SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
• Terminamos o capítulo
anterior com André
conhecendo aquele que seria
seu companheiro naquela
etapa do trabalho, Vicente,
que também havia sido
médico nas esferas carnais.
• André> “Disse-me de sua
alegria por haver encontrado
um companheiro médico,
alojou-me junto dele
demonstrando extrema
generosidade fraternal.”
2
• Evidenciando delicadeza, indagou da minha
posição perante os parentes terrestres, ao que
respondi com a história resumida de minha
singular aventura ao conhecer as segundas núpcias
de minha viúva.
• Nesse momento André falou do seu drama para
contar a sua história salientando os seus velhos
sofrimentos.
3
• O André se julgava desventurado e incompreendido,
foi quando Vicente disse que ao contrário ele havia
sido muitíssimo feliz. Nesse momento ele conta a
André resumidamente a sua vida quando encarnado.
• A história de Vicente era triste pois ele foi traído pela
esposa e pelo próprio irmão em um caso de paixão e
até mesmo de assassinato.
4
Logo após a aquisição do diploma profissional,
desposei Rosalina, exultante de ventura.
Sua Profissão
Meu bem-estar era inexprimível.
Em virtude das reservas bancárias,
não me especializei na clínica,
consagrando-me, todavia,
apaixonadamente ao laboratório.
No início do casamento
* Melhor colaboradora
* Um pouco enfadada com o trabalho;
* Sabia calar as contrariedades;
* Parecia compreender-me integralmente;
* Mãe dedicada;
Chegada de Eleutério, irmão de
Vicente
Entrou em nossa casa como
irmão. Embora residisse em
hotel, compartilhava dos nossos
serões caseiros, sempre bem
posto e interessado em agradar.
Mudança de Rosalina
* Exigiu fosse contratada uma auxiliar que a
substituísse no laboratório;
* Passou a não comparecer ao laboratório;
* Preferia o cinema ou a estação de repouso, em
companhia de Eleutério;
“Minha vida doméstica, antes tão feliz,
passou a ser de solidão assaz amarga, que
eu tentava iludir com o trabalho persistente
e honesto”.
A Doença
Pequena borbulha na fossa nasal, que nunca me
trouxera incômodos de qualquer natureza, depois de
levemente ferida, tomou caráter de extrema
gravidade.
Soube então que fora vítima de odioso crime. Meu
próprio irmão inspirou a trama. Sugeriu a Rosalina a
ideia de aplicarem determinada cultura microbiana,
que ele mesmo se incumbira de obter.
A pobre companheira não vacilou, e,
Valendo-se do meu sono descuidado,
Introduziu na minúscula espinha
nasal, algo ferida,
o vírus destruidor
Desencarne de Vicente
Rosalina e Eleutério pareciam consternados e,
até hoje, guardo a impressão de rever-lhes o olhar
ansioso, no momento em que a neblina da morte
me envolvia os olhos materiais.
Depois de algum tempo de tristes perturbações nas
zonas inferiores, quando já me encontrava
restabelecido em “nosso lar”, voltando ao lar
terreno, encontrei Rosalina e Eleutério em
segundas núpcias.
• Vicente não demonstra nenhum rancor ou raiva
deles, muito ao contrário mostra que quer
ajudá-los.
• André pergunta sobre a justiça e ele diz que
tudo vem a seu tempo, ou seja tudo aquilo que
fizermos em nossas vidas, vamos arcar com as
consequências um dia
14
Todos nós passamos por situações dificeis na vida, mas,
quando nossas condutas omitem a verdade não quer dizer que
as nossas vítimas não vem saber a verdade, e cedo ou tarde
nós estaremos diante delas;
> Já pensaram na vergonha de Rosalinda e Eleutério quando
desencarnarem?
> Já pensaram como Vicente irá ajudar a ex-esposa assassina
ou cúmplice com seu irmão que ganhou a casa para ali se
hospedar e desfrutar a felicidade juntamente com seu irmão?
> Já pensaram que mesmo depois de terem sido algozes a
vítima se dispôs a ajudá-los e buscou ampará-los
15
• Por isso que é importante nos lembrarmos perdão
que Jesus nos fala que você ajude as pessoas que
te fizeram o mal e que carregam esse mal como
uma prisão aonde eles forem.
• podem ser felizes, ricas, mais vai chegar o dia em
que eles terão que voltar para o lado da verdade e
aí eles estarão diante de suas atitudes, do crime, o
erro vai acompanhar aquele que errou, é
importante que não nos esqueçamos disso.
16
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 04 O caso vicente
• Esse capítulo é a expressão daquilo que todos nós vamos
enfrentar. Por isso que o Evangelho e a doutrina Espírita é tão
clara em nos afirmar da necessidade de nós aproveitarmos o
tempo fazendo o bem, de nós não criarmos inimizades, de nós
diminuirmos as disputas, de sermos criaturas mais fraternas umas
com as outras, não fazer o sofrimento dos outros.
• porque nós seremos responsáveis mesmo que os outros
desculpem, porque aquele que faz o mal demonstra uma fraqueza
de caráter, demonstra os defeitos que precisam ser corrigidos,
enquanto que aquele que esqueceu o mal já demonstra uma
nobreza própria, de Espíritos que já evoluiram nesta área.
18
• Os fatos narrados fazem parte dessa tragédia
humana das frustações amorosas, das traições
afetivas, daquele(as) que nós seduzimos e depois
jogamos fora.
• não brinquemos com a afetividade, sejamos
limpos, claros, autênticos e honestos porque
certamente isto vai nos privar de muitos
sofrimentos nesta vida , mais principalmente
depois dela.
19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTEVISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
Jorge Luiz dos Santos
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
Lorena Dias
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Jose Luiz Maio
 
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Patricia Farias
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Jose Luiz Maio
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Jose Luiz Maio
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Graça Maciel
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
Izabel Cristina Fonseca
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
Marta Gomes
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
igmateus
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
Jorge Luiz dos Santos
 

Mais procurados (20)

VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTEVISÃO ESPÍRITA DA MORTE
VISÃO ESPÍRITA DA MORTE
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
 
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍciosOrgulho: Pai de todos os vÍcios
Orgulho: Pai de todos os vÍcios
 
Flagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerrasFlagelos destruidores e guerras
Flagelos destruidores e guerras
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita2.1.5   diferentes ordens de espiritos - escala espirita
2.1.5 diferentes ordens de espiritos - escala espirita
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
Indulgencia
IndulgenciaIndulgencia
Indulgencia
 
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de FamíliaIngratidão dos Filhos e Laços de Família
Ingratidão dos Filhos e Laços de Família
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNOO TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
O TEMPO - PRESENTE DO ETERNO
 

Destaque

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Jose Luiz Maio
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Patricia Farias
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
Lar Irmã Zarabatana
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
Lar Irmã Zarabatana
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Patricia Farias
 

Destaque (7)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
 
Apresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os MensageirosApresentação do Livro Os Mensageiros
Apresentação do Livro Os Mensageiros
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
Os mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docxOs mensageiros cap40.docx
Os mensageiros cap40.docx
 
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 4206/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
06/11/2013 - Os Mensageiros - cap. 41 e 42
 
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto DomesticoOs Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
Os Mensageiros Cap 35 - O culto Domestico
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente

( Espiritismo) # - amag ramgis - dominacao telepatica
( Espiritismo)   # - amag ramgis - dominacao telepatica( Espiritismo)   # - amag ramgis - dominacao telepatica
( Espiritismo) # - amag ramgis - dominacao telepatica
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Contos (dostoievski)
Contos (dostoievski)Contos (dostoievski)
Contos (dostoievski)
Eder Prado
 
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
ClaraAndrade44
 
Artur azevedo a melhor amiga
Artur azevedo   a melhor amigaArtur azevedo   a melhor amiga
Artur azevedo a melhor amiga
Tulipa Zoá
 
A melhor amiga
A melhor amigaA melhor amiga
A melhor amiga
Jonathan Cunha
 
Brilhantes contos-de-Dostoievski
Brilhantes contos-de-DostoievskiBrilhantes contos-de-Dostoievski
Brilhantes contos-de-Dostoievski
George Lavigne
 
Fiodor dostoievski o subsolo
Fiodor dostoievski   o subsoloFiodor dostoievski   o subsolo
Fiodor dostoievski o subsolo
alunouece
 
Perdão e Não Julgamento
Perdão e Não JulgamentoPerdão e Não Julgamento
Perdão e Não Julgamento
Ricardo Azevedo
 
Definição de saudade
Definição de saudadeDefinição de saudade
Definição de saudade
Amadeu Wolff
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
Anjovison .
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
Fernanda Pietra
 
Amo pessoas
Amo pessoasAmo pessoas
Amo pessoas
Armin Caldas
 
Saudade 9
Saudade 9Saudade 9
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
Nilce Bravo
 
Saudade é o amor que fica... 10.11
Saudade é o amor que fica... 10.11Saudade é o amor que fica... 10.11
Saudade é o amor que fica... 10.11
Aldo Cioffi
 
Definição de saudade
Definição de saudadeDefinição de saudade
Definição de saudade
JNR
 
O curador ferido
O curador feridoO curador ferido
O curador ferido
João Pereira
 
31 nosso lar vampiro
31 nosso lar  vampiro31 nosso lar  vampiro
31 nosso lar vampiro
Fatoze
 
Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)
Alice Lirio
 
Os inimigos desencarnados(ese)
Os inimigos desencarnados(ese)Os inimigos desencarnados(ese)
Os inimigos desencarnados(ese)
Izabel Cristina Fonseca
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente (20)

( Espiritismo) # - amag ramgis - dominacao telepatica
( Espiritismo)   # - amag ramgis - dominacao telepatica( Espiritismo)   # - amag ramgis - dominacao telepatica
( Espiritismo) # - amag ramgis - dominacao telepatica
 
Contos (dostoievski)
Contos (dostoievski)Contos (dostoievski)
Contos (dostoievski)
 
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
Os Mensageiros - Chico Xavier - capítulo 17
 
Artur azevedo a melhor amiga
Artur azevedo   a melhor amigaArtur azevedo   a melhor amiga
Artur azevedo a melhor amiga
 
A melhor amiga
A melhor amigaA melhor amiga
A melhor amiga
 
Brilhantes contos-de-Dostoievski
Brilhantes contos-de-DostoievskiBrilhantes contos-de-Dostoievski
Brilhantes contos-de-Dostoievski
 
Fiodor dostoievski o subsolo
Fiodor dostoievski   o subsoloFiodor dostoievski   o subsolo
Fiodor dostoievski o subsolo
 
Perdão e Não Julgamento
Perdão e Não JulgamentoPerdão e Não Julgamento
Perdão e Não Julgamento
 
Definição de saudade
Definição de saudadeDefinição de saudade
Definição de saudade
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
 
Amo pessoas
Amo pessoasAmo pessoas
Amo pessoas
 
Saudade 9
Saudade 9Saudade 9
Saudade 9
 
Amo pessoas11111
Amo pessoas11111Amo pessoas11111
Amo pessoas11111
 
Saudade é o amor que fica... 10.11
Saudade é o amor que fica... 10.11Saudade é o amor que fica... 10.11
Saudade é o amor que fica... 10.11
 
Definição de saudade
Definição de saudadeDefinição de saudade
Definição de saudade
 
O curador ferido
O curador feridoO curador ferido
O curador ferido
 
31 nosso lar vampiro
31 nosso lar  vampiro31 nosso lar  vampiro
31 nosso lar vampiro
 
Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)Alegria e mau humor (1)
Alegria e mau humor (1)
 
Os inimigos desencarnados(ese)
Os inimigos desencarnados(ese)Os inimigos desencarnados(ese)
Os inimigos desencarnados(ese)
 

Último

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 

Último (20)

Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 04 O caso vicente

  • 2. • Terminamos o capítulo anterior com André conhecendo aquele que seria seu companheiro naquela etapa do trabalho, Vicente, que também havia sido médico nas esferas carnais. • André> “Disse-me de sua alegria por haver encontrado um companheiro médico, alojou-me junto dele demonstrando extrema generosidade fraternal.” 2
  • 3. • Evidenciando delicadeza, indagou da minha posição perante os parentes terrestres, ao que respondi com a história resumida de minha singular aventura ao conhecer as segundas núpcias de minha viúva. • Nesse momento André falou do seu drama para contar a sua história salientando os seus velhos sofrimentos. 3
  • 4. • O André se julgava desventurado e incompreendido, foi quando Vicente disse que ao contrário ele havia sido muitíssimo feliz. Nesse momento ele conta a André resumidamente a sua vida quando encarnado. • A história de Vicente era triste pois ele foi traído pela esposa e pelo próprio irmão em um caso de paixão e até mesmo de assassinato. 4
  • 5. Logo após a aquisição do diploma profissional, desposei Rosalina, exultante de ventura.
  • 6. Sua Profissão Meu bem-estar era inexprimível. Em virtude das reservas bancárias, não me especializei na clínica, consagrando-me, todavia, apaixonadamente ao laboratório.
  • 7. No início do casamento * Melhor colaboradora * Um pouco enfadada com o trabalho; * Sabia calar as contrariedades; * Parecia compreender-me integralmente; * Mãe dedicada;
  • 8. Chegada de Eleutério, irmão de Vicente Entrou em nossa casa como irmão. Embora residisse em hotel, compartilhava dos nossos serões caseiros, sempre bem posto e interessado em agradar.
  • 9. Mudança de Rosalina * Exigiu fosse contratada uma auxiliar que a substituísse no laboratório; * Passou a não comparecer ao laboratório; * Preferia o cinema ou a estação de repouso, em companhia de Eleutério; “Minha vida doméstica, antes tão feliz, passou a ser de solidão assaz amarga, que eu tentava iludir com o trabalho persistente e honesto”.
  • 10. A Doença Pequena borbulha na fossa nasal, que nunca me trouxera incômodos de qualquer natureza, depois de levemente ferida, tomou caráter de extrema gravidade.
  • 11. Soube então que fora vítima de odioso crime. Meu próprio irmão inspirou a trama. Sugeriu a Rosalina a ideia de aplicarem determinada cultura microbiana, que ele mesmo se incumbira de obter. A pobre companheira não vacilou, e, Valendo-se do meu sono descuidado, Introduziu na minúscula espinha nasal, algo ferida, o vírus destruidor
  • 12. Desencarne de Vicente Rosalina e Eleutério pareciam consternados e, até hoje, guardo a impressão de rever-lhes o olhar ansioso, no momento em que a neblina da morte me envolvia os olhos materiais.
  • 13. Depois de algum tempo de tristes perturbações nas zonas inferiores, quando já me encontrava restabelecido em “nosso lar”, voltando ao lar terreno, encontrei Rosalina e Eleutério em segundas núpcias.
  • 14. • Vicente não demonstra nenhum rancor ou raiva deles, muito ao contrário mostra que quer ajudá-los. • André pergunta sobre a justiça e ele diz que tudo vem a seu tempo, ou seja tudo aquilo que fizermos em nossas vidas, vamos arcar com as consequências um dia 14
  • 15. Todos nós passamos por situações dificeis na vida, mas, quando nossas condutas omitem a verdade não quer dizer que as nossas vítimas não vem saber a verdade, e cedo ou tarde nós estaremos diante delas; > Já pensaram na vergonha de Rosalinda e Eleutério quando desencarnarem? > Já pensaram como Vicente irá ajudar a ex-esposa assassina ou cúmplice com seu irmão que ganhou a casa para ali se hospedar e desfrutar a felicidade juntamente com seu irmão? > Já pensaram que mesmo depois de terem sido algozes a vítima se dispôs a ajudá-los e buscou ampará-los 15
  • 16. • Por isso que é importante nos lembrarmos perdão que Jesus nos fala que você ajude as pessoas que te fizeram o mal e que carregam esse mal como uma prisão aonde eles forem. • podem ser felizes, ricas, mais vai chegar o dia em que eles terão que voltar para o lado da verdade e aí eles estarão diante de suas atitudes, do crime, o erro vai acompanhar aquele que errou, é importante que não nos esqueçamos disso. 16
  • 18. • Esse capítulo é a expressão daquilo que todos nós vamos enfrentar. Por isso que o Evangelho e a doutrina Espírita é tão clara em nos afirmar da necessidade de nós aproveitarmos o tempo fazendo o bem, de nós não criarmos inimizades, de nós diminuirmos as disputas, de sermos criaturas mais fraternas umas com as outras, não fazer o sofrimento dos outros. • porque nós seremos responsáveis mesmo que os outros desculpem, porque aquele que faz o mal demonstra uma fraqueza de caráter, demonstra os defeitos que precisam ser corrigidos, enquanto que aquele que esqueceu o mal já demonstra uma nobreza própria, de Espíritos que já evoluiram nesta área. 18
  • 19. • Os fatos narrados fazem parte dessa tragédia humana das frustações amorosas, das traições afetivas, daquele(as) que nós seduzimos e depois jogamos fora. • não brinquemos com a afetividade, sejamos limpos, claros, autênticos e honestos porque certamente isto vai nos privar de muitos sofrimentos nesta vida , mais principalmente depois dela. 19