SlideShare uma empresa Scribd logo
1
AGROCURSO CONFINAMENTO DE GADO
DE CORTE
AULA 7 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO E
DIETA DE ADAPTAÇÃO
Juliano Ricardo Resende – Zootecnista, professor de nutrição de
ruminantes nas Faculdades Associadas de Uberaba
2
SUMÁRIO
1 – DIETAS DE ADAPTAÇÃO EM CONFINAMENTO....................................3
1.1 - Morfologia e saúde do rúmen..............................................................7
1.2 - Protocolos de Adaptação.....................................................................8
1.2.1 - Dietas com até 60% de concentrado, na base seca.......................13
1.2.2 - Dietas com 60 a 80% de concentrado, base seca...........................13
1.3 - Manejo nutricional inicial.....................................................................15
1.4 - Adição de carboidratos à dieta............................................................16
2 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO EM CONFINAMENTO..............................17
3 – REFERENCIAS..........................................................................................21
3
1 – DIETAS DE ADAPTAÇÃO EM CONFINAMENTO
A entrada dos animais em confinamento leva a uma drástica mudança
no comportamento dos animais que, em primeiro momento, irão rejeitar todas
essas situações, levando a um forte estresse. Em situações de estresse, a
primeira reação do bovino é parar de se alimentar e manter baixas ingestões
de água.
Essas reações são variáveis, variando entre os diferentes lotes, e até
entre animais de um mesmo lote, dependendo de situações prévias (sistemas
de produção) vividas pelo animal. Animais que já passaram por situações de
confinamento, também vão estranhar as novas instalações, pessoas do
manejo, máquinas, etc, porém já aprenderam a se alimentar no cocho, se
adaptando mais facilmente.
Depois do estresse de viagem (deve ser a menor distância possível), os
animais vão estranhar o novo local que deverão passar os próximos meses,
sendo difícil minimizar esse efeito. A formação de lotes homogêneos é
extremamente importante, e deve ser feita, de preferência, entre os animais de
mesma origem logo após a chegada no confinamento. Devido o espírito
gregário dos bovinos, a mistura de animais em novos lotes vai levar a disputa
por dominância.
Todo manejo descrito, apesar de simples, é de extrema importância para
produção de carcaças com qualidade. A não observância desses pontos vai
resultar na produção heterogênea de animais, e conseqüentemente de
carcaças, com falta de acabamento e contusões devido às disputas entre os
animais, causando heterogeneidade de ingestão de alimentos e de qualidade
de carcaças.
Protocolos de adaptação em períodos excessivamente curtos podem
permitir a ocorrência de distúrbios ruminais, e doutra forma, períodos
excessivamente longos comprometem o ganho de peso diário (GPD) e a
exploração eficiente por parte do confinamento, do ganho de peso
compensatório, além de aumentar o custo da arroba produzida. De acordo com
Fernandes et al., (2011) a manutenção da função ruminal é de fundamental
importância para bovinos em crescimento e terminação, uma vez que os ácidos
graxos de cadeia curta respondem por cerca de 50 a 70% da energia
4
metabolizada por bovinos (Kozloski, 2009). A redução na produção de AGCC
pelas bactérias ruminais, bem como a diminuição na absorção ou metabolismo
dos AGCC no epitélio ruminal, acarretariam em impacto negativo no
desempenho produtivo do animal.
Embora cuidados devam ser tomados durante o processo de adaptação
para evitar a acidose, o estabelecimento do consumo de MS, e portanto,
calórico, parece ser um dos aspectos mais importantes do período de
adaptação. Existe forte correlação entre o consumo de MS e o desempenho
produtivo do animal. De acordo com Bevans et al., (2005) indivíduos que
apresentam maior variação de pH ruminal consomem menos MS. Em
contrapartida, no período de adaptação, aqueles indivíduos com menor
variação de pH apresentam constância no consumo de MS. Desta forma, é
evidente que há variações entre invíduos do mesmo lote que chegam ao
confinamento no que diz respeito à capacidade de adaptação às dietas. Um
dos problemas associados a este fato é a ocorrência de consumo excessivo de
MS por alguns animais (podendo culminar em distúrbios metabólicos) e
consumo subótimo por outros, comprometendo o ganho de peso. Isto sugere
que, mesmo com a adoção de protocolos de adaptação às dietas, alguns
animais podem apresentar acidose (Bevans et al., 2005).
De acordo com Paulino et al., (2010) um aspecto importante é que o
estresse causado pelo manejo de formação dos lotes, transporte, desidratação
e jejum a que os animais são submetidos antes de chegarem ao confinamento,
pode afetar de forma marcante o padrão de consumo nos primeiros dias de
cocho. Assim sendo se faz necessário que medidas sejam tomadas com o
objetivo de se eliminar ou reduzir qualquer estresse adicional para que os
animais tenham um comportamento ingestivo normal neste período, sendo
sempre monitorados por ferramentas auxiliares como manejo de cocho e
escore de fezes. De acordo com Paulino et al., (2010) uma das principais
mudanças que ocorre com o animal ruminante, anteriormente alimentado com
dieta rica em forragem e que é submetido à alimentação com dieta rica em
concentrado (carboidrato não estrutural), é a alteração do perfil microbiano
ruminal. O estabelecimento e a manutenção de uma fermentação ruminal
estável em situações nutricionais caracterizadas por alta proporção de
carboidratos não fibrosos na dieta dependem do estabelecimento de uma
5
população viável de bactérias utilizadoras de lactato e de protozoários ciliados
(Coe et al., 1999). Observa-se que há aumento na quantidade de bactérias
amilolíticas quando os animais passam a receber a dieta de maior teor de
carboidratos não fibrosos. Fernando et al., (2010) sugerem uma maior
diversidade na população bacteriana nos animais alimentados a base de
volumoso comparada aos animais alimentados com dietas concentradas.
Tajima et al., (2001) demonstraram que a microbiota ruminal é altamente
responsiva à dieta. Fernandes et al., (2011) citando Fernando et al., (2010)
verificaram aumentos significativos na população de Megasphaera elsdenii,
Streptococcus bovis, Selenomonas ruminantium e Prevotella bryantii durante a
adaptação à dieta de alto teor de concentrado, enquanto que as populações de
Butyrivibrio fibrisolvens e Fibrobacter succinogenes diminuíram gradualmente
quando os animais foram adaptados à dieta de alto concentrado. Fibrobacter
succinogenes são bactérias fibrolíticas, predominantes quando os animais
estão submetidos a dietas ricas em conteúdo fibroso. Desta forma, a
diminuição desta população é esperada em dietas concentradas. Megasphaera
elsdenii e Selenomonas ruminantium utilizam o ácido láctico produzido no
rúmen, prevenindo o acúmulo de ácido e por conseqüência a acidose
(Fernando et al., 2010). Desta forma, aumento destas espécies no rúmen é
desejável quando se aumenta teor de concentrado na dieta.
Fernando et al., (2010) detectaram uma alteração significativa na
estrutura da população bacteriana em animais no período de adaptação a
dietas com alto teor de concentrado. Estes autores trabalharam com dietas
múltiplas de adaptação variando as relações de volumoso:concentrado de
80:20 (dieta 1), 60:40 (dieta 2), 40:60 (dieta 3) e 20:80 (dieta 4) e verificaram
que não houve mudanças quando os animais receberam a dieta 1 e 2 , mas ao
receberem as dietas 3 e 4 a mudança na estrutura da população microbiana foi
claramente observada. Os autores atribuíram essa mudança na população
microbiana ao aumento de substrato fermentável presente na dieta,
favorecendo o crescimento de espécies amilolíticas.
De acordo com Counette e Prins, (1981); Therion et al., (1982) quando a
ingestão por indivíduo é limitada e a competição por animais no cocho não
existe, a percentagem de bactérias utilizadoras de lactato muda muito pouco
após 14 dias. O aumento mais lento da população de bactérias utilizadoras de
6
lactato, comparado com bactérias amilolíticas durante a adaptação às dietas
ricas em carboidratos não fibrosos, indica relativamente taxas mais lentas de
crescimento das utilizadoras de lactato.
De acordo com Hungate (1996), durante a adaptação às dietas com alta
inclusão de grãos, mais de 90% do total de protozoários no rúmen, foram da
espécie Entodinium, que são importantes para regulação da taxa de
fermentação do amido, estes protozoários engolfam o amido e bactérias
amilolíticas, reduzindo a taxa de fermentação de amido no rúmen. As
concentrações de populações de protozoários aumentaram com picos de 2 a 4
vezes maiores quando dietas contendo aproximadamente 60% de concentrado
foram fornecidas. Estes números foram reduzidos quando a inclusão de
concentrado passou para 70% da matéria seca, o que segundo Dehority,
(2004) provavelmente seja devido ao lento crescimento (12 a 15 horas para
dobrar o tamanho da população) e a sensibilidade do pH ruminal mais baixo
(Hungate et al., 1964).
De acordo com Paulino et al., (2010) outra mudança que ocorre no
rúmen durante o período de adaptação dos animais às dietas ricas em
concentrado, e que já está descrita na literatura é a mudança no perfil de
ácidos graxos ruminais, mostrando redução na proporção molar de acetato,
acompanhada de incrementos na proporção de butirato e de propionato.
Quando ocorrem condições no rúmen, que promovem maior fluxo de glicose,
como é o caso de dietas de alto grão, há limitação em reoxidar os equivalentes
redutores gerados, de forma que os íons H + formados neste processo
poderiam ser drenados pela formação de metano. No entanto, o menor pH
ruminal, característicos destas dietas, juntamente com a maior taxa de fluxo de
íons H+ , promove o deslocamento de elétrons para formação de propionato e
lactato a partir de piruvato em detrimento do acetato. Com isso, ocorre
consumo de hidrogênio, inibindo a síntese de metano pelas bactérias
metanogênicas, o que explicaria a mudança de cerca de 25% que ocorre na
relação acetato:propionato na fase de adaptação.
A inclusão de aditivos alimentares que atuam sobre a microbiota ruminal
pode facilitar a transição de uma dieta rica em alimentos volumosos, para outra
rica em alimentos concentrados, pela mudança no perfil microbiano do rúmen
bem como sua atividade. A virginiamicina, produto da fermentação de
7
Streptomyces virginiae, ajuda a estabilizar a fermentação ruminal e a diminuir a
variação no consumo alimentar, normalmente encontrado quando se adota
manejo alimentar deficiente em dietas de alto grão (Rogers et al., 1995). Seu
modo de ação se dá pelo bloqueio da síntese protéica, essencialmente em
bactérias Grampositivas, sendo um potente inibidor da produção de ácido
lático.
1.1 - Morfologia e saúde do rúmen
O estômago dos ruminantes é constituído por quatro compartimentos
morfologicamente distintos. Os três primeiros, rúmen, retículo e omaso,
correspondem à parte aglandular, e o abomaso é o compartimento glandular.
(Dellmann e Brown, 1982). O rúmen é marcado externamente por sulcos que
correspondem internamente aos pilares, que dividem o órgão em sacos cranial,
ventral, dorsal, cego caudo-dorsal e cego caudo-ventral. A extremidade cranial
do saco ventral é denominada recesso do rúmen (Nickel et al., 1981).
A rumenite é o desenvolvimento de alterações inflamatórias no epitélio
ruminal e nos tecidos subjacentes, decorrente de dietas ricas em grãos de
cereais e com níveis de forragem inadequados. De acordo com Sarti, (2010) na
maioria dos casos a infecção do epitélio ruminal ocorre após um dano
mecânico ou químico. As principais causas de rumenite nos animais são
originadas por processos fermentativos inadequados no interior do rúmen, que
podem ser ocasionados tanto por quadros graves de acidose lática ruminal
aguda, onde o baixo pH, associado à alta osmolaridade poderá provocar lesões
na parede ruminal, principalmente nas suas papilas, quanto por acidose branda
provocada por ácidos graxos de cadeia curta, quando a produção excessiva
destes ácidos provoca acúmulo nas regiões ventrais do órgão e provoca lesões
corrosivas em sua parede (Nagaraja & Chengappa, 1998; Owens et al., 1998).
Uma vez instalado o quadro de rumenite, as defesas físicas do animal
ficam comprometidas devido à lesão originada, abrindo passagem para
bactérias ruminais, principalmente Fusobacterium necrophorum, que colonizam
o tecido do órgão e atravessando o epitélio ruminal atingem a corrente
sanguínea, através do sistema circulatório porta, chegam ao fígado,
ocasionando infecção e abscessos hepáticos (Nagaraja e Lechtenberg, 2007).
8
De acordo com Coelho, (1997) os abscessos são inflamações purulentas
circunscritas, com formação de cápsulas de tecido conjuntivo fibroso, causados
por bactérias. De acordo com Brown et al., (1975) os animais acometidos de
abscessos hepáticos têm sua taxa de crescimento diminuída de 5,85 a 12,7%
causando significativa perda produtiva e econômica. De acordo com
Lechtenberg et al., (1988) os abscessos hepáticos causam redução de até 11%
no ganho médio diário e de 9,7% na eficiência alimentar.
Vechiato, (2009) estudou através de retrospecção de dados a freqüência
de rumenites e abscessos hepáticos, e mostrou que os animais confinados
com dietas de alto concentrado apresentaram respectivamente índices de
11,88% e 3,25%. Segundo o autor estes índices são responsáveis por grande
prejuízo econômico no sistema de produção de bovinos de corte. Fica evidente
a importância da fase de adaptação quando da utilização de dietas de alto grão
na alimentação dos animais.
1.2 - Protocolos de Adaptação
O fornecimento de dietas ricas em carboidratos não fibrosos permite o
rápido incremento de ácidos graxos de cadeia curta e lactato no interior do
rúmen, para que estes metabólicos sejam absorvidos é necessário que as
papilas ruminais também sejam aumentadas, para que haja aumento da área
absortiva. O ácido lático tem constante de dissociação (pK) maior quando
comparado com os principais AGCC, a adaptação gradual às dietas com alto
teor de carboidrato não fibroso previne o acúmulo deste ácido, porém, segundo
Nagaraja, (2003), ainda assim o pH ruminal pode permanecer baixo devido a
maior produção de AGCC.
Costa et al., (2008) estudando o efeito dos AGCC sobre as alterações
morfológicas da mucosa ruminal, relataram que o propionato foi o AGCC
responsável pelo crescimento fisiológico de papilas metabolicamente ativas. O
período de adaptação dos animais antecede o fornecimento da dieta final em
quantidade que se atinja o consumo esperado, visando preparar o ambiente
ruminal para recebimento de grande quantidade de carboidratos não fibrosos.
Assim, existem diversos manejos alimentares que podem ser adotados com
essa finalidade. As principais estratégias de adaptação relatadas na literatura
9
são a utilização de múltiplas dietas ou protocolo de escada, a utilização da
dieta final limitada pela quantidade ou adaptação por restrição e a utilização de
uma única dieta com menor teor de energia.
O fornecimento de múltiplas dietas consiste na variação da relação
volumoso:concentrado com incrementos na quantidade de concentrado de
forma gradual. O tempo de fornecimento destas dietas se dá por um período
pré- determinado ou em função da resposta animal, e dependerá do número de
dietas que serão fornecidas. Outra forma de se obter múltiplas dietas tem sido
adotada recentemente (Krehbiel et al., 2010); duas dietas (uma inicial e uma
final) são fornecidas com aumento gradual da relação dieta final:dieta inicial em
um tempo estabelecido.
Bevans et al., (2005) mostraram que houve variação do pH ruminal
muito mais intensa quando bovinos foram adaptados em período curto (5 dias)
quando comparado com período de 17 dias, aumentando o risco de acidose.
Bierman e Pritchard (1996) adaptaram bovinos para dieta de 92% de
concentrado, utilizando protocolo de escada, com acesso ad libitum a dietas
com 45, 65, 75 e 82% de concentrado durante um período de 11 dias,
comparando com protocolo de restrição, iniciando com fornecimento da dieta
final equivalente a 1,74% do peso inicial seguido por aumentos graduais até
atingir o consumo ad libitum. Durante os primeiros 29 dias o ganho médio diário
não diferiu entre os tratamentos, mas bovinos alimentados pelo protocolo de
restrição consumiram 20% menos matéria seca e foram 19% mais eficientes.
Ao final de 121 dias de alimentação os animais adaptados pelo protocolo de
restrição foram 11% mais eficientes.
Choat et al., (2002) adaptaram garrotes à dieta com 90% de
concentrado, por meio de protocolo de escadas com dietas de 70, 75, 80 e
85% de MS, com intervalo de 5 dias para cada uma das dietas de adaptação,
comparando com protocolos de restrição, um grupo recebeu dieta final restrita
a 1,5% do PV com incrementos diários de 0,45Kg de MS e outro grupo foi
restrito a 1,25% do PV com incrementos diários de 0,23Kg de MS. Os bovinos
alimentados com restrição da dieta final tiveram menor consumo de MS (22%)
e ganharam menos peso nos primeiros 28 dias, porém o ganho médio diário e
a eficiência alimentar não diferiram entre os tratamentos no final do período de
alimentação.
10
Weichenthal et al., (1999) adaptaram bovinos a uma dieta de 95% de
concentrado na matéria seca, utilizando protocolo de escadas com acesso ad
libitum às ditas com 65, 75, 82 e 90% de concentrado, comparando com
protocolo de restrição iniciando com fornecimento de 1,77% do PV e
incrementos diários de 0,23-0,45 Kg de MS durante 24 dias. Os animais
alimentados com restrição da dieta final apresentaram 6% menor ingestão de
MS e 8% maior eficiência alimentar que os animais adaptados pelo protocolo
de escadas.
De acordo com Brown et al., (2006) bovinos adaptados em 14 dias ou
menos com dietas que foram de 55 para 90% de concentrado, apresentaram
menor ganho de peso durante a adaptação ou durante todo o período de
alimentação. De acordo com Fernandes et al., (2011) em um estudo
acompanhando as recomendações de consultores brasileiros da área de
nutrição, Millen et al., (2009) relataram que quase 50% dos profissionais
acompanhados recomendam dietas múltiplas como forma de adaptação
(Tabela 1).
O protocolo de adaptação por restrição da dieta final com incrementos
gradativos até atingir o consumo ad libitum tem como vantagem a facilidade de
se trabalhar com uma única dieta, porém a desvantagem deste protocolo é a
competição entre os animais no cocho; desta competição pode resultar o
consumo excessivo por parte de alguns animais e o consumo deficitário por
outros, reduzindo a eficiência do método. Segundo Millen et al. (2009) cerca de
20% dos nutricionistas brasileiros adotam a dieta final limitada em quantidade
como estratégia de adaptação dos animais (Tabela 1).
11
A maior parte dos nutricionistas acompanhados no estudo de Millen et
al., (2009) recomendam 3 dietas ao longo do período de adaptação, que tem
uma duração média de aproximadamente 17 dias, este intervalo está dentro do
limite mínimo recomendado por Brown et al. (2006), de 14 dias. Portanto, o
tempo médio de permanência em cada dieta, durante a fase de adaptação, é
de aproximadamente 6 dias (Tabela 2).
A adaptação é feita utilizando diferentes dietas com aumento gradual de
concentrado, na primeira dieta prioriza-se o fornecimento de proteína, minerais
e pequena quantidade de carboidratos não fibrosos. Na segunda dieta, o
período de fornecimento é variável, dependendo do peso de entrada dos
12
animais no confinamento. Animais mais jovens e leves recebem esta dieta por
período maior, com o objetivo de promover o crescimento animal. Na Tabela 3
está apresentada a duração de cada fase conforme o peso de entrada dos
animais.
Tabela 3 – Dias que os animais permanecem em cada dieta durante a
fase de adaptação e terminação, de acordo com práticas adotadas em
confinamentos brasileiros
Peso de entrada Tipo de dieta
Adaptação Crescimento Terminação
Abaixo de 300 kg 6,5 60 Até o abate
De 300 a 330 kg 6,5 47 Até o abate
De 330 a 360 kg 6,5 33 Até o abate
Acima de 360 kg 6,5 26 Até o abate
Fonte: Nutribeef
Uma breve descrição mais detalhada das dietas utilizadas para adaptar
animais de dietas praticamente exclusivas de volumosos (pasto) para dietas
ricas em concentrados é apresentada abaixo (Tabela 4).
A seguir é apresentado um guia prático de adaptação para bovinos em
confinamento.
13
1.2.1 - Dietas com até 60% de concentrado, na base seca
A1: Começar com 20% do concentrado. Fornecer volumoso de maneira
moderada para que os animais sintam fome, mas não disputem espaço no
cocho. (3 dias).
A.2: Aumentar para 50% a partir do 4º dia, se os animais estiverem comendo
todo concentrado estipulado no item A.1 (3 dias).
A.3. Aumentar para 75% do concentrado a partir do 7º dia se os animais
estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.2 (4 dias).
A.4. Aumentar para 100% do concentrado a partir do 11º dia, se os animais
estiverem comendo todo o concentrado estipulado no item A.3
1.2.2 - Dietas com 60 a 80% de concentrado, base seca
B.1: Começar com 20% do concentrado. Fornecer volumoso de maneira
moderada para que os animais sintam fome, mas não disputem espaço no
cocho. (3 dias).
B.2: Aumentar para 40% do concentrado a partir do 4º. dia, se os animais
estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.1 (3 dias).
B.3: Aumentar para 60% do concentrado a partir do 7º dia, se os animais
estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.2 (4 dias).
B.4: Aumentar para 80% do concentrado a partir do 9º. dia, se os animais
estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.3 (4 dias).
B.5: Aumentar para 100% do concentrado a partir do 14º dia, se os animais
estiverem comendo todo o concentrado estipulado no item B.4.
Observações:
- Para calcular a quantidade de concentrado por animal por dia, considerar: a
ingestão de MS de 2,2% do PV para Nelore e de 2,5% para cruzados; teor de
MS do concentrado igual a 90%.
- Os animais só vão atingir os níveis de consumo estimados a partir do final da
fase 3 ou início da fase 4. Nessas fases ajustar o fornecimento do volumoso ao
14
apetite dos animais, mantendo sempre as quantidades de concentrados
estipuladas para cada fase. 3.
- Após o final do período de adaptação, manter as proporções dos alimentos
(volumosos:concentrados) conforme a formulação (Fases A.4 e B.5,
respectivamente).
- No caso de uso de bagaço como único volumoso, seria interessante usar um
volumoso úmido no início ou verificar necessidade de umedecer a ração com
água (5% de água ou de melaço diluído 1:1) para evitar que partículas finas
prejudiquem a respiração e conseqüentemente o consumo da ração.
- Em casos especiais, como de grandes confinamentos, podem ser geradas
planilhas com dietas completas para cada fase do período de adaptação.
Parra, (2011) confinou 120 bovinos da raça nelore, não castrados,
animais com peso vivo inicial médio de 372,19 Kg e desvio de 21,46 Kg para
mais, ou para menos, escore corporal 4 (escala de 1 a 9), idade aproximada de
24 meses e provenientes de sistema de pastejo contínuo com predominância
de forragens de gênero Brachiaria. O período total de alimentação foi de 84
dias, foi estudado o efeito de dois protocolos de adaptação, em escada
(stepup) e restrição da dieta final, em dois períodos, 14 e 21 dias, para atingir o
nível de 85% de concentrado na matéria seca da dieta final e avaliados dados
de desempenho, seletividade dos ingredientes da dieta, características de
carcaça, índice de rumenites, abscessos hepáticos e morfometria de papilas
ruminais. Não foi encontrada diferença (P>0,05) para peso inicial, peso final,
ganho de peso diário, conversão alimentar e eficiência alimentar com relação
ao efeito de protocolos de adaptação às dietas com alta inclusão de
concentrados. O protocolo de escadas proporcionou maior (P0,05) para esta
variável.
15
1.3 - Manejo nutricional inicial
Ao chegarem ao confinamento, normalmente os animais estão cansados
e com fome, em maior ou menor proporção, dependendo da distância da
viagem a que foram submetidos. É comum a ocorrência de leves diarréias nos
primeiros dias, devido ao estresse de viagem e o constante estado de alerta
devido ao novo ambiente, não sendo necessário intervenções
medicamentosas.
Algumas recomendações nutricionais para adaptação dos animais são:
• Disponibilidade de água de boa qualidade em quantidades suficientes e de
fácil acesso.
• Mistura mineral à vontade (posteriormente incluído na dieta total).
• Dieta rica em volumosos de boa qualidade com baixa energia, que deverá ser
aumentada gradualmente.
• Evitar inclusão de uréia nos 3 primeiros dias, iniciando programa de
adaptação a uréia à partir do quarto dia.
• Fazer a distribuição de alimentos em pequenas quantidades várias vezes ao
dia, sendo assim, mais vezes os animais serão avaliados pelos tratadores
durante o dia.
Após o período de adaptação, pode-se iniciar o fornecimento das dietas
previstas para o período de confinamento, com a inclusão progressiva de grãos
na dieta. Esse manejo é necessário como preventivo à ocorrência de distúrbios
digestivos.
O fornecimento de alimentos deve ser constante, evitando-se períodos
sem disponibilidade de alimentos no cocho. O fato dos animais ficarem sem
alimentos por algum tempo pode levar ao consumo excessivo de alimentos, e a
ocorrência de distúrbios digestivos.
16
O tempo de alimentação de animais em confinamento apresenta relação
direta com a quantidade de marmorização, apresentando um platô por volta
dos 112 dias, em dietas com alta quantidade de concentrado. Em relação às
quantidades de lipídios totais na altura da 12a
costela, os valores dobram de 84
para 112 dias de alimentação, porém não apresentaram diferença entre os dias
0 e 94, e 112 e 196 (Duckett et al., 1993).
O aumento da quantidade de lipídios, com o aumento do período de
alimentação está relacionado ao aumento do tamanho do adipócito, visto que a
quantidade de fosfolipídios (estrutural – membrana) permanece constante.
Segundo Erickson et al. (2000), a quantidade de carcaças classificadas
como “choice” (USDA) aumentou de 20% aos 84 dias de confinamento, para
80% aos 100 dias, permanecendo constante até os 120 dias de tratamento.
1.4 - Adição de carboidratos à dieta
A alta inclusão de fontes de carboidratos com elevadas taxas de
degradação ruminal para bovinos, podem resultar em queda na digestão de
fibras da dieta. Acredita-se que essa menor digestibilidade de fibras seja devido
à alguns fatores como: mudança na população microbiana ruminal, devido à
alterações no pH ruminal, alterações na colonização dos microorganismos
sobre as partículas dos alimentos e diminuição da atividade fibrolítica das
enzimas de degradação.
Andrae et al. (2001) avaliaram a inclusão de cevada em dietas à base de
forragens, sobre a digestibilidade de fibra, alterações na população de
bactérias fibrolíticas e atividade das enzimas responsáveis pela degradação de
carboidratos. Foram utilizadas duas dietas experimentais, sendo uma com 93%
de feno não picado (Dactylis glomerata) e 7% palhada, e outra com 33% de
feno não picado (Dactylis glomerata), 7% palhada e 60% de cevada peletizada.
Como esperado, o pH ruminal foi menor para a dieta com inclusão de
carboidratos de rápida degradação em relação à dieta à base de feno e
palhada. A queda do pH ruminal se deu claramente devido aos diferentes
produtos de fermentação da cevada e do feno, o que ficou demonstrado pela
maior diminuição do pH após a alimentação. A degradabilidade efetiva do feno
17
diminuiu 6,4 pontos percentuais para dieta com inclusão de carboidratos em
relação à dieta com feno.
2 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO EM CONFINAMENTO
Nos confinamentos de bovinos de corte, os investimentos são altos,
principalmente aqueles relacionados à nutrição. Estima-se que os custos com o
arraçoamento (alimentar os animais) representem 70% do custo total da
produção de carne, sendo deste, 2/3 referente ao custo do alimento
concentrado (RESTLE e VAZ, 1999). Por esta razão, se faz necessário a
adoção de técnicas que busquem maior eficiência animal na utilização do
alimento.
Dentre as ferramentas imprescindíveis nos confinamentos de bovinos de
corte, destaca-se o manejo de cocho. Esta técnica de manejo alimentar, por
meio do planejamento e do controle do fornecimento da dieta, objetiva reduzir
variações no consumo de ração por bovinos confinados (VASCONCELOS,
2005). No entanto, se utilizada erroneamente resulta na ineficiência alimentar
destes animais (VASCONCELOS, 2011).
Os principais métodos de arraçoamento adotados nos confinamentos
são os seguintes: sistema com sobras, onde se permite sobras no cocho; e
sistema de cocho limpo, onde não se permite sobras no cocho. Segundo
Owens (2007), o manejo de cocho para ambos os métodos de arraçoamento
envolve três fatores básicos: leitura de cocho; comportamento ingestivo; e
registro da oferta e do consumo de ração.
“Os escores de cocho servem para indicar possíveis ajustes na quantidade de
ração a ser fornecida aos piquetes durante o dia, e assim evitar desperdícios,
ou falta de alimento”.
A leitura de cocho consiste numa avaliação da quantidade de sobras de
ração na linha de cochos antes do primeiro trato, que normalmente ocorre pela
manhã. Leituras de cocho adicionais podem ser realizadas à noite
(VASCONCELOS, 2005). Os escores de cocho servem para indicar possíveis
ajustes na quantidade de ração a ser fornecida aos piquetes durante o dia
18
(FERREIRA, 2011), e assim evitar desperdícios, ou falta de alimento. As notas
referentes a leitura de cocho estão apresentados na tabela abaixo.
Tabela 5 - Escores de cocho com suas respectivas tomadas de decisão
Outro ponto importante no manejo de cocho é a observação do
comportamento dos animais; pois dependendo do alimento ou do manejo
adotado pode haver mudanças no padrão de comportamento ingestivo dos
bovinos (FISHER et al., 2002), os quais podem resultar em desempenho
animal insatisfatório. Um bom exemplo é o fornecimento demasiado de
alimento, o que pode permitir que o animal selecione o alimento de sua
preferência e assim ingira ração desbalanceada.
Num bom manejo de cocho, o fornecimento dos tratos deve ser sempre
no mesmo horário, permitindo que se crie uma rotina de alimentação por parte
dos animais e haja melhor eficiência animal. Por exemplo, se houver atraso no
trato, os animais quando enfim tratados consumirão com voracidade em razão
de estarem muito famintos, podendo ser acometidos por distúrbios digestivos e
reduzir o consumo de ração posteriormente, o que certamente afetará o ganho
de peso. Segundo Horton (1990), quando o vagão tratador chega ao piquete o
ideal seria que: 25% dos animais estivessem na linha de cocho esperando;
50% estivessem se dirigindo para o cocho; e 25% estivessem se levantando,
deitados ou mesmo ruminando.
“Num bom manejo de cocho, o fornecimento dos tratos deve ser sempre no
mesmo horário, permitindo que se crie uma rotina de alimentação por parte dos
animais e haja melhor eficiência animal”.
19
Dentre as práticas que foram sugeridas por Anderson (1990) para o
manejo de cocho inclui-se a manutenção dos registros de dados atualizados.
Este procedimento tem como objetivo auxiliar o leitor de cocho numa tomada
decisão precisa, uma vez que informações atualizadas na produção de bovinos
de corte confinados são primordiais para o sucesso da operação. Leituras de
cocho bem feitas significam economia de alimento aliado a desempenho
eficiente dos bovinos.
A escolha dos alimentos para composição da dieta dos animais em
confinamento deve ser feita, em primeiro lugar, pela qualidade geral dos
mesmos, ou seja, nunca devem ser utilizados alimentos mofados, rancificados
ou com qualquer outro indício de deterioração, sob pena de comprometimento
do lote de animais em conseqüência de distúrbios metabólicos e intoxicações e
também pela condição insalubre de trabalho para os tratadores.
Alguns alimentos, por uma ou outra razão, têm um limite para utilização.
Por exemplo, o resíduo da pré-limpeza do grão de soja, que chega a ter 16%
de proteína bruta na MS não deve ser incluído nas rações em proporção
superior a 25% da MS, pois, acima disto, causará diarréia e timpanismo. Como
regra, para o caso de alimentos não usuais, o limite de emprego não deverá
ultrapassar a 20% da ração total. A ração dos bovinos em confinamento deverá
ser servida em duas ou três porções diárias.
O mínimo permissível são duas refeições diárias, espaçadas
convenientemente (por exemplo, às 8 e às 17 horas). O horário de
fornecimento é outro fator de importância no manejo da alimentação, e não
deve ser alterado durante todo o período do confinamento. Para evitar
distúrbios digestivos e estresse dos animais, nos cochos deve haver sempre
alimento à disposição.
Usualmente é o alimento volumoso que fica disponível à vontade no
cocho, sendo o concentrado fornecido em quantidade controlada nos horários
de refeição. Diariamente os cochos devem ser limpos, antes da primeira
refeição do dia, para evitar que resíduos fermentados ou apodrecidos sejam
consumidos pelos animais.
É muito importante que os animais sejam adaptados gradativamente à
dieta do confinamento, especialmente aqueles mantidos anteriormente
exclusivamente em pastagens. A não adaptação à dieta tem sido responsável
20
por distúrbios como acidose e timpanismo nos confinamentos. Os alimentos
novos da dieta devem ser incluídos à ração em proporções crescentes até
atingirem a proporção final da ração balanceada a ser usada.
Dependendo da dieta, são necessários de 15 a 30 dias para que o
animal se adapte à dieta e o consumo de alimentos se estabilize. Não é
desejável que durante a engorda em confinamento seja alterada a composição
da ração.
Em caso de necessidade de mudança de algum dos componentes da
ração, esta deverá ser feita também de forma gradual, de maneira a permitir
que a população microbiana do rúmen se adapte à nova dieta. É de grande
importância ainda que a água fornecida aos animais seja de boa qualidade e
esteja sempre disponível.
21
3 - Referências bibliográficas:
ANDRAE, J.G.; DUCKETT, S.K.; HUNT, C.W.; PRITCHARD, G.T.; OWENS,
F.N. Effects of feeding high-oil corn to beef steers on carcass characteristics
and meat quality. J. Anim. Sci., v.79, p. 582-588, 2001.
DUCKETT, S.K.; WAGNER, D.G.; YATES, L.D.; DOLEZAL, H.G.; MAY, S.G.
Effects of time on feed on beef nutrient composition. J. Anim. Sci., v. 71, p.
ERICKSON, G.E.; MILTON, C.T.; FANNING, K.C.; COOPER, R.J.; SWINGLE,
R.S.; PARROT, J.C.; VOGEL, G.; KLOPFENSTEIN, T.J. Interaction between
bunk management and monensin concentration, on finishing performance,
feeding behaviour, and ruminal metabolism during na acidosis challenge with
feedlot cattle. J. Anim. Sci., v. 81, p. 2869-2879, 2003.
BEVANS, D.W.; BEAUCHEMIN, K.A.; SCHWARTZKOPF-GENSWEIN;
MCKINNON, J.J.; MCALLISTER, T.A. Effect of rapid or gradual grain
adaptation on subacute acidosis and feed intake by feedlot cattle. Journal of
Animal Science, v.83, n.5, p.1116-1132, 2005.
BIERMAN, S. J.; PRITCHARD, R. H. Effect of feed delivery management on
yearling steer performance. South Dakota Beef Report Cattle 96-5. Brookings:
South Dakota State University, 1996.
BROWN, M. S.; MILLEN, D. D. Protocolos para adaptar bovinos confinados a
dietas de alto concentrado, In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE NUTRIÇÃO
DE RUMINANTES, 2., 2009, Botucatu. Recentes avanços na nutrição de
bovinos confinados: Anais... Botucatu: UNESP, Faculdade de Ciências
Agronômicas, 2009. p. 2-22.
BROWN, H. et al. Tylosin and chlortetracycline for prevention of liver abscess,
improved weight gains and feed efficiency in feedlot cattle. Journal Animal
Science, Champaign, n. 40, p. 207-213, 1975.
22
BROWN, M.S.; PONCE, C.H.; PULIKANTI, R. Adaptation of beef cattle to
highconcentrate diets: erformance and ruminal metabolism. Journal of Animal
Science, v.84, n.13, E. Suppl., p.E25-E33, 2006.
CERVIERI, R.C.; CARVALHO, J.C.F.; MARTINS, C.L. Evolução do manejo
nutricional nos confinamentos brasileiros: importância da utilização de
subprodutos da agroindústria em dietas de maior inclusão de concentrado. In:
SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE NUTRIÇÃO DE RUMINANTES, 2., 2009,
Botucatu. Anais... Botucatu: Grupo Nutrir, 2009. p.02-22.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
Universidade de São Paulo
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Criar codornas
Criar codornasCriar codornas
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
LarissaFerreira258
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Glaucia Moraes
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
Killer Max
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Portal Canal Rural
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
Brenda Bueno
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
AgroTalento
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Paulo Adami
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
JoilsonEcheverria
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Aula Confinamento
Aula ConfinamentoAula Confinamento
Aula Confinamento
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Criar codornas
Criar codornasCriar codornas
Criar codornas
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)Aula 1  alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
Aula 1 alimentos concentrados proteicos de origem animal (1)
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicosApostila 10 -  Índices zootécnicos e resultados econômicos
Apostila 10 - Índices zootécnicos e resultados econômicos
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
 
Gado leite
Gado leiteGado leite
Gado leite
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 

Destaque

Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Portal Canal Rural
 
Apostila 8 - Caractersticas do Confinamento
Apostila  8 - Caractersticas do ConfinamentoApostila  8 - Caractersticas do Confinamento
Apostila 8 - Caractersticas do Confinamento
Portal Canal Rural
 
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentarAula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
Portal Canal Rural
 
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatórioApostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
Portal Canal Rural
 
Mod. 6 vitaminas, minerais e aditivos
Mod. 6   vitaminas, minerais e aditivosMod. 6   vitaminas, minerais e aditivos
Mod. 6 vitaminas, minerais e aditivos
Portal Canal Rural
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
Portal Canal Rural
 
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Portal Canal Rural
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corte
Fabrício Farias
 
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivoRelações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Maria Isabel Betetti
 
12 ind zoot
12 ind zoot12 ind zoot
12 ind zoot
Edilane Nascimento
 
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
AgroTalento
 
Safa leite workshop1_agroplus
Safa leite workshop1_agroplusSafa leite workshop1_agroplus
Safa leite workshop1_agroplus
equipeagroplus
 
Regulamento Personagem Soja Brasil
Regulamento Personagem Soja BrasilRegulamento Personagem Soja Brasil
Regulamento Personagem Soja Brasil
Portal Canal Rural
 
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
AgroTalento
 
USDA - Novembro 2014
USDA - Novembro 2014USDA - Novembro 2014
USDA - Novembro 2014
Portal Canal Rural
 
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
AgroTalento
 
07 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v207 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v2
AgroTalento
 
Boletim Ativos da Silvicultura
Boletim Ativos da SilviculturaBoletim Ativos da Silvicultura
Boletim Ativos da Silvicultura
Portal Canal Rural
 
Programa de Governo de Aécio Neves
Programa de Governo de Aécio NevesPrograma de Governo de Aécio Neves
Programa de Governo de Aécio Neves
Portal Canal Rural
 
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
Portal Canal Rural
 

Destaque (20)

Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
 
Apostila 8 - Caractersticas do Confinamento
Apostila  8 - Caractersticas do ConfinamentoApostila  8 - Caractersticas do Confinamento
Apostila 8 - Caractersticas do Confinamento
 
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentarAula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
Aula 5 - Estratégias para a produção de alimentos e planejamento alimentar
 
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatórioApostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
Apostila 9 - Tipo de animal e ganho compensatório
 
Mod. 6 vitaminas, minerais e aditivos
Mod. 6   vitaminas, minerais e aditivosMod. 6   vitaminas, minerais e aditivos
Mod. 6 vitaminas, minerais e aditivos
 
Apostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina finalApostila reprodução bovina final
Apostila reprodução bovina final
 
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionaisApostila 9 -   Problemas econômicos e nutricionais
Apostila 9 - Problemas econômicos e nutricionais
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corte
 
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivoRelações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
Relações entre consumo alimentar residual, comportamento ingestivo
 
12 ind zoot
12 ind zoot12 ind zoot
12 ind zoot
 
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
MAPA: Projeções do agronegócio brasileiro 2011/2012 a 2021-2022
 
Safa leite workshop1_agroplus
Safa leite workshop1_agroplusSafa leite workshop1_agroplus
Safa leite workshop1_agroplus
 
Regulamento Personagem Soja Brasil
Regulamento Personagem Soja BrasilRegulamento Personagem Soja Brasil
Regulamento Personagem Soja Brasil
 
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
[Palestra] Luciano Araújo: Gestão de pessoas na pecuária de corte – lições ap...
 
USDA - Novembro 2014
USDA - Novembro 2014USDA - Novembro 2014
USDA - Novembro 2014
 
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
Plataforma de Gestão Agropecuária, a nova ferramenta de transparência e credi...
 
07 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v207 apresentação marcel mendes reis v2
07 apresentação marcel mendes reis v2
 
Boletim Ativos da Silvicultura
Boletim Ativos da SilviculturaBoletim Ativos da Silvicultura
Boletim Ativos da Silvicultura
 
Programa de Governo de Aécio Neves
Programa de Governo de Aécio NevesPrograma de Governo de Aécio Neves
Programa de Governo de Aécio Neves
 
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
Vazio Sanitário de Mato Grosso 10/02/2015
 

Semelhante a Mod. 7 - Manejo Alimentar

73071805 morfofisiologia-ruminantes
73071805 morfofisiologia-ruminantes73071805 morfofisiologia-ruminantes
73071805 morfofisiologia-ruminantes
Evaldo Silva
 
Acidose ruminal
Acidose ruminalAcidose ruminal
Acidose ruminal
Ivanna Oliveira
 
Cana de açúcar e protozoários
Cana de açúcar e protozoáriosCana de açúcar e protozoários
Cana de açúcar e protozoários
Marcos Claudio
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
UFPEL
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
guest340113
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
UFPEL
 
Seminário Zootecnia.pptx
Seminário Zootecnia.pptxSeminário Zootecnia.pptx
Seminário Zootecnia.pptx
miboxs1
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
George Lucas
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
George Lucas
 
Nutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota IntestinalNutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota Intestinal
Lívea Maria Gomes
 
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinalAs bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
Van Der Häägen Brazil
 
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
Universidade de São Paulo
 
Acidose em ruminantes
Acidose em ruminantesAcidose em ruminantes
Acidose em ruminantes
Fmodri3
 
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
Sandra Oliveira Oliveira
 
Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas
Tiago de Jesus Costa
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
Marco Antonio Sousa
 
suplementacao nutricional.pdf
suplementacao nutricional.pdfsuplementacao nutricional.pdf
suplementacao nutricional.pdf
VladySilva1
 
Artigo microbiota 2011 (1)
Artigo microbiota 2011 (1)Artigo microbiota 2011 (1)
Artigo microbiota 2011 (1)
Moryba2010
 
Seminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
Seminário confinatto 2014 - Rogerio CoanSeminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
Seminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
AgroTalento
 
Biodisponibilidade excelente
Biodisponibilidade excelenteBiodisponibilidade excelente
Biodisponibilidade excelente
Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP
 

Semelhante a Mod. 7 - Manejo Alimentar (20)

73071805 morfofisiologia-ruminantes
73071805 morfofisiologia-ruminantes73071805 morfofisiologia-ruminantes
73071805 morfofisiologia-ruminantes
 
Acidose ruminal
Acidose ruminalAcidose ruminal
Acidose ruminal
 
Cana de açúcar e protozoários
Cana de açúcar e protozoáriosCana de açúcar e protozoários
Cana de açúcar e protozoários
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
 
Acidose Ruminal
Acidose RuminalAcidose Ruminal
Acidose Ruminal
 
Seminário Zootecnia.pptx
Seminário Zootecnia.pptxSeminário Zootecnia.pptx
Seminário Zootecnia.pptx
 
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na secaNíveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
Níveis de Suplemento para novilhos nelore terminados a pasto na seca
 
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de  frango caipira (Lab...
Avaliação quantitativa de fibras colágenas no músculo de frango caipira (Lab...
 
Nutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota IntestinalNutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota Intestinal
 
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinalAs bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
As bacteriotides constituem 30% do total da flora bacteriana intestinal
 
RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012RevisaoGadoCorte2012
RevisaoGadoCorte2012
 
Acidose em ruminantes
Acidose em ruminantesAcidose em ruminantes
Acidose em ruminantes
 
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
Aula biodisponibilidade dos nutrientes(1)
 
Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas Suplementação proteica no período das águas
Suplementação proteica no período das águas
 
Aula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentarAula sobre manejo alimentar
Aula sobre manejo alimentar
 
suplementacao nutricional.pdf
suplementacao nutricional.pdfsuplementacao nutricional.pdf
suplementacao nutricional.pdf
 
Artigo microbiota 2011 (1)
Artigo microbiota 2011 (1)Artigo microbiota 2011 (1)
Artigo microbiota 2011 (1)
 
Seminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
Seminário confinatto 2014 - Rogerio CoanSeminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
Seminário confinatto 2014 - Rogerio Coan
 
Biodisponibilidade excelente
Biodisponibilidade excelenteBiodisponibilidade excelente
Biodisponibilidade excelente
 

Mais de Portal Canal Rural

Covidcogo
CovidcogoCovidcogo
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantesAs boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
Portal Canal Rural
 
Sei ibama 5968103 - despacho
Sei ibama   5968103 - despachoSei ibama   5968103 - despacho
Sei ibama 5968103 - despacho
Portal Canal Rural
 
Genoma Ferrugem
Genoma Ferrugem Genoma Ferrugem
Genoma Ferrugem
Portal Canal Rural
 
Carta de bauru
Carta de bauruCarta de bauru
Carta de bauru
Portal Canal Rural
 
Aprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
Aprosoja-MT - Orientação Técnica FertilizantesAprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
Aprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
Portal Canal Rural
 
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieriInstrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
Portal Canal Rural
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Portal Canal Rural
 
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MTInstrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
Portal Canal Rural
 
Vazio Sanitário em Mato Grosso
Vazio Sanitário em Mato GrossoVazio Sanitário em Mato Grosso
Vazio Sanitário em Mato Grosso
Portal Canal Rural
 
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Portal Canal Rural
 
Dieese
DieeseDieese
Memória da 1ª reunião do GTMR
Memória da 1ª reunião do GTMR  Memória da 1ª reunião do GTMR
Memória da 1ª reunião do GTMR
Portal Canal Rural
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Portal Canal Rural
 
Escolas esquecidas 2014
Escolas esquecidas 2014Escolas esquecidas 2014
Escolas esquecidas 2014
Portal Canal Rural
 
Agrocurso cartilha
Agrocurso cartilhaAgrocurso cartilha
Agrocurso cartilha
Portal Canal Rural
 
Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
Portal Canal Rural
 
Agrocurso apostila
Agrocurso apostilaAgrocurso apostila
Agrocurso apostila
Portal Canal Rural
 

Mais de Portal Canal Rural (18)

Covidcogo
CovidcogoCovidcogo
Covidcogo
 
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantesAs boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
 
Sei ibama 5968103 - despacho
Sei ibama   5968103 - despachoSei ibama   5968103 - despacho
Sei ibama 5968103 - despacho
 
Genoma Ferrugem
Genoma Ferrugem Genoma Ferrugem
Genoma Ferrugem
 
Carta de bauru
Carta de bauruCarta de bauru
Carta de bauru
 
Aprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
Aprosoja-MT - Orientação Técnica FertilizantesAprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
Aprosoja-MT - Orientação Técnica Fertilizantes
 
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieriInstrução Normativa Amaranthus palmieri
Instrução Normativa Amaranthus palmieri
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MTInstrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
Instrução Normativa 01/2015 - Vazio Sanitário MT
 
Vazio Sanitário em Mato Grosso
Vazio Sanitário em Mato GrossoVazio Sanitário em Mato Grosso
Vazio Sanitário em Mato Grosso
 
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
Instrução Normativa Agrodefesa 08/2014
 
Dieese
DieeseDieese
Dieese
 
Memória da 1ª reunião do GTMR
Memória da 1ª reunião do GTMR  Memória da 1ª reunião do GTMR
Memória da 1ª reunião do GTMR
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 
Escolas esquecidas 2014
Escolas esquecidas 2014Escolas esquecidas 2014
Escolas esquecidas 2014
 
Agrocurso cartilha
Agrocurso cartilhaAgrocurso cartilha
Agrocurso cartilha
 
Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
 
Agrocurso apostila
Agrocurso apostilaAgrocurso apostila
Agrocurso apostila
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Mod. 7 - Manejo Alimentar

  • 1. 1 AGROCURSO CONFINAMENTO DE GADO DE CORTE AULA 7 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO E DIETA DE ADAPTAÇÃO Juliano Ricardo Resende – Zootecnista, professor de nutrição de ruminantes nas Faculdades Associadas de Uberaba
  • 2. 2 SUMÁRIO 1 – DIETAS DE ADAPTAÇÃO EM CONFINAMENTO....................................3 1.1 - Morfologia e saúde do rúmen..............................................................7 1.2 - Protocolos de Adaptação.....................................................................8 1.2.1 - Dietas com até 60% de concentrado, na base seca.......................13 1.2.2 - Dietas com 60 a 80% de concentrado, base seca...........................13 1.3 - Manejo nutricional inicial.....................................................................15 1.4 - Adição de carboidratos à dieta............................................................16 2 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO EM CONFINAMENTO..............................17 3 – REFERENCIAS..........................................................................................21
  • 3. 3 1 – DIETAS DE ADAPTAÇÃO EM CONFINAMENTO A entrada dos animais em confinamento leva a uma drástica mudança no comportamento dos animais que, em primeiro momento, irão rejeitar todas essas situações, levando a um forte estresse. Em situações de estresse, a primeira reação do bovino é parar de se alimentar e manter baixas ingestões de água. Essas reações são variáveis, variando entre os diferentes lotes, e até entre animais de um mesmo lote, dependendo de situações prévias (sistemas de produção) vividas pelo animal. Animais que já passaram por situações de confinamento, também vão estranhar as novas instalações, pessoas do manejo, máquinas, etc, porém já aprenderam a se alimentar no cocho, se adaptando mais facilmente. Depois do estresse de viagem (deve ser a menor distância possível), os animais vão estranhar o novo local que deverão passar os próximos meses, sendo difícil minimizar esse efeito. A formação de lotes homogêneos é extremamente importante, e deve ser feita, de preferência, entre os animais de mesma origem logo após a chegada no confinamento. Devido o espírito gregário dos bovinos, a mistura de animais em novos lotes vai levar a disputa por dominância. Todo manejo descrito, apesar de simples, é de extrema importância para produção de carcaças com qualidade. A não observância desses pontos vai resultar na produção heterogênea de animais, e conseqüentemente de carcaças, com falta de acabamento e contusões devido às disputas entre os animais, causando heterogeneidade de ingestão de alimentos e de qualidade de carcaças. Protocolos de adaptação em períodos excessivamente curtos podem permitir a ocorrência de distúrbios ruminais, e doutra forma, períodos excessivamente longos comprometem o ganho de peso diário (GPD) e a exploração eficiente por parte do confinamento, do ganho de peso compensatório, além de aumentar o custo da arroba produzida. De acordo com Fernandes et al., (2011) a manutenção da função ruminal é de fundamental importância para bovinos em crescimento e terminação, uma vez que os ácidos graxos de cadeia curta respondem por cerca de 50 a 70% da energia
  • 4. 4 metabolizada por bovinos (Kozloski, 2009). A redução na produção de AGCC pelas bactérias ruminais, bem como a diminuição na absorção ou metabolismo dos AGCC no epitélio ruminal, acarretariam em impacto negativo no desempenho produtivo do animal. Embora cuidados devam ser tomados durante o processo de adaptação para evitar a acidose, o estabelecimento do consumo de MS, e portanto, calórico, parece ser um dos aspectos mais importantes do período de adaptação. Existe forte correlação entre o consumo de MS e o desempenho produtivo do animal. De acordo com Bevans et al., (2005) indivíduos que apresentam maior variação de pH ruminal consomem menos MS. Em contrapartida, no período de adaptação, aqueles indivíduos com menor variação de pH apresentam constância no consumo de MS. Desta forma, é evidente que há variações entre invíduos do mesmo lote que chegam ao confinamento no que diz respeito à capacidade de adaptação às dietas. Um dos problemas associados a este fato é a ocorrência de consumo excessivo de MS por alguns animais (podendo culminar em distúrbios metabólicos) e consumo subótimo por outros, comprometendo o ganho de peso. Isto sugere que, mesmo com a adoção de protocolos de adaptação às dietas, alguns animais podem apresentar acidose (Bevans et al., 2005). De acordo com Paulino et al., (2010) um aspecto importante é que o estresse causado pelo manejo de formação dos lotes, transporte, desidratação e jejum a que os animais são submetidos antes de chegarem ao confinamento, pode afetar de forma marcante o padrão de consumo nos primeiros dias de cocho. Assim sendo se faz necessário que medidas sejam tomadas com o objetivo de se eliminar ou reduzir qualquer estresse adicional para que os animais tenham um comportamento ingestivo normal neste período, sendo sempre monitorados por ferramentas auxiliares como manejo de cocho e escore de fezes. De acordo com Paulino et al., (2010) uma das principais mudanças que ocorre com o animal ruminante, anteriormente alimentado com dieta rica em forragem e que é submetido à alimentação com dieta rica em concentrado (carboidrato não estrutural), é a alteração do perfil microbiano ruminal. O estabelecimento e a manutenção de uma fermentação ruminal estável em situações nutricionais caracterizadas por alta proporção de carboidratos não fibrosos na dieta dependem do estabelecimento de uma
  • 5. 5 população viável de bactérias utilizadoras de lactato e de protozoários ciliados (Coe et al., 1999). Observa-se que há aumento na quantidade de bactérias amilolíticas quando os animais passam a receber a dieta de maior teor de carboidratos não fibrosos. Fernando et al., (2010) sugerem uma maior diversidade na população bacteriana nos animais alimentados a base de volumoso comparada aos animais alimentados com dietas concentradas. Tajima et al., (2001) demonstraram que a microbiota ruminal é altamente responsiva à dieta. Fernandes et al., (2011) citando Fernando et al., (2010) verificaram aumentos significativos na população de Megasphaera elsdenii, Streptococcus bovis, Selenomonas ruminantium e Prevotella bryantii durante a adaptação à dieta de alto teor de concentrado, enquanto que as populações de Butyrivibrio fibrisolvens e Fibrobacter succinogenes diminuíram gradualmente quando os animais foram adaptados à dieta de alto concentrado. Fibrobacter succinogenes são bactérias fibrolíticas, predominantes quando os animais estão submetidos a dietas ricas em conteúdo fibroso. Desta forma, a diminuição desta população é esperada em dietas concentradas. Megasphaera elsdenii e Selenomonas ruminantium utilizam o ácido láctico produzido no rúmen, prevenindo o acúmulo de ácido e por conseqüência a acidose (Fernando et al., 2010). Desta forma, aumento destas espécies no rúmen é desejável quando se aumenta teor de concentrado na dieta. Fernando et al., (2010) detectaram uma alteração significativa na estrutura da população bacteriana em animais no período de adaptação a dietas com alto teor de concentrado. Estes autores trabalharam com dietas múltiplas de adaptação variando as relações de volumoso:concentrado de 80:20 (dieta 1), 60:40 (dieta 2), 40:60 (dieta 3) e 20:80 (dieta 4) e verificaram que não houve mudanças quando os animais receberam a dieta 1 e 2 , mas ao receberem as dietas 3 e 4 a mudança na estrutura da população microbiana foi claramente observada. Os autores atribuíram essa mudança na população microbiana ao aumento de substrato fermentável presente na dieta, favorecendo o crescimento de espécies amilolíticas. De acordo com Counette e Prins, (1981); Therion et al., (1982) quando a ingestão por indivíduo é limitada e a competição por animais no cocho não existe, a percentagem de bactérias utilizadoras de lactato muda muito pouco após 14 dias. O aumento mais lento da população de bactérias utilizadoras de
  • 6. 6 lactato, comparado com bactérias amilolíticas durante a adaptação às dietas ricas em carboidratos não fibrosos, indica relativamente taxas mais lentas de crescimento das utilizadoras de lactato. De acordo com Hungate (1996), durante a adaptação às dietas com alta inclusão de grãos, mais de 90% do total de protozoários no rúmen, foram da espécie Entodinium, que são importantes para regulação da taxa de fermentação do amido, estes protozoários engolfam o amido e bactérias amilolíticas, reduzindo a taxa de fermentação de amido no rúmen. As concentrações de populações de protozoários aumentaram com picos de 2 a 4 vezes maiores quando dietas contendo aproximadamente 60% de concentrado foram fornecidas. Estes números foram reduzidos quando a inclusão de concentrado passou para 70% da matéria seca, o que segundo Dehority, (2004) provavelmente seja devido ao lento crescimento (12 a 15 horas para dobrar o tamanho da população) e a sensibilidade do pH ruminal mais baixo (Hungate et al., 1964). De acordo com Paulino et al., (2010) outra mudança que ocorre no rúmen durante o período de adaptação dos animais às dietas ricas em concentrado, e que já está descrita na literatura é a mudança no perfil de ácidos graxos ruminais, mostrando redução na proporção molar de acetato, acompanhada de incrementos na proporção de butirato e de propionato. Quando ocorrem condições no rúmen, que promovem maior fluxo de glicose, como é o caso de dietas de alto grão, há limitação em reoxidar os equivalentes redutores gerados, de forma que os íons H + formados neste processo poderiam ser drenados pela formação de metano. No entanto, o menor pH ruminal, característicos destas dietas, juntamente com a maior taxa de fluxo de íons H+ , promove o deslocamento de elétrons para formação de propionato e lactato a partir de piruvato em detrimento do acetato. Com isso, ocorre consumo de hidrogênio, inibindo a síntese de metano pelas bactérias metanogênicas, o que explicaria a mudança de cerca de 25% que ocorre na relação acetato:propionato na fase de adaptação. A inclusão de aditivos alimentares que atuam sobre a microbiota ruminal pode facilitar a transição de uma dieta rica em alimentos volumosos, para outra rica em alimentos concentrados, pela mudança no perfil microbiano do rúmen bem como sua atividade. A virginiamicina, produto da fermentação de
  • 7. 7 Streptomyces virginiae, ajuda a estabilizar a fermentação ruminal e a diminuir a variação no consumo alimentar, normalmente encontrado quando se adota manejo alimentar deficiente em dietas de alto grão (Rogers et al., 1995). Seu modo de ação se dá pelo bloqueio da síntese protéica, essencialmente em bactérias Grampositivas, sendo um potente inibidor da produção de ácido lático. 1.1 - Morfologia e saúde do rúmen O estômago dos ruminantes é constituído por quatro compartimentos morfologicamente distintos. Os três primeiros, rúmen, retículo e omaso, correspondem à parte aglandular, e o abomaso é o compartimento glandular. (Dellmann e Brown, 1982). O rúmen é marcado externamente por sulcos que correspondem internamente aos pilares, que dividem o órgão em sacos cranial, ventral, dorsal, cego caudo-dorsal e cego caudo-ventral. A extremidade cranial do saco ventral é denominada recesso do rúmen (Nickel et al., 1981). A rumenite é o desenvolvimento de alterações inflamatórias no epitélio ruminal e nos tecidos subjacentes, decorrente de dietas ricas em grãos de cereais e com níveis de forragem inadequados. De acordo com Sarti, (2010) na maioria dos casos a infecção do epitélio ruminal ocorre após um dano mecânico ou químico. As principais causas de rumenite nos animais são originadas por processos fermentativos inadequados no interior do rúmen, que podem ser ocasionados tanto por quadros graves de acidose lática ruminal aguda, onde o baixo pH, associado à alta osmolaridade poderá provocar lesões na parede ruminal, principalmente nas suas papilas, quanto por acidose branda provocada por ácidos graxos de cadeia curta, quando a produção excessiva destes ácidos provoca acúmulo nas regiões ventrais do órgão e provoca lesões corrosivas em sua parede (Nagaraja & Chengappa, 1998; Owens et al., 1998). Uma vez instalado o quadro de rumenite, as defesas físicas do animal ficam comprometidas devido à lesão originada, abrindo passagem para bactérias ruminais, principalmente Fusobacterium necrophorum, que colonizam o tecido do órgão e atravessando o epitélio ruminal atingem a corrente sanguínea, através do sistema circulatório porta, chegam ao fígado, ocasionando infecção e abscessos hepáticos (Nagaraja e Lechtenberg, 2007).
  • 8. 8 De acordo com Coelho, (1997) os abscessos são inflamações purulentas circunscritas, com formação de cápsulas de tecido conjuntivo fibroso, causados por bactérias. De acordo com Brown et al., (1975) os animais acometidos de abscessos hepáticos têm sua taxa de crescimento diminuída de 5,85 a 12,7% causando significativa perda produtiva e econômica. De acordo com Lechtenberg et al., (1988) os abscessos hepáticos causam redução de até 11% no ganho médio diário e de 9,7% na eficiência alimentar. Vechiato, (2009) estudou através de retrospecção de dados a freqüência de rumenites e abscessos hepáticos, e mostrou que os animais confinados com dietas de alto concentrado apresentaram respectivamente índices de 11,88% e 3,25%. Segundo o autor estes índices são responsáveis por grande prejuízo econômico no sistema de produção de bovinos de corte. Fica evidente a importância da fase de adaptação quando da utilização de dietas de alto grão na alimentação dos animais. 1.2 - Protocolos de Adaptação O fornecimento de dietas ricas em carboidratos não fibrosos permite o rápido incremento de ácidos graxos de cadeia curta e lactato no interior do rúmen, para que estes metabólicos sejam absorvidos é necessário que as papilas ruminais também sejam aumentadas, para que haja aumento da área absortiva. O ácido lático tem constante de dissociação (pK) maior quando comparado com os principais AGCC, a adaptação gradual às dietas com alto teor de carboidrato não fibroso previne o acúmulo deste ácido, porém, segundo Nagaraja, (2003), ainda assim o pH ruminal pode permanecer baixo devido a maior produção de AGCC. Costa et al., (2008) estudando o efeito dos AGCC sobre as alterações morfológicas da mucosa ruminal, relataram que o propionato foi o AGCC responsável pelo crescimento fisiológico de papilas metabolicamente ativas. O período de adaptação dos animais antecede o fornecimento da dieta final em quantidade que se atinja o consumo esperado, visando preparar o ambiente ruminal para recebimento de grande quantidade de carboidratos não fibrosos. Assim, existem diversos manejos alimentares que podem ser adotados com essa finalidade. As principais estratégias de adaptação relatadas na literatura
  • 9. 9 são a utilização de múltiplas dietas ou protocolo de escada, a utilização da dieta final limitada pela quantidade ou adaptação por restrição e a utilização de uma única dieta com menor teor de energia. O fornecimento de múltiplas dietas consiste na variação da relação volumoso:concentrado com incrementos na quantidade de concentrado de forma gradual. O tempo de fornecimento destas dietas se dá por um período pré- determinado ou em função da resposta animal, e dependerá do número de dietas que serão fornecidas. Outra forma de se obter múltiplas dietas tem sido adotada recentemente (Krehbiel et al., 2010); duas dietas (uma inicial e uma final) são fornecidas com aumento gradual da relação dieta final:dieta inicial em um tempo estabelecido. Bevans et al., (2005) mostraram que houve variação do pH ruminal muito mais intensa quando bovinos foram adaptados em período curto (5 dias) quando comparado com período de 17 dias, aumentando o risco de acidose. Bierman e Pritchard (1996) adaptaram bovinos para dieta de 92% de concentrado, utilizando protocolo de escada, com acesso ad libitum a dietas com 45, 65, 75 e 82% de concentrado durante um período de 11 dias, comparando com protocolo de restrição, iniciando com fornecimento da dieta final equivalente a 1,74% do peso inicial seguido por aumentos graduais até atingir o consumo ad libitum. Durante os primeiros 29 dias o ganho médio diário não diferiu entre os tratamentos, mas bovinos alimentados pelo protocolo de restrição consumiram 20% menos matéria seca e foram 19% mais eficientes. Ao final de 121 dias de alimentação os animais adaptados pelo protocolo de restrição foram 11% mais eficientes. Choat et al., (2002) adaptaram garrotes à dieta com 90% de concentrado, por meio de protocolo de escadas com dietas de 70, 75, 80 e 85% de MS, com intervalo de 5 dias para cada uma das dietas de adaptação, comparando com protocolos de restrição, um grupo recebeu dieta final restrita a 1,5% do PV com incrementos diários de 0,45Kg de MS e outro grupo foi restrito a 1,25% do PV com incrementos diários de 0,23Kg de MS. Os bovinos alimentados com restrição da dieta final tiveram menor consumo de MS (22%) e ganharam menos peso nos primeiros 28 dias, porém o ganho médio diário e a eficiência alimentar não diferiram entre os tratamentos no final do período de alimentação.
  • 10. 10 Weichenthal et al., (1999) adaptaram bovinos a uma dieta de 95% de concentrado na matéria seca, utilizando protocolo de escadas com acesso ad libitum às ditas com 65, 75, 82 e 90% de concentrado, comparando com protocolo de restrição iniciando com fornecimento de 1,77% do PV e incrementos diários de 0,23-0,45 Kg de MS durante 24 dias. Os animais alimentados com restrição da dieta final apresentaram 6% menor ingestão de MS e 8% maior eficiência alimentar que os animais adaptados pelo protocolo de escadas. De acordo com Brown et al., (2006) bovinos adaptados em 14 dias ou menos com dietas que foram de 55 para 90% de concentrado, apresentaram menor ganho de peso durante a adaptação ou durante todo o período de alimentação. De acordo com Fernandes et al., (2011) em um estudo acompanhando as recomendações de consultores brasileiros da área de nutrição, Millen et al., (2009) relataram que quase 50% dos profissionais acompanhados recomendam dietas múltiplas como forma de adaptação (Tabela 1). O protocolo de adaptação por restrição da dieta final com incrementos gradativos até atingir o consumo ad libitum tem como vantagem a facilidade de se trabalhar com uma única dieta, porém a desvantagem deste protocolo é a competição entre os animais no cocho; desta competição pode resultar o consumo excessivo por parte de alguns animais e o consumo deficitário por outros, reduzindo a eficiência do método. Segundo Millen et al. (2009) cerca de 20% dos nutricionistas brasileiros adotam a dieta final limitada em quantidade como estratégia de adaptação dos animais (Tabela 1).
  • 11. 11 A maior parte dos nutricionistas acompanhados no estudo de Millen et al., (2009) recomendam 3 dietas ao longo do período de adaptação, que tem uma duração média de aproximadamente 17 dias, este intervalo está dentro do limite mínimo recomendado por Brown et al. (2006), de 14 dias. Portanto, o tempo médio de permanência em cada dieta, durante a fase de adaptação, é de aproximadamente 6 dias (Tabela 2). A adaptação é feita utilizando diferentes dietas com aumento gradual de concentrado, na primeira dieta prioriza-se o fornecimento de proteína, minerais e pequena quantidade de carboidratos não fibrosos. Na segunda dieta, o período de fornecimento é variável, dependendo do peso de entrada dos
  • 12. 12 animais no confinamento. Animais mais jovens e leves recebem esta dieta por período maior, com o objetivo de promover o crescimento animal. Na Tabela 3 está apresentada a duração de cada fase conforme o peso de entrada dos animais. Tabela 3 – Dias que os animais permanecem em cada dieta durante a fase de adaptação e terminação, de acordo com práticas adotadas em confinamentos brasileiros Peso de entrada Tipo de dieta Adaptação Crescimento Terminação Abaixo de 300 kg 6,5 60 Até o abate De 300 a 330 kg 6,5 47 Até o abate De 330 a 360 kg 6,5 33 Até o abate Acima de 360 kg 6,5 26 Até o abate Fonte: Nutribeef Uma breve descrição mais detalhada das dietas utilizadas para adaptar animais de dietas praticamente exclusivas de volumosos (pasto) para dietas ricas em concentrados é apresentada abaixo (Tabela 4). A seguir é apresentado um guia prático de adaptação para bovinos em confinamento.
  • 13. 13 1.2.1 - Dietas com até 60% de concentrado, na base seca A1: Começar com 20% do concentrado. Fornecer volumoso de maneira moderada para que os animais sintam fome, mas não disputem espaço no cocho. (3 dias). A.2: Aumentar para 50% a partir do 4º dia, se os animais estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.1 (3 dias). A.3. Aumentar para 75% do concentrado a partir do 7º dia se os animais estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.2 (4 dias). A.4. Aumentar para 100% do concentrado a partir do 11º dia, se os animais estiverem comendo todo o concentrado estipulado no item A.3 1.2.2 - Dietas com 60 a 80% de concentrado, base seca B.1: Começar com 20% do concentrado. Fornecer volumoso de maneira moderada para que os animais sintam fome, mas não disputem espaço no cocho. (3 dias). B.2: Aumentar para 40% do concentrado a partir do 4º. dia, se os animais estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.1 (3 dias). B.3: Aumentar para 60% do concentrado a partir do 7º dia, se os animais estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.2 (4 dias). B.4: Aumentar para 80% do concentrado a partir do 9º. dia, se os animais estiverem comendo todo concentrado estipulado no item A.3 (4 dias). B.5: Aumentar para 100% do concentrado a partir do 14º dia, se os animais estiverem comendo todo o concentrado estipulado no item B.4. Observações: - Para calcular a quantidade de concentrado por animal por dia, considerar: a ingestão de MS de 2,2% do PV para Nelore e de 2,5% para cruzados; teor de MS do concentrado igual a 90%. - Os animais só vão atingir os níveis de consumo estimados a partir do final da fase 3 ou início da fase 4. Nessas fases ajustar o fornecimento do volumoso ao
  • 14. 14 apetite dos animais, mantendo sempre as quantidades de concentrados estipuladas para cada fase. 3. - Após o final do período de adaptação, manter as proporções dos alimentos (volumosos:concentrados) conforme a formulação (Fases A.4 e B.5, respectivamente). - No caso de uso de bagaço como único volumoso, seria interessante usar um volumoso úmido no início ou verificar necessidade de umedecer a ração com água (5% de água ou de melaço diluído 1:1) para evitar que partículas finas prejudiquem a respiração e conseqüentemente o consumo da ração. - Em casos especiais, como de grandes confinamentos, podem ser geradas planilhas com dietas completas para cada fase do período de adaptação. Parra, (2011) confinou 120 bovinos da raça nelore, não castrados, animais com peso vivo inicial médio de 372,19 Kg e desvio de 21,46 Kg para mais, ou para menos, escore corporal 4 (escala de 1 a 9), idade aproximada de 24 meses e provenientes de sistema de pastejo contínuo com predominância de forragens de gênero Brachiaria. O período total de alimentação foi de 84 dias, foi estudado o efeito de dois protocolos de adaptação, em escada (stepup) e restrição da dieta final, em dois períodos, 14 e 21 dias, para atingir o nível de 85% de concentrado na matéria seca da dieta final e avaliados dados de desempenho, seletividade dos ingredientes da dieta, características de carcaça, índice de rumenites, abscessos hepáticos e morfometria de papilas ruminais. Não foi encontrada diferença (P>0,05) para peso inicial, peso final, ganho de peso diário, conversão alimentar e eficiência alimentar com relação ao efeito de protocolos de adaptação às dietas com alta inclusão de concentrados. O protocolo de escadas proporcionou maior (P0,05) para esta variável.
  • 15. 15 1.3 - Manejo nutricional inicial Ao chegarem ao confinamento, normalmente os animais estão cansados e com fome, em maior ou menor proporção, dependendo da distância da viagem a que foram submetidos. É comum a ocorrência de leves diarréias nos primeiros dias, devido ao estresse de viagem e o constante estado de alerta devido ao novo ambiente, não sendo necessário intervenções medicamentosas. Algumas recomendações nutricionais para adaptação dos animais são: • Disponibilidade de água de boa qualidade em quantidades suficientes e de fácil acesso. • Mistura mineral à vontade (posteriormente incluído na dieta total). • Dieta rica em volumosos de boa qualidade com baixa energia, que deverá ser aumentada gradualmente. • Evitar inclusão de uréia nos 3 primeiros dias, iniciando programa de adaptação a uréia à partir do quarto dia. • Fazer a distribuição de alimentos em pequenas quantidades várias vezes ao dia, sendo assim, mais vezes os animais serão avaliados pelos tratadores durante o dia. Após o período de adaptação, pode-se iniciar o fornecimento das dietas previstas para o período de confinamento, com a inclusão progressiva de grãos na dieta. Esse manejo é necessário como preventivo à ocorrência de distúrbios digestivos. O fornecimento de alimentos deve ser constante, evitando-se períodos sem disponibilidade de alimentos no cocho. O fato dos animais ficarem sem alimentos por algum tempo pode levar ao consumo excessivo de alimentos, e a ocorrência de distúrbios digestivos.
  • 16. 16 O tempo de alimentação de animais em confinamento apresenta relação direta com a quantidade de marmorização, apresentando um platô por volta dos 112 dias, em dietas com alta quantidade de concentrado. Em relação às quantidades de lipídios totais na altura da 12a costela, os valores dobram de 84 para 112 dias de alimentação, porém não apresentaram diferença entre os dias 0 e 94, e 112 e 196 (Duckett et al., 1993). O aumento da quantidade de lipídios, com o aumento do período de alimentação está relacionado ao aumento do tamanho do adipócito, visto que a quantidade de fosfolipídios (estrutural – membrana) permanece constante. Segundo Erickson et al. (2000), a quantidade de carcaças classificadas como “choice” (USDA) aumentou de 20% aos 84 dias de confinamento, para 80% aos 100 dias, permanecendo constante até os 120 dias de tratamento. 1.4 - Adição de carboidratos à dieta A alta inclusão de fontes de carboidratos com elevadas taxas de degradação ruminal para bovinos, podem resultar em queda na digestão de fibras da dieta. Acredita-se que essa menor digestibilidade de fibras seja devido à alguns fatores como: mudança na população microbiana ruminal, devido à alterações no pH ruminal, alterações na colonização dos microorganismos sobre as partículas dos alimentos e diminuição da atividade fibrolítica das enzimas de degradação. Andrae et al. (2001) avaliaram a inclusão de cevada em dietas à base de forragens, sobre a digestibilidade de fibra, alterações na população de bactérias fibrolíticas e atividade das enzimas responsáveis pela degradação de carboidratos. Foram utilizadas duas dietas experimentais, sendo uma com 93% de feno não picado (Dactylis glomerata) e 7% palhada, e outra com 33% de feno não picado (Dactylis glomerata), 7% palhada e 60% de cevada peletizada. Como esperado, o pH ruminal foi menor para a dieta com inclusão de carboidratos de rápida degradação em relação à dieta à base de feno e palhada. A queda do pH ruminal se deu claramente devido aos diferentes produtos de fermentação da cevada e do feno, o que ficou demonstrado pela maior diminuição do pH após a alimentação. A degradabilidade efetiva do feno
  • 17. 17 diminuiu 6,4 pontos percentuais para dieta com inclusão de carboidratos em relação à dieta com feno. 2 – MANEJO DE ALIMENTAÇÃO EM CONFINAMENTO Nos confinamentos de bovinos de corte, os investimentos são altos, principalmente aqueles relacionados à nutrição. Estima-se que os custos com o arraçoamento (alimentar os animais) representem 70% do custo total da produção de carne, sendo deste, 2/3 referente ao custo do alimento concentrado (RESTLE e VAZ, 1999). Por esta razão, se faz necessário a adoção de técnicas que busquem maior eficiência animal na utilização do alimento. Dentre as ferramentas imprescindíveis nos confinamentos de bovinos de corte, destaca-se o manejo de cocho. Esta técnica de manejo alimentar, por meio do planejamento e do controle do fornecimento da dieta, objetiva reduzir variações no consumo de ração por bovinos confinados (VASCONCELOS, 2005). No entanto, se utilizada erroneamente resulta na ineficiência alimentar destes animais (VASCONCELOS, 2011). Os principais métodos de arraçoamento adotados nos confinamentos são os seguintes: sistema com sobras, onde se permite sobras no cocho; e sistema de cocho limpo, onde não se permite sobras no cocho. Segundo Owens (2007), o manejo de cocho para ambos os métodos de arraçoamento envolve três fatores básicos: leitura de cocho; comportamento ingestivo; e registro da oferta e do consumo de ração. “Os escores de cocho servem para indicar possíveis ajustes na quantidade de ração a ser fornecida aos piquetes durante o dia, e assim evitar desperdícios, ou falta de alimento”. A leitura de cocho consiste numa avaliação da quantidade de sobras de ração na linha de cochos antes do primeiro trato, que normalmente ocorre pela manhã. Leituras de cocho adicionais podem ser realizadas à noite (VASCONCELOS, 2005). Os escores de cocho servem para indicar possíveis ajustes na quantidade de ração a ser fornecida aos piquetes durante o dia
  • 18. 18 (FERREIRA, 2011), e assim evitar desperdícios, ou falta de alimento. As notas referentes a leitura de cocho estão apresentados na tabela abaixo. Tabela 5 - Escores de cocho com suas respectivas tomadas de decisão Outro ponto importante no manejo de cocho é a observação do comportamento dos animais; pois dependendo do alimento ou do manejo adotado pode haver mudanças no padrão de comportamento ingestivo dos bovinos (FISHER et al., 2002), os quais podem resultar em desempenho animal insatisfatório. Um bom exemplo é o fornecimento demasiado de alimento, o que pode permitir que o animal selecione o alimento de sua preferência e assim ingira ração desbalanceada. Num bom manejo de cocho, o fornecimento dos tratos deve ser sempre no mesmo horário, permitindo que se crie uma rotina de alimentação por parte dos animais e haja melhor eficiência animal. Por exemplo, se houver atraso no trato, os animais quando enfim tratados consumirão com voracidade em razão de estarem muito famintos, podendo ser acometidos por distúrbios digestivos e reduzir o consumo de ração posteriormente, o que certamente afetará o ganho de peso. Segundo Horton (1990), quando o vagão tratador chega ao piquete o ideal seria que: 25% dos animais estivessem na linha de cocho esperando; 50% estivessem se dirigindo para o cocho; e 25% estivessem se levantando, deitados ou mesmo ruminando. “Num bom manejo de cocho, o fornecimento dos tratos deve ser sempre no mesmo horário, permitindo que se crie uma rotina de alimentação por parte dos animais e haja melhor eficiência animal”.
  • 19. 19 Dentre as práticas que foram sugeridas por Anderson (1990) para o manejo de cocho inclui-se a manutenção dos registros de dados atualizados. Este procedimento tem como objetivo auxiliar o leitor de cocho numa tomada decisão precisa, uma vez que informações atualizadas na produção de bovinos de corte confinados são primordiais para o sucesso da operação. Leituras de cocho bem feitas significam economia de alimento aliado a desempenho eficiente dos bovinos. A escolha dos alimentos para composição da dieta dos animais em confinamento deve ser feita, em primeiro lugar, pela qualidade geral dos mesmos, ou seja, nunca devem ser utilizados alimentos mofados, rancificados ou com qualquer outro indício de deterioração, sob pena de comprometimento do lote de animais em conseqüência de distúrbios metabólicos e intoxicações e também pela condição insalubre de trabalho para os tratadores. Alguns alimentos, por uma ou outra razão, têm um limite para utilização. Por exemplo, o resíduo da pré-limpeza do grão de soja, que chega a ter 16% de proteína bruta na MS não deve ser incluído nas rações em proporção superior a 25% da MS, pois, acima disto, causará diarréia e timpanismo. Como regra, para o caso de alimentos não usuais, o limite de emprego não deverá ultrapassar a 20% da ração total. A ração dos bovinos em confinamento deverá ser servida em duas ou três porções diárias. O mínimo permissível são duas refeições diárias, espaçadas convenientemente (por exemplo, às 8 e às 17 horas). O horário de fornecimento é outro fator de importância no manejo da alimentação, e não deve ser alterado durante todo o período do confinamento. Para evitar distúrbios digestivos e estresse dos animais, nos cochos deve haver sempre alimento à disposição. Usualmente é o alimento volumoso que fica disponível à vontade no cocho, sendo o concentrado fornecido em quantidade controlada nos horários de refeição. Diariamente os cochos devem ser limpos, antes da primeira refeição do dia, para evitar que resíduos fermentados ou apodrecidos sejam consumidos pelos animais. É muito importante que os animais sejam adaptados gradativamente à dieta do confinamento, especialmente aqueles mantidos anteriormente exclusivamente em pastagens. A não adaptação à dieta tem sido responsável
  • 20. 20 por distúrbios como acidose e timpanismo nos confinamentos. Os alimentos novos da dieta devem ser incluídos à ração em proporções crescentes até atingirem a proporção final da ração balanceada a ser usada. Dependendo da dieta, são necessários de 15 a 30 dias para que o animal se adapte à dieta e o consumo de alimentos se estabilize. Não é desejável que durante a engorda em confinamento seja alterada a composição da ração. Em caso de necessidade de mudança de algum dos componentes da ração, esta deverá ser feita também de forma gradual, de maneira a permitir que a população microbiana do rúmen se adapte à nova dieta. É de grande importância ainda que a água fornecida aos animais seja de boa qualidade e esteja sempre disponível.
  • 21. 21 3 - Referências bibliográficas: ANDRAE, J.G.; DUCKETT, S.K.; HUNT, C.W.; PRITCHARD, G.T.; OWENS, F.N. Effects of feeding high-oil corn to beef steers on carcass characteristics and meat quality. J. Anim. Sci., v.79, p. 582-588, 2001. DUCKETT, S.K.; WAGNER, D.G.; YATES, L.D.; DOLEZAL, H.G.; MAY, S.G. Effects of time on feed on beef nutrient composition. J. Anim. Sci., v. 71, p. ERICKSON, G.E.; MILTON, C.T.; FANNING, K.C.; COOPER, R.J.; SWINGLE, R.S.; PARROT, J.C.; VOGEL, G.; KLOPFENSTEIN, T.J. Interaction between bunk management and monensin concentration, on finishing performance, feeding behaviour, and ruminal metabolism during na acidosis challenge with feedlot cattle. J. Anim. Sci., v. 81, p. 2869-2879, 2003. BEVANS, D.W.; BEAUCHEMIN, K.A.; SCHWARTZKOPF-GENSWEIN; MCKINNON, J.J.; MCALLISTER, T.A. Effect of rapid or gradual grain adaptation on subacute acidosis and feed intake by feedlot cattle. Journal of Animal Science, v.83, n.5, p.1116-1132, 2005. BIERMAN, S. J.; PRITCHARD, R. H. Effect of feed delivery management on yearling steer performance. South Dakota Beef Report Cattle 96-5. Brookings: South Dakota State University, 1996. BROWN, M. S.; MILLEN, D. D. Protocolos para adaptar bovinos confinados a dietas de alto concentrado, In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE NUTRIÇÃO DE RUMINANTES, 2., 2009, Botucatu. Recentes avanços na nutrição de bovinos confinados: Anais... Botucatu: UNESP, Faculdade de Ciências Agronômicas, 2009. p. 2-22. BROWN, H. et al. Tylosin and chlortetracycline for prevention of liver abscess, improved weight gains and feed efficiency in feedlot cattle. Journal Animal Science, Champaign, n. 40, p. 207-213, 1975.
  • 22. 22 BROWN, M.S.; PONCE, C.H.; PULIKANTI, R. Adaptation of beef cattle to highconcentrate diets: erformance and ruminal metabolism. Journal of Animal Science, v.84, n.13, E. Suppl., p.E25-E33, 2006. CERVIERI, R.C.; CARVALHO, J.C.F.; MARTINS, C.L. Evolução do manejo nutricional nos confinamentos brasileiros: importância da utilização de subprodutos da agroindústria em dietas de maior inclusão de concentrado. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE NUTRIÇÃO DE RUMINANTES, 2., 2009, Botucatu. Anais... Botucatu: Grupo Nutrir, 2009. p.02-22.