os concorrentes nesses mercados. A existência de normas nacionais ou regionais divergentes pode criar barreiras técnicas ao comércio. As Normas Internacionais são os recursos técnicos pelos quais a política de acordos comerciais pode ser colocada em prática. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
  • 12. Quem  sem  beneficia  com  as  normas? Para os países em desenvolvimento, as Normas Internacionais que representam um consenso internacional sobre o estado da arte, são uma fonte importante de know-­‐ how tecnológico. Ao definir as características dos produtos e serviços esperados para atender aos mercados de exportação, as Normas Internacionais fornecem aos países em desenvolvimento uma base para tomar as decisões certas ao investir seus escassos recursos, e assim evitando desperdícios. Para os consumidores, a conformidade dos produtos e serviços de acordo com as normas oferece garantias sobre sua qualidade, segurança e confiabilidade. Para qualquer pessoa, as normas contribuem para a qualidade de vida, em geral assegurando que o transporte, máquinas e ferramentas utilizados sejam seguros. Para o planeta que habitamos, as normas sobre a qualidade do ar, da água e dos solos, sobre as emissões de gases e de radiação e sobre os aspectos ambientais de produtos, podem contribuir para os esforços em preservar o meio ambiente. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/importancia-­‐beneficios
  • 13. Níveis  de  normatização É o alcance geográfico, político ou econômico de envolvimento na normalização, que pode ser realizada no âmbito de: a) um país específico – denominada Normalização Nacional; b) uma única região geográfica, econômica ou política do mundo – denominada Normalização Regional; c) vários países do mundo – denominada Normalização Internacional. De forma sistematizada a Normalização é executada por organismos que contam com a participação das partes interessadas no assunto objeto da normalização e que têm como principal função a elaboração, aprovação e divulgação de normas. Os níveis da normalização costumam ser representados por uma pirâmide, que tem em sua base a normalização empresarial, seguida da nacional e da regional, ficando no topo a normalização internacional. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 15. Níveis  de  normatização Nível internacional: Normas técnicas, de abrangência mundial, estabelecidas por um Organismo Internacional de Normalização. São reconhecidas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) como a base para o comércio internacional. Exemplo: International Organization for Standardization (ISO) http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 16. Níveis  de  normatização Nível regional: Normas técnicas estabelecidas por um Organismo Regional de Normalização para aplicação em um conjunto de países (uma região, como a Europa ou o Mercosul). São denominadas Normas Regionais e aplicáveis ao conjunto de países representados no Organismo Regional. Exemplo: Normas da Associação Mercosul de normalização (AMN) ou Comitê Europeu de Normalização (CEN). http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 17. Níveis  de  normatização Nível nacional: Normas elaboradas pelas partes interessadas (governo, indústrias, consumidores e comunidade científica de um país) e emitidas por um Organismo Nacional de Normalização, reconhecido como autoridade para torná-­‐las públicas. Aplicam-­‐se ao mercado de um país e, frequentemente, são reconhecidas pelo seu ordenamento jurídico como a referência para as transações comerciais. Normalmente são voluntárias, isto é, cabe aos agentes econômicos decidirem se as usam ou não como referência técnica para uma transação. Exemplo: Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou Associação Alemã de Normas Técnicas (DIN). http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 18. Níveis  de  normatização Nível de associação: Normas desenvolvidas no âmbito de entidades associativas e técnicas para o uso de seus associados. Mas, também, chegam a ser utilizadas de forma mais ampla, podendo se tornar referências importantes no comércio em geral. Exemplo: American Society for Testing and Materials (ASTM), IBAMA, ONG’s... http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 19. Níveis  de  normatização Nível empresarial: Normas elaboradas por uma empresa ou grupo de empresas com a finalidade de orientar as compras, a fabricação, as vendas e outras operações. Exemplo: Normas Petrobras ou procedimentos de gestão da qualidade. http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-­‐que-­‐e/niveis-­‐de-­‐normalizacao
  • 20. ISO’s ISO  significa  International Organization for  Standardization,  ou  seja,  Organização   Internacional  para  Padronização/Normatização  e  seu  grande  objetivo  é  melhorar  a   qualidade  de  produtos  e  serviços.
  • 21. As  ISO  e  a  qualidade! Quando  falamos  de  qualidade,  as  normas  ISO  são  formadas  com  um  direcionamento   a  Gestão  de  Qualidade,  sendo  as  principais:
  • 22. ISO  9000 É composto por um conjunto de normas relacionadas a gestão da qualidade: ISO 9000, ISO 9001, ISO 9004 e ISO 19011 e podem ser aplicada em diversos níveis de organizações, como indústrias, empresas, instituições, etc e se referem a qualidade dos processos da organização e não dos produtos ou serviços. Esse grupo de normas descreve regras relacionadas a implantação, desenvolvimento, avaliação e continuidade do Sistema de Gestão da Qualidade. Elas se tornaram oficiais a partir de 1987, baseada em normas britânicas e ainda hoje, vem sofrendo revisões.
  • 23. ISO  9000 O sistema ISO fornece uma infinidade de técnicas para a otimização dos processos internos de uma indústria, empresa ou instituição. A aplicação dessas é profícua para a empresa, uma vez que são posturas flexíveis, todas estudadas e fundamentadas para a melhor satisfação do cliente. A padronização fornecida pelo sistema ISO é aconselhável para qualquer instituição que quiser lucrar, beneficiando ambos os lados: oferta e demanda.
  • 24. ISO  9000 Principais  normas  da  Família  ISO  9000: ISO  9001 -­‐ orientações  sobre  a  qualidade  dos  projetos,  bem  como  o  seu   desenvolvimento,  produção,  instalação  e  manutenção.  É  uma  das  normas  mais   específicas  e  mostra  como  deve  ser  cada  processo  da  empresa.  Ela  envolve  as   normas  9002  e  9003. ISO  9004 -­‐ estabelece  as  diretrizes  para  o  sucesso  sustentado  -­‐ orientações  básicas   para  a  implantação  do  sistema  de  gestão  da  qualidade. ISO  19011 -­‐ possui  as  diretrizes  para  auditorias  de  sistema  de  gestão.
  • 25. ISO  9001 Ela é a norma que certifica os Sistemas de Gestão da Qualidade e define os requisitos para a implantação desse sistema. Este documento que possui ferramentas de padronização, é um modelo seguro para a implantação da Gestão da Qualidade. O objetivo da norma é trazer confiança ao cliente de que os produtos e serviços da empresa serão criados de modo repetitivo e consistente, afim de que adquira uma qualidade, de acordo com aquilo que foi definido pela empresa. Qualquer empresa pública ou privada pode obter essa certificação com base na ISO 9001, independente do seu setor, produto/serviço oferecido. Esse documento é um recurso valioso para a gestão da empresa, pois agrupa um conjunto de práticas de gestão de empresas do mundo todo. Quando a empresa se certifica nesta norma, ela terá competência para utilizar uma famosa ferramenta da qualidade: o Ciclo PDCA (Plan-­‐Do-­‐Check-­‐Action) que significa planejar, fazer, checar e agir.
  • 26. ISO  9001  – Princípios  da  Gestão  da  Qualidade Foco no Cliente: os funcionários devem trabalhar para atender o cliente de forma satisfatória e agradável, pois sem eles a empresa não obteria a sua fidelização. Liderança: deve ter solidez e estar por dentro dos avanços do mercado da empresa. Além disso, a organização deve oferecer as ferramentas necessárias para que os liderados executem os processos com eficácia. Abordagem de Processo: é a relação entre funcionários e as tarefas que são executadas na empresa, além da relação entre a entrada e saída desses processos e a oferta de recursos para que a atividade seja bem desempenhada. Abordagem Sistêmica para a Gestão: os processos devem ser visualizados como um sistema, onde tudo que faz parte do sistema interaja. A partir disso, os processos poderão ser avaliados e organizados. Envolvimento das Pessoas: conforme explica o conceito de Gestão da Qualidade, a equipe de trabalho é um dos principais recursos da empresa. Melhoria Contínua: nesse princípio, a equipe adquire o conhecimento de como os processos devem ser feitos para atingirem a qualidade..
  • 27. ISO  9001  – Princípios  da  Gestão  da  Qualidade Abordagem Factual para Tomada de Decisões: através dos indicadores, das auditorias e análises feitas através do Sistema de Gestão da Qualidade, os gestores poderão verificar as oportunidades e desafios da empresa e assim tomar decisões que auxiliarão na melhoria dos serviços e produtos. Benefícios Mútuos nas Relações com os Fornecedores: tanto funcionários, quanto fornecedores estabelecem uma relação de parceria com a empresa. Com esse tratamento, prazos e preços contribuem para a qualidade dos produtos e serviços
  • 28. Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade O objetivo de utilizar essas ferramentas é chegar a um grau de eficiência/eficácia em uma determinada atividade ou processo. Mas, deve-­‐se ter profissionais capacitados para que as ferramentas sejam aplicadas de maneira correta, pois senão corre-­‐se o risco de ter resultados incorretos.
  • 29. Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade Técnicas e Ferramentas da Qualidade PDCA (Plan, Do, Check, Act), criado por Walter Andrew Sherwart: Traduzindo para o português, Planejar, Fazer, Verificar, Agir (PFVA). Esse é um processo fundamental do melhoramento e da qualidade. Primeiramente, se planeja, ou seja, estabelecer metas, objetivos e modelos de desempenho, rotinas, etc. Em segundo, se faz, se mede o desempenho real. A próxima etapa é verificar, onde o indivíduo fará um balanço entre os objetivos e o desempenho e determinará a diferença deles. Por último, deve-­‐se agir: executar tudo e aperfeiçoar sem esbanjar. Essas técnicas são necessárias para agradar o cliente, uma vez que na gestão de qualidade a preocupação não é apenas com a produção, mas com a qualidade. Outra coisa é aumentar a capacidade de cumprimento dos objetivos traçados no plano inicial.
  • 30. Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade Fordismo A preocupação de Ford foi apenas com a produção da sua indústria. Visava o lucro das produções em massa, tanto é que, ele só produzia carros na cor preta, pois secavam rápido e daria tempo de montar mais automóveis. Não há dúvida de que seu modelo mecânico inovou no segmento industrial, mas não houve preocupação com a qualificação e supervisão em todos os setores de produção.
  • 31. Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade Produção japonesa ou Toyotismo Com um sistema sem pressa na produção, todo material era verificado, em todos os níveis de produção, da primeira peça a finalização da montagem. Além disso, Tinha fiscalização por meio de auditores para ver se estava tudo funcionando satisfatoriamente. Também havia inspeção dos equipamentos utilizados em cada etapa, bem como a avaliação dos fornecedores. A partir de um sistema de gestão flexível e inteligente, se evitou desperdícios, trabalhos desnecessários, problemas de comunicação, materiais, possíveis despesas com produtos inválidos, que não tinham mais função, correção dos objetos com defeito, um reexame dos produtos e do trabalho, bem como a triagem de peças de carro, por exemplo, que poderiam ser vendidas a preços inferiores. Outra coisa era a análise de falhas. As falhas externas são em relação a produtos que não agradaram o cliente e retroagem; outros que apresentam defeitos, que é o custo da garantia dos produtos. Custos com as reclamações, alterações contratuais e o impacto na reputação da empresa.
  • 32. Ferramentas  da  Gestão  da  Qualidade Técnicas para Gerenciamento da Qualidade 1) Planejamento: consiste na identificação dos padrões de um projeto. 2) Garantia de Qualidade: está relacionado a garantia da qualidade; 3) Controle de qualidade: está relacionado a fiscalização e supervisão. Dentro do controle de qualidade, há ramificações do conceito: Gerenciamento das diretrizes, por processo e rotina. A principal ideia desse primeiro gerenciamento é o modelo IDEIA, incentivar a geração de ideias; Desenvolver iniciativas com produtos significativos; Estabelecer consenso em relação a melhoria; Intensificar contatos; Assegurar a coerência entre as normas e ações, com objetivos claros e definidos.
  • 33. ISO  26000  – Responsabilidade  social Negócios e organizações não operam no vácuo. Seu relacionamento com a sociedade e com o meio ambiente em que operam, é um fator crítico em sua habilidade de continuar operando efetivamente. E isso é cada vez mais usado como uma medida para sua performance global. A ISO 26000 providencia uma orientação de como os negócios e as organizações podem operar de forma socialmente responsável. Isso significa agir de forma ética e transparente, contribuindo assim para a saúde e bem estar da sociedade. http://www.iso.org/iso/home/standards/iso26000.htm
  • 34. ISO  20121  – Eventos  Sustentáveis A ISO 20121:2012 especifica os requisitos para um evento do sistema de gestão de sustentabilidade para todo tipo de evento ou de atividades relacionadas a eventos, além de providenciar uma orientação na conformidade desses requisitos Ela é aplicável para qualquer organização que deseje: Estabelecer, implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de sustentabilidade de eventos; Garantir isso é uma conformidade com a política de desenvolvimento sustentável estabelecida; Demonstrar voluntariado em conformidade com a ISO 20121:2012 pela primeira parte (autodeterminação e autodeclaração), segunda parte (confirmação da conformidade pelas partes interessadas na organização, tais como clientes ou outras pessoas em seu nome) ou uma terceira parte independente (tais como organismos de certificação) ISO  20121:2012  foi  designada  resolver  a  gestão  de  uma  melhor  sustentabilidade   durante  todo  ciclo  de  gestão  de  eventos. http://www.iso.org/iso/home/store/catalogue_tc/catalogue_detail.htm?csnumber=54552
  • 35. PENSANDO  NO  EVENTO O seu evento deve ser pensado de forma a garantir a satisfação de seu cliente através da qualidade de processos de serviços e produtos, bem como garantir a integridade da sociedade envolvida direta ou indiretamente antes, durante e depois.
  • 36. Carnaval  na  Vila  Madalena Maravilhoso  para  quem  frequenta!  Mas  é  bom  para  os  moradores  locais?
  • 37. Ano  novo  na  Praia Maravilhoso  para  quem  frequenta!  Mas  é  bom  o  meio  ambiente?
  • 38. Atividade Desenvolver, em grupos, uma lista de relações necessárias em determinados eventos, para garantir a qualidade do mesmo. Pensar sempre na qualidade do evento para com o cliente e para com a sociedade. -­‐ CASAMENTO/DEBUTANTE; -­‐ CORPORATIVO; -­‐ FORMATURA; -­‐ ESPORTIVO;