SlideShare uma empresa Scribd logo
O Império Português e
a Concorrência
Internacional
Níveis de desempenho
• Explicar os motivos da crise do Império Português no
Oriente.
• Explicar os fatores que proporcionaram a formação do

Império espanhol.
• Identificar

o

motivo

que

levou

à

perda

da

independência Nacional em 1580.
• Descrever a situação política que conduziu à União
Ibérica.
• Indicar os pretendentes ao trono de Portugal.
• Indicar as condições acordadas por Filipe II de
Espanha nas cortes de Tomar de 1581.
• Identificar as potências que disputavam o domínio dos mares ao
longo dos séculos XVI; XVII e XVIII.
• Indicar os meios utilizados pela Holanda para se tornar uma

grande potência.
• Referir a importância do comércio do Brasil para a recuperação
económica de Portugal.
• Descrever como se processava o comércio colonial entre a
Europa, África e América.
• Justificar o declínio do Império Espanhol.
• Descrever os motivos de descontentamento dos portugueses

perante a atuação de Filipe IV de Espanha.
• Caracterizar a revolta de 1 de Dezembro de 1640.
Conceitos
Bolsa de Valores – mercado organizado onde se negociam ações de
capital aberto (públicas ou

privadas)

e

outros

instrumentos

financeiros como opções.
Bancos - Empresa que adianta e recebe fundos, desconta
letras,

títulos,

facilita

os

pagamentos

por

meio

de

empréstimos, realiza quaisquer transações de valores.
Capitalismo Comercial – sistema económico impulsionado pela
Burguesia, baseado na compra e venda de produtos – comércio –
para obtenção de lucros.
Conceitos
Companhias Comerciais - Companhias de privilégio comercial
detentoras do monopólio de determinados produtos ou de rotas
comerciais e de navegação, basicamente centradas na África, Índia e

Brasil, bem como dos oceanos adjacentes.

Concorrência dos mares - contestada pelos Holandeses, Ingleses e
franceses, a teoria do mare clausum foi inicialmente posta em causa
pelos corsários e piratas. No século XVII o poderio de Portugal e da
Espanha decaiu e os países do Norte da Europa entraram na
concorrência

do

comércio

navegação nos mares.

colonial e, consequentemente, da
Conceitos
Crise

de

sucessão

–

crise

provocada

pela

morte

do

governante, sem ter qualquer parente direto vivo que lhe possa
suceder no trono.

Império Colonial - conjunto de territórios, mares e povos dominados
por um Estado. O domínio do Estado colonizador exerce-se no
contexto político-social (submissão das populações às leis e às
autoridades impostas pela metrópole) e económico (exploração das
respetivas riquezas agrícolas e comerciais).
Conceitos
Mare Clausum - expressão latina que significa mar fechado (à
navegação estrangeira). Pelo Tratado de Tordesilhas, Portugal e a

Espanha garantiram o direito exclusivo a "tudo o que até aqui é
achado e daqui em diante se achar" nas respetivas áreas definidas
no Tratado.

Maré Liberum - Princípio jurídico que previa a liberdade de
navegação e comércio nos mares, anulando o princípio de
exclusividade da nação descobridora e abrindo caminho para a
legalização de quem conquistava. O mar passava a ser um bem
comum.
Conceitos
União Ibérica - unidade política que regeu a Península Ibérica a sul
do Pirenéus de 1580 a 1640, resultado da união dinástica entre as
monarquias de Portugal e de Espanha após a Guerra da Sucessão
Portuguesa.
Na sequência da crise de sucessão de 1580 em Portugal, uma
união dinástica juntou as duas coroas, bem como as respetivas
possessões coloniais, sob o controle da monarquia espanhola
durante a chamada dinastia Filipina. O termo união ibérica é uma
criação de historiadores modernos.
O Império Português
A Crise do Império Português
Razões da crise:
• Dispersão dos territórios (África, Ásia e América);
• Despesas muito elevadas com:

• Compra de produtos e armamento;
• Construção de navios;
• Construção de Fortalezas;
• Manutenção do império;
• Pagamento de funcionários e soldados;
• Distância e Duração das viagens;
• Corrupção;
• Ataques de piratas e de corsários.
O império português e a concorrência internacional
O projeto de África
• No séc. XVI surgem duas correntes:
• Manutenção do Império do Oriente;
• Criação de um Império no Norte de África.

• D. Sebastião sobe ao poder e decide seguir a segunda
corrente, com vista a criar um grande Império em Marrocos.
• O Rei organiza um exército que ele próprio lidera.
• A 4 de Agosto de 1578 dá-se a Batalha de Alcácer-Quibir. O rei
morre em batalha.
• Portugal entra em crise de sucessão.
Crise de Sucessão
• O Problema:
• O

rei

não

tinha

filhos, logo, ninguém que o
sucedesse;
• D. Sebastião não tinha irmãos;

• O rei tinha um

tio que, para

além de ser idoso, era membro
da Igreja Católica – o Cardeal D.
Henrique.
• O Cardeal D. Henrique sucede a D.
Sebastião, mas apenas se retardou
o problema pois o Cardeal morreu
pouco tempo depois.
Crise de Sucessão
• Sucessão a D. Henrique – 1580
• O Cardeal – rei não tinha filhos;
• O Cardeal – rei já não tinha
irmãos, pelo que teria que ser um
sobrinho de entre os netos de D.
Manuel I:
• D. Filipe II de Espanha,
• D. Catarina de Bragança,
D. António Prior do Crato.
Candidatos ao trono
• D. Filipe II de Espanha:
• Era o rei mais poderoso do Mundo;
• Tinha o apoio:
• Da Alta Nobreza e do Alto
Clero,

que

queriam

novos

cargos e mais títulos;
• Da Burguesia, que queria o
acesso a novos mercados e
mais possibilidades de fazer
fortuna.
Candidatos ao trono
• D. Catarina de Bragança.
• Era “apenas” duquesa;
• Era mulher;
• Tinha o apoio da Antiga Nobreza
Portuguesa.
Candidatos ao trono
• D. António, Prior do Crato:
• Era filho ilegítimo do Infante D.
Luís;
• Era um membro do clero, pelo que
também não tinha filhos;

• Tinha o apoio do Povo;
• Foi

derrotado

na

batalha

Alcântara e exilou-se em Paris.

de
Cortes de Tomar de 1581
• Reúnem-se com o objetivo de aclamar Filipe II como rei de Portugal.
• Promessas do novo monarca:

• Manutenção da Independência Nacional;
• O cargo de vice-rei/governador seria para um português;
• Os cargos da administração, das finanças, da justiça, militares e
eclesiásticos seriam para portugueses;
• Não seriam retirados territórios a Portugal;
• Manter-se-ia o uso da moeda e da língua portuguesa.
O agora Império Espanhol
O Império Holandês
Holanda
•

Grande desenvolvimento da agricultura, indústria têxtil, da
construção Naval e do comércio do Mar do Norte;

•

Defendiam o Mare Liberum;

•

Opunham-se ao Mare Clausum (mar fechado). Para eles:
•

Qualquer país tinha o direito a navegar pelos mares;

•

Qualquer país tinha o direito de fazer comércio com qualquer
povo/zona do mundo.
•

Importância dos Holandeses:
•

eram grandes intermediários entre o Norte e o Sul da Europa;

•

os seus barcos eram fretados para transporte de mercadorias;

•

Amesterdão

tornou-se

a

principal

cidade

comercial

europeia, com o primeiro banco e a primeira bolsa de valores;

•

a burguesia holandesa era ativa e empreendedora;
•

criaram-se Companhias comerciais para fazer face à
concorrência

ibérica,

com

poderosas

frotas

marítimas, defendidas por navios de guerra;
• Companhia das Índias Orientais - Rota do Cabo especiarias, porcelana, chá e sedas;

• Companhia das Índias Ocidentais - comércio do açúcar e
escravos.
O Império Inglês
•

Grande potência colonial a partir da 2ª
metade do século XVII graças:

•

à larga experiência marítima dos
ingleses;

•

aos ataques de piratas e corsários
ingleses, nos séc. XVI e XVII, aos
barcos

e

territórios

dos

países

ibéricos;
•

ao governo de Elizabeth I – orientado

para dominar e fazer comércio nas
regiões descobertas;
•

ao princípio do Mare Liberum, que lhes permite conquistar
territórios nas Antilhas, Golfo da Guiné e antigas feitorias

portuguesas no Oriente;
•

Ao seu comércio, fundamentalmente, de açúcar, rum e
escravos.
• Vitória sobre os Espanhóis e derrota da Armada Invencível
•

Ato de Navegação:
•

o transporte de mercadorias de outros

países e das colónias inglesas, para
Inglaterra só poderia ser feito por
navios ingleses ou pelos navios de
origem dos produtos.
•

Objetivos:
• arruinar

a

frota

holandesa

e

desenvolver a construção naval e a

marinha mercante inglesas.
O Comércio Mundial

Fonte: Custódio Largatixa, Manual do 8º ano, Santillana, 2008
Comércio Triangular
Fim da União Dinástica
• Problemas com a União Dinástica:
• Perda de Territórios;
• Perda de Navios (ex. na guerra com a Armada Invencível);
• Soldados Portugueses eram forçados a combater nos exércitos

espanhóis;
• Aumento de Impostos sobre a população portuguesa;
• O Vice-rei era Espanhol (Duquesa de Mântua);
• Portugal passa a província de Espanha;
• Revoltas populares.
Guerra da Restauração
•

01 de Dezembro de 1640:
• Revolta de toda uma população: nobres, clero e povo.

• Aclamação de um novo rei:
• D. João, Duque de Bragança.
• Início de uma nova dinastia:
• Dinastia de Bragança.
• Guerra da Restauração: a Espanha não aceitou o fim da União e

entre 1640-1668, decorreu uma verdadeira guerra entre os dois
países:
• Batalhas:
• Ameixial
• Montes-Claros
• Linhas de Elvas
• Castelo Rodrigo

• Acordos com a Inglaterra;
• Reorganização do exército;
• Construção de novas Fortalezas.
• Guerra da Restauração: Guerra com a Holanda e recuperação
de Luanda; S. Tomé; Norte do Brasil.
• No início do séc. XVIII, o Império Português estava assim:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
guest6298af
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
Maria Gomes
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
Catarina Castro
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
Vítor Santos
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
Susana Simões
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
Rainha Maga
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
inessalgado
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Susana Simões
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Rainha Maga
 
Posicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundoPosicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundo
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

O Dominio Filipino
O Dominio FilipinoO Dominio Filipino
O Dominio Filipino
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
Posicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundoPosicao de portugal na europa e no mundo
Posicao de portugal na europa e no mundo
 

Semelhante a O império português e a concorrência internacional

A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2
guize
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
borgia
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
borgia
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
filipe913355
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
helenacompleto
 
Crise o império Português e União Ibérica.pptx
Crise o império Português e União Ibérica.pptxCrise o império Português e União Ibérica.pptx
Crise o império Português e União Ibérica.pptx
Conceio10
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
Nuno Faustino
 
Comerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumoComerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumo
Mateus Tanita
 
Unidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºanoUnidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºano
Ana Cristiane Dias
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
Silvia Lino
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Maria Gomes
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
Maria Gomes
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
daviprofessor
 
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Diogo Rainha Lopes
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
carloshistoriador
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
carloshistoriador
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
Lucilia Fonseca
 
Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Teste
jdlimaaear
 
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialA Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
Nelson Faustino
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
JosPedroSilva11
 

Semelhante a O império português e a concorrência internacional (20)

A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
 
Crise o império Português e União Ibérica.pptx
Crise o império Português e União Ibérica.pptxCrise o império Português e União Ibérica.pptx
Crise o império Português e União Ibérica.pptx
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
 
Comerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumoComerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumo
 
Unidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºanoUnidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºano
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
 
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
 
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.pptA Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
A Corte portuguesa no Brasil o Reino Unido.ppt
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Teste
 
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialA Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

O império português e a concorrência internacional

  • 1. O Império Português e a Concorrência Internacional
  • 2. Níveis de desempenho • Explicar os motivos da crise do Império Português no Oriente. • Explicar os fatores que proporcionaram a formação do Império espanhol. • Identificar o motivo que levou à perda da independência Nacional em 1580. • Descrever a situação política que conduziu à União Ibérica. • Indicar os pretendentes ao trono de Portugal. • Indicar as condições acordadas por Filipe II de Espanha nas cortes de Tomar de 1581.
  • 3. • Identificar as potências que disputavam o domínio dos mares ao longo dos séculos XVI; XVII e XVIII. • Indicar os meios utilizados pela Holanda para se tornar uma grande potência. • Referir a importância do comércio do Brasil para a recuperação económica de Portugal. • Descrever como se processava o comércio colonial entre a Europa, África e América. • Justificar o declínio do Império Espanhol. • Descrever os motivos de descontentamento dos portugueses perante a atuação de Filipe IV de Espanha. • Caracterizar a revolta de 1 de Dezembro de 1640.
  • 4. Conceitos Bolsa de Valores – mercado organizado onde se negociam ações de capital aberto (públicas ou privadas) e outros instrumentos financeiros como opções. Bancos - Empresa que adianta e recebe fundos, desconta letras, títulos, facilita os pagamentos por meio de empréstimos, realiza quaisquer transações de valores. Capitalismo Comercial – sistema económico impulsionado pela Burguesia, baseado na compra e venda de produtos – comércio – para obtenção de lucros.
  • 5. Conceitos Companhias Comerciais - Companhias de privilégio comercial detentoras do monopólio de determinados produtos ou de rotas comerciais e de navegação, basicamente centradas na África, Índia e Brasil, bem como dos oceanos adjacentes. Concorrência dos mares - contestada pelos Holandeses, Ingleses e franceses, a teoria do mare clausum foi inicialmente posta em causa pelos corsários e piratas. No século XVII o poderio de Portugal e da Espanha decaiu e os países do Norte da Europa entraram na concorrência do comércio navegação nos mares. colonial e, consequentemente, da
  • 6. Conceitos Crise de sucessão – crise provocada pela morte do governante, sem ter qualquer parente direto vivo que lhe possa suceder no trono. Império Colonial - conjunto de territórios, mares e povos dominados por um Estado. O domínio do Estado colonizador exerce-se no contexto político-social (submissão das populações às leis e às autoridades impostas pela metrópole) e económico (exploração das respetivas riquezas agrícolas e comerciais).
  • 7. Conceitos Mare Clausum - expressão latina que significa mar fechado (à navegação estrangeira). Pelo Tratado de Tordesilhas, Portugal e a Espanha garantiram o direito exclusivo a "tudo o que até aqui é achado e daqui em diante se achar" nas respetivas áreas definidas no Tratado. Maré Liberum - Princípio jurídico que previa a liberdade de navegação e comércio nos mares, anulando o princípio de exclusividade da nação descobridora e abrindo caminho para a legalização de quem conquistava. O mar passava a ser um bem comum.
  • 8. Conceitos União Ibérica - unidade política que regeu a Península Ibérica a sul do Pirenéus de 1580 a 1640, resultado da união dinástica entre as monarquias de Portugal e de Espanha após a Guerra da Sucessão Portuguesa. Na sequência da crise de sucessão de 1580 em Portugal, uma união dinástica juntou as duas coroas, bem como as respetivas possessões coloniais, sob o controle da monarquia espanhola durante a chamada dinastia Filipina. O termo união ibérica é uma criação de historiadores modernos.
  • 10. A Crise do Império Português Razões da crise: • Dispersão dos territórios (África, Ásia e América); • Despesas muito elevadas com: • Compra de produtos e armamento; • Construção de navios; • Construção de Fortalezas; • Manutenção do império; • Pagamento de funcionários e soldados; • Distância e Duração das viagens; • Corrupção; • Ataques de piratas e de corsários.
  • 12. O projeto de África • No séc. XVI surgem duas correntes: • Manutenção do Império do Oriente; • Criação de um Império no Norte de África. • D. Sebastião sobe ao poder e decide seguir a segunda corrente, com vista a criar um grande Império em Marrocos. • O Rei organiza um exército que ele próprio lidera. • A 4 de Agosto de 1578 dá-se a Batalha de Alcácer-Quibir. O rei morre em batalha. • Portugal entra em crise de sucessão.
  • 13. Crise de Sucessão • O Problema: • O rei não tinha filhos, logo, ninguém que o sucedesse; • D. Sebastião não tinha irmãos; • O rei tinha um tio que, para além de ser idoso, era membro da Igreja Católica – o Cardeal D. Henrique. • O Cardeal D. Henrique sucede a D. Sebastião, mas apenas se retardou o problema pois o Cardeal morreu pouco tempo depois.
  • 14. Crise de Sucessão • Sucessão a D. Henrique – 1580 • O Cardeal – rei não tinha filhos; • O Cardeal – rei já não tinha irmãos, pelo que teria que ser um sobrinho de entre os netos de D. Manuel I: • D. Filipe II de Espanha, • D. Catarina de Bragança, D. António Prior do Crato.
  • 15. Candidatos ao trono • D. Filipe II de Espanha: • Era o rei mais poderoso do Mundo; • Tinha o apoio: • Da Alta Nobreza e do Alto Clero, que queriam novos cargos e mais títulos; • Da Burguesia, que queria o acesso a novos mercados e mais possibilidades de fazer fortuna.
  • 16. Candidatos ao trono • D. Catarina de Bragança. • Era “apenas” duquesa; • Era mulher; • Tinha o apoio da Antiga Nobreza Portuguesa.
  • 17. Candidatos ao trono • D. António, Prior do Crato: • Era filho ilegítimo do Infante D. Luís; • Era um membro do clero, pelo que também não tinha filhos; • Tinha o apoio do Povo; • Foi derrotado na batalha Alcântara e exilou-se em Paris. de
  • 18. Cortes de Tomar de 1581 • Reúnem-se com o objetivo de aclamar Filipe II como rei de Portugal. • Promessas do novo monarca: • Manutenção da Independência Nacional; • O cargo de vice-rei/governador seria para um português; • Os cargos da administração, das finanças, da justiça, militares e eclesiásticos seriam para portugueses; • Não seriam retirados territórios a Portugal; • Manter-se-ia o uso da moeda e da língua portuguesa.
  • 19. O agora Império Espanhol
  • 21. Holanda • Grande desenvolvimento da agricultura, indústria têxtil, da construção Naval e do comércio do Mar do Norte; • Defendiam o Mare Liberum; • Opunham-se ao Mare Clausum (mar fechado). Para eles: • Qualquer país tinha o direito a navegar pelos mares; • Qualquer país tinha o direito de fazer comércio com qualquer povo/zona do mundo.
  • 22. • Importância dos Holandeses: • eram grandes intermediários entre o Norte e o Sul da Europa; • os seus barcos eram fretados para transporte de mercadorias; • Amesterdão tornou-se a principal cidade comercial europeia, com o primeiro banco e a primeira bolsa de valores; • a burguesia holandesa era ativa e empreendedora;
  • 23. • criaram-se Companhias comerciais para fazer face à concorrência ibérica, com poderosas frotas marítimas, defendidas por navios de guerra; • Companhia das Índias Orientais - Rota do Cabo especiarias, porcelana, chá e sedas; • Companhia das Índias Ocidentais - comércio do açúcar e escravos.
  • 25. • Grande potência colonial a partir da 2ª metade do século XVII graças: • à larga experiência marítima dos ingleses; • aos ataques de piratas e corsários ingleses, nos séc. XVI e XVII, aos barcos e territórios dos países ibéricos; • ao governo de Elizabeth I – orientado para dominar e fazer comércio nas regiões descobertas;
  • 26. • ao princípio do Mare Liberum, que lhes permite conquistar territórios nas Antilhas, Golfo da Guiné e antigas feitorias portuguesas no Oriente; • Ao seu comércio, fundamentalmente, de açúcar, rum e escravos.
  • 27. • Vitória sobre os Espanhóis e derrota da Armada Invencível
  • 28. • Ato de Navegação: • o transporte de mercadorias de outros países e das colónias inglesas, para Inglaterra só poderia ser feito por navios ingleses ou pelos navios de origem dos produtos. • Objetivos: • arruinar a frota holandesa e desenvolver a construção naval e a marinha mercante inglesas.
  • 29. O Comércio Mundial Fonte: Custódio Largatixa, Manual do 8º ano, Santillana, 2008
  • 31. Fim da União Dinástica • Problemas com a União Dinástica: • Perda de Territórios; • Perda de Navios (ex. na guerra com a Armada Invencível); • Soldados Portugueses eram forçados a combater nos exércitos espanhóis; • Aumento de Impostos sobre a população portuguesa; • O Vice-rei era Espanhol (Duquesa de Mântua); • Portugal passa a província de Espanha; • Revoltas populares.
  • 32. Guerra da Restauração • 01 de Dezembro de 1640: • Revolta de toda uma população: nobres, clero e povo. • Aclamação de um novo rei: • D. João, Duque de Bragança. • Início de uma nova dinastia: • Dinastia de Bragança.
  • 33. • Guerra da Restauração: a Espanha não aceitou o fim da União e entre 1640-1668, decorreu uma verdadeira guerra entre os dois países: • Batalhas: • Ameixial • Montes-Claros • Linhas de Elvas • Castelo Rodrigo • Acordos com a Inglaterra; • Reorganização do exército; • Construção de novas Fortalezas.
  • 34. • Guerra da Restauração: Guerra com a Holanda e recuperação de Luanda; S. Tomé; Norte do Brasil. • No início do séc. XVIII, o Império Português estava assim: