SlideShare uma empresa Scribd logo
O papel do professor nas diferentes  concepções de escola e educação escolar Prof. Donizete Soares
Educadores somos  todos  nós!
Todo professor é educador, mas nem todo educador é professor.
Professor é quem  professa um  saber .  ( declara, reconhece publicamente, confessa diante de todos )
Concepções ( modo de ver ou sentir, ponto de vista, entendimento, noção ) de escola  (lugar de descanso, repouso, lazer, tempo livre, estudo... ocupação voluntária de quem, por ser livre, não é obrigado a) e de educação escolar (espaço de transmissão da cultura escolar)
“ conjunto dos conteúdos cognitivos e simbólicos que selecionados, organizados, normalizados, rotinizados, sob efeito dos imperativos de didatização, constituem habitualmente o objeto de uma transmissão deliberada no contexto das escolas” FORQUIN, Jean-Claude.  Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar . Porto Alegre : Artes Médicas, 1993, p. 167 O que é  cultura escolar ?
São três as concepções atuais de escola e educação escolar: * redentora (salvadora da humanidade) * reprodutora (sistema de ensino = sistema social) * transformadora (a escola não muda a sociedade, mas a  sociedade não muda sem a escola)
Nos últimos 200 anos, observa-se o desenvolvimento de três tipos de teorias pedagogicas: * não críticas   (centradas no indivíduo) * crítico reprodutivistas (centradas no sistema) * críticas (centradas no coletivo) SAVIANI, Demerval.  Escola e Democracia . Campinas : Autores Associados. 2008.
Teorias não críticas * Pedagogia Tradicional /      Conservadora * Pedagogia da Escola Nova * Pedagogia Tecnicista
não críticas Tradicional / conservadora * objetivos: preparar  intelectual  e  moralmente  os  alunos para a vida em sociedade * conteúdos: saberes e valores sociais repassados aos  como  verdades absolutas * metodologia: exposição e demonstração  verbal  da  matéria * relações humanas:  autoridade  do professor que exige  atitude receptiva do aluno * aprendizagem:  receptiva  e  mecânica
Escola Nova * objetivo:  adequar  o indivíduo ao meio social e  formar atitudes * conteúdos: busca dos  próprios alunos * metodologia:  experiências  e  pesquisas * relações humanas: o centro é o aluno; o professor é  um  facilitador * aprendizagem: aprender é  modificar as  percepções da realidade não críticas
Tecnicista * objetivo:  modelar  o comportamento humano  através de técnicas específicas * conteúdos: informações ordenadas numa  sequência lógica e psicológica * metodologia: procedimentos e técnicas para a  transmissão  e  recepção de informações * relações humanas: o professor ( instrutor )  transmite informações e o aluno deve fixá-las * aprendizagem: a base é o  desempenho não críticas
Pedagogias crítico reprodutivistas * Aparelho Ideológico de Estado * Violência Simbólica * Escola Dualista
[object Object],[object Object],[object Object],crítico reprodutivistas A escola como Aparelho Ideológico do Estado
O grande instrumento do Estado é o Direito, isto é, o estabelecimento de leis que regulam as relações sociais em proveito dos dominantes. Através do Direito, o Estado aparece como legal, ou seja, como “Estado de direito”. “ Acreditamos portanto ter boas razões para afirmar que, por trás dos jogos de seu Aparelho Ideológico de Estado político, que ocupava o primeiro plano do palco, a burguesia estabeleceu como seu  Aparelho de Estado n° 1 , e portanto dominante, o aparelho escolar, que, na realidade, substitui o antigo aparelho ideológico de Estado dominante, a Igreja, em suas funções. Podemos acrescentar: o par Escola–Família substitui o par Igreja–Família.” “ (...) Contudo, neste concerto, há um Aparelho Ideológico de Estado que desempenha incontestavelmente o papel dominante, embora nem sempre se preste muita atenção à sua música: ela é de tal maneira silenciosa! Trata-se da Escola.
Desde a pré-primária, a Escola toma a seu cargo todas as crianças de todas as classes sociais, e a partir da Pré-Primária, inculca-lhes durante anos, os anos em que a criança está mais “vulnerável”, entalada entre o aparelho de Estado familiar e o aparelho de Estado Escola, “saberes práticos” (des savoir faire) envolvidos na ideologia dominante (o francês, o cálculo, a história, as ciências, a literatura), ou simplesmente, a ideologia dominante no estado puro (moral, instrução cívica, filosofia). Algures, por volta dos dezesseis anos, uma enorme massa de crianças cai “na produção”: são os operários ou os pequenos camponeses. A outra parte da juventude escolarizável continua: e seja como for faz um troço do caminho para cair sem chegar ao fim e preencher os postos dos quadros médios e pequenos, empregados, pequenos e médios funcionários, pequeno-burgueses de toda a espécie. Uma última parte consegue aceder aos cumes, quer para cair no semi-desemprego intelectual, quer para fornecer, além dos “intelectuais do trabalhador coletivo”, os agentes da exploração (capitalistas, managers), os agentes da repressão (militares, polícias, políticos, administradores) e os profissionais da ideologia (padres de toda a espécie, a maioria dos quais são “laicos” convencidos).
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
É claro, grande número destas Virtudes contrastadas (modéstia, resignação, submissão, por um lado, cinismo, desprezo, altivez, segurança, categoria, capacidade para bem-falar e habilidade) aprendem-se também nas Famílias, nas Igrejas, na Tropa, nos Livros, nos filmes e até nos estádios. Mas nenhum Aparelho Ideológico de Estado dispõe durante tanto tempo de audiência obrigatória (e ainda por cima gratuita...), 5 a 6 dias em 7 que tem a semana, à razão de 8 horas por dia, da totalidade das crianças da formação social capitalista.” (...) ALTHUSSER, Louis.  Aparelhos Ideológicos de Estado . Rio de Janeiro: Graal, 1998.
Há, basicamente, duas formas de violência: •  física : a que pode matar: ferimentos, golpes, roubos, crimes, vandalismo, droga, tráfico, violência sexual... •  simbólica ou institucional : a que se mostra nas relações de poder, na violência verbal entre professores e alunos, na discriminação indireta de gênero e de raça nas relações de trabalho, na adoção de políticas de Estado legitimadoras da exclusão, na imposição pela mídia de padrões culturais, na imposição da linguagem e do sotaque... Sistema de ensino enquanto violência simbólica crítico reprodutivistas
BOURDIEU, Pierre.  A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino.  Lisboa: Editorial Vega, 1978. A escola: trunfo da Reprodução Social •  O processo de  reprodução social  não acontece apenas sob a forma de coerção; é instaurado, buscado e vivenciado com o consentimento dos agentes nele envolvidos: embora não de forma consciente, dominados e dominantes envolvem-se  consentindo a dominação , estabelecendo uma relação permeada pela não consciência que oculta a violência simbólica. •  A dominação acontece por meio da  violência camuflada , dissimulada e, portanto, simbólica, e sua eficiência será maior quanto menor for a consciência dos agentes nela envolvidos. •  A escola é meio mais  eficaz  de validar esse processo de dominação.
•  Os agentes (emissores pedagógicos) são incumbidos de transmitir a cultura dominante como  algo natural  e inconcebível de se acontecer de outra maneira, utilizando-se da autoridade pedagógica e, assim, formam os indivíduos de acordo com o que está estabelecido pela cultura dominante. •  As resistências resultantes desse processo são aplacadas com  sanções , para que a adaptação aconteça e o indivíduo se “conscientize”, mesmo que sob coerção, de seu papel e da aceitação do arbitrário cultural. •  A reprodução é condição de  subsistência  das sociedades, sejam quais forem. •  Na sociedade capitalista, a reprodução deve ocorrer sob as bases da dominação que sustentam essa forma de organização social. •  A consolidação e a persistência do modelo social dependerão da  eficiência do processo  de reprodução e, consequentemente, de seus  instrumentos .
A Escola, então, •  é fundamental na formação do ser social por trabalhar com a  educação formal  do indivíduo •  torna-se eficiente na medida em que  dissimula as relações de dominação  e concede à ação pedagógica, pelo discurso da neutralidade, uma  legitimidade inquestionável •  obscurece a realidade e exclui o reconhecimento da sua força simbólica, concedendo uma  aparência natural  aos seus procedimentos, discursos e práticas na inculcação do arbitrário cultural •  tende a produzir o reconhecimento da  legitimidade da cultura dominante  (inculcação), do mesmo modo que o reconhecimento da  ilegitimidade de seu arbitrário cultural  (exclusão) •  não iguala as condições e diferenças dos indivíduos que nela chegam, mas  reforça e reproduz as diferenças  ao utilizar como parâmetro de saber transmissível a cultura dominante com todas as implicações sociais nela contidas (pseudoneutralidade)
[object Object],[object Object],[object Object],A escola dualista crítico reprodutivistas
Primária profissional – (PP) – para as classes dominadas Conteúdo: noções adquiridas no ensino primário, sempre revistas e repetidas; ligada ao concreto. Conteúdos culturais: mesma cultura mas de forma empobrecida e vulgarizada – o que dá à ideologia SS o caráter dominante. Secundária Superior (SS) – para a classe dominante Conteúdo: preparação para o ensino superior; preserva a abstração. Conteúdos Culturais: a própria da classe dominante; prepara os futuros agentes intérpretes dessa ideologia. BAUDELOT, C. y ESTABLET, R.  La escuela capitalista . México: Siglo Veintiuno, 1975.
Teorias críticas * Pedagogia Libertária * Pedagogia Libertadora * Pedagogia Histórico Crítica
críticas Pedagogia Libertária * objetivo: fortalecer o sujeito, visando a  construção  da Individualidade * conteúdos: apresentados, mas  não exigidos * metodologia: sempre em  grupo , visando a auto-gestão * relações humanas: o professor é  orientador ;  os alunos são livres  * aprendizagem: informal; aprende-se através  da  vivência grupal
críticas Pedagogia Libertadora * objetivo: busca a  transformação social * conteúdos:  temas geradores * metodologia:  grupos  de discussão * relações humanas: relação de  horizontalidade  * aprendizagem: resolução da  situação-problema
críticas Pedagogia Histórico Crítica * objetivo:  difusão  dos conteúdos * conteúdos: cultura universal  sem desconsiderar   a atual realidade social * metodologia: experiência e saberes do aluno  confrontados  com os saberes sistematizados * relações humanas: o professor é  mediador  entre  os saberes e o aluno * aprendizagem: a partir das  estruturas  cognitivas  dos alunos.
“ apontar a necessidade de transformação das relações sociais  nas dimensões econômica, política e cultural, para garantir a todos a efetivação do  direito de ser cidadão ” De acordo com os PCN's  (LDB 9394/96), o papel da escola e de quem trabalha nela é
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
algumas referências ARANHA, Maria Lúcia de Arruda.  Filosofia da Educação.  São Paulo :  Editora Moderna, 1998. COSTA, Marisa Vorraber et al.  O Currículo nos Limiares do  Contemporâneo. Rio de Janeiro : DP&A editora, 1999.  GADOTTI, Moacir.  Pensamento Pedagógico Brasileiro.  São Paulo : Ática, 1988. LIBÂNEO, José Carlos.  Democratização da Escola Pública.  São Paulo : Loyola, 1990. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública - A Pedagogia Crítico-Social dos Conteúdos. São Paulo: Edições Loyola, 2002 - 18º ed. SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 33.ª ed. revisada. Campinas: Autores Associados, 2000.
http://www.portalgens.com.br   Prof. Donizete Soares [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
pedagogia para licenciados
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
Ulisses Vakirtzis
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
humberto145
 
Os Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
Os Pioneiros do Manifesto da Educação NovaOs Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
Os Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
Aline Mota
 
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Bruno Carrasco
 
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexõesEJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
profamiriamnavarro
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
joao jose saraiva da fonseca
 
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XXHistoria da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
Joselaine
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Débora Silveira
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
UNICEP
 
Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo Apresentação
Mayara Vellardi
 
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
Lucas Bernardo
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
Ulisses Vakirtzis
 
Seminário Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
Seminário  Paulo Freire- Pedagogia do OprimidoSeminário  Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
Seminário Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
Fabio Rolim
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Thais1976
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
ditadoida
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
faculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social A+pedagogia+critico+social
A+pedagogia+critico+social
 
Slide tendências pedagógicas
Slide   tendências pedagógicasSlide   tendências pedagógicas
Slide tendências pedagógicas
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO Pedagogia (Santa Cruz)
 
Os Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
Os Pioneiros do Manifesto da Educação NovaOs Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
Os Pioneiros do Manifesto da Educação Nova
 
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexõesEJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
EJA AULA 1: Educação de Adultos: algumas reflexões
 
Teorias do curriculo
Teorias do curriculoTeorias do curriculo
Teorias do curriculo
 
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XXHistoria da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
Historia da Educação na Primeira Metade do Seculo XX
 
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagemPsicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
Psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo Apresentação
 
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
A pedagogia de Paulo Freire - Parte 1
 
8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas8.teorias psicogeneticas
8.teorias psicogeneticas
 
Seminário Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
Seminário  Paulo Freire- Pedagogia do OprimidoSeminário  Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
Seminário Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Formação continuada de professores
Formação continuada de professoresFormação continuada de professores
Formação continuada de professores
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
 

Destaque

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
Eduardo Lopes
 
Didática (Antonio Marcos)
Didática (Antonio Marcos)Didática (Antonio Marcos)
Didática (Antonio Marcos)
antoniopozes
 
Visão da educação tradicional e conservadora
Visão da educação tradicional e conservadoraVisão da educação tradicional e conservadora
Visão da educação tradicional e conservadora
Helena Zanotto
 
Sociologia e a violência
Sociologia e a violênciaSociologia e a violência
Sociologia e a violência
Henrique Bovo Lopes
 
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educaçãoDiferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
edivaniasilva
 
Escola Tradicional ou Conservadora
Escola Tradicional ou ConservadoraEscola Tradicional ou Conservadora
Escola Tradicional ou Conservadora
juborges07
 
A Educação Conservadora ou Tradicional
A Educação Conservadora ou TradicionalA Educação Conservadora ou Tradicional
A Educação Conservadora ou Tradicional
machcarval
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
Jessica Nuvens
 
Unidade iii slide
Unidade iii   slideUnidade iii   slide
Althusser, Gramsci e Bourdieu
Althusser, Gramsci e BourdieuAlthusser, Gramsci e Bourdieu
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Grupo VAHALI
 
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EMOrientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
betenitz
 
Pedagogia Progressista
Pedagogia ProgressistaPedagogia Progressista
Pedagogia Progressista
Fabio Lemes
 
Teoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacionalTeoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacional
Jackson Silveira
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
Andrea Lima
 
Tendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileiraTendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileira
richard_romancini
 

Destaque (16)

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
 
Didática (Antonio Marcos)
Didática (Antonio Marcos)Didática (Antonio Marcos)
Didática (Antonio Marcos)
 
Visão da educação tradicional e conservadora
Visão da educação tradicional e conservadoraVisão da educação tradicional e conservadora
Visão da educação tradicional e conservadora
 
Sociologia e a violência
Sociologia e a violênciaSociologia e a violência
Sociologia e a violência
 
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educaçãoDiferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
Diferenças entre o tradicional e o contemporâneo na educação
 
Escola Tradicional ou Conservadora
Escola Tradicional ou ConservadoraEscola Tradicional ou Conservadora
Escola Tradicional ou Conservadora
 
A Educação Conservadora ou Tradicional
A Educação Conservadora ou TradicionalA Educação Conservadora ou Tradicional
A Educação Conservadora ou Tradicional
 
As Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes PedagógicasAs Principais Correntes Pedagógicas
As Principais Correntes Pedagógicas
 
Unidade iii slide
Unidade iii   slideUnidade iii   slide
Unidade iii slide
 
Althusser, Gramsci e Bourdieu
Althusser, Gramsci e BourdieuAlthusser, Gramsci e Bourdieu
Althusser, Gramsci e Bourdieu
 
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De DireitoAula   Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
Aula Apres. Do Curso E Conceito E Fontes De Direito
 
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EMOrientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
Orientação Técnica - Formação Pedagógica para PC do EFe EM
 
Pedagogia Progressista
Pedagogia ProgressistaPedagogia Progressista
Pedagogia Progressista
 
Teoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacionalTeoria critica do currículo educacional
Teoria critica do currículo educacional
 
Teorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLARTeorias curriculo ESCOLAR
Teorias curriculo ESCOLAR
 
Tendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileiraTendências e correntes na educação brasileira
Tendências e correntes na educação brasileira
 

Semelhante a O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar

Educação na sociedade informática
Educação na sociedade informáticaEducação na sociedade informática
Educação na sociedade informática
Mara Salvucci
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
greghouse48
 
Cursinho comunitário miguel badra (1)
Cursinho comunitário miguel badra (1)Cursinho comunitário miguel badra (1)
Cursinho comunitário miguel badra (1)
Gelson Rocha
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
celiferreira
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Mariane Amanajás
 
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
Rosimay Monteiro
 
ARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegattARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegatt
claudete menegatt
 
Abordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educaçãoAbordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educação
Edilene Pina
 
Teorias criticas do curriculo
Teorias criticas do curriculoTeorias criticas do curriculo
Teorias criticas do curriculo
Márcio Castro
 
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social EscolaPedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
PedagogoAmador
 
Os Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
Os Valores Morais No âMbito Da Escola CapitalistaOs Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
Os Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
REDEM
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
Andreia Regina Moura Mendes
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
Jomari
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
Universidade Federal do Ceará
 
Apostila completa concurso professor (1) 1
Apostila completa concurso professor (1) 1Apostila completa concurso professor (1) 1
Apostila completa concurso professor (1) 1
jorge luiz ferreira ferreira
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
Tania Braga
 
durkheim
durkheimdurkheim
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
Ricardo Castro
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
Ricardo Castro
 
Palestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educaçãoPalestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educação
Junior Lima
 

Semelhante a O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar (20)

Educação na sociedade informática
Educação na sociedade informáticaEducação na sociedade informática
Educação na sociedade informática
 
Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1Sociologia da educaçáo 1
Sociologia da educaçáo 1
 
Cursinho comunitário miguel badra (1)
Cursinho comunitário miguel badra (1)Cursinho comunitário miguel badra (1)
Cursinho comunitário miguel badra (1)
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
Sociologiadaeducao1 110325113112-phpapp02
 
ARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegattARQUIVO Claudete menegatt
ARQUIVO Claudete menegatt
 
Abordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educaçãoAbordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educação
 
Teorias criticas do curriculo
Teorias criticas do curriculoTeorias criticas do curriculo
Teorias criticas do curriculo
 
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social EscolaPedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola
 
Os Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
Os Valores Morais No âMbito Da Escola CapitalistaOs Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
Os Valores Morais No âMbito Da Escola Capitalista
 
Aula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educaçãoAula Sociologia da educação
Aula Sociologia da educação
 
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de AprendizagemO Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
O Jovem e o seu Direito de Aprendizagem
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
 
Apostila completa concurso professor (1) 1
Apostila completa concurso professor (1) 1Apostila completa concurso professor (1) 1
Apostila completa concurso professor (1) 1
 
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênioSão vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
São vários os problemas que se perpetuam e se intensificam nesse novo milênio
 
durkheim
durkheimdurkheim
durkheim
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
Palestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educaçãoPalestra sobre diversidade e educação
Palestra sobre diversidade e educação
 

Mais de INSTITUTO GENS

Obesidade infantil
Obesidade infantilObesidade infantil
Obesidade infantil
INSTITUTO GENS
 
O gato borralheiro
O gato borralheiroO gato borralheiro
O gato borralheiro
INSTITUTO GENS
 
A fada dos sonhos
A fada dos sonhosA fada dos sonhos
A fada dos sonhos
INSTITUTO GENS
 
Cuidar, educar e conviver
Cuidar, educar e conviverCuidar, educar e conviver
Cuidar, educar e conviver
INSTITUTO GENS
 
Política
PolíticaPolítica
Política
INSTITUTO GENS
 
Movimentos sociais no Brasil
Movimentos sociais no BrasilMovimentos sociais no Brasil
Movimentos sociais no Brasil
INSTITUTO GENS
 
Ciclo de encontros
Ciclo de encontrosCiclo de encontros
Ciclo de encontros
INSTITUTO GENS
 
Pra discutir
Pra discutirPra discutir
Pra discutir
INSTITUTO GENS
 
Palestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | CursosPalestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | Cursos
INSTITUTO GENS
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
INSTITUTO GENS
 
Concepções de Educação
Concepções de EducaçãoConcepções de Educação
Concepções de Educação
INSTITUTO GENS
 
Povos originários do Brasil
Povos originários do BrasilPovos originários do Brasil
Povos originários do Brasil
INSTITUTO GENS
 
Oficinas de produção coletiva de comunicação
Oficinas de produção coletiva de comunicaçãoOficinas de produção coletiva de comunicação
Oficinas de produção coletiva de comunicação
INSTITUTO GENS
 
Contar-brincando na primeira infância
Contar-brincando na primeira infânciaContar-brincando na primeira infância
Contar-brincando na primeira infância
INSTITUTO GENS
 
1º Encontrão
1º Encontrão1º Encontrão
1º Encontrão
INSTITUTO GENS
 
2º Encontrão
2º Encontrão2º Encontrão
2º Encontrão
INSTITUTO GENS
 
Trecho 2.8
Trecho 2.8Trecho 2.8
Trecho 2.8
INSTITUTO GENS
 
Concepções de educação
Concepções de educaçãoConcepções de educação
Concepções de educação
INSTITUTO GENS
 
Sexto balaio
Sexto balaioSexto balaio
Sexto balaio
INSTITUTO GENS
 
Quinto balaio
Quinto balaioQuinto balaio
Quinto balaio
INSTITUTO GENS
 

Mais de INSTITUTO GENS (20)

Obesidade infantil
Obesidade infantilObesidade infantil
Obesidade infantil
 
O gato borralheiro
O gato borralheiroO gato borralheiro
O gato borralheiro
 
A fada dos sonhos
A fada dos sonhosA fada dos sonhos
A fada dos sonhos
 
Cuidar, educar e conviver
Cuidar, educar e conviverCuidar, educar e conviver
Cuidar, educar e conviver
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Movimentos sociais no Brasil
Movimentos sociais no BrasilMovimentos sociais no Brasil
Movimentos sociais no Brasil
 
Ciclo de encontros
Ciclo de encontrosCiclo de encontros
Ciclo de encontros
 
Pra discutir
Pra discutirPra discutir
Pra discutir
 
Palestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | CursosPalestras | Oficinas | Cursos
Palestras | Oficinas | Cursos
 
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + EducomunicaçãoPasso a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação
 
Concepções de Educação
Concepções de EducaçãoConcepções de Educação
Concepções de Educação
 
Povos originários do Brasil
Povos originários do BrasilPovos originários do Brasil
Povos originários do Brasil
 
Oficinas de produção coletiva de comunicação
Oficinas de produção coletiva de comunicaçãoOficinas de produção coletiva de comunicação
Oficinas de produção coletiva de comunicação
 
Contar-brincando na primeira infância
Contar-brincando na primeira infânciaContar-brincando na primeira infância
Contar-brincando na primeira infância
 
1º Encontrão
1º Encontrão1º Encontrão
1º Encontrão
 
2º Encontrão
2º Encontrão2º Encontrão
2º Encontrão
 
Trecho 2.8
Trecho 2.8Trecho 2.8
Trecho 2.8
 
Concepções de educação
Concepções de educaçãoConcepções de educação
Concepções de educação
 
Sexto balaio
Sexto balaioSexto balaio
Sexto balaio
 
Quinto balaio
Quinto balaioQuinto balaio
Quinto balaio
 

Último

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar

  • 1. O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar Prof. Donizete Soares
  • 2. Educadores somos todos nós!
  • 3. Todo professor é educador, mas nem todo educador é professor.
  • 4. Professor é quem professa um saber . ( declara, reconhece publicamente, confessa diante de todos )
  • 5. Concepções ( modo de ver ou sentir, ponto de vista, entendimento, noção ) de escola (lugar de descanso, repouso, lazer, tempo livre, estudo... ocupação voluntária de quem, por ser livre, não é obrigado a) e de educação escolar (espaço de transmissão da cultura escolar)
  • 6. “ conjunto dos conteúdos cognitivos e simbólicos que selecionados, organizados, normalizados, rotinizados, sob efeito dos imperativos de didatização, constituem habitualmente o objeto de uma transmissão deliberada no contexto das escolas” FORQUIN, Jean-Claude. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar . Porto Alegre : Artes Médicas, 1993, p. 167 O que é cultura escolar ?
  • 7. São três as concepções atuais de escola e educação escolar: * redentora (salvadora da humanidade) * reprodutora (sistema de ensino = sistema social) * transformadora (a escola não muda a sociedade, mas a sociedade não muda sem a escola)
  • 8. Nos últimos 200 anos, observa-se o desenvolvimento de três tipos de teorias pedagogicas: * não críticas (centradas no indivíduo) * crítico reprodutivistas (centradas no sistema) * críticas (centradas no coletivo) SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia . Campinas : Autores Associados. 2008.
  • 9. Teorias não críticas * Pedagogia Tradicional / Conservadora * Pedagogia da Escola Nova * Pedagogia Tecnicista
  • 10. não críticas Tradicional / conservadora * objetivos: preparar intelectual e moralmente os alunos para a vida em sociedade * conteúdos: saberes e valores sociais repassados aos como verdades absolutas * metodologia: exposição e demonstração verbal da matéria * relações humanas: autoridade do professor que exige atitude receptiva do aluno * aprendizagem: receptiva e mecânica
  • 11. Escola Nova * objetivo: adequar o indivíduo ao meio social e formar atitudes * conteúdos: busca dos próprios alunos * metodologia: experiências e pesquisas * relações humanas: o centro é o aluno; o professor é um facilitador * aprendizagem: aprender é modificar as percepções da realidade não críticas
  • 12. Tecnicista * objetivo: modelar o comportamento humano através de técnicas específicas * conteúdos: informações ordenadas numa sequência lógica e psicológica * metodologia: procedimentos e técnicas para a transmissão e recepção de informações * relações humanas: o professor ( instrutor ) transmite informações e o aluno deve fixá-las * aprendizagem: a base é o desempenho não críticas
  • 13. Pedagogias crítico reprodutivistas * Aparelho Ideológico de Estado * Violência Simbólica * Escola Dualista
  • 14.
  • 15. O grande instrumento do Estado é o Direito, isto é, o estabelecimento de leis que regulam as relações sociais em proveito dos dominantes. Através do Direito, o Estado aparece como legal, ou seja, como “Estado de direito”. “ Acreditamos portanto ter boas razões para afirmar que, por trás dos jogos de seu Aparelho Ideológico de Estado político, que ocupava o primeiro plano do palco, a burguesia estabeleceu como seu Aparelho de Estado n° 1 , e portanto dominante, o aparelho escolar, que, na realidade, substitui o antigo aparelho ideológico de Estado dominante, a Igreja, em suas funções. Podemos acrescentar: o par Escola–Família substitui o par Igreja–Família.” “ (...) Contudo, neste concerto, há um Aparelho Ideológico de Estado que desempenha incontestavelmente o papel dominante, embora nem sempre se preste muita atenção à sua música: ela é de tal maneira silenciosa! Trata-se da Escola.
  • 16. Desde a pré-primária, a Escola toma a seu cargo todas as crianças de todas as classes sociais, e a partir da Pré-Primária, inculca-lhes durante anos, os anos em que a criança está mais “vulnerável”, entalada entre o aparelho de Estado familiar e o aparelho de Estado Escola, “saberes práticos” (des savoir faire) envolvidos na ideologia dominante (o francês, o cálculo, a história, as ciências, a literatura), ou simplesmente, a ideologia dominante no estado puro (moral, instrução cívica, filosofia). Algures, por volta dos dezesseis anos, uma enorme massa de crianças cai “na produção”: são os operários ou os pequenos camponeses. A outra parte da juventude escolarizável continua: e seja como for faz um troço do caminho para cair sem chegar ao fim e preencher os postos dos quadros médios e pequenos, empregados, pequenos e médios funcionários, pequeno-burgueses de toda a espécie. Uma última parte consegue aceder aos cumes, quer para cair no semi-desemprego intelectual, quer para fornecer, além dos “intelectuais do trabalhador coletivo”, os agentes da exploração (capitalistas, managers), os agentes da repressão (militares, polícias, políticos, administradores) e os profissionais da ideologia (padres de toda a espécie, a maioria dos quais são “laicos” convencidos).
  • 17.
  • 18. É claro, grande número destas Virtudes contrastadas (modéstia, resignação, submissão, por um lado, cinismo, desprezo, altivez, segurança, categoria, capacidade para bem-falar e habilidade) aprendem-se também nas Famílias, nas Igrejas, na Tropa, nos Livros, nos filmes e até nos estádios. Mas nenhum Aparelho Ideológico de Estado dispõe durante tanto tempo de audiência obrigatória (e ainda por cima gratuita...), 5 a 6 dias em 7 que tem a semana, à razão de 8 horas por dia, da totalidade das crianças da formação social capitalista.” (...) ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado . Rio de Janeiro: Graal, 1998.
  • 19. Há, basicamente, duas formas de violência: • física : a que pode matar: ferimentos, golpes, roubos, crimes, vandalismo, droga, tráfico, violência sexual... • simbólica ou institucional : a que se mostra nas relações de poder, na violência verbal entre professores e alunos, na discriminação indireta de gênero e de raça nas relações de trabalho, na adoção de políticas de Estado legitimadoras da exclusão, na imposição pela mídia de padrões culturais, na imposição da linguagem e do sotaque... Sistema de ensino enquanto violência simbólica crítico reprodutivistas
  • 20. BOURDIEU, Pierre. A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Lisboa: Editorial Vega, 1978. A escola: trunfo da Reprodução Social • O processo de reprodução social não acontece apenas sob a forma de coerção; é instaurado, buscado e vivenciado com o consentimento dos agentes nele envolvidos: embora não de forma consciente, dominados e dominantes envolvem-se consentindo a dominação , estabelecendo uma relação permeada pela não consciência que oculta a violência simbólica. • A dominação acontece por meio da violência camuflada , dissimulada e, portanto, simbólica, e sua eficiência será maior quanto menor for a consciência dos agentes nela envolvidos. • A escola é meio mais eficaz de validar esse processo de dominação.
  • 21. • Os agentes (emissores pedagógicos) são incumbidos de transmitir a cultura dominante como algo natural e inconcebível de se acontecer de outra maneira, utilizando-se da autoridade pedagógica e, assim, formam os indivíduos de acordo com o que está estabelecido pela cultura dominante. • As resistências resultantes desse processo são aplacadas com sanções , para que a adaptação aconteça e o indivíduo se “conscientize”, mesmo que sob coerção, de seu papel e da aceitação do arbitrário cultural. • A reprodução é condição de subsistência das sociedades, sejam quais forem. • Na sociedade capitalista, a reprodução deve ocorrer sob as bases da dominação que sustentam essa forma de organização social. • A consolidação e a persistência do modelo social dependerão da eficiência do processo de reprodução e, consequentemente, de seus instrumentos .
  • 22. A Escola, então, • é fundamental na formação do ser social por trabalhar com a educação formal do indivíduo • torna-se eficiente na medida em que dissimula as relações de dominação e concede à ação pedagógica, pelo discurso da neutralidade, uma legitimidade inquestionável • obscurece a realidade e exclui o reconhecimento da sua força simbólica, concedendo uma aparência natural aos seus procedimentos, discursos e práticas na inculcação do arbitrário cultural • tende a produzir o reconhecimento da legitimidade da cultura dominante (inculcação), do mesmo modo que o reconhecimento da ilegitimidade de seu arbitrário cultural (exclusão) • não iguala as condições e diferenças dos indivíduos que nela chegam, mas reforça e reproduz as diferenças ao utilizar como parâmetro de saber transmissível a cultura dominante com todas as implicações sociais nela contidas (pseudoneutralidade)
  • 23.
  • 24. Primária profissional – (PP) – para as classes dominadas Conteúdo: noções adquiridas no ensino primário, sempre revistas e repetidas; ligada ao concreto. Conteúdos culturais: mesma cultura mas de forma empobrecida e vulgarizada – o que dá à ideologia SS o caráter dominante. Secundária Superior (SS) – para a classe dominante Conteúdo: preparação para o ensino superior; preserva a abstração. Conteúdos Culturais: a própria da classe dominante; prepara os futuros agentes intérpretes dessa ideologia. BAUDELOT, C. y ESTABLET, R. La escuela capitalista . México: Siglo Veintiuno, 1975.
  • 25. Teorias críticas * Pedagogia Libertária * Pedagogia Libertadora * Pedagogia Histórico Crítica
  • 26. críticas Pedagogia Libertária * objetivo: fortalecer o sujeito, visando a construção da Individualidade * conteúdos: apresentados, mas não exigidos * metodologia: sempre em grupo , visando a auto-gestão * relações humanas: o professor é orientador ; os alunos são livres * aprendizagem: informal; aprende-se através da vivência grupal
  • 27. críticas Pedagogia Libertadora * objetivo: busca a transformação social * conteúdos: temas geradores * metodologia: grupos de discussão * relações humanas: relação de horizontalidade  * aprendizagem: resolução da situação-problema
  • 28. críticas Pedagogia Histórico Crítica * objetivo: difusão dos conteúdos * conteúdos: cultura universal sem desconsiderar a atual realidade social * metodologia: experiência e saberes do aluno confrontados com os saberes sistematizados * relações humanas: o professor é mediador entre os saberes e o aluno * aprendizagem: a partir das estruturas cognitivas dos alunos.
  • 29. “ apontar a necessidade de transformação das relações sociais nas dimensões econômica, política e cultural, para garantir a todos a efetivação do direito de ser cidadão ” De acordo com os PCN's (LDB 9394/96), o papel da escola e de quem trabalha nela é
  • 30.
  • 31. algumas referências ARANHA, Maria Lúcia de Arruda.  Filosofia da Educação.  São Paulo :  Editora Moderna, 1998. COSTA, Marisa Vorraber et al.  O Currículo nos Limiares do  Contemporâneo. Rio de Janeiro : DP&A editora, 1999. GADOTTI, Moacir.  Pensamento Pedagógico Brasileiro.  São Paulo : Ática, 1988. LIBÂNEO, José Carlos.  Democratização da Escola Pública.  São Paulo : Loyola, 1990. LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública - A Pedagogia Crítico-Social dos Conteúdos. São Paulo: Edições Loyola, 2002 - 18º ed. SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 33.ª ed. revisada. Campinas: Autores Associados, 2000.
  • 32. http://www.portalgens.com.br Prof. Donizete Soares [email_address]