SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO
 No primeiro século da era cristã, a Igreja cresceu sob o
avivamento do Espírito e expandiu-se pelo mundo. Na mesma
medida em que cresceu, surgiram também problemas na esfera
social, demandando urgentes providências.
 Por uma sábia e unânime decisão, em assembleia, a igreja de
Jerusalém escolheu sete homens de moral ilibada e cheios do
Espírito Santo, para administrarem esse "importante negócio"
(At 6.3).
 Nesta lição estudaremos esse importante ministério de serviço
que, por causa de uma crise étnica na igreja, levou os apóstolos
a propor medidas que serviram de base para instituir a função
diaconal. Esta, até hoje, faz parte do ministério ordenado pelas
igrejas cristãs.
I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO
 1. Significado do termo.
 O termo grego diaconia significa "ministério" ou "serviço". A
vida inteira de Jesus aqui na Terra demonstrou o verdadeiro
sentido da diaconia em todos os seus aspectos.
 Na realidade, seu ministério terreno evidenciou o quanto Ele foi
"apóstolo da nossa confissão" (Hb 3.1), profeta (Lc 24.19),
evangelista (Lc 4.18,19), pastor (Jo 10.11), mas principalmente,
diácono por excelência (Mt 20.28). O apóstolo Paulo disse que
Jesus, "sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser
igual a Deus.
 Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo,
fazendo-se semelhante aos homens" (Fp 2.6-7). Segundo a
Bíblia de Estudo Palavras-Chave, a expressão "tomando a
forma de servo" denota o sentido de uma condição humilde.
I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO
 2. Serviço de escravo.
 Na véspera da sua crucificação, o Senhor Jesus reuniu os seus
doze discípulos para comer a última ceia. Tomando uma toalha
e uma bacia com água, ele começou a lavar os pés dos
discípulos, um a um (Jo 13.4,5).
 Não há atitude mais comovente do nosso Senhor como o relato
do lava-pés, demonstrando serviço, exemplo e humildade.
 A "diaconia da toalha e da bacia" é a convocação cristocêntrica
para uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17).
I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO
 3. O discípulo é um serviçal.
 Certa vez, Tiago e João pediram ao Senhor lugares de
destaques, "à direita" e "à esquerda" de Jesus, quando da
implantação do seu Reino (Mc 10.35-37). Os discípulos ainda
não haviam compreendido a mensagem de Jesus.
 A proposta do Nazareno nunca foi a de estabelecer uma
hierarquia de poder temporal para a sua igreja, mas a de serviço
conforme demonstra sua resposta a eles: "entre vós não será
assim; antes, qualquer que, entre vós, quiser ser grande será
vosso serviçal [diakonos].
 E qualquer que, dentre vós, quiser ser o primeiro será servo de
todos. Porque o Filho do Homem também não veio para ser
servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos"
(Mc 10.43-45).
R. "Ministério" ou "serviço".
R. Significa a convocação cristocêntrica para uma vida
de serviço humilde (Jo 13.12-17).
II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
 1. O conceito da função.
 A palavra diácono (gr. diakonos), segundo o Dicionário Vine,
refere-se àquele que presta trabalhos voluntários aludindo aos
exemplos dos criados domésticos dos tempos do Novo
Testamento.
 O termo destaca, em especial, a função de um mestre ou de um
pastor cristão, entrelaçando o sentido técnico do diácono ou
diaconisa. Outra palavra grega relacionada a "diácono" é
doulos. Esta refere-se a "um servo" ou "um escravo" (Mt
13.27,28; Jo 4.51).
 Portanto, a ideia preponderante que a função do diácono
remonta é a do serviço voluntário prestado, pelo "ministro", o
"servo" ou o "assistente", para alguém.
II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
 2. Origem do diaconato.
 "A bênção", "problema" e "reivindicação" são palavras-chave
para o advento do ministério formal dos diáconos em o Novo
Testamento. A bênção foi o extraordinário crescimento da igreja
local em Jerusalém.
 A questão étnica causada pela situação social de muitos que
aceitavam a fé, especialmente envolvendo viúvas judias de fala
hebraica e as de fala grega (At 6.1), era o problema.
 A reivindicação pode ser vista na manifestação verbal destas
viúvas que, sentindo-se injustiçadas pelo que elas interpretaram
ser uma forma de discriminação dos líderes da igreja de
Jerusalém, cobraram sua assistência (At 6.1).
II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
 3. A escolha dos diáconos.
 Para resolver o impasse, orando e impondo-lhes as mãos, os
apóstolos separaram sete irmãos de boa reputação, cheios do
Espírito Santo e de sabedoria para administrar uma questão
étnica e social (At 6.2-7).
 Foi uma decisão de caráter pacificador e de muito bom-senso
para a igreja não se perder em permanentes desentendimentos.
O objetivo era estimulá-la a resolver a questão reconhecendo o
caminho equivocado antes aderido pelos líderes até aquele
momento.
 Assim, eles puderam executar as mudanças necessárias e
resolveram uma questão que poderia trazer sérios problemas
para a igreja de Jerusalém.
III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
 1. Qualificações do diácono.
 As qualificações dos diáconos descritas no livro de Atos e na
primeira carta a Timóteo revelam que em nada elas diferem da
atribuição ética exigida aos bispos (1 Timóteo e Tito).
 a) Caráter moral (1 Tm 3.8). Os diáconos devem ser pessoas
honradas, dignas, corretas e íntegras. Não pode haver "língua
dobre" neles, isto é, a sua palavra deve ser sim, sim e não, não.
A ganância por dinheiro tem de passar longe da sua vida, pois
sua função é exatamente a de executar trabalhos administrativos
da igreja local, como auxiliar nas tarefas do culto e acompanhar
as viúvas e os pobres da Igreja do Senhor.
1. Qualificações do diácono.
 b) Caráter espiritual (1 Tm 3.9,10). Ter a plena convicção do
que é crer no Evangelho. O diácono guarda a revelação de Deus
que está em Cristo Jesus, o nosso Senhor (cf. Rm 16.25). Por
isso, a liderança e a igreja local devem avaliar o candidato ao
diaconato levando em conta o seu caráter moral e espiritual.
 c) Caráter familiar. O candidato deve ser marido de uma
mulher, fiel à sua esposa e bom pai. A exemplo dos bispos, os
diáconos devem ser zelosos com o seu lar, amar as suas esposas
com amor sacrifical. Devem respeitar os seus filhos, para
obterem deles o mesmo respeito. O "serviço" do diácono à sua
família revelará como ele servirá a igreja local.
III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
2. A função dos diáconos em Atos 6.
Quando foram instituídos diáconos, setes homens de
fala grega foram separados para assistir socialmente as
viúvas: tanto as de fala hebraica como as de fala grega.
Os diáconos não podiam permitir que houvesse
injustiças de caráter social na igreja do primeiro
século.
A função do diaconato era fundamentalmente de
caráter social.
III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
3. A função dos diáconos hoje.
Atualmente, a função primordial do diácono é auxiliar
a igreja local através das orientações do seu pastor em
atividades ligadas a visitar os enfermos, os
necessitados e os desviados, bem como cuidar das
tarefas espirituais ligadas ao culto, como a distribuir os
elementos da Ceia do Senhor, recolher as
contribuições para a manutenção da igreja local
(dízimos e ofertas) e auxiliar na ordem e na segurança
da liturgia do culto, bem como de outras tarefas já
mencionadas.
R. Caráter moral, caráter espiritual e caráter
familiar.
R. Assistir socialmente as viúvas: tanto as de fala
hebraica como as de fala grega.
R. Auxiliar a igreja local através das orientações do seu pastor em atividades ligadas a visitar os
enfermos, os necessitados e os desviados, bem como cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto,
como distribuir os elementos da Ceia do Senhor, recolher as contribuições para a manutenção da
igreja local (dízimos e ofertas) e auxiliar na ordem e na segurança do culto, bem como de outras
tarefas para as quais for designado.
CONCLUSÃO
 O diaconato foi instituído pelos apóstolos de Cristo quando a
comunidade cristã cresceu e precisou ter pessoas que pudessem
resolver questões relacionadas a problemas sociais que
demandavam atenção e cuidado.
 Hoje, os diáconos servem à igreja e a Deus em trabalhos
diferentes, e a liderança das igrejas locais deve valorizar o seu
trabalho e reconhecê-los como excelentes servidores do Reino
de Deus, pois, no sentido lato, todos somos diáconos da Igreja
de Deus.
ACESSE O NOSSO SITE
www.escola-dominical.com
www.proaviva.blogspot.com
Produção dos slides
Ev. Ismael Pereira de Oliveira
e
Ismael Isidio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
Felicio Araujo
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministérioCETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
Ednilson do Valle
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
mgno42
 
Dons do espirito santo
Dons do espirito santoDons do espirito santo
Dons do espirito santo
WebExecutivo1
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Christian Lepelletier
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
MINISTERIO IPCA.
 
Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
Evandro Cruz
 
Apostila para formação de obreiros
Apostila para formação de obreirosApostila para formação de obreiros
Apostila para formação de obreiros
JASIEL SOUZA DE ARAUJO
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
Pastor Wanderley
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
Gilson Barbosa
 
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposApostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Christian Lepelletier
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
PASTOR CARLOS SILVA
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
Natalino das Neves Neves
 
Série Igreja A igreja que queremos ser
Série Igreja   A igreja que queremos serSérie Igreja   A igreja que queremos ser
Série Igreja A igreja que queremos ser
Eid Marques
 

Mais procurados (20)

O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministérioCETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
 
Dons do espirito santo
Dons do espirito santoDons do espirito santo
Dons do espirito santo
 
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidadeDiscipulado um-a-um crescimento com qualidade
Discipulado um-a-um crescimento com qualidade
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
 
Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
 
Apostila para formação de obreiros
Apostila para formação de obreirosApostila para formação de obreiros
Apostila para formação de obreiros
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
 
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos GruposApostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
Apostila Treinamento de Líderes de Células - Pequenos Grupos
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
 
Série Igreja A igreja que queremos ser
Série Igreja   A igreja que queremos serSérie Igreja   A igreja que queremos ser
Série Igreja A igreja que queremos ser
 

Destaque

LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUALIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
Ismael Isidio
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
4turmasintoniafraterna
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
Joel Silva
 
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
Vandoir Silva Fernandes
 
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
Daniel Junior
 
UniãO Europeia
UniãO EuropeiaUniãO Europeia
UniãO Europeia
Escola Integrada Apulia
 
O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
MINISTERIO IPCA.
 
sermão os diáconos na Bíblia
sermão os diáconos na Bíbliasermão os diáconos na Bíblia
sermão os diáconos na Bíblia
Djalma C. Filho
 
Sistema de gestão de restaurantes self service - ultima versão (2)
Sistema de gestão de restaurantes self   service - ultima versão (2)Sistema de gestão de restaurantes self   service - ultima versão (2)
Sistema de gestão de restaurantes self service - ultima versão (2)
brunogea
 
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOSLIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
Gilberto de Jesus
 
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
P Valter De Almeida Gomes
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
Isaias Christal
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
Fernanda Marinho
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
Tiago Silveira
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentação
Maria Sequeira
 
Tipos de Restaurante
Tipos de RestauranteTipos de Restaurante
Tipos de Restaurante
Tiago Filipe
 
Conceito de restaurante
Conceito de restauranteConceito de restaurante
Conceito de restaurante
Anderson Silva
 
Manual do diacono
Manual do diaconoManual do diacono
Manual do diacono
diaconosdapituba
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 

Destaque (20)

LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUALIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
Cursodeformaodediconos 120222105051-phpapp01
 
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
Qualificações bíblicas dos diáconos (Parte 3)
 
UniãO Europeia
UniãO EuropeiaUniãO Europeia
UniãO Europeia
 
O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
 
sermão os diáconos na Bíblia
sermão os diáconos na Bíbliasermão os diáconos na Bíblia
sermão os diáconos na Bíblia
 
Sistema de gestão de restaurantes self service - ultima versão (2)
Sistema de gestão de restaurantes self   service - ultima versão (2)Sistema de gestão de restaurantes self   service - ultima versão (2)
Sistema de gestão de restaurantes self service - ultima versão (2)
 
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOSLIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
LIÇÃO 04 - PASTORES E DIÁCONOS
 
Historia da enfermagem período pré-cristão
Historia da enfermagem   período pré-cristãoHistoria da enfermagem   período pré-cristão
Historia da enfermagem período pré-cristão
 
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
RECICLAGEM DE DIÁCONOS 22/07/2013
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
 
História da alimentação
História da alimentaçãoHistória da alimentação
História da alimentação
 
Tipos de Restaurante
Tipos de RestauranteTipos de Restaurante
Tipos de Restaurante
 
Conceito de restaurante
Conceito de restauranteConceito de restaurante
Conceito de restaurante
 
Manual do diacono
Manual do diaconoManual do diacono
Manual do diacono
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 

Semelhante a LIÇÃO 12 – O DIACONATO

Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.
Lourinaldo Serafim
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
Joel Silva
 
Lição 12 O Diaconato 22 de junho 2014
Lição 12  O Diaconato  22 de junho 2014Lição 12  O Diaconato  22 de junho 2014
Lição 12 O Diaconato 22 de junho 2014
Junia Queles
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
Osmair Ribeiro da Silva
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
Moisés Sampaio
 
Vocação E Ministérios Leigos
Vocação E Ministérios LeigosVocação E Ministérios Leigos
Vocação E Ministérios Leigos
Paróquia Nossa Senhora da Salete
 
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
Éber Magalhães Lenz César
 
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja localSlide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Vilma Longuini
 
Diaconia e Profecia
Diaconia e  ProfeciaDiaconia e  Profecia
Diaconia e Profecia
daliberdade
 
Liturgia ministérios leigos
Liturgia ministérios leigosLiturgia ministérios leigos
Liturgia ministérios leigos
iaymesobrino
 
Cepad 2
Cepad 2Cepad 2
Cepad 2
marciothd
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
Ismael Isidio
 
Ministério cristão - Aula 01
Ministério cristão - Aula 01Ministério cristão - Aula 01
Ministério cristão - Aula 01
Jose Emerson Barbosa da Silva
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Hamilton Souza
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
boasnovassena
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Éder Tomé
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
iaymesobrino
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
Marina de Morais
 
Lição 6 as funções da igreja
Lição  6  as funções da igrejaLição  6  as funções da igreja
Lição 6 as funções da igreja
César Aguiar
 

Semelhante a LIÇÃO 12 – O DIACONATO (20)

Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
 
Lição 12 O Diaconato 22 de junho 2014
Lição 12  O Diaconato  22 de junho 2014Lição 12  O Diaconato  22 de junho 2014
Lição 12 O Diaconato 22 de junho 2014
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
 
Vocação E Ministérios Leigos
Vocação E Ministérios LeigosVocação E Ministérios Leigos
Vocação E Ministérios Leigos
 
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
01 presb-diaconos-que-sao-que-fazem
 
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja localSlide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
 
Diaconia e Profecia
Diaconia e  ProfeciaDiaconia e  Profecia
Diaconia e Profecia
 
Liturgia ministérios leigos
Liturgia ministérios leigosLiturgia ministérios leigos
Liturgia ministérios leigos
 
Cepad 2
Cepad 2Cepad 2
Cepad 2
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
Ministério cristão - Aula 01
Ministério cristão - Aula 01Ministério cristão - Aula 01
Ministério cristão - Aula 01
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
 
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
Formação em Liturgia
Formação em LiturgiaFormação em Liturgia
Formação em Liturgia
 
Lição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igrejaLição 5 - A mordomia da igreja
Lição 5 - A mordomia da igreja
 
Lição 6 as funções da igreja
Lição  6  as funções da igrejaLição  6  as funções da igreja
Lição 6 as funções da igreja
 

Mais de Ismael Isidio

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADELIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
Ismael Isidio
 
Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação
Ismael Isidio
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTORLIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
Ismael Isidio
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Ismael Isidio
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
Ismael Isidio
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
Ismael Isidio
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
Ismael Isidio
 

Mais de Ismael Isidio (18)

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
 
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADELIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 04 – GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
 
Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
 
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTORLIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
 

Último

EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 

LIÇÃO 12 – O DIACONATO

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. INTRODUÇÃO  No primeiro século da era cristã, a Igreja cresceu sob o avivamento do Espírito e expandiu-se pelo mundo. Na mesma medida em que cresceu, surgiram também problemas na esfera social, demandando urgentes providências.  Por uma sábia e unânime decisão, em assembleia, a igreja de Jerusalém escolheu sete homens de moral ilibada e cheios do Espírito Santo, para administrarem esse "importante negócio" (At 6.3).  Nesta lição estudaremos esse importante ministério de serviço que, por causa de uma crise étnica na igreja, levou os apóstolos a propor medidas que serviram de base para instituir a função diaconal. Esta, até hoje, faz parte do ministério ordenado pelas igrejas cristãs.
  • 7.
  • 8. I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO  1. Significado do termo.  O termo grego diaconia significa "ministério" ou "serviço". A vida inteira de Jesus aqui na Terra demonstrou o verdadeiro sentido da diaconia em todos os seus aspectos.  Na realidade, seu ministério terreno evidenciou o quanto Ele foi "apóstolo da nossa confissão" (Hb 3.1), profeta (Lc 24.19), evangelista (Lc 4.18,19), pastor (Jo 10.11), mas principalmente, diácono por excelência (Mt 20.28). O apóstolo Paulo disse que Jesus, "sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.  Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens" (Fp 2.6-7). Segundo a Bíblia de Estudo Palavras-Chave, a expressão "tomando a forma de servo" denota o sentido de uma condição humilde.
  • 9.
  • 10. I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO  2. Serviço de escravo.  Na véspera da sua crucificação, o Senhor Jesus reuniu os seus doze discípulos para comer a última ceia. Tomando uma toalha e uma bacia com água, ele começou a lavar os pés dos discípulos, um a um (Jo 13.4,5).  Não há atitude mais comovente do nosso Senhor como o relato do lava-pés, demonstrando serviço, exemplo e humildade.  A "diaconia da toalha e da bacia" é a convocação cristocêntrica para uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17).
  • 11.
  • 12. I - A DIACONIA DE JESUS CRISTO  3. O discípulo é um serviçal.  Certa vez, Tiago e João pediram ao Senhor lugares de destaques, "à direita" e "à esquerda" de Jesus, quando da implantação do seu Reino (Mc 10.35-37). Os discípulos ainda não haviam compreendido a mensagem de Jesus.  A proposta do Nazareno nunca foi a de estabelecer uma hierarquia de poder temporal para a sua igreja, mas a de serviço conforme demonstra sua resposta a eles: "entre vós não será assim; antes, qualquer que, entre vós, quiser ser grande será vosso serviçal [diakonos].  E qualquer que, dentre vós, quiser ser o primeiro será servo de todos. Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos" (Mc 10.43-45).
  • 13.
  • 14. R. "Ministério" ou "serviço". R. Significa a convocação cristocêntrica para uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17).
  • 15.
  • 16. II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS  1. O conceito da função.  A palavra diácono (gr. diakonos), segundo o Dicionário Vine, refere-se àquele que presta trabalhos voluntários aludindo aos exemplos dos criados domésticos dos tempos do Novo Testamento.  O termo destaca, em especial, a função de um mestre ou de um pastor cristão, entrelaçando o sentido técnico do diácono ou diaconisa. Outra palavra grega relacionada a "diácono" é doulos. Esta refere-se a "um servo" ou "um escravo" (Mt 13.27,28; Jo 4.51).  Portanto, a ideia preponderante que a função do diácono remonta é a do serviço voluntário prestado, pelo "ministro", o "servo" ou o "assistente", para alguém.
  • 17.
  • 18. II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS  2. Origem do diaconato.  "A bênção", "problema" e "reivindicação" são palavras-chave para o advento do ministério formal dos diáconos em o Novo Testamento. A bênção foi o extraordinário crescimento da igreja local em Jerusalém.  A questão étnica causada pela situação social de muitos que aceitavam a fé, especialmente envolvendo viúvas judias de fala hebraica e as de fala grega (At 6.1), era o problema.  A reivindicação pode ser vista na manifestação verbal destas viúvas que, sentindo-se injustiçadas pelo que elas interpretaram ser uma forma de discriminação dos líderes da igreja de Jerusalém, cobraram sua assistência (At 6.1).
  • 19.
  • 20. II - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS  3. A escolha dos diáconos.  Para resolver o impasse, orando e impondo-lhes as mãos, os apóstolos separaram sete irmãos de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria para administrar uma questão étnica e social (At 6.2-7).  Foi uma decisão de caráter pacificador e de muito bom-senso para a igreja não se perder em permanentes desentendimentos. O objetivo era estimulá-la a resolver a questão reconhecendo o caminho equivocado antes aderido pelos líderes até aquele momento.  Assim, eles puderam executar as mudanças necessárias e resolveram uma questão que poderia trazer sérios problemas para a igreja de Jerusalém.
  • 21.
  • 22.
  • 23. III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO  1. Qualificações do diácono.  As qualificações dos diáconos descritas no livro de Atos e na primeira carta a Timóteo revelam que em nada elas diferem da atribuição ética exigida aos bispos (1 Timóteo e Tito).  a) Caráter moral (1 Tm 3.8). Os diáconos devem ser pessoas honradas, dignas, corretas e íntegras. Não pode haver "língua dobre" neles, isto é, a sua palavra deve ser sim, sim e não, não. A ganância por dinheiro tem de passar longe da sua vida, pois sua função é exatamente a de executar trabalhos administrativos da igreja local, como auxiliar nas tarefas do culto e acompanhar as viúvas e os pobres da Igreja do Senhor.
  • 24. 1. Qualificações do diácono.  b) Caráter espiritual (1 Tm 3.9,10). Ter a plena convicção do que é crer no Evangelho. O diácono guarda a revelação de Deus que está em Cristo Jesus, o nosso Senhor (cf. Rm 16.25). Por isso, a liderança e a igreja local devem avaliar o candidato ao diaconato levando em conta o seu caráter moral e espiritual.  c) Caráter familiar. O candidato deve ser marido de uma mulher, fiel à sua esposa e bom pai. A exemplo dos bispos, os diáconos devem ser zelosos com o seu lar, amar as suas esposas com amor sacrifical. Devem respeitar os seus filhos, para obterem deles o mesmo respeito. O "serviço" do diácono à sua família revelará como ele servirá a igreja local.
  • 25.
  • 26. III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO 2. A função dos diáconos em Atos 6. Quando foram instituídos diáconos, setes homens de fala grega foram separados para assistir socialmente as viúvas: tanto as de fala hebraica como as de fala grega. Os diáconos não podiam permitir que houvesse injustiças de caráter social na igreja do primeiro século. A função do diaconato era fundamentalmente de caráter social.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. III - O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO 3. A função dos diáconos hoje. Atualmente, a função primordial do diácono é auxiliar a igreja local através das orientações do seu pastor em atividades ligadas a visitar os enfermos, os necessitados e os desviados, bem como cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto, como a distribuir os elementos da Ceia do Senhor, recolher as contribuições para a manutenção da igreja local (dízimos e ofertas) e auxiliar na ordem e na segurança da liturgia do culto, bem como de outras tarefas já mencionadas.
  • 32.
  • 33. R. Caráter moral, caráter espiritual e caráter familiar. R. Assistir socialmente as viúvas: tanto as de fala hebraica como as de fala grega. R. Auxiliar a igreja local através das orientações do seu pastor em atividades ligadas a visitar os enfermos, os necessitados e os desviados, bem como cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto, como distribuir os elementos da Ceia do Senhor, recolher as contribuições para a manutenção da igreja local (dízimos e ofertas) e auxiliar na ordem e na segurança do culto, bem como de outras tarefas para as quais for designado.
  • 34.
  • 35. CONCLUSÃO  O diaconato foi instituído pelos apóstolos de Cristo quando a comunidade cristã cresceu e precisou ter pessoas que pudessem resolver questões relacionadas a problemas sociais que demandavam atenção e cuidado.  Hoje, os diáconos servem à igreja e a Deus em trabalhos diferentes, e a liderança das igrejas locais deve valorizar o seu trabalho e reconhecê-los como excelentes servidores do Reino de Deus, pois, no sentido lato, todos somos diáconos da Igreja de Deus.
  • 36.
  • 37. ACESSE O NOSSO SITE www.escola-dominical.com www.proaviva.blogspot.com Produção dos slides Ev. Ismael Pereira de Oliveira e Ismael Isidio