SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA PSICOLOGIA
Profª. Elizabeth Dias
INFLUENCIAS FISIOLÓGICAS NA PSICOLOGIA
Papel do observador
Friederich Bessel – características pessoais poderiam
influenciar as observações da astronomia.
As ciências deveriam ser baseadas em observações
deveriam considerar esse dado da realidade.
Primeiros avanços da fisiologia
 Johannes Muller – defensor do método experimental – fisiologia
experimental final do século XIX
 Fisiologia experimental
 Marshall Hall – médico escocês começou a observar que os animais
decapitados continuavam a se movimentar por algum tempo.
 Os vários níveis do comportamento dependem de partes distintas do
cérebro e do sistema nervoso.
 Postulou que o movimento voluntário depende do cérebro, o
movimento reflexo da medula espinhal; movimento involuntário do
estímulo direta dos músculos e o movimento respiratório da medula.
 Pierre Flourens – método da extirpação para saber funções
específicas do cérebro, removendo, destruindo e observando as
mudanças no comportamento do animal.
Primeiros avanços da fisiologia
 Método clínico desenvolvido por Paul Broca – exame após a morte das
estruturas do cérebro para detectar as áreas lesionadas, consideradas pelo
comportamento do indivíduo. (área da broca)
 Estímulos elétricos – técnica que explora o córtex cerebral, que aplicava
pequenos choques elétricos para observar a resposta motora.
 Os empiristas britânicos argumentavam que a sensação era única fonte do
conhecimento.
 Bessel, demonstrou os impacto da observação das diferenças individuais na
sensação e percepção.
 Os fisiologistas estavam definindo a estrutura e a função dos sentidos.
 Chegou o momento de fazer experimentos e quantificar o acesso para a
mente, a experiencia mentalística e subjetiva das sensações.
 As técnicas para investigar corpo, passaram a ser desenvolvidas para
exploração da mente.
 A psicologia experimental estava pronta para começar
Os primórdios da psicologia experimental
4 cientistas Helmholtz, Weber, Fechner, Wundt, todos
cientistas alemãs especialistas em fisiologia e cientes do
avanço da psicologia.
Por que a Alemanha? O pensamento científico progredia
na maioria dos países da Europa Ocidental no século
XIX, especialmente na Inglaterra, França e Alemanha.
 Alemanha se tornou o solo mais fértil para o
crescimento da nova psicologia.
A fisologia experimental estava firmemente estabelecida
e era reconhecida em um grau ainda não alcançados na
Inglaterra e França.
Contribuições para a psicologia
Helmholtz – Pesquisador do campo da física e da fisiologia,
foi um dos maiores cientistas do século XIX.
A psicologia estava em 3° lugar entre as áreas de suas
contribuições científicas.
Inventou o oftalmoscópio, aparelho aplicado no exame da
retina do olho
 os órgãos sensoriais humanos funcionavam como
máquinas. Pesquisas importantes para psicologia, impulso
neural, visão e audição.
Contribuições com estudos sobre s sensações tonais,
problemas da acústica e mais tarde indiretamente para a
invenção do telégrafo sem fio e do rádio.
Problemas da psicologia sensorial
 Velocidade do impulso nervoso, primeira medida empírica da velocidade de
condução ao estimular o nervo motor e o músculo correspondente da perna
e uma rã, foi possível registrar o momento preciso da estimulação e o
movimento resultante.
 Mediu o tempo requerido para a condução, a velocidade de 27 centímetros
por segundo.
 Mediu tempo de reação de nervos sensoriais de sujeitos humanos –
estimulação um órgão dos sentidos e a resposta motora resultante.
 Muita variação de respostas que ele abandonou a pesquisa.
 Demonstrou que a velocidade de condução não era instantânea –
pensamento e movimento se seguem um ao outro com intervalo de tempo
mensurável, não de forma simultânea como pensava.
 Interessou-se mais pela medida que pelo significado psicológico do
fenômeno.
 A contribuição dele foi metodológica é possível medir o impulso nervoso e
depois será chamado de psicofísica.
Weber – Nasceu em Wittenberg na Alemanha.
Principal interesse d pesquisa: Fisiologia dos
órgãos sensoriais, área que deu notável
duradoura contribuição.
Além da pesquisa tradicional sobre os sentidos
superiores a visão e audição.
Aplicou métodos experimentais da fisiologia.
Limiar de dois pontos de discriminação a pele e
a diferença apenas perceptível detectada pelos
músculos.
Limiar de dois pontos (limite) – determinação
experimental da precisão com que ocorre a
discriminação (pelo sujeito) de dois pontos da pele
– a distância entre dois pontos necessários para
que o indivíduo possa relatar eu teve duas
sensações.
Sem olhar para o objeto, os indivíduos são
solicitados a relatar se sentem um ou dois pontos
da pele sendo tocados.
Implicação para psicologia sobre o modo objetivo
da sensação e o modo subjetivo da percepção.
Quando os dois pontos estão próximos um do
outro, os participantes do estudo relatam uma
clara sensação d que só um ponto foi tocado.
Aumentando a distancia entre as duas fontes
de estímulo, se mostram incerto sobre se
sentem uma ou duas sensações.
Por fim, é alcançada a distancia em que os
participantes do estudo relatam dois pontos e
diferentes estimulações.
Diferença apenas perceptível – a primeira lei
quantitativa da psicologia. A menor diferença
entre pesos que poderia ser detectada.
Compara o peso objetivo e a percepção de
pesos
Fechner – estudou medicina, foi físico e
matemático.
Interesse pelo problema da sensação.
Buscou estudar a relação quantitativa entre mente
corpo, entre sensação mental e estímulo material.
Ligação entre mente e corpo é possível mensurar.
Relação entre objetividade e subjetividade.
Aumento na intensidade do estímulo não produz o
mesmo aumento na intensidade da sensação.
O efeito das intensidades de estímulos não são
absolutos e sim relativos a quantidade de sensação
que já existem.
Propôs uma maneira de medir a sensação.
Determinar se um estímulo está ausente ou
presente (se é sentido ou não)
Podemos medir a intensidade do estímulo com
base nos relatos sujeitos à primeira sensação
Limiar absoluto – limitado porque só determina o
valor de uma sensação – o nível mais baixo.
Limiar diferencial –a menor quantidade da
mudança de um estímulo eu produz a mudança
de sensação.
Mede-se em quanto o peso deve ser reduzido antes
que o sujeito mal possa discriminar a diferença.
Modifica-se o peso do objeto para esse valor menor e
medimos novamente a amplitude do limiar.
Para cada modalidade sensorial, Fechner
estabeleceu que há um certo aumento relativo no
estímulo que sempre produz modificações
observáveis na intensidade da sensação.
Sensação (mente ou qualidade mental) e estímulo
excitante (corpo ou qualidade material) podem ser
medidos, e o relacionamento entre ambos podem ser
enunciados com uma equação.
A fundação da nova psicologia
 Meados do século XIX – Os métodos da ciência natural estavam sendo usados
para investigar fenômenos puramente mentais.
 Haviam técnicas e aparelhos de medição, livros sobre o tema, despertou amplo
interesse. Empirismo ( conhecimento mediante à observação da natureza e
atribuição de todo conhecimento a experiência) britânico e os trabalhos da
astronomia, acentuaram a importância dos sentidos (tato, olfato, audição, visão,
audição), os cientistas alemãs descreviam o funcionamento. O espírito
positivista da época (fenômenos naturais ou fatos observáveis), encorajou a
convergência dessas duas linhas de pensamento.
 Wundt – fundador (pai) da psicologia moderna, é o primeiro psicólogo, fundou o
primeiro laboratório, editou a primeira revista, deu início à psicologia
experimental como ciência.
 Investigou a sensação, percepção, atenção, sentimento, reação, associação,
temas que se tornaram capítulos básicos da psicologia – processos
psicológicos básicos.
 Porque Wundt e não Fechner é considerado o fundador da psicologia?
 A resposta está na natureza do processo de fundação:
 A fundação é um dado intencional e deliberado. Envolve capacidades e características
que diferem das que são necessárias para as realizações científicas brilhantes.
 Fundar requer integração e a consideração do trabalho precedente, bem como a
publicação e promoção do material recém-organizado.
 Fechner não estava tentando fundar uma nova ciência. Seu objetivo era compreender a
relação entre o muno material o muno mental. Uma concepção unificada mente e
corpo.
 Wundt voltou-se deliberadamente para a fundação da nova ciência. Estava interessado
em promover a psicologia como ciência independente.
 A origem a psicologia, se deu em longo processo de esforço criativo.
 No decorrer da segunda metade do século XIX o zeitgeist estava pronto para aplicação
da abordagem experimental a problemas da mente. Wundt foi um rigoroso agente do
que já estava em desenvolvimento, um bem dotado promotor do inevitável.
Vida e obra de Wundt
 Wundt, nasceu numa Aldeia próxima de Mannheim – Alemanha
 Estudou medicina (anatomia, fisiologia, física, medicina e química)
 Influenciado por Robert Busen (Química).
 Concentrou-se nos estudos da fisiologia, estudou na universidade de
Berlim – com Johanes Muller, fisiólogo e anatomista.
 Passou 10 nãos na universidade de Heildelberg, onde defendeu a Tese
de doutorado em Medicina, sobre sensibilidade táctil, de pacientes
histéricos, utilizando o método de Weber de discriminação limiar entre
dois pontos.
 Assume cargo de fisiólogo nesta mesma universidade.
 Assistente de laboratório de Helmholtz.
 Faz proposta da psicologia experimental independente. Na obra
Beintränge zur Theorie der Sinneswahrnehmung (Contribuições para a
teoria da percepção sensorial)
 Usou pela primeira vez o termo psicologia experimental.
 Elementos da psicofísica (Fechner, 1860) e Biträge (marco do nascimento literário da nova
ciência).
 Conferência sobre as mentes dos homens e animais. (1863)
 Discutiu o tempo de reação e psicofísica.
 1867 ministra o curso de psicologia fisiológica e escreve a obra princípios da psicologia
fisiológica)
 Esta obra teve seis edições em 37 anos, a última em 1911, estabeleceu a psicologia como
ciência de laboratório, com suas perguntas e métodos de experimentação. No prefácio
indica a delimitação de um novo ”domínio da ciência”.
 Psicologia fisiológica – fisiologia como sinônimo de experimental (psicologia
experimental) diferente de como entendemos a fisiologia nos dias atuais)
 1875 – cargo de professor de filosofia, na Universidade de Leipzig, trabalhou por 45 anos
no Laboratório.
 1881 – Funda a revista estudos filosóficos. Poque estudos filosóficos? Havia uma revista
chamada estudos psicológicos (tratava espiritualismo e ocultismo)
 Wundt escreve um manual, um laboratório e uma revista acadêmica.
 Muitos discípulos (estudantes) vão a Leipzig.
 Wundt influenciou toda psicologia moderna.
 Forneceu o modelo para muitos laboratórios posteriores, EUA, Itália, Rússia, Japão.
 Rússia traduziu mais livros de Wundt, duplicaram o laboratório de Wundt, alunos
japoneses Universidade de Tóquio (1920)
 primeira escola de pensamento no âmbito da psicologia moderna (Estruturalismo)
 1970 – diário da Sra. Wundt vem a público, sobre as rotinas de trabalho do esposo.
 1880-1891, escreveu sobre ética, lógica e filosofia sistemática.
 1880 – Segunda edição de Princípios de Psicologia Fisiológica.
 1887 – Terceira edição de Princípios de psicologia Fisiológica.
 Esboçou nas contribuições(Beitrage) a criação de uma psicologia social.
 1900-1920 – Dez volumes da psicologia cultural
Psicologia cultural
 Estuda os estágios do desenvolvimento mental, manifesto na
linguagem, na arte, nos mitos, nos costumes sociais, na lei, na
moral.
 Wundt divide a psicologia em duas partes, psicologia experimental
e psicologia social.
 As funções mentais básicas (sensação, percepção) pela pesquisa
de laboratório.
 Processos mentais superiores (aprendizagem, memória) por
serem condicionadas por hábitos linguísticos outros aspectos dos
hábitos culturais.
 Processos mentais superiores só poderiam ser estudados pela
sociologia, antropologia e psicologia social.
 Wundt se dedica 10 anos para o desenvolvimento da psicologia
cultural. Considerada parte essencial da psicologia. Teve pouco
impacto na psicologia dos EUA.
Experiência mediata e imediata,
voluntarismo
 Voluntarismo – capacidade própria de organização a mente, referencia a palavra
volição que significa o ato ou força de vontade.
 Experiencia mediata -
Aula_Contribuições da fisiologia para  a nova psicologia.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Martha Gislayne
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
Kogen Gouveia
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Wündt e a psicologia científica
Wündt e a psicologia científicaWündt e a psicologia científica
Wündt e a psicologia científica
Bruno Carrasco
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
Caio Maximino
 
Fenomenologia de Husserl
Fenomenologia de HusserlFenomenologia de Husserl
Fenomenologia de Husserl
profadnilson
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
Silvia Marina Anaruma
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Celso Stumpo de Oliveira
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 
Linha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da PsicologiaLinha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da Psicologia
Universidade Católica Dom Bosco
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Artur Mamed
 
Skinner
SkinnerSkinner
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
Jorge Dutra
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologia
GLEYDSON ROCHA
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
Chrys Souza
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundt
gtoassa
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
Ludmila Moura
 

Mais procurados (20)

História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)Psicologia Moderna (estudos)
Psicologia Moderna (estudos)
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Wündt e a psicologia científica
Wündt e a psicologia científicaWündt e a psicologia científica
Wündt e a psicologia científica
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Fenomenologia de Husserl
Fenomenologia de HusserlFenomenologia de Husserl
Fenomenologia de Husserl
 
Teoria Humanista
Teoria HumanistaTeoria Humanista
Teoria Humanista
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Linha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da PsicologiaLinha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da Psicologia
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
 
Historia da psicologia
Historia da psicologiaHistoria da psicologia
Historia da psicologia
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
Aula wundt
Aula   wundtAula   wundt
Aula wundt
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 

Semelhante a Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx

Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Diego Sampaio
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
Liliane Ennes
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Fluminense Federal University
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Teopsicoterapia bentes
Teopsicoterapia bentesTeopsicoterapia bentes
Teopsicoterapia bentes
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
psicologiaazambuja
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
Clínica Evolução vida
 
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptx
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptxTrabalho de Psicologia-Wundt.pptx
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptx
CarlosRoas1
 
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.pptOrigens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
cleisonpereirapsi
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
Kalina Lima Santos
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
Miguel Pascoal
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
Patricia Amorim
 
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptxAULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
CarlaAlves362153
 
Apostila numinon 2
Apostila numinon 2Apostila numinon 2
Apostila numinon 2
Jamsessions J.R
 
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
familiaestagio
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
Edleusa Silva
 
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_iiPsicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Lucas Coutinho
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 

Semelhante a Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx (20)

Psicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova PsicologiaPsicologia Geral - A Nova Psicologia
Psicologia Geral - A Nova Psicologia
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
Teopsicoterapia bentes
Teopsicoterapia bentesTeopsicoterapia bentes
Teopsicoterapia bentes
 
Psic doc3 m1
Psic doc3 m1Psic doc3 m1
Psic doc3 m1
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptx
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptxTrabalho de Psicologia-Wundt.pptx
Trabalho de Psicologia-Wundt.pptx
 
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.pptOrigens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
 
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdfACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
ACONSELHAMENTO NOUTÉTICO.pdf
 
Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptxAULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
AULA 1 - PSICOLOGIA.pptx
 
Apostila numinon 2
Apostila numinon 2Apostila numinon 2
Apostila numinon 2
 
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gicaEvolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
Evolu+º+úo da ci+¬ncia psicol+¦gica
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_iiPsicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 

Mais de Vilciele

Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptxCópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Vilciele
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
Vilciele
 
Plantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptxPlantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptx
Vilciele
 
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdfLinguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Vilciele
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Vilciele
 
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdfFundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Vilciele
 
emoção slide.pdf
emoção slide.pdfemoção slide.pdf
emoção slide.pdf
Vilciele
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
Vilciele
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
Vilciele
 

Mais de Vilciele (9)

Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptxCópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
Cópia de apresentação medidas avaliacao.pptx
 
História da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptxHistória da psicologia no Brasil.pptx
História da psicologia no Brasil.pptx
 
Plantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptxPlantão Psicologico (1).pptx
Plantão Psicologico (1).pptx
 
Linguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdfLinguagem e Pensamento slide.pdf
Linguagem e Pensamento slide.pdf
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
 
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdfFundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
Fundamentos psicicométricos e construção de instrumentos_alunos.pdf
 
emoção slide.pdf
emoção slide.pdfemoção slide.pdf
emoção slide.pdf
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 

Aula_Contribuições da fisiologia para a nova psicologia.pptx

  • 2. INFLUENCIAS FISIOLÓGICAS NA PSICOLOGIA Papel do observador Friederich Bessel – características pessoais poderiam influenciar as observações da astronomia. As ciências deveriam ser baseadas em observações deveriam considerar esse dado da realidade.
  • 3. Primeiros avanços da fisiologia  Johannes Muller – defensor do método experimental – fisiologia experimental final do século XIX  Fisiologia experimental  Marshall Hall – médico escocês começou a observar que os animais decapitados continuavam a se movimentar por algum tempo.  Os vários níveis do comportamento dependem de partes distintas do cérebro e do sistema nervoso.  Postulou que o movimento voluntário depende do cérebro, o movimento reflexo da medula espinhal; movimento involuntário do estímulo direta dos músculos e o movimento respiratório da medula.  Pierre Flourens – método da extirpação para saber funções específicas do cérebro, removendo, destruindo e observando as mudanças no comportamento do animal.
  • 4. Primeiros avanços da fisiologia  Método clínico desenvolvido por Paul Broca – exame após a morte das estruturas do cérebro para detectar as áreas lesionadas, consideradas pelo comportamento do indivíduo. (área da broca)  Estímulos elétricos – técnica que explora o córtex cerebral, que aplicava pequenos choques elétricos para observar a resposta motora.  Os empiristas britânicos argumentavam que a sensação era única fonte do conhecimento.  Bessel, demonstrou os impacto da observação das diferenças individuais na sensação e percepção.  Os fisiologistas estavam definindo a estrutura e a função dos sentidos.  Chegou o momento de fazer experimentos e quantificar o acesso para a mente, a experiencia mentalística e subjetiva das sensações.  As técnicas para investigar corpo, passaram a ser desenvolvidas para exploração da mente.  A psicologia experimental estava pronta para começar
  • 5. Os primórdios da psicologia experimental 4 cientistas Helmholtz, Weber, Fechner, Wundt, todos cientistas alemãs especialistas em fisiologia e cientes do avanço da psicologia. Por que a Alemanha? O pensamento científico progredia na maioria dos países da Europa Ocidental no século XIX, especialmente na Inglaterra, França e Alemanha.  Alemanha se tornou o solo mais fértil para o crescimento da nova psicologia. A fisologia experimental estava firmemente estabelecida e era reconhecida em um grau ainda não alcançados na Inglaterra e França.
  • 6. Contribuições para a psicologia Helmholtz – Pesquisador do campo da física e da fisiologia, foi um dos maiores cientistas do século XIX. A psicologia estava em 3° lugar entre as áreas de suas contribuições científicas. Inventou o oftalmoscópio, aparelho aplicado no exame da retina do olho  os órgãos sensoriais humanos funcionavam como máquinas. Pesquisas importantes para psicologia, impulso neural, visão e audição. Contribuições com estudos sobre s sensações tonais, problemas da acústica e mais tarde indiretamente para a invenção do telégrafo sem fio e do rádio.
  • 7. Problemas da psicologia sensorial  Velocidade do impulso nervoso, primeira medida empírica da velocidade de condução ao estimular o nervo motor e o músculo correspondente da perna e uma rã, foi possível registrar o momento preciso da estimulação e o movimento resultante.  Mediu o tempo requerido para a condução, a velocidade de 27 centímetros por segundo.  Mediu tempo de reação de nervos sensoriais de sujeitos humanos – estimulação um órgão dos sentidos e a resposta motora resultante.  Muita variação de respostas que ele abandonou a pesquisa.  Demonstrou que a velocidade de condução não era instantânea – pensamento e movimento se seguem um ao outro com intervalo de tempo mensurável, não de forma simultânea como pensava.  Interessou-se mais pela medida que pelo significado psicológico do fenômeno.  A contribuição dele foi metodológica é possível medir o impulso nervoso e depois será chamado de psicofísica.
  • 8. Weber – Nasceu em Wittenberg na Alemanha. Principal interesse d pesquisa: Fisiologia dos órgãos sensoriais, área que deu notável duradoura contribuição. Além da pesquisa tradicional sobre os sentidos superiores a visão e audição. Aplicou métodos experimentais da fisiologia. Limiar de dois pontos de discriminação a pele e a diferença apenas perceptível detectada pelos músculos.
  • 9. Limiar de dois pontos (limite) – determinação experimental da precisão com que ocorre a discriminação (pelo sujeito) de dois pontos da pele – a distância entre dois pontos necessários para que o indivíduo possa relatar eu teve duas sensações. Sem olhar para o objeto, os indivíduos são solicitados a relatar se sentem um ou dois pontos da pele sendo tocados. Implicação para psicologia sobre o modo objetivo da sensação e o modo subjetivo da percepção.
  • 10. Quando os dois pontos estão próximos um do outro, os participantes do estudo relatam uma clara sensação d que só um ponto foi tocado. Aumentando a distancia entre as duas fontes de estímulo, se mostram incerto sobre se sentem uma ou duas sensações. Por fim, é alcançada a distancia em que os participantes do estudo relatam dois pontos e diferentes estimulações.
  • 11. Diferença apenas perceptível – a primeira lei quantitativa da psicologia. A menor diferença entre pesos que poderia ser detectada. Compara o peso objetivo e a percepção de pesos
  • 12. Fechner – estudou medicina, foi físico e matemático. Interesse pelo problema da sensação. Buscou estudar a relação quantitativa entre mente corpo, entre sensação mental e estímulo material. Ligação entre mente e corpo é possível mensurar. Relação entre objetividade e subjetividade. Aumento na intensidade do estímulo não produz o mesmo aumento na intensidade da sensação. O efeito das intensidades de estímulos não são absolutos e sim relativos a quantidade de sensação que já existem.
  • 13. Propôs uma maneira de medir a sensação. Determinar se um estímulo está ausente ou presente (se é sentido ou não) Podemos medir a intensidade do estímulo com base nos relatos sujeitos à primeira sensação Limiar absoluto – limitado porque só determina o valor de uma sensação – o nível mais baixo. Limiar diferencial –a menor quantidade da mudança de um estímulo eu produz a mudança de sensação.
  • 14. Mede-se em quanto o peso deve ser reduzido antes que o sujeito mal possa discriminar a diferença. Modifica-se o peso do objeto para esse valor menor e medimos novamente a amplitude do limiar. Para cada modalidade sensorial, Fechner estabeleceu que há um certo aumento relativo no estímulo que sempre produz modificações observáveis na intensidade da sensação. Sensação (mente ou qualidade mental) e estímulo excitante (corpo ou qualidade material) podem ser medidos, e o relacionamento entre ambos podem ser enunciados com uma equação.
  • 15. A fundação da nova psicologia  Meados do século XIX – Os métodos da ciência natural estavam sendo usados para investigar fenômenos puramente mentais.  Haviam técnicas e aparelhos de medição, livros sobre o tema, despertou amplo interesse. Empirismo ( conhecimento mediante à observação da natureza e atribuição de todo conhecimento a experiência) britânico e os trabalhos da astronomia, acentuaram a importância dos sentidos (tato, olfato, audição, visão, audição), os cientistas alemãs descreviam o funcionamento. O espírito positivista da época (fenômenos naturais ou fatos observáveis), encorajou a convergência dessas duas linhas de pensamento.  Wundt – fundador (pai) da psicologia moderna, é o primeiro psicólogo, fundou o primeiro laboratório, editou a primeira revista, deu início à psicologia experimental como ciência.  Investigou a sensação, percepção, atenção, sentimento, reação, associação, temas que se tornaram capítulos básicos da psicologia – processos psicológicos básicos.
  • 16.  Porque Wundt e não Fechner é considerado o fundador da psicologia?  A resposta está na natureza do processo de fundação:  A fundação é um dado intencional e deliberado. Envolve capacidades e características que diferem das que são necessárias para as realizações científicas brilhantes.  Fundar requer integração e a consideração do trabalho precedente, bem como a publicação e promoção do material recém-organizado.  Fechner não estava tentando fundar uma nova ciência. Seu objetivo era compreender a relação entre o muno material o muno mental. Uma concepção unificada mente e corpo.  Wundt voltou-se deliberadamente para a fundação da nova ciência. Estava interessado em promover a psicologia como ciência independente.  A origem a psicologia, se deu em longo processo de esforço criativo.  No decorrer da segunda metade do século XIX o zeitgeist estava pronto para aplicação da abordagem experimental a problemas da mente. Wundt foi um rigoroso agente do que já estava em desenvolvimento, um bem dotado promotor do inevitável.
  • 17. Vida e obra de Wundt  Wundt, nasceu numa Aldeia próxima de Mannheim – Alemanha  Estudou medicina (anatomia, fisiologia, física, medicina e química)  Influenciado por Robert Busen (Química).  Concentrou-se nos estudos da fisiologia, estudou na universidade de Berlim – com Johanes Muller, fisiólogo e anatomista.  Passou 10 nãos na universidade de Heildelberg, onde defendeu a Tese de doutorado em Medicina, sobre sensibilidade táctil, de pacientes histéricos, utilizando o método de Weber de discriminação limiar entre dois pontos.  Assume cargo de fisiólogo nesta mesma universidade.  Assistente de laboratório de Helmholtz.  Faz proposta da psicologia experimental independente. Na obra Beintränge zur Theorie der Sinneswahrnehmung (Contribuições para a teoria da percepção sensorial)
  • 18.  Usou pela primeira vez o termo psicologia experimental.  Elementos da psicofísica (Fechner, 1860) e Biträge (marco do nascimento literário da nova ciência).  Conferência sobre as mentes dos homens e animais. (1863)  Discutiu o tempo de reação e psicofísica.  1867 ministra o curso de psicologia fisiológica e escreve a obra princípios da psicologia fisiológica)  Esta obra teve seis edições em 37 anos, a última em 1911, estabeleceu a psicologia como ciência de laboratório, com suas perguntas e métodos de experimentação. No prefácio indica a delimitação de um novo ”domínio da ciência”.  Psicologia fisiológica – fisiologia como sinônimo de experimental (psicologia experimental) diferente de como entendemos a fisiologia nos dias atuais)  1875 – cargo de professor de filosofia, na Universidade de Leipzig, trabalhou por 45 anos no Laboratório.  1881 – Funda a revista estudos filosóficos. Poque estudos filosóficos? Havia uma revista chamada estudos psicológicos (tratava espiritualismo e ocultismo)
  • 19.  Wundt escreve um manual, um laboratório e uma revista acadêmica.  Muitos discípulos (estudantes) vão a Leipzig.  Wundt influenciou toda psicologia moderna.  Forneceu o modelo para muitos laboratórios posteriores, EUA, Itália, Rússia, Japão.  Rússia traduziu mais livros de Wundt, duplicaram o laboratório de Wundt, alunos japoneses Universidade de Tóquio (1920)  primeira escola de pensamento no âmbito da psicologia moderna (Estruturalismo)  1970 – diário da Sra. Wundt vem a público, sobre as rotinas de trabalho do esposo.  1880-1891, escreveu sobre ética, lógica e filosofia sistemática.  1880 – Segunda edição de Princípios de Psicologia Fisiológica.  1887 – Terceira edição de Princípios de psicologia Fisiológica.  Esboçou nas contribuições(Beitrage) a criação de uma psicologia social.  1900-1920 – Dez volumes da psicologia cultural
  • 20. Psicologia cultural  Estuda os estágios do desenvolvimento mental, manifesto na linguagem, na arte, nos mitos, nos costumes sociais, na lei, na moral.  Wundt divide a psicologia em duas partes, psicologia experimental e psicologia social.  As funções mentais básicas (sensação, percepção) pela pesquisa de laboratório.  Processos mentais superiores (aprendizagem, memória) por serem condicionadas por hábitos linguísticos outros aspectos dos hábitos culturais.  Processos mentais superiores só poderiam ser estudados pela sociologia, antropologia e psicologia social.  Wundt se dedica 10 anos para o desenvolvimento da psicologia cultural. Considerada parte essencial da psicologia. Teve pouco impacto na psicologia dos EUA.
  • 21. Experiência mediata e imediata, voluntarismo  Voluntarismo – capacidade própria de organização a mente, referencia a palavra volição que significa o ato ou força de vontade.  Experiencia mediata -