SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA – UFRA
DISCIPLINA: ZOOLOGIA
PROFª: ANDRÉA BEZERRA


                  RELAÇÃO DOS MOLUSCOS COM A AGRICULTURA

       Os animais do Filo Mollusca que apresentam importância agrícola pertencem a classe
Gastropoda, Subclasse Pulmonata, Ordem Styllomatophora, agrupando as lesmas e
caracóis.
       Estes animais são altamente prejudiciais, atuando como pragas em plantas de horta,
pomares, jardins, como por exemplo a cultura do feijoeiro, cafeeiro, bananal, morangueiro,
arroz, alfaces, couve e orquidáceas. O dano é realizado pela raspagem de folhas pela rádula
na alimentação dos gastrópodes.
       Todavia algumas espécies podem servir como controladoras de pragas, como por
exemplo o caracol rajado Oxystyla pulchella pertencente a Bulimulidae. que no nível de
quarenta caracóis/planta realiza a limpeza completa da cochonilha dos citros
Onlieikipniclonga. em ramos e troncos e de dez caracóis/planta proporciona uma eficiente
remoção em folhas e frutos.
       No Brasil as espécies Australorbis spp, Bradyboena similaris, Bulimulus spp.,
Stenogyra spp., (Caracóis); Limax spp., Phyllocaulis spp., Stronpheicheilus oblongus,
Sarasinula langsdorfii, , Sarasinula linguaeformis (lesmas) são as espécies que podem
atingir com maior frequência níveis de praga.
       Com a evolução do plantio direto, a abundância de palha na superfície e adoção de
culturas com vegetação exuberante, como o nabo forrageiro, criou ambiente favorável ao
desenvolvimento de moluscos nas lavouras. Em lavouras sob plantio comum, as condições
adversas de radiação solar, de baixa umidade do ar e de temperatura elevada limitam o
aumento dos níveis populacionais destes moluscos, nas zonas de clima subtropical e tropical.
Em 1998, no oeste de Santa Catarina, principalmente no município de Nova Itaberaba. a
lesma Sarasinula linguaeformis causou prejuízos severos a diversas culturas, como
feijoeiros, milho, batata inglesa e hortaliças. Esta lesma coloca em média 42 ovos (mínimo
de 9 e máximo de 77), a cópula ocorre pela manhã. Tem sido constatado, também, danos de
Bradybaena similaris. principalmente no município de São Carlos.
       Helix aspersa é uma espécie introduzida da Europa. A concha possui os seguintes
caracteres: trinta a trinta e cinco milímetros de comprimento, vinte a vinte e cinco
milímetros de largura, dezoito a vinte e quatro milímetros de altura. A concha é
obliquamente globosa, os desenhos existentes nas superfície externa da concha constam de
quatro unhas largas, e amareladas intercalando-se entre as mesmas de igual número de
linhas pardacentas. O comprimento do adulto é de 60 a 65 milímetros.
       Bradybaena similaris. também é uma espécie exótica. Possui cor branco-amarelada
com uma linha pardacenta percorrendo a concha na porção médio dorsal. A concha
apresenta um comprimento de dez a quinze milímetros; cinco a sete milímetros de largura e
oito a dez milímetros de altura. O adulto apresenta um comprimento de vinte e cinco a
trinta milímetros.



                                                                                          1
Achatina fulica, caracol gigante africano, é uma espécie conhecida pelo seu alto
potencial invasor constando como uma das 100 piores espécies da Lista da União para a
Conservação da Natureza (UICN). Esta espécie tomou-se praga da agricultura em países de
climas e ecossistemas diversos como índia, Austrália. Estados Unidos, Gana, Costa do
Marfim, Japão, Indonésia e Malásia.
       A espécie foi introduzida numa feira agropecuária no Paraná na década de 80, para
ser utilizado na alimentação humana como alternativa ao verdadeiro escargot, devido a sua
grande massa corporal e alta taxa de reprodução. Esta espécie já está presente em todas
as Regiões do país. O corpo é de tonalidade cinza-escuro e as conchas possuem faixas de
coloração variável, de castanho até levemente arroxeada. Geralmente abriga-se durante o
dia e sai para se alimentar e reproduzir à noite ou durante e logo após períodos de chuvas.
Possui elevado potencial biótico, fazendo várias posturas com cerca de 200 ovos cada em
locais protegidos de insolação, ficando os ovos enterrados a poucos centímetros de
profundidade. A coloração dos ovos é branco-leitosa ou amarelada. É considerada praga
agrícola em vários países onde foi introduzido, podendo se alimentar de aproximadamente
500 espécies vegetais, incluindo as de importância econômica, como as hortaliças, árvores
frutíferas e plantas ornamentais. A presença desse molusco em ambiente não nativo pode
provocar perda da diversidade biológica, ou seja, extinção de espécies nativas.
Considerando os problemas ambientais que a espécie causou em outros países e pode
ocasionar no Brasil; a falta de dados sócio-conômicos e mercadológicos da achatinicultura;
as implicações para a agricultura e a saúde pública e considerando que o escargot
verdadeiro é legalizado para a criação comercial no Brasil, o IBAMA (2003) preconiza que a
criação em cativeiro da espécie não seja efetuada. Sendo assim, a criação de A. fulica não
deve ser estimulada, através de cursos ou quaisquer outras formas, e que as populações
livres e em cativeiro desta espécie devam ser controladas e erradicadas.

      Além de lesmas e caracóis, algumas espécies de caramujos têm causado danos
severos ao cultivo de arroz pré-germinado, tanto no Rio Grande do Sul como em Santa
Catarina.

      No Alto e Médio Vale de Itajaí (Santa Catarina), ocorrem as espécies Phisilla acuta
(Physidae), Biomphalaria peregrina, Biomphalaria tenagophila (Planorbidae), sendo a
primeira a mais abundante.

       No Baixo Vale do Itajaí e Sul de Santa Catarina tem ocorrido à espécie Pomacea
caniculata (Ampullariidae). No Rio Grande do Sul foram registradas as espécies Pomacea
canaliculata, Physa marmorata, e B. Tenagophila, sendo que os principais danos são
ocasionados por Pomacea canaliculata.

       Além de pragas agrícolas, muitas lesmas e caracóis podem hospedar o nematóide
Angyostrongylus costaricencis agente da angiostrongilíase abdominal (ou angiostrongilose
abdominal), doença grave com centenas de casos já reportados no Brasil. Tal doença pode
levar a óbito por perfuração intestinal, peritonite e hemorragia abdominal, cujos sintomas
são: dor abdominal, febre prolongada, anorexia e vômitos, exames físicos revelam a

                                                                                         2
presença de massa intra-abdominal que pode ser confundida com tumores ou abscessos,
exames de laboratório acusam leucocitose e eosinofilia, ocorrem dificuldade de
preenchimento e irritação intestinais, e lesões patológicas são encontradas no apêndice e
intestino adjacente e em nódulos linfáticos. Os caramujos também podem atuar como
transmissores da esquistossomose.




                                                                                        3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa   cabeça e apêndices cefálicosMorfologia externa   cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
daniellopes889
 
Hymenoptera
HymenopteraHymenoptera
Hymenoptera
Magno Borges
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
profatatiana
 
Aula morfologia interna menu
Aula morfologia interna   menuAula morfologia interna   menu
Aula morfologia interna menu
Universidade Federal do Oeste Pará
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
Vitor Morais
 
Pr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematodaPr+ütica filo nematoda
coleopteros2
coleopteros2coleopteros2
coleopteros2
Regis Ferreira
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Centro Educacional Êxito
 
Morfologia tegumento
Morfologia   tegumentoMorfologia   tegumento
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
Janaína Baldêz
 
Tipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetosTipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetos
Universidade Federal do Oeste Pará
 
HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS
Robson Rogerio Gonçalves
 
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externa
Jimmy Jeferson
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
Joseanny Pereira
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
Jaqueline Sarges
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
Rodrigo Vianna
 

Mais procurados (20)

Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa   cabeça e apêndices cefálicosMorfologia externa   cabeça e apêndices cefálicos
Morfologia externa cabeça e apêndices cefálicos
 
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
Sistemática vegetal (Família Solanaceae)
 
Hymenoptera
HymenopteraHymenoptera
Hymenoptera
 
Flor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E AnatomiaFlor – Morfologia E Anatomia
Flor – Morfologia E Anatomia
 
Aula morfologia interna menu
Aula morfologia interna   menuAula morfologia interna   menu
Aula morfologia interna menu
 
Folhas e flores
Folhas e floresFolhas e flores
Folhas e flores
 
Pr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematodaPr+ütica filo nematoda
Pr+ütica filo nematoda
 
coleopteros2
coleopteros2coleopteros2
coleopteros2
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
 
Morfologia tegumento
Morfologia   tegumentoMorfologia   tegumento
Morfologia tegumento
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 
Anatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folhaAnatomia e morfologia de folha
Anatomia e morfologia de folha
 
Tipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetosTipos de reprodução em insetos
Tipos de reprodução em insetos
 
HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS HÍDRICA DAS PLANTAS
HÍDRICA DAS PLANTAS
 
Aula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externaAula 4 morfologia externa
Aula 4 morfologia externa
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Morfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescênciaMorfologia vegetal da inflorescência
Morfologia vegetal da inflorescência
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 
Classificação insetos
Classificação insetosClassificação insetos
Classificação insetos
 
Aula 6 - Caule
Aula 6 - CauleAula 6 - Caule
Aula 6 - Caule
 

Destaque

Apostila nematoda
Apostila nematodaApostila nematoda
Relatorio de zoologia
Relatorio de zoologiaRelatorio de zoologia
Esquema aula prática
Esquema aula práticaEsquema aula prática
Semanabio[1]
Semanabio[1]Semanabio[1]
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Calendário floresta alunos novos 2010
Calendário floresta alunos novos 2010Calendário floresta alunos novos 2010
Calendário floresta alunos novos 2010
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Popula+º+áes texto 2010
Popula+º+áes texto 2010Popula+º+áes texto 2010
Apostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios florestaApostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios floresta
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Coleção taxonômica 2010
Coleção taxonômica  2010Coleção taxonômica  2010
Relatório
RelatórioRelatório
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOSAPOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
Mário Rodrigues
 
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcolaNematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Filo mollusca texto
Filo mollusca textoFilo mollusca texto

Destaque (14)

Pragas quarenten+ürias
Pragas quarenten+üriasPragas quarenten+ürias
Pragas quarenten+ürias
 
Apostila nematoda
Apostila nematodaApostila nematoda
Apostila nematoda
 
Relatorio de zoologia
Relatorio de zoologiaRelatorio de zoologia
Relatorio de zoologia
 
Esquema aula prática
Esquema aula práticaEsquema aula prática
Esquema aula prática
 
Semanabio[1]
Semanabio[1]Semanabio[1]
Semanabio[1]
 
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
8º seminario anual de iniciacao cientifica e 2º seminario de pesquisa da ufra
 
Calendário floresta alunos novos 2010
Calendário floresta alunos novos 2010Calendário floresta alunos novos 2010
Calendário floresta alunos novos 2010
 
Popula+º+áes texto 2010
Popula+º+áes texto 2010Popula+º+áes texto 2010
Popula+º+áes texto 2010
 
Apostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios florestaApostila protozo+ürios floresta
Apostila protozo+ürios floresta
 
Coleção taxonômica 2010
Coleção taxonômica  2010Coleção taxonômica  2010
Coleção taxonômica 2010
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOSAPOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
APOSTILA DE PISCICULTURA BASICA EM VIVEIROS ESCAVADOS
 
Nematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcolaNematodeos de interesse agr+ìcola
Nematodeos de interesse agr+ìcola
 
Filo mollusca texto
Filo mollusca textoFilo mollusca texto
Filo mollusca texto
 

Semelhante a Moluscos de interesse agrícola

Caramujo africano
Caramujo africanoCaramujo africano
Caramujo africano
Raycleia Dias
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
Juliana Arantes
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
ITPAC PORTO
 
Espécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasorasEspécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasoras
Mirian Gonçalves Ramos
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
 
Espécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasorasEspécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasoras
Mirian Gonçalves Ramos
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Maria Cristina Marques Mota
 
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidarApresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
ESCOLAABDIASDEOLIVEI
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
Juan Rodríguez
 
Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Apresentação abelha Nativa
Apresentação abelha NativaApresentação abelha Nativa
Apresentação abelha Nativa
Elison Costa
 
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
João Felix
 
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Ricardo Gomes
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
Giovanna Martins
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
Joana Darc Calado
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Trab. de geografia -completo 7 ano
Trab. de geografia -completo 7 anoTrab. de geografia -completo 7 ano
Trab. de geografia -completo 7 ano
olecramsepol
 
Euphydryas aurinia
Euphydryas auriniaEuphydryas aurinia
Euphydryas aurinia
Leonor Paiva
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
Gabriel Araujo
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
Juliana Arantes
 

Semelhante a Moluscos de interesse agrícola (20)

Caramujo africano
Caramujo africanoCaramujo africano
Caramujo africano
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, EnterobiosAscaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
Ascaris Lumbricoides, Trichuris, Enterobios
 
Espécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasorasEspécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasoras
 
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
 
Espécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasorasEspécies exóticas invasoras
Espécies exóticas invasoras
 
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto FlorestalApresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
Apresentação do Trabalho a Campo - Horto Florestal
 
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidarApresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
Apresentação sobre Caramujos Africanos como cuidar
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 
Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01Artigo bioterra v18_n2_01
Artigo bioterra v18_n2_01
 
Apresentação abelha Nativa
Apresentação abelha NativaApresentação abelha Nativa
Apresentação abelha Nativa
 
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
Origem dos Perus (Meleagris gallopavo)
 
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
Biologia, ecologia e comportamento de irara (Eira barbara Linnaeus, 1758)
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
 
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE III.pptx curso tecnico de enfermagem
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Trab. de geografia -completo 7 ano
Trab. de geografia -completo 7 anoTrab. de geografia -completo 7 ano
Trab. de geografia -completo 7 ano
 
Euphydryas aurinia
Euphydryas auriniaEuphydryas aurinia
Euphydryas aurinia
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
 
Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003Achatina fulica 2003
Achatina fulica 2003
 

Moluscos de interesse agrícola

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA – UFRA DISCIPLINA: ZOOLOGIA PROFª: ANDRÉA BEZERRA RELAÇÃO DOS MOLUSCOS COM A AGRICULTURA Os animais do Filo Mollusca que apresentam importância agrícola pertencem a classe Gastropoda, Subclasse Pulmonata, Ordem Styllomatophora, agrupando as lesmas e caracóis. Estes animais são altamente prejudiciais, atuando como pragas em plantas de horta, pomares, jardins, como por exemplo a cultura do feijoeiro, cafeeiro, bananal, morangueiro, arroz, alfaces, couve e orquidáceas. O dano é realizado pela raspagem de folhas pela rádula na alimentação dos gastrópodes. Todavia algumas espécies podem servir como controladoras de pragas, como por exemplo o caracol rajado Oxystyla pulchella pertencente a Bulimulidae. que no nível de quarenta caracóis/planta realiza a limpeza completa da cochonilha dos citros Onlieikipniclonga. em ramos e troncos e de dez caracóis/planta proporciona uma eficiente remoção em folhas e frutos. No Brasil as espécies Australorbis spp, Bradyboena similaris, Bulimulus spp., Stenogyra spp., (Caracóis); Limax spp., Phyllocaulis spp., Stronpheicheilus oblongus, Sarasinula langsdorfii, , Sarasinula linguaeformis (lesmas) são as espécies que podem atingir com maior frequência níveis de praga. Com a evolução do plantio direto, a abundância de palha na superfície e adoção de culturas com vegetação exuberante, como o nabo forrageiro, criou ambiente favorável ao desenvolvimento de moluscos nas lavouras. Em lavouras sob plantio comum, as condições adversas de radiação solar, de baixa umidade do ar e de temperatura elevada limitam o aumento dos níveis populacionais destes moluscos, nas zonas de clima subtropical e tropical. Em 1998, no oeste de Santa Catarina, principalmente no município de Nova Itaberaba. a lesma Sarasinula linguaeformis causou prejuízos severos a diversas culturas, como feijoeiros, milho, batata inglesa e hortaliças. Esta lesma coloca em média 42 ovos (mínimo de 9 e máximo de 77), a cópula ocorre pela manhã. Tem sido constatado, também, danos de Bradybaena similaris. principalmente no município de São Carlos. Helix aspersa é uma espécie introduzida da Europa. A concha possui os seguintes caracteres: trinta a trinta e cinco milímetros de comprimento, vinte a vinte e cinco milímetros de largura, dezoito a vinte e quatro milímetros de altura. A concha é obliquamente globosa, os desenhos existentes nas superfície externa da concha constam de quatro unhas largas, e amareladas intercalando-se entre as mesmas de igual número de linhas pardacentas. O comprimento do adulto é de 60 a 65 milímetros. Bradybaena similaris. também é uma espécie exótica. Possui cor branco-amarelada com uma linha pardacenta percorrendo a concha na porção médio dorsal. A concha apresenta um comprimento de dez a quinze milímetros; cinco a sete milímetros de largura e oito a dez milímetros de altura. O adulto apresenta um comprimento de vinte e cinco a trinta milímetros. 1
  • 2. Achatina fulica, caracol gigante africano, é uma espécie conhecida pelo seu alto potencial invasor constando como uma das 100 piores espécies da Lista da União para a Conservação da Natureza (UICN). Esta espécie tomou-se praga da agricultura em países de climas e ecossistemas diversos como índia, Austrália. Estados Unidos, Gana, Costa do Marfim, Japão, Indonésia e Malásia. A espécie foi introduzida numa feira agropecuária no Paraná na década de 80, para ser utilizado na alimentação humana como alternativa ao verdadeiro escargot, devido a sua grande massa corporal e alta taxa de reprodução. Esta espécie já está presente em todas as Regiões do país. O corpo é de tonalidade cinza-escuro e as conchas possuem faixas de coloração variável, de castanho até levemente arroxeada. Geralmente abriga-se durante o dia e sai para se alimentar e reproduzir à noite ou durante e logo após períodos de chuvas. Possui elevado potencial biótico, fazendo várias posturas com cerca de 200 ovos cada em locais protegidos de insolação, ficando os ovos enterrados a poucos centímetros de profundidade. A coloração dos ovos é branco-leitosa ou amarelada. É considerada praga agrícola em vários países onde foi introduzido, podendo se alimentar de aproximadamente 500 espécies vegetais, incluindo as de importância econômica, como as hortaliças, árvores frutíferas e plantas ornamentais. A presença desse molusco em ambiente não nativo pode provocar perda da diversidade biológica, ou seja, extinção de espécies nativas. Considerando os problemas ambientais que a espécie causou em outros países e pode ocasionar no Brasil; a falta de dados sócio-conômicos e mercadológicos da achatinicultura; as implicações para a agricultura e a saúde pública e considerando que o escargot verdadeiro é legalizado para a criação comercial no Brasil, o IBAMA (2003) preconiza que a criação em cativeiro da espécie não seja efetuada. Sendo assim, a criação de A. fulica não deve ser estimulada, através de cursos ou quaisquer outras formas, e que as populações livres e em cativeiro desta espécie devam ser controladas e erradicadas. Além de lesmas e caracóis, algumas espécies de caramujos têm causado danos severos ao cultivo de arroz pré-germinado, tanto no Rio Grande do Sul como em Santa Catarina. No Alto e Médio Vale de Itajaí (Santa Catarina), ocorrem as espécies Phisilla acuta (Physidae), Biomphalaria peregrina, Biomphalaria tenagophila (Planorbidae), sendo a primeira a mais abundante. No Baixo Vale do Itajaí e Sul de Santa Catarina tem ocorrido à espécie Pomacea caniculata (Ampullariidae). No Rio Grande do Sul foram registradas as espécies Pomacea canaliculata, Physa marmorata, e B. Tenagophila, sendo que os principais danos são ocasionados por Pomacea canaliculata. Além de pragas agrícolas, muitas lesmas e caracóis podem hospedar o nematóide Angyostrongylus costaricencis agente da angiostrongilíase abdominal (ou angiostrongilose abdominal), doença grave com centenas de casos já reportados no Brasil. Tal doença pode levar a óbito por perfuração intestinal, peritonite e hemorragia abdominal, cujos sintomas são: dor abdominal, febre prolongada, anorexia e vômitos, exames físicos revelam a 2
  • 3. presença de massa intra-abdominal que pode ser confundida com tumores ou abscessos, exames de laboratório acusam leucocitose e eosinofilia, ocorrem dificuldade de preenchimento e irritação intestinais, e lesões patológicas são encontradas no apêndice e intestino adjacente e em nódulos linfáticos. Os caramujos também podem atuar como transmissores da esquistossomose. 3