SlideShare uma empresa Scribd logo
Nome: Ana Carolina Ferreira dos Santos RA: 739039
Psicologia 2º Semestre (Noturno)
Professora: Daniela Haertel
 A Psicologia ganha consistência na Antiguidade com Sócrates (469-399 a.C.);
 Sua principal preocupação era com o limite que separa o homem dos animais;
 A razão permite ao homem, segundo Sócrates, sobrepor-se aos instintos, que
seriam a base da irracionalidade;
 Ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como essência humana,
Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia;
 As teorias da consciência são, de certa forma, frutos dessa primeira
sistematização na Filosofia;
 O passo seguinte é dado por Platão (427- 347a.C.), discípulo de Sócrates. Esse
filósofo procurou definir um “lugar” para a razão no nosso próprio corpo;
 Definiu esse lugar como sendo a cabeça, onde se encontra a alma do homem.
A medula seria, portanto, o elemento de ligação da alma com o corpo. Este
elemento de ligação era necessário porque Platão concebia a alma separada
do corpo;
 Aristóteles (384-322 a.C), discípulo de Platão, foi um dos mais importantes
pensadores da história da Filosofia. Sua contribuição foi inovadora ao postular
que alma e corpo não podem ser dissociados;
 Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que
cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma. Desta forma,
os vegetais, os animais e o homem teriam alma;
 Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de
alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva,
que tem a função de percepção e movimento. E o homem teria os dois níveis
anteriores e a alma racional, que tem a função pensante;
 Portanto, 2 300 anos antes do advento da Psicologia científica, os gregos já
haviam formulado duas “teorias”:
• a platônica, que postulava a imortalidade da alma e a concebia separada do corpo,
e a aristotélica, que afirmava a mortalidade da alma e a sua relação de
pertencimento ao corpo.
 Estudando a psicologia numa dimensão histórico-
social, é possível entender a sua constituição em
ciência e entender seus debates atuais no interior
mesmo das relações sociais desenvolvidas pelos
homens. Concebemos, como primeiro ponto a ser
levado em conta, que a psicologia não é uma
criação mágica ou abstrata. Pelo contrário, é uma
criação humana e bem concreta: inicialmente,
enquanto ideias psicológicas imersas na filosofia;
depois, enquanto disciplina científica, tendo, nos
dois momentos, o objetivo de compreender as
ações, as atitudes, os comportamentos e tantos
outros estados subjetivos humanos que se revelam
dinamicamente na relação dos homens entre si no
mundo em que vivem.
 No começo, foi definida como um estudo subjetivo sem bases científicas, caracterizado pela análise a partir
da observação e projeção. Contudo, no século XIX, Wilhem Wundt decidiu fundar o primeiro laboratório de
psicologia experimental no mundo;
 A psicologia experimental colocava sobre a mesa uma afirmação revolucionária: estudar a mente humana
requer experimentos e bases científicas. Nesse momento é onde podemos observar dois princípios muito
contrários entre si dentro da disciplina da psicologia;
 A mente humana só pode ser estudada através da análise subjetiva e a projeção dos pensamentos;
 A psicologia deve ser uma ciência puramente experimental e empírica;
 A partir deste momento, os estudos psicológicos foram tomando caminhos muito extremos, mas
complementares entre si: desde Freud afirmando que existe uma grande parte submersa de nossa mente
onde reprimimos lembranças, pensamentos e sentimentos até a teoria comportamental de Skinner, onde foi
postulado que podemos fazer uma análise psicológica completa a partir da observação do comportamento;
 Hoje em dia, ambas suposições foram se diversificando e vemos a influência destas teorias em todos os
ramos da psicologia. Sabemos que é extremamente importante que a psicologia se estabeleça como uma
ciência, contudo, não se trata de uma disciplina exata e perfeitamente previsível.
 Wundt postula que o objeto de estudo da Psicologia é
a experiência consciente imediata. Nessa perspectiva,
a Psicologia é uma ciência que investiga como um
sujeito apreende sensações e sentimentos (conteúdos
mentais básicos da experiência imediata);
 Segundo Wundt, os elementos da experiência
imediata são organizados em um todo coerente por
meio da fusão, um processo ativo de organização dos
elementos mentais que, sob controle de um processo
interno de vontade, ordena e sintetiza as sensações e
sentimentos para compor a experiência em um todo
significativo;
 Embora as implicações das obras de Wundt no
desenvolvimento ulterior da História da Psicologia
estejam fora do escopo deste artigo, vale notar que o
trabalho de Wundt deu origem ao estudo
experimental dos fenômenos psicológicos.
 Edward Bradford Titchener (1867 – 1927) Fundador do
Estruturalismo;
 Embora fosse um fiel seguidor de Wundt, Titchener alterou
drasticamente o sistema de psicologia ao levá-lo da Alemanha
para os Estados Unidos;
 Apresentou uma abordagem própria, à qual denominou
Estruturalismo;
 O estruturalismo permaneceu em evidência por cerca de 20 anos
nos Estados Unidos até ser superado por outros movimentos
 Para ele, a principal tarefa da psicologia seria a descoberta da
natureza das experiências conscientes elementares:
A determinação da estrutura da consciência mediante
a análise das suas partes componentes.
 De acordo com Titchener, o objeto de estudo da psicologia é a
experiência consciente como dependente do indivíduo que a
vivencia;
 Estruturalistas – análise do conteúdo da consciência;
 Estruturalistas – introspecção experimental.
 A psicologia experimental, na visão de Titchener, era uma ciência pura. Ele não se preocupava com a
aplicação do conhecimento psicológico;
 Titchener se opunha a Wundt, cujo foco eram as mensurações quantitativas e objetivas, porque
acreditava não serem úteis na análise das sensações e imagens elementares da consciência, ponto
central da sua psicologia;
 Titchener estava interessado em analisar a experiência consciente complexa a partir das partes
componentes;
 Titchener dava ênfase às partes. Alinhado com a maioria dos empiristas e associacionistas britânicos,
o objetivo dele era descobrir os chamados átomos da mente;
 Titchener definiu três estados elementares da consciência:
- O estado da sensação,
- O estado da imagem e
- Os estados afetivos.
 No final de A origem das espécies (1859), Darwin previu que a
psicologia encontraria “uma base segura […] no fundamento […] da
aquisição necessária de cada poder mental e de cada capacidade
mental de forma gradativa” (isto é, através da seleção natural);
 Darwin, naturalista e não psicólogo, viveu bem antes que a Psicologia
se desenvolvesse com a identidade que tem. Apesar disso, expressou
muitas ideias “psicológicas”, que, hoje, constituem-se importantes
campos de pesquisa. Destas, o estabelecimento da “continuidade”
entre os animais humanos e não-humanos talvez seja a mais
reconhecida, ou seja, ciente de, enquanto humanos,
compartilharmos uma origem comum e um núcleo de propriedades
fundamentais, Darwin entendia como absurdo caracterizar um
animal como mais desenvolvido que outro;
 Graças a isto, o desenvolvimento da psicologia comparativa e animal
tornaram-se possíveis. Outra contribuição foi reorientar o estudo do
comportamento instintivo da concepção supernatural, e teológica,
para a, simplesmente, natural;
 Logo, a Teoria de Darwin permanece como importante parte da
Psicologia, a qual nada mais é, segundo a primeira, que um produto
da seleção natural
 Se a mente humana fosse uma evolução das mentes mais primitivas,
haveria semelhanças entre o funcionamento mental dos animais e
dos homens?
 Quando a Psicologia passou a se diferenciar da Biologia, enquanto uma ciência que estuda o
comportamento humano, iniciaram-se esforços dos cientista para descrever o comportamento humano;
 As primeiras escolas de Psicologia eram o Estruturalismo e o Funcionalismo. O Funcionalismo surge nos
EUA como resposta ao Estruturalismo;
 Funcionalismo é uma teoria adaptada para diferentes campos de conhecimento, como a filosofia, a
psicologia e a antropologia. Seu principal objetivo é explicar a sociedade, as ações coletivas e
individuais, a partir de causalidades, ou seja, de funções. Desta forma a sociedade, ou o que se observa
a partir desta teoria, é compreendida como um organismo, composto por órgãos relacionados e com
funções específicas;
 O fundador desta teoria foi Émile Durkheim, um dos fundadores da sociologia. Seu interesse era
compreender quais são os fatores que definem uma sociedade, ou seja, o que faz com que uma
sociedade não seja apenas uma coleção de indivíduos. Por isso ele estudou as estruturas que compõem
uma sociedade, especialmente em nível macro. Outros autores que contribuíram para a teoria
funcionalista foram Hebert Spencer, Talcott Parsons e Robert Merton;
 Ocupa-se da estrutura da mente e suas funções;
 Aplicações em potencial da psicologia aos problemas da vida diária;
 Funcionamento e se adaptação das pessoas a diferentes ambientes;
 Movimento funcionalista provocou um rápido desenvolvimento da Psicologia nos Estados Unidos.
 Os psicólogos perceberam a importância do estudo do comportamento animal para a compreensão do
comportamento humano e concentraram a pesquisa no funcionamento mental dos animais,
introduzindo um novo tópico no laboratório de psicologia;
 Funcionalistas – análise das funções da consciência;
 Tentativa radical de recomeçar, estabelecendo uma nova base científica para a psicologia;
 Essa teoria foi muito influente nos anos 1960 e 1970, porém sofreu muitas críticas, principalmente
por não conseguir explicar a complexidade da sociedade e de seus atores. Para outros, como os
teóricos marxistas, o funcionalismo produzia análises estáticas e conservadoras;
 Seguindo o exemplo de Darwin, os psicólogos que aceitavam a teoria evolucionista e sua ênfase nas
funções da consciência tornaram‐se mais ecléticos em relação a seus métodos de pesquisa,
expandindo, assim, os tipos de informações obtidos;
 Filosofia sintética: ideia de Spencer de que o conhecimento e a experiência podem ser aplicados em
termos de princípios evolutivos;
 WILLIAM JAMES (1842-1910) – Precursor da Psicologia Funcional O maior dos psicólogos dos Estados
Unidos. Não foi o fundador, mas apresentou suas ideias de modo muito eficaz;
 A psicologia não tem como meta a descoberta dos elementos da experiência, mas o estudo sobre a
adaptação dos seres humanos ao meio ambiente. A função da nossa consciência é guiar‐nos aos fins
necessários para a sobrevivência. A consciência é vital para as necessidades dos seres complexos em
um ambiente complexo; de outra forma, a evolução humana não ocorreria;
 A descoberta de elementos mínimos da consciência, por meio da análise introspectiva, não
demonstra que eles existam independentemente de um observador treinado. Os psicólogos realizam
leituras da experiência com base na sua posição sistemática e com o seu ponto de vista.
 FUNDAMENTOS DO FUNCIONALISMO:
-Não houve um movimento formal contra o estruturalismo;
-Não houve psicologia funcional única (Psicologia Aplicada);
-Foi Titchener quem nomeou de Funcionalismo.
 CONTRIBUIÇÕES DO FUNCIONALISMO:
-Incorporação da pesquisa do comportamento animal;
-Estudos sobre bebês, crianças e adultos com dificuldades mentais;
-Método introspectivo e utilização de outros métodos: como pesquisa fisiológica, testes mentais,
questionários e descrições objetivas do comportamento.
 CRÍTICAS AO FUNCIONALISMO:
-Partiam da Escola Estruturalista;
-Afirmavam que não era psicologia.
 Os funcionalistas afirmavam que tanto na psicologia pura como na aplicada era
possível adotar procedimentos científicos rigorosos e também realizar pesquisas
válidas em fábricas, escritórios, salas de aulas, bem como em laboratórios
universitários.
 Psicologia aplicada é a utilização dos dados da psicologia na solução de problemas práticos. Este
ramo reúne as diversas áreas da psicologia clínica, educacional e social, entre outras. O estudo
apresenta como principal objetivo a resposta às necessidades da sociedade em sua estrutura como
um todo;
 A psicologia norte‐americana se orientou muito mais pelas ideias de Darwin, Galton e Spencer do que
pelos trabalhos de Wundt;
 A psicologia de Wundt e o estruturalismo de Titchener não sobreviveriam por muito tempo em sua
forma original no ambiente intelectual dos Estados Unidos – o Zeitgeist norte‐americano;
 1911 – Harry Hollingworth – insistiu em elevados padrões éticos;
 A cultura norte‐americana era voltada ao prático: as pessoas valorizavam o que funcionava.
“Precisamos de uma psicologia que seja prática” – Stanley Hall;
 James, Angell e Dewey, desenvolviam a abordagem funcionalista nos laboratórios acadêmicos – outros
a aplicavam em ambientes fora das universidades;
 Os adeptos da psicologia aplicada inseriram sua psicologia no mundo real, em escolas, fábricas,
agências de publicidade, tribunais, clínicas de orientação infantil e centros de saúde mental.
 Em 1800 não havia laboratórios, em 1900 havia 41;
 Em 1880, não havia publicações norte‐americanas especializadas em
psicologia; em 1895, existiam três;
 Em 1880, os norte‐americanos iam para a Alemanha estudar psicologia; em
1900, havia cerca de 40 programas de doutorado nos EUA;
 Em 1910, mais de 50% dos os artigos de psicologia publicados foram escritos
em alemão e somente 30% em inglês. Em 1933, 52% eram em inglês e
apenas 14% em alemão;
 A publicação britânica Who’s Who in Science, de 1913, afirmava que os
Estados Unidos dominavam o campo da psicologia e contavam com os
principais psicólogos do mundo (84), número maior que o de alemães,
ingleses e franceses somados
 A psicologia não estava avançando apenas nas salas de aula e laboratórios
experimentais, mas também no mundo real;
 1904 – Exibição do Laboratório de Psicologia – estrelas da Psicologia;
 A pesquisa psicológica é dominada pelos norte‐americanos”, os quais realizam
mais pesquisas que os psicólogos em todos os outros países;
 As influências econômicas na psicologia aplicada:
Rápido crescimento da Psicologia – muitos dos formados precisavam procurar empregos em
outros lugares Foi preciso aplicar a psicologia na realidade prática - Educação havia se tornado
um grande negócio.
 Aplicar a Psicologia em que ?
Profissionais em psicologia foram inserindo a psicologia em áreas como: indústria, centros de
testes psicológicos, sistema judiciário e clínicas de saúde mental.
 JAMES McKEEN CATELL (1860‐1944);
 Estudo das diferenças individuais;
 Galton apresentou sua proposta científica – a medição das
diferenças psicológicas entre as pessoas – expressão testes
mentais;
 Cattell tornou‐se um dos primeiros psicólogos
norte‐americanos a destacar a quantificação, a classificação e
a gradação;
 Foi por influência de Galton que Cattell enfatizou a estatística
que viria a caracterizar a nova psicologia norte‐americana;
 Articulador da ligação entre a psicologia e as principais
comunidades científicas. Tornou‐se o embaixador da
psicologia, lecionando, editando revistas e promovendo a
aplicação prática na área.
 Alfred Binet (1857‐1911) – avaliação de funções cognitivas, como memória, atenção,
imaginação e compreensão, proporcionava medidas de inteligência;
 Escala de medida de inteligência Binet‐Simon;
 Escala Stanford‐Binet (Lewis Terman);
 Testes ganharam popularidade na 1ª Guerra Mundial;
 Testes de QI para ingresso nas escolas;
 Escolas públicas nos EUA reorganizadas com base nisso
 Viés cultural nos testes – negros-americanos, imigrantes, latinos
 A contribuição das mulheres para os Testes Psicológicos:
As mulheres eram proibidas de lecionar no ensinos superior em Psicologia e restou-lhes atuar na Psicologia Aplicada.
 Desenho da Figura Humana – Florence L. Goodenough;
 Escala de inteligência infantil de Cattell – Psyche Catell;
 Os empregos em instituições não acadêmicas raramente proporcionam tempo, suporte
financeiro ou assistência de estudantes graduados para a realização de pesquisas e a elaboração
de artigos acadêmicos, que são os principais meios para se atingir a visibilidade profissional.
Nos ambientes da psicologia aplicada, como em uma empresa comercial ou em uma clínica, as
contribuições de um profissional não são reconhecidas fora dos limites da organização;
 A desvalorizar a psicologia aplicada e as contribuições de diversas mulheres pioneiras que
trabalharam em hospitais, clínicas, empresas, institutos de pesquisa e agências militares e
governamentais.
Quociente de inteligência (QI):
número que representa a
inteligência de uma pessoa, obtido
pela seguinte fórmula: idade
mental dividida pela idade
cronológica, multiplicada por 100
 LIGHTNER WITMER (1867‐1956);
 Inaugurou a primeira clínica de psicologia do mundo em
1896;
 Avaliar e tratar os problemas de aprendizagem e
comportamento das crianças em idade escolar;
 Usava o termo “Psicologia Clínica” “O trabalho prático na
psicologia”;
 Clínica de Witmer era interdisciplinar e recebeu crianças
como hiperatividade, dificuldade de aprendizagem e baixo
desempenho motor e oral;
 Acreditava no envolvimento da família e da escola no
tratamento dos pacientes. Se as condições da casa e da
escola fossem melhoradas, a criança melhoraria.
 CRESCIMENTO DA PSICOLOGIA CLÍNICA:
 A mente que encontrou a si mesma - Clifford Beers;
 Psicoterapia - Hugo Münsterberg;
 Sigmund Freud (visita aos EUA em 1909);
 Não foi uma área vista com entusiasmo no início – 1918;
 A Psicologia Clínica cresce a partir de 1940 – 2ª Guerra Mundial;
 As lideranças militares rapidamente concluíram que muitos homens precisavam de ajuda, e
que não havia psicólogos ou orientadores em saúde mental para fazer esse trabalho;
 Atualmente psicologia clínica é a maior área de especialização aplicada, com mais de 1/3
dos estudantes de pós‐graduação matriculados nos programas clínicos.
 O trabalho do profissional raramente ia além da administração de testes 1945,
quase 2 milhões de homens tinham sido rejeitados para o serviço militar por
problemas psiquiátricos 40 mil veteranos de guerra diagnosticados com
problemas psiquiátricos E 3 milhões necessitavam de orientação vocacional e
pessoal para ajudá‐los na retomada da vida civil.
 HUGO MUNSTERBERG (1863-1916);
 Münsterberg escreveu artigos de revista abordando temas como a prevenção
do crime:
 uso de hipnose no interrogatório dos suspeitos;
 aplicação de testes mentais para detectar os culpados;
 aplicação de testes para verificar a honestidade questionável da testemunha ocular.
 1909 – “Psicoterapia” – Münsterberg defende a ideia de que a psicopatologia é
um desajuste comportamental;
 Criticado por Lightner Witmer.
 WALTER DILL SCOTT (1869‐1955);
 Outro aluno de Wundt em Leipzig, Walter Dill Scott, deixou o
universo da pura psicologia introspectiva para aplicar a nova
ciência à publicidade e aos negócios;
 Aplicou a psicologia em seleção de pessoal, administração e
publicidade;
 Primeiro professor de psicologia aplicada;
 Primeira empresa de Consultoria em Psicologia;
 Publicidade – anúncios e cupons;
 Seleção – Scott criou escalas de classificação e testes em grupo
para medir as características das pessoas já bem‐sucedidas
nessas ocupações.
 Criou testes de inteligência e depois testes para serem aplicados em grupos
(mais eficientes e mais econômicos);
 Scott não apenas media a inteligência geral, como também se interessava em
saber como a pessoa empregava a inteligência;
 Testes de inteligência – Media julgamento, rapidez e precisão;
 Esses testes eram diferentes dos que estavam sendo desenvolvidos por Cattell
e outros psicólogos da aplicação. desejava saber como o indivíduo processava
as informações e de que maneira a inteligência funcionava no mundo
cotidiano;
 Ele definiu a inteligência não em termos de habilidades cognitivas
específicas, mas em termos práticos, como julgamento, rapidez e precisão.
 1ª Guerra Mundial – Grande demanda do comércio, da indústria e do governo –
reorganização dos seus procedimentos de pessoal e a preparação de testes
psicológicos para a seleção de funcionários;
 2ª Guerra Mundial – empregou psicólogos no trabalho de guerra para realizar
testes, selecionar e classificar os soldados;
 Máquinas de alta tecnologia – testes específicos;
 Psicologia da Engenharia, engenharia humana, engenharia dos fatores humanos
ou simplesmente ergonomia: trabalham em conjunto com os engenheiros de
sistemas de armamento, fornecendo informações sobre a capacidade e a
limitação humanas. Seu trabalho influência diretamente o projeto de
equipamentos militares para adequá‐los às habilidades de quem os for
manusear. – expansão para outras áreas;
 Os psicólogos da engenharia não trabalham apenas com equipamentos
militares, mas também com produtos de consumo, como teclados e telas de
exibição de informações em monitores dos computadores, smartphones e
outros dispositivos pessoais, além de eletrodomésticos, como refrigeradores, e
painéis informativos de automóveis.
 A guerra deu um enorme impulso à psicologia aplicada;
 A psicologia acadêmica também se beneficiou do sucesso da psicologia aplicada durante o
período da guerra. Pela primeira vez, houve emprego suficiente e apoio financeiro para
os psicólogos universitários. Novos departamentos de psicologia foram criados, novos
edifícios e laboratórios construídos, houve mais verba para os salários dos professores;
 Atraia muitos psicólogos;
 Depressão de 1930;
 A Segunda Guerra Mundial (1941‐1945) proporcionou um conjunto diferente de problemas
para a psicologia, revivendo e expandindo sua influência;
 Desde o fim da guerra, a psicologia norte‐americana experimentou um drástico surto de
crescimento com os progressos mais significativos ocorrendo nas áreas da aplicação. A
psicologia aplicada superou a psicologia acadêmica voltada para a pesquisa que
prevalecera durante tantos anos;
 Crescimento da Psicologia Aplicada.
 PRIMÓRDIOS DO BEHAVIORISMO:
 Início do séc XX – amadurecimento do Funcionalismo;
 Não havia mais consenso sobre introspecção, elementos mentais e sobre a ciência
pura;
 Funcionalismo como evolução e não ruptura com o Estruturalismo;
 1913 – Revolução do Behaviorismo;
 John Watson queria uma psicologia científica que lidasse exclusivamente com
os atos comportamentais observáveis e passíveis de descrição objetiva, em
termos de “estímulo” e “resposta”;
 Imagem, sensação, mente e consciência – não significava nada;
 Consciência não tem valor para a Psicologia do Comportamento;
 Ninguém jamais “havia visto, tocado, cheirado, experimentado ou transferido
de um lugar a outro a consciência. A sua definição não passa de mera
suposição tão improvável quanto o conceito de alma”.
 O papel do Positivismo:
 Filosofia objetivista e mecanicista, a psicologia animal e a psicologia funcional
 POSITIVISMO: único conhecimento válido é o de natureza social e observável
de forma objetiva;
 Behaviorismo excluiu os conceitos de consciência, a mente ou a Alma;
 Ciência que enxergava o ser humano como uma máquina;
 Positivismo;
 “O behaviorismo é o resultado direto dos estudos do
comportamento animal realizados durante a primeira década do
século XX”;
 Conwy Lloyd Morgan – lei da parcimônia;
 Jacques Loeb (1859-1924);
 Contribuiu para implementar a objetividade na Psicologia Animal;
 Afirmava ser a reação comportamental forçada pelo estímulo, não
cabendo qualquer explicação no que se refere a definição
consciente do animal;
 Ele não rejeitava a existência da consciência nos animais (por
exemplo, nos seres humanos) que se encontravam na escala mais
elevada da evolução (Loeb, 1918);
 Argumentava que a consciência animal se revelava por meio da
memória associativa, ou seja, que os animais já haviam aprendido
a reagir a determinados estímulos de um modo esperado.
 1907 – Robert Yerkes – A Study in Animal Behavior
 Em 1900, Willard S. Small, estudante da Clark University, introduziu
o labirinto para ratos O camundongo branco e o labirinto
transformaram‐se no método padrão para o estudo da aprendizagem
de gerações de estudantes de psicologia.
 Edward Lee Thorndike;
 Ivan Petrovitch Pavlov;
 Vladimir M. Bekhterev;
 Cattell e outros funcionalistas enfatizavam o comportamento e a
objetividade;
 Os psicólogos aplicados não viam muita utilidade na introspecção e
na consciência, e suas diversas áreas de especialização constituíam
essencialmente uma psicologia funcionalista objetiva;
 Watson pai do Behaviorismo – Cattell avo do Behaviorismo.
 Desde 1904, um percentual cada vez maior de psicólogos expressava a
preferência em definir a psicologia como a ciência do comportamento e não
como uma tentativa de descrição da consciência;
 É possível dispensar um tratamento objetivo aos seres humanos do mesmo
modo que se tratava qualquer outro aspecto do universo físico;
 1912 – Max Meyer – As leis fundamentais do comportamento humano;
 1912 – William McDougall – Psicologia: o estudo do comportamento;
 Em 1910, comentou que parecia possível o termo “consciência” desaparecer
da psicologia, da mesma forma que o termo “alma” desaparecera. Três anos
mais tarde, um pouco antes da publicação do manifesto behaviorista de
Watson, Angell (1913) sugeriu que seria interessante esquecer a consciência e
passar a descrever objetivamente os comportamentos humano e animal;
 Behaviorismo.
Portfólio Historia da Psicologia.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Laércio Góes
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Leila Bezerra
 
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da PsicologiaPsicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Rafael Wanderley
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Psi - Inês
Psi - InêsPsi - Inês
Psi - Inês
12anogolega
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
Roberto Nobre
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
Leticia Costa
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
Clínica Evolução vida
 
Transferência em Freud
Transferência em FreudTransferência em Freud
Transferência em Freud
Marcos Paulo Lopes Pessoa
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Cérebro x Mente
Cérebro x MenteCérebro x Mente
Cérebro x Mente
Mayara Mônica
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
O contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científicaO contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científica
AnaKlein1
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
Caio Maximino
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
psicologiaisecensa
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
Maria Santos
 
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Bruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da PsicologiaPsicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Psi - Inês
Psi - InêsPsi - Inês
Psi - Inês
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Transferência em Freud
Transferência em FreudTransferência em Freud
Transferência em Freud
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Cérebro x Mente
Cérebro x MenteCérebro x Mente
Cérebro x Mente
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
O contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científicaO contributo de Wundt para a psicologia científica
O contributo de Wundt para a psicologia científica
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
 
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalhoAula 4 -   teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
Aula 4 - teoria psicanalítica e psicodinâmica do trabalho
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Psicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento HumanoPsicologia do Desenvolvimento Humano
Psicologia do Desenvolvimento Humano
 

Semelhante a Portfólio Historia da Psicologia.pdf

Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
Kalina Lima Santos
 
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
familiaestagio
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Luciano Souza
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
Luciano Souza
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
psicologiaazambuja
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
Liliane Ennes
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
Edleusa Silva
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
zecaviana1
 
Filósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-SocráticosFilósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-Socráticos
Jecyane
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
Patricia Amorim
 
Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.
Nuno Pereira
 
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
FabioGomes141583
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Fluminense Federal University
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
Suellen Souza Machado
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
PSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdfPSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdf
Miguel Pascoal
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
ssuser494bbd
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
PatriciaPacheco87
 

Semelhante a Portfólio Historia da Psicologia.pdf (20)

Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
 
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
 
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atualContribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
Contribuições da filosofia da idade antiga a psicologia atual
 
Filosofia & psicologia
Filosofia & psicologiaFilosofia & psicologia
Filosofia & psicologia
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
Psic doc2 m1
Psic doc2 m1Psic doc2 m1
Psic doc2 m1
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
 
Filósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-SocráticosFilósofos Pré-Socráticos
Filósofos Pré-Socráticos
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.Psicologia objeto e método.
Psicologia objeto e método.
 
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
 
PSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdfPSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdf
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
 
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptxPsicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
Psicologia conceito e contribuições para a educação.pptx
 

Mais de Vilciele

Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptxCópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Vilciele
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
Vilciele
 
Plantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptxPlantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptx
Vilciele
 
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdfLinguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Vilciele
 
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdfFundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Vilciele
 
emoção slide.pdf
emoção slide.pdfemoção slide.pdf
emoção slide.pdf
Vilciele
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
Vilciele
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
Vilciele
 
Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx
Aula_Contribuições da fisiologia para  a nova psicologia.pptxAula_Contribuições da fisiologia para  a nova psicologia.pptx
Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx
Vilciele
 

Mais de Vilciele (9)

Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptxCópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
 
Plantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptxPlantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptx
 
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdfLinguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdf
 
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdfFundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
 
emoção slide.pdf
emoção slide.pdfemoção slide.pdf
emoção slide.pdf
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 
Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx
Aula_Contribuições da fisiologia para  a nova psicologia.pptxAula_Contribuições da fisiologia para  a nova psicologia.pptx
Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx
 

Último

TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 

Último (9)

TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 

Portfólio Historia da Psicologia.pdf

  • 1. Nome: Ana Carolina Ferreira dos Santos RA: 739039 Psicologia 2º Semestre (Noturno) Professora: Daniela Haertel
  • 2.
  • 3.  A Psicologia ganha consistência na Antiguidade com Sócrates (469-399 a.C.);  Sua principal preocupação era com o limite que separa o homem dos animais;  A razão permite ao homem, segundo Sócrates, sobrepor-se aos instintos, que seriam a base da irracionalidade;  Ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como essência humana, Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia;  As teorias da consciência são, de certa forma, frutos dessa primeira sistematização na Filosofia;  O passo seguinte é dado por Platão (427- 347a.C.), discípulo de Sócrates. Esse filósofo procurou definir um “lugar” para a razão no nosso próprio corpo;  Definiu esse lugar como sendo a cabeça, onde se encontra a alma do homem. A medula seria, portanto, o elemento de ligação da alma com o corpo. Este elemento de ligação era necessário porque Platão concebia a alma separada do corpo;
  • 4.  Aristóteles (384-322 a.C), discípulo de Platão, foi um dos mais importantes pensadores da história da Filosofia. Sua contribuição foi inovadora ao postular que alma e corpo não podem ser dissociados;  Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma. Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma;  Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante;  Portanto, 2 300 anos antes do advento da Psicologia científica, os gregos já haviam formulado duas “teorias”: • a platônica, que postulava a imortalidade da alma e a concebia separada do corpo, e a aristotélica, que afirmava a mortalidade da alma e a sua relação de pertencimento ao corpo.
  • 5.  Estudando a psicologia numa dimensão histórico- social, é possível entender a sua constituição em ciência e entender seus debates atuais no interior mesmo das relações sociais desenvolvidas pelos homens. Concebemos, como primeiro ponto a ser levado em conta, que a psicologia não é uma criação mágica ou abstrata. Pelo contrário, é uma criação humana e bem concreta: inicialmente, enquanto ideias psicológicas imersas na filosofia; depois, enquanto disciplina científica, tendo, nos dois momentos, o objetivo de compreender as ações, as atitudes, os comportamentos e tantos outros estados subjetivos humanos que se revelam dinamicamente na relação dos homens entre si no mundo em que vivem.
  • 6.  No começo, foi definida como um estudo subjetivo sem bases científicas, caracterizado pela análise a partir da observação e projeção. Contudo, no século XIX, Wilhem Wundt decidiu fundar o primeiro laboratório de psicologia experimental no mundo;  A psicologia experimental colocava sobre a mesa uma afirmação revolucionária: estudar a mente humana requer experimentos e bases científicas. Nesse momento é onde podemos observar dois princípios muito contrários entre si dentro da disciplina da psicologia;  A mente humana só pode ser estudada através da análise subjetiva e a projeção dos pensamentos;  A psicologia deve ser uma ciência puramente experimental e empírica;  A partir deste momento, os estudos psicológicos foram tomando caminhos muito extremos, mas complementares entre si: desde Freud afirmando que existe uma grande parte submersa de nossa mente onde reprimimos lembranças, pensamentos e sentimentos até a teoria comportamental de Skinner, onde foi postulado que podemos fazer uma análise psicológica completa a partir da observação do comportamento;  Hoje em dia, ambas suposições foram se diversificando e vemos a influência destas teorias em todos os ramos da psicologia. Sabemos que é extremamente importante que a psicologia se estabeleça como uma ciência, contudo, não se trata de uma disciplina exata e perfeitamente previsível.
  • 7.  Wundt postula que o objeto de estudo da Psicologia é a experiência consciente imediata. Nessa perspectiva, a Psicologia é uma ciência que investiga como um sujeito apreende sensações e sentimentos (conteúdos mentais básicos da experiência imediata);  Segundo Wundt, os elementos da experiência imediata são organizados em um todo coerente por meio da fusão, um processo ativo de organização dos elementos mentais que, sob controle de um processo interno de vontade, ordena e sintetiza as sensações e sentimentos para compor a experiência em um todo significativo;  Embora as implicações das obras de Wundt no desenvolvimento ulterior da História da Psicologia estejam fora do escopo deste artigo, vale notar que o trabalho de Wundt deu origem ao estudo experimental dos fenômenos psicológicos.
  • 8.  Edward Bradford Titchener (1867 – 1927) Fundador do Estruturalismo;  Embora fosse um fiel seguidor de Wundt, Titchener alterou drasticamente o sistema de psicologia ao levá-lo da Alemanha para os Estados Unidos;  Apresentou uma abordagem própria, à qual denominou Estruturalismo;  O estruturalismo permaneceu em evidência por cerca de 20 anos nos Estados Unidos até ser superado por outros movimentos  Para ele, a principal tarefa da psicologia seria a descoberta da natureza das experiências conscientes elementares: A determinação da estrutura da consciência mediante a análise das suas partes componentes.  De acordo com Titchener, o objeto de estudo da psicologia é a experiência consciente como dependente do indivíduo que a vivencia;  Estruturalistas – análise do conteúdo da consciência;  Estruturalistas – introspecção experimental.
  • 9.  A psicologia experimental, na visão de Titchener, era uma ciência pura. Ele não se preocupava com a aplicação do conhecimento psicológico;  Titchener se opunha a Wundt, cujo foco eram as mensurações quantitativas e objetivas, porque acreditava não serem úteis na análise das sensações e imagens elementares da consciência, ponto central da sua psicologia;  Titchener estava interessado em analisar a experiência consciente complexa a partir das partes componentes;  Titchener dava ênfase às partes. Alinhado com a maioria dos empiristas e associacionistas britânicos, o objetivo dele era descobrir os chamados átomos da mente;  Titchener definiu três estados elementares da consciência: - O estado da sensação, - O estado da imagem e - Os estados afetivos.
  • 10.  No final de A origem das espécies (1859), Darwin previu que a psicologia encontraria “uma base segura […] no fundamento […] da aquisição necessária de cada poder mental e de cada capacidade mental de forma gradativa” (isto é, através da seleção natural);  Darwin, naturalista e não psicólogo, viveu bem antes que a Psicologia se desenvolvesse com a identidade que tem. Apesar disso, expressou muitas ideias “psicológicas”, que, hoje, constituem-se importantes campos de pesquisa. Destas, o estabelecimento da “continuidade” entre os animais humanos e não-humanos talvez seja a mais reconhecida, ou seja, ciente de, enquanto humanos, compartilharmos uma origem comum e um núcleo de propriedades fundamentais, Darwin entendia como absurdo caracterizar um animal como mais desenvolvido que outro;  Graças a isto, o desenvolvimento da psicologia comparativa e animal tornaram-se possíveis. Outra contribuição foi reorientar o estudo do comportamento instintivo da concepção supernatural, e teológica, para a, simplesmente, natural;  Logo, a Teoria de Darwin permanece como importante parte da Psicologia, a qual nada mais é, segundo a primeira, que um produto da seleção natural  Se a mente humana fosse uma evolução das mentes mais primitivas, haveria semelhanças entre o funcionamento mental dos animais e dos homens?
  • 11.  Quando a Psicologia passou a se diferenciar da Biologia, enquanto uma ciência que estuda o comportamento humano, iniciaram-se esforços dos cientista para descrever o comportamento humano;  As primeiras escolas de Psicologia eram o Estruturalismo e o Funcionalismo. O Funcionalismo surge nos EUA como resposta ao Estruturalismo;  Funcionalismo é uma teoria adaptada para diferentes campos de conhecimento, como a filosofia, a psicologia e a antropologia. Seu principal objetivo é explicar a sociedade, as ações coletivas e individuais, a partir de causalidades, ou seja, de funções. Desta forma a sociedade, ou o que se observa a partir desta teoria, é compreendida como um organismo, composto por órgãos relacionados e com funções específicas;  O fundador desta teoria foi Émile Durkheim, um dos fundadores da sociologia. Seu interesse era compreender quais são os fatores que definem uma sociedade, ou seja, o que faz com que uma sociedade não seja apenas uma coleção de indivíduos. Por isso ele estudou as estruturas que compõem uma sociedade, especialmente em nível macro. Outros autores que contribuíram para a teoria funcionalista foram Hebert Spencer, Talcott Parsons e Robert Merton;  Ocupa-se da estrutura da mente e suas funções;  Aplicações em potencial da psicologia aos problemas da vida diária;  Funcionamento e se adaptação das pessoas a diferentes ambientes;  Movimento funcionalista provocou um rápido desenvolvimento da Psicologia nos Estados Unidos.
  • 12.  Os psicólogos perceberam a importância do estudo do comportamento animal para a compreensão do comportamento humano e concentraram a pesquisa no funcionamento mental dos animais, introduzindo um novo tópico no laboratório de psicologia;  Funcionalistas – análise das funções da consciência;  Tentativa radical de recomeçar, estabelecendo uma nova base científica para a psicologia;  Essa teoria foi muito influente nos anos 1960 e 1970, porém sofreu muitas críticas, principalmente por não conseguir explicar a complexidade da sociedade e de seus atores. Para outros, como os teóricos marxistas, o funcionalismo produzia análises estáticas e conservadoras;  Seguindo o exemplo de Darwin, os psicólogos que aceitavam a teoria evolucionista e sua ênfase nas funções da consciência tornaram‐se mais ecléticos em relação a seus métodos de pesquisa, expandindo, assim, os tipos de informações obtidos;  Filosofia sintética: ideia de Spencer de que o conhecimento e a experiência podem ser aplicados em termos de princípios evolutivos;  WILLIAM JAMES (1842-1910) – Precursor da Psicologia Funcional O maior dos psicólogos dos Estados Unidos. Não foi o fundador, mas apresentou suas ideias de modo muito eficaz;  A psicologia não tem como meta a descoberta dos elementos da experiência, mas o estudo sobre a adaptação dos seres humanos ao meio ambiente. A função da nossa consciência é guiar‐nos aos fins necessários para a sobrevivência. A consciência é vital para as necessidades dos seres complexos em um ambiente complexo; de outra forma, a evolução humana não ocorreria;  A descoberta de elementos mínimos da consciência, por meio da análise introspectiva, não demonstra que eles existam independentemente de um observador treinado. Os psicólogos realizam leituras da experiência com base na sua posição sistemática e com o seu ponto de vista.
  • 13.  FUNDAMENTOS DO FUNCIONALISMO: -Não houve um movimento formal contra o estruturalismo; -Não houve psicologia funcional única (Psicologia Aplicada); -Foi Titchener quem nomeou de Funcionalismo.  CONTRIBUIÇÕES DO FUNCIONALISMO: -Incorporação da pesquisa do comportamento animal; -Estudos sobre bebês, crianças e adultos com dificuldades mentais; -Método introspectivo e utilização de outros métodos: como pesquisa fisiológica, testes mentais, questionários e descrições objetivas do comportamento.  CRÍTICAS AO FUNCIONALISMO: -Partiam da Escola Estruturalista; -Afirmavam que não era psicologia.  Os funcionalistas afirmavam que tanto na psicologia pura como na aplicada era possível adotar procedimentos científicos rigorosos e também realizar pesquisas válidas em fábricas, escritórios, salas de aulas, bem como em laboratórios universitários.
  • 14.  Psicologia aplicada é a utilização dos dados da psicologia na solução de problemas práticos. Este ramo reúne as diversas áreas da psicologia clínica, educacional e social, entre outras. O estudo apresenta como principal objetivo a resposta às necessidades da sociedade em sua estrutura como um todo;  A psicologia norte‐americana se orientou muito mais pelas ideias de Darwin, Galton e Spencer do que pelos trabalhos de Wundt;  A psicologia de Wundt e o estruturalismo de Titchener não sobreviveriam por muito tempo em sua forma original no ambiente intelectual dos Estados Unidos – o Zeitgeist norte‐americano;  1911 – Harry Hollingworth – insistiu em elevados padrões éticos;  A cultura norte‐americana era voltada ao prático: as pessoas valorizavam o que funcionava. “Precisamos de uma psicologia que seja prática” – Stanley Hall;  James, Angell e Dewey, desenvolviam a abordagem funcionalista nos laboratórios acadêmicos – outros a aplicavam em ambientes fora das universidades;  Os adeptos da psicologia aplicada inseriram sua psicologia no mundo real, em escolas, fábricas, agências de publicidade, tribunais, clínicas de orientação infantil e centros de saúde mental.
  • 15.  Em 1800 não havia laboratórios, em 1900 havia 41;  Em 1880, não havia publicações norte‐americanas especializadas em psicologia; em 1895, existiam três;  Em 1880, os norte‐americanos iam para a Alemanha estudar psicologia; em 1900, havia cerca de 40 programas de doutorado nos EUA;  Em 1910, mais de 50% dos os artigos de psicologia publicados foram escritos em alemão e somente 30% em inglês. Em 1933, 52% eram em inglês e apenas 14% em alemão;  A publicação britânica Who’s Who in Science, de 1913, afirmava que os Estados Unidos dominavam o campo da psicologia e contavam com os principais psicólogos do mundo (84), número maior que o de alemães, ingleses e franceses somados
  • 16.  A psicologia não estava avançando apenas nas salas de aula e laboratórios experimentais, mas também no mundo real;  1904 – Exibição do Laboratório de Psicologia – estrelas da Psicologia;  A pesquisa psicológica é dominada pelos norte‐americanos”, os quais realizam mais pesquisas que os psicólogos em todos os outros países;  As influências econômicas na psicologia aplicada: Rápido crescimento da Psicologia – muitos dos formados precisavam procurar empregos em outros lugares Foi preciso aplicar a psicologia na realidade prática - Educação havia se tornado um grande negócio.  Aplicar a Psicologia em que ? Profissionais em psicologia foram inserindo a psicologia em áreas como: indústria, centros de testes psicológicos, sistema judiciário e clínicas de saúde mental.
  • 17.  JAMES McKEEN CATELL (1860‐1944);  Estudo das diferenças individuais;  Galton apresentou sua proposta científica – a medição das diferenças psicológicas entre as pessoas – expressão testes mentais;  Cattell tornou‐se um dos primeiros psicólogos norte‐americanos a destacar a quantificação, a classificação e a gradação;  Foi por influência de Galton que Cattell enfatizou a estatística que viria a caracterizar a nova psicologia norte‐americana;  Articulador da ligação entre a psicologia e as principais comunidades científicas. Tornou‐se o embaixador da psicologia, lecionando, editando revistas e promovendo a aplicação prática na área.
  • 18.  Alfred Binet (1857‐1911) – avaliação de funções cognitivas, como memória, atenção, imaginação e compreensão, proporcionava medidas de inteligência;  Escala de medida de inteligência Binet‐Simon;  Escala Stanford‐Binet (Lewis Terman);  Testes ganharam popularidade na 1ª Guerra Mundial;  Testes de QI para ingresso nas escolas;  Escolas públicas nos EUA reorganizadas com base nisso  Viés cultural nos testes – negros-americanos, imigrantes, latinos  A contribuição das mulheres para os Testes Psicológicos: As mulheres eram proibidas de lecionar no ensinos superior em Psicologia e restou-lhes atuar na Psicologia Aplicada.  Desenho da Figura Humana – Florence L. Goodenough;  Escala de inteligência infantil de Cattell – Psyche Catell;  Os empregos em instituições não acadêmicas raramente proporcionam tempo, suporte financeiro ou assistência de estudantes graduados para a realização de pesquisas e a elaboração de artigos acadêmicos, que são os principais meios para se atingir a visibilidade profissional. Nos ambientes da psicologia aplicada, como em uma empresa comercial ou em uma clínica, as contribuições de um profissional não são reconhecidas fora dos limites da organização;  A desvalorizar a psicologia aplicada e as contribuições de diversas mulheres pioneiras que trabalharam em hospitais, clínicas, empresas, institutos de pesquisa e agências militares e governamentais. Quociente de inteligência (QI): número que representa a inteligência de uma pessoa, obtido pela seguinte fórmula: idade mental dividida pela idade cronológica, multiplicada por 100
  • 19.  LIGHTNER WITMER (1867‐1956);  Inaugurou a primeira clínica de psicologia do mundo em 1896;  Avaliar e tratar os problemas de aprendizagem e comportamento das crianças em idade escolar;  Usava o termo “Psicologia Clínica” “O trabalho prático na psicologia”;  Clínica de Witmer era interdisciplinar e recebeu crianças como hiperatividade, dificuldade de aprendizagem e baixo desempenho motor e oral;  Acreditava no envolvimento da família e da escola no tratamento dos pacientes. Se as condições da casa e da escola fossem melhoradas, a criança melhoraria.
  • 20.  CRESCIMENTO DA PSICOLOGIA CLÍNICA:  A mente que encontrou a si mesma - Clifford Beers;  Psicoterapia - Hugo Münsterberg;  Sigmund Freud (visita aos EUA em 1909);  Não foi uma área vista com entusiasmo no início – 1918;  A Psicologia Clínica cresce a partir de 1940 – 2ª Guerra Mundial;  As lideranças militares rapidamente concluíram que muitos homens precisavam de ajuda, e que não havia psicólogos ou orientadores em saúde mental para fazer esse trabalho;  Atualmente psicologia clínica é a maior área de especialização aplicada, com mais de 1/3 dos estudantes de pós‐graduação matriculados nos programas clínicos.  O trabalho do profissional raramente ia além da administração de testes 1945, quase 2 milhões de homens tinham sido rejeitados para o serviço militar por problemas psiquiátricos 40 mil veteranos de guerra diagnosticados com problemas psiquiátricos E 3 milhões necessitavam de orientação vocacional e pessoal para ajudá‐los na retomada da vida civil.
  • 21.  HUGO MUNSTERBERG (1863-1916);  Münsterberg escreveu artigos de revista abordando temas como a prevenção do crime:  uso de hipnose no interrogatório dos suspeitos;  aplicação de testes mentais para detectar os culpados;  aplicação de testes para verificar a honestidade questionável da testemunha ocular.  1909 – “Psicoterapia” – Münsterberg defende a ideia de que a psicopatologia é um desajuste comportamental;  Criticado por Lightner Witmer.
  • 22.  WALTER DILL SCOTT (1869‐1955);  Outro aluno de Wundt em Leipzig, Walter Dill Scott, deixou o universo da pura psicologia introspectiva para aplicar a nova ciência à publicidade e aos negócios;  Aplicou a psicologia em seleção de pessoal, administração e publicidade;  Primeiro professor de psicologia aplicada;  Primeira empresa de Consultoria em Psicologia;  Publicidade – anúncios e cupons;  Seleção – Scott criou escalas de classificação e testes em grupo para medir as características das pessoas já bem‐sucedidas nessas ocupações.
  • 23.  Criou testes de inteligência e depois testes para serem aplicados em grupos (mais eficientes e mais econômicos);  Scott não apenas media a inteligência geral, como também se interessava em saber como a pessoa empregava a inteligência;  Testes de inteligência – Media julgamento, rapidez e precisão;  Esses testes eram diferentes dos que estavam sendo desenvolvidos por Cattell e outros psicólogos da aplicação. desejava saber como o indivíduo processava as informações e de que maneira a inteligência funcionava no mundo cotidiano;  Ele definiu a inteligência não em termos de habilidades cognitivas específicas, mas em termos práticos, como julgamento, rapidez e precisão.
  • 24.  1ª Guerra Mundial – Grande demanda do comércio, da indústria e do governo – reorganização dos seus procedimentos de pessoal e a preparação de testes psicológicos para a seleção de funcionários;  2ª Guerra Mundial – empregou psicólogos no trabalho de guerra para realizar testes, selecionar e classificar os soldados;  Máquinas de alta tecnologia – testes específicos;  Psicologia da Engenharia, engenharia humana, engenharia dos fatores humanos ou simplesmente ergonomia: trabalham em conjunto com os engenheiros de sistemas de armamento, fornecendo informações sobre a capacidade e a limitação humanas. Seu trabalho influência diretamente o projeto de equipamentos militares para adequá‐los às habilidades de quem os for manusear. – expansão para outras áreas;  Os psicólogos da engenharia não trabalham apenas com equipamentos militares, mas também com produtos de consumo, como teclados e telas de exibição de informações em monitores dos computadores, smartphones e outros dispositivos pessoais, além de eletrodomésticos, como refrigeradores, e painéis informativos de automóveis.
  • 25.  A guerra deu um enorme impulso à psicologia aplicada;  A psicologia acadêmica também se beneficiou do sucesso da psicologia aplicada durante o período da guerra. Pela primeira vez, houve emprego suficiente e apoio financeiro para os psicólogos universitários. Novos departamentos de psicologia foram criados, novos edifícios e laboratórios construídos, houve mais verba para os salários dos professores;  Atraia muitos psicólogos;  Depressão de 1930;  A Segunda Guerra Mundial (1941‐1945) proporcionou um conjunto diferente de problemas para a psicologia, revivendo e expandindo sua influência;  Desde o fim da guerra, a psicologia norte‐americana experimentou um drástico surto de crescimento com os progressos mais significativos ocorrendo nas áreas da aplicação. A psicologia aplicada superou a psicologia acadêmica voltada para a pesquisa que prevalecera durante tantos anos;  Crescimento da Psicologia Aplicada.
  • 26.  PRIMÓRDIOS DO BEHAVIORISMO:  Início do séc XX – amadurecimento do Funcionalismo;  Não havia mais consenso sobre introspecção, elementos mentais e sobre a ciência pura;  Funcionalismo como evolução e não ruptura com o Estruturalismo;  1913 – Revolução do Behaviorismo;  John Watson queria uma psicologia científica que lidasse exclusivamente com os atos comportamentais observáveis e passíveis de descrição objetiva, em termos de “estímulo” e “resposta”;  Imagem, sensação, mente e consciência – não significava nada;  Consciência não tem valor para a Psicologia do Comportamento;  Ninguém jamais “havia visto, tocado, cheirado, experimentado ou transferido de um lugar a outro a consciência. A sua definição não passa de mera suposição tão improvável quanto o conceito de alma”.  O papel do Positivismo:  Filosofia objetivista e mecanicista, a psicologia animal e a psicologia funcional  POSITIVISMO: único conhecimento válido é o de natureza social e observável de forma objetiva;  Behaviorismo excluiu os conceitos de consciência, a mente ou a Alma;  Ciência que enxergava o ser humano como uma máquina;  Positivismo;
  • 27.  “O behaviorismo é o resultado direto dos estudos do comportamento animal realizados durante a primeira década do século XX”;  Conwy Lloyd Morgan – lei da parcimônia;  Jacques Loeb (1859-1924);  Contribuiu para implementar a objetividade na Psicologia Animal;  Afirmava ser a reação comportamental forçada pelo estímulo, não cabendo qualquer explicação no que se refere a definição consciente do animal;  Ele não rejeitava a existência da consciência nos animais (por exemplo, nos seres humanos) que se encontravam na escala mais elevada da evolução (Loeb, 1918);  Argumentava que a consciência animal se revelava por meio da memória associativa, ou seja, que os animais já haviam aprendido a reagir a determinados estímulos de um modo esperado.
  • 28.  1907 – Robert Yerkes – A Study in Animal Behavior  Em 1900, Willard S. Small, estudante da Clark University, introduziu o labirinto para ratos O camundongo branco e o labirinto transformaram‐se no método padrão para o estudo da aprendizagem de gerações de estudantes de psicologia.  Edward Lee Thorndike;  Ivan Petrovitch Pavlov;  Vladimir M. Bekhterev;  Cattell e outros funcionalistas enfatizavam o comportamento e a objetividade;  Os psicólogos aplicados não viam muita utilidade na introspecção e na consciência, e suas diversas áreas de especialização constituíam essencialmente uma psicologia funcionalista objetiva;  Watson pai do Behaviorismo – Cattell avo do Behaviorismo.
  • 29.  Desde 1904, um percentual cada vez maior de psicólogos expressava a preferência em definir a psicologia como a ciência do comportamento e não como uma tentativa de descrição da consciência;  É possível dispensar um tratamento objetivo aos seres humanos do mesmo modo que se tratava qualquer outro aspecto do universo físico;  1912 – Max Meyer – As leis fundamentais do comportamento humano;  1912 – William McDougall – Psicologia: o estudo do comportamento;  Em 1910, comentou que parecia possível o termo “consciência” desaparecer da psicologia, da mesma forma que o termo “alma” desaparecera. Três anos mais tarde, um pouco antes da publicação do manifesto behaviorista de Watson, Angell (1913) sugeriu que seria interessante esquecer a consciência e passar a descrever objetivamente os comportamentos humano e animal;  Behaviorismo.