SlideShare uma empresa Scribd logo
6.1A QUEDA DE OTÁVIO
OS MENSAGEIROS – ANDRÉ LUIZ – CAP. 7
André Luiz,
Vicente,
Otávio e
suas irmãs
Isaura e
Isabel.
• Mediunidade
• Compromisso mediúnico
• Cultura Evangélica
• Auxílio do Alto
• Preparação do trabalho / Responsabilidades
assumidas
• Dívidas passadas
• Orgulho e vaidade
• Livre arbítrio
2
A queda de Otávio
3
A queda de Otávio
A mediunidade é um atributo do espírito, sendo uma faculdade
“neutra”, não depende de qualidades humanas para existir na
sua função natural. No entanto, há leis que asseguram a sua
posição, no campo que opera. O médium pode transmitir
mensagens de alto teor educativo e científico, em favor da
humanidade, como também servir de canal para espíritos
zombeteiros ou pseudossábios.
Essa variação esta na dependência de como o médium leva a
vida, seus sentimentos e as condições espirituais que vibram em
seu coração. Não basta somente ter boa vontade, é necessário
ter compreensão do objetivo do seu mandato e trilhar os
caminhos que a ordem e a moralidade impõem, numa vida
pautada nas diretrizes da luz espiritual.
A ausência de Aniceto deu
ensejo a palestras
interessantes.
Formaram-se grupos de
conversação amiga.
Impressionado com as
senhoras que haviam
solicitado providências
para Otávio, pedi a Vicente
me apresentasse a elas, não
que me movesse curiosidade
menos digna, mas desejo de
alcançar novos valores
educativos sobre a tarefa
mediúnica
André Luiz, Vicente,
Otávio e suas irmãs
Isaura e Isabel.
Em breves momentos, não me
achava tão só à frente das
irmãs Isaura e Isabel, mas do
próprio Otávio, um pálido
senhor que aparentava
quarenta anos.
– Também sou principiante
aqui – expliquei – e minha
condição é a do médico falido
nos deveres que o Senhor lhe
confiou.
Otávio sorriu e respondeu:
André Luiz, Vicente,
Otávio e suas irmãs
Isaura e Isabel.
• (Otávio)…Possivelmente o amigo terá a seu favor o fato de haver
ignorado as verdades eternas, no mundo. O mesmo não ocorre
comigo. Não desconhecia o roteiro certo, que o Pai me designava
para as lutas na terra… dispunha de considerável cultura evangélica,
coisa que para a vida eterna, é de maior importância… tive amigos
do plano superior, que se faziam visíveis aos meus olhos… recebi
mensagens de amor e sabedoria…e, no entanto, cai mesmo assim,
obedecendo à imprevidência e à vaidade.
• Guias espirituais todos temos, pois isso é uma lei nascida da
misericórdia de Deus. Carece saber se respeitamos esses
companheiros da espiritualidade maior, não os envergonhando com
os nosso feitos. Ė de importância grandiosa que os convidemos para
assistirem o que pensamos e o que falamos e, sentindo as suas
presenças, passemos a pensar e falar com mais segurança. Não
podemos ignorar as nossas companhias espirituais. Percebemos
seus pensamentos permeando os nossos, a nos chamar. E o
médium espírita não pode se esquecer dessa realidade.
6
ATENDER E ORIENTAR IRMÃOS:
ignorantes, perturbados e infelizes
OBJETIVO:
Relevante trabalho de consolo, em
associação com as falanges de
colaboradores encarregados do Brasil.
ATENDER E ORIENTAR IRMÃOS:
ignorantes, perturbados e infelizes
TAREFA:
•… as tarefas espirituais, ocupam-se de
interesses eternos e daí a enormidade de minha
falta . Os mordomos de bens da alma estão
investidos de responsabilidades pesadíssimas,
os estudiosos, os crentes, os simpatizantes, no
campo de fé, podem alegar ignorância e
inibição, todavia os sacerdotes não tem
desculpa. Ė o mesmo que se verifica na
tarefa mediunica… (Otávio)
• (A.L) Mas, meu amigo – perguntei, assaz
impressionado –, que teria motivado seu martírio
moral? Noto-o tão consciente de si mesmo, tão
superiormente informado sobre as leis da vida, que me
custa acreditar se encontre necessitado de novas
experiências nesse capítulo...
• – Relatarei minha queda. Verá como perdi maravilhosa
oportunidade de elevação. E, após mais longa pausa,
continuou, gravemente:
• – “Depois de contrair dividas enormes na esfera carnal,
noutro tempo, vim bater às portas de “Nosso Lar”,
sendo atendido por irmãos dedicados, que se
revelaram incansáveis para comigo.
9
• Preparou-se durante 30 anos em Nosso lar para a tarefa
mediúnica, benfeitores o acompanharam durante todo o
processo, não faltaram recursos para que tudo desse certo da
parte dos colaboradores espirituais, iria colaborar com as
falanges espirituais no Brasil, atendendo irmãos ignorantes,
perturbados ou infelizes.
• (Otávio) O Ministério da Comunicação favoreceu-me com todas
as facilidades e, sobretudo, seis entidades amigas
movimentaram os maiores recursos em benefício do meu êxito.
Técnicos do Auxílio acompanharam-me à Terra, nas vésperas do
meu renascimento, entregando-me um corpo físico
rigorosamente sadio. Segundo a magnanimidade dos meus
benfeitores daqui, ser-me-ia concedido certo trabalho de
relevo, na esfera de consolação às criaturas.
10
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
“Tudo combinado, voltei, não só prometendo fidelidade aos meus
instrutores, como também hipotecando a certeza do meu
devotamento às seis entidades amigas, a quem muito devo até
agora.” – “Mas, ai de mim, que olvidei todos os compromissos!
Os benfeitores de “Nosso Lar” localizaram-me ao lado de
verdadeira serva de Jesus. Minha mãe era espiritista cristã desde
moça, não obstante as tendências materialistas de meu pai, que
era, todavia, um homem de bem. Aos treze anos fiquei órfão de
mãe e, aos quinze, começaram para mim os primeiros chamados
da esfera superior.
Por essa ocasião, meu pai contraiu segundas núpcias e,
apesar da bondade e cooperação que a madrasta me
oferecia, eu me colocava num plano de falsa superioridade,
a respeito dela.
12
Em vão, minha genitora endereçou, do invisível, apelos sagrados
ao meu coração. Eu vivia revoltado, entre queixas e lamentações
descabidas.
Meus parentes conduziram-me a um grupo espiritista de
excelente orientação evangélica, onde minhas faculdades
poderiam ser postas a serviço dos necessitados e sofredores;
entretanto, faltavam-me qualidades de trabalhador e
companheiro fiel.
Minha negação em matéria de confiança nos orientadores
espirituais e acentuado pendor para a crítica dos atos alheios
compeliam-me a desagradável estacionamento. Os amigos do
invisível estimulavam-me ao serviço, mas eu duvidava
deles com a minha vaidade doentia.
...os apelos sagrados, por mim interpretados como alucinações,
procurei um médico que me aconselhou experiências sexuais.
Completara, então, dezenove anos e entreguei-me
desenfreadamente ao abuso de faculdades sublimes. Desejava
conciliar, à força, o prazer delituoso e o dever espiritual,
alheando-me, cada vez mais, dos ensinos evangélicos que os
amigos da esfera superior nos ministravam.
Tinha pouco mais de vinte anos, quando meu pai foi arrebatado
pela morte. Com a triste ocorrência, ficavam na orfandade seis
crianças desfavorecidas, porquanto minha madrasta, ao se
consorciar com meu genitor, lhe trouxera para a tutela três
pequeninos.
“Em vão implorou-me socorro a pobre viúva. Nunca me
dignei aceitar os encargos redentores que me estavam
destinados.
“Após dois anos de segunda viuvez, minha desventurada
madrasta foi recolhida a um leprosário. Afastei-me,
então, dos pequenos órfãos, tomado de horror.
“Abandonei-os definitivamente, sem refletir que lançava
meus credores generosos, de “Nosso Lar”, a destino
incerto.”
Programa de Vida
Mãe
Casamento
Pai > Um Homem de Bem
Espírita cristã
Não Constava de sua Programação
Programa de Vida
Irmãos
6 Amigos Espirituais
Órfãos de sua futura madrasta
“Garantia de triunfo
pelo serviço de
assistência a eles”
Meu débito para com essas entidades tornou-se muito grande e a
providência não só constituiria agradável resgate para mim, como
também garantia de triunfo pelo serviço de assistência a elas, o
que me preservaria o coração de leviandades e vacilações,
porquanto o ganha-pão laborioso me compeliria a não aceder a
sugestões inferiores nos domínios do sexo e das ambições
incontidas.
Ficou também assentado que minhas atividades novas
começariam com muitos sacrifícios, para que se não escravizasse
minha tarefa a situações caprichosas do mundo. Mais tarde,
então, com o correr dos anos de edificação, me enviariam de
“Nosso Lar” socorros materiais, cada vez maiores, à medida que
fosse testemunhando renúncia de mim mesmo, desprendimento
das posses efêmeras, desinteresse pela remuneração dos
sentidos, de maneira a intensificar, progressivamente, a
semeadura de amor confiada às minhas mãos.
Maiores, depois...Escassos no início,
À medida que fosse testemunhando
renúncia, desprendimento, equilíbrio.
Recursos Materiais
Como foi na prática?
- Ficou órfão aos 13 anos,
seu pai casou-se pela 2ª vez;
- Sua madrasta trouxera do 1º
casamento, três filhos.
Adolescência
Como foi na prática?
“Apesar da bondade e
cooperação que a
madrasta
me oferecia, eu me
colocava num plano de
falsa superioridade. Eu
vivia revoltado, entre
queixas e lamentações
descabidas.
Orientação
Evangélica
e
Mediunidade
Providência Divina
com os parentes
Não confiava nas orientações
recebidas da espiritualidade;
Tinha um acentuado pendor a
crítica dos atos alheios
Diagnóstico Perigoso!
Como conciliar o prazer delituoso com dever
espiritual?
E como prosseguissem os apelos sagrados,
por mim interpretados como alucinações,
procurei um médico que me aconselhou
experiências sexuais. Completara, então,
dezenove anos e entreguei- me
desenfreadamente ao abuso de faculdades
sublimes. Desejava conciliar, à força, o
prazer delituoso e o dever espiritual,
alheando-me, cada vez mais, dos ensinos
evangélicos que os amigos da esfera
superior nos ministravam.
Diagnóstico Perigoso!
Como conciliar o prazer
delituoso com dever
espiritual?
Afastei-me cada
vez mais dos
ensinos
evangélicos
Seu Pai faleceu.
Apesar dos apelos da madrasta,
nunca aceitou os encargos redentores
que lhe estavam destinados.
6.2
Depois de 2 anos foi
recolhida a um
leprosário.
Destino da Madrasta
Afastou-se definitivamente dos
irmãos, deixando-os a um
destino incerto.
Em seguida, dando largas à ociosidade, cometi uma ação
menos digna e fui obrigado a casar-me pela violência.
Mesmo assim, porém, persistiam os chamados do
invisível, revelando-me a inesgotável misericórdia do
Altíssimo.
Contudo, à medida que olvidava meus deveres, toda
tentativa de realização espiritual figurava-se-me mais
difícil. E continuou a tragédia que inventei para meu
próprio tormento.
“A esposa a que me ligara, tão somente por apetites
inconfessáveis, era criatura muito inferior à minha
condição espiritual e atraiu uma entidade monstruosa,
em ligação com ela, para tomar o papel de meu filho.
Atormentaram-me até o final dos
meus dias”.
O Casamento...
Liguei-me a uma criatura
muito inferior à minha
condição espiritual
Nosso filho era uma
entidade monstruosa
ligada ao passado de
minha mulher
Releguei à rua seis carinhosas crianças, cuja convivência
concorreria decisivamente para minha segurança moral,
mas a companheira e o filho, ao que me pareceu,
incumbiram-se da vingança.
Atormentaram-me ambos, até ao fim da existência,
quando para aqui regressei, mal tendo completado
quarenta anos, roído pela sífilis, pelo álcool e pelos
desgostos, sem nada haver feito para meu futuro
eterno... Sem construir coisa alguma no terreno do
bem...”
O Desencarne
Sua alma estava desgostosa.
Foi prematuro aos 40 anos;
Roído pela sífilis;
Organismo debilitado
pelo consumo excessivo de
álcool;
32
Otávio enxugou os olhos tímidos e concluiu:
– Como vê, realizei todos os meus condenáveis desejos, menos os
desejos de Deus. Foi por isso que fali, agravando antigos débitos...
Nesse instante, calou-se como se alguma coisa invisível lhe
constringisse a garganta.
Abracei-o com simpatia fraternal, ansioso de proporcionar-lhe
estimulo ao coração, mas Dona Isaura aproximou-se mais,
acariciou-lhe a fronte e falou:
– Não chores, filho! Jesus não nos falta com a bênção do tempo.
Tem calma e coragem...
E identificando-lhe o carinho, meditei na Bondade Divina, que faz
ecoar o cântico sublime do amor de mãe, mesmo nas regiões de
além-morte.
• Livre-arbítrio
• Questão 845 - Livro dos Espíritos
• As predisposicões instintivas que o homem traz ao
nascer não são um obstáculo ao exercício do livre-
arbítrio?
• R. As predisposições instintivas são as do Espírito antes
de sua encarnação. Conforme ele for mais ou menos
adiantado, elas podem induzí-lo a atos repreensíveis, e
ele é secundado nisso pelos Espíritos que simpatizam
com essas disposições. No entanto, não há atração
irresistível, quando se tem a vontade de resistir.
Lembrai-vos de que querer e poder.
33
Para aqueles que vivem nas colônias, o desencarne não
representa uma transformação real entre a vida
encarnada e a desencarnada.
A morte física não nos torna melhores ou mais sábios,
tampouco irá nos presentear com o ingresso nos céus
das crenças mais literalistas.
Em síntese, ela é apenas uma transição de fase que
dilata as nossas percepções, como revelado em “Nosso
Lar” e, com particular veemência, em “Os
Mensageiros”
André Luiz e seus instrutores, em numerosos livros, como em “Os
Mensageiros”, discorrem sobre os cuidados com a mediunidade e
seu desenvolvimento natural. Normas do trabalho são sugeridas
com doçura e firmeza, dada a importância do intercâmbio
mediúnico. Nessa obra, fica claro que o trabalho mediúnico sofre
influências que deve receber grande atenção para não
comprometer o conteúdo do processo.
Destaca-se o papel que o médium exerce nas comunicações, mas a
composição final dependerá da afinidade demonstrada entre o
medianeiro e os espíritos, idoneidade das partes, grau de
conhecimento do medianeiro e do espírito. Dessa parceria, que se
estabelece por sintonia fluídica e histórica comum, as afinidades
vão ditando os rumos do trabalho, que raramente começa de
forma muito tranquila.
Se o médium é tão relevante nos intercâmbios mediúnicos, seus
valores morais e espirituais podem ser elementos decisivos na
qualidade da comunicação?
Primeiramente, como André Luiz deixa claro, quase sempre a
espiritualidade trabalha com o universo mental do medianeiro,
reestruturando suas ideias, o que deveria servir de estímulo para o
estudo sério e sistemático da Doutrina dos Espíritos e das
diferentes ramificações do saber, dilatando o que temos a
oferecer, em termos de instrumento, aos amigos invisíveis.
O desenvolvimento mediúnico deve ser encarado como
amadurecimento do próprio ser, consequência de mais uma etapa
do planejamento reencarnatório em curso, mas o verdadeiro
desenvolvimento dessas sensibilidades também requer
amadurecimento espiritual.
Decálogo do Médium
1) Rende culto ao dever;
2) Trabalha espontaneamente;
3) Não te creias maior ou menor;
4) Não esperes recompensas do mundo;
5) Não centralizes a ação;
6) Não te encarceres na dúvida;
7) Estuda sempre;
8) Não te irrites;
9) Desculpa incessantemente;
10) Não temas perseguidores.
orientações do livro “O Espírito da Verdade”, psicografia
de Francisco Cândido Xavier, autoria de espíritos diversos
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
balsense
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
Ponte de Luz ASEC
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Jose Luiz Maio
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
Patricia Farias
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
Henrique Vieira
 
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meioTerceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
CeiClarencio
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
Ronaldo Gomes
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacao
Victor Passos
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 AnicetoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Jose Luiz Maio
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Jose Luiz Maio
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
meebpeixotinho
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Ricardo Azevedo
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 

Mais procurados (20)

Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageirosEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 03 No centro de mensageiros
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 03 No centro de mensageiros
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
 
Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento Indissolubilidade do casamento
Indissolubilidade do casamento
 
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meioTerceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
Terceiro Módulo - 7ª aula - Da influência do meio
 
Os animais e o homem
Os animais e o homemOs animais e o homem
Os animais e o homem
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacao
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 AnicetoEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 Aniceto
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Sede perfeitos
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 

Destaque

Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Patricia Farias
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
Patricia Farias
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Patricia Farias
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicenteEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Jose Luiz Maio
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
Patricia Farias
 
Missionários da Luz
Missionários da LuzMissionários da Luz
Missionários da Luz
Gevluz de Luz
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
Lar Irmã Zarabatana
 
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
Patricia Farias
 
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso LarCinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Eduardo Henrique Marçal
 
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebesteEse   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Humberto E. Hasegawa
 
De graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça daiDe graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça dai
Graça Maciel
 
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido XavierLivro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
contatodoutrina2013
 
Palestra dai de graça...
Palestra  dai de graça...Palestra  dai de graça...
Palestra dai de graça...
virginiacarisioscalia
 
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnaçãoMissionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Lar Irmã Zarabatana
 
Temas da vida e da morte
Temas da vida e da morteTemas da vida e da morte
Temas da vida e da morte
estudandooLE
 
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de OtavioMensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
Patricia Farias
 

Destaque (20)

Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicenteEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
 
Missionários da Luz
Missionários da LuzMissionários da Luz
Missionários da Luz
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
 
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
Livro dos Espíritos-Kardec ESE cap.26 item 3
 
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso LarCinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
Cinqüenta perguntas sobre o livro Nosso Lar
 
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebesteEse   capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
Ese capítulo 26 – dar de graça o que de graça recebeste
 
De graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça daiDe graça recebeste de graça dai
De graça recebeste de graça dai
 
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido XavierLivro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
 
Palestra dai de graça...
Palestra  dai de graça...Palestra  dai de graça...
Palestra dai de graça...
 
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnaçãoMissionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnação
 
Temas da vida e da morte
Temas da vida e da morteTemas da vida e da morte
Temas da vida e da morte
 
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de OtavioMensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
Mensageiros Capitulo 07- A Queda de Otavio
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio

Acréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdiaAcréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdia
Helio Cruz
 
Acréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdiaAcréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdia
Helio Cruz
 
Voltei irmao jacob
Voltei irmao jacobVoltei irmao jacob
Voltei irmão jacob
Voltei irmão jacobVoltei irmão jacob
Voltei irmão jacob
Antonio SSantos
 
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
CEENA_SS
 
Capitulo 17 – Doutrinação.pptx
Capitulo 17 – Doutrinação.pptxCapitulo 17 – Doutrinação.pptx
Capitulo 17 – Doutrinação.pptx
AndraCristinaDavid
 
Beume julho15
Beume julho15Beume julho15
Beume julho15
Ume Maria
 
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão EspíritaPalestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Marcelo Suster
 
Encarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritosEncarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritos
carlos freire
 
Mediunidade & Misticismo
Mediunidade & MisticismoMediunidade & Misticismo
Mediunidade & Misticismo
2225165
 
Evangeliza - Chico Xavier
Evangeliza - Chico XavierEvangeliza - Chico Xavier
Evangeliza - Chico Xavier
Antonino Silva
 
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 
Andre luiz -_apostila_da_vida
Andre luiz -_apostila_da_vidaAndre luiz -_apostila_da_vida
Andre luiz -_apostila_da_vida
zfrneves
 
Convite
ConviteConvite
Convite
Klenze Soares
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
Leonardo Pereira
 
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdfAndré Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
VIEIRA RESENDE
 
De nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obrasDe nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obras
Helio Cruz
 
Pág 1
Pág 1Pág 1
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
CH Notícias - Casa dos Humildes - Recife
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio (20)

Acréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdiaAcréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdia
 
Acréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdiaAcréscimo de misericórdia
Acréscimo de misericórdia
 
Voltei irmao jacob
Voltei irmao jacobVoltei irmao jacob
Voltei irmao jacob
 
Voltei irmão jacob
Voltei irmão jacobVoltei irmão jacob
Voltei irmão jacob
 
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
 
Capitulo 17 – Doutrinação.pptx
Capitulo 17 – Doutrinação.pptxCapitulo 17 – Doutrinação.pptx
Capitulo 17 – Doutrinação.pptx
 
Beume julho15
Beume julho15Beume julho15
Beume julho15
 
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
Edição n. 32 do CH NotÍcias - Fevereiro/2018
 
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão EspíritaPalestra Sexualidade na Visão Espírita
Palestra Sexualidade na Visão Espírita
 
Encarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritosEncarnação dos espiritos
Encarnação dos espiritos
 
Mediunidade & Misticismo
Mediunidade & MisticismoMediunidade & Misticismo
Mediunidade & Misticismo
 
Evangeliza - Chico Xavier
Evangeliza - Chico XavierEvangeliza - Chico Xavier
Evangeliza - Chico Xavier
 
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
Edição n. 20 do CH Notícias - Fevereiro / 2017
 
Andre luiz -_apostila_da_vida
Andre luiz -_apostila_da_vidaAndre luiz -_apostila_da_vida
Andre luiz -_apostila_da_vida
 
Convite
ConviteConvite
Convite
 
Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
 
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdfAndré Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
André Luiz - Conduta Espírita - Psicografia de Waldo Vieira.pdf
 
De nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obrasDe nada vale a fé sem obras
De nada vale a fé sem obras
 
Pág 1
Pág 1Pág 1
Pág 1
 
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
Edição n. 14 do CH Noticias - Agosto/2016
 

Último

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (14)

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio

  • 1. 6.1A QUEDA DE OTÁVIO OS MENSAGEIROS – ANDRÉ LUIZ – CAP. 7 André Luiz, Vicente, Otávio e suas irmãs Isaura e Isabel.
  • 2. • Mediunidade • Compromisso mediúnico • Cultura Evangélica • Auxílio do Alto • Preparação do trabalho / Responsabilidades assumidas • Dívidas passadas • Orgulho e vaidade • Livre arbítrio 2 A queda de Otávio
  • 3. 3 A queda de Otávio A mediunidade é um atributo do espírito, sendo uma faculdade “neutra”, não depende de qualidades humanas para existir na sua função natural. No entanto, há leis que asseguram a sua posição, no campo que opera. O médium pode transmitir mensagens de alto teor educativo e científico, em favor da humanidade, como também servir de canal para espíritos zombeteiros ou pseudossábios. Essa variação esta na dependência de como o médium leva a vida, seus sentimentos e as condições espirituais que vibram em seu coração. Não basta somente ter boa vontade, é necessário ter compreensão do objetivo do seu mandato e trilhar os caminhos que a ordem e a moralidade impõem, numa vida pautada nas diretrizes da luz espiritual.
  • 4. A ausência de Aniceto deu ensejo a palestras interessantes. Formaram-se grupos de conversação amiga. Impressionado com as senhoras que haviam solicitado providências para Otávio, pedi a Vicente me apresentasse a elas, não que me movesse curiosidade menos digna, mas desejo de alcançar novos valores educativos sobre a tarefa mediúnica André Luiz, Vicente, Otávio e suas irmãs Isaura e Isabel.
  • 5. Em breves momentos, não me achava tão só à frente das irmãs Isaura e Isabel, mas do próprio Otávio, um pálido senhor que aparentava quarenta anos. – Também sou principiante aqui – expliquei – e minha condição é a do médico falido nos deveres que o Senhor lhe confiou. Otávio sorriu e respondeu: André Luiz, Vicente, Otávio e suas irmãs Isaura e Isabel.
  • 6. • (Otávio)…Possivelmente o amigo terá a seu favor o fato de haver ignorado as verdades eternas, no mundo. O mesmo não ocorre comigo. Não desconhecia o roteiro certo, que o Pai me designava para as lutas na terra… dispunha de considerável cultura evangélica, coisa que para a vida eterna, é de maior importância… tive amigos do plano superior, que se faziam visíveis aos meus olhos… recebi mensagens de amor e sabedoria…e, no entanto, cai mesmo assim, obedecendo à imprevidência e à vaidade. • Guias espirituais todos temos, pois isso é uma lei nascida da misericórdia de Deus. Carece saber se respeitamos esses companheiros da espiritualidade maior, não os envergonhando com os nosso feitos. Ė de importância grandiosa que os convidemos para assistirem o que pensamos e o que falamos e, sentindo as suas presenças, passemos a pensar e falar com mais segurança. Não podemos ignorar as nossas companhias espirituais. Percebemos seus pensamentos permeando os nossos, a nos chamar. E o médium espírita não pode se esquecer dessa realidade. 6
  • 7. ATENDER E ORIENTAR IRMÃOS: ignorantes, perturbados e infelizes OBJETIVO: Relevante trabalho de consolo, em associação com as falanges de colaboradores encarregados do Brasil.
  • 8. ATENDER E ORIENTAR IRMÃOS: ignorantes, perturbados e infelizes TAREFA: •… as tarefas espirituais, ocupam-se de interesses eternos e daí a enormidade de minha falta . Os mordomos de bens da alma estão investidos de responsabilidades pesadíssimas, os estudiosos, os crentes, os simpatizantes, no campo de fé, podem alegar ignorância e inibição, todavia os sacerdotes não tem desculpa. Ė o mesmo que se verifica na tarefa mediunica… (Otávio)
  • 9. • (A.L) Mas, meu amigo – perguntei, assaz impressionado –, que teria motivado seu martírio moral? Noto-o tão consciente de si mesmo, tão superiormente informado sobre as leis da vida, que me custa acreditar se encontre necessitado de novas experiências nesse capítulo... • – Relatarei minha queda. Verá como perdi maravilhosa oportunidade de elevação. E, após mais longa pausa, continuou, gravemente: • – “Depois de contrair dividas enormes na esfera carnal, noutro tempo, vim bater às portas de “Nosso Lar”, sendo atendido por irmãos dedicados, que se revelaram incansáveis para comigo. 9
  • 10. • Preparou-se durante 30 anos em Nosso lar para a tarefa mediúnica, benfeitores o acompanharam durante todo o processo, não faltaram recursos para que tudo desse certo da parte dos colaboradores espirituais, iria colaborar com as falanges espirituais no Brasil, atendendo irmãos ignorantes, perturbados ou infelizes. • (Otávio) O Ministério da Comunicação favoreceu-me com todas as facilidades e, sobretudo, seis entidades amigas movimentaram os maiores recursos em benefício do meu êxito. Técnicos do Auxílio acompanharam-me à Terra, nas vésperas do meu renascimento, entregando-me um corpo físico rigorosamente sadio. Segundo a magnanimidade dos meus benfeitores daqui, ser-me-ia concedido certo trabalho de relevo, na esfera de consolação às criaturas. 10
  • 12. “Tudo combinado, voltei, não só prometendo fidelidade aos meus instrutores, como também hipotecando a certeza do meu devotamento às seis entidades amigas, a quem muito devo até agora.” – “Mas, ai de mim, que olvidei todos os compromissos! Os benfeitores de “Nosso Lar” localizaram-me ao lado de verdadeira serva de Jesus. Minha mãe era espiritista cristã desde moça, não obstante as tendências materialistas de meu pai, que era, todavia, um homem de bem. Aos treze anos fiquei órfão de mãe e, aos quinze, começaram para mim os primeiros chamados da esfera superior. Por essa ocasião, meu pai contraiu segundas núpcias e, apesar da bondade e cooperação que a madrasta me oferecia, eu me colocava num plano de falsa superioridade, a respeito dela. 12
  • 13. Em vão, minha genitora endereçou, do invisível, apelos sagrados ao meu coração. Eu vivia revoltado, entre queixas e lamentações descabidas. Meus parentes conduziram-me a um grupo espiritista de excelente orientação evangélica, onde minhas faculdades poderiam ser postas a serviço dos necessitados e sofredores; entretanto, faltavam-me qualidades de trabalhador e companheiro fiel. Minha negação em matéria de confiança nos orientadores espirituais e acentuado pendor para a crítica dos atos alheios compeliam-me a desagradável estacionamento. Os amigos do invisível estimulavam-me ao serviço, mas eu duvidava deles com a minha vaidade doentia.
  • 14. ...os apelos sagrados, por mim interpretados como alucinações, procurei um médico que me aconselhou experiências sexuais. Completara, então, dezenove anos e entreguei-me desenfreadamente ao abuso de faculdades sublimes. Desejava conciliar, à força, o prazer delituoso e o dever espiritual, alheando-me, cada vez mais, dos ensinos evangélicos que os amigos da esfera superior nos ministravam. Tinha pouco mais de vinte anos, quando meu pai foi arrebatado pela morte. Com a triste ocorrência, ficavam na orfandade seis crianças desfavorecidas, porquanto minha madrasta, ao se consorciar com meu genitor, lhe trouxera para a tutela três pequeninos.
  • 15. “Em vão implorou-me socorro a pobre viúva. Nunca me dignei aceitar os encargos redentores que me estavam destinados. “Após dois anos de segunda viuvez, minha desventurada madrasta foi recolhida a um leprosário. Afastei-me, então, dos pequenos órfãos, tomado de horror. “Abandonei-os definitivamente, sem refletir que lançava meus credores generosos, de “Nosso Lar”, a destino incerto.”
  • 16. Programa de Vida Mãe Casamento Pai > Um Homem de Bem Espírita cristã Não Constava de sua Programação
  • 17. Programa de Vida Irmãos 6 Amigos Espirituais Órfãos de sua futura madrasta “Garantia de triunfo pelo serviço de assistência a eles”
  • 18. Meu débito para com essas entidades tornou-se muito grande e a providência não só constituiria agradável resgate para mim, como também garantia de triunfo pelo serviço de assistência a elas, o que me preservaria o coração de leviandades e vacilações, porquanto o ganha-pão laborioso me compeliria a não aceder a sugestões inferiores nos domínios do sexo e das ambições incontidas. Ficou também assentado que minhas atividades novas começariam com muitos sacrifícios, para que se não escravizasse minha tarefa a situações caprichosas do mundo. Mais tarde, então, com o correr dos anos de edificação, me enviariam de “Nosso Lar” socorros materiais, cada vez maiores, à medida que fosse testemunhando renúncia de mim mesmo, desprendimento das posses efêmeras, desinteresse pela remuneração dos sentidos, de maneira a intensificar, progressivamente, a semeadura de amor confiada às minhas mãos.
  • 19. Maiores, depois...Escassos no início, À medida que fosse testemunhando renúncia, desprendimento, equilíbrio. Recursos Materiais
  • 20. Como foi na prática? - Ficou órfão aos 13 anos, seu pai casou-se pela 2ª vez; - Sua madrasta trouxera do 1º casamento, três filhos. Adolescência
  • 21. Como foi na prática? “Apesar da bondade e cooperação que a madrasta me oferecia, eu me colocava num plano de falsa superioridade. Eu vivia revoltado, entre queixas e lamentações descabidas.
  • 22. Orientação Evangélica e Mediunidade Providência Divina com os parentes Não confiava nas orientações recebidas da espiritualidade; Tinha um acentuado pendor a crítica dos atos alheios
  • 23. Diagnóstico Perigoso! Como conciliar o prazer delituoso com dever espiritual? E como prosseguissem os apelos sagrados, por mim interpretados como alucinações, procurei um médico que me aconselhou experiências sexuais. Completara, então, dezenove anos e entreguei- me desenfreadamente ao abuso de faculdades sublimes. Desejava conciliar, à força, o prazer delituoso e o dever espiritual, alheando-me, cada vez mais, dos ensinos evangélicos que os amigos da esfera superior nos ministravam.
  • 24. Diagnóstico Perigoso! Como conciliar o prazer delituoso com dever espiritual? Afastei-me cada vez mais dos ensinos evangélicos
  • 25. Seu Pai faleceu. Apesar dos apelos da madrasta, nunca aceitou os encargos redentores que lhe estavam destinados.
  • 26. 6.2
  • 27. Depois de 2 anos foi recolhida a um leprosário. Destino da Madrasta Afastou-se definitivamente dos irmãos, deixando-os a um destino incerto.
  • 28. Em seguida, dando largas à ociosidade, cometi uma ação menos digna e fui obrigado a casar-me pela violência. Mesmo assim, porém, persistiam os chamados do invisível, revelando-me a inesgotável misericórdia do Altíssimo. Contudo, à medida que olvidava meus deveres, toda tentativa de realização espiritual figurava-se-me mais difícil. E continuou a tragédia que inventei para meu próprio tormento. “A esposa a que me ligara, tão somente por apetites inconfessáveis, era criatura muito inferior à minha condição espiritual e atraiu uma entidade monstruosa, em ligação com ela, para tomar o papel de meu filho.
  • 29. Atormentaram-me até o final dos meus dias”. O Casamento... Liguei-me a uma criatura muito inferior à minha condição espiritual Nosso filho era uma entidade monstruosa ligada ao passado de minha mulher
  • 30. Releguei à rua seis carinhosas crianças, cuja convivência concorreria decisivamente para minha segurança moral, mas a companheira e o filho, ao que me pareceu, incumbiram-se da vingança. Atormentaram-me ambos, até ao fim da existência, quando para aqui regressei, mal tendo completado quarenta anos, roído pela sífilis, pelo álcool e pelos desgostos, sem nada haver feito para meu futuro eterno... Sem construir coisa alguma no terreno do bem...”
  • 31. O Desencarne Sua alma estava desgostosa. Foi prematuro aos 40 anos; Roído pela sífilis; Organismo debilitado pelo consumo excessivo de álcool;
  • 32. 32 Otávio enxugou os olhos tímidos e concluiu: – Como vê, realizei todos os meus condenáveis desejos, menos os desejos de Deus. Foi por isso que fali, agravando antigos débitos... Nesse instante, calou-se como se alguma coisa invisível lhe constringisse a garganta. Abracei-o com simpatia fraternal, ansioso de proporcionar-lhe estimulo ao coração, mas Dona Isaura aproximou-se mais, acariciou-lhe a fronte e falou: – Não chores, filho! Jesus não nos falta com a bênção do tempo. Tem calma e coragem... E identificando-lhe o carinho, meditei na Bondade Divina, que faz ecoar o cântico sublime do amor de mãe, mesmo nas regiões de além-morte.
  • 33. • Livre-arbítrio • Questão 845 - Livro dos Espíritos • As predisposicões instintivas que o homem traz ao nascer não são um obstáculo ao exercício do livre- arbítrio? • R. As predisposições instintivas são as do Espírito antes de sua encarnação. Conforme ele for mais ou menos adiantado, elas podem induzí-lo a atos repreensíveis, e ele é secundado nisso pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições. No entanto, não há atração irresistível, quando se tem a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer e poder. 33
  • 34. Para aqueles que vivem nas colônias, o desencarne não representa uma transformação real entre a vida encarnada e a desencarnada. A morte física não nos torna melhores ou mais sábios, tampouco irá nos presentear com o ingresso nos céus das crenças mais literalistas. Em síntese, ela é apenas uma transição de fase que dilata as nossas percepções, como revelado em “Nosso Lar” e, com particular veemência, em “Os Mensageiros”
  • 35. André Luiz e seus instrutores, em numerosos livros, como em “Os Mensageiros”, discorrem sobre os cuidados com a mediunidade e seu desenvolvimento natural. Normas do trabalho são sugeridas com doçura e firmeza, dada a importância do intercâmbio mediúnico. Nessa obra, fica claro que o trabalho mediúnico sofre influências que deve receber grande atenção para não comprometer o conteúdo do processo. Destaca-se o papel que o médium exerce nas comunicações, mas a composição final dependerá da afinidade demonstrada entre o medianeiro e os espíritos, idoneidade das partes, grau de conhecimento do medianeiro e do espírito. Dessa parceria, que se estabelece por sintonia fluídica e histórica comum, as afinidades vão ditando os rumos do trabalho, que raramente começa de forma muito tranquila.
  • 36. Se o médium é tão relevante nos intercâmbios mediúnicos, seus valores morais e espirituais podem ser elementos decisivos na qualidade da comunicação? Primeiramente, como André Luiz deixa claro, quase sempre a espiritualidade trabalha com o universo mental do medianeiro, reestruturando suas ideias, o que deveria servir de estímulo para o estudo sério e sistemático da Doutrina dos Espíritos e das diferentes ramificações do saber, dilatando o que temos a oferecer, em termos de instrumento, aos amigos invisíveis. O desenvolvimento mediúnico deve ser encarado como amadurecimento do próprio ser, consequência de mais uma etapa do planejamento reencarnatório em curso, mas o verdadeiro desenvolvimento dessas sensibilidades também requer amadurecimento espiritual.
  • 37. Decálogo do Médium 1) Rende culto ao dever; 2) Trabalha espontaneamente; 3) Não te creias maior ou menor; 4) Não esperes recompensas do mundo; 5) Não centralizes a ação; 6) Não te encarceres na dúvida; 7) Estuda sempre; 8) Não te irrites; 9) Desculpa incessantemente; 10) Não temas perseguidores. orientações do livro “O Espírito da Verdade”, psicografia de Francisco Cândido Xavier, autoria de espíritos diversos