SlideShare uma empresa Scribd logo
AS LEIS MORAIS JULHO/ 2009 LIVRO III DO LIVRO DOS ESPÍRITOS www.institutoespirita.org.br www.institutoespirita.blogspot.com
Moral - Da raiz latina  mores  = costumes, conduta, comportamento, modo de agir. É o conjunto sistemático de normas que orientam o homem para a realização do seu fim (essência).  A moral é a regra da boa conduta e, portanto, da distinção entre o bem e o mal.  Funda-se na observação da lei de Deus. O homem se conduz bem quando faz tudo tendo em vista o bem e para o bem de todos, porque então tende a Deus. (Pergunta 629 de  O Livro dos Espíritos ) CONCEITO DE MORAL
Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao obrigado e à conduta correta e à conduta incorreta, válidos para todos os seus membros. A LEI DIVINA É ETERNA E IMUTÁVEL  COMO O PRÓPRIO DEUS! A LEI DOS HOMENS É MUTÁVEL
Sempre que praticamos um ato, estamos inscritos na lei de causa e efeito e isto quer dizer assumir a responsabilidade da própria ação. Evoluir é tarefa difícil e demorada e depende do aprimoramento da consciência. As Leis Morais apresentadas no Livro dos Espíritos, são um poderoso auxiliar para a nossa evolução espirittual. LIBERDADE COM RESPONSABILIDADE
O Livro dos Espíritos está dividido em quatro partes: LIVRO PRIMEIRO - As Causas Primárias  LIVRO SEGUNDO - Mundo Espírita ou dos Espíritos  LIVRO TERCEIRO - As Leis Morais LIVRO QUARTO - Esperanças e Consolações LIVRO DOS ESPÍRITOS
A lei  natural é a lei de Deus;  é a única necessária à felicidade do homem;  ela lhe indica o que ele deve fazer ou não fazer e ele só se torna infeliz porque dela se afasta.  Resumidamente, a Lei Natural consiste em focar os nossos atos e pensamentos no Evangelho, seguindo-o com todo o nosso fervor, de toda a nossa alma, com toda a força do nosso ser, fazendo ao próximo o que gostaríamos que nos fizessem. Tal é a lei. A LEI DE DEUS ESTÁ ESCRITA NA CONSCIÊNCIA  AS LEIS MORAIS: Capítulo I – A lei divina ou natural
Entre as leis divinas, umas regulam o movimento e as relações  da matéria bruta: são as LEIS FÍSICAS – domínio da CIÊNCIA. As outras leis que dizem respeito ao homem e suas relações com DEUS e  seus SEMELHANTES, são as LEIS MORAIS. As LEIS MORAIS compreendem: As regras da vida do corpo; As regras da vida da alma
No segundo capítulo, Kardec descreve as leis.  Propõe 10 (dez) leis, como as de Moisés, mas isto nada tem de absoluto.  É questão de sistema, de classificação, forma didática.  Os homens necessitam de regras precisas. O AMOR AO PRÓXIMO ENCERRA TODAS AS LEIS. CAPÍTULO II – DIVISÃO DAS LEIS NATURAIS
O trabalho é uma Lei da Natureza. Tudo na Natureza trabalha. O trabalho é uma necessidade imposta ao homem como meio de progresso e expiação ao mesmo tempo. É progresso, porque é um meio de aperfeiçoar a sua inteligência. Sem o  trabalho,  o homem permaneceria na infância intelectual. É expiação, porque através do trabalho, o homem está sujeito ao trabalho para satisfazer suas necessidades.  A LEI DO TRABALHO
ADORAR NÃO É CONTEMPLAR O QUE É ADORAR? Elevar os nossos pensamentos a Deus em sinal  de gratidão e amor é a melhor forma de adorá-lo.  E POR QUE ADORAR?   Porque temos gravados na nossa consciência que existe algo muito maior que nós e que pode nos proteger, é como o sentimento de um filho para com o pai. LEI DA ADORAÇÃO
LEI DA REPRODUÇÃO Sem a reprodução o mundo corpóreo pereceria.  O CASAMENTO é um progresso na marcha da Humanindade. O homem pode regular a reprodução segundo às necessidades, mas não deve travá-la sem necessidade. O CELIBATO por si mesmo não é um estado meritório. Todo sacrifício pessoal visando ao bem eleva o homem.
LEI DA CONSERVAÇÃO Todos os seres vivos possuem o instinto de conservação qualquer que seja o seu grau de inteligência. A composição natural da Terra, nos provê todos os meios necessários para que possamos sobreviver. Tudo o que precisamos está integrado à natureza seja no solo, no mar ou no ar. Porém, por imprevidência de nossa parte, extraímos da Natureza não só o necessário, mas o supérfluo. Seja por razões de egoísmo ou de ganância.
LEI DA DESTRUIÇÃO Diz respeito às transformações causadas pelas  “ destruições” realizadas em todos os tempos  da humanidade. Seja pelo homem, seja pela própria natureza. O que chamamos de  destruição, não é nada senão uma transformação, pois na verdade o que  se destrói ou se reestrutura de forma  melhor é sobreposta por algo mais adiantado.  LE 729: Se a destruição é necessária [...] por que a Natureza nos cerca de meios de conservação? – Para evitar a destruição antes do tempo necessário.
LEI DA SOCIEDADE Os homens têm, além das necessidades básicas, a necessidade de viver em grupo. Deus não deu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação.  Todos devem concorrer para o progresso, ajudando-se mutuamente.
LEI DO PROGRESSO O progresso é o alvo a atingir e acontece passo a passo. A moral e a inteligência são duas forças que se equilibram com o tempo. Não é possível ao homem deter a marcha do progresso, porém ele pode entravá-lo.
LEI DE IGUALDADE Todos os homens são iguais perante Deus.  Ele fez as suas leis iguais para todos.  O sol BRILHA para todos.   As desigualdades sociais são obras do homem. LE 814. Por que Deus concedeu a uns riqueza e o poder e a outros a miséria? – Para provar a cada um de uma maneira diferente. Aliás, [...] essas provas são escolhidas pelos próprios espíritos.
LEI DA LIBERDADE Não gozamos de liberdade absoluta! Porque todos necessitamos uns dos outros. LE 826. Qual a condição em que o homem pudesse gozar de liberdade aboluta? A do eremita no deserto. Desde que haja dois homens juntos há direitos a respeitar. A minha liberdade termina onde começa a do meu próximo! Le 833. É pelo pensamento que o homem goza de uma liberdade sem limites. LE 834. [...]. Só Deus, podendo conhecê-lo, condena-o ou absolve-o, segundo a sua justiça.
LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE 875) Como se pode definir a justiça? – A justiça consiste no respeito aos direitos de cada um. "Não façais aos outros o que não quereis que vos façam“ 886) Qual é o verdadeiro sentido da palavra caridade como a entendia Jesus? – Benevolência com todos, indulgência com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
Silvânio Barcelos
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
Jorge Luiz dos Santos
 
Leis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiroLeis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiro
Norberto Tomasini Jr
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
Patricia Farias
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
Deborah Oliver
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
CeiClarencio
 
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - EspiritismoAula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espiritaCasamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
Vanda Machado
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
home
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
Parentesco e Filiação
Parentesco e FiliaçãoParentesco e Filiação
Parentesco e Filiação
Associação Espirita Lagos
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
Divulgador do Espiritismo
 
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdadeSegundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
CeiClarencio
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reprodução
Shantappa Jewur
 

Mais procurados (20)

A lei de amor ppt
A lei de amor pptA lei de amor ppt
A lei de amor ppt
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
Leis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiroLeis morais jal_balieiro
Leis morais jal_balieiro
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
LE Q.623 a 625 e ESE Cap.5 item 24
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
 
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdadeSegundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
 
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - EspiritismoAula Lei de reprodução - Espiritismo
Aula Lei de reprodução - Espiritismo
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espiritaCasamento e divórcio e os filho - visão espirita
Casamento e divórcio e os filho - visão espirita
 
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas . A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
A verdadeira Pureza mãos não lavadas .
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
Ressurreição e Reencarnação (Palestra Espírita)
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
Parentesco e Filiação
Parentesco e FiliaçãoParentesco e Filiação
Parentesco e Filiação
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
 
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdadeSegundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
Segundo Módulo - Aula 10 - Lei de igualdade
 
Obstaculos a reprodução
Obstaculos a reproduçãoObstaculos a reprodução
Obstaculos a reprodução
 

Destaque

Da perfeição moral
Da perfeição moralDa perfeição moral
Da perfeição moral
Layce Paiva
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
NILTON CARVALHO
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
CeiClarencio
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
Harleyde Santos
 
Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27
Graça Maciel
 
Lei Divina ou Natural
Lei Divina ou NaturalLei Divina ou Natural
Lei Divina ou Natural
Angelo Baptista
 
Lei divina
Lei divinaLei divina
Lei divina
Candice Gunther
 

Destaque (7)

Da perfeição moral
Da perfeição moralDa perfeição moral
Da perfeição moral
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
 
Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27Caracteres da lei natural - n.27
Caracteres da lei natural - n.27
 
Lei Divina ou Natural
Lei Divina ou NaturalLei Divina ou Natural
Lei Divina ou Natural
 
Lei divina
Lei divinaLei divina
Lei divina
 

Semelhante a Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação

As Leis Morais
As Leis MoraisAs Leis Morais
As Leis Morais
Wemerson Dardengo
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
Alfredo Lopes
 
O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.
ThiagoPereiraSantos2
 
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e ReproduçãoAs leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
Fernando Pinto
 
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docxCapitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Marta Gomes
 
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdfo-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
RodrigoSouza872829
 
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao ConservacaoLeis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
Fernando Pinto
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
CeiClarencio
 
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
Lucas Leal
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Eae 84 - leis universais
Eae   84 - leis universaisEae   84 - leis universais
Eae 84 - leis universais
Norberto Scavone Augusto
 
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
Lucas Leal
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Deborah Oliver
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
jmeirelles
 

Semelhante a Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação (20)

As Leis Morais
As Leis MoraisAs Leis Morais
As Leis Morais
 
Leis morais
Leis moraisLeis morais
Leis morais
 
O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.
 
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e ReproduçãoAs leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
As leis morais 1 a 4 Adoração Trabalho Conservação e Reprodução
 
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docxCapitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
Capitulo I - A Lei Divina ou Natural.docx
 
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdfo-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
 
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao ConservacaoLeis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
Leis morais Adoracao Trabalho Reproducao Conservacao
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
Segundo Módulo - Aula 12 - De justiça, amor e caridade
 
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
3fmf0grrsqukrtklwkeq-140519173520-phpapp02.pptx
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Eae 84 - leis universais
Eae   84 - leis universaisEae   84 - leis universais
Eae 84 - leis universais
 
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
( Espiritismo) - E A E - Aula 84 - Leis Universais # Sem Som.pptx
 
Esde x lei de liberdade - roteiro i
Esde x   lei de liberdade - roteiro iEsde x   lei de liberdade - roteiro i
Esde x lei de liberdade - roteiro i
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
 

Mais de Instituto Espírita de Educação

O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma BadanO Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
O médium e a mediunidade - Wilma Badan
O médium e a mediunidade - Wilma BadanO médium e a mediunidade - Wilma Badan
O médium e a mediunidade - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
Instituto Espírita de Educação
 
Lei de sociedade - Wilma Badan
Lei de sociedade - Wilma BadanLei de sociedade - Wilma Badan
Lei de sociedade - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Mãe e Mulher - Wilma Badan
Mãe e Mulher - Wilma BadanMãe e Mulher - Wilma Badan
Mãe e Mulher - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Gratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma BadanGratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Gratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma BadanGratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma BadanFalsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Ação do Pensamento - Wilma Badan
Ação do Pensamento - Wilma BadanAção do Pensamento - Wilma Badan
Ação do Pensamento - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
A melhor Medida - Wilma Badan
A melhor Medida - Wilma BadanA melhor Medida - Wilma Badan
A melhor Medida - Wilma Badan
Instituto Espírita de Educação
 
Paulo e Estevão
Paulo e EstevãoPaulo e Estevão
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de EducaçãoVinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações autoperdão - Instituto...
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações   autoperdão  - Instituto...Reconhecimento das próprias qualidades e limitações   autoperdão  - Instituto...
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações autoperdão - Instituto...
Instituto Espírita de Educação
 
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de EducaçãoHoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Volta à Terra - Instituto Espírita de Educação
Volta à Terra - Instituto Espírita de EducaçãoVolta à Terra - Instituto Espírita de Educação
Volta à Terra - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Quem somos nós - Instituto Espírita de Educação
Quem somos nós - Instituto Espírita de EducaçãoQuem somos nós - Instituto Espírita de Educação
Quem somos nós - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de EducaçãoIdentificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Gratidão - Instituto Espírita de Educação
Gratidão - Instituto Espírita de EducaçãoGratidão - Instituto Espírita de Educação
Gratidão - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 

Mais de Instituto Espírita de Educação (20)

O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma BadanO Livro dos Espíritos - Wilma Badan
O Livro dos Espíritos - Wilma Badan
 
O médium e a mediunidade - Wilma Badan
O médium e a mediunidade - Wilma BadanO médium e a mediunidade - Wilma Badan
O médium e a mediunidade - Wilma Badan
 
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
O que buscar na casa espírita - Wilma Badan c.g. - iee - 19.10.11 (white spac...
 
Lei de sociedade - Wilma Badan
Lei de sociedade - Wilma BadanLei de sociedade - Wilma Badan
Lei de sociedade - Wilma Badan
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
 
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma BadanPenas e gozos futuros - Wilma Badan
Penas e gozos futuros - Wilma Badan
 
Mãe e Mulher - Wilma Badan
Mãe e Mulher - Wilma BadanMãe e Mulher - Wilma Badan
Mãe e Mulher - Wilma Badan
 
Gratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma BadanGratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma Badan
 
Gratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma BadanGratidão - Wilma Badan
Gratidão - Wilma Badan
 
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma BadanFalsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
Falsos Cristos e Falsos Profetas - Wilma Badan
 
Ação do Pensamento - Wilma Badan
Ação do Pensamento - Wilma BadanAção do Pensamento - Wilma Badan
Ação do Pensamento - Wilma Badan
 
A melhor Medida - Wilma Badan
A melhor Medida - Wilma BadanA melhor Medida - Wilma Badan
A melhor Medida - Wilma Badan
 
Paulo e Estevão
Paulo e EstevãoPaulo e Estevão
Paulo e Estevão
 
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de EducaçãoVinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
Vinícius e a Educação - Instituto Espírita de Educação
 
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações autoperdão - Instituto...
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações   autoperdão  - Instituto...Reconhecimento das próprias qualidades e limitações   autoperdão  - Instituto...
Reconhecimento das próprias qualidades e limitações autoperdão - Instituto...
 
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de EducaçãoHoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
Hoje em dia e o espiritismo - Instituto Espírita de Educação
 
Volta à Terra - Instituto Espírita de Educação
Volta à Terra - Instituto Espírita de EducaçãoVolta à Terra - Instituto Espírita de Educação
Volta à Terra - Instituto Espírita de Educação
 
Quem somos nós - Instituto Espírita de Educação
Quem somos nós - Instituto Espírita de EducaçãoQuem somos nós - Instituto Espírita de Educação
Quem somos nós - Instituto Espírita de Educação
 
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de EducaçãoIdentificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
Identificação dos espíritos - Instituto Espírita de Educação
 
Gratidão - Instituto Espírita de Educação
Gratidão - Instituto Espírita de EducaçãoGratidão - Instituto Espírita de Educação
Gratidão - Instituto Espírita de Educação
 

Último

A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 

Último (14)

A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 

Leis Morais - - Instituto Espírita de Educação

  • 1. AS LEIS MORAIS JULHO/ 2009 LIVRO III DO LIVRO DOS ESPÍRITOS www.institutoespirita.org.br www.institutoespirita.blogspot.com
  • 2. Moral - Da raiz latina mores = costumes, conduta, comportamento, modo de agir. É o conjunto sistemático de normas que orientam o homem para a realização do seu fim (essência). A moral é a regra da boa conduta e, portanto, da distinção entre o bem e o mal. Funda-se na observação da lei de Deus. O homem se conduz bem quando faz tudo tendo em vista o bem e para o bem de todos, porque então tende a Deus. (Pergunta 629 de O Livro dos Espíritos ) CONCEITO DE MORAL
  • 3. Toda cultura e cada sociedade institui uma moral, isto é, valores concernentes ao bem e ao mal, ao permitido e ao obrigado e à conduta correta e à conduta incorreta, válidos para todos os seus membros. A LEI DIVINA É ETERNA E IMUTÁVEL COMO O PRÓPRIO DEUS! A LEI DOS HOMENS É MUTÁVEL
  • 4. Sempre que praticamos um ato, estamos inscritos na lei de causa e efeito e isto quer dizer assumir a responsabilidade da própria ação. Evoluir é tarefa difícil e demorada e depende do aprimoramento da consciência. As Leis Morais apresentadas no Livro dos Espíritos, são um poderoso auxiliar para a nossa evolução espirittual. LIBERDADE COM RESPONSABILIDADE
  • 5. O Livro dos Espíritos está dividido em quatro partes: LIVRO PRIMEIRO - As Causas Primárias LIVRO SEGUNDO - Mundo Espírita ou dos Espíritos LIVRO TERCEIRO - As Leis Morais LIVRO QUARTO - Esperanças e Consolações LIVRO DOS ESPÍRITOS
  • 6. A lei natural é a lei de Deus; é a única necessária à felicidade do homem; ela lhe indica o que ele deve fazer ou não fazer e ele só se torna infeliz porque dela se afasta. Resumidamente, a Lei Natural consiste em focar os nossos atos e pensamentos no Evangelho, seguindo-o com todo o nosso fervor, de toda a nossa alma, com toda a força do nosso ser, fazendo ao próximo o que gostaríamos que nos fizessem. Tal é a lei. A LEI DE DEUS ESTÁ ESCRITA NA CONSCIÊNCIA AS LEIS MORAIS: Capítulo I – A lei divina ou natural
  • 7. Entre as leis divinas, umas regulam o movimento e as relações da matéria bruta: são as LEIS FÍSICAS – domínio da CIÊNCIA. As outras leis que dizem respeito ao homem e suas relações com DEUS e seus SEMELHANTES, são as LEIS MORAIS. As LEIS MORAIS compreendem: As regras da vida do corpo; As regras da vida da alma
  • 8. No segundo capítulo, Kardec descreve as leis. Propõe 10 (dez) leis, como as de Moisés, mas isto nada tem de absoluto. É questão de sistema, de classificação, forma didática. Os homens necessitam de regras precisas. O AMOR AO PRÓXIMO ENCERRA TODAS AS LEIS. CAPÍTULO II – DIVISÃO DAS LEIS NATURAIS
  • 9. O trabalho é uma Lei da Natureza. Tudo na Natureza trabalha. O trabalho é uma necessidade imposta ao homem como meio de progresso e expiação ao mesmo tempo. É progresso, porque é um meio de aperfeiçoar a sua inteligência. Sem o trabalho, o homem permaneceria na infância intelectual. É expiação, porque através do trabalho, o homem está sujeito ao trabalho para satisfazer suas necessidades. A LEI DO TRABALHO
  • 10. ADORAR NÃO É CONTEMPLAR O QUE É ADORAR? Elevar os nossos pensamentos a Deus em sinal de gratidão e amor é a melhor forma de adorá-lo. E POR QUE ADORAR? Porque temos gravados na nossa consciência que existe algo muito maior que nós e que pode nos proteger, é como o sentimento de um filho para com o pai. LEI DA ADORAÇÃO
  • 11. LEI DA REPRODUÇÃO Sem a reprodução o mundo corpóreo pereceria. O CASAMENTO é um progresso na marcha da Humanindade. O homem pode regular a reprodução segundo às necessidades, mas não deve travá-la sem necessidade. O CELIBATO por si mesmo não é um estado meritório. Todo sacrifício pessoal visando ao bem eleva o homem.
  • 12. LEI DA CONSERVAÇÃO Todos os seres vivos possuem o instinto de conservação qualquer que seja o seu grau de inteligência. A composição natural da Terra, nos provê todos os meios necessários para que possamos sobreviver. Tudo o que precisamos está integrado à natureza seja no solo, no mar ou no ar. Porém, por imprevidência de nossa parte, extraímos da Natureza não só o necessário, mas o supérfluo. Seja por razões de egoísmo ou de ganância.
  • 13. LEI DA DESTRUIÇÃO Diz respeito às transformações causadas pelas “ destruições” realizadas em todos os tempos da humanidade. Seja pelo homem, seja pela própria natureza. O que chamamos de destruição, não é nada senão uma transformação, pois na verdade o que se destrói ou se reestrutura de forma melhor é sobreposta por algo mais adiantado. LE 729: Se a destruição é necessária [...] por que a Natureza nos cerca de meios de conservação? – Para evitar a destruição antes do tempo necessário.
  • 14. LEI DA SOCIEDADE Os homens têm, além das necessidades básicas, a necessidade de viver em grupo. Deus não deu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação. Todos devem concorrer para o progresso, ajudando-se mutuamente.
  • 15. LEI DO PROGRESSO O progresso é o alvo a atingir e acontece passo a passo. A moral e a inteligência são duas forças que se equilibram com o tempo. Não é possível ao homem deter a marcha do progresso, porém ele pode entravá-lo.
  • 16. LEI DE IGUALDADE Todos os homens são iguais perante Deus. Ele fez as suas leis iguais para todos. O sol BRILHA para todos. As desigualdades sociais são obras do homem. LE 814. Por que Deus concedeu a uns riqueza e o poder e a outros a miséria? – Para provar a cada um de uma maneira diferente. Aliás, [...] essas provas são escolhidas pelos próprios espíritos.
  • 17. LEI DA LIBERDADE Não gozamos de liberdade absoluta! Porque todos necessitamos uns dos outros. LE 826. Qual a condição em que o homem pudesse gozar de liberdade aboluta? A do eremita no deserto. Desde que haja dois homens juntos há direitos a respeitar. A minha liberdade termina onde começa a do meu próximo! Le 833. É pelo pensamento que o homem goza de uma liberdade sem limites. LE 834. [...]. Só Deus, podendo conhecê-lo, condena-o ou absolve-o, segundo a sua justiça.
  • 18. LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE 875) Como se pode definir a justiça? – A justiça consiste no respeito aos direitos de cada um. "Não façais aos outros o que não quereis que vos façam“ 886) Qual é o verdadeiro sentido da palavra caridade como a entendia Jesus? – Benevolência com todos, indulgência com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.