SlideShare uma empresa Scribd logo
Jorge Barbosa - 2010 PSICOLOGIA Relações Interpessoais
[object Object]
Relação do Eu com os Outros
Cognição Social
Influência Social
Processos de Relação do Eu SUMÁRIO 2
2 OBJECTIVOS: ,[object Object]
Identificar alguns dos processos centrais da cognição social.
Reconhecer a importância da influência social.
Explicar os fenómenos de conformismo, normalização e obediência.
Definir estereótipo, preconceito e discriminação.,[object Object]
RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Manifestam-se através de interacções (isto é, processos que ocorrem no interior das relações). Revelam factores cognitivos (percepção sobre a situação e significado atribuído à relação) e emocionais (sentimentos e afectos implicados na relação). 4
RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Regem-se por normas sociais de conduta (cada um dos interlocutores assume um papel e desempenha-o em função do que é socialmente desejável). Dependem do contexto social em que ocorrem (marcado por sistemas simbólicos). 4
RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Organizam-se de acordo com a função psicossocial dos interlocutores, distinguindo-se as relações simétricas – onde os sujeitos assumem posições idênticas Das relações complementares – onde as posições assumidas são distintas. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Definição “Conjunto de actividades mentais de processamento da informação social, através do qual se constrói um modo de conhecimento sobre o mundo social e sobre os outros indivíduos, baseado em saberes prévios compostos por valores e crenças.” (Fischer, 2002) 4
COGNIÇÃO SOCIAL Processos Implícitos na Cognição Social ,[object Object]
As Expectativas.
As Atitudes.
As representações Sociais.A cognição social refere-se ao conhecimento do mundo social: pessoas, grupos, instituições ou comunidades. 4
Sem impressões, não é possível qualquer relação social. COGNIÇÃO SOCIAL As Impressões Definição: Processo cognitivo que permite a organização de diversos traços (ou características) particulares num todo coerente que caracteriza um indivíduo. 4
COGNIÇÃO SOCIAL A categorização é um processo subjacente às impressões As Impressões ,[object Object]
A leitura dos comportamentos do outro, através de uma grelha simplificada (esquema), torna possível ao sujeito interpretar e fixar certas características.4
Índices que Contribuem para a Formação das Primeiras Impressões 12
Índices que Contribuem para a Formação das Primeiras Impressões 13
Formação de Impressões 14
Formação de Impressões, Avaliação dos Comportamentos 15
Formação de Impressões 16
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],Foram distribuídas duas listas (A e B) de características a dois grupos de sujeitos (A e B) 4
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],4
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],4
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],4
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],4
COGNIÇÃO SOCIAL Nem todos os traços têm a mesma relevância no processo de categorização As Impressões ,[object Object],4
A ordem de apresentação das características numa lista influencia as impressões COGNIÇÃO SOCIAL As Impressões ,[object Object],4
A ordem de apresentação das características numa lista influencia as impressões COGNIÇÃO SOCIAL As Impressões ,[object Object],4
A ordem de apresentação das características numa lista influencia as impressões COGNIÇÃO SOCIAL As Impressões ,[object Object],4
COGNIÇÃO SOCIAL ,[object Object]
Atribuições baseiam-se em inferências.As Atribuições Processo cognitivo, através do qual se fazem inferências e se explicam comportamentos ou acontecimentos procurando associar a sua ocorrência a uma determinada causa. 4
COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Dois tipos de Explicações: Explicações internas ou disposicionais: a causa de um acontecimento ou comportamento é associada à pessoa (por ex.: associar o bom desempenho à inteligência). 4
COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Dois tipos de Explicações: Explicações externas ou situacionais, onde a causa é associada à situação (por exemplo: associar o bom desempenho de alguém à sorte). 4
COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Quatro Princípios Gerais: São uma actividade comum na vida quotidiana; Podem não ser exactas; Influenciam o modo como as pessoas se comportam; Desempenham uma função adaptativa. 4
Atribuições aos seus próprios Resultados  30 Baixos Resultados nas Tarefas Preocupa-se exageradamente com a avaliação Reduzida auto-confiança Auto-Conceito negativo e Auto-Estima desvalorizada Baixas Expectativas Não acredita nas suas possibilidades Fixa-se nas dificuldades Insegurança
Atribuições aos seus próprios Resultados 31 Altos Resultados nas Tarefas Expectativas elevadas Elevada auto-confiança Auto-Conceito positivo e Auto-Estima valorizada Trabalha com empenho Acredita nas suas possibilidades Fixa-se na tarefa Segurança
Relação entre Atribuições e Auto-Conceito e Auto-Estima 32
Relação entre Atribuições e Auto-Conceito e Auto-Estima 33
COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições São um dos processos que nos ajudam a predizer e a controlar a nossa experiência social. As atribuições acerca de acontecimentos passados influenciam as nossas expectativas de futuro. As expectativas de futuro (como veremos) influenciam as atribuições. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social As impressões (categorizações de características pessoais) e as atribuições são os elementos centrais da Categorização Social. É um conjunto de processos que permitem ao sujeito  conhecer e pensar muitas coisas a partir de poucas. Apreender ou fixar poucas coisas a partir de muitas. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social Funções da categorização social Função informacional e organizadora – simplifica a realidade; permite organizar os dados em categorias de referência; facilita a leitura do nosso mundo. Função de significação e de orientação da acção – estabelece uma relação explicativa entre os atributos. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social Funções da categorização social Função identitária – permite que o indivíduo se posicione em termos de pertença ou de não pertença relativamente à realidade social; permite uma melhor compreensão sobre aquilo que o faz ser o que é; viabiliza as comparações sociais. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Definição Esquemas interpretativos que organizam a informação relativa ao futuro. Na sua base, encontramos: Processos dedutivos (impressões) Processos indutivos (atribuições) 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Profecias que se realizam As expectativas, porque antecipam o futuro, podem muitas vezes levar a que esse futuro se venha a concretizar. O Papel social de uma pessoa corresponde ao seu comportamento esperado, em função do estatuto que lhe é atribuído. O estatuto, atribuído ao professor, gera expectativas que podem concretizar-se. 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes O Conceito de ATITUDE refere-se à predisposição ou tendência para responder de forma favorável ou desfavorável a um objecto, pessoa, instituição ou acontecimento. As atitudes facilitam a coerência da acção da pessoa num contexto sempre em mudança 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes Falar da atitude de alguém significa que nos referimos às convicções e sentimentos e ao comportamento resultante. Mudar as atitudes das pessoas pode não mudar os seus comportamentos 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes As expressões das nossas atitudes (comportamento) estão sujeitas a muitas influências. As atitudes só permitem prever o comportamento se: Forem minimizadas as outras influências; Se a atitude estiver muito próxima do comportamento previsto; Se a atitude for forte (memória ou experiência). 4
COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes Embora se possa dizer que há uma ligação entre o que sentimos e pensamos relativamente a outras pessoas ou acontecimentos (atitudes) e o que fazemos (comportamentos), a verdade é que em muitas situações essa ligação é menos forte do que gostamos de pensar. 4
Temos tendência para verificar se a imagem que temos de nós é semelhante à que outros têm de nós 44
Temos tendência para verificar se a imagem que temos de nós é semelhante à que outros têm de nós 45

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
Sara Afonso
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
Vitor Manuel de Carvalho
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
Rolando Almeida
 
Obstáculos Epistemológicos
Obstáculos EpistemológicosObstáculos Epistemológicos
Obstáculos Epistemológicos
António Silvano
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
mike wasofsky
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
Jorge Barbosa
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Relações interpessoais2
Relações interpessoais2Relações interpessoais2
Relações interpessoais2
Nuno Pereira
 
MENTE
MENTEMENTE
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
turma12d
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 
Cultura
CulturaCultura
Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.
Nuno Cunha
 
Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
hap99
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Ana Antunes
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais
RaQuel Oliveira
 
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociaisAs metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
Catarina Alexandra
 

Mais procurados (20)

Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Obstáculos Epistemológicos
Obstáculos EpistemológicosObstáculos Epistemológicos
Obstáculos Epistemológicos
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Relações interpessoais2
Relações interpessoais2Relações interpessoais2
Relações interpessoais2
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Socialização.
Socialização.Socialização.
Socialização.
 
Sociologia: Interação social
Sociologia: Interação socialSociologia: Interação social
Sociologia: Interação social
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
 
O conformismo
O conformismoO conformismo
O conformismo
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais Atitudes e representações sociais
Atitudes e representações sociais
 
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociaisAs metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
As metodologias de investigação em sociologia e ciências sociais
 

Semelhante a Relações Interpessoais 1

A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
Marcelo Anjos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
matheuschagas71
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
jorge2_santos
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Grh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacionalGrh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacional
beirario
 
Seminário de pisicologia
Seminário de pisicologiaSeminário de pisicologia
Seminário de pisicologia
Diego Mancilla
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
cleilza sales
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
Jorge Barbosa
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
digosdigos
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.pptaula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
PatricMelloMartins1
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
Laura Malate
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
mgmedeiros
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Bruna Talita
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
flaviooshakur
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
António Moreira
 
Teoria da Atribuição
Teoria da AtribuiçãoTeoria da Atribuição
Teoria da Atribuição
Adm Unime
 

Semelhante a Relações Interpessoais 1 (20)

A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Grh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacionalGrh e o compotamento organizacional
Grh e o compotamento organizacional
 
Seminário de pisicologia
Seminário de pisicologiaSeminário de pisicologia
Seminário de pisicologia
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais12.2 relaes interpessoais
12.2 relaes interpessoais
 
Resumo Relações Interpessoais
Resumo Relações InterpessoaisResumo Relações Interpessoais
Resumo Relações Interpessoais
 
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
25 08-1022-56-47 adm-teleaula3_apresentacao
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.pptaula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
aula-01-comportamento-organizacional-introduc3a7ao.ppt
 
Comportamento organizacional
Comportamento organizacionalComportamento organizacional
Comportamento organizacional
 
Apostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissionalApostila relações interpessoais e ética profissional
Apostila relações interpessoais e ética profissional
 
Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012Slides psicologia social comunitária enade 2012
Slides psicologia social comunitária enade 2012
 
Interação social
Interação socialInteração social
Interação social
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Teoria da Atribuição
Teoria da AtribuiçãoTeoria da Atribuição
Teoria da Atribuição
 

Mais de Jorge Barbosa

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Jorge Barbosa
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
Jorge Barbosa
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
Jorge Barbosa
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Jorge Barbosa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Jorge Barbosa
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
Jorge Barbosa
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Jorge Barbosa
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Jorge Barbosa
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
Jorge Barbosa
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
Jorge Barbosa
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
Jorge Barbosa
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
Jorge Barbosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
Jorge Barbosa
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
Jorge Barbosa
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
Jorge Barbosa
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
Jorge Barbosa
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Jorge Barbosa
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Jorge Barbosa
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
Jorge Barbosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
Jorge Barbosa
 

Mais de Jorge Barbosa (20)

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 

Relações Interpessoais 1

  • 1. Jorge Barbosa - 2010 PSICOLOGIA Relações Interpessoais
  • 2.
  • 3. Relação do Eu com os Outros
  • 6. Processos de Relação do Eu SUMÁRIO 2
  • 7.
  • 8. Identificar alguns dos processos centrais da cognição social.
  • 9. Reconhecer a importância da influência social.
  • 10. Explicar os fenómenos de conformismo, normalização e obediência.
  • 11.
  • 12. RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Manifestam-se através de interacções (isto é, processos que ocorrem no interior das relações). Revelam factores cognitivos (percepção sobre a situação e significado atribuído à relação) e emocionais (sentimentos e afectos implicados na relação). 4
  • 13. RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Regem-se por normas sociais de conduta (cada um dos interlocutores assume um papel e desempenha-o em função do que é socialmente desejável). Dependem do contexto social em que ocorrem (marcado por sistemas simbólicos). 4
  • 14. RELAÇÃO DO EU COM OS OUTROS Cinco Características: Organizam-se de acordo com a função psicossocial dos interlocutores, distinguindo-se as relações simétricas – onde os sujeitos assumem posições idênticas Das relações complementares – onde as posições assumidas são distintas. 4
  • 15. COGNIÇÃO SOCIAL Definição “Conjunto de actividades mentais de processamento da informação social, através do qual se constrói um modo de conhecimento sobre o mundo social e sobre os outros indivíduos, baseado em saberes prévios compostos por valores e crenças.” (Fischer, 2002) 4
  • 16.
  • 19. As representações Sociais.A cognição social refere-se ao conhecimento do mundo social: pessoas, grupos, instituições ou comunidades. 4
  • 20. Sem impressões, não é possível qualquer relação social. COGNIÇÃO SOCIAL As Impressões Definição: Processo cognitivo que permite a organização de diversos traços (ou características) particulares num todo coerente que caracteriza um indivíduo. 4
  • 21.
  • 22. A leitura dos comportamentos do outro, através de uma grelha simplificada (esquema), torna possível ao sujeito interpretar e fixar certas características.4
  • 23. Índices que Contribuem para a Formação das Primeiras Impressões 12
  • 24. Índices que Contribuem para a Formação das Primeiras Impressões 13
  • 26. Formação de Impressões, Avaliação dos Comportamentos 15
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Atribuições baseiam-se em inferências.As Atribuições Processo cognitivo, através do qual se fazem inferências e se explicam comportamentos ou acontecimentos procurando associar a sua ocorrência a uma determinada causa. 4
  • 39. COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Dois tipos de Explicações: Explicações internas ou disposicionais: a causa de um acontecimento ou comportamento é associada à pessoa (por ex.: associar o bom desempenho à inteligência). 4
  • 40. COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Dois tipos de Explicações: Explicações externas ou situacionais, onde a causa é associada à situação (por exemplo: associar o bom desempenho de alguém à sorte). 4
  • 41. COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições Quatro Princípios Gerais: São uma actividade comum na vida quotidiana; Podem não ser exactas; Influenciam o modo como as pessoas se comportam; Desempenham uma função adaptativa. 4
  • 42. Atribuições aos seus próprios Resultados 30 Baixos Resultados nas Tarefas Preocupa-se exageradamente com a avaliação Reduzida auto-confiança Auto-Conceito negativo e Auto-Estima desvalorizada Baixas Expectativas Não acredita nas suas possibilidades Fixa-se nas dificuldades Insegurança
  • 43. Atribuições aos seus próprios Resultados 31 Altos Resultados nas Tarefas Expectativas elevadas Elevada auto-confiança Auto-Conceito positivo e Auto-Estima valorizada Trabalha com empenho Acredita nas suas possibilidades Fixa-se na tarefa Segurança
  • 44. Relação entre Atribuições e Auto-Conceito e Auto-Estima 32
  • 45. Relação entre Atribuições e Auto-Conceito e Auto-Estima 33
  • 46. COGNIÇÃO SOCIAL As Atribuições São um dos processos que nos ajudam a predizer e a controlar a nossa experiência social. As atribuições acerca de acontecimentos passados influenciam as nossas expectativas de futuro. As expectativas de futuro (como veremos) influenciam as atribuições. 4
  • 47. COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social As impressões (categorizações de características pessoais) e as atribuições são os elementos centrais da Categorização Social. É um conjunto de processos que permitem ao sujeito conhecer e pensar muitas coisas a partir de poucas. Apreender ou fixar poucas coisas a partir de muitas. 4
  • 48. COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social Funções da categorização social Função informacional e organizadora – simplifica a realidade; permite organizar os dados em categorias de referência; facilita a leitura do nosso mundo. Função de significação e de orientação da acção – estabelece uma relação explicativa entre os atributos. 4
  • 49. COGNIÇÃO SOCIAL Categorização Social Funções da categorização social Função identitária – permite que o indivíduo se posicione em termos de pertença ou de não pertença relativamente à realidade social; permite uma melhor compreensão sobre aquilo que o faz ser o que é; viabiliza as comparações sociais. 4
  • 50. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Definição Esquemas interpretativos que organizam a informação relativa ao futuro. Na sua base, encontramos: Processos dedutivos (impressões) Processos indutivos (atribuições) 4
  • 51. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Profecias que se realizam As expectativas, porque antecipam o futuro, podem muitas vezes levar a que esse futuro se venha a concretizar. O Papel social de uma pessoa corresponde ao seu comportamento esperado, em função do estatuto que lhe é atribuído. O estatuto, atribuído ao professor, gera expectativas que podem concretizar-se. 4
  • 52. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes O Conceito de ATITUDE refere-se à predisposição ou tendência para responder de forma favorável ou desfavorável a um objecto, pessoa, instituição ou acontecimento. As atitudes facilitam a coerência da acção da pessoa num contexto sempre em mudança 4
  • 53. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes Falar da atitude de alguém significa que nos referimos às convicções e sentimentos e ao comportamento resultante. Mudar as atitudes das pessoas pode não mudar os seus comportamentos 4
  • 54. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes As expressões das nossas atitudes (comportamento) estão sujeitas a muitas influências. As atitudes só permitem prever o comportamento se: Forem minimizadas as outras influências; Se a atitude estiver muito próxima do comportamento previsto; Se a atitude for forte (memória ou experiência). 4
  • 55. COGNIÇÃO SOCIAL Expectativas Na base das Expectativas estão as atitudes Embora se possa dizer que há uma ligação entre o que sentimos e pensamos relativamente a outras pessoas ou acontecimentos (atitudes) e o que fazemos (comportamentos), a verdade é que em muitas situações essa ligação é menos forte do que gostamos de pensar. 4
  • 56. Temos tendência para verificar se a imagem que temos de nós é semelhante à que outros têm de nós 44
  • 57. Temos tendência para verificar se a imagem que temos de nós é semelhante à que outros têm de nós 45
  • 58. COGNIÇÃO SOCIAL Atitudes Características Básicas Inferências construídas a partir do modo como os indivíduos se comportam. Constructos psicológicos não directamente observáveis; Avaliações dirigidas a um objecto ou categoria 4
  • 59. COGNIÇÃO SOCIAL Atitudes Características Básicas Predisposições aprendidas e, por isso, com potencial de mudança; Construções relativamente estáveis capazes de influenciar o comportamentos e de serem influenciadas por ele. 4
  • 60. COGNIÇÃO SOCIAL Atitudes Modelo Tripartido Componente Afectiva: refere-se a emoções e a sentimentos subjectivos e às respostas fisiológicas que acompanham uma atitude (por ex.: de repugnância). 4
  • 61. COGNIÇÃO SOCIAL Atitudes Modelo Tripartido Componente Cognitiva: refere-se aos pensamentos, às crenças e aos valores (nem sempre conscientes) através dos quais a atitude se exprime ( o que sei ou julgo saber sobre aquilo que me causa repugnância). 4
  • 62. COGNIÇÃO SOCIAL Atitudes Modelo Tripartido Componente Comportamental: refere-se ao processo mental e físico que prepara o indivíduo para agir de uma determinada maneira (intenção). A intenção de uma acção activa o funcionamento do cérebro de forma idêntica à acção, só inibindo a informação nervosa descendente. 4
  • 64.
  • 65. Não concordantes ou opostas entre siImplica para o sujeito um maior esforço de análise; Este esforço visa tornar estas cognições menos dissonantes ou mais concordantes entre si 4
  • 66.
  • 67. Evitando as situações em que pode haver mais dissonância - preservação do Eu
  • 68. Seleccionando as informações mais convenientes para a concordância dos elementos - reorganização4
  • 69. COGNIÇÃO SOCIAL Representações Sociais Atitudes são processos simbólicos que acontecem no interior do Eu Representações Sociais são uma base de conhecimentos socialmente elaborados 4
  • 70. COGNIÇÃO SOCIAL Representações Sociais Referem-se Resultam da Geram 4
  • 72. CONTINUA: Influência Social Processos de Relação do Eu 7