SlideShare uma empresa Scribd logo
OS MENSAGEIROS
CAPITULO 1
RENOVAÇÃO
Cap.1 –
Renovação
"Desligando-me dos laços inferiores que me
prendiam às atividades terrestres, elevado
entendimento felicitou-me o espírito. Semelhante
libertação, contudo, não se fizera espontânea. Sabia,
no fundo, quanto me custara abandonar a paisagem
doméstica, suportar a incompreensão da esposa e a
divergência dos filhos amados. Guardava a certeza
de que amigos espirituais, abnegados e poderosos,
me haviam a auxiliado a alma pobre e imperfeita, na
grande transição.
Dantes vivia à feição do caramujo
segregado na concha, impermeável aos
grandiosos espetáculos da natureza,
rastejando no lodo...
Foi assim que, eminentemente surpreendido,
observei minha própria transformação, no curso
dos acontecimentos."
Somente agora, percebia quão distanciado
vivera das leis sublimes que regem a evolução
das criaturas.
Até então, vivera em “Nosso Lar” como
hóspede enfermo de um palácio brilhante, tão
extremamente preocupado comigo mesmo, que
me tornara incapaz de anotar deslumbramentos
e maravilhas.
Convencia- me que a dor agira em minha
construção mental, a maneira do aluvião
(inundação, cheia, enchente, enxurrada) pesado, cujos golpes
eu não entendera de Pronto...
O alvião (picareta,enxada) quebrara a concha
de antigas viciações do sentimento...
Libertara- me. Expusera- me
o organismo espiritual ao
sol da bondade infinita...
Comecei a ver mais alto,
alçando longa
distância.
Passou a ver...
adversários Benfeitores
lar oficina
Ex-esposa e atual
marido
irmãos
filhos companheiros
Substituiu...
A curiosidade
Conversa elevada
Desejo de servir
Renovação
O outro lado do amor...
Compelido a destruir meus
castelos de exclusivismo injusto,
senti que outro amor se instalava
em minh’alma.
Órfão de afetos terrenos e
conformado com os
desígnios superiores que me
haviam traçado diverso rumo
ao destino, comecei a ouvir o
apelo profundo e divino, da
consciência universal.
O outro lado do amor...
...perdera totalmente a paixão pelos
assuntos de ordem menos digna.
As descrições dos enfermos, figuravam-
se-me desprovidas de maior interesse.
Não mais desejava informar-me da
procedência dos infelizes, não indagava
de suas aventuras nas zonas mais baixas.
Buscava irmãos necessitados.
Desejava saber em que lhes poderia ser
útil. Identificando essa profunda
transformação, falou-me Narcisa
certo dia:
8
Sei que você experimenta intraduzível alegria ao contato da
harmonia universal, após o abandono de suas criações
caprichosas, mas reconheço que, ao lado das rosas do júbilo,
defrontando os novos caminhos que se descerram para sua
esperança, há espinhos de tédio nas margens das velhas
estradas inferiores que você vai deixando para trás.
Seu coração é uma taça iluminada aos raios do alvorecer
divino, mas vazia dos sentimentos do mundo, que a
encheram por séculos consecutivos.
Não poderia, eu mesmo, formular tão exata definição do
meu estado espiritual.
Narcisa lhe disse que nessa fase de
renovação mental extremas dificuldades
espirituais nos assaltam o coração. Ela lhe
sugere a meditação no Evangelho de Jesus e o
empenho cada vez maior no serviço em prol
dos semelhantes.
“Todos nós somos portadores da planta do
Cristo, na terra do coração. (...) Quando
crescemos para o Senhor, seus ensinos
crescem igualmente aos nossos olhos. Vamos
fazer o bem, meu caro! Encha seu cálice com
o bálsamo do amor divino.” (Narcisa)
“... Quando o homem desperta para os sentimentos
superiores, verifica que as lições do Mestre têm vida
própria e revelam expressões desconhecidas da sua
inteligência, à medida que se esforça na edificação de
si mesmo, como instrumento do Pai.”
– Encha sua taça nas águas eternas daquele que
é o Doador Divino. Em períodos como o que você
atravessa, há mais facilidade para nos
desenvolvermos com êxito, se soubermos
aproveitar as oportunidades e o Evangelho de
Jesus não lhe parece mais que repositório de
ensinamentos comuns...
11
Narcisa tinha razão. Suprema alegria
inundava-me o espírito, ao lado de
incomensurável sensação de tédio,
quanto às situações da natureza
inferior.
Sentia-me liberto de pesados
grilhões, porém, não mais possuía o
lar, a esposa, os filhos amados.
Regressava frequentemente ao
círculo doméstico e aí trabalhava
pelo bem de todos, mas sem
qualquer estímulo. Minha devotada
amiga acertara. Meu coração era
bem um cálice luminoso, porém,
vazio. A definição comovera-me.
Coração vazio de
emoções humanas
Lembrando-se das
palavras de Narcisa...
“Você poderá aproveitar
os novos cursos de
serviço...Muitos
companheiros habilitam-
se a prestar concurso na
terra”...
Renovando os
propósitos
Introdução
Pensando desta forma, feliz e renovada, André é levado por
Tobias, seu companheiro de trabalho nas Câmeras de
Retificação, até Aniceto, nobre Instrutor no Ministério da
Comunicação.
Aprovado para ingressar no quadro de aprendizes, André Luiz
tem a oportunidade de conhecer o fascinante serviço de
formação de médiuns para fins de tarefas específicas na
Crosta.
Suprema alegria inundava-me o espírito, ao lado de
incomensurável sensação de tédio, quanto às situações da
natureza inferior. Regressava frequentemente ao círculo
doméstico e aí trabalhava pelo bem de todos, mas sem
qualquer estímulo. Meu coração era bem um cálice luminoso,
porém, vazio.
Conceito de tédio : O tédio é um
sentimento humano, um estado de
falta de estímulo e sensação de
enfado, de aborrecimento ou
cansaço, causada por algo árido,
estupido, por sensação de desgosto,
ou vazio sem causas objetivas claras;
é um enfado, fastio, melancolia,
tristeza, um vazio existencial ...
O que fazer nestas horas tão difíceis e críticas? Insistiremos com
a rotina? Chutamos o balde e abandonamos tudo?
Procuraremos a ajuda de algum irmão com maior maturidade
espiritual?
a apatia é umas das piores coisas na vida
“Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos
vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida?
Evangelho Segundo Espiritismo - Melancolia
A melancolia segundo os Espíritos
Impressiona, a atualidade das obras fundamentais do
Espiritismo. Revela conceitos de uma profundidade filosófica e
psicológica que vão ao encontro dos conflitos existenciais de
nossos dias.
Um exemplo está na mensagem “A melancolia”, O Evangelho
segundo o Espiritismo; onde essa página psicológica o Espírito
François de Genéve, se dedica a caracterizar a melancolia
delineando as marcas que deixa na alma, sua causa espiritual e
apresenta também estratégias de superação desse sentimento,
concitando o seu portador ao uso enérgico da vontade para
escapar do estado de prostração que a melancolia deixa naquele
que a cultiva.
... caracteriza a melancolia como um sentimento de tristeza que
levando o indivíduo a identificar a vida com amargor. Em se
demorando nessa postura sombria, pode-se cair na apatia,
lassidão e profundo abatimento sob o domínio da alma triste.
Nessa condição, julgamo-nos por demais infelizes.
Desse modo, diante da “opressão” dos desafios da vida
corpórea nos sentimos abafados em nossas possibilidades e a
realidade extrafísica pode parecer mais atrativa por força do
que a respeito dela trazemos nos arcanos do inconsciente.
Contudo, o Espírito não deixa de considerar que a aspiração por
liberdade é comum no Espírito reencarnado. As condições
existenciais concretas em que vivemos nos fazem desejar,
inconscientemente, o gozo da liberdade espiritual, na ânsia de
afastarmo-nos dos problemas que enfrentamos, nada obstante,
o fato de que estes não passem de provas e expiações no roteiro
do nosso progresso espiritual,
Mas.... a morte não elimina as dores da alma. Allan Kardec,
pioneiro dos estudos psicológicos a luz da Ciência Espírita
pôde registrou na obra O Céu e o Inferno em que cada qual
vive.
O homem é assim o árbitro constante de sua própria sorte. Ele
pode aliviar o seu suplício ou prolongá-lo indefinidamente.
Sua felicidade ou sua desgraça dependem da sua vontade de
fazer o bem. Allan Kardec.
Pensando desta forma, feliz e renovada, André é levado por
Tobias, seu companheiro de trabalho nas Câmeras de
Retificação, até Aniceto, para novas tarefas que viriam....
Deve ficar evidente que precisamos verificar o nível de
tristeza que nos invade, se está relacionada com o
constrangimento que o corpo estabelece ao Espírito ou se
estamos experimentando um sentimento oriundo de dores
morais edificadas por nós, cabendo-nos o trabalho pessoal
de superação dessa mazela.
A atitude de André no momento decisivo de sua vida,
quando viu-se esquecido pela família que amava, foi de
compreensão e auxilio.
Reflita: Como seria seu destino se não se conformasse
com a situação e se revoltasse?
Renovação
Todo aquele que está em Cristo é uma
nova criatura. Passou o que era velho;
eis que tudo se fez novo! (II Coríntios
5:17)
André Luiz alcançou a renovação mental pelas atitudes
no Bem e no Amor que adotou em seu antigo lar. A sua
renovação propiciou ser um cidadão de Nosso Lar,
abrindo novos caminhos junto aos Mensageiros.
Renovação é crescimento, libertação e perdão. Renovar-
se não é lutar contra si, mas conquistar novos valores,
crenças e pensamentos que o levam a ser melhor.
Renovação
Todo aquele que está em Cristo é uma
nova criatura. Passou o que era velho;
eis que tudo se fez novo! (II Coríntios
5:17)
Quem se renova alcança a maior das conquistas: o
prazer de viver. Pense em Jesus, em Deus que concede
a cada amanhecer novas oportunidades de vida e
crescimento, agradeça por um novo dia; podendo hoje
ser nova criatura. Que Jesus ilumine os nossos
pensamentos e abençoa os nossos caminhos no Bem;
vivamos o de dia de hoje com esperança e alegria,
olhando as pessoas com amor, compreensão e
bondade.
22
23
Têm-se procurado processos para a formação de médiuns,
como se têm buscado diagnóstico para a mediunidade.
É importante, porém, que procuremos a orientação
nitidamente espírita, esclarecedora e segura, a fim de que o
desenvolvimento da mediunidade se efetue normal e
equilibradamente e, ainda, de que o médium se desenvolva
com conhecimento de causa, para evitar os percalços e os
desenganos.
24
A pessoa que se apresenta candidata a médium deve, antes
de tudo, verificar se possui a faculdade, através de
indicações que poderão ser caracterizados como sintomas
de mediunidade, é importante saber que estes sinais não
são uniformes, mas se apresentam de múltiplas maneiras e,
apenas por eles não se pode diagnosticar a existência da
faculdade, com certeza absoluta.
25
Não se pode, só pelos sinais, afirmar “a priori” que alguém
possui este ou aquele tipo de faculdade.
Só a experimentação perseverante, sensata e desprovida de
condicionamentos, poderá confirmar ou não o
desabrochamento de uma faculdade.
26
Muito importante é que, no caso de suspeita de
mediunidade, o candidato a médium recorra a meios
seguros, em locais que lhe inspirem segurança e certeza da
real prática mediúnica espírita, pois uma faculdade em vias
de desenvolvimento requer boa orientação.
Quando mal orientada, torna-se canal de perturbação.
27
“O desejo, natural de todo aspirante a médium é o de poder
confabular com o Espírito das pessoas que lhe são caras; deve,
porém, moderar a sua impaciência, porquanto a comunicação
com determinado Espírito apresenta muitas vezes dificuldades
materiais que a tornam impossível ao principiante.
“Trata-se de obstáculos resultantes da própria organização
mediúnica em desdobramento e das condições espirituais
da entidade. Daí o não aconselhamento da evocação
ostensiva de certos Espíritos, deixando aos Orientadores
Espirituais o auxílio ao desenvolvimento da faculdade do
médium.
28
Lembramos que a manifestação dos Espíritos atende a
condições gerais e específicas. Assim, para que um Espírito
possa comunicar-se é preciso que haja entre ele e o
médium relações fluídicas, que nem sempre se
estabelecem instantaneamente.
Só à medida que a faculdade se desenvolve é que o
médium adquire, pouco a pouco, a aptidão necessária para
pôr-se em comunicação com o Espírito que se apresente.
29
Pode dar-se, pois, que aquele com quem o médium deseja
comunicar-se não esteja em condições propícias a fazê-lo,
embora se ache presente, como também pode acontecer
que não tenha possibilidade nem permissão para acudir ao
chamado que lhe é dirigido.
30
Como pré-requisito essencial, para o desenvolvimento, diz-
nos Kardec: “no médium aprendiz, a fé não é condição
rigorosa. Sem dúvida” — prossegue — “secunda-Ihe os
esforços, mas não é indispensável; a pureza de intenção, o
desejo e a boa vontade bastam.
Têm-se visto pessoas inteiramente incrédulas ficarem
espantadas de escrever a seu mau grado, enquanto que
crentes sinceros não o conseguem, o que prova que esta
faculdade se prende a uma disposição orgânica”.
31
Por outro lado, o desenvolvimento mediúnico dentro de um
grupo organizado para tal fim apresenta uma série de
condições favoráveis.
“Os que se reúnem com um intento comum formam em
todo o coletivo, cuja forca e sensibilidade se encontram
acrescidas por uma espécie de influência magnética”, que
satura o ambiente de fluidos propícios e, “entre os Espíritos
atraídos por esse recurso de vontades, estarão,
provavelmente, alguns que descobrirão nos assinantes o
instrumento que lhes convenha.
32
“Evitemos as sessões espíritas nos lares. A organização
espiritual não se improvisa”.
O ambiente do Centro Espírita está em permanente ação e
é formado como posto de socorro diverso, sob a orientação
e desempenho dos bons Espíritos.
33
Para que o futuro médium se desenvolva consciente e
adequadamente, é fundamental que se empenhe no
conhecimento através do estudo.
Mesmo com a faculdade desenvolvida, jamais poderá “crer-
se dispensado de qualquer instrução mais, porquanto
apenas terá vencido uma resistência material. Do ponto a
que chegou é que começam as verdadeiras dificuldades, só
que ele mais do que nunca precisa dos conselhos da
prudência e da experiência, se não quiser cair nas mil
armadilhas que lhe vão ser preparadas.
Se pretender muito cedo voar com suas próprias asas, não
tardará em ser vítima de Espíritos mentirosos, que
procurarão lhe explorar a presunção”.
34
“Uma vez desenvolvida a faculdade, é essencial que o médium
não abuse dela. Deve lembrar-se de que ela lhe foi dada para o
bem e não, para a satisfação e vã curiosidade.
Convém, portanto, que só se utilize dela nas ocasiões
oportunas e não, a todo momento. Adotemos o sistema de só
trabalhar em dias e horas determinados, porque assim se
entregará ao trabalho em condições de maior recolhimento e
os Espíritos que o queriam auxiliar, estando prevenidos, se
disporão a prestar esse auxílio”.
35
Sob o ponto de vista espírita, a mediunidade é uma
iniciação religiosa das mais sérias; é um mandato que nos é
outorgado pela Espiritualidade Superior, a fim de ser
fielmente desempenhado.
36
Dessa forma o aspirante à mediunidade, à luz da Doutrina
Espírita, deve partir da conscientização de seus
ensinamentos e esforçar-se desde o início de sua formação
e informação mediúnica, por ser um ESPÍRITA-CRISTÃO.
37
“Revisão e reconstrução dos hábitos, permutando os vícios
por virtudes legitimamente cristãs que são as únicas que
sobreviverão eternamente e que nos abrirão as portas de
planos mais elevados que os atuais”.
38
Dentro destes critérios de desenvolvimento da
mediunidade, mesmo que nenhuma faculdade venha
desabrochar, tenhamos certeza de que nós estaremos
desenvolvendo espiritualmente e capacitando-nos para
verdadeira mediunidade com Jesus — a Mediunidade do
Bem.
39
ROTEIRO:
DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO
AIIan Kardec
“Livro dos Médiuns”
2ª. parte, cap. Vll, itens
208,209,211,217 e 218
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 01 Renovação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Jose Luiz Maio
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Jose Luiz Maio
 
O argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap xO argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap x
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
Patricia Farias
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Danilo Galvão
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
Graça Maciel
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Patricia Farias
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Patricia Farias
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Patricia Farias
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
Ricardo Azevedo
 
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
Divulgador do Espiritismo
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
Sergio Rodriguez
 
A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
igmateus
 

Mais procurados (20)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavioEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 07 A queda de otavio
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 07 A queda de otavio
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obraEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  Apresentação da obra
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros Apresentação da obra
 
O argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap xO argueiro e a trave no olho cap x
O argueiro e a trave no olho cap x
 
Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01Os Mensageiros - Capítulo 01
Os Mensageiros - Capítulo 01
 
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dorTormentos voluntários - Quando buscamos a dor
Tormentos voluntários - Quando buscamos a dor
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso VicenteOs Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
Os Mensageiros - Capitulo 04 - O Caso Vicente
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de AdelinoOs Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
Os Mensageiros - Cap 08 O Desatre de Adelino
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces Cap. 28 - Coletänea de Preces
Cap. 28 - Coletänea de Preces
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
 
Palestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciênciaPalestra Espírita - A paciência
Palestra Espírita - A paciência
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
 
A afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a DoçuraA afabilidade e a Doçura
A afabilidade e a Doçura
 

Destaque

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Jose Luiz Maio
 
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
carlos freire
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Jose Luiz Maio
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Jose Luiz Maio
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
Patricia Farias
 
André luiz-prece
André luiz-preceAndré luiz-prece
André luiz-prece
Val Ruas
 
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
Jorge Luiz dos Santos
 
Andre luiz chico xavier - no mundo maior
Andre luiz   chico xavier - no mundo maiorAndre luiz   chico xavier - no mundo maior
Andre luiz chico xavier - no mundo maior
havatar
 
Voltei
VolteiVoltei
Consolas de jogo1
Consolas de jogo1Consolas de jogo1
Consolas de jogo1
sandra soares
 
Evangelho no lar_-_evangelizaçâo
Evangelho no lar_-_evangelizaçâoEvangelho no lar_-_evangelizaçâo
Evangelho no lar_-_evangelizaçâo
Alice Lirio
 
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Patricia Farias
 
Evangelho no lar
Evangelho no lar Evangelho no lar
Evangelho no lar
Maria Moraes
 

Destaque (14)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentaisEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  01 conceitos fundamentais
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros 01 conceitos fundamentais
 
Contribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre LuizContribuições de Andre Luiz
Contribuições de Andre Luiz
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23Estudando André Luiz   Nosso Lar cap. 01 a 23
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 01 a 23
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50Estudando André Luiz   Nosso Lar cap.  34 a 50
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 34 a 50
 
Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30Livro - Os Mensageiros cap 30
Livro - Os Mensageiros cap 30
 
André luiz-prece
André luiz-preceAndré luiz-prece
André luiz-prece
 
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
ANDRÉ LUIZ "Despertar da Ilusão"
 
Andre luiz chico xavier - no mundo maior
Andre luiz   chico xavier - no mundo maiorAndre luiz   chico xavier - no mundo maior
Andre luiz chico xavier - no mundo maior
 
Voltei
VolteiVoltei
Voltei
 
Consolas de jogo1
Consolas de jogo1Consolas de jogo1
Consolas de jogo1
 
Evangelho no lar_-_evangelizaçâo
Evangelho no lar_-_evangelizaçâoEvangelho no lar_-_evangelizaçâo
Evangelho no lar_-_evangelizaçâo
 
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1Obreiros da Vida Eterna - cap 1
Obreiros da Vida Eterna - cap 1
 
Evangelho no lar
Evangelho no lar Evangelho no lar
Evangelho no lar
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação

Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
CEENA_SS
 
2 os mensageiros-1944
2 os mensageiros-19442 os mensageiros-1944
2 os mensageiros-1944
paulasa pin
 
Os mensageiros
Os mensageirosOs mensageiros
Voltei irmão jacob
Voltei irmão jacobVoltei irmão jacob
Voltei irmão jacob
Antonio SSantos
 
Voltei irmao jacob
Voltei irmao jacobVoltei irmao jacob
Boletim o pae dezembro 2019
Boletim o pae   dezembro 2019 Boletim o pae   dezembro 2019
Boletim o pae dezembro 2019
O PAE PAE
 
Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013
Fatima Carvalho
 
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
Anderson Santos
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
livroparabaixar
 
Lar br
Lar brLar br
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda... Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Tiburcio Santos
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
Helio Cruz
 
Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14
Candice Gunther
 
ceifadeluz.pdf
ceifadeluz.pdfceifadeluz.pdf
ceifadeluz.pdf
IsabelCristina28370
 
Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04
MRS
 
A razão da dor
A razão da dorA razão da dor
A razão da dor
Helio Cruz
 
Bem aventuradososquetemosolhosfechados
Bem aventuradososquetemosolhosfechadosBem aventuradososquetemosolhosfechados
Bem aventuradososquetemosolhosfechados
Magali ..
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
CEJG
 
Adversidades da vida
Adversidades da vidaAdversidades da vida
Adversidades da vida
Helio Cruz
 
Spinoza
Spinoza Spinoza
Spinoza
grupodepais
 

Semelhante a Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação (20)

Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
Estudo André Luiz - Capítulos 1 e 2
 
2 os mensageiros-1944
2 os mensageiros-19442 os mensageiros-1944
2 os mensageiros-1944
 
Os mensageiros
Os mensageirosOs mensageiros
Os mensageiros
 
Voltei irmão jacob
Voltei irmão jacobVoltei irmão jacob
Voltei irmão jacob
 
Voltei irmao jacob
Voltei irmao jacobVoltei irmao jacob
Voltei irmao jacob
 
Boletim o pae dezembro 2019
Boletim o pae   dezembro 2019 Boletim o pae   dezembro 2019
Boletim o pae dezembro 2019
 
Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013Transformacao interior e regeneracao 2013
Transformacao interior e regeneracao 2013
 
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
Seminário Paulo e Estevão 5 de maio 2013
 
Missionarios da luz
Missionarios da luzMissionarios da luz
Missionarios da luz
 
Lar br
Lar brLar br
Lar br
 
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda... Palestra ESE13 que a mão esquerda...
Palestra ESE13 que a mão esquerda...
 
Entusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidadeEntusiasmo e responsabilidade
Entusiasmo e responsabilidade
 
Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14Estudo do livro Roteiro lição 14
Estudo do livro Roteiro lição 14
 
ceifadeluz.pdf
ceifadeluz.pdfceifadeluz.pdf
ceifadeluz.pdf
 
Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04Resenha de estudos espiritas 04
Resenha de estudos espiritas 04
 
A razão da dor
A razão da dorA razão da dor
A razão da dor
 
Bem aventuradososquetemosolhosfechados
Bem aventuradososquetemosolhosfechadosBem aventuradososquetemosolhosfechados
Bem aventuradososquetemosolhosfechados
 
Boletim 85
Boletim 85Boletim 85
Boletim 85
 
Adversidades da vida
Adversidades da vidaAdversidades da vida
Adversidades da vida
 
Spinoza
Spinoza Spinoza
Spinoza
 

Último

Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (16)

Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 01 Renovação

  • 2. Cap.1 – Renovação "Desligando-me dos laços inferiores que me prendiam às atividades terrestres, elevado entendimento felicitou-me o espírito. Semelhante libertação, contudo, não se fizera espontânea. Sabia, no fundo, quanto me custara abandonar a paisagem doméstica, suportar a incompreensão da esposa e a divergência dos filhos amados. Guardava a certeza de que amigos espirituais, abnegados e poderosos, me haviam a auxiliado a alma pobre e imperfeita, na grande transição.
  • 3. Dantes vivia à feição do caramujo segregado na concha, impermeável aos grandiosos espetáculos da natureza, rastejando no lodo... Foi assim que, eminentemente surpreendido, observei minha própria transformação, no curso dos acontecimentos." Somente agora, percebia quão distanciado vivera das leis sublimes que regem a evolução das criaturas. Até então, vivera em “Nosso Lar” como hóspede enfermo de um palácio brilhante, tão extremamente preocupado comigo mesmo, que me tornara incapaz de anotar deslumbramentos e maravilhas.
  • 4. Convencia- me que a dor agira em minha construção mental, a maneira do aluvião (inundação, cheia, enchente, enxurrada) pesado, cujos golpes eu não entendera de Pronto... O alvião (picareta,enxada) quebrara a concha de antigas viciações do sentimento... Libertara- me. Expusera- me o organismo espiritual ao sol da bondade infinita... Comecei a ver mais alto, alçando longa distância.
  • 5. Passou a ver... adversários Benfeitores lar oficina Ex-esposa e atual marido irmãos filhos companheiros Substituiu... A curiosidade Conversa elevada Desejo de servir Renovação
  • 6. O outro lado do amor... Compelido a destruir meus castelos de exclusivismo injusto, senti que outro amor se instalava em minh’alma. Órfão de afetos terrenos e conformado com os desígnios superiores que me haviam traçado diverso rumo ao destino, comecei a ouvir o apelo profundo e divino, da consciência universal.
  • 7. O outro lado do amor... ...perdera totalmente a paixão pelos assuntos de ordem menos digna. As descrições dos enfermos, figuravam- se-me desprovidas de maior interesse. Não mais desejava informar-me da procedência dos infelizes, não indagava de suas aventuras nas zonas mais baixas. Buscava irmãos necessitados. Desejava saber em que lhes poderia ser útil. Identificando essa profunda transformação, falou-me Narcisa certo dia:
  • 8. 8 Sei que você experimenta intraduzível alegria ao contato da harmonia universal, após o abandono de suas criações caprichosas, mas reconheço que, ao lado das rosas do júbilo, defrontando os novos caminhos que se descerram para sua esperança, há espinhos de tédio nas margens das velhas estradas inferiores que você vai deixando para trás. Seu coração é uma taça iluminada aos raios do alvorecer divino, mas vazia dos sentimentos do mundo, que a encheram por séculos consecutivos. Não poderia, eu mesmo, formular tão exata definição do meu estado espiritual.
  • 9. Narcisa lhe disse que nessa fase de renovação mental extremas dificuldades espirituais nos assaltam o coração. Ela lhe sugere a meditação no Evangelho de Jesus e o empenho cada vez maior no serviço em prol dos semelhantes. “Todos nós somos portadores da planta do Cristo, na terra do coração. (...) Quando crescemos para o Senhor, seus ensinos crescem igualmente aos nossos olhos. Vamos fazer o bem, meu caro! Encha seu cálice com o bálsamo do amor divino.” (Narcisa)
  • 10. “... Quando o homem desperta para os sentimentos superiores, verifica que as lições do Mestre têm vida própria e revelam expressões desconhecidas da sua inteligência, à medida que se esforça na edificação de si mesmo, como instrumento do Pai.” – Encha sua taça nas águas eternas daquele que é o Doador Divino. Em períodos como o que você atravessa, há mais facilidade para nos desenvolvermos com êxito, se soubermos aproveitar as oportunidades e o Evangelho de Jesus não lhe parece mais que repositório de ensinamentos comuns...
  • 11. 11 Narcisa tinha razão. Suprema alegria inundava-me o espírito, ao lado de incomensurável sensação de tédio, quanto às situações da natureza inferior. Sentia-me liberto de pesados grilhões, porém, não mais possuía o lar, a esposa, os filhos amados. Regressava frequentemente ao círculo doméstico e aí trabalhava pelo bem de todos, mas sem qualquer estímulo. Minha devotada amiga acertara. Meu coração era bem um cálice luminoso, porém, vazio. A definição comovera-me. Coração vazio de emoções humanas
  • 12. Lembrando-se das palavras de Narcisa... “Você poderá aproveitar os novos cursos de serviço...Muitos companheiros habilitam- se a prestar concurso na terra”... Renovando os propósitos
  • 13. Introdução Pensando desta forma, feliz e renovada, André é levado por Tobias, seu companheiro de trabalho nas Câmeras de Retificação, até Aniceto, nobre Instrutor no Ministério da Comunicação. Aprovado para ingressar no quadro de aprendizes, André Luiz tem a oportunidade de conhecer o fascinante serviço de formação de médiuns para fins de tarefas específicas na Crosta.
  • 14. Suprema alegria inundava-me o espírito, ao lado de incomensurável sensação de tédio, quanto às situações da natureza inferior. Regressava frequentemente ao círculo doméstico e aí trabalhava pelo bem de todos, mas sem qualquer estímulo. Meu coração era bem um cálice luminoso, porém, vazio. Conceito de tédio : O tédio é um sentimento humano, um estado de falta de estímulo e sensação de enfado, de aborrecimento ou cansaço, causada por algo árido, estupido, por sensação de desgosto, ou vazio sem causas objetivas claras; é um enfado, fastio, melancolia, tristeza, um vazio existencial ...
  • 15. O que fazer nestas horas tão difíceis e críticas? Insistiremos com a rotina? Chutamos o balde e abandonamos tudo? Procuraremos a ajuda de algum irmão com maior maturidade espiritual? a apatia é umas das piores coisas na vida “Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida? Evangelho Segundo Espiritismo - Melancolia A melancolia segundo os Espíritos Impressiona, a atualidade das obras fundamentais do Espiritismo. Revela conceitos de uma profundidade filosófica e psicológica que vão ao encontro dos conflitos existenciais de nossos dias.
  • 16. Um exemplo está na mensagem “A melancolia”, O Evangelho segundo o Espiritismo; onde essa página psicológica o Espírito François de Genéve, se dedica a caracterizar a melancolia delineando as marcas que deixa na alma, sua causa espiritual e apresenta também estratégias de superação desse sentimento, concitando o seu portador ao uso enérgico da vontade para escapar do estado de prostração que a melancolia deixa naquele que a cultiva. ... caracteriza a melancolia como um sentimento de tristeza que levando o indivíduo a identificar a vida com amargor. Em se demorando nessa postura sombria, pode-se cair na apatia, lassidão e profundo abatimento sob o domínio da alma triste. Nessa condição, julgamo-nos por demais infelizes.
  • 17. Desse modo, diante da “opressão” dos desafios da vida corpórea nos sentimos abafados em nossas possibilidades e a realidade extrafísica pode parecer mais atrativa por força do que a respeito dela trazemos nos arcanos do inconsciente. Contudo, o Espírito não deixa de considerar que a aspiração por liberdade é comum no Espírito reencarnado. As condições existenciais concretas em que vivemos nos fazem desejar, inconscientemente, o gozo da liberdade espiritual, na ânsia de afastarmo-nos dos problemas que enfrentamos, nada obstante, o fato de que estes não passem de provas e expiações no roteiro do nosso progresso espiritual, Mas.... a morte não elimina as dores da alma. Allan Kardec, pioneiro dos estudos psicológicos a luz da Ciência Espírita pôde registrou na obra O Céu e o Inferno em que cada qual vive.
  • 18. O homem é assim o árbitro constante de sua própria sorte. Ele pode aliviar o seu suplício ou prolongá-lo indefinidamente. Sua felicidade ou sua desgraça dependem da sua vontade de fazer o bem. Allan Kardec. Pensando desta forma, feliz e renovada, André é levado por Tobias, seu companheiro de trabalho nas Câmeras de Retificação, até Aniceto, para novas tarefas que viriam.... Deve ficar evidente que precisamos verificar o nível de tristeza que nos invade, se está relacionada com o constrangimento que o corpo estabelece ao Espírito ou se estamos experimentando um sentimento oriundo de dores morais edificadas por nós, cabendo-nos o trabalho pessoal de superação dessa mazela.
  • 19. A atitude de André no momento decisivo de sua vida, quando viu-se esquecido pela família que amava, foi de compreensão e auxilio. Reflita: Como seria seu destino se não se conformasse com a situação e se revoltasse?
  • 20. Renovação Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho; eis que tudo se fez novo! (II Coríntios 5:17) André Luiz alcançou a renovação mental pelas atitudes no Bem e no Amor que adotou em seu antigo lar. A sua renovação propiciou ser um cidadão de Nosso Lar, abrindo novos caminhos junto aos Mensageiros. Renovação é crescimento, libertação e perdão. Renovar- se não é lutar contra si, mas conquistar novos valores, crenças e pensamentos que o levam a ser melhor.
  • 21. Renovação Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho; eis que tudo se fez novo! (II Coríntios 5:17) Quem se renova alcança a maior das conquistas: o prazer de viver. Pense em Jesus, em Deus que concede a cada amanhecer novas oportunidades de vida e crescimento, agradeça por um novo dia; podendo hoje ser nova criatura. Que Jesus ilumine os nossos pensamentos e abençoa os nossos caminhos no Bem; vivamos o de dia de hoje com esperança e alegria, olhando as pessoas com amor, compreensão e bondade.
  • 22. 22
  • 23. 23 Têm-se procurado processos para a formação de médiuns, como se têm buscado diagnóstico para a mediunidade. É importante, porém, que procuremos a orientação nitidamente espírita, esclarecedora e segura, a fim de que o desenvolvimento da mediunidade se efetue normal e equilibradamente e, ainda, de que o médium se desenvolva com conhecimento de causa, para evitar os percalços e os desenganos.
  • 24. 24 A pessoa que se apresenta candidata a médium deve, antes de tudo, verificar se possui a faculdade, através de indicações que poderão ser caracterizados como sintomas de mediunidade, é importante saber que estes sinais não são uniformes, mas se apresentam de múltiplas maneiras e, apenas por eles não se pode diagnosticar a existência da faculdade, com certeza absoluta.
  • 25. 25 Não se pode, só pelos sinais, afirmar “a priori” que alguém possui este ou aquele tipo de faculdade. Só a experimentação perseverante, sensata e desprovida de condicionamentos, poderá confirmar ou não o desabrochamento de uma faculdade.
  • 26. 26 Muito importante é que, no caso de suspeita de mediunidade, o candidato a médium recorra a meios seguros, em locais que lhe inspirem segurança e certeza da real prática mediúnica espírita, pois uma faculdade em vias de desenvolvimento requer boa orientação. Quando mal orientada, torna-se canal de perturbação.
  • 27. 27 “O desejo, natural de todo aspirante a médium é o de poder confabular com o Espírito das pessoas que lhe são caras; deve, porém, moderar a sua impaciência, porquanto a comunicação com determinado Espírito apresenta muitas vezes dificuldades materiais que a tornam impossível ao principiante. “Trata-se de obstáculos resultantes da própria organização mediúnica em desdobramento e das condições espirituais da entidade. Daí o não aconselhamento da evocação ostensiva de certos Espíritos, deixando aos Orientadores Espirituais o auxílio ao desenvolvimento da faculdade do médium.
  • 28. 28 Lembramos que a manifestação dos Espíritos atende a condições gerais e específicas. Assim, para que um Espírito possa comunicar-se é preciso que haja entre ele e o médium relações fluídicas, que nem sempre se estabelecem instantaneamente. Só à medida que a faculdade se desenvolve é que o médium adquire, pouco a pouco, a aptidão necessária para pôr-se em comunicação com o Espírito que se apresente.
  • 29. 29 Pode dar-se, pois, que aquele com quem o médium deseja comunicar-se não esteja em condições propícias a fazê-lo, embora se ache presente, como também pode acontecer que não tenha possibilidade nem permissão para acudir ao chamado que lhe é dirigido.
  • 30. 30 Como pré-requisito essencial, para o desenvolvimento, diz- nos Kardec: “no médium aprendiz, a fé não é condição rigorosa. Sem dúvida” — prossegue — “secunda-Ihe os esforços, mas não é indispensável; a pureza de intenção, o desejo e a boa vontade bastam. Têm-se visto pessoas inteiramente incrédulas ficarem espantadas de escrever a seu mau grado, enquanto que crentes sinceros não o conseguem, o que prova que esta faculdade se prende a uma disposição orgânica”.
  • 31. 31 Por outro lado, o desenvolvimento mediúnico dentro de um grupo organizado para tal fim apresenta uma série de condições favoráveis. “Os que se reúnem com um intento comum formam em todo o coletivo, cuja forca e sensibilidade se encontram acrescidas por uma espécie de influência magnética”, que satura o ambiente de fluidos propícios e, “entre os Espíritos atraídos por esse recurso de vontades, estarão, provavelmente, alguns que descobrirão nos assinantes o instrumento que lhes convenha.
  • 32. 32 “Evitemos as sessões espíritas nos lares. A organização espiritual não se improvisa”. O ambiente do Centro Espírita está em permanente ação e é formado como posto de socorro diverso, sob a orientação e desempenho dos bons Espíritos.
  • 33. 33 Para que o futuro médium se desenvolva consciente e adequadamente, é fundamental que se empenhe no conhecimento através do estudo. Mesmo com a faculdade desenvolvida, jamais poderá “crer- se dispensado de qualquer instrução mais, porquanto apenas terá vencido uma resistência material. Do ponto a que chegou é que começam as verdadeiras dificuldades, só que ele mais do que nunca precisa dos conselhos da prudência e da experiência, se não quiser cair nas mil armadilhas que lhe vão ser preparadas. Se pretender muito cedo voar com suas próprias asas, não tardará em ser vítima de Espíritos mentirosos, que procurarão lhe explorar a presunção”.
  • 34. 34 “Uma vez desenvolvida a faculdade, é essencial que o médium não abuse dela. Deve lembrar-se de que ela lhe foi dada para o bem e não, para a satisfação e vã curiosidade. Convém, portanto, que só se utilize dela nas ocasiões oportunas e não, a todo momento. Adotemos o sistema de só trabalhar em dias e horas determinados, porque assim se entregará ao trabalho em condições de maior recolhimento e os Espíritos que o queriam auxiliar, estando prevenidos, se disporão a prestar esse auxílio”.
  • 35. 35 Sob o ponto de vista espírita, a mediunidade é uma iniciação religiosa das mais sérias; é um mandato que nos é outorgado pela Espiritualidade Superior, a fim de ser fielmente desempenhado.
  • 36. 36 Dessa forma o aspirante à mediunidade, à luz da Doutrina Espírita, deve partir da conscientização de seus ensinamentos e esforçar-se desde o início de sua formação e informação mediúnica, por ser um ESPÍRITA-CRISTÃO.
  • 37. 37 “Revisão e reconstrução dos hábitos, permutando os vícios por virtudes legitimamente cristãs que são as únicas que sobreviverão eternamente e que nos abrirão as portas de planos mais elevados que os atuais”.
  • 38. 38 Dentro destes critérios de desenvolvimento da mediunidade, mesmo que nenhuma faculdade venha desabrochar, tenhamos certeza de que nós estaremos desenvolvendo espiritualmente e capacitando-nos para verdadeira mediunidade com Jesus — a Mediunidade do Bem.
  • 39. 39 ROTEIRO: DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO AIIan Kardec “Livro dos Médiuns” 2ª. parte, cap. Vll, itens 208,209,211,217 e 218