SlideShare uma empresa Scribd logo
A Fixação do Território
O nosso trabalho tem como principal tema a conquista e fixação do território português. Nele abordaremos os seguintes subtemas: 1. A Reconquista 2. Do Termo da Reconquista ao estabelecimento e fortalecimento de fronteiras; 3. O carácter político e religioso da Reconquista.
•   Reconquista  é o termo utilizado para designar as campanhas militares que os reinos cristãos da Península Ibérica dirigiram contra os Muçulmanos, que a invadiram em 711.A  •   Reconquista foi um processo lento, de avanços e recuos condicionados pelo relevo, pelas bacias hidrográficas, pela unidade ou divisão dos Muçulmanos. Contou, ainda, com o apoio da Igreja.  •   Foi na altura da Reconquista cristã da Península Ibérica aos Muçulmanos que PORTUGAL surgiu, transformando-se numa entidade política independente. Depois, definiu o seu território.
•   A origem do REINO de POERTUGAL remonta às atitudes  rebeldes de Afonso Henrique contra o seu primo e suserano Afonso VII, rei de Leão e Castela e imperador da Espanha. D. Afonso Henriques
•   D. AFONSO HENRIQUES  era vassalo do rei de Leão e devia-lhe obediência, à maneira feudal. No entanto, vai lutar contra Castela para conseguir uma maior autonomia do CONDADO PORTUCALENSE, com vista a torná-lo independente.  É um acto próprio de um senhor feudal que se quer tornar mais poderoso, com mais territórios e com mais poder sobre o território e a população que nele vive.  D. Afonso Henriques
•   Em 1143, na CONFERÊNCIA DE ZAMORA, o rei de Leão e de Castela, Afonso VII acaba por reconher D. Afonso Henriques como rei (rex) de Portugal. 1143 Portugal  Novo reino cristão da Europa
•   De  1147 a 1165,  D. Afonso Henriques  conquistou  Santarém, Lisboa, Sintra, Almada, Palmela, Alcácer do Sal, Beja e Évora.  O primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, a quem a História chamaria de O Conquistador, faleceu em 1185. Muralhas  de  Alcácer do Sal •   Com a morte do primeiro rei de Portugal, o seu filho,  D. Sancho I  herdou o trono, entre 1185 e 1211, revelando-se, tal como o seu pai, um grande chefe guerreiro, embora menos feliz. A LUTA PELO ALARGAMENTO DO TERRITÓRIO
•   Nesta época houve, também, recuos. Depois de duas expedições vitoriosas ao Algarve, as forças portuguesas não  resistiram às investidas almóadas que partiram de Marrocos e invadiram a Península Ibérica. Consequentemente, os portugueses perderam todas as posições a sul do Tejo, à excepção de Évora.
•   D. Afonso II , filho de Sancho I, governou entre 1211 a 1223. Durante o seu mandato, este rei concentrou-se, sobretudo, na organização da administração e na consolidação do poder real.  •   No entanto, no seu reinado, as forças militares portuguesas resistindo ao poderio dos Almóadas na Andaluzia, prosseguiram com a reconquista, conquistando Alcácer do Sal, Castelo de Veiros, Monforte, Borba, Vila Viçosa e Moura.
•   D. Sancho II  reinou entre 1223 a 1245. No seu reinado, a fronteira portuguesa avançou vitoriosamente no Alentejo, beneficiando da tomada leonesa das cidades muçulmanas de Cáceres, Mérida e Badajoz. Esse reinado foi marcado pelas conquistas de Elvas, Jurumenha, Serpa, Moura, Beja, Aljustrel e Mértola. Entre 1234 a 1239, a soberania portuguesa chegou ao Algarve oriental. Mesquita almóada de Mértola
•   A reconquista portuguesa chegou, finalmente, ao fim,  o que durou sensivelmente mais um século. Foi no reinado de  D. Afonso III , rei de Portugal entre 1248 e 1279, que, através de uma campanha brilhante, conseguiu concluir a conquista do Algarve. •   Em Março de 1249,  o rei apoderou-se do enclave isolado que os Muçulmanos possuíam no Algarve, no qual se incluíam Faro, Albufeira, Porches e Silves. O Norte cristão, finalmente, anexava o Sul muçulmano. Muralhas de Silves
•   No ano 1252, houve um conflito entre os reinos cristãos de Portugal e de Leão e Castela que reivindicavam, para os seus reinos respectivos, parte do Algarve.  Esse conflito levou à guerra entre aqueles reinos. •   Enfrentando a guerra entre os dois reinos cristãos, o Papa Inocêncio IV interveio na celebração do  Tratado de Paz,  em 1253. Com este tratado, o rei  Afonso III  viria a casar com Beatriz, filha de Afonso X de Leão e Castela que renunciaria, temporariamente, aos seus direitos como suserano do Algarve, a favor do sogro.  •   Na data de 1263-1264 , as negociações diplomáticas sobre a posse do Algarve continuaram, saindo Portugal altamente beneficiado.
•   Em 1267, o  TRATADO DE BADAJOZ  resolvia definitivamente o problema da soberania sobre o Algarve. O rei de Leão de Castela, Afonso X, renunciava a favor do infante D. Dinis (filho de D. Afonso III) que era seu neto, a quaisquer direitos sobre os territórios algarvios. No ano posterior, em 1268, Afonso III era, de direito, rei de Portugal e do Algarve. •   Posteriormente, entre 1295-1297, Portugal viria a refazer as hostilidades com Castela, ao participar na guerra civil que assolou aquele reino.
•   Reinava em Portugal  D. Dinis , quando, em 1297, foi assinado  o  TRATADO  DE  ALCANISES,  entre  o  rei  português  e  Fernando IV de Castela. Ao mesmo tempo projectavam-se casamentos reais, uma paz de 40 anos baseada na «amizade a defesa mútuas»e fixavam-se os limites territoriais dos dois reinos hispânicos. 1297 Portugal  estabelece  definitivamente  as suas fronteira s Diploma do TRATADO DE ALCANISES D. DINIS
•   Em suma, o território português (embora com algumas excepções), adquiria a sua configuração definitiva, o que faz de Portugal o  Estado europeu com as fronteiras mais antigas e estáveis.
A RECONQUISTA Carácter Político Carácter Religioso Conduziu à afirmação e ao  engrandecimento dos reinos  e soberanos  ibéricos. A Reconquista foi entendida como uma «guerra santa» dos Cristãos contra os Muçulmanos. O seu triunfo levou à afirmação e expansão da religião cristã na Península Ibérica.
A reconquista ou «CRUZADAS DO OCIDENTE» tomou contornos de GUERRA SANTA, merecedora  de tanta consideração como as CRUZADAS à Palestina. Os reis peninsulares usufruíram de várias bulas papais que exortavam à expulsão dos muçulmanos da  Península Ibérica, concedendo perdão aos que  participavam na luta. A Reconquista teve o apoio  das  Ordens Religioso-militares Cruzado Cristão
•   As Ordens Religioso-Militares (os Templários, os Hospitalários, os monges de Calatrava e de Santiago) introduzidas na Península no século XI contribuíram para o fortalecimento ideal de cruzada e ajudaram a expulsar os muçulmanos da Península Ibérica.  •   Aquelas Ordens revelaram-se auxiliares importantes na conquista de terras alentejanas e algarvias. Receberam depois dos reis muitos desses territórios como doação e passaram também a defendê-los.  Templário Cavaleiros da ordem religioso-militar de Santiago
Senhores laicos e eclesiásticos Os concelhos Regiões do território  português
Concluímos o trabalho dentro do tempo definido pela professora e o nosso maior objectivo é transmitir aquilo que aprendemos aos nossos colegas de uma forma simples, motivadora, clara e eficaz. Esperamos que tenham gostado…! Obrigado pela atenção!
http://www.arikah.net/commons/en/thumb/4/42/175px-AfonsoII-P.jpg http://ricardoantunes.zftp.com/files001/Lisboa/CasteloSJorge_DomAfonsoHenriques.JPG http://elblogdeodracir.files.wordpress.com/2007/08/templario.jpg “ O Tempo da História, 2ª Parte” Célia Pinto do Couto, Maria Antónia Monterroso Rosas,  Elvira Cunha Azevedo Mea,  Porto Editora
Osmar Landim, nº 24 Fabio Varela, nº 4 Mauro Michaela, nº 19 ALADINOOOO TXAPINHOOOO MAUROOOO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
Carla Freitas
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
Gonçalo Martins
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
Vítor Santos
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
A rivalidade Luso castelhana
A rivalidade Luso castelhanaA rivalidade Luso castelhana
A rivalidade Luso castelhana
Maria Gomes
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Raffaella Ergün
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
Carla Teixeira
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
Vítor Santos
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Vieira
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
00 03 revisoes_modulo_3
00 03 revisoes_modulo_300 03 revisoes_modulo_3
00 03 revisoes_modulo_3
Vítor Santos
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
 
02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo02 o alargamento do conhecimento do mundo
02 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
A rivalidade Luso castelhana
A rivalidade Luso castelhanaA rivalidade Luso castelhana
A rivalidade Luso castelhana
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
 
02 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_202 historia a_revisoes_modulo_2
02 historia a_revisoes_modulo_2
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A expansão agrária e o cre...
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
00 03 revisoes_modulo_3
00 03 revisoes_modulo_300 03 revisoes_modulo_3
00 03 revisoes_modulo_3
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 

Destaque

Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
Escola Luis de Freitas Branco
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
HistN
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
Carla Teixeira
 
Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
Isabel Alves
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
rvanessarebelo
 
5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval
Ana Cunha
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
Ana Cristina F
 
A Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalA Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de Portugal
Nelson Faustino
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
Carla Teixeira
 
Guerra da reconquista e a formação de portugal
Guerra da reconquista e a formação de portugalGuerra da reconquista e a formação de portugal
Guerra da reconquista e a formação de portugal
rafaforte
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
Maria Gomes
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
Carla Freitas
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
jorgina8
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 

Destaque (20)

Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
Formação de Portugal
Formação de PortugalFormação de Portugal
Formação de Portugal
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval
 
Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12Programa historia a 10_11_12
Programa historia a 10_11_12
 
A Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalA Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de Portugal
 
A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1A crise do século xiv 1
A crise do século xiv 1
 
Guerra da reconquista e a formação de portugal
Guerra da reconquista e a formação de portugalGuerra da reconquista e a formação de portugal
Guerra da reconquista e a formação de portugal
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Poder Senhorial
Poder SenhorialPoder Senhorial
Poder Senhorial
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 

Semelhante a A Reconquista

Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
patriciacanico
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Daniel Leitão
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
Anabela Sobral
 
A península ibérica
A península ibéricaA península ibérica
A península ibérica
ceufaias
 
Hgp 5
Hgp 5Hgp 5
Hgp 5
Elisa Dias
 
Peninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presençaPeninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presença
lazaro12r
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
Maria José Oliveira
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Maria Ferreira
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
lmmj
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
Sílvia Mendonça
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
Sílvia Mendonça
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Cabiamar
 
A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã
DinisStudios
 
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
cristianoperinpissolato
 
2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista
Básicas ou Secundárias
 
2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista
Básicas ou Secundárias
 

Semelhante a A Reconquista (20)

Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
A península ibérica
A península ibéricaA península ibérica
A península ibérica
 
Hgp 5
Hgp 5Hgp 5
Hgp 5
 
Peninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presençaPeninsula ibericadois mundos em presença
Peninsula ibericadois mundos em presença
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit OA FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
A FormaçãO De Portugal Trabalh O Ja Feit O
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã A Reconquista Cristã
A Reconquista Cristã
 
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
154 ab reconquista e formação de espanha e portugal
 
2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista
 
2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista2º avanços e recuos da reconquista
2º avanços e recuos da reconquista
 

Mais de Professores História

Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Professores História
 
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Professores História
 
12º EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
12º   EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx12º   EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
12º EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
Professores História
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
12º A Cultura De Massas Ii
12º   A Cultura De Massas   Ii12º   A Cultura De Massas   Ii
12º A Cultura De Massas Ii
Professores História
 
12º A Cultura De Massas Ii
12º   A Cultura De Massas   Ii12º   A Cultura De Massas   Ii
12º A Cultura De Massas Ii
Professores História
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
Professores História
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
Professores História
 
20 Datas Da História De Portugal
20  Datas Da  História De  Portugal20  Datas Da  História De  Portugal
20 Datas Da História De Portugal
Professores História
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
Professores História
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
Professores História
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
Professores História
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
Professores História
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
Professores História
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
Professores História
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
Professores História
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
Professores História
 
A Pintura Do Renascimento
A Pintura Do RenascimentoA Pintura Do Renascimento
A Pintura Do Renascimento
Professores História
 

Mais de Professores História (20)

Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
 
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
Luta política em Oeiras entre 1908 e 1926
 
12º EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
12º   EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx12º   EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
12º EvoluçãO Do Mundo No SéCulo Xx
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
12º A Cultura De Massas Ii
12º   A Cultura De Massas   Ii12º   A Cultura De Massas   Ii
12º A Cultura De Massas Ii
 
12º A Cultura De Massas Ii
12º   A Cultura De Massas   Ii12º   A Cultura De Massas   Ii
12º A Cultura De Massas Ii
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
 
20 Datas Da História De Portugal
20  Datas Da  História De  Portugal20  Datas Da  História De  Portugal
20 Datas Da História De Portugal
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
 
20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal20 Datas Da HistóRia De Portugal
20 Datas Da HistóRia De Portugal
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –I  O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
I O Iluminismo FrancêS, Voltaire – Montesquieu –
 
Guerra Civil Portuguesa
Guerra Civil PortuguesaGuerra Civil Portuguesa
Guerra Civil Portuguesa
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
 
A Crise Religiosa
A Crise ReligiosaA Crise Religiosa
A Crise Religiosa
 
A Pintura Do Renascimento
A Pintura Do RenascimentoA Pintura Do Renascimento
A Pintura Do Renascimento
 

A Reconquista

  • 1. A Fixação do Território
  • 2. O nosso trabalho tem como principal tema a conquista e fixação do território português. Nele abordaremos os seguintes subtemas: 1. A Reconquista 2. Do Termo da Reconquista ao estabelecimento e fortalecimento de fronteiras; 3. O carácter político e religioso da Reconquista.
  • 3. Reconquista é o termo utilizado para designar as campanhas militares que os reinos cristãos da Península Ibérica dirigiram contra os Muçulmanos, que a invadiram em 711.A • Reconquista foi um processo lento, de avanços e recuos condicionados pelo relevo, pelas bacias hidrográficas, pela unidade ou divisão dos Muçulmanos. Contou, ainda, com o apoio da Igreja. • Foi na altura da Reconquista cristã da Península Ibérica aos Muçulmanos que PORTUGAL surgiu, transformando-se numa entidade política independente. Depois, definiu o seu território.
  • 4. A origem do REINO de POERTUGAL remonta às atitudes rebeldes de Afonso Henrique contra o seu primo e suserano Afonso VII, rei de Leão e Castela e imperador da Espanha. D. Afonso Henriques
  • 5. D. AFONSO HENRIQUES era vassalo do rei de Leão e devia-lhe obediência, à maneira feudal. No entanto, vai lutar contra Castela para conseguir uma maior autonomia do CONDADO PORTUCALENSE, com vista a torná-lo independente. É um acto próprio de um senhor feudal que se quer tornar mais poderoso, com mais territórios e com mais poder sobre o território e a população que nele vive. D. Afonso Henriques
  • 6. Em 1143, na CONFERÊNCIA DE ZAMORA, o rei de Leão e de Castela, Afonso VII acaba por reconher D. Afonso Henriques como rei (rex) de Portugal. 1143 Portugal Novo reino cristão da Europa
  • 7. De 1147 a 1165, D. Afonso Henriques conquistou Santarém, Lisboa, Sintra, Almada, Palmela, Alcácer do Sal, Beja e Évora. O primeiro rei de Portugal, Afonso Henriques, a quem a História chamaria de O Conquistador, faleceu em 1185. Muralhas de Alcácer do Sal • Com a morte do primeiro rei de Portugal, o seu filho, D. Sancho I herdou o trono, entre 1185 e 1211, revelando-se, tal como o seu pai, um grande chefe guerreiro, embora menos feliz. A LUTA PELO ALARGAMENTO DO TERRITÓRIO
  • 8. Nesta época houve, também, recuos. Depois de duas expedições vitoriosas ao Algarve, as forças portuguesas não resistiram às investidas almóadas que partiram de Marrocos e invadiram a Península Ibérica. Consequentemente, os portugueses perderam todas as posições a sul do Tejo, à excepção de Évora.
  • 9. D. Afonso II , filho de Sancho I, governou entre 1211 a 1223. Durante o seu mandato, este rei concentrou-se, sobretudo, na organização da administração e na consolidação do poder real. • No entanto, no seu reinado, as forças militares portuguesas resistindo ao poderio dos Almóadas na Andaluzia, prosseguiram com a reconquista, conquistando Alcácer do Sal, Castelo de Veiros, Monforte, Borba, Vila Viçosa e Moura.
  • 10. D. Sancho II reinou entre 1223 a 1245. No seu reinado, a fronteira portuguesa avançou vitoriosamente no Alentejo, beneficiando da tomada leonesa das cidades muçulmanas de Cáceres, Mérida e Badajoz. Esse reinado foi marcado pelas conquistas de Elvas, Jurumenha, Serpa, Moura, Beja, Aljustrel e Mértola. Entre 1234 a 1239, a soberania portuguesa chegou ao Algarve oriental. Mesquita almóada de Mértola
  • 11. A reconquista portuguesa chegou, finalmente, ao fim, o que durou sensivelmente mais um século. Foi no reinado de D. Afonso III , rei de Portugal entre 1248 e 1279, que, através de uma campanha brilhante, conseguiu concluir a conquista do Algarve. • Em Março de 1249, o rei apoderou-se do enclave isolado que os Muçulmanos possuíam no Algarve, no qual se incluíam Faro, Albufeira, Porches e Silves. O Norte cristão, finalmente, anexava o Sul muçulmano. Muralhas de Silves
  • 12. No ano 1252, houve um conflito entre os reinos cristãos de Portugal e de Leão e Castela que reivindicavam, para os seus reinos respectivos, parte do Algarve. Esse conflito levou à guerra entre aqueles reinos. • Enfrentando a guerra entre os dois reinos cristãos, o Papa Inocêncio IV interveio na celebração do Tratado de Paz, em 1253. Com este tratado, o rei Afonso III viria a casar com Beatriz, filha de Afonso X de Leão e Castela que renunciaria, temporariamente, aos seus direitos como suserano do Algarve, a favor do sogro. • Na data de 1263-1264 , as negociações diplomáticas sobre a posse do Algarve continuaram, saindo Portugal altamente beneficiado.
  • 13. Em 1267, o TRATADO DE BADAJOZ resolvia definitivamente o problema da soberania sobre o Algarve. O rei de Leão de Castela, Afonso X, renunciava a favor do infante D. Dinis (filho de D. Afonso III) que era seu neto, a quaisquer direitos sobre os territórios algarvios. No ano posterior, em 1268, Afonso III era, de direito, rei de Portugal e do Algarve. • Posteriormente, entre 1295-1297, Portugal viria a refazer as hostilidades com Castela, ao participar na guerra civil que assolou aquele reino.
  • 14. Reinava em Portugal D. Dinis , quando, em 1297, foi assinado o TRATADO DE ALCANISES, entre o rei português e Fernando IV de Castela. Ao mesmo tempo projectavam-se casamentos reais, uma paz de 40 anos baseada na «amizade a defesa mútuas»e fixavam-se os limites territoriais dos dois reinos hispânicos. 1297 Portugal estabelece definitivamente as suas fronteira s Diploma do TRATADO DE ALCANISES D. DINIS
  • 15. Em suma, o território português (embora com algumas excepções), adquiria a sua configuração definitiva, o que faz de Portugal o Estado europeu com as fronteiras mais antigas e estáveis.
  • 16. A RECONQUISTA Carácter Político Carácter Religioso Conduziu à afirmação e ao engrandecimento dos reinos e soberanos ibéricos. A Reconquista foi entendida como uma «guerra santa» dos Cristãos contra os Muçulmanos. O seu triunfo levou à afirmação e expansão da religião cristã na Península Ibérica.
  • 17. A reconquista ou «CRUZADAS DO OCIDENTE» tomou contornos de GUERRA SANTA, merecedora de tanta consideração como as CRUZADAS à Palestina. Os reis peninsulares usufruíram de várias bulas papais que exortavam à expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica, concedendo perdão aos que participavam na luta. A Reconquista teve o apoio das Ordens Religioso-militares Cruzado Cristão
  • 18. As Ordens Religioso-Militares (os Templários, os Hospitalários, os monges de Calatrava e de Santiago) introduzidas na Península no século XI contribuíram para o fortalecimento ideal de cruzada e ajudaram a expulsar os muçulmanos da Península Ibérica. • Aquelas Ordens revelaram-se auxiliares importantes na conquista de terras alentejanas e algarvias. Receberam depois dos reis muitos desses territórios como doação e passaram também a defendê-los. Templário Cavaleiros da ordem religioso-militar de Santiago
  • 19. Senhores laicos e eclesiásticos Os concelhos Regiões do território português
  • 20. Concluímos o trabalho dentro do tempo definido pela professora e o nosso maior objectivo é transmitir aquilo que aprendemos aos nossos colegas de uma forma simples, motivadora, clara e eficaz. Esperamos que tenham gostado…! Obrigado pela atenção!
  • 22. Osmar Landim, nº 24 Fabio Varela, nº 4 Mauro Michaela, nº 19 ALADINOOOO TXAPINHOOOO MAUROOOO