SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que factores contribuíram para essa crise? ,[object Object]
A concorrência dos Holandeses, Ingleses e Franceses que apoiavam os corsários que atacavam os navios portugueses e cobiçavam os territórios dominados pela coroa portuguesa;
Os naufrágios provocados quer por uma carga excessiva , quer por tempestades, quer por ataques de inimigos;
A falta de meios financeiros e militares para manter o domínio de um império tão vasto e distante;
Uma deficiente e dispendiosa administração do Império;
A má aplicação dos lucros obtidos com o comércio, que eram, em grande parte,  gastos em bens de ostentação e luxo.TEMA F.1 – O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL
[object Object], ( Filipinas) fizeram surgir um vasto império marítimo e colonial. ,[object Object]
Na segunda metade do séc. XVI, o Império espanhol atingiu o seu apogeu.O apogeu do império espanhol
[object Object]
Por falta de descendentes, sucedeu-lhe o seu tio-avô , o cardeal D. Henrique, que morreu em 1580, sem sucessor.A União Ibérica Crise Dinástica
Candidatos ao trono
Jurou : Respeitar as leis e os costumes do país; Atribuir cargos administrativos em Portugal e no Império somente a Portugueses; Manter a língua portuguesa como oficial; Continuar a cunhar  e a usar moeda  portuguesa; Manter a coroa e os direitos e privilégios de Portugal separados dos de Espanha. MonarquiaDualista Promessas de Filipe I de Portugal nas Cortes de Tomar ..
A ascensão económica e colonial na Europa do Norte – A ascensão da Holanda e o Império Holandês Razões que contribuíram para a perda da supremacia da Espanha Desenvolvimento de novas potências  na Europa Central e do Norte; As guerras internas ( revoltas em Portugal e na Catalunha) A derrota da Espanha contra a Inglaterra na Armada Invencível
A tolerância política e religiosa das Províncias Unidas  - permitiu a entrada de capitais estrangeiros, sobretudo dos cristãos – novos que eram perseguidos na Península Ibérica; Existência de uma burguesia forte e empreendedora , que investia os seus lucros em novos negócios; Possuíam uma bem organizada e poderosa frota marítima que lhes permitia transportar mais barato as mercadorias; Criação de Companhias de Comércio; Fundação do Banco de Transferências de Amsterdão e da Bolsa Geral de Amsterdão A crise do Império espanhol, a partir de 1630, devido à redução de metais preciosos que chegavam a Sevilha O apogeu marítimo e colonial da Holanda durou até à década de 1670, altura em que a Inglaterra se impôs como 1ª Potência FACTORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA A ASCENSÃO DA HOLANDA E DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoAnabela Sobral
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugalcattonia
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesrmmpr
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialSusana Simões
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesacattonia
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugaljosepinho
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana Susana Simões
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoSara Guerra
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1helder33701
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial   A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial Susana Simões
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
Ficha informativa sobre o Comentário
Ficha informativa sobre o ComentárioFicha informativa sobre o Comentário
Ficha informativa sobre o ComentárioSchool help
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 

Mais procurados (20)

A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauraçãoA morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
A morte de D. Sebastião e a crise de sucessão, a união ibérica e a restauração
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
Cronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugalCronologia da-historia-de-portugal
Cronologia da-historia-de-portugal
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial   A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial
A intervenção de Portugal na 1ª Guerra Mundial
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Ficha informativa sobre o Comentário
Ficha informativa sobre o ComentárioFicha informativa sobre o Comentário
Ficha informativa sobre o Comentário
 
Resumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º AnoResumos de ciências - 8.º Ano
Resumos de ciências - 8.º Ano
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 

Semelhante a O império português e a concorrência internacional

Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01Diogo Rainha Lopes
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdffilipe913355
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalhelenacompleto
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºNuno Faustino
 
Comerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumoComerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumoMateus Tanita
 
A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2guize
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalVítor Santos
 
C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 28ºC
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauraçãoCarla Freitas
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2borgia
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteborgia
 
O fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaO fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaSusana Simões
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaJosPedroSilva11
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo IAlexandre Protásio
 
Aula 07 expansão marítima européia
Aula 07   expansão marítima européiaAula 07   expansão marítima européia
Aula 07 expansão marítima européiaJonatas Carlos
 
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialA Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialNelson Faustino
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeiavictorjunio82
 

Semelhante a O império português e a concorrência internacional (20)

Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
Oimprioportuguseaconcorrnciainternacional 100831050343-phpapp01
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
 
Comerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumoComerciointernacional resumo
Comerciointernacional resumo
 
A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2A crise-do-império-português-1234654982023962-2
A crise-do-império-português-1234654982023962-2
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2C:\Fakepath\Historia 2
C:\Fakepath\Historia 2
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
A crise-do-imprio-portugus-1234654982023962-2
 
A crise do império português no oriente
A crise do império português no orienteA crise do império português no oriente
A crise do império português no oriente
 
O fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaO fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibérica
 
A união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independênciaA união ibérica e a restauração da independência
A união ibérica e a restauração da independência
 
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo ITransicao do Feudalismo para o Capitalismo I
Transicao do Feudalismo para o Capitalismo I
 
Aula 07 expansão marítima européia
Aula 07   expansão marítima européiaAula 07   expansão marítima européia
Aula 07 expansão marítima européia
 
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialA Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 

Mais de Lucilia Fonseca

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaLucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Lucilia Fonseca
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Lucilia Fonseca
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivotaLucilia Fonseca
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marLucilia Fonseca
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibLucilia Fonseca
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Lucilia Fonseca
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)Lucilia Fonseca
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadoresLucilia Fonseca
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraLucilia Fonseca
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Lucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxLucilia Fonseca
 

Mais de Lucilia Fonseca (20)

Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1
 
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
Problemas ambientais, impactos humanos diferentes!
 
Recursos expressivos
Recursos expressivos Recursos expressivos
Recursos expressivos
 
História de uma_gaivota
História de uma_gaivotaHistória de uma_gaivota
História de uma_gaivota
 
Apresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o marApresentação poemas sobre o mar
Apresentação poemas sobre o mar
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Agostinho neto
Agostinho netoAgostinho neto
Agostinho neto
 
Catálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLibCatálogo Coletivo WinLib
Catálogo Coletivo WinLib
 
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
Sherlock holmes -_um_estudo_em_vermelho (tratado)
 
A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)A ameaça da bola f (tratado)
A ameaça da bola f (tratado)
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Formação de utilizadores
Formação de utilizadoresFormação de utilizadores
Formação de utilizadores
 
Concurso nacional de leitura
Concurso nacional de leituraConcurso nacional de leitura
Concurso nacional de leitura
 
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
Análise e comentário crítico à presença de referências às be nos relatórios d...
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xxA europa e o mundo no limiar do séc. xx
A europa e o mundo no limiar do séc. xx
 

Último

UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 

Último (20)

Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 

O império português e a concorrência internacional

  • 1.
  • 2. A concorrência dos Holandeses, Ingleses e Franceses que apoiavam os corsários que atacavam os navios portugueses e cobiçavam os territórios dominados pela coroa portuguesa;
  • 3. Os naufrágios provocados quer por uma carga excessiva , quer por tempestades, quer por ataques de inimigos;
  • 4. A falta de meios financeiros e militares para manter o domínio de um império tão vasto e distante;
  • 5. Uma deficiente e dispendiosa administração do Império;
  • 6. A má aplicação dos lucros obtidos com o comércio, que eram, em grande parte, gastos em bens de ostentação e luxo.TEMA F.1 – O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL
  • 7.
  • 8. Na segunda metade do séc. XVI, o Império espanhol atingiu o seu apogeu.O apogeu do império espanhol
  • 9.
  • 10. Por falta de descendentes, sucedeu-lhe o seu tio-avô , o cardeal D. Henrique, que morreu em 1580, sem sucessor.A União Ibérica Crise Dinástica
  • 12. Jurou : Respeitar as leis e os costumes do país; Atribuir cargos administrativos em Portugal e no Império somente a Portugueses; Manter a língua portuguesa como oficial; Continuar a cunhar e a usar moeda portuguesa; Manter a coroa e os direitos e privilégios de Portugal separados dos de Espanha. MonarquiaDualista Promessas de Filipe I de Portugal nas Cortes de Tomar ..
  • 13. A ascensão económica e colonial na Europa do Norte – A ascensão da Holanda e o Império Holandês Razões que contribuíram para a perda da supremacia da Espanha Desenvolvimento de novas potências na Europa Central e do Norte; As guerras internas ( revoltas em Portugal e na Catalunha) A derrota da Espanha contra a Inglaterra na Armada Invencível
  • 14. A tolerância política e religiosa das Províncias Unidas - permitiu a entrada de capitais estrangeiros, sobretudo dos cristãos – novos que eram perseguidos na Península Ibérica; Existência de uma burguesia forte e empreendedora , que investia os seus lucros em novos negócios; Possuíam uma bem organizada e poderosa frota marítima que lhes permitia transportar mais barato as mercadorias; Criação de Companhias de Comércio; Fundação do Banco de Transferências de Amsterdão e da Bolsa Geral de Amsterdão A crise do Império espanhol, a partir de 1630, devido à redução de metais preciosos que chegavam a Sevilha O apogeu marítimo e colonial da Holanda durou até à década de 1670, altura em que a Inglaterra se impôs como 1ª Potência FACTORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA A ASCENSÃO DA HOLANDA E DO COMÉRCIO INTERNACIONAL
  • 15. Factores e meios de ascensão do Império Inglês Apoio régio a actos de pirataria; Fundação de Companhias de Comércio; Conquistas no Oriente e na América do Norte; Promulgação do Acto de Navegação Na sequência da Guerra dos Sete Anos , na qual a França é derrotada, a Inglaterra apropria-se de territórios coloniais franceses e reafirma a sua posição como 1ª potência mundial. O IMPÉRIO INGLÊS
  • 16.
  • 19.
  • 20. Estabelecia que , a partir de então, as mercadorias importadas pela Inglaterra só podiam ser transportadas por barcos ingleses ou por navios dos países donde eram originários. Importância do Acto de Navegação
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Envio de tropas eembarcaçõesportuguesas para guerras em que a Espanha estava envolvida;
  • 25. Lançamentode novos impostospara custear essas guerras;
  • 26. Incapacidadeda Espanha para defender as colónias portuguesas dos ataques das potências europeias
  • 27. Declínio do Império espanhol provoca reflexos na economia e na sociedade portuguesa ( declínio da burguesia e enfraquecimento da nobreza).Restauração da independência
  • 28. Descontentamento da população portuguesa face ao domínio filipino Motins e revoltas populares A situação política internacional em que a Espanha envolvida ( guerra dos 30 anos) Problemas internos ( reivindicações de independência na Catalunha) Favorecem a conspiração No dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de nobres portugueses organizou uma revolta , aclamaram D. João IV como rei de Portugal RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA Restauração da independência