SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
O IMPÉRIO COLONIAL PORTUGUÊS DO SÉC. XVIII
Colónias pertencentes a Portugal
No século XVIII o Império português era constituído por:
• Na Ásia: pelas cidades de Damão, Diu e Goa na Índia e ainda
por Macau e Timor;
• Em África: por Cabo Verde, Guiné, São Tomé e
Príncipe, Angola e Moçambique
• Na América: pelo Brasil
Brasil
Neste período Portugal já não obtinha grandes lucros com o comércio do
Oriente (Índia) devido à concorrência com ingleses, franceses e holandeses, por
isso interessou-se mais em explorar o Brasil.
O tempo quente e húmido permitiu cultivar grandes quantidades de cana-de-
açucar que depois era trabalhada nos engenhos para ser transformada
em açucar.
Além do açucar, o Brasil passou a ser bastante importante por causa da
descoberta de ouro e de pedras preciosas.
Bandeirantes: pessoas que foram para o interior do Brasil à procura de ouro,
pedras preciosas e de índios para escravizar. Fundaram cidades e povoações o
que permitiu alargar as fronteiras do Brasil para além da linha de Tordesilhas.
Engenhos: conjunto de instalações que moem a cana-de-açucar e a transformam
em açucar.
1
Comércio triangular
Neste período desenvolveu-se o comércio entre três
continentes: Europa, América e África.
Movimentos da população
Da metrópole (Portugal):
• Milhares de colonos partiram para o Brasil em busca de melhores
condições de vida;
• Missionários também partiram para o Brasil com a missão de expandir a
fé católica.
De África:
• Milhares de escravos foram levados para o Brasil para trabalhar nas
plantações de cana-de-açucar, nos engenhos e na exploração do ouro. Eram
transportados em navios negreiros em condições desumanas.
No Brasil:
• Os bandeirantes deslocaram-se para o interior do Brasil à procura de
ouro, pedras preciosas e de índios para os escravizar;
• Os missionários também foram para o interior para evangelizar os índios
brasileiros e para os proteger da escravatura.
2
A SOCIEDADE PORTUGUESA NO TEMPO DE D. JOÃO V
Governo de D. João V
A descoberta de ouro e de pedras preciosas desenvolveu o comércio triangular
que trouxe grandes riquezas a Portugal. D. João V tornou-se num dos reis mais
ricos da Europa e concentrou em si todos os poderes passando a governar como
um rei absoluto.
Monarquia absoluta: regime em que o rei concentra em si todos os poderes.
Poderes do rei:
• Legislativo: fazia as leis
• Executivo: fazia cumprir as leis
• Judicial: julgava quem não cumpria as leis
A vida da corte
• Vivia em luxo e ostentação
• Realizavam-se bailes, teatros, concertos, banquetes e cortejos para
mostrar a sua riqueza
A nobreza
• Tentava imitar a corte no vestuário, na habitação e nos divertimentos.
O clero
• Construiu igrejas e conventos e adornou outras
• Tinha um grande poder e criou o Tribunal de Inquisição que perseguia e
condenava à morte quem estivesse contra a Igreja Católica, quem praticasse
outra religião ou quem fosse suspeito
3
Cristãos-novos: nome dado a quem aceitava converter-se à religião católica. No
entanto, muitos foram perseguidos e condenados à morte por suspeita de
praticarem outras religiões em segredo.
Autos-de-fé: cerimónias públicas onde os condenados eram torturados e
queimados vivos.
A burguesia
• A alta burguesia enriqueceu com o comércio e tentou imitar o modo de
vida da nobreza
• Estes burgueses conviviam em clubes e cafés com artistas, escritores e
políticos
Povo
• Continuava a viver em grandes dificuldades
Grandes construções
Parte das riquezas obtidas com o ouro brasileiro foi gasta na construção de
grandes palácios e conventos.
Por iniciativa régia (do rei):
• Aqueduto das Águas Livres
• Palácio e Convento de Mafra
• Capela de S. Batista
Por iniciativa da nobreza:
• Solar de Mateus
• Palácio dos Condes de Anadia
• Palácio do Freixo
Por iniciativa do clero:
4
• Torre dos Clérigos
Estilo Barroco
O estilo que caracterizava estas construções era o Barroco.
Características do estilo barroco:
• Grandiosidade
• Revestimento em talha dourada, azulejo e mármore
• Decoração abundante com curvas
• Abundância de estátuas
Lisboa Pombalina
Governo de D. José I
Em 1750, D. José I sobe ao trono e nomeia Sebastião José de Carvalho e Melo,
futuro Marquês de Pombal, como ministro.
Terramoto de 1755
Lisboa ficou praticamente destruída após o terramoto de 1755:
• Morreram cerca de 10 000 pessoas
• Grande maior parte dos edifícios ficaram em ruínas
• Perderam-se muitos tesouros como livros, manuscritos, quadros e objetos
de ouro e de prata
Ação do Marquês de Pombal após o terramoto
• Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos
• Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar roubos
5
• Encarregou o engenheiro Manuel da Maia e o arquiteto Eugénio dos
Santos elaborar um plano de reconstrução da baixa de Lisboa
Características da nova Lisboa
A baixa de Lisboa é conhecida por baixa pombalina porque o responsável pela
sua reconstrução após o terramoto foi o Marquês de Pombal. Esta reconstrução
caracterizou-se por várias inovações:
• Ruas largas
• Passeios calcetados
• Traçado geométrico
• Prédios da mesma altura com fachadas iguais e dotados de um sistema de
madeira anti-sísmico
• Rede de esgotos
O Terreiro do Paço deu lugar à Praça do Comércio em homenagem aos
burgueses que contribuíram com dinheiro para a reconstrução de Lisboa.
Situação de Portugal neste período
O reino português encontrava-se em crise:
• O comércio enfrentou uma grande concorrência estrangeira que impediu
o seu crescimento
• A agricultura e a indústria não produziam o suficiente, portanto Portugal
tinha que comprar quase tudo ao estrangeiro
• Chegava cada vez menos ouro do Brasil, por isso deixou de haver dinheiro
para importar tantos produtos
• O terramoto de 1755 veio agravar ainda mais a situação do país
Reformas pombalinas
6
Para resolver a grave situação que enfrentava Portugal, Marquês de Pombal
decidiu fazer várias reformas:
• Reformas económicas:
o Desenvolveu a indústria apoiando fábricas antigas e criando novas
o Criou companhias de comércio
• Reformas políticas e sociais
o Perseguiu e retirou poder à Nobreza (retirou cargos e riquezas e
reprimiu quem se lhe opusesse)
o Diminuiu o poder do Clero, expulsando os Jesuítas
o Protegeu a Burguesia
o Extinguiu a escravatura no reino (embora continuasse a existir nas
colónias portuguesas)
• Reformas no ensino
o Criou escolas primárias
o Reformou a Universidade de Coimbra
o Extinguiu a Universidade de Évora que era controlada pelos Jesuítas
Marquês de Pombal utilizou a Burguesia como motor de desenvolvimento
económico do país, e retirou poder às classes privilegiadas, ou seja, ao Clero e à
Nobreza.
Todas estas medidas, a nível social, político, económico e do ensino,
contribuíram para a modernização do país.
AS INVASÕES NAPOLEÓNICAS
Revolução Francesa
7
Em 1789 aconteceu a Revolução Francesa que pôs fim à Monarquia Absoluta em
França. Esta revolução tinha como princípios a igualdade, a liberdade e
a separação dos poderes (liberalismo).
Os reis europeus absolutistas sentiram-se ameaçados com estas ideias liberais,
uniram-se e declararam guerra à França.
Napoleão Bonaparte estava à frente do governo francês e conseguiu derrotar os
seus opositores e passou a dominar grande parte da Europa, com exceção da
Inglaterra. Para os enfraquecer, ordenou que todos os portos europeus não
permitissem a entrada de navios ingleses – Bloqueio Continental.
Fuga da família real portuguesa para o Brasil
Neste período Portugal tinha uma rainha, D. Maria I, viúva e doente. Por isso, o
reino era governado pelo seu filho, o príncipe João.
Portugal, como era um velho aliado da Inglaterra e não queria perder o comércio
com os ingleses, demorou a aderir ao bloqueio continental imposto por
Napoleão Bonaparte.
Quando o príncipe regente decidiu aderir ao bloqueio continental, já a França e
a Espanha, sua aliada, tinham decidido invadir Portugal.
A família real, com medo de ser presa pelas tropas francesas, parte para o Brasil
em 1807, e é criada uma Junta de Regência para governar Portugal.
1ª invasão francesa (1808)
Comandante: Junot
Instalou-se em Lisboa, mandou substituir a bandeira portuguesa pela francesa
no castelo de S. Jorge, acabou com a Junta de Regência e passou ele a governar
Portugal.
8
Durante a invasão francesa destruíram-se culturas, mataram-se pessoas e foi
roubado tudo o que tivesse valor.
Reação portuguesa:
Foram criados movimentos de resistência pelos populares e foi pedido auxílio
aos ingleses. O exército anglo-português venceu os franceses nas batalhas
da Roliça e do Vimeiro e Junot assinou a Convenção de Sintra e abandonou
Portugal.
2ª invasão francesa (1809)
Comandante: Soult
Entrou por Trás-os-Montes, chegou ao Porto mas encontrou uma forte
resistência e refugiou-se na Galiza.
3ª invasão francesa (1810)
Comandante: Massena
O seu exército perdeu muitos soldados na batalha do Buçaco mas tentou na
mesma a todo o custo chegar a Lisboa. No entanto, ficou retido na linha
defensiva de Torres Vedras, que era um conjunto de fortificações e canhões
criados pelos ingleses para proteger a cidade de Lisboa.
Massena foi obrigado a desistir e a retirar-se definitivamente.
9
A REVOLUÇÃO LIBERAL DE 1820
Situação do reino português após as invasões francesas
A população encontrava-se bastante descontente:
• A família real continuava no Brasil e sem intenções de voltar
• O reino encontrava-se pobre e desorganizado
• Os ingleses não saíram de Portugal e controlavam o comércio feito com o
Brasil, prejudicando assim os comerciantes portugueses
Grande parte da população, sobretudo o povo e a burguesia, começou a
defender as ideias liberais vindas de França.
Revolução liberal de 1820
Em 1818 foi fundada no Porto uma sociedade secreta chamada Sinédrio que
tinha como objetivo preparar uma revolução para expulsar os ingleses e ordenar
o regresso do rei que estava no Brasil.
Em 1820 iniciou-se a Revolução Liberal, no Porto, que depois se espalhou por
todo o país e em Lisboa.
Monarquia Liberal
Portugal passou a ter uma monarquia liberal. Foram criadas as Cortes
Constituintes que tiveram a função de criar a Constituição de 1822, onde
estavam definidos os direitos e deveres dos cidadãos. Nesta Constituição estava
definido que todos os cidadãos eram iguais perante a lei e estava estabelecida a
separação de poderes.
Independência do Brasil
O rei D. João VI regressou a Portugal, ficando o seu filho D. Pedro na regência do
Brasil. Durante a permanência do rei o Brasil teve um grande desenvolvimento e
10
os portos foram abertos aos comerciantes estrangeiros o que favoreceu a
burguesia brasileira. Estes apoiaram D. Pedro que declarou a independência do
Brasil em 1822.
A LUTA ENTRE LIBERAIS E ABSOLUTISTAS
Guerra Civil
Quando D. João VI morre, D. Pedro sucede-lhe mas abdica do trono para ficar no
Brasil. Passa a coroa para a sua filha Maria da Glória mas, como tinha apenas 7
anos, fica como regente o seu irmão D. Miguel.
D. Miguel prometeu governar segundo um regime liberal mas em 1828 dissolveu
as cortes e passou a governar como rei absoluto com o apoio da nobreza e do
clero e perseguiu os liberais.
Em 1831, D. Pedro abdicou do trono brasileiro e rumou à Europa, instalando-se
com exilados liberais na Ilha Terceira, nos Açores.
Em 1832 desembarcou com as suas tropas numa praia próxima do Porto e
avançou sobre a cidade, sem encontrar resistência.
Assistimos assim a uma Guerra Civil em Portugal (de um lado os Absolutistas,
liderados por D. Miguel e do outro lado os Liberais, liderados por D. Pedro).
Só depois de várias derrotas é que D. Miguel assinou a paz através da Convenção
de Évora Monte em 1834.
O Liberalismo saiu vitorioso e implantou-se definitivamente no nosso país.
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundialCarla Freitas
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIINiela Tuani
 
Expansionismo europeu i
Expansionismo europeu iExpansionismo europeu i
Expansionismo europeu iTeresa Maia
 
Comércio mundial
Comércio  mundialComércio  mundial
Comércio mundialMaria Gomes
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsRamiro Bicca
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVICatarina Sequeira
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteRainha Maga
 
O império português do oriente parte 2
O império português do oriente   parte 2O império português do oriente   parte 2
O império português do oriente parte 2anabelasilvasobral
 
Os imperios peninsulares
Os imperios peninsularesOs imperios peninsulares
Os imperios peninsularesSusana Simões
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialSusana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesSusana Simões
 
Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.Ana Pereira
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IILucilia Fonseca
 
Portugal sec xviii
Portugal sec xviiiPortugal sec xviii
Portugal sec xviiianabraga
 

Mais procurados (20)

25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial
 
Império Português do Oriente
Império Português do OrienteImpério Português do Oriente
Império Português do Oriente
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
 
Expansionismo europeu i
Expansionismo europeu iExpansionismo europeu i
Expansionismo europeu i
 
Comércio mundial
Comércio  mundialComércio  mundial
Comércio mundial
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Crise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no orienteCrise do Império Português no oriente
Crise do Império Português no oriente
 
O império português do oriente parte 2
O império português do oriente   parte 2O império português do oriente   parte 2
O império português do oriente parte 2
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
 
Os imperios peninsulares
Os imperios peninsularesOs imperios peninsulares
Os imperios peninsulares
 
O comercio à escala mundial
O comercio à escala mundialO comercio à escala mundial
O comercio à escala mundial
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.
 
Portugal Xv Xvi
Portugal Xv XviPortugal Xv Xvi
Portugal Xv Xvi
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
 
Portugal sec xviii
Portugal sec xviiiPortugal sec xviii
Portugal sec xviii
 

Semelhante a O império colonial português do séc

Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Testejdlimaaear
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilhistoriando
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiCarlos Vaz
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilhistoriando
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilhistoriando
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilNelia Salles Nantes
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilGeová da Silva
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialdaviprofessor
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalcattonia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILIsabel Aguiar
 
Império e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIIIImpério e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIIIcruchinho
 
Cursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opçãoCursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opçãoThiago Castro Bueno
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Ariy3
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Ariy3
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIImartamariafonseca
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasilfelipewatz
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalVítor Santos
 

Semelhante a O império colonial português do séc (20)

Resumos Para O Teste
Resumos Para O TesteResumos Para O Teste
Resumos Para O Teste
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
Império e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviiiImpério e monarquia absoluta no século xviii
Império e monarquia absoluta no século xviii
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
A vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasilA vinda da família real ao brasil
A vinda da família real ao brasil
 
Unidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºanoUnidade 6 8ºano
Unidade 6 8ºano
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Aula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonialAula 1 aula 2 brasil colonial
Aula 1 aula 2 brasil colonial
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
Império e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIIIImpério e monarquia absoluta no século XVIII
Império e monarquia absoluta no século XVIII
 
Cursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opçãoCursinho 2013 - Primeira opção
Cursinho 2013 - Primeira opção
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
 
Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1Hgp6 cdpd c1
Hgp6 cdpd c1
 
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIIIImperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
Imperio e monarquia absoluta no seculo XVIII
 
Colonia brasil
Colonia brasilColonia brasil
Colonia brasil
 
Brasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVIIBrasil colônia seculo XVII
Brasil colônia seculo XVII
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 

Mais de Silvia Lino

discurso direto e indireto
discurso direto e indiretodiscurso direto e indireto
discurso direto e indiretoSilvia Lino
 
discurso direto e indireto
discurso direto e indiretodiscurso direto e indireto
discurso direto e indiretoSilvia Lino
 
Ficha classificar morfologicamente palavras
Ficha classificar morfologicamente palavrasFicha classificar morfologicamente palavras
Ficha classificar morfologicamente palavrasSilvia Lino
 
Tabuadas para imprimir
Tabuadas para imprimirTabuadas para imprimir
Tabuadas para imprimirSilvia Lino
 
Corpo humano historia_portugal
Corpo humano historia_portugalCorpo humano historia_portugal
Corpo humano historia_portugalSilvia Lino
 
Ficha de-funcionamento-da-lingua-i
Ficha de-funcionamento-da-lingua-iFicha de-funcionamento-da-lingua-i
Ficha de-funcionamento-da-lingua-iSilvia Lino
 
Programa estudo do meio
Programa estudo do meioPrograma estudo do meio
Programa estudo do meioSilvia Lino
 
Le feminin des adjectifs
Le feminin des adjectifsLe feminin des adjectifs
Le feminin des adjectifsSilvia Lino
 
1 conhecer melhor os números - raiz quadrada (1)
1   conhecer melhor os números  - raiz quadrada (1)1   conhecer melhor os números  - raiz quadrada (1)
1 conhecer melhor os números - raiz quadrada (1)Silvia Lino
 
A península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaA península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaSilvia Lino
 
A península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaA península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaSilvia Lino
 
1 os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)
1   os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)1   os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)
1 os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)Silvia Lino
 
Programa estudo do meio
Programa estudo do meioPrograma estudo do meio
Programa estudo do meioSilvia Lino
 
4.º ano testes diagnosticos
4.º ano testes diagnosticos4.º ano testes diagnosticos
4.º ano testes diagnosticosSilvia Lino
 

Mais de Silvia Lino (17)

discurso direto e indireto
discurso direto e indiretodiscurso direto e indireto
discurso direto e indireto
 
discurso direto e indireto
discurso direto e indiretodiscurso direto e indireto
discurso direto e indireto
 
Ficha classificar morfologicamente palavras
Ficha classificar morfologicamente palavrasFicha classificar morfologicamente palavras
Ficha classificar morfologicamente palavras
 
Tabuadas para imprimir
Tabuadas para imprimirTabuadas para imprimir
Tabuadas para imprimir
 
Planisferio
PlanisferioPlanisferio
Planisferio
 
Corpo humano historia_portugal
Corpo humano historia_portugalCorpo humano historia_portugal
Corpo humano historia_portugal
 
Angulos
AngulosAngulos
Angulos
 
Ficha de-funcionamento-da-lingua-i
Ficha de-funcionamento-da-lingua-iFicha de-funcionamento-da-lingua-i
Ficha de-funcionamento-da-lingua-i
 
Programa estudo do meio
Programa estudo do meioPrograma estudo do meio
Programa estudo do meio
 
Le feminin des adjectifs
Le feminin des adjectifsLe feminin des adjectifs
Le feminin des adjectifs
 
Conteudos
ConteudosConteudos
Conteudos
 
1 conhecer melhor os números - raiz quadrada (1)
1   conhecer melhor os números  - raiz quadrada (1)1   conhecer melhor os números  - raiz quadrada (1)
1 conhecer melhor os números - raiz quadrada (1)
 
A península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaA península ibérica romanizada
A península ibérica romanizada
 
A península ibérica romanizada
A península ibérica romanizadaA península ibérica romanizada
A península ibérica romanizada
 
1 os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)
1   os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)1   os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)
1 os nãºmeros naturais - teste diagnã³stico (1)
 
Programa estudo do meio
Programa estudo do meioPrograma estudo do meio
Programa estudo do meio
 
4.º ano testes diagnosticos
4.º ano testes diagnosticos4.º ano testes diagnosticos
4.º ano testes diagnosticos
 

Último

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

O império colonial português do séc

  • 1. O IMPÉRIO COLONIAL PORTUGUÊS DO SÉC. XVIII Colónias pertencentes a Portugal No século XVIII o Império português era constituído por: • Na Ásia: pelas cidades de Damão, Diu e Goa na Índia e ainda por Macau e Timor; • Em África: por Cabo Verde, Guiné, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique • Na América: pelo Brasil Brasil Neste período Portugal já não obtinha grandes lucros com o comércio do Oriente (Índia) devido à concorrência com ingleses, franceses e holandeses, por isso interessou-se mais em explorar o Brasil. O tempo quente e húmido permitiu cultivar grandes quantidades de cana-de- açucar que depois era trabalhada nos engenhos para ser transformada em açucar. Além do açucar, o Brasil passou a ser bastante importante por causa da descoberta de ouro e de pedras preciosas. Bandeirantes: pessoas que foram para o interior do Brasil à procura de ouro, pedras preciosas e de índios para escravizar. Fundaram cidades e povoações o que permitiu alargar as fronteiras do Brasil para além da linha de Tordesilhas. Engenhos: conjunto de instalações que moem a cana-de-açucar e a transformam em açucar. 1
  • 2. Comércio triangular Neste período desenvolveu-se o comércio entre três continentes: Europa, América e África. Movimentos da população Da metrópole (Portugal): • Milhares de colonos partiram para o Brasil em busca de melhores condições de vida; • Missionários também partiram para o Brasil com a missão de expandir a fé católica. De África: • Milhares de escravos foram levados para o Brasil para trabalhar nas plantações de cana-de-açucar, nos engenhos e na exploração do ouro. Eram transportados em navios negreiros em condições desumanas. No Brasil: • Os bandeirantes deslocaram-se para o interior do Brasil à procura de ouro, pedras preciosas e de índios para os escravizar; • Os missionários também foram para o interior para evangelizar os índios brasileiros e para os proteger da escravatura. 2
  • 3. A SOCIEDADE PORTUGUESA NO TEMPO DE D. JOÃO V Governo de D. João V A descoberta de ouro e de pedras preciosas desenvolveu o comércio triangular que trouxe grandes riquezas a Portugal. D. João V tornou-se num dos reis mais ricos da Europa e concentrou em si todos os poderes passando a governar como um rei absoluto. Monarquia absoluta: regime em que o rei concentra em si todos os poderes. Poderes do rei: • Legislativo: fazia as leis • Executivo: fazia cumprir as leis • Judicial: julgava quem não cumpria as leis A vida da corte • Vivia em luxo e ostentação • Realizavam-se bailes, teatros, concertos, banquetes e cortejos para mostrar a sua riqueza A nobreza • Tentava imitar a corte no vestuário, na habitação e nos divertimentos. O clero • Construiu igrejas e conventos e adornou outras • Tinha um grande poder e criou o Tribunal de Inquisição que perseguia e condenava à morte quem estivesse contra a Igreja Católica, quem praticasse outra religião ou quem fosse suspeito 3
  • 4. Cristãos-novos: nome dado a quem aceitava converter-se à religião católica. No entanto, muitos foram perseguidos e condenados à morte por suspeita de praticarem outras religiões em segredo. Autos-de-fé: cerimónias públicas onde os condenados eram torturados e queimados vivos. A burguesia • A alta burguesia enriqueceu com o comércio e tentou imitar o modo de vida da nobreza • Estes burgueses conviviam em clubes e cafés com artistas, escritores e políticos Povo • Continuava a viver em grandes dificuldades Grandes construções Parte das riquezas obtidas com o ouro brasileiro foi gasta na construção de grandes palácios e conventos. Por iniciativa régia (do rei): • Aqueduto das Águas Livres • Palácio e Convento de Mafra • Capela de S. Batista Por iniciativa da nobreza: • Solar de Mateus • Palácio dos Condes de Anadia • Palácio do Freixo Por iniciativa do clero: 4
  • 5. • Torre dos Clérigos Estilo Barroco O estilo que caracterizava estas construções era o Barroco. Características do estilo barroco: • Grandiosidade • Revestimento em talha dourada, azulejo e mármore • Decoração abundante com curvas • Abundância de estátuas Lisboa Pombalina Governo de D. José I Em 1750, D. José I sobe ao trono e nomeia Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal, como ministro. Terramoto de 1755 Lisboa ficou praticamente destruída após o terramoto de 1755: • Morreram cerca de 10 000 pessoas • Grande maior parte dos edifícios ficaram em ruínas • Perderam-se muitos tesouros como livros, manuscritos, quadros e objetos de ouro e de prata Ação do Marquês de Pombal após o terramoto • Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos • Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar roubos 5
  • 6. • Encarregou o engenheiro Manuel da Maia e o arquiteto Eugénio dos Santos elaborar um plano de reconstrução da baixa de Lisboa Características da nova Lisboa A baixa de Lisboa é conhecida por baixa pombalina porque o responsável pela sua reconstrução após o terramoto foi o Marquês de Pombal. Esta reconstrução caracterizou-se por várias inovações: • Ruas largas • Passeios calcetados • Traçado geométrico • Prédios da mesma altura com fachadas iguais e dotados de um sistema de madeira anti-sísmico • Rede de esgotos O Terreiro do Paço deu lugar à Praça do Comércio em homenagem aos burgueses que contribuíram com dinheiro para a reconstrução de Lisboa. Situação de Portugal neste período O reino português encontrava-se em crise: • O comércio enfrentou uma grande concorrência estrangeira que impediu o seu crescimento • A agricultura e a indústria não produziam o suficiente, portanto Portugal tinha que comprar quase tudo ao estrangeiro • Chegava cada vez menos ouro do Brasil, por isso deixou de haver dinheiro para importar tantos produtos • O terramoto de 1755 veio agravar ainda mais a situação do país Reformas pombalinas 6
  • 7. Para resolver a grave situação que enfrentava Portugal, Marquês de Pombal decidiu fazer várias reformas: • Reformas económicas: o Desenvolveu a indústria apoiando fábricas antigas e criando novas o Criou companhias de comércio • Reformas políticas e sociais o Perseguiu e retirou poder à Nobreza (retirou cargos e riquezas e reprimiu quem se lhe opusesse) o Diminuiu o poder do Clero, expulsando os Jesuítas o Protegeu a Burguesia o Extinguiu a escravatura no reino (embora continuasse a existir nas colónias portuguesas) • Reformas no ensino o Criou escolas primárias o Reformou a Universidade de Coimbra o Extinguiu a Universidade de Évora que era controlada pelos Jesuítas Marquês de Pombal utilizou a Burguesia como motor de desenvolvimento económico do país, e retirou poder às classes privilegiadas, ou seja, ao Clero e à Nobreza. Todas estas medidas, a nível social, político, económico e do ensino, contribuíram para a modernização do país. AS INVASÕES NAPOLEÓNICAS Revolução Francesa 7
  • 8. Em 1789 aconteceu a Revolução Francesa que pôs fim à Monarquia Absoluta em França. Esta revolução tinha como princípios a igualdade, a liberdade e a separação dos poderes (liberalismo). Os reis europeus absolutistas sentiram-se ameaçados com estas ideias liberais, uniram-se e declararam guerra à França. Napoleão Bonaparte estava à frente do governo francês e conseguiu derrotar os seus opositores e passou a dominar grande parte da Europa, com exceção da Inglaterra. Para os enfraquecer, ordenou que todos os portos europeus não permitissem a entrada de navios ingleses – Bloqueio Continental. Fuga da família real portuguesa para o Brasil Neste período Portugal tinha uma rainha, D. Maria I, viúva e doente. Por isso, o reino era governado pelo seu filho, o príncipe João. Portugal, como era um velho aliado da Inglaterra e não queria perder o comércio com os ingleses, demorou a aderir ao bloqueio continental imposto por Napoleão Bonaparte. Quando o príncipe regente decidiu aderir ao bloqueio continental, já a França e a Espanha, sua aliada, tinham decidido invadir Portugal. A família real, com medo de ser presa pelas tropas francesas, parte para o Brasil em 1807, e é criada uma Junta de Regência para governar Portugal. 1ª invasão francesa (1808) Comandante: Junot Instalou-se em Lisboa, mandou substituir a bandeira portuguesa pela francesa no castelo de S. Jorge, acabou com a Junta de Regência e passou ele a governar Portugal. 8
  • 9. Durante a invasão francesa destruíram-se culturas, mataram-se pessoas e foi roubado tudo o que tivesse valor. Reação portuguesa: Foram criados movimentos de resistência pelos populares e foi pedido auxílio aos ingleses. O exército anglo-português venceu os franceses nas batalhas da Roliça e do Vimeiro e Junot assinou a Convenção de Sintra e abandonou Portugal. 2ª invasão francesa (1809) Comandante: Soult Entrou por Trás-os-Montes, chegou ao Porto mas encontrou uma forte resistência e refugiou-se na Galiza. 3ª invasão francesa (1810) Comandante: Massena O seu exército perdeu muitos soldados na batalha do Buçaco mas tentou na mesma a todo o custo chegar a Lisboa. No entanto, ficou retido na linha defensiva de Torres Vedras, que era um conjunto de fortificações e canhões criados pelos ingleses para proteger a cidade de Lisboa. Massena foi obrigado a desistir e a retirar-se definitivamente. 9
  • 10. A REVOLUÇÃO LIBERAL DE 1820 Situação do reino português após as invasões francesas A população encontrava-se bastante descontente: • A família real continuava no Brasil e sem intenções de voltar • O reino encontrava-se pobre e desorganizado • Os ingleses não saíram de Portugal e controlavam o comércio feito com o Brasil, prejudicando assim os comerciantes portugueses Grande parte da população, sobretudo o povo e a burguesia, começou a defender as ideias liberais vindas de França. Revolução liberal de 1820 Em 1818 foi fundada no Porto uma sociedade secreta chamada Sinédrio que tinha como objetivo preparar uma revolução para expulsar os ingleses e ordenar o regresso do rei que estava no Brasil. Em 1820 iniciou-se a Revolução Liberal, no Porto, que depois se espalhou por todo o país e em Lisboa. Monarquia Liberal Portugal passou a ter uma monarquia liberal. Foram criadas as Cortes Constituintes que tiveram a função de criar a Constituição de 1822, onde estavam definidos os direitos e deveres dos cidadãos. Nesta Constituição estava definido que todos os cidadãos eram iguais perante a lei e estava estabelecida a separação de poderes. Independência do Brasil O rei D. João VI regressou a Portugal, ficando o seu filho D. Pedro na regência do Brasil. Durante a permanência do rei o Brasil teve um grande desenvolvimento e 10
  • 11. os portos foram abertos aos comerciantes estrangeiros o que favoreceu a burguesia brasileira. Estes apoiaram D. Pedro que declarou a independência do Brasil em 1822. A LUTA ENTRE LIBERAIS E ABSOLUTISTAS Guerra Civil Quando D. João VI morre, D. Pedro sucede-lhe mas abdica do trono para ficar no Brasil. Passa a coroa para a sua filha Maria da Glória mas, como tinha apenas 7 anos, fica como regente o seu irmão D. Miguel. D. Miguel prometeu governar segundo um regime liberal mas em 1828 dissolveu as cortes e passou a governar como rei absoluto com o apoio da nobreza e do clero e perseguiu os liberais. Em 1831, D. Pedro abdicou do trono brasileiro e rumou à Europa, instalando-se com exilados liberais na Ilha Terceira, nos Açores. Em 1832 desembarcou com as suas tropas numa praia próxima do Porto e avançou sobre a cidade, sem encontrar resistência. Assistimos assim a uma Guerra Civil em Portugal (de um lado os Absolutistas, liderados por D. Miguel e do outro lado os Liberais, liderados por D. Pedro). Só depois de várias derrotas é que D. Miguel assinou a paz através da Convenção de Évora Monte em 1834. O Liberalismo saiu vitorioso e implantou-se definitivamente no nosso país. 11