SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
“Ninguém pode efetivamente ajudar uma mulher a parir.
O objetivo é evitar interferir desnecessariamente”
Michel Odent
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Objetivo dessa apresentação:
• Reforçar a importância do nascimento a termo completo/tardio e de
aguardar o início do trabalho de parto espontaneamente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Introdução
• Com o desenvolvimento das tecnologias em saúde, o controle sobre os processos
naturais do parto passou a ser possível, e encarado como protetor para os bebês e
também para as mulheres. As incertezas sobre a capacidade do corpo feminino decidir
o momento justo do nascimento desenvolveu o conceito de que um bebê maduro não
precisaria aguardar a decisão da natureza.
• Mortes fetais anteparto no terceiro trimestre ampliaram o desejo das mulheres e
famílias de encurtar os momentos antes do nascimento, cheios de inseguranças.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Introdução
• Os protocolos de assistência à gravidez e parto passaram a desenvolver métodos de
indução do parto ao se chegar à gestação a termo.
• A possibilidade de interrupção de uma gestação antes dos sinais de trabalho de parto
passou a ser incluída nas decisões das mulheres e dos médicos, e a cesariana eletiva,
sem indicação médica, a melhor via para esta interrupção, tornando-se um
procedimento comum, principalmente no setor privado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Introdução
• Por muitos anos a idade gestacional mínima para a realização de uma cesárea eletiva
no Brasil era de 37 semanas de gestação. Em 2016 o Conselho Federal de Medicina
(CFM) adotou a idade gestacional mínima de 39 semanas, com base em estudos
analisados pelo Defining "Term" Pregnancy Workgroup, organizado pelo Colégio
Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG). A determinação deve ser
considerada quando não há indicação médica que aponte a necessidade de
antecipação do nascimento por intercorrências maternas ou fetais.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Introdução
• O marco de 37 semanas utilizado anteriormente tinha um peso no processo de espera
tanto para a família como para a equipe, pois se o bebê está pronto por quê não
nasce?
• Mesmo com as mudanças e as evidências que surgem para dar suporte, esperar pelo
trabalho de parto espontâneo ainda é um desafio sociocultural, para as
mulheres/famílias e também para equipe multiprofissional.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Classificação de Idade Gestacional
Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG)
Semanas
Termo Precoce de 37 semanas a 38 semanas e 6 dias
Termo Completo de 39 semanas a 40 semanas e 6 dias
Termo Tardio de 41 semanas a 41 semanas e 6 dias
Pós termo de 42 semanas em diante
ACOG, 2013
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Como é feita a estimativa da idade gestacional?
• A ultrassonografia (USG) realizada no intervalo de 10 a 13 semanas e seis dias de gestação é
considerada o método mais preciso para estimar a idade gestacional, dado que a variação na
taxa de crescimento fetal é muito pequena neste período.
• Por outro lado, a data da última menstruação (DUM) é o método recomendado pela
Organização Mundial da Saúde (OMS) devido à sua elevada acessibilidade e baixo custo.
• A idade gestacional baseada na DUM é falível em muitas circunstâncias, tais como variações
individuais na duração do ciclo menstrual, sangramento de implantação e, principalmente,
devido a vieses de memória.
(WHO, 1994)
(WHO, 1994)
(Waller et. al, 2000; Wegienka G, Baird D, 2005)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
• O ACOG considera a ultrassonografia do primeiro trimestre o método mais preciso
para estabelecer ou confirmar a idade gestacional.
• No segundo e terceiro trimestres, a datação biométrica ultrassonográfica apresenta
uma gama de imprecisões que aumentam com o avanço da idade gestacional.
• O ideal é que este ultrassom seja realizado até 22 semanas e 0/7 dias, esse ponto de
corte proposto também é consistente com a recente recomendação de que o tempo
ideal para um único exame ultrassonográfico durante a gravidez é de 18 a 22 semanas
de gestação, porque a ultrassonografia realizada durante esse período permite
avaliação anatômica fetal e estimativa precisa da idade gestacional.
Como é feita a estimativa da idade gestacional?
ACOG, 2019
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Como é feita a estimativa da idade gestacional?
A pesquisa de Determinação da idade gestacional com base em informações do
estudo Nascer no Brasil evidenciou vários fatores que podem interferir no processo de
datar a idade gestacional tais como:
• data da ultima menstruação errônea,
• erro de preenchimento de prontuário e carteira da gestante,
• erro dos dados de ultrassonografia,
• erro de entrevista.
Embora o ACOG considere o ultrassom como método adequado, a pesquisa brasileira
evidenciou valores desproporcionais com o uso do dispositivo. Esta frequência de erro
foi menor quando foram incluídas/comparadas as USG mais tardias (> 20 semanas).
(Pereira et al, 2014)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Porque esperar o momento do parto?
• Bebês nascidos entre 39 semanas completas e 41 semanas e 6/7 (termo
completo/termo tardio) possuem melhores desfechos neonatais quando comparados
aos nascidos entre 37 semanas completas e 38 semanas e 6/7 (termo precoce). Estes
últimos têm riscos significativamente maiores de complicações médicas durante a
internação e durante as primeiras semanas pós parto, incluindo síndrome do
desconforto respiratório, uso de ventilação mecânica, admissões de unidade de terapia
intensiva e maior mortalidade.
(Spong, 2013; Engle, 2011)
A espera é importante para a maturidade fetal!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
“A prematuridade se constitui no maior fator de risco para o recém nascido adoecer e
morrer não apenas imediatamente após o nascimento, mas também durante a infância
e na vida adulta. Os prejuízos extrapolam o campo da saúde física e atinge as
dimensões cognitivas e comportamentais, tornando esse problema um dos maiores
desafios para a Saúde Pública contemporânea”.
Porque esperar o momento do parto?
Maria do Carmo Leal
https://agencia.fiocruz.br/prematuridade-por-intervencao-medica-chega-40-no-brasil
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
• Um número crescente de pesquisas tem evidenciado que intervenções comuns de
assistência à gestação e parto podem perturbar os processos hormonais, reduzir seus
benefícios e criar novos desafios.
• Os efeitos epigenéticos e de desenvolvimento são biologicamente plausíveis, mas
pouco estudados. A perspectiva da fisiologia hormonal acrescenta novas considerações
para avaliações dos benefício e danos na assistência ao ciclo gravídico puerperal e
sugere novas prioridades de pesquisa.
Porque esperar o momento do parto?
(Buckley, 2015)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Porque esperar o momento do parto?
(Buckley, 2015)
O conhecimento atual sugere que seria prudente evitar intervenções
desnecessárias de assistência à gestação e parto. Promover, apoiar e proteger o
ciclo gravídico puerperal de forma fisiológica, na medida do possível com
segurança em cada situação, é uma abordagem de saúde e bem estar de baixa
tecnologia para o cuidado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Como esperar de maneira segura?
• Segundo o manual do Ministério da Saúde, quando o parto não ocorre até a 41º semana,
é necessário encaminhar a gestante para a avaliação do bem estar fetal, incluindo
avaliação do índice do líquido amniótico e monitoramento cardíaco fetal.
• Antes deste período e quando necessários, exames podem ser solicitados para avaliar
vitalidade e bem estar fetal tais como cardiotocografia e ultrassonografia.
• Estudos clínicos randomizados demonstram que a conduta de induzir o trabalho de
parto em todas as gestantes com 41 semanas de gravidez é preferível à avaliação seriada
do bem estar fetal, pois se observou menor risco de morte neonatal e perinatal e menor
chance de cesariana no grupo submetido à indução do parto com 41 semanas.
(Ministério da Saúde, CAB 32, 2012)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Quem determina o
início do trabalho de
parto fisiológico?
Liberação de
sinalizadores pela
placenta no líquido
amniótico
Liberação de
surfactante e
cortisol pelo feto
Distensão
uterina
Pressão da cabeça
fetal no colo
uterino
Redução dos níveis
de progesterona
Elevação dos níveis
de estrógeno
Elevação dos
níveis de
prostaglandina
Aumento do número de
receptores e da resposta
à ocitocina
O início do trabalho de parto pode ser influenciado por uma combinação de fatores não
totalmente esclarecidos:
Wei, 2010; Correa Junior, 2014; Schartz, 2001; Ng, 2000; Kota, 2013)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Esperar o início do trabalho de parto de maneira
espontânea e proporcionar nascimentos no termo
completo ou tardio são de extrema importância para
desfechos maternos e fetais positivos.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?
Referências
• Spong CY. Defining “Term” Pregnancy: Recommendations From the Defining “Term” Pregnancy Workgroup. JAMA. 2013;309(23):2445–2446. doi:10.1001/jama.2013.6235
• Definition of term pregnancy. Committee Opinion No. 579. American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol 2013;122:1139–40.
• World Health Organization. (1994). Home-based maternal records : guidelines for development, adaptation and evaluation. World Health Organization.
https://apps.who.int/iris/handle/10665/39355
• Waller DK, Spears WD, Gu Y, Cunningham GC. Assessing number-specific error in the recall of onset of last menstrual period. Paediatr Perinat Epidemiol. 2000;14(3):263-267.
doi:10.1046/j.1365-3016.2000.00275.x
• Wegienka G, Baird DD. A comparison of recalled date of last menstrual period with prospectively recorded dates. J Womens Health (Larchmt). 2005;14(3):248-252.
doi:10.1089/jwh.2005.14.248
• Management of suboptimally dated pregnancies. Committee Opinion No. 688. American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol 2017;129:e29–32.
• Pereira, Ana Paula Esteves, Leal, Maria do Carmo, Gama, Silvana Granado Nogueira da, Domingues, Rosa Maria Soares Madeira, Schilithz, Arthur Orlando Corrêa, & Bastos, Maria Helena.
(2014). Determinação da idade gestacional com base em informações do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(Suppl. 1), S59-S70. https://doi.org/10.1590/0102-
311X00160313
• Spong CY. Defining “Term” Pregnancy: Recommendations From the Defining “Term” Pregnancy Workgroup. JAMA. 2013;309(23):2445–2446. doi:10.1001/jama.2013.6235
• Engle WA. Morbidity and mortality in late preterm and early term newborns: a continuum. Clin Perinatol. 2011;38(3):493-516. doi:10.1016/j.clp.2011.06.009
• Buckley SJ. Executive Summary of Hormonal Physiology of Childbearing: Evidence and Implications for Women, Babies, and Maternity Care. J Perinat Educ. 2015;24(3):145-153.
doi:10.1891/1058-1243.24.3.145
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.318 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32)
• Wei SQ, Fraser W, Luo ZC. Inflammatory cytokines and spontaneous preterm birth in asymptomatic women: a systematic review. Obstet Gynecol. 2010;116(2 Pt 1):393-401.
doi:10.1097/AOG.0b013e3181e6dbc0
• Dias correa jr, Mario & Couri, Lysia & Soares, Josana. Conceitos atuais sobre avaliação da maturidade pulmonar fetal Current concepts on the assessment of fetal lung maturity. Femina:
revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. 2014. Vol. 42 (3). 141.
• Schwartz J, McMillen IC. Fetal hypothalamus-pituitary-adrenal axis on the road to parturition. Clin Exp Pharmacol Physiol. 2001;28(1-2):108-112. doi:10.1046/j.1440-1681.2001.03412.x
• Ng PC. The fetal and neonatal hypothalamic–pituitary–adrenal axis. Archives of Disease in Childhood – Fetal and Neonatal Edition 2000;82:F250-F254.
• Kota SK, Gayatri K, Jammula S, et al. Endocrinology of parturition. Indian J Endocrinol Metab. 2013;17(1):50-59. doi:10.4103/2230-8210.107841
• Agência Fiocruz de Notícias. Prematuridade por intervenção médica chega a 40% no Brasil. Disponível: <https://agencia.fiocruz.br/prematuridade-por-intervencao-medica-chega-40-no-
brasil>
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 14 de setembro de 2020
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?
DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Gustavo Henrique
 
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à InternaçãoAmbiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascido
Flavia Oliveira
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
Vanessa Cunha
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
ANA FONSECA
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacionalAula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacionalhervora araujo
 
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ambientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao partoAmbientes de atenção ao parto

Mais procurados (20)

5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de RiscoPromovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
Promovendo a Segurança do Cuidado ao Recém-nascido de Risco
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatal
 
DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?
DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?
DEIXAR DE FAZER MANOBRA DE KRISTELLER: POR QUE E COMO?
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à InternaçãoAmbiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
Ambiência em Unidades Neonatais: do Nascimento à Internação
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascido
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacionalAula 13   saúde da mulher - diagnóstico gestacional
Aula 13 saúde da mulher - diagnóstico gestacional
 
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
 
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
Prevenção de Hipotermia em recém-nascidos pré-termo: da sala de parto à admis...
 
Ambientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao partoAmbientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao parto
 

Semelhante a Parto Espontâneo: por que esperar?

Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
euu3
 
Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
figueiredo5
 
Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
figueiredo5
 
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidez
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidezZica congelamento de embriões para adiar a gravidez
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidez
Nit Portal Social
 
E-book EuSaúde - Gestante
E-book EuSaúde - GestanteE-book EuSaúde - Gestante
E-book EuSaúde - Gestante
EuSaúde
 
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
bianca375788
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
ShesterDamaceno1
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Cesariana versus parto vaginal como nascer
Cesariana versus parto vaginal   como nascerCesariana versus parto vaginal   como nascer
Cesariana versus parto vaginal como nascer
adrianomedico
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
HIURYGOMES
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
HIURYGOMES
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
HIURYGOMES
 
A Epidemia De Cesarianas No Brasil
A Epidemia De Cesarianas No BrasilA Epidemia De Cesarianas No Brasil
A Epidemia De Cesarianas No Brasil
Isabella Oliveira
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
Quando é necessário fazer a cesariana
Quando é necessário fazer a cesarianaQuando é necessário fazer a cesariana
Quando é necessário fazer a cesariana
adrianomedico
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
Morgana Oliveira
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
Bruno Rezende
 
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdadeAleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Luana Ortencio
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
febrasgo
 

Semelhante a Parto Espontâneo: por que esperar? (20)

Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
 
Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
 
Loucos e lindos meses
Loucos e lindos mesesLoucos e lindos meses
Loucos e lindos meses
 
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidez
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidezZica congelamento de embriões para adiar a gravidez
Zica congelamento de embriões para adiar a gravidez
 
E-book EuSaúde - Gestante
E-book EuSaúde - GestanteE-book EuSaúde - Gestante
E-book EuSaúde - Gestante
 
Parto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdfParto e Puerpério Matutino.pdf
Parto e Puerpério Matutino.pdf
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Cesariana versus parto vaginal como nascer
Cesariana versus parto vaginal   como nascerCesariana versus parto vaginal   como nascer
Cesariana versus parto vaginal como nascer
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 
A Epidemia De Cesarianas No Brasil
A Epidemia De Cesarianas No BrasilA Epidemia De Cesarianas No Brasil
A Epidemia De Cesarianas No Brasil
 
PESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASILPESQUISA NASCER NO BRASIL
PESQUISA NASCER NO BRASIL
 
Quando é necessário fazer a cesariana
Quando é necessário fazer a cesarianaQuando é necessário fazer a cesariana
Quando é necessário fazer a cesariana
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdadeAleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
Aleitamento Materno: cartilha para mulheres privadas de liberdade
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
 
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomarGravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
Gravidez após os 35 anos e cuidados a tomar
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

Parto Espontâneo: por que esperar?

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? “Ninguém pode efetivamente ajudar uma mulher a parir. O objetivo é evitar interferir desnecessariamente” Michel Odent
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Objetivo dessa apresentação: • Reforçar a importância do nascimento a termo completo/tardio e de aguardar o início do trabalho de parto espontaneamente.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Introdução • Com o desenvolvimento das tecnologias em saúde, o controle sobre os processos naturais do parto passou a ser possível, e encarado como protetor para os bebês e também para as mulheres. As incertezas sobre a capacidade do corpo feminino decidir o momento justo do nascimento desenvolveu o conceito de que um bebê maduro não precisaria aguardar a decisão da natureza. • Mortes fetais anteparto no terceiro trimestre ampliaram o desejo das mulheres e famílias de encurtar os momentos antes do nascimento, cheios de inseguranças.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Introdução • Os protocolos de assistência à gravidez e parto passaram a desenvolver métodos de indução do parto ao se chegar à gestação a termo. • A possibilidade de interrupção de uma gestação antes dos sinais de trabalho de parto passou a ser incluída nas decisões das mulheres e dos médicos, e a cesariana eletiva, sem indicação médica, a melhor via para esta interrupção, tornando-se um procedimento comum, principalmente no setor privado.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Introdução • Por muitos anos a idade gestacional mínima para a realização de uma cesárea eletiva no Brasil era de 37 semanas de gestação. Em 2016 o Conselho Federal de Medicina (CFM) adotou a idade gestacional mínima de 39 semanas, com base em estudos analisados pelo Defining "Term" Pregnancy Workgroup, organizado pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG). A determinação deve ser considerada quando não há indicação médica que aponte a necessidade de antecipação do nascimento por intercorrências maternas ou fetais.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Introdução • O marco de 37 semanas utilizado anteriormente tinha um peso no processo de espera tanto para a família como para a equipe, pois se o bebê está pronto por quê não nasce? • Mesmo com as mudanças e as evidências que surgem para dar suporte, esperar pelo trabalho de parto espontâneo ainda é um desafio sociocultural, para as mulheres/famílias e também para equipe multiprofissional.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Classificação de Idade Gestacional Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) Semanas Termo Precoce de 37 semanas a 38 semanas e 6 dias Termo Completo de 39 semanas a 40 semanas e 6 dias Termo Tardio de 41 semanas a 41 semanas e 6 dias Pós termo de 42 semanas em diante ACOG, 2013
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Como é feita a estimativa da idade gestacional? • A ultrassonografia (USG) realizada no intervalo de 10 a 13 semanas e seis dias de gestação é considerada o método mais preciso para estimar a idade gestacional, dado que a variação na taxa de crescimento fetal é muito pequena neste período. • Por outro lado, a data da última menstruação (DUM) é o método recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) devido à sua elevada acessibilidade e baixo custo. • A idade gestacional baseada na DUM é falível em muitas circunstâncias, tais como variações individuais na duração do ciclo menstrual, sangramento de implantação e, principalmente, devido a vieses de memória. (WHO, 1994) (WHO, 1994) (Waller et. al, 2000; Wegienka G, Baird D, 2005)
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? • O ACOG considera a ultrassonografia do primeiro trimestre o método mais preciso para estabelecer ou confirmar a idade gestacional. • No segundo e terceiro trimestres, a datação biométrica ultrassonográfica apresenta uma gama de imprecisões que aumentam com o avanço da idade gestacional. • O ideal é que este ultrassom seja realizado até 22 semanas e 0/7 dias, esse ponto de corte proposto também é consistente com a recente recomendação de que o tempo ideal para um único exame ultrassonográfico durante a gravidez é de 18 a 22 semanas de gestação, porque a ultrassonografia realizada durante esse período permite avaliação anatômica fetal e estimativa precisa da idade gestacional. Como é feita a estimativa da idade gestacional? ACOG, 2019
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Como é feita a estimativa da idade gestacional? A pesquisa de Determinação da idade gestacional com base em informações do estudo Nascer no Brasil evidenciou vários fatores que podem interferir no processo de datar a idade gestacional tais como: • data da ultima menstruação errônea, • erro de preenchimento de prontuário e carteira da gestante, • erro dos dados de ultrassonografia, • erro de entrevista. Embora o ACOG considere o ultrassom como método adequado, a pesquisa brasileira evidenciou valores desproporcionais com o uso do dispositivo. Esta frequência de erro foi menor quando foram incluídas/comparadas as USG mais tardias (> 20 semanas). (Pereira et al, 2014)
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Porque esperar o momento do parto? • Bebês nascidos entre 39 semanas completas e 41 semanas e 6/7 (termo completo/termo tardio) possuem melhores desfechos neonatais quando comparados aos nascidos entre 37 semanas completas e 38 semanas e 6/7 (termo precoce). Estes últimos têm riscos significativamente maiores de complicações médicas durante a internação e durante as primeiras semanas pós parto, incluindo síndrome do desconforto respiratório, uso de ventilação mecânica, admissões de unidade de terapia intensiva e maior mortalidade. (Spong, 2013; Engle, 2011) A espera é importante para a maturidade fetal!
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? “A prematuridade se constitui no maior fator de risco para o recém nascido adoecer e morrer não apenas imediatamente após o nascimento, mas também durante a infância e na vida adulta. Os prejuízos extrapolam o campo da saúde física e atinge as dimensões cognitivas e comportamentais, tornando esse problema um dos maiores desafios para a Saúde Pública contemporânea”. Porque esperar o momento do parto? Maria do Carmo Leal https://agencia.fiocruz.br/prematuridade-por-intervencao-medica-chega-40-no-brasil
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? • Um número crescente de pesquisas tem evidenciado que intervenções comuns de assistência à gestação e parto podem perturbar os processos hormonais, reduzir seus benefícios e criar novos desafios. • Os efeitos epigenéticos e de desenvolvimento são biologicamente plausíveis, mas pouco estudados. A perspectiva da fisiologia hormonal acrescenta novas considerações para avaliações dos benefício e danos na assistência ao ciclo gravídico puerperal e sugere novas prioridades de pesquisa. Porque esperar o momento do parto? (Buckley, 2015)
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Porque esperar o momento do parto? (Buckley, 2015) O conhecimento atual sugere que seria prudente evitar intervenções desnecessárias de assistência à gestação e parto. Promover, apoiar e proteger o ciclo gravídico puerperal de forma fisiológica, na medida do possível com segurança em cada situação, é uma abordagem de saúde e bem estar de baixa tecnologia para o cuidado.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Como esperar de maneira segura? • Segundo o manual do Ministério da Saúde, quando o parto não ocorre até a 41º semana, é necessário encaminhar a gestante para a avaliação do bem estar fetal, incluindo avaliação do índice do líquido amniótico e monitoramento cardíaco fetal. • Antes deste período e quando necessários, exames podem ser solicitados para avaliar vitalidade e bem estar fetal tais como cardiotocografia e ultrassonografia. • Estudos clínicos randomizados demonstram que a conduta de induzir o trabalho de parto em todas as gestantes com 41 semanas de gravidez é preferível à avaliação seriada do bem estar fetal, pois se observou menor risco de morte neonatal e perinatal e menor chance de cesariana no grupo submetido à indução do parto com 41 semanas. (Ministério da Saúde, CAB 32, 2012)
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Quem determina o início do trabalho de parto fisiológico? Liberação de sinalizadores pela placenta no líquido amniótico Liberação de surfactante e cortisol pelo feto Distensão uterina Pressão da cabeça fetal no colo uterino Redução dos níveis de progesterona Elevação dos níveis de estrógeno Elevação dos níveis de prostaglandina Aumento do número de receptores e da resposta à ocitocina O início do trabalho de parto pode ser influenciado por uma combinação de fatores não totalmente esclarecidos: Wei, 2010; Correa Junior, 2014; Schartz, 2001; Ng, 2000; Kota, 2013)
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Esperar o início do trabalho de parto de maneira espontânea e proporcionar nascimentos no termo completo ou tardio são de extrema importância para desfechos maternos e fetais positivos.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR? Referências • Spong CY. Defining “Term” Pregnancy: Recommendations From the Defining “Term” Pregnancy Workgroup. JAMA. 2013;309(23):2445–2446. doi:10.1001/jama.2013.6235 • Definition of term pregnancy. Committee Opinion No. 579. American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol 2013;122:1139–40. • World Health Organization. (1994). Home-based maternal records : guidelines for development, adaptation and evaluation. World Health Organization. https://apps.who.int/iris/handle/10665/39355 • Waller DK, Spears WD, Gu Y, Cunningham GC. Assessing number-specific error in the recall of onset of last menstrual period. Paediatr Perinat Epidemiol. 2000;14(3):263-267. doi:10.1046/j.1365-3016.2000.00275.x • Wegienka G, Baird DD. A comparison of recalled date of last menstrual period with prospectively recorded dates. J Womens Health (Larchmt). 2005;14(3):248-252. doi:10.1089/jwh.2005.14.248 • Management of suboptimally dated pregnancies. Committee Opinion No. 688. American College of Obstetricians and Gynecologists. Obstet Gynecol 2017;129:e29–32. • Pereira, Ana Paula Esteves, Leal, Maria do Carmo, Gama, Silvana Granado Nogueira da, Domingues, Rosa Maria Soares Madeira, Schilithz, Arthur Orlando Corrêa, & Bastos, Maria Helena. (2014). Determinação da idade gestacional com base em informações do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(Suppl. 1), S59-S70. https://doi.org/10.1590/0102- 311X00160313 • Spong CY. Defining “Term” Pregnancy: Recommendations From the Defining “Term” Pregnancy Workgroup. JAMA. 2013;309(23):2445–2446. doi:10.1001/jama.2013.6235 • Engle WA. Morbidity and mortality in late preterm and early term newborns: a continuum. Clin Perinatol. 2011;38(3):493-516. doi:10.1016/j.clp.2011.06.009 • Buckley SJ. Executive Summary of Hormonal Physiology of Childbearing: Evidence and Implications for Women, Babies, and Maternity Care. J Perinat Educ. 2015;24(3):145-153. doi:10.1891/1058-1243.24.3.145 • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.318 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32) • Wei SQ, Fraser W, Luo ZC. Inflammatory cytokines and spontaneous preterm birth in asymptomatic women: a systematic review. Obstet Gynecol. 2010;116(2 Pt 1):393-401. doi:10.1097/AOG.0b013e3181e6dbc0 • Dias correa jr, Mario & Couri, Lysia & Soares, Josana. Conceitos atuais sobre avaliação da maturidade pulmonar fetal Current concepts on the assessment of fetal lung maturity. Femina: revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia. 2014. Vol. 42 (3). 141. • Schwartz J, McMillen IC. Fetal hypothalamus-pituitary-adrenal axis on the road to parturition. Clin Exp Pharmacol Physiol. 2001;28(1-2):108-112. doi:10.1046/j.1440-1681.2001.03412.x • Ng PC. The fetal and neonatal hypothalamic–pituitary–adrenal axis. Archives of Disease in Childhood – Fetal and Neonatal Edition 2000;82:F250-F254. • Kota SK, Gayatri K, Jammula S, et al. Endocrinology of parturition. Indian J Endocrinol Metab. 2013;17(1):50-59. doi:10.4103/2230-8210.107841 • Agência Fiocruz de Notícias. Prematuridade por intervenção médica chega a 40% no Brasil. Disponível: <https://agencia.fiocruz.br/prematuridade-por-intervencao-medica-chega-40-no- brasil>
  • 20. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 14 de setembro de 2020 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. PARTO ESPONTÂNEO: POR QUE ESPERAR?