SlideShare uma empresa Scribd logo
Pelo espírito André Luiz
Francisco Candido Xavier
Estudo por Bruna M. Beserra
Dubai, 05/11/2013
Capítulo 8
O DESASTRE DE ACELINO






6 personagens: André Luiz, Otávio, Dona
Isaura, Acelino, Vicente e Ruth.
Local: Colônia Nosso Lar, Ministério da
Comunicação
Ensinamentos destacados:

Leis Humanas / Leis Divinas

De volta ao capítulo 6

Expiação no umbral

Desencarnação

Duração das penas

Patrimônio espiritual

Dai de graça o que de graça recebestes
Obstinação no mal
O caminho

O mal
O compromisso assumido x

escolhido


Qual foi o desastre de Acelino?
O desastre de Acelino


O compromisso assumido:

Reencarnar a serviço da colônia
Casamento para colaboração das tarefas
Tarefa mediúnica: vidência, audição e psicografia
Trazer lições da espiritualidade superior, de
confraternização amiga, do serviço redentor do
Evangelho e instruções dos emissários divinos
Servir às criaturas de Deus, auxiliando-os no
crescimento espiritual com Jesus


O caminho trilhado:

O desastre de Acelino

Transformou as faculdades em fonte de renda material
Consultor de concorrência comercial, ligações humanas
legais e criminosas, caprichos apaixonados, casos de
polícia, misérias da Humanidade, experiências menos
dignas
Achou meio para ganhos sistemáticos
Zombou do Evangelho
Transformou a mediunidade em fonte de palpites
materiais e baixos avisos.
Fez viciados da crença religiosa, delinquentes ocultos,
multilados da fé e aleijados do pensamento.
Os mensageiros
Capítulo 8


“Não sou um criminoso para o mundo, mas sou
um falido para Deus e para “Nosso Lar” ”

- Acelino
Leis Humanas


Leis humanas - “Proteger a população e
manter ordem na sociedade”.

Irlanda: Se você está em Cork, e vê um escocês, ainda é legal mirá-lo com
arco e flecha, exceto nos Domingos.
China, Hong Kong: Uma mulher enganada pode legalmente matar seu marido
adúltero, mas deve fazê-lo só com suas mãos. Em contrapartida, a mulher
adúltera pode ser morta de qualquer maneira por seu marido.
Lei Divina ou Lei Natural


Livro Terceiro As Leis Morais Capítulo I

A Lei Divina ou Natural
I – Caracteres da Lei Natural
614. O que se deve entender por lei natural?
- A lei natural é a lei de Deus; é a única
necessária à felicidade do homem, ela lhe
indica o que ele deve fazer ou não fazer e ele
só se torna infeliz porque dela se afasta.
Lei Divina ou Lei Natural
615. A lei de Deus é eterna?
- É eterna e imutável, como o próprio Deus.
616. Deus teria prescrito aos homens, numa
época, aquilo que lhes proibiria em outra?
-Deus não se engana; os homens é que são
obrigados a modificar as suas leis, que são
imperfeitas, mas as leis de Deus são perfeitas.
A harmonia que regula o Universo material e o
Universo moral se funda nas leis que Deus
estabeleceu por toda a eternidade.
Lei Divina ou Lei Natural
617. O que as leis divinas abrangem? Referemse a algo mais do que à conduta moral?
- Todas as leis da Natureza são leis divinas,
pois Deus é o autor de todas as coisas. O
sábio estuda as leis da matéria, o homem de
bem as da alma, e as segue.
Leis humanas x Leis divinas




Leis Humanas: depende da regra ou da
necessidade, limitada aos conhecimentos dos
seres humanos de uma determinada época.
Mutável.
Leis Divinas: caráter invariável, não aceita
exceções. Imutável.
Leis humanas x Leis divinas
Livro Terceiro Capítulo VIII – Lei do Progresso


V – Progresso da Legislação Humana

797. Como o homem poderia ser levado a
reformar suas leis?
- Isso acontecerá naturalmente, pela força das
circunstâncias na senda do progresso. Há
muitas que já foram reformadas e muitas
outras ainda o serão. Espera!
Os Mensageiros
Capítulo 8




“... inclinei-me a transformar minhas faculdades
em fonte de renda material.”

“Interesse enorme foi despertado entre os que
desejavam melhoras físicas e solução de
negócios materiais”.
Mediunidade Transviada


Livro “Estudando a Mediunidade” Capítulo XI

Características:
a) - Consultas e exploração de Espíritos, ainda ignorantes, sobre
assuntos materiais, como casamento, negócios, empregos etc.;
b) - Consultas e exploração de Espíritos, ainda ignorantes,
sobre assuntos espirituais inferiores, como a ação maléfica
sobre a saúde e a vida do próximo.
Mediunidade Transviada


Livro “Estudando a Mediunidade” Capítulo XI

Lei de Causa e Efeito
1. Obsessão resultante da estreita afinidade magnética que
se estabelecerá entre os comparsas da ação (médiuns,
dirigentes e Espíritos);
2. Encontro, após a desencarnação, em zonas inferiores,
com tais entidades;
3. Renascimento futuro em condições difíceis, para
expiações e resgates.
Mediunidade Gratuita


O Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo
XXVI – Dar de graça o que de graça receber

Finalidade providencial da mediunidade: ser
intérpretes dos espíritos, instruir os homens
(para lhes ensinar o caminho do bem e levá-los
à fé).
A mediunidade não é um privilégio e se encontra
por toda parte.
Mediunidade Gratuita
A primeira condição para se conseguir a boa
vontade dos bons Espíritos é a que decorre da
humildade, do devotamento e da abnegação :
o mais absoluto desinteresse moral e material.
Mediunidade Gratuita
9. A mediunidade séria não pode ser e não será
jamais uma profissão, não somente porque
isso a desacreditaria no plano moral, colocando
os médiuns na mesma posição dos ledores da
sorte, mas porque existe ainda uma dificuldade
material para isso: é que se trata de uma
faculdade essencialmente instável, fugidia,
variável, com a qual ninguém pode contar na
certa. Ela seria, portanto, para o seu
explorador, um campo inteiramente incerto,
que poderia escapar-lhe no momento mais
necessário.
Mediunidade Gratuita




Explorar a mediunidade, como se vê, é querer
dispor de uma coisa que realmente não se
possui. Afirmar o contrário é enganar os que
pagam.
O Espiritismo moderno elevou a mediunidade à
categoria de missão.

Que aquele, pois, que não tem do que viver, procure outros
recursos que não os da mediunidade; e que não lhe
consagre, se necessário, senão o tempo de que
materialmente possa dispor. Os Espíritos levarão em
conta o seu devotamento e os seus sacrifícios, enquanto
se afastarão dos que pretendem fazer da mediunidade um
meio de subir na vida.
Mediunidade Gratuita


O Livro dos Espíritos - Introdução ao Estudo da
Doutrina Espírita

VIII – Perseverança e Seriedade
“Acontece o mesmo em nossas relações com os
Espíritos. Se desejamos aprender com eles,
temos de seguir-lhes o curso; mas, como entre
nós, é necessário escolher os professores e
trabalhar com assiduidade.
Mediunidade Gratuita
Dissemos que os Espíritos superiores só
comparecem às reuniões sérias, àquelas,
sobretudo, em que reina perfeita comunhão de
pensamentos e bons sentimentos.
A leviandade e as perguntas ociosas os afastam
como, entre os homens afastam as criaturas
ponderadas; o campo fica então livre à turba de
Espíritos mentirosos e frívolos, sempre à
espreita de oportunidades para zombarem de
nós e se divertirem à nossa custa
Mediunidade Gratuita
Se quereis respostas sérias, sede sérios vós
mesmos, em toda a extensão do termo, e
mantende-vos nas condições necessárias:
somente então obtereis grandes coisas. Sede,
além disso, laboriosos e perseverantes em
vossos estudos, para que os Espíritos
superiores não vos abandonem, como faz um
professor com os alunos negligentes.
O desencarne de Acelino
“- Mas a morte chegou, meus amigos, e
arrancou-me a fantasia. Desde o instante da
grande transição, a ronda escura dos
consulentes criminosos, que me haviam
precedido no túmulo, rodeou-me a reclamar
palpites e orientações de natureza inferior.
Queriam notícias de cúmplices encarnados, de
resultados comerciais, de soluções atinentes a
ligações clandestinas. (…) - Acelino
O desencarne de Acelino


O Livro dos Espíritos: Livro Quarto, Capítulo II
– Penas e gozos futuros

961. No momento da morte, qual o sentimento
que domina a maioria dos homens: a dúvida, o
medo ou a esperança?
- A dúvida para os céticos endurecidos; o medo
para os culpados; a esperança para os homens
de bem.
O desencarne de Acelino


III – Perturbação Espírita

163. Deixando o corpo, a alma tem imediata
consciência de si mesma?
- Consciência imediata não é o termo; ela fica
perturbada por algum tempo.
165. O conhecimento do Espiritismo exerce
alguma influência sobre a duração maior ou
menor da perturbação?
- Uma grande influência, pois o Espírito
compreende antecipadamente a sua situação;
mas a prática do bem e a pureza de
consciência são o que exerce maior influência.
O desencarne de Acelino
No momento da morte, tudo, a princípio, é confuso; a alma
necessita de algum tempo para se reconhecer; sente-se
como atordoada, no mesmo estado de um homem que
saísse de um sono profundo e procurasse compreender a
sua situação. A lucidez das ideias e a memória do
passado lhe voltam à medida que se extingue espécie de
nevoeiro que lhe turva os pensamentos.
A duração da perturbação de após morte é muito variável:
pode ser de algumas horas, como de muitos meses e
mesmo de muitos anos. Aqueles em que é menos longa
são os que se identificaram durante a vida com o seu
estado futuro, porque então compreendem imediatamente
a sua posição.
Os Mensageiros
Capítulo 8




“...Gritei, chorei, implorei, mas estava
algemado a eles por sinistros elos mentais, em
virtude da imprevidência na defesa do meu
próprio patrimônio espiritual. Durante onze
anos consecutivos, expiei a falta, entre eles,
entre o remorso e a amargura.”
“Tive onze anos de tormento nas zonas
inferiores”
Acelino
Zonas Inferiores




Umbral: lugar de extremo sofrimento, “de choro
e ranger de dentes”
Os espíritos em dívida lá se afinizam por sua
consciência de débitos, crimes e infrações da
Lei Divina.
Duração das Penas


O Livro dos Espíritos, Livro Quarto Capítulo II –
Penas e Gozos Futuros

1004. O que determina a duração dos
sofrimentos do culpado?
- O tempo necessário ao seu melhoramento. O estado
de sofrimento e de felicidade sendo proporcional ao
grau de pureza do Espírito, a duração e a natureza
dos seus sofrimentos dependem do tempo que ele
precisa para se melhorar. À medida que ele progride e
que os seus sentimentos se depuram, seus
sofrimentos diminuem e se modificam.
São Luiz
Os Mensageiros
Capítulo 6


“Curioso e surpreendido, indaguei (André Luiz):
- E se eu tentasse voltar aos assuntos
inferiores da Terra, esquecendo a conversação
edificante?

Vicente sorriu e retrucou: - O prejuízo seria seu,
porque aqui a palavra define o Espírito e, se
você fugisse à luz da palestra instrutiva, nossos
orientadores conheceriam sua atitude
imediatamente, porquanto sua presença se
tornaria desagradável e seu rosto se cobriria de
sombra indefinível”
Os Mensageiros
Capítulo 8


“Nesse momento, os olhos do narrador
cobriram-se de súbita vermelhidão,
estampando-se-lhe fundo horror nas pupilas,
como se estivesse revivendo atrozes
dilacerações”
Os Mensageiros
Capítulo 8






“Gritei, chorei, implorei, mas estava algemado
a eles por sinistros elos mentais, em virtude da
imprevidência na defesa do meu próprio
patrimônio espiritual”
Patrimônio espiritual: o que estamos
construindo em nosso patrimônio espiritual?
Livro dos Espíritos, Livro Quarto, Capítulo II –
Penas e Gozos futuros

III – Intervenção de Deus nas Penas e
Recompensas
Patrimônio Espiritual




O que estamos construindo em nosso
patrimônio espiritual?

Livro dos Espíritos, Livro Quarto, Capítulo II –
Penas e Gozos futuros

III – Intervenção de Deus nas Penas e
Recompensas
Patrimônio Espiritual


964- (...)(...)(...)

“Um pai dá ao seu filho a educação e a
instrução, ou seja, os meios para saber
conduzir-se. Cede-lhe um campo para cultivar
e lhe diz: eis a regra a seguir e todos os
instrumentos necessários para tornar fértil o
campo e assegurar a tua existência. Dei-te a
instrução para compreenderes essa regra. Se
a seguires, o campo produzirá bastante e te
proporcionará o repouso na velhice; se não a
seguires, nada produzirá e morrerás de fome.
Dito isso, deixa-o agir a vontade”.
Patrimônio Espiritual
(…) Deus é ainda mais previdente, porque nos
adverte a cada instante, se fazemos o bem ou
o mal. Envia-nos Espíritos que nos inspiram,
mas não os escutamos. Há ainda outra
diferença e é que Deus dá ao homem um
recurso, por meio das novas existências, para
reparar os seus erros do passado, ao passo
que o filho de que falamos não o terá, se
empregar mal o seu tempo.
O Espírito da Letra




“Um trabalho que começa na aspereza, na
dificuldade, mas que depois recebe o amparo
de Deus”
A história de Chico:

Tentou melhorar de vida, prestando um concurso no qual ajudou 8 amigos a
estudar. Os oito passaram, e ele foi reprovado. Abatido. Sonhou com o
instituto. No plano espiritual: Instituto de Auxílio aos Servidores do Pai.
Tenha certeza que continuando na tarefa, nunca vão lhe faltar os recursos
para sua subsistencia. Nunca te faltará o desamparo. Nao ficará rico mas
também não precisará temer miséria e fome.
Últimas Reflexões





“Sem dúvida, estamos em bancarrota (falência)
espiritual; no entanto, é razoável aguardarmos,
confiantes, novo empréstimo de oportunidades
do Tesouro Divino. Deus não está pobre.”

A Parábola do filho pródigo
O que estamos fazendo com os nossos
empréstimos de Deus?
Últimas Reflexões


“Não tenho desculpas, porque estava
esclarecido; não tenho perdão, porque não me
faltou assistência divina.”
FIM!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
Francisco de Assis Alencar
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
balsense
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Jose Luiz Maio
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 01 RenovaçãoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 01 Renovação
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação
Jose Luiz Maio
 
Espiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
Espiritismo - Uma Nova Era para a HumanidadeEspiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
Espiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
igmateus
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
Patricia Farias
 
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5hPossessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
home
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
Marta Gomes
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
Denise Aguiar
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Jose Luiz Maio
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
Marta Gomes
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
Marta Gomes
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcelo Gomez Brito Junior
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Henrique Vieira
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Patricia Farias
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 

Mais procurados (20)

LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 01 RenovaçãoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 01 Renovação
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação
 
Espiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
Espiritismo - Uma Nova Era para a HumanidadeEspiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
Espiritismo - Uma Nova Era para a Humanidade
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
 
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5hPossessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
 
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos2.9.4   Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
2.9.4 Anjos guardiaes, espiritos protetores, familiares ou simpaticos
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
 
2.9.2 Possessos - Convulsionários
2.9.2   Possessos - Convulsionários2.9.2   Possessos - Convulsionários
2.9.2 Possessos - Convulsionários
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 

Destaque

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 AnicetoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Jose Luiz Maio
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicenteEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Patricia Farias
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
Patricia Farias
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
Patricia Farias
 
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
carlos freire
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
Alfredo Lopes
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
Lar Irmã Zarabatana
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
Lar Irmã Zarabatana
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Patricia Farias
 
De graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça daiDe graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça dai
Graça Maciel
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Palestra dai de graça...
Palestra  dai de graça...Palestra  dai de graça...
Palestra dai de graça...
virginiacarisioscalia
 
Chemical Equipment Design, Lecture 1
Chemical Equipment Design, Lecture 1Chemical Equipment Design, Lecture 1
Chemical Equipment Design, Lecture 1
yousifmagdi
 
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27
Graça Maciel
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 

Destaque (20)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 AnicetoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicenteEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
 
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
090506 da lei do progresso–livro iii, cap-8
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
 
De graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça daiDe graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça dai
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Palestra dai de graça...
Palestra  dai de graça...Palestra  dai de graça...
Palestra dai de graça...
 
Chemical Equipment Design, Lecture 1
Chemical Equipment Design, Lecture 1Chemical Equipment Design, Lecture 1
Chemical Equipment Design, Lecture 1
 
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
090325 forma e ubiquidade dos espíritos – livro ii, cap. 1
 
Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27
 
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais -  - Instituto Espírita de EducaçãoLeis Morais -  - Instituto Espírita de Educação
Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação
 

Semelhante a Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino

O Poder da Boa Vontade
O Poder da Boa VontadeO Poder da Boa Vontade
O Poder da Boa Vontade
Andrea Oliveira
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
Claudio Macedo
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Henrique Vieira
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Patricia Farias
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
divinaluztk
 
LE 475 e ESE cap3 item19
LE 475 e ESE cap3 item19LE 475 e ESE cap3 item19
LE 475 e ESE cap3 item19
Patricia Farias
 
Revista espírita 1862
Revista espírita   1862Revista espírita   1862
Revista espírita 1862
anaccc2013
 
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
Patricia Farias
 
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
Patricia Farias
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
cak_sacramento
 
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
Patricia Farias
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Jose Luiz Maio
 
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
Patricia Farias
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Patricia Farias
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
Candice Gunther
 
O enígma da obsessão
O enígma da obsessãoO enígma da obsessão
O enígma da obsessão
Helio Cruz
 
Caminho para a evolução
Caminho para a evoluçãoCaminho para a evolução
Caminho para a evolução
Helio Cruz
 
Propósito - Pessoa de Bem
Propósito - Pessoa de BemPropósito - Pessoa de Bem
Propósito - Pessoa de Bem
Ricardo Azevedo
 

Semelhante a Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino (20)

O Poder da Boa Vontade
O Poder da Boa VontadeO Poder da Boa Vontade
O Poder da Boa Vontade
 
Espiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestreEspiritismo a Escola do mestre
Espiritismo a Escola do mestre
 
O livro dos médiuns - Sistemas
O livro dos médiuns -  SistemasO livro dos médiuns -  Sistemas
O livro dos médiuns - Sistemas
 
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas  espirituais - que cuidados devemos terConsultas  espirituais - que cuidados devemos ter
Consultas espirituais - que cuidados devemos ter
 
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
Livro dos espiritos Q.459 e ESE cap3 item6
 
Doutrina Espírita
Doutrina EspíritaDoutrina Espírita
Doutrina Espírita
 
LE 475 e ESE cap3 item19
LE 475 e ESE cap3 item19LE 475 e ESE cap3 item19
LE 475 e ESE cap3 item19
 
Revista espírita 1862
Revista espírita   1862Revista espírita   1862
Revista espírita 1862
 
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
Livro dos Espiritos 224 Evangelho 16; 11
 
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
Livor dos Espiritos 264 e 265 ESE cap.20 item 4 parte1
 
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
Seminário - 52º Encontro de Evangelhização de Espíritos (Julho 2015) - Sac...
 
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
Livro dos Espíritos Q413-415 ESE cap1item3
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
 
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
Livro dos Espíritos Q.366 ESE cap28 item26
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
Livro dos espiritos Q362 ESE cap 28 item 22
 
Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7Estudo do livro Roteiro lição 7
Estudo do livro Roteiro lição 7
 
O enígma da obsessão
O enígma da obsessãoO enígma da obsessão
O enígma da obsessão
 
Caminho para a evolução
Caminho para a evoluçãoCaminho para a evolução
Caminho para a evolução
 
Propósito - Pessoa de Bem
Propósito - Pessoa de BemPropósito - Pessoa de Bem
Propósito - Pessoa de Bem
 

Mais de Patricia Farias

evangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptxevangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptxevangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptxevangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptxevangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptxevangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptxevangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptxevangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptx
Patricia Farias
 
evangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptxevangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptx
Patricia Farias
 
Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1
Patricia Farias
 
Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7
Patricia Farias
 
Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9 Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9
Patricia Farias
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
Patricia Farias
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
Patricia Farias
 
Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1
Patricia Farias
 
Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13
Patricia Farias
 
Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11
Patricia Farias
 

Mais de Patricia Farias (20)

evangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptxevangelho_cap16_item8.pptx
evangelho_cap16_item8.pptx
 
evangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptxevangelho_cap16_item7.pptx
evangelho_cap16_item7.pptx
 
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptxevangelho_cap16_item4_parte3.pptx
evangelho_cap16_item4_parte3.pptx
 
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptxevangelho_cap16_item4_parte2.pptx
evangelho_cap16_item4_parte2.pptx
 
evangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptxevangelho_cap16_item4.pptx
evangelho_cap16_item4.pptx
 
evangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptxevangelho_cap16_item1.pptx
evangelho_cap16_item1.pptx
 
evangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptxevangelho_cap15_item4.pptx
evangelho_cap15_item4.pptx
 
evangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptxevangelho_cap15_item1.pptx
evangelho_cap15_item1.pptx
 
Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1Evangelho cap14 item1
Evangelho cap14 item1
 
Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7Evangelho cap14 item7
Evangelho cap14 item7
 
Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9 Evangelho Cap14 item9
Evangelho Cap14 item9
 
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da ViuvaEvangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
Evangelho Cap13 item 5 - O Obulo da Viuva
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
 
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...CAPÍTULO XIII   NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
CAPÍTULO XIII NÃO SAIBA A VOSSA MÃO ESQUERDA O QUE DÊ A VOSSA MÃO DIREITA -...
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 9
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 7
 
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
CAPÍTULO XII – AMAI AOS VOSSOS INIMIGOS - item 5
 
Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1Evangelho cap12 item1
Evangelho cap12 item1
 
Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13Evangelho cap11 item13
Evangelho cap11 item13
 
Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11Evangelho cap11 item11
Evangelho cap11 item11
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 

Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino

  • 1. Pelo espírito André Luiz Francisco Candido Xavier Estudo por Bruna M. Beserra Dubai, 05/11/2013
  • 2. Capítulo 8 O DESASTRE DE ACELINO    6 personagens: André Luiz, Otávio, Dona Isaura, Acelino, Vicente e Ruth. Local: Colônia Nosso Lar, Ministério da Comunicação Ensinamentos destacados: Leis Humanas / Leis Divinas De volta ao capítulo 6 Expiação no umbral Desencarnação Duração das penas Patrimônio espiritual Dai de graça o que de graça recebestes Obstinação no mal O caminho O mal O compromisso assumido x escolhido
  • 3.  Qual foi o desastre de Acelino?
  • 4. O desastre de Acelino  O compromisso assumido: Reencarnar a serviço da colônia Casamento para colaboração das tarefas Tarefa mediúnica: vidência, audição e psicografia Trazer lições da espiritualidade superior, de confraternização amiga, do serviço redentor do Evangelho e instruções dos emissários divinos Servir às criaturas de Deus, auxiliando-os no crescimento espiritual com Jesus
  • 5.  O caminho trilhado: O desastre de Acelino Transformou as faculdades em fonte de renda material Consultor de concorrência comercial, ligações humanas legais e criminosas, caprichos apaixonados, casos de polícia, misérias da Humanidade, experiências menos dignas Achou meio para ganhos sistemáticos Zombou do Evangelho Transformou a mediunidade em fonte de palpites materiais e baixos avisos. Fez viciados da crença religiosa, delinquentes ocultos, multilados da fé e aleijados do pensamento.
  • 6. Os mensageiros Capítulo 8  “Não sou um criminoso para o mundo, mas sou um falido para Deus e para “Nosso Lar” ” - Acelino
  • 7. Leis Humanas  Leis humanas - “Proteger a população e manter ordem na sociedade”. Irlanda: Se você está em Cork, e vê um escocês, ainda é legal mirá-lo com arco e flecha, exceto nos Domingos. China, Hong Kong: Uma mulher enganada pode legalmente matar seu marido adúltero, mas deve fazê-lo só com suas mãos. Em contrapartida, a mulher adúltera pode ser morta de qualquer maneira por seu marido.
  • 8. Lei Divina ou Lei Natural  Livro Terceiro As Leis Morais Capítulo I A Lei Divina ou Natural I – Caracteres da Lei Natural 614. O que se deve entender por lei natural? - A lei natural é a lei de Deus; é a única necessária à felicidade do homem, ela lhe indica o que ele deve fazer ou não fazer e ele só se torna infeliz porque dela se afasta.
  • 9. Lei Divina ou Lei Natural 615. A lei de Deus é eterna? - É eterna e imutável, como o próprio Deus. 616. Deus teria prescrito aos homens, numa época, aquilo que lhes proibiria em outra? -Deus não se engana; os homens é que são obrigados a modificar as suas leis, que são imperfeitas, mas as leis de Deus são perfeitas. A harmonia que regula o Universo material e o Universo moral se funda nas leis que Deus estabeleceu por toda a eternidade.
  • 10. Lei Divina ou Lei Natural 617. O que as leis divinas abrangem? Referemse a algo mais do que à conduta moral? - Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois Deus é o autor de todas as coisas. O sábio estuda as leis da matéria, o homem de bem as da alma, e as segue.
  • 11. Leis humanas x Leis divinas   Leis Humanas: depende da regra ou da necessidade, limitada aos conhecimentos dos seres humanos de uma determinada época. Mutável. Leis Divinas: caráter invariável, não aceita exceções. Imutável.
  • 12. Leis humanas x Leis divinas Livro Terceiro Capítulo VIII – Lei do Progresso  V – Progresso da Legislação Humana 797. Como o homem poderia ser levado a reformar suas leis? - Isso acontecerá naturalmente, pela força das circunstâncias na senda do progresso. Há muitas que já foram reformadas e muitas outras ainda o serão. Espera!
  • 13. Os Mensageiros Capítulo 8   “... inclinei-me a transformar minhas faculdades em fonte de renda material.” “Interesse enorme foi despertado entre os que desejavam melhoras físicas e solução de negócios materiais”.
  • 14. Mediunidade Transviada  Livro “Estudando a Mediunidade” Capítulo XI Características: a) - Consultas e exploração de Espíritos, ainda ignorantes, sobre assuntos materiais, como casamento, negócios, empregos etc.; b) - Consultas e exploração de Espíritos, ainda ignorantes, sobre assuntos espirituais inferiores, como a ação maléfica sobre a saúde e a vida do próximo.
  • 15. Mediunidade Transviada  Livro “Estudando a Mediunidade” Capítulo XI Lei de Causa e Efeito 1. Obsessão resultante da estreita afinidade magnética que se estabelecerá entre os comparsas da ação (médiuns, dirigentes e Espíritos); 2. Encontro, após a desencarnação, em zonas inferiores, com tais entidades; 3. Renascimento futuro em condições difíceis, para expiações e resgates.
  • 16. Mediunidade Gratuita  O Evangelho Segundo o Espiritismo – Capítulo XXVI – Dar de graça o que de graça receber Finalidade providencial da mediunidade: ser intérpretes dos espíritos, instruir os homens (para lhes ensinar o caminho do bem e levá-los à fé). A mediunidade não é um privilégio e se encontra por toda parte.
  • 17. Mediunidade Gratuita A primeira condição para se conseguir a boa vontade dos bons Espíritos é a que decorre da humildade, do devotamento e da abnegação : o mais absoluto desinteresse moral e material.
  • 18. Mediunidade Gratuita 9. A mediunidade séria não pode ser e não será jamais uma profissão, não somente porque isso a desacreditaria no plano moral, colocando os médiuns na mesma posição dos ledores da sorte, mas porque existe ainda uma dificuldade material para isso: é que se trata de uma faculdade essencialmente instável, fugidia, variável, com a qual ninguém pode contar na certa. Ela seria, portanto, para o seu explorador, um campo inteiramente incerto, que poderia escapar-lhe no momento mais necessário.
  • 19. Mediunidade Gratuita   Explorar a mediunidade, como se vê, é querer dispor de uma coisa que realmente não se possui. Afirmar o contrário é enganar os que pagam. O Espiritismo moderno elevou a mediunidade à categoria de missão. Que aquele, pois, que não tem do que viver, procure outros recursos que não os da mediunidade; e que não lhe consagre, se necessário, senão o tempo de que materialmente possa dispor. Os Espíritos levarão em conta o seu devotamento e os seus sacrifícios, enquanto se afastarão dos que pretendem fazer da mediunidade um meio de subir na vida.
  • 20. Mediunidade Gratuita  O Livro dos Espíritos - Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita VIII – Perseverança e Seriedade “Acontece o mesmo em nossas relações com os Espíritos. Se desejamos aprender com eles, temos de seguir-lhes o curso; mas, como entre nós, é necessário escolher os professores e trabalhar com assiduidade.
  • 21. Mediunidade Gratuita Dissemos que os Espíritos superiores só comparecem às reuniões sérias, àquelas, sobretudo, em que reina perfeita comunhão de pensamentos e bons sentimentos. A leviandade e as perguntas ociosas os afastam como, entre os homens afastam as criaturas ponderadas; o campo fica então livre à turba de Espíritos mentirosos e frívolos, sempre à espreita de oportunidades para zombarem de nós e se divertirem à nossa custa
  • 22. Mediunidade Gratuita Se quereis respostas sérias, sede sérios vós mesmos, em toda a extensão do termo, e mantende-vos nas condições necessárias: somente então obtereis grandes coisas. Sede, além disso, laboriosos e perseverantes em vossos estudos, para que os Espíritos superiores não vos abandonem, como faz um professor com os alunos negligentes.
  • 23. O desencarne de Acelino “- Mas a morte chegou, meus amigos, e arrancou-me a fantasia. Desde o instante da grande transição, a ronda escura dos consulentes criminosos, que me haviam precedido no túmulo, rodeou-me a reclamar palpites e orientações de natureza inferior. Queriam notícias de cúmplices encarnados, de resultados comerciais, de soluções atinentes a ligações clandestinas. (…) - Acelino
  • 24. O desencarne de Acelino  O Livro dos Espíritos: Livro Quarto, Capítulo II – Penas e gozos futuros 961. No momento da morte, qual o sentimento que domina a maioria dos homens: a dúvida, o medo ou a esperança? - A dúvida para os céticos endurecidos; o medo para os culpados; a esperança para os homens de bem.
  • 25. O desencarne de Acelino  III – Perturbação Espírita 163. Deixando o corpo, a alma tem imediata consciência de si mesma? - Consciência imediata não é o termo; ela fica perturbada por algum tempo. 165. O conhecimento do Espiritismo exerce alguma influência sobre a duração maior ou menor da perturbação? - Uma grande influência, pois o Espírito compreende antecipadamente a sua situação; mas a prática do bem e a pureza de consciência são o que exerce maior influência.
  • 26. O desencarne de Acelino No momento da morte, tudo, a princípio, é confuso; a alma necessita de algum tempo para se reconhecer; sente-se como atordoada, no mesmo estado de um homem que saísse de um sono profundo e procurasse compreender a sua situação. A lucidez das ideias e a memória do passado lhe voltam à medida que se extingue espécie de nevoeiro que lhe turva os pensamentos. A duração da perturbação de após morte é muito variável: pode ser de algumas horas, como de muitos meses e mesmo de muitos anos. Aqueles em que é menos longa são os que se identificaram durante a vida com o seu estado futuro, porque então compreendem imediatamente a sua posição.
  • 27. Os Mensageiros Capítulo 8   “...Gritei, chorei, implorei, mas estava algemado a eles por sinistros elos mentais, em virtude da imprevidência na defesa do meu próprio patrimônio espiritual. Durante onze anos consecutivos, expiei a falta, entre eles, entre o remorso e a amargura.” “Tive onze anos de tormento nas zonas inferiores” Acelino
  • 28. Zonas Inferiores   Umbral: lugar de extremo sofrimento, “de choro e ranger de dentes” Os espíritos em dívida lá se afinizam por sua consciência de débitos, crimes e infrações da Lei Divina.
  • 29. Duração das Penas  O Livro dos Espíritos, Livro Quarto Capítulo II – Penas e Gozos Futuros 1004. O que determina a duração dos sofrimentos do culpado? - O tempo necessário ao seu melhoramento. O estado de sofrimento e de felicidade sendo proporcional ao grau de pureza do Espírito, a duração e a natureza dos seus sofrimentos dependem do tempo que ele precisa para se melhorar. À medida que ele progride e que os seus sentimentos se depuram, seus sofrimentos diminuem e se modificam. São Luiz
  • 30. Os Mensageiros Capítulo 6  “Curioso e surpreendido, indaguei (André Luiz): - E se eu tentasse voltar aos assuntos inferiores da Terra, esquecendo a conversação edificante? Vicente sorriu e retrucou: - O prejuízo seria seu, porque aqui a palavra define o Espírito e, se você fugisse à luz da palestra instrutiva, nossos orientadores conheceriam sua atitude imediatamente, porquanto sua presença se tornaria desagradável e seu rosto se cobriria de sombra indefinível”
  • 31. Os Mensageiros Capítulo 8  “Nesse momento, os olhos do narrador cobriram-se de súbita vermelhidão, estampando-se-lhe fundo horror nas pupilas, como se estivesse revivendo atrozes dilacerações”
  • 32. Os Mensageiros Capítulo 8    “Gritei, chorei, implorei, mas estava algemado a eles por sinistros elos mentais, em virtude da imprevidência na defesa do meu próprio patrimônio espiritual” Patrimônio espiritual: o que estamos construindo em nosso patrimônio espiritual? Livro dos Espíritos, Livro Quarto, Capítulo II – Penas e Gozos futuros III – Intervenção de Deus nas Penas e Recompensas
  • 33. Patrimônio Espiritual   O que estamos construindo em nosso patrimônio espiritual? Livro dos Espíritos, Livro Quarto, Capítulo II – Penas e Gozos futuros III – Intervenção de Deus nas Penas e Recompensas
  • 34. Patrimônio Espiritual  964- (...)(...)(...) “Um pai dá ao seu filho a educação e a instrução, ou seja, os meios para saber conduzir-se. Cede-lhe um campo para cultivar e lhe diz: eis a regra a seguir e todos os instrumentos necessários para tornar fértil o campo e assegurar a tua existência. Dei-te a instrução para compreenderes essa regra. Se a seguires, o campo produzirá bastante e te proporcionará o repouso na velhice; se não a seguires, nada produzirá e morrerás de fome. Dito isso, deixa-o agir a vontade”.
  • 35. Patrimônio Espiritual (…) Deus é ainda mais previdente, porque nos adverte a cada instante, se fazemos o bem ou o mal. Envia-nos Espíritos que nos inspiram, mas não os escutamos. Há ainda outra diferença e é que Deus dá ao homem um recurso, por meio das novas existências, para reparar os seus erros do passado, ao passo que o filho de que falamos não o terá, se empregar mal o seu tempo.
  • 36. O Espírito da Letra   “Um trabalho que começa na aspereza, na dificuldade, mas que depois recebe o amparo de Deus” A história de Chico: Tentou melhorar de vida, prestando um concurso no qual ajudou 8 amigos a estudar. Os oito passaram, e ele foi reprovado. Abatido. Sonhou com o instituto. No plano espiritual: Instituto de Auxílio aos Servidores do Pai. Tenha certeza que continuando na tarefa, nunca vão lhe faltar os recursos para sua subsistencia. Nunca te faltará o desamparo. Nao ficará rico mas também não precisará temer miséria e fome.
  • 37. Últimas Reflexões    “Sem dúvida, estamos em bancarrota (falência) espiritual; no entanto, é razoável aguardarmos, confiantes, novo empréstimo de oportunidades do Tesouro Divino. Deus não está pobre.” A Parábola do filho pródigo O que estamos fazendo com os nossos empréstimos de Deus?
  • 38. Últimas Reflexões  “Não tenho desculpas, porque estava esclarecido; não tenho perdão, porque não me faltou assistência divina.”
  • 39. FIM!