SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 02 Aniceto
A atitude de André no momento decisivo de sua vida, quando
viu-se esquecido pela família que amava, foi de compreensão e
auxilio. Pela renovação mental, atitudes no Bem e no Amor que
adotou em seu antigo lar, propiciou-lhe ser um cidadão de
Nosso Lar, abrindo novos caminhos junto aos Mensageiros.
Pensando desta forma, feliz e
renovada, André é levado por
Tobias, seu companheiro de
trabalho nas Câmaras de
Retificação, até Aniceto, para
novas tarefas que viriam....
André comunica seus
novos propósitos à
Tobias...
Você possui a quantidade
necessária de horas de trabalho
para justificar o pedido.
Conversarei a respeito com o
Ministro Genésio. Não tenha
dúvidas. Seu desejo é muito
nobre aos nossos olhos.
2.5
Fui procurado por Tobias, que
trouxe-me a aquiescência do
Ministro Genésio... e convidou-
me para conhecer Aniceto.
Aniceto recebeu-nos com extrema
gentileza, o que me causou excelente
impressão...
Conhece nosso estimado
Aniceto?
Aniceto - Instrutor no Ministério da
Comunicação. Trabalhara algum tempo na
Regeneração e depois em tarefas sacrificiais no
Ministério do Auxílio. Seus esforços o levaram à
importante função de instrutor na Comunicação,
onde André Luiz aprenderia novas lições.
Ao contrário de Tobias, Aniceto não se
consorciara em "Nosso Lar". Vivia ao lado de
cinco amigos que lhe foram discípulos na Terra,
em edifício confortável encravado entre árvores
frondosas e tranquilas.
Aparentava ele a calma refletida do
homem que chegou à idade madura, sem
fantasias da mocidade inexperiente.
Embora lhe transparecesse muita energia
no rosto, revelava o otimismo sadio do
coração cheio de ideais sacrossantos.
Muito sereno, recebeu todas as alegações do meu benfeitor,
dirigindo-me, de quando em vez, olhares amistosos e
indagadores. Tobias falou longamente, comentando minha
posição de ex-médico no plano terráqueo, agora em
reajustamento de valores no plano espiritual.
Depois de examinar-me com
atenção, o orientador aduziu:
Não há o que embargar, meu
prezado Tobias.
No entanto é preciso reconhecer
que a solução depende do
candidato...
Sabe você que estamos aqui na
Instituição do Homem Novo
Nosso serviço é variado e rigoroso, aceitamos
somente os cooperadores interessados na
descoberta da felicidade de servir.
Aceitando a inscrição de André Luiz, o
instrutor resumiu em poucas palavras as
atividades de seu departamento.
Além dos colaboradores ativos, Aniceto
tinha um quadro suplementar de auxiliares,
com cinquenta lugares para aprendizes,
com três vagas no momento.
Pessoas das mais diferentes profissões
formavam o quadro de aprendizes e cada
uma era aproveitada na sua especialidade
própria.
O departamento de trabalho, aceita somente os cooperadores
interessados na descoberta da felicidade de servir.
Comprometemo-nos, mutuamente, a calar toda espécie de
reclamação.
Ninguém exige expressão nominal nas obras realizadas e todos
respondem por qualquer erro. Achamo-nos, aqui, num curso de
extinção das velhas vaidades pessoais, trazidas do mundo carnal.
Dentro do mecanismo nossas obrigações, interessamo-nos tão
somente pelo bem divino. Consideramos que toda possibilidade
construtiva vem de nosso Pai e esta convicção nos auxilia a
esquecer as exigências de nossa personalidade inferior.
Em “Nosso Lar”, a ação que nos compete é desdobrada de
maneira coletiva; temos interesse em aproveitar as horas no
limite máximo, não só em beneficio dos que necessitam de nosso
concurso fraternal, como também a favor de nós mesmos, no que
toca à eficiência.
E, dirigindo-se a Tobias, acrescentou:
– Encaminhe o nosso amigo, amanhã cedo, ao Centro de
Mensageiros. Lá estaremos em estudo ativo e providenciarei
para que André seja bonificado pelas tabelas da
Comunicação.
Agradecemos, satisfeitos, e, logo em seguida a Tobias,
despedi-me, alimentando novas esperanças.
Trabalho: valor supremo
“O prestimoso companheiro deixou-me num mar de
contentamento indefinível. Comecei a compreender o valor do
trabalho. A amizade de Narcisa e Tobias era tesouro de
inapreciável grandeza, que o espírito de serviço me havia
descortinado ao coração.
(…) Além disso, certo da minha volta à carne, em futuro
talvez não distante, a providência constituiria realização de
profundo interesse ao meu aproveitamento geral.
Trabalho: valor supremo
Misteriosa alegria dominava-me todo, sublimada esperança
iluminava-me os sentimentos. Aquele desejo ardente de colaborar
em benefício dos outros, que Narcisa me acendera no Intimo,
parecia encher, agora, a taça vazia do meu coração.
Trabalharia, sim.
Conheceria a satisfação dos cooperadores anônimos da felicidade
alheia. Procuraria a prodigiosa luz da fraternidade, através do
serviço às criaturas.”
674. A necessidade do trabalho é Lei da Natureza?
O trabalho é Lei da Natureza, por isso mesmo que constitui
uma necessidade, e a civilização obriga o homem a trabalhar
mais, porque lhe aumenta as necessidades.
675. Por trabalho só se devem entender as ocupações
materiais?
Não; o Espirito trabalha, assim como o corpo. Toda ocupação
útil é trabalho.
(Livro dos Espíritos Parte 3, cap. III, Da lei do Trabalho)
Trabalho: valor supremo
679. Achar-se-á isento da lei do trabalho o homem que
possua bens suficientes para lhe assegurarem a
existência?
“Do trabalho material, talvez; não, porém, da obrigação de
tornar-se útil, conforme aos meios de que disponha, nem
de aperfeiçoar a sua inteligência ou a dos outros ,o que
também é trabalho. Aquele a quem Deus facultou a posse
de bens suficientes a lhe garantirem a existência não está,
é certo, constrangido a alimentar-se com o suor do seu
rosto, mas tanto maior lhe é a obrigação de ser útil aos
seus semelhantes, quanto mais ocasiões de praticar o bem
lhe proporciona o adiantamento que lhe foi feito.”
229 –Como entender o trabalho de purificação nos ambientes
do mundo?
-A purificação na Terra ainda é qual o lírio alvo, nascendo do
lodo das amarguras e das paixões. Todos os Espíritos
encarnados, porém, devem considerar que se encontram no
planeta como em poderoso cadinho de acrisolamento e
regeneração, sendo indispensável cultivar a flor da iluminação
íntima, na angústia da vida humana, no círculo da família, ou da
comunidade social, através da maior severidade para consigo
mesmo e da maior tolerância com os outros, fazendo cada qual,
da sua existência, um apostolado de educação, onde o maior
beneficiado seja o seu próprio espírito.
19
230 –Como iniciar o trabalho de iluminação da nossa própria
alma?
-Esse esforço individual deve começar com o autodomínio, com a
disciplina dos sentimentos, com o trabalho silencioso da criatura
por transformar as próprias paixões. Nesse particular, não
podemos prescindir do conhecimento adquirido por outras almas
que nos precederam nas lutas da Terra, com as suas experiências
santificantes – água pura de consolação e de esperança, que
poderemos beber nas páginas de suas memórias ou nos
testemunhos de sacrifício que deixaram no mundo.
Todavia, o conhecimento é a porta amiga que nos
conduzirá aos raciocínios mais puros, porquanto, na
reforma definitiva de nosso íntimo, é indispensável a ação
própria, no sentido de modelarmos o nosso santuário
interior, na sagrada iluminação da vida.
Trabalho no bem em prol dos outros, e de si mesmo, em
consequência, significa valor eterno adquirido pelo espirito.
Trabalho é meio nobre de encher corações vazios. Meio de
ascender a luz intima da fraternidade através do serviço às
criaturas.
“Sabe você que estamos aqui na instituição do Homem Novo”
O homem novo é aquele reformado intimamente e que
vislumbrou a luz de servir de acordo com o evangelho do
Cristo; é aquele que já despertou para a realidade divina e não
mais se apega aos vícios e ilusões da carne. Não é
necessariamente já um espirito elevado, mas sim um espirito
disposto a renovar-se cada vez mais trabalhando para o bem.
Homem Novo
Quais as condições necessárias para tornar-se um
aprendiz do auxílio, junto ao instrutor Aniceto?
Dispor-se a calar reclamações
Renunciar a elogios
Admitir que a responsabilidade é coletiva
Não perder tempo na melhoria e educação
de si mesmo
Consideramos que toda possibilidade construtiva
vem de nosso Pai, e esta convicção nos auxilia a
esquecer as exigências descabidas de nossa
personalidade inferior.
23
Sob o ponto de vista espírita, a mediunidade é uma iniciação
religiosa das mais sérias; é um mandato que nos é outorgado
pela Espiritualidade Superior, a fim de ser fielmente
desempenhado.
Dessa forma o aspirante à mediunidade, à luz da Doutrina
Espírita, deve partir da conscientização de seus
ensinamentos e esforçar-se desde o início de sua formação e
informação mediúnica, por ser um ESPÍRITA-CRISTÃO.
24
O ESPÍRITA-CRISTÃO é o Espírito-Espírita, cujas caracteristicas
são as do homem de bem. Reconhece-se o verdadeiro
espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços
que faz para domar as suas más inclinações .
“Revisão e reconstrução dos hábitos, permutando os vícios por
virtudes legitimamente cristãs que são as únicas que
sobreviverão eternamente e que nos abrirão as portas de
planos mais elevados que os atuais”.
25
Dentro destes critérios de desenvolvimento da mediunidade,
mesmo que nenhuma faculdade venha desabrochar,
tenhamos certeza de que nós estaremos desenvolvendo
espiritualmente e capacitando-nos para verdadeira
mediunidade com Jesus — a Mediunidade do Bem.
26
AIIan Kardec
“Livro dos Médiuns”
2ª. parte, cap. Vll, itens
208,209,211,217 e 218
Livro dos Espíritos
Q. 229, 230, 674, 675, 679
Definição:
Envoltório semimaterial do Espírito. Nos
encarnados, serve de intermediário entre
o Espírito e a Matéria; nos Espíritos
desencarnados, constitui o Corpo
Espiritual.
Finalidade: É o laço que une a alma ao
corpo. Semimaterial, isto é de natureza
intermediária entre o Espírito e o Corpo. É
preciso que seja assim para que os dois
possam comunicar um com o outro. Por
Complexo Humano
(homem encarnado)
composto de: Espírito,
Perispírito e Corpo Físico
Propriedades do Perispírito: O Espírito forma seu perispírito segundo
os fluídos presentes do mundo onde encarna. A constituição do
perispírito não é idêntica em todos os espíritos (encarn. e desen.).
O perispírito se modifica com o progresso moral que o Espírito realiza
em cada encarnação. Recebe de modo direto e permanente a
impressão dos pensamentos, guardando suas qualidades boas ou más,
se depurando, ou se adensando.
Os atos infelizes destroem os tecidos sutis do perispírito que, se
ressentindo do desconcerto, deixam matrizes na futura forma física, na
qual se manifestarão as deficiências purificadoras. Pela sua união
íntima com o corpo, o perispírito assimila com facilidade os fluidos que
podem ser positivos ou nocivos, reagindo sobre o organismo material.
É assim, que, nos serviços de passe,
os fluídos manipulados alcançam o
perispírito e se manifestam no corpo
físico, promovendo as curas, o
fortalecimento e o equilíbrio do Ser.
O perispírito tem um papel
preponderante nas manifestações
mediúnicas em função da sua
natureza fluídica, podendo assimilar
os fluidos espirituais presentes no
fenômeno mediúnico.
Leitura complementar: A Gênese.
Allan Kardec, cap. 14
2.1
2.2
2.3
2.4
2.5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Patricia Farias
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
nelmarvoc
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações
Mima Badan
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
Sergio Menezes
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Jose Luiz Maio
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Sergio Lima Dias Junior
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
Patricia Farias
 
Os sãos não precisam
Os sãos não precisamOs sãos não precisam
Os sãos não precisam
Izabel Cristina Fonseca
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do Espírito
CEENA_SS
 
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Patricia Farias
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Henrique Vieira
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
nelmarvoc
 
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Roteiro  4   progressão dos espíritosRoteiro  4   progressão dos espíritos
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Augusto Luvisotto
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
Sergio Menezes
 

Mais procurados (20)

Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Os sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médicoOs sãos não precisam de médico
Os sãos não precisam de médico
 
Provas e expiações
Provas e expiações  Provas e expiações
Provas e expiações
 
Trabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima HoraTrabalhadores Da úLtima Hora
Trabalhadores Da úLtima Hora
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
 
Sede perfeitos
Sede perfeitosSede perfeitos
Sede perfeitos
 
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - TransfiguraçãoMocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
Mocidade Espírita Chico Xavier - Transfiguração
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
 
Os sãos não precisam
Os sãos não precisamOs sãos não precisam
Os sãos não precisam
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do Espírito
 
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
O centro espírita
O centro espíritaO centro espírita
O centro espírita
 
Roteiro 4 progressão dos espíritos
Roteiro  4   progressão dos espíritosRoteiro  4   progressão dos espíritos
Roteiro 4 progressão dos espíritos
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1Mediunidade   aula 08 - efeitos inteligentes 1
Mediunidade aula 08 - efeitos inteligentes 1
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
 

Destaque

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
Patricia Farias
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
Lar Irmã Zarabatana
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Patricia Farias
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Jose Luiz Maio
 
Voltei
VolteiVoltei
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
carlos freire
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
Lar Irmã Zarabatana
 
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
Jose Luiz Maio
 
Parentela corporal e espiritual
Parentela corporal e espiritualParentela corporal e espiritual
Parentela corporal e espiritual
Helio Cruz
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
ADEP Portugal
 
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido XavierLivro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
contatodoutrina2013
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
Grupo Espírita Cristão
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completoCaderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Alice Lirio
 

Destaque (17)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
 
Voltei
VolteiVoltei
Voltei
 
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
 
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
 
Parentela corporal e espiritual
Parentela corporal e espiritualParentela corporal e espiritual
Parentela corporal e espiritual
 
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
Curso Básico de Espiritismo - Capítulo 02
 
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido XavierLivro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
Livro Voltei (resumo compacto) - Francisco Cândido Xavier
 
Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2Parentela Corporal E Espiritual2
Parentela Corporal E Espiritual2
 
Família material e espiritual
Família material e espiritualFamília material e espiritual
Família material e espiritual
 
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completoCaderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto

Os Mensageiros Estudo do Capitulo 02
Os Mensageiros  Estudo do Capitulo 02Os Mensageiros  Estudo do Capitulo 02
Os Mensageiros Estudo do Capitulo 02
Patricia Farias
 
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
Patricia Farias
 
A divina visão
A divina visãoA divina visão
A divina visão
Helio Cruz
 
Doutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz iiDoutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz ii
Dalila Melo
 
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
Tiburcio Santos
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
Tiburcio Santos
 
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuelPalavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Serginho Lopes Ator
 
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de UrântiaUma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
Estudiantes Urantia
 
Beume jan15(2)
Beume jan15(2)Beume jan15(2)
Beume jan15(2)
Ume Maria
 
Beume jan15(2)
Beume jan15(2)Beume jan15(2)
Beume jan15(2)
Ume Maria
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
Candice Gunther
 
Trabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espíritaTrabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espírita
Helio Cruz
 
Trabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espíritaTrabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espírita
Helio Cruz
 
Estudando a mediunidade
Estudando a mediunidadeEstudando a mediunidade
Estudando a mediunidade
havatar
 
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria   reflexão pessoalAlegria é uma coisa séria   reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
conceicaoborges
 
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SPMissões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
Bernadetecebs .
 
Ecovida
Ecovida  Ecovida
Ecovida
Igrejaconceicao
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deus
Helio Cruz
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto (20)

Os Mensageiros Estudo do Capitulo 02
Os Mensageiros  Estudo do Capitulo 02Os Mensageiros  Estudo do Capitulo 02
Os Mensageiros Estudo do Capitulo 02
 
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
Livro dos Espiritos Q. 230 Evangelho Cap 17 4
 
A divina visão
A divina visãoA divina visão
A divina visão
 
Doutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz iiDoutrina de amor e luz ii
Doutrina de amor e luz ii
 
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
Palestra ese 15 fora da caridade 20160824 v1
 
Palestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 SemeadoresPalestra FV64 Semeadores
Palestra FV64 Semeadores
 
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuelPalavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
 
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de UrântiaUma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
Uma liderança Sábia Para a Promoção Eficaz da Revelação de Urântia
 
Beume jan15(2)
Beume jan15(2)Beume jan15(2)
Beume jan15(2)
 
Beume jan15(2)
Beume jan15(2)Beume jan15(2)
Beume jan15(2)
 
Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20Estudo do livro Roteiro lição 20
Estudo do livro Roteiro lição 20
 
Trabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espíritaTrabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espírita
 
Trabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espíritaTrabalhar na seara espírita
Trabalhar na seara espírita
 
Estudando a mediunidade
Estudando a mediunidadeEstudando a mediunidade
Estudando a mediunidade
 
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria   reflexão pessoalAlegria é uma coisa séria   reflexão pessoal
Alegria é uma coisa séria reflexão pessoal
 
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SPMissões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
Missões Setor 13. Paróquia Coração de Jesus - diocese de SJCampos - SP
 
Ecovida
Ecovida  Ecovida
Ecovida
 
Viver para deus
Viver para deusViver para deus
Viver para deus
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 11 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 11 doc
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 

Último (14)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 02 Aniceto

  • 2. A atitude de André no momento decisivo de sua vida, quando viu-se esquecido pela família que amava, foi de compreensão e auxilio. Pela renovação mental, atitudes no Bem e no Amor que adotou em seu antigo lar, propiciou-lhe ser um cidadão de Nosso Lar, abrindo novos caminhos junto aos Mensageiros. Pensando desta forma, feliz e renovada, André é levado por Tobias, seu companheiro de trabalho nas Câmaras de Retificação, até Aniceto, para novas tarefas que viriam....
  • 3. André comunica seus novos propósitos à Tobias... Você possui a quantidade necessária de horas de trabalho para justificar o pedido. Conversarei a respeito com o Ministro Genésio. Não tenha dúvidas. Seu desejo é muito nobre aos nossos olhos.
  • 4. 2.5 Fui procurado por Tobias, que trouxe-me a aquiescência do Ministro Genésio... e convidou- me para conhecer Aniceto. Aniceto recebeu-nos com extrema gentileza, o que me causou excelente impressão...
  • 5. Conhece nosso estimado Aniceto? Aniceto - Instrutor no Ministério da Comunicação. Trabalhara algum tempo na Regeneração e depois em tarefas sacrificiais no Ministério do Auxílio. Seus esforços o levaram à importante função de instrutor na Comunicação, onde André Luiz aprenderia novas lições. Ao contrário de Tobias, Aniceto não se consorciara em "Nosso Lar". Vivia ao lado de cinco amigos que lhe foram discípulos na Terra, em edifício confortável encravado entre árvores frondosas e tranquilas.
  • 6. Aparentava ele a calma refletida do homem que chegou à idade madura, sem fantasias da mocidade inexperiente. Embora lhe transparecesse muita energia no rosto, revelava o otimismo sadio do coração cheio de ideais sacrossantos. Muito sereno, recebeu todas as alegações do meu benfeitor, dirigindo-me, de quando em vez, olhares amistosos e indagadores. Tobias falou longamente, comentando minha posição de ex-médico no plano terráqueo, agora em reajustamento de valores no plano espiritual.
  • 7. Depois de examinar-me com atenção, o orientador aduziu: Não há o que embargar, meu prezado Tobias. No entanto é preciso reconhecer que a solução depende do candidato... Sabe você que estamos aqui na Instituição do Homem Novo Nosso serviço é variado e rigoroso, aceitamos somente os cooperadores interessados na descoberta da felicidade de servir.
  • 8. Aceitando a inscrição de André Luiz, o instrutor resumiu em poucas palavras as atividades de seu departamento. Além dos colaboradores ativos, Aniceto tinha um quadro suplementar de auxiliares, com cinquenta lugares para aprendizes, com três vagas no momento. Pessoas das mais diferentes profissões formavam o quadro de aprendizes e cada uma era aproveitada na sua especialidade própria.
  • 9. O departamento de trabalho, aceita somente os cooperadores interessados na descoberta da felicidade de servir. Comprometemo-nos, mutuamente, a calar toda espécie de reclamação. Ninguém exige expressão nominal nas obras realizadas e todos respondem por qualquer erro. Achamo-nos, aqui, num curso de extinção das velhas vaidades pessoais, trazidas do mundo carnal. Dentro do mecanismo nossas obrigações, interessamo-nos tão somente pelo bem divino. Consideramos que toda possibilidade construtiva vem de nosso Pai e esta convicção nos auxilia a esquecer as exigências de nossa personalidade inferior.
  • 10. Em “Nosso Lar”, a ação que nos compete é desdobrada de maneira coletiva; temos interesse em aproveitar as horas no limite máximo, não só em beneficio dos que necessitam de nosso concurso fraternal, como também a favor de nós mesmos, no que toca à eficiência. E, dirigindo-se a Tobias, acrescentou: – Encaminhe o nosso amigo, amanhã cedo, ao Centro de Mensageiros. Lá estaremos em estudo ativo e providenciarei para que André seja bonificado pelas tabelas da Comunicação. Agradecemos, satisfeitos, e, logo em seguida a Tobias, despedi-me, alimentando novas esperanças.
  • 11. Trabalho: valor supremo “O prestimoso companheiro deixou-me num mar de contentamento indefinível. Comecei a compreender o valor do trabalho. A amizade de Narcisa e Tobias era tesouro de inapreciável grandeza, que o espírito de serviço me havia descortinado ao coração. (…) Além disso, certo da minha volta à carne, em futuro talvez não distante, a providência constituiria realização de profundo interesse ao meu aproveitamento geral.
  • 12. Trabalho: valor supremo Misteriosa alegria dominava-me todo, sublimada esperança iluminava-me os sentimentos. Aquele desejo ardente de colaborar em benefício dos outros, que Narcisa me acendera no Intimo, parecia encher, agora, a taça vazia do meu coração. Trabalharia, sim. Conheceria a satisfação dos cooperadores anônimos da felicidade alheia. Procuraria a prodigiosa luz da fraternidade, através do serviço às criaturas.”
  • 13. 674. A necessidade do trabalho é Lei da Natureza? O trabalho é Lei da Natureza, por isso mesmo que constitui uma necessidade, e a civilização obriga o homem a trabalhar mais, porque lhe aumenta as necessidades. 675. Por trabalho só se devem entender as ocupações materiais? Não; o Espirito trabalha, assim como o corpo. Toda ocupação útil é trabalho. (Livro dos Espíritos Parte 3, cap. III, Da lei do Trabalho) Trabalho: valor supremo
  • 14. 679. Achar-se-á isento da lei do trabalho o homem que possua bens suficientes para lhe assegurarem a existência? “Do trabalho material, talvez; não, porém, da obrigação de tornar-se útil, conforme aos meios de que disponha, nem de aperfeiçoar a sua inteligência ou a dos outros ,o que também é trabalho. Aquele a quem Deus facultou a posse de bens suficientes a lhe garantirem a existência não está, é certo, constrangido a alimentar-se com o suor do seu rosto, mas tanto maior lhe é a obrigação de ser útil aos seus semelhantes, quanto mais ocasiões de praticar o bem lhe proporciona o adiantamento que lhe foi feito.”
  • 15. 229 –Como entender o trabalho de purificação nos ambientes do mundo? -A purificação na Terra ainda é qual o lírio alvo, nascendo do lodo das amarguras e das paixões. Todos os Espíritos encarnados, porém, devem considerar que se encontram no planeta como em poderoso cadinho de acrisolamento e regeneração, sendo indispensável cultivar a flor da iluminação íntima, na angústia da vida humana, no círculo da família, ou da comunidade social, através da maior severidade para consigo mesmo e da maior tolerância com os outros, fazendo cada qual, da sua existência, um apostolado de educação, onde o maior beneficiado seja o seu próprio espírito.
  • 16. 19 230 –Como iniciar o trabalho de iluminação da nossa própria alma? -Esse esforço individual deve começar com o autodomínio, com a disciplina dos sentimentos, com o trabalho silencioso da criatura por transformar as próprias paixões. Nesse particular, não podemos prescindir do conhecimento adquirido por outras almas que nos precederam nas lutas da Terra, com as suas experiências santificantes – água pura de consolação e de esperança, que poderemos beber nas páginas de suas memórias ou nos testemunhos de sacrifício que deixaram no mundo.
  • 17. Todavia, o conhecimento é a porta amiga que nos conduzirá aos raciocínios mais puros, porquanto, na reforma definitiva de nosso íntimo, é indispensável a ação própria, no sentido de modelarmos o nosso santuário interior, na sagrada iluminação da vida. Trabalho no bem em prol dos outros, e de si mesmo, em consequência, significa valor eterno adquirido pelo espirito. Trabalho é meio nobre de encher corações vazios. Meio de ascender a luz intima da fraternidade através do serviço às criaturas.
  • 18. “Sabe você que estamos aqui na instituição do Homem Novo” O homem novo é aquele reformado intimamente e que vislumbrou a luz de servir de acordo com o evangelho do Cristo; é aquele que já despertou para a realidade divina e não mais se apega aos vícios e ilusões da carne. Não é necessariamente já um espirito elevado, mas sim um espirito disposto a renovar-se cada vez mais trabalhando para o bem. Homem Novo
  • 19. Quais as condições necessárias para tornar-se um aprendiz do auxílio, junto ao instrutor Aniceto? Dispor-se a calar reclamações Renunciar a elogios Admitir que a responsabilidade é coletiva Não perder tempo na melhoria e educação de si mesmo Consideramos que toda possibilidade construtiva vem de nosso Pai, e esta convicção nos auxilia a esquecer as exigências descabidas de nossa personalidade inferior.
  • 20. 23 Sob o ponto de vista espírita, a mediunidade é uma iniciação religiosa das mais sérias; é um mandato que nos é outorgado pela Espiritualidade Superior, a fim de ser fielmente desempenhado. Dessa forma o aspirante à mediunidade, à luz da Doutrina Espírita, deve partir da conscientização de seus ensinamentos e esforçar-se desde o início de sua formação e informação mediúnica, por ser um ESPÍRITA-CRISTÃO.
  • 21. 24 O ESPÍRITA-CRISTÃO é o Espírito-Espírita, cujas caracteristicas são as do homem de bem. Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar as suas más inclinações . “Revisão e reconstrução dos hábitos, permutando os vícios por virtudes legitimamente cristãs que são as únicas que sobreviverão eternamente e que nos abrirão as portas de planos mais elevados que os atuais”.
  • 22. 25 Dentro destes critérios de desenvolvimento da mediunidade, mesmo que nenhuma faculdade venha desabrochar, tenhamos certeza de que nós estaremos desenvolvendo espiritualmente e capacitando-nos para verdadeira mediunidade com Jesus — a Mediunidade do Bem.
  • 23. 26 AIIan Kardec “Livro dos Médiuns” 2ª. parte, cap. Vll, itens 208,209,211,217 e 218 Livro dos Espíritos Q. 229, 230, 674, 675, 679
  • 24. Definição: Envoltório semimaterial do Espírito. Nos encarnados, serve de intermediário entre o Espírito e a Matéria; nos Espíritos desencarnados, constitui o Corpo Espiritual. Finalidade: É o laço que une a alma ao corpo. Semimaterial, isto é de natureza intermediária entre o Espírito e o Corpo. É preciso que seja assim para que os dois possam comunicar um com o outro. Por Complexo Humano (homem encarnado) composto de: Espírito, Perispírito e Corpo Físico
  • 25. Propriedades do Perispírito: O Espírito forma seu perispírito segundo os fluídos presentes do mundo onde encarna. A constituição do perispírito não é idêntica em todos os espíritos (encarn. e desen.). O perispírito se modifica com o progresso moral que o Espírito realiza em cada encarnação. Recebe de modo direto e permanente a impressão dos pensamentos, guardando suas qualidades boas ou más, se depurando, ou se adensando. Os atos infelizes destroem os tecidos sutis do perispírito que, se ressentindo do desconcerto, deixam matrizes na futura forma física, na qual se manifestarão as deficiências purificadoras. Pela sua união íntima com o corpo, o perispírito assimila com facilidade os fluidos que podem ser positivos ou nocivos, reagindo sobre o organismo material.
  • 26. É assim, que, nos serviços de passe, os fluídos manipulados alcançam o perispírito e se manifestam no corpo físico, promovendo as curas, o fortalecimento e o equilíbrio do Ser. O perispírito tem um papel preponderante nas manifestações mediúnicas em função da sua natureza fluídica, podendo assimilar os fluidos espirituais presentes no fenômeno mediúnico. Leitura complementar: A Gênese. Allan Kardec, cap. 14
  • 27. 2.1
  • 28. 2.2
  • 29. 2.3
  • 30. 2.4
  • 31. 2.5