SlideShare uma empresa Scribd logo
Reconquista Cristã 
e o 
Condado Portucalense 
EB nº 2 da Lousã – 4º B 
19 de novembro de 
2014
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino 
do 1º CEB 
2 
Os cristãos, insatisfeitos com a presença dos 
Mouros na Península Ibérica, resolveram partir 
à reconquista do território que lhes havia 
pertencido.
3
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e 
Ensino do 1º CEB 
4 
A partir das Astúrias, envolveram-se em várias batalhas 
com os Mouros, sendo que a mais importante ocorreu em 
718 d.C., foi chefiada por Pelágio e ficou conhecida 
como Batalha de Covadonga . 
Com a vitória nesta batalha, Pelágio foi aclamado rei 
daquele que foi o primeiro reino Cristão: o Reino das 
Astúrias. 
É a partir desta altura que se inicia a Reconquista Cristã, 
que durou cerca de 800 anos.
Reconquista Cristã e o Condado Portucalense
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino 
do 1º CEB 
6 
Com a vitória em várias batalhas, os Cristãos 
conseguiram alargar o território e formar novos 
reinos no norte da Península Ibérica: Leão, 
Castela e, mais tarde, Navarra e Aragão. 
Curiosidade: Os Mouros, com esta investida dos 
Cristãos, pediram ajuda aos Almorávidas, um grupo 
de Muçulmanos cuja origem era o norte de África, 
para combaterem contra os Cristãos.
D. Afonso VI, rei de Leão e Castela, viu-se obrigado a 
pedir auxílio aos Cruzados (grupo de nobres Cristãos 
que tinha o objectivo de devolver aos Cristãos a 
liberdade de peregrinação até Jerusalém, bem como a 
libertação desta cidade do domínio Islâmico) na sua luta 
contra os Mouros. 
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do 
Mestrado 7 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
8
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e 
Ensino do 1º CEB 
9 
De todos os Cruzados que ajudaram Afonso 
VI, destacaram-se dois: D. Henrique e D. 
Raimundo.
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e 
Ensino do 1º CEB 
10 
Para os recompensar, concedeu-lhes a mão das suas filhas, D. 
Teresa e D. Urraca, em casamento e também duas parcelas de 
território do Reino de Leão.
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e 
Ensino do 1º CEB 
11 
D. Henrique tinha de prestar vassalagem (obedecer) a D. Afonso VI, devendo: 
 Ser leal; 
 Auxiliá-lo na conquista de novos territórios; 
 Respeitar as decisões do rei; 
 Comunicar ao rei todas as suas intenções relativamente ao Condado 
Portucalense. 
Para que o Condado Portucalense se tornasse independente, D. Henrique teria de 
conseguir aumentar o território do mesmo. Apesar de sempre ter cumprido com 
as suas obrigações e de ter conquistado novas terras para o Condado, morreu, 
sem conseguir alcançar a independência, em 1112.
Com a morte de D. Henrique, foi D. Teresa que ficou com o 
governo do Condado, pois D. Afonso Henriques tinha 
apenas 3/4 anos. 
Mas, ao contrário do que o povo portucalense pretendia, 
deixou de lado o desejo de independência de D. Henrique e 
enamorou-se por um fidalgo galego, Fernão Peres de 
Trava, deixando o Condado em risco de ficar dependente 
da Galiza. 
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do 
Mestrado 12 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
D. Afonso Henriques foi crescendo e tomando a sua posição ao 
lado dos portucalenses, contra a sua própria mãe. O seu desejo de 
independência era grande e, por volta dos 14 anos, arma-se a si 
próprio cavaleiro, tentando por várias vezes convencer D. Teresa 
a dar-lhe o governo do Condado. Mas esta nunca cedeu. 
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do 
Mestrado 13 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
Liliana Nunes & Soraia Correia 
Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e 
Ensino do 1º CEB 
14 
Curiosidade: 
Em Outubro de 1127, D. Afonso VII, rei de Leão e primo de D. 
Afonso Henriques, cercou o Castelo de Guimarães e fez um 
ultimato a D. Teresa: ou ela lhe cedia o governo do Condado 
Portucalense, ou ele fazia de D. Afonso Henriques seu refém. D. 
Teresa não cedeu ao ultimato e foi Egas Moniz, aio de D. Afonso 
Henriques e responsável pela sua educação, que interveio junto 
de D. Afonso VII e lhe prometeu que se este levantasse o cerco 
a Guimarães, D. Afonso Henriques passaria a prestar-lhe 
vassalagem. 
D. Afonso VII confiou no aio, regressou a Leão com o seu exército, 
confiante de que o seu primo cumpriria a promessa feita por 
Egas Moniz. Mas tal nunca aconteceu, pois D. Afonso Henriques 
continuou com o desejo de independência. 
Egas Moniz resolveu, então, redimir-se pela atitude do seu senhor 
e foi entregar-se a D. Afonso VII levando consigo a sua família, 
todos com uma corda ao pescoço. Junto do rei, pediu-lhe que 
fizesse com ele e com a sua família tudo o que desejasse. O rei, 
comovido com a atitude do aio, deixou-os partir em paz.
Em 1128, D. Afonso Henriques, organiza um pequeno 
exército para lutar contra o exército da sua mãe. A 
batalha ocorreu perto de Guimarães e ficou conhecida 
como Batalha de São Mamede. 
D. Afonso Henriques saiu vitorioso e passou a governar 
o Condado Portucalense, continuando a sua expansão. 
Curiosidade: Depois da derrota de São 
Mamede, D. Teresa refugiou-se na Galiza 
e acabou por falecer em 1130. 
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do 
Mestrado 15 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do 
Mestrado 16 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
Para te ajudar a estudar… 
 Lê a página 42 do Manual de Estudo do Meio; 
 Consulta, na biblioteca, livros relacionados com a História de Portugal; 
 Troca impressões com os teus colegas sobre factos históricos que 
conheças. Partilhando conhecimentos consegues aprender mais! 
 Podes, também, consultar os seguintes sites (atenção que encontrarás mais 
matéria do que aquela de que falámos até agora): 
http://pt.slideshare.net/IsaAlves/formao-reinoportugalppt?related=2 
http://pt.slideshare.net/e-for-all/formaao-do-reino-de-portugal-5?related=3 
Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar 
17 e Ensino do 1º CEB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
HistN
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
Anabela Sobral
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
celiaricardo234
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
cattonia
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
Maria Gomes
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Álvaro Maurício
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
Hugo Ferreira
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
Maria José Oliveira
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
cattonia
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
D. Afonso Henriques.
D. Afonso Henriques.D. Afonso Henriques.
D. Afonso Henriques.
Maria Inês Aguiar Marçalo
 

Mais procurados (20)

Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de PortugalReconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
Reconquista cristã e Formação do Reino de Portugal
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
 
Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
D. Afonso Henriques.
D. Afonso Henriques.D. Afonso Henriques.
D. Afonso Henriques.
 

Destaque

Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Ministério da Educação
 
Camoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obraCamoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obra
Helena Coutinho
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
mariacosta
 
Jogo grau dos nomes
Jogo grau dos nomes Jogo grau dos nomes
Jogo grau dos nomes
Ministério da Educação
 
B Andeira Alterado
B Andeira AlteradoB Andeira Alterado
B Andeira Alterado
ritacruz
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
ricardorodrigues23091988
 
Bandeira Hino Nacionais
Bandeira Hino NacionaisBandeira Hino Nacionais
Bandeira Hino Nacionais
oalvarinho
 
Republica ana e_mafalda
Republica ana e_mafaldaRepublica ana e_mafalda
Republica ana e_mafalda
eb23ja
 
A reconquista
A reconquistaA reconquista
Portugal simbolos pátrios
Portugal simbolos pátriosPortugal simbolos pátrios
Portugal simbolos pátrios
Thibyriçá Valle Junior
 
Miguel 6ºe
Miguel 6ºeMiguel 6ºe
Miguel 6ºe
eb23ja
 
Uma horta bem janota
Uma horta bem janota Uma horta bem janota
Uma horta bem janota
maalcraz
 
O dia em que a barriga rebentou resumo
O dia em que a barriga rebentou   resumoO dia em que a barriga rebentou   resumo
O dia em que a barriga rebentou resumo
maalcraz
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
Temas de História de Portugal
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Paula Leitão
 
Sopadeletrascasos1
Sopadeletrascasos1Sopadeletrascasos1
Sopadeletrascasos1
Paula Leitão
 
Trava línguas
Trava línguasTrava línguas
Trava línguas
maalcraz
 
Hgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_bHgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_b
Maria José Oliveira
 
Em
EmEm
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºPBuzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
Ministério da Educação
 

Destaque (20)

Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Camoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obraCamoes vida-e-obra
Camoes vida-e-obra
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Jogo grau dos nomes
Jogo grau dos nomes Jogo grau dos nomes
Jogo grau dos nomes
 
B Andeira Alterado
B Andeira AlteradoB Andeira Alterado
B Andeira Alterado
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Bandeira Hino Nacionais
Bandeira Hino NacionaisBandeira Hino Nacionais
Bandeira Hino Nacionais
 
Republica ana e_mafalda
Republica ana e_mafaldaRepublica ana e_mafalda
Republica ana e_mafalda
 
A reconquista
A reconquistaA reconquista
A reconquista
 
Portugal simbolos pátrios
Portugal simbolos pátriosPortugal simbolos pátrios
Portugal simbolos pátrios
 
Miguel 6ºe
Miguel 6ºeMiguel 6ºe
Miguel 6ºe
 
Uma horta bem janota
Uma horta bem janota Uma horta bem janota
Uma horta bem janota
 
O dia em que a barriga rebentou resumo
O dia em que a barriga rebentou   resumoO dia em que a barriga rebentou   resumo
O dia em que a barriga rebentou resumo
 
Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820Revolução liberal de 1820
Revolução liberal de 1820
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Sopadeletrascasos1
Sopadeletrascasos1Sopadeletrascasos1
Sopadeletrascasos1
 
Trava línguas
Trava línguasTrava línguas
Trava línguas
 
Hgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_bHgp5 20092916 tema_b
Hgp5 20092916 tema_b
 
Em
EmEm
Em
 
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºPBuzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
Buzz de Estudo do Meio 3ºano/2ºP
 

Semelhante a Reconquista Cristã e o Condado Portucalense

Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1
Antonio Carlos de Castro
 
A formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxA formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptx
Mariana Neves
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
belinhas
 
Fundador da monarquia portuguesa
Fundador da monarquia portuguesaFundador da monarquia portuguesa
Fundador da monarquia portuguesa
tiraduvidas
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
jose_santinha
 
Afonso Henriques
Afonso Henriques Afonso Henriques
Afonso Henriques
Jorge Almeida
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal  Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Numeric Contadores
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
Sonia Valente
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
Sílvia Mendonça
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
apresentacao2008
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
EB Foros de Amora
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
Cátia Botelho
 
Historia de Portugal
Historia de PortugalHistoria de Portugal
Historia de Portugal
profigor
 
Ate a segunda dinastia
Ate a segunda dinastiaAte a segunda dinastia
Ate a segunda dinastia
Froncky
 
Até a segunda dinastia
Até a segunda dinastiaAté a segunda dinastia
Até a segunda dinastia
Froncky
 

Semelhante a Reconquista Cristã e o Condado Portucalense (20)

Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1Afonso henriquesrevd1
Afonso henriquesrevd1
 
A formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxA formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptx
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
 
Fundador da monarquia portuguesa
Fundador da monarquia portuguesaFundador da monarquia portuguesa
Fundador da monarquia portuguesa
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Afonso Henriques
Afonso Henriques Afonso Henriques
Afonso Henriques
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal  Correção da ficha de trabalho formação de portugal
Correção da ficha de trabalho formação de portugal
 
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templariaEubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
Eubiose 2 mar-2013 portugal a primeira nação templaria
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
 
História de portugal2
História de portugal2História de portugal2
História de portugal2
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
Historia de Portugal
Historia de PortugalHistoria de Portugal
Historia de Portugal
 
Ate a segunda dinastia
Ate a segunda dinastiaAte a segunda dinastia
Ate a segunda dinastia
 
Até a segunda dinastia
Até a segunda dinastiaAté a segunda dinastia
Até a segunda dinastia
 

Mais de Ministério da Educação

Jogo grau dos nomes (1)
Jogo grau dos nomes (1)Jogo grau dos nomes (1)
Jogo grau dos nomes (1)
Ministério da Educação
 
Jogo grau dos nome
Jogo grau dos nomeJogo grau dos nome
Jogo grau dos nome
Ministério da Educação
 
O tabaco
O tabacoO tabaco
Obesidade
ObesidadeObesidade
Drogas
DrogasDrogas
ÁLcool
ÁLcoolÁLcool
Frequência absoluta e moda
Frequência absoluta e modaFrequência absoluta e moda
Frequência absoluta e moda
Ministério da Educação
 
Palestra lixo arte
Palestra lixo artePalestra lixo arte
Palestra lixo arte
Ministério da Educação
 
Deslizamentos e plantas
Deslizamentos e plantasDeslizamentos e plantas
Deslizamentos e plantas
Ministério da Educação
 
As plantas
As plantasAs plantas
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas LousãApresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
Ministério da Educação
 
Distritos de Portugal
Distritos de PortugalDistritos de Portugal
Distritos de Portugal
Ministério da Educação
 
O passado do meio local - Lousã
O passado do meio local - LousãO passado do meio local - Lousã
O passado do meio local - Lousã
Ministério da Educação
 
Apresentação15.11
Apresentação15.11Apresentação15.11
Apresentação15.11
Ministério da Educação
 
Vamos dividir
Vamos dividirVamos dividir
Aula sobre a natureza
Aula sobre a naturezaAula sobre a natureza
Aula sobre a natureza
Ministério da Educação
 
Ficha de matemática adaptada 2ºano
Ficha de matemática adaptada 2ºanoFicha de matemática adaptada 2ºano
Ficha de matemática adaptada 2ºano
Ministério da Educação
 
Luís vaz de camões2
Luís vaz de camões2Luís vaz de camões2
Luís vaz de camões2
Ministério da Educação
 
Em 4ºano
Em 4ºanoEm 4ºano
Cotação teste mat3p
Cotação teste mat3pCotação teste mat3p
Cotação teste mat3p
Ministério da Educação
 

Mais de Ministério da Educação (20)

Jogo grau dos nomes (1)
Jogo grau dos nomes (1)Jogo grau dos nomes (1)
Jogo grau dos nomes (1)
 
Jogo grau dos nome
Jogo grau dos nomeJogo grau dos nome
Jogo grau dos nome
 
O tabaco
O tabacoO tabaco
O tabaco
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Drogas
DrogasDrogas
Drogas
 
ÁLcool
ÁLcoolÁLcool
ÁLcool
 
Frequência absoluta e moda
Frequência absoluta e modaFrequência absoluta e moda
Frequência absoluta e moda
 
Palestra lixo arte
Palestra lixo artePalestra lixo arte
Palestra lixo arte
 
Deslizamentos e plantas
Deslizamentos e plantasDeslizamentos e plantas
Deslizamentos e plantas
 
As plantas
As plantasAs plantas
As plantas
 
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas LousãApresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
Apresentação sobre a visita à fábrica Prado Cartolinas Lousã
 
Distritos de Portugal
Distritos de PortugalDistritos de Portugal
Distritos de Portugal
 
O passado do meio local - Lousã
O passado do meio local - LousãO passado do meio local - Lousã
O passado do meio local - Lousã
 
Apresentação15.11
Apresentação15.11Apresentação15.11
Apresentação15.11
 
Vamos dividir
Vamos dividirVamos dividir
Vamos dividir
 
Aula sobre a natureza
Aula sobre a naturezaAula sobre a natureza
Aula sobre a natureza
 
Ficha de matemática adaptada 2ºano
Ficha de matemática adaptada 2ºanoFicha de matemática adaptada 2ºano
Ficha de matemática adaptada 2ºano
 
Luís vaz de camões2
Luís vaz de camões2Luís vaz de camões2
Luís vaz de camões2
 
Em 4ºano
Em 4ºanoEm 4ºano
Em 4ºano
 
Cotação teste mat3p
Cotação teste mat3pCotação teste mat3p
Cotação teste mat3p
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Reconquista Cristã e o Condado Portucalense

  • 1. Reconquista Cristã e o Condado Portucalense EB nº 2 da Lousã – 4º B 19 de novembro de 2014
  • 2. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 2 Os cristãos, insatisfeitos com a presença dos Mouros na Península Ibérica, resolveram partir à reconquista do território que lhes havia pertencido.
  • 3. 3
  • 4. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 4 A partir das Astúrias, envolveram-se em várias batalhas com os Mouros, sendo que a mais importante ocorreu em 718 d.C., foi chefiada por Pelágio e ficou conhecida como Batalha de Covadonga . Com a vitória nesta batalha, Pelágio foi aclamado rei daquele que foi o primeiro reino Cristão: o Reino das Astúrias. É a partir desta altura que se inicia a Reconquista Cristã, que durou cerca de 800 anos.
  • 6. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 6 Com a vitória em várias batalhas, os Cristãos conseguiram alargar o território e formar novos reinos no norte da Península Ibérica: Leão, Castela e, mais tarde, Navarra e Aragão. Curiosidade: Os Mouros, com esta investida dos Cristãos, pediram ajuda aos Almorávidas, um grupo de Muçulmanos cuja origem era o norte de África, para combaterem contra os Cristãos.
  • 7. D. Afonso VI, rei de Leão e Castela, viu-se obrigado a pedir auxílio aos Cruzados (grupo de nobres Cristãos que tinha o objectivo de devolver aos Cristãos a liberdade de peregrinação até Jerusalém, bem como a libertação desta cidade do domínio Islâmico) na sua luta contra os Mouros. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado 7 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
  • 8. 8
  • 9. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 9 De todos os Cruzados que ajudaram Afonso VI, destacaram-se dois: D. Henrique e D. Raimundo.
  • 10. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 10 Para os recompensar, concedeu-lhes a mão das suas filhas, D. Teresa e D. Urraca, em casamento e também duas parcelas de território do Reino de Leão.
  • 11. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 11 D. Henrique tinha de prestar vassalagem (obedecer) a D. Afonso VI, devendo:  Ser leal;  Auxiliá-lo na conquista de novos territórios;  Respeitar as decisões do rei;  Comunicar ao rei todas as suas intenções relativamente ao Condado Portucalense. Para que o Condado Portucalense se tornasse independente, D. Henrique teria de conseguir aumentar o território do mesmo. Apesar de sempre ter cumprido com as suas obrigações e de ter conquistado novas terras para o Condado, morreu, sem conseguir alcançar a independência, em 1112.
  • 12. Com a morte de D. Henrique, foi D. Teresa que ficou com o governo do Condado, pois D. Afonso Henriques tinha apenas 3/4 anos. Mas, ao contrário do que o povo portucalense pretendia, deixou de lado o desejo de independência de D. Henrique e enamorou-se por um fidalgo galego, Fernão Peres de Trava, deixando o Condado em risco de ficar dependente da Galiza. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado 12 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
  • 13. D. Afonso Henriques foi crescendo e tomando a sua posição ao lado dos portucalenses, contra a sua própria mãe. O seu desejo de independência era grande e, por volta dos 14 anos, arma-se a si próprio cavaleiro, tentando por várias vezes convencer D. Teresa a dar-lhe o governo do Condado. Mas esta nunca cedeu. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado 13 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
  • 14. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB 14 Curiosidade: Em Outubro de 1127, D. Afonso VII, rei de Leão e primo de D. Afonso Henriques, cercou o Castelo de Guimarães e fez um ultimato a D. Teresa: ou ela lhe cedia o governo do Condado Portucalense, ou ele fazia de D. Afonso Henriques seu refém. D. Teresa não cedeu ao ultimato e foi Egas Moniz, aio de D. Afonso Henriques e responsável pela sua educação, que interveio junto de D. Afonso VII e lhe prometeu que se este levantasse o cerco a Guimarães, D. Afonso Henriques passaria a prestar-lhe vassalagem. D. Afonso VII confiou no aio, regressou a Leão com o seu exército, confiante de que o seu primo cumpriria a promessa feita por Egas Moniz. Mas tal nunca aconteceu, pois D. Afonso Henriques continuou com o desejo de independência. Egas Moniz resolveu, então, redimir-se pela atitude do seu senhor e foi entregar-se a D. Afonso VII levando consigo a sua família, todos com uma corda ao pescoço. Junto do rei, pediu-lhe que fizesse com ele e com a sua família tudo o que desejasse. O rei, comovido com a atitude do aio, deixou-os partir em paz.
  • 15. Em 1128, D. Afonso Henriques, organiza um pequeno exército para lutar contra o exército da sua mãe. A batalha ocorreu perto de Guimarães e ficou conhecida como Batalha de São Mamede. D. Afonso Henriques saiu vitorioso e passou a governar o Condado Portucalense, continuando a sua expansão. Curiosidade: Depois da derrota de São Mamede, D. Teresa refugiou-se na Galiza e acabou por falecer em 1130. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado 15 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
  • 16. Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado 16 em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º CEB
  • 17. Para te ajudar a estudar…  Lê a página 42 do Manual de Estudo do Meio;  Consulta, na biblioteca, livros relacionados com a História de Portugal;  Troca impressões com os teus colegas sobre factos históricos que conheças. Partilhando conhecimentos consegues aprender mais!  Podes, também, consultar os seguintes sites (atenção que encontrarás mais matéria do que aquela de que falámos até agora): http://pt.slideshare.net/IsaAlves/formao-reinoportugalppt?related=2 http://pt.slideshare.net/e-for-all/formaao-do-reino-de-portugal-5?related=3 Liliana Nunes & Soraia Correia Estagiárias do Mestrado em Educação Pré-Escolar 17 e Ensino do 1º CEB