SlideShare uma empresa Scribd logo
Karl PopperKarl Popper
O FalsificacionismoO Falsificacionismo
1.1. Um novo critério de demarcaçãoUm novo critério de demarcação
científica.científica.
2.2. Crítica ao método tradicional da ciênciaCrítica ao método tradicional da ciência
O modelo tradicional de ciênciaO modelo tradicional de ciência
 Uma teoria só é científica se consistir emUma teoria só é científica se consistir em
afirmações empiricamente (pela experiência)afirmações empiricamente (pela experiência)
Verificáveis.Verificáveis.
 Este modelo chama-seEste modelo chama-se verificacionismo.verificacionismo.
 Popper critica este modelo porque:Popper critica este modelo porque:
 Não se pode aplicar às leis científicas.Não se pode aplicar às leis científicas.
 Não podemos verificar empiricamente “TodosNão podemos verificar empiricamente “Todos
os metais dilatam com o calor.”os metais dilatam com o calor.”
Não podemos verificarNão podemos verificar
experimentalmente as leis ouexperimentalmente as leis ou
teorias geraisteorias gerais
 Se o positivismoSe o positivismo
lógico exige que aslógico exige que as
teorias científicasteorias científicas
sejam verificadassejam verificadas
pelapela
experiênciexperiência…a…
Um novo critério de demarcaçãoUm novo critério de demarcação
científica.científica.
 TESE: Uma teoria só é científica se consistir emTESE: Uma teoria só é científica se consistir em
afirmações empiricamente (pela experiência)afirmações empiricamente (pela experiência)
FALSIFICÁVEIS.FALSIFICÁVEIS.
 As afirmações que não podem ser falsificadasAs afirmações que não podem ser falsificadas
pela experiência não podem ter valor científico.pela experiência não podem ter valor científico.
 Exemplo:Exemplo: Ou chove ou não choveOu chove ou não chove
 Não é científicoNão é científico
 Amanhã à tarde, entre as 15h e as 18h vai choverAmanhã à tarde, entre as 15h e as 18h vai chover
 CientíficoCientífico
Argumentos para validar esta teoria:Argumentos para validar esta teoria:
 As teorias que usam a experiência apenas como confirmaçãoAs teorias que usam a experiência apenas como confirmação
não podem ser refutadas. Não se submetem ao teste danão podem ser refutadas. Não se submetem ao teste da
experiência. São “pseudo-científicas”.experiência. São “pseudo-científicas”.
 Exemplo: A teoria psicanalítica de Adler diz que todo oExemplo: A teoria psicanalítica de Adler diz que todo o
comportamento humano pode ser explicado pelo complexocomportamento humano pode ser explicado pelo complexo
de inferioridadede inferioridade..
 O facto 1: O pai bate violentamente no filho – confirma a teoriaO facto 1: O pai bate violentamente no filho – confirma a teoria
– quer mostrar superioridade, impelido pela consciência da sua– quer mostrar superioridade, impelido pela consciência da sua
inferioridade.inferioridade.
 Facto 2 : O pai é carinhoso com o filho – confirma a teoria –Facto 2 : O pai é carinhoso com o filho – confirma a teoria –
porque o pai revela o seu complexo de inferioridade de modo aporque o pai revela o seu complexo de inferioridade de modo a
suscitar uma reação contrária no filho.suscitar uma reação contrária no filho.
 CONCLUSÃO: Factos contrários sãoCONCLUSÃO: Factos contrários são
interpretados como confirmando sempre ainterpretados como confirmando sempre a
teoria.teoria.
A teoria tem que proibir certasA teoria tem que proibir certas
ocorrênciasocorrências
 Deduzir consequênciasDeduzir consequências
experimentais da teoriaexperimentais da teoria
e testá-la através dae testá-la através da
experiência é umaexperiência é uma
metodologia científica.metodologia científica.
Argumento 2Argumento 2
 Estas teorias que não proíbem certas ocorrências sãoEstas teorias que não proíbem certas ocorrências são VAGASVAGAS
 NADA DIZEM ACERCA DO MUNDONADA DIZEM ACERCA DO MUNDO
 As teorias mais informativas são as que correm mais riscos deAs teorias mais informativas são as que correm mais riscos de
falsificação nas suas previsões.falsificação nas suas previsões.
 Exemplo: Se a nossa teoria meteorológica estiver corretaExemplo: Se a nossa teoria meteorológica estiver correta
amanhã vai chover entre as 15h e as 18hamanhã vai chover entre as 15h e as 18h
 As teorias cujas previsões são mais informativas, são maisAs teorias cujas previsões são mais informativas, são mais
objetivas, mais proibitivas , correm mais riscos de serobjetivas, mais proibitivas , correm mais riscos de ser
falsificadas, logo, são científicas.falsificadas, logo, são científicas.
 Se de facto chover, revela-se que a teoria permanece comoSe de facto chover, revela-se que a teoria permanece como
válida, até se revelar falsa e ser substituída por outra.válida, até se revelar falsa e ser substituída por outra.
 Conclusão: Quanto mais arriscada, maisConclusão: Quanto mais arriscada, mais
informativa, mais facilmente falsificável. Este é oinformativa, mais facilmente falsificável. Este é o
critério de separação entre as afirmaçõescritério de separação entre as afirmações
científicas e as que não são.científicas e as que não são.
As teorias científicas arriscamAs teorias científicas arriscam
previsões rigorosas.previsões rigorosas.
 Einstein fez previsõesEinstein fez previsões
rigorosas. Se estiverrigorosas. Se estiver
correto, a luz de umacorreto, a luz de uma
estrela sofre um efeito talestrela sofre um efeito tal
que de dia aparece numque de dia aparece num
lugar e à noite noutro.lugar e à noite noutro.
Vamos ver…Vamos ver…
As teorias científicas são conjecturasAs teorias científicas são conjecturas
 Cabe ao cientista arriscar previsões para poderCabe ao cientista arriscar previsões para poder
testar a sua teoria.testar a sua teoria.
 As teorias científicas não podem ser confirmadas pelaAs teorias científicas não podem ser confirmadas pela
experiência (porque têm um carácter generalizador e aexperiência (porque têm um carácter generalizador e a
experiência é sempre finita) mas devem poder serexperiência é sempre finita) mas devem poder ser
falsificadas por esta.falsificadas por esta. Permanecem como hipótesesPermanecem como hipóteses
explicativas até ser encontrada uma experiência que aexplicativas até ser encontrada uma experiência que a
negue,negue, isto é que não possa ser explicada pela teoria ouisto é que não possa ser explicada pela teoria ou
que entre em contradição com ela. Por isso as teoriasque entre em contradição com ela. Por isso as teorias
científicas sãocientíficas são conjecturasconjecturas e não verdades.e não verdades.
A experiência pode corroborarA experiência pode corroborar
mas isso nada prova.mas isso nada prova.
 Uma teoriaUma teoria
científica quecientífica que
não énão é
falsificadafalsificada
permanecepermanece
apenasapenas
corroboradacorroborada..
Crítica ao método tradicional: aCrítica ao método tradicional: a
induçãoindução
 Os positivistas, para quem a observação era a fonte de toda a investigaçãoOs positivistas, para quem a observação era a fonte de toda a investigação
e verificação científica, partem dos seguinte pressupostos:e verificação científica, partem dos seguinte pressupostos:
1.1. Há uma observação neutra e puraHá uma observação neutra e pura
2.2. É possível registar todo o tipo de dados empíricos.É possível registar todo o tipo de dados empíricos.
3.3. Popper refuta estes pressupostos:Popper refuta estes pressupostos:
4.4. Não há observação neutra e pura, porque o cientista selecciona e privilegiaNão há observação neutra e pura, porque o cientista selecciona e privilegia
na realidade os fenómenos que quer observar e não dá valor a outrosna realidade os fenómenos que quer observar e não dá valor a outros
5.5. Toda a observação já tem uma finalidade, já está sujeita a um critério deToda a observação já tem uma finalidade, já está sujeita a um critério de
escolha, a um problema intelectual.escolha, a um problema intelectual.
6.6. A forma como se classifica os factos também está sujeita a um métodoA forma como se classifica os factos também está sujeita a um método
prévio de classificação.prévio de classificação.
7.7. Assim o que vamos observar nas formigas não pode ser o mesmo que observamos nosAssim o que vamos observar nas formigas não pode ser o mesmo que observamos nos
leõesleões..
CONCLUSÃO: Há realidades que não são observáveis (átomos). O sujeito afetaCONCLUSÃO: Há realidades que não são observáveis (átomos). O sujeito afeta
o objeto a observar. A experimentação é orientada intelectualmente.o objeto a observar. A experimentação é orientada intelectualmente.
A experiência não prova que umaA experiência não prova que uma
teoria é verdadeira mas podeteoria é verdadeira mas pode
provar que ela é falsa.provar que ela é falsa.
 Nós propomosNós propomos
que aque a
experiência nãoexperiência não
verifique asverifique as
teorias masteorias mas
possa falsificá-possa falsificá-
las!las!
Crítica à Indução 2Crítica à Indução 2
 As leis científicas como são universais nãoAs leis científicas como são universais não
podem ser empiricamente verificáveis.podem ser empiricamente verificáveis.
 Podem permanecer como conjeturas, até serem falsificadas.Podem permanecer como conjeturas, até serem falsificadas.
 Não podem constituir-se como verdades inabaláveis.Não podem constituir-se como verdades inabaláveis.
 O método indutivo não é suficiente para provar a universalidadeO método indutivo não é suficiente para provar a universalidade
porque por mais casos que se verifiquem é impossível verificarporque por mais casos que se verifiquem é impossível verificar
todos e as leis referem-se a todos.todos e as leis referem-se a todos.
 Propõe-se um métodoPropõe-se um método hipotético-dedutivo:hipotético-dedutivo: FormulaçãoFormulação
de hipóteses explicativas para resolver os problemas.de hipóteses explicativas para resolver os problemas.
 Teste experimental às hipóteses não visa a sua comprovação masTeste experimental às hipóteses não visa a sua comprovação mas
sim a sua falsificação.sim a sua falsificação.
A ciência é uma atividade críticaA ciência é uma atividade crítica
 Provar algo não éProvar algo não é
confirmar mas pôr à provaconfirmar mas pôr à prova

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
Lurdes Sousa
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
Jorge Barbosa
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
Isabel Moura
 
Hume
HumeHume
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
Luis De Sousa Rodrigues
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
Francis Mary Rosa
 
Karlpopper
KarlpopperKarlpopper
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
Isabel Moura
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_Popper
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn Comparação_Popper_kuhn
Comparação_Popper_kuhn
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Karlpopper
KarlpopperKarlpopper
Karlpopper
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_Popper
 

Destaque

Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
Helena Serrão
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Popper
PopperPopper
O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
Helena Serrão
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
Helena Serrão
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
José Augusto Fiorin
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
Helena Serrão
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
Helena Serrão
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
PRA_RMARQUES
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Helena Serrão
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Helena Serrão
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
Helena Serrão
 

Destaque (16)

Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
 

Semelhante a Popper

eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docxREA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
ElianeMacedo22
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
Ivo Mai
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
pyteroliva
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
BolachinhaMaria1
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
Thiago Xavier
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
j_sdias
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
TixaAlmeida
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Marcelo Knobel
 
Indução e confirmação
Indução e confirmaçãoIndução e confirmação
Indução e confirmação
guest1d16fd
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
j_sdias
 
Popper -11ºL
Popper -11ºLPopper -11ºL
Popper -11ºL
Joaquim Melro
 
Problema da demarcação - Karl Popper
Problema da demarcação - Karl PopperProblema da demarcação - Karl Popper
Problema da demarcação - Karl Popper
Jair Lucio Prados Ribeiro
 
Popper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcaçãoPopper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcação
Isabel Moura
 
Popper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcaçãoPopper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcação
Isabel Moura
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
GustavoArouche2
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISAMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
Jadde Caroline
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 

Semelhante a Popper (20)

eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docxREA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
 
Indução e confirmação
Indução e confirmaçãoIndução e confirmação
Indução e confirmação
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
 
Popper -11ºL
Popper -11ºLPopper -11ºL
Popper -11ºL
 
Problema da demarcação - Karl Popper
Problema da demarcação - Karl PopperProblema da demarcação - Karl Popper
Problema da demarcação - Karl Popper
 
Popper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcaçãoPopper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcação
 
Popper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcaçãoPopper_problema_demarcação
Popper_problema_demarcação
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISAMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Popper

  • 1. Karl PopperKarl Popper O FalsificacionismoO Falsificacionismo 1.1. Um novo critério de demarcaçãoUm novo critério de demarcação científica.científica. 2.2. Crítica ao método tradicional da ciênciaCrítica ao método tradicional da ciência
  • 2. O modelo tradicional de ciênciaO modelo tradicional de ciência  Uma teoria só é científica se consistir emUma teoria só é científica se consistir em afirmações empiricamente (pela experiência)afirmações empiricamente (pela experiência) Verificáveis.Verificáveis.  Este modelo chama-seEste modelo chama-se verificacionismo.verificacionismo.  Popper critica este modelo porque:Popper critica este modelo porque:  Não se pode aplicar às leis científicas.Não se pode aplicar às leis científicas.  Não podemos verificar empiricamente “TodosNão podemos verificar empiricamente “Todos os metais dilatam com o calor.”os metais dilatam com o calor.”
  • 3. Não podemos verificarNão podemos verificar experimentalmente as leis ouexperimentalmente as leis ou teorias geraisteorias gerais  Se o positivismoSe o positivismo lógico exige que aslógico exige que as teorias científicasteorias científicas sejam verificadassejam verificadas pelapela experiênciexperiência…a…
  • 4. Um novo critério de demarcaçãoUm novo critério de demarcação científica.científica.  TESE: Uma teoria só é científica se consistir emTESE: Uma teoria só é científica se consistir em afirmações empiricamente (pela experiência)afirmações empiricamente (pela experiência) FALSIFICÁVEIS.FALSIFICÁVEIS.  As afirmações que não podem ser falsificadasAs afirmações que não podem ser falsificadas pela experiência não podem ter valor científico.pela experiência não podem ter valor científico.  Exemplo:Exemplo: Ou chove ou não choveOu chove ou não chove  Não é científicoNão é científico  Amanhã à tarde, entre as 15h e as 18h vai choverAmanhã à tarde, entre as 15h e as 18h vai chover  CientíficoCientífico
  • 5. Argumentos para validar esta teoria:Argumentos para validar esta teoria:  As teorias que usam a experiência apenas como confirmaçãoAs teorias que usam a experiência apenas como confirmação não podem ser refutadas. Não se submetem ao teste danão podem ser refutadas. Não se submetem ao teste da experiência. São “pseudo-científicas”.experiência. São “pseudo-científicas”.  Exemplo: A teoria psicanalítica de Adler diz que todo oExemplo: A teoria psicanalítica de Adler diz que todo o comportamento humano pode ser explicado pelo complexocomportamento humano pode ser explicado pelo complexo de inferioridadede inferioridade..  O facto 1: O pai bate violentamente no filho – confirma a teoriaO facto 1: O pai bate violentamente no filho – confirma a teoria – quer mostrar superioridade, impelido pela consciência da sua– quer mostrar superioridade, impelido pela consciência da sua inferioridade.inferioridade.  Facto 2 : O pai é carinhoso com o filho – confirma a teoria –Facto 2 : O pai é carinhoso com o filho – confirma a teoria – porque o pai revela o seu complexo de inferioridade de modo aporque o pai revela o seu complexo de inferioridade de modo a suscitar uma reação contrária no filho.suscitar uma reação contrária no filho.  CONCLUSÃO: Factos contrários sãoCONCLUSÃO: Factos contrários são interpretados como confirmando sempre ainterpretados como confirmando sempre a teoria.teoria.
  • 6. A teoria tem que proibir certasA teoria tem que proibir certas ocorrênciasocorrências  Deduzir consequênciasDeduzir consequências experimentais da teoriaexperimentais da teoria e testá-la através dae testá-la através da experiência é umaexperiência é uma metodologia científica.metodologia científica.
  • 7. Argumento 2Argumento 2  Estas teorias que não proíbem certas ocorrências sãoEstas teorias que não proíbem certas ocorrências são VAGASVAGAS  NADA DIZEM ACERCA DO MUNDONADA DIZEM ACERCA DO MUNDO  As teorias mais informativas são as que correm mais riscos deAs teorias mais informativas são as que correm mais riscos de falsificação nas suas previsões.falsificação nas suas previsões.  Exemplo: Se a nossa teoria meteorológica estiver corretaExemplo: Se a nossa teoria meteorológica estiver correta amanhã vai chover entre as 15h e as 18hamanhã vai chover entre as 15h e as 18h  As teorias cujas previsões são mais informativas, são maisAs teorias cujas previsões são mais informativas, são mais objetivas, mais proibitivas , correm mais riscos de serobjetivas, mais proibitivas , correm mais riscos de ser falsificadas, logo, são científicas.falsificadas, logo, são científicas.  Se de facto chover, revela-se que a teoria permanece comoSe de facto chover, revela-se que a teoria permanece como válida, até se revelar falsa e ser substituída por outra.válida, até se revelar falsa e ser substituída por outra.  Conclusão: Quanto mais arriscada, maisConclusão: Quanto mais arriscada, mais informativa, mais facilmente falsificável. Este é oinformativa, mais facilmente falsificável. Este é o critério de separação entre as afirmaçõescritério de separação entre as afirmações científicas e as que não são.científicas e as que não são.
  • 8. As teorias científicas arriscamAs teorias científicas arriscam previsões rigorosas.previsões rigorosas.  Einstein fez previsõesEinstein fez previsões rigorosas. Se estiverrigorosas. Se estiver correto, a luz de umacorreto, a luz de uma estrela sofre um efeito talestrela sofre um efeito tal que de dia aparece numque de dia aparece num lugar e à noite noutro.lugar e à noite noutro. Vamos ver…Vamos ver…
  • 9. As teorias científicas são conjecturasAs teorias científicas são conjecturas  Cabe ao cientista arriscar previsões para poderCabe ao cientista arriscar previsões para poder testar a sua teoria.testar a sua teoria.  As teorias científicas não podem ser confirmadas pelaAs teorias científicas não podem ser confirmadas pela experiência (porque têm um carácter generalizador e aexperiência (porque têm um carácter generalizador e a experiência é sempre finita) mas devem poder serexperiência é sempre finita) mas devem poder ser falsificadas por esta.falsificadas por esta. Permanecem como hipótesesPermanecem como hipóteses explicativas até ser encontrada uma experiência que aexplicativas até ser encontrada uma experiência que a negue,negue, isto é que não possa ser explicada pela teoria ouisto é que não possa ser explicada pela teoria ou que entre em contradição com ela. Por isso as teoriasque entre em contradição com ela. Por isso as teorias científicas sãocientíficas são conjecturasconjecturas e não verdades.e não verdades.
  • 10. A experiência pode corroborarA experiência pode corroborar mas isso nada prova.mas isso nada prova.  Uma teoriaUma teoria científica quecientífica que não énão é falsificadafalsificada permanecepermanece apenasapenas corroboradacorroborada..
  • 11. Crítica ao método tradicional: aCrítica ao método tradicional: a induçãoindução  Os positivistas, para quem a observação era a fonte de toda a investigaçãoOs positivistas, para quem a observação era a fonte de toda a investigação e verificação científica, partem dos seguinte pressupostos:e verificação científica, partem dos seguinte pressupostos: 1.1. Há uma observação neutra e puraHá uma observação neutra e pura 2.2. É possível registar todo o tipo de dados empíricos.É possível registar todo o tipo de dados empíricos. 3.3. Popper refuta estes pressupostos:Popper refuta estes pressupostos: 4.4. Não há observação neutra e pura, porque o cientista selecciona e privilegiaNão há observação neutra e pura, porque o cientista selecciona e privilegia na realidade os fenómenos que quer observar e não dá valor a outrosna realidade os fenómenos que quer observar e não dá valor a outros 5.5. Toda a observação já tem uma finalidade, já está sujeita a um critério deToda a observação já tem uma finalidade, já está sujeita a um critério de escolha, a um problema intelectual.escolha, a um problema intelectual. 6.6. A forma como se classifica os factos também está sujeita a um métodoA forma como se classifica os factos também está sujeita a um método prévio de classificação.prévio de classificação. 7.7. Assim o que vamos observar nas formigas não pode ser o mesmo que observamos nosAssim o que vamos observar nas formigas não pode ser o mesmo que observamos nos leõesleões.. CONCLUSÃO: Há realidades que não são observáveis (átomos). O sujeito afetaCONCLUSÃO: Há realidades que não são observáveis (átomos). O sujeito afeta o objeto a observar. A experimentação é orientada intelectualmente.o objeto a observar. A experimentação é orientada intelectualmente.
  • 12. A experiência não prova que umaA experiência não prova que uma teoria é verdadeira mas podeteoria é verdadeira mas pode provar que ela é falsa.provar que ela é falsa.  Nós propomosNós propomos que aque a experiência nãoexperiência não verifique asverifique as teorias masteorias mas possa falsificá-possa falsificá- las!las!
  • 13. Crítica à Indução 2Crítica à Indução 2  As leis científicas como são universais nãoAs leis científicas como são universais não podem ser empiricamente verificáveis.podem ser empiricamente verificáveis.  Podem permanecer como conjeturas, até serem falsificadas.Podem permanecer como conjeturas, até serem falsificadas.  Não podem constituir-se como verdades inabaláveis.Não podem constituir-se como verdades inabaláveis.  O método indutivo não é suficiente para provar a universalidadeO método indutivo não é suficiente para provar a universalidade porque por mais casos que se verifiquem é impossível verificarporque por mais casos que se verifiquem é impossível verificar todos e as leis referem-se a todos.todos e as leis referem-se a todos.  Propõe-se um métodoPropõe-se um método hipotético-dedutivo:hipotético-dedutivo: FormulaçãoFormulação de hipóteses explicativas para resolver os problemas.de hipóteses explicativas para resolver os problemas.  Teste experimental às hipóteses não visa a sua comprovação masTeste experimental às hipóteses não visa a sua comprovação mas sim a sua falsificação.sim a sua falsificação.
  • 14. A ciência é uma atividade críticaA ciência é uma atividade crítica  Provar algo não éProvar algo não é confirmar mas pôr à provaconfirmar mas pôr à prova