SlideShare uma empresa Scribd logo
Senso Comum e
Conhecimento científico
      Alguns tópicos para a sua
                  compreensão
      (o que é comum, o que os
                      distingue)
Aspectos comuns
   O senso comum fornece
    determinadas soluções que se
    revelam satisfatórias e que
    incentivam a investigação
    científica.
   Algumas vezes esta vem
    confirmar de forma lógica e
    racional o que no senso comum
    é um saber intuitivo.
   .
   Ambos os conhecimentos
    surgem para resolver
    necessidades práticas, embora
    o conhecimento científico não se
    desenvolva apenas com esse
    objectivo.
O conhecimento científico refuta
muitas vezes o senso comum
                      Outras vezes a investigação
                       científica refuta as crenças
                       do senso comum.
                      O senso comum pode ser
                       também um obstáculo ao
                       conhecimento científico,
                       porque cria expectativas que
                       podem manipular a
                       investigação e a neutralidade
                       da observação científica
A linguagem.
   O Senso Comum                O conhecimento
                                  científico:
   Utiliza termos vagos da      Utiliza termos precisos,
    linguagem comum, que          uma linguagem técnica
    podem designar um             universal da qual faz
    número indeterminado          parte a contagem e
    de coisas suscitando          medição assim como
    múltiplas                     uma simbologia que
    interpretações.               designa a constituição
                                  dos elementos que
   Exemplo: ÁGUA
                                  estuda. H2O
A organização:
   O SENSO COMUM é                 O Conhecimento
    Assistemático visto que          científico é Sistemático
    acontece um pouco ao             porque é um corpo de saber
    acaso e inclui saberes           organizado que se divide
    diversos e sem organização       em áreas demarcadas pelo
    entre eles.                      seu objecto de estudo.
                                     Classifica os particulares
                                     em grupos/classes, o que
                                     permite a distinção rigorosa
                                     e um saber mais
                                     especializado.
O aspecto crítico:
   Acrítico porque segue         Crítico porque está
    a tradição e a prática e       aberto à refutação
    não é susceptível de           estabelecendo o
    estabelecer os seus            campo dos factos que
    limites de modo a              podem ocorrer para a
    poder ser refutado, daí        teoria ser válida assim
    se manter durante              como os que não
    muitos anos                    podem..
Conhecimento acrítico.




   O Senso comum é uma espécie de saúde contagiosa.
   Alberto Morávia
Forma de procedimento do
senso comum:
   Abrangente e generalizador
    (indutivo) mas também
    funciona por analogia.
   Baseia-se na prática ou
    experiência comum.
   Exemplo: As marcas
    alemãs são de confiança.
   Os alemães são
    trabalhadores e
    disciplinados.
Forma de procedimento da
Ciência:
   Sobretudo dedutiva
    porque encontra certos
    princípios que explicam e
    ligam factos diversos.
    Esses princípios racionais
    são leis que podem ser
    aplicadas a vários factos
    diferentes.
   Também pode ser indutiva,
    sobretudo nas Ciências
    Humanas como a História,
    mas também na Biologia.
Método:
   O senso comum não           O conhecimento
    tem um método de             científico é Metódico e
    investigação ou              construído. A
    análise, é espontâneo        experimentação
    surge a partir das           científica obedece a
    necessidades práticas;       hipóteses construídas
    surge fragmentado.           racionalmente de
                                 modo a poderem ser
                                 testadas por
                                 determinados factos
                                 que as corroboram ou
                                 refutam.
Explicação?
   Não é explicativo porque não apresenta razões
    teóricas que nos façam compreender a necessidade
    dos factos que aponta ou das soluções que
    preconiza.
A ciência…
   É uma forma de explicação que aponta as razões
    teóricas que permitem compreender a necessidade
    dos factos, isto é, demonstra porque ocorrem desse
    modo e não de outro.
Rigor e fiabilidade da ciência:
                     É Rigorosa porque as
                      suas teorias são
                      sujeitas a testes,
                      verificações e
                      discussões deste modo
                      podem sempre ser
                      melhoradas ou
                      substituídas por outras
                      melhores.
Quanto ao conhecimento
vulgar…

    ÉSuperficial pois permite tirar conclusões baseando-se apenas na
    aparência.
   Confunde as causas com os resultados por isso não podem ser testadas
    com rigor essas conclusões.
Evolução:
   Enquanto o senso             O conhecimento
    comum tem tendência           científico Evoluí por
    a permanecer idêntico         tentativa e refutação,
    a si próprio e a              sendo as teorias
    prevalecer muitas             menos aptas
    vezes no erro pois            substituídas por outras
    agarra-se às tradições.       mais aptas.
CONCLUSÃO?
O  conhecimento vulgar é útil para a
 sobrevivência e, por vezes pode ser muito
 eficaz pois é mais fácil de aplicação, mas
 pode enganar-nos enquanto o
 conhecimento científico é mais fiável e
 objectivo, pois está continuamente sujeito
 à crítica e revisão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
Jorge Barbosa
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
Danilo Pires
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Jorge Barbosa
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Joel Nóbrega
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
Jorge Barbosa
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
nanasimao
 
Diferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerDiferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecer
Julhinha Camara
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
Italo Colares
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
António Daniel
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
Raquel Reino
 

Mais procurados (20)

Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - HumeTeorias Explicativas do Conhecimento - Hume
Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
 
Diferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecerDiferentes modos de conhecer
Diferentes modos de conhecer
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
 

Destaque

Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
Helena Serrão
 
Popper
PopperPopper
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
Helena Serrão
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
José Augusto Fiorin
 
Popper
PopperPopper
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
Helena Serrão
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
Helena Serrão
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
PRA_RMARQUES
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Helena Serrão
 
O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
Helena Serrão
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
Helena Serrão
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Helena Serrão
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
Helena Serrão
 

Destaque (16)

Como conhecemos nós
Como conhecemos nósComo conhecemos nós
Como conhecemos nós
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2A experiência e a atitude estética2
A experiência e a atitude estética2
 
Platão - Gorgias
Platão - GorgiasPlatão - Gorgias
Platão - Gorgias
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02Egoismo 110319054800-phpapp02
Egoismo 110319054800-phpapp02
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHASMÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
MÉTODO CIENTÍFICO - BORBULHAS
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
O utilitarismo
O utilitarismoO utilitarismo
O utilitarismo
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
 

Semelhante a Senso comum e conhecimento científico

Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Helena Serrão
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
anabelamatosanjos
 
Senso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptxSenso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptx
rogerioxavier22
 
Resenha construindo ciência
Resenha construindo ciênciaResenha construindo ciência
Resenha construindo ciência
CIRINEU COSTA
 
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica   Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
jessicalaryl
 
Aula 2 metodologia científica
Aula 2   metodologia científicaAula 2   metodologia científica
Aula 2 metodologia científica
Wellington Costa de Oliveira
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
Zeffy
 
Aula 01 e 02
Aula 01 e 02Aula 01 e 02
Metodologia de pesquisa i 2015
Metodologia de pesquisa i 2015Metodologia de pesquisa i 2015
Metodologia de pesquisa i 2015
Alexandre Felipe
 
Conhecimento Científico
Conhecimento CientíficoConhecimento Científico
Conhecimento Científico
Slovich
 
Método - Psicologia
Método - PsicologiaMétodo - Psicologia
Método - Psicologia
Jorge Barbosa
 
Ateliê de pesquisa i slides
Ateliê de pesquisa i slidesAteliê de pesquisa i slides
Ateliê de pesquisa i slides
gadelhabrito
 
Apostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científicaApostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científica
Projovem Urbano
 
Modelo de projeto de_pesquisa_2
Modelo de projeto de_pesquisa_2Modelo de projeto de_pesquisa_2
Modelo de projeto de_pesquisa_2
Alisson da Silva Rocha
 
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Luiz Eduardo
 
Profletras - slides1
Profletras - slides1Profletras - slides1
Profletras - slides1
rneres
 
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptx
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptxMetodologia Científica - Resumo Pós.pptx
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptx
MarceloBernardo33
 
Apostila seminário i
Apostila seminário iApostila seminário i
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
Suelen Piccinin
 

Semelhante a Senso comum e conhecimento científico (20)

Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
Sensocomumeconhecimentocientfico 130405110837-phpapp02(1)
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
 
Senso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptxSenso comum e conhecimento científico.pptx
Senso comum e conhecimento científico.pptx
 
Resenha construindo ciência
Resenha construindo ciênciaResenha construindo ciência
Resenha construindo ciência
 
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica   Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica
 
Aula 2 metodologia científica
Aula 2   metodologia científicaAula 2   metodologia científica
Aula 2 metodologia científica
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
 
Aula 01 e 02
Aula 01 e 02Aula 01 e 02
Aula 01 e 02
 
Metodologia de pesquisa i 2015
Metodologia de pesquisa i 2015Metodologia de pesquisa i 2015
Metodologia de pesquisa i 2015
 
Conhecimento Científico
Conhecimento CientíficoConhecimento Científico
Conhecimento Científico
 
Método - Psicologia
Método - PsicologiaMétodo - Psicologia
Método - Psicologia
 
Ateliê de pesquisa i slides
Ateliê de pesquisa i slidesAteliê de pesquisa i slides
Ateliê de pesquisa i slides
 
Apostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científicaApostila de metodologia científica
Apostila de metodologia científica
 
Modelo de projeto de_pesquisa_2
Modelo de projeto de_pesquisa_2Modelo de projeto de_pesquisa_2
Modelo de projeto de_pesquisa_2
 
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptxApresentação e Aula Introdutória.pptx
Apresentação e Aula Introdutória.pptx
 
Profletras - slides1
Profletras - slides1Profletras - slides1
Profletras - slides1
 
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptx
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptxMetodologia Científica - Resumo Pós.pptx
Metodologia Científica - Resumo Pós.pptx
 
Apostila seminário i
Apostila seminário iApostila seminário i
Apostila seminário i
 
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento[22985 109171]filosofiaeconhecimento
[22985 109171]filosofiaeconhecimento
 

Mais de Helena Serrão

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
Helena Serrão
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
Helena Serrão
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
Helena Serrão
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Helena Serrão
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
Helena Serrão
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Helena Serrão
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
Helena Serrão
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Helena Serrão
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Pp4
Pp4Pp4
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
Helena Serrão
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
Helena Serrão
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Helena Serrão
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Helena Serrão
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
Helena Serrão
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 

Mais de Helena Serrão (20)

Descartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptxDescartes provas da existência de Deus.pptx
Descartes provas da existência de Deus.pptx
 
Ceticismo.pptx
Ceticismo.pptxCeticismo.pptx
Ceticismo.pptx
 
O discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptxO discurso filosófico.pptx
O discurso filosófico.pptx
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptxCríticas à Ética deontológica de Kant.pptx
Críticas à Ética deontológica de Kant.pptx
 
Representações da pieta
Representações da pietaRepresentações da pieta
Representações da pieta
 
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
Oqueaarte 100529034553-phpapp01-150514210944-lva1-app6892
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Revisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartesRevisoes hume e_descartes
Revisoes hume e_descartes
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Pp4
Pp4Pp4
Pp4
 
Inteligencia artificial
Inteligencia artificialInteligencia artificial
Inteligencia artificial
 
Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01Falcias 121204140007-phpapp01
Falcias 121204140007-phpapp01
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca daComo vai o teu discernimento intelectual acerca da
Como vai o teu discernimento intelectual acerca da
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Falácias2
Falácias2Falácias2
Falácias2
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 

Senso comum e conhecimento científico

  • 1. Senso Comum e Conhecimento científico Alguns tópicos para a sua compreensão (o que é comum, o que os distingue)
  • 2. Aspectos comuns  O senso comum fornece determinadas soluções que se revelam satisfatórias e que incentivam a investigação científica.  Algumas vezes esta vem confirmar de forma lógica e racional o que no senso comum é um saber intuitivo.  .  Ambos os conhecimentos surgem para resolver necessidades práticas, embora o conhecimento científico não se desenvolva apenas com esse objectivo.
  • 3. O conhecimento científico refuta muitas vezes o senso comum  Outras vezes a investigação científica refuta as crenças do senso comum.  O senso comum pode ser também um obstáculo ao conhecimento científico, porque cria expectativas que podem manipular a investigação e a neutralidade da observação científica
  • 4. A linguagem.  O Senso Comum  O conhecimento científico:  Utiliza termos vagos da  Utiliza termos precisos, linguagem comum, que uma linguagem técnica podem designar um universal da qual faz número indeterminado parte a contagem e de coisas suscitando medição assim como múltiplas uma simbologia que interpretações. designa a constituição dos elementos que  Exemplo: ÁGUA estuda. H2O
  • 5. A organização:  O SENSO COMUM é  O Conhecimento Assistemático visto que científico é Sistemático acontece um pouco ao porque é um corpo de saber acaso e inclui saberes organizado que se divide diversos e sem organização em áreas demarcadas pelo entre eles. seu objecto de estudo. Classifica os particulares em grupos/classes, o que permite a distinção rigorosa e um saber mais especializado.
  • 6. O aspecto crítico:  Acrítico porque segue  Crítico porque está a tradição e a prática e aberto à refutação não é susceptível de estabelecendo o estabelecer os seus campo dos factos que limites de modo a podem ocorrer para a poder ser refutado, daí teoria ser válida assim se manter durante como os que não muitos anos podem..
  • 7. Conhecimento acrítico.  O Senso comum é uma espécie de saúde contagiosa.  Alberto Morávia
  • 8. Forma de procedimento do senso comum:  Abrangente e generalizador (indutivo) mas também funciona por analogia.  Baseia-se na prática ou experiência comum.  Exemplo: As marcas alemãs são de confiança.  Os alemães são trabalhadores e disciplinados.
  • 9. Forma de procedimento da Ciência:  Sobretudo dedutiva porque encontra certos princípios que explicam e ligam factos diversos.  Esses princípios racionais são leis que podem ser aplicadas a vários factos diferentes.  Também pode ser indutiva, sobretudo nas Ciências Humanas como a História, mas também na Biologia.
  • 10. Método:  O senso comum não  O conhecimento tem um método de científico é Metódico e investigação ou construído. A análise, é espontâneo experimentação surge a partir das científica obedece a necessidades práticas; hipóteses construídas surge fragmentado. racionalmente de modo a poderem ser testadas por determinados factos que as corroboram ou refutam.
  • 11. Explicação?  Não é explicativo porque não apresenta razões teóricas que nos façam compreender a necessidade dos factos que aponta ou das soluções que preconiza.
  • 12. A ciência…  É uma forma de explicação que aponta as razões teóricas que permitem compreender a necessidade dos factos, isto é, demonstra porque ocorrem desse modo e não de outro.
  • 13. Rigor e fiabilidade da ciência:  É Rigorosa porque as suas teorias são sujeitas a testes, verificações e discussões deste modo podem sempre ser melhoradas ou substituídas por outras melhores.
  • 14. Quanto ao conhecimento vulgar…  ÉSuperficial pois permite tirar conclusões baseando-se apenas na aparência.  Confunde as causas com os resultados por isso não podem ser testadas com rigor essas conclusões.
  • 15.
  • 16. Evolução:  Enquanto o senso  O conhecimento comum tem tendência científico Evoluí por a permanecer idêntico tentativa e refutação, a si próprio e a sendo as teorias prevalecer muitas menos aptas vezes no erro pois substituídas por outras agarra-se às tradições. mais aptas.
  • 17. CONCLUSÃO? O conhecimento vulgar é útil para a sobrevivência e, por vezes pode ser muito eficaz pois é mais fácil de aplicação, mas pode enganar-nos enquanto o conhecimento científico é mais fiável e objectivo, pois está continuamente sujeito à crítica e revisão.