SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO TEOLÓGICO
INFORMATIVO
O CHAMADO MINISTERIAL
Igreja Pentecostal Shekinah
Ministério Moreno-Pe
O chamado ministerial
Pr. Presidente
Emanuel Valença
Pr. Fernando Fábio
Pr. Kleber
Pr. Janderson
Pb. Edson Amaral
Pb. Josias
Pb. Jonatas
Missionária - Neri
Missionária - Mauricéia
Missionária - Aninha
Missionária - Marinilza
Missionária - Elza
Sumário
1) Características do chamado
2) Métodos do chamado
3) Finalidade do ministério pastoral
4) Qualificações para o ministério pastoral
5) O sustento pastoral
6) O pastor e a vida familiar
 O chamado é de Deus para a
sua obra.
 Não é a pessoa que decide
 Deus escolhe e convence
Primeira
Segunda
Terceira
1. Características do Chamado
 Quem é chamado não pode
impor condições, mas agradece o
chamado, porque Deus já definiu.
 Deus tem um ministério certo,
para a pessoa certa, na hora certa.
 A igreja reconhece, o ministério
ordena, mas a chamada é divina.Divina
Pessoal
Definitiva
Charles Spurgeon disse: “Nem todos são chamados”
O Novo Testamento apresenta as seguintes
características:
2. Métodos do Chamado
A Bíblia registra vários servos de Deus sendo
chamado;
 Deus tem chamado homens de um modo direto e
indireto.
Homens chamados por Deus de um modo direto
Noé viveu em época terrível e foi chamado para construir
uma arca (Gn cap.6).
Abraão vivia em Ur
dos Caldeus. Foi
chamado para uma
terra que não
conhecia (Gn cap.
12).
Profeta Isaias - Uma
chamada através de
visão.
(Is cap. 6)
uma chamada teofônica.
(Jr. Cap 1)
Profeta Jeremias teve
Os doze Apóstolos teve uma
chamada cara-a-cara.
O Apóstolo Paulo teve uma chamada teofônica em
Damasco.
Homens chamados por Deus de um modo indireto
Deus usou as circunstâncias
desfavoráveis e o fez
governador do Egito.
Josué
Batalha de Jericó
fruto do discipulado
de Moisés.
Timóteo foi um discípulo
contínuo de Paulo.
2 Tm 4.2 “... prega a palavra, insta a tempo e fora de
tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade
e ensino...”
Muitos pastores dirigem/pregam em suas igrejas
sem ter uma noção clara da finalidade ministerial. Os
Apóstolos sabiam suas finalidades, conforme está
escrito nas Escrituras:
“...Mas nós perseveraremos na oração e no ministério
da palavra...”. (At 6.4)
3. Finalidade do Ministério Pastoral
3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral
1) Aperfeiçoamento dos Crentes
Esmerar-se em apresentar ao Senhor pessoas
maduras e adultas na fé.
2) Capacitar os Cristãos
Concientizar os cristãos a serem mutuamente
servidores uns aos outros .
3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral
3) Preservar a Unidade da Igreja
Essa tarefa do pastor focaliza-se nos inter-
relacionamentos (pessoas/grupos) que funcione
apropriadamente. Esta função complexa de uma
igreja, como um “corpo” apóia o ensino de Paulo
sobre os quatro ministérios de liderança da igreja:
“E ele deu uns como apóstolos, e outros como
profetas, e outros como evangelistas, e outros
como pastores e mestres”.
4. Qualificações para o ministério pastoral
O êxito do ministério pastoral está
fundamentalmente ligado ao caráter santificado do
ministro. O ministro lidera, logo, é exigido que a vida
do pastor seja autêntica, isto é, transparente aos
olhos dos liderados. A fim de estudarmos melhor o
referido tema, selecionamos alguns tópicos do
caráter de um ministro, os quais apresentaremos a
partir de agora.
a) Pureza de coração
Um ministro precisa ser puro, consagrado e preparado.
Quando Deus vocaciona, Ele exige santidade e pureza de
coração.
b) Não violento
Também traduzido como espancador e briguento. Aqui também
incluída a violência verbal. Quantos escândalos já aconteceram em
vários ministérios.
Pastores não briguem,
vocês são ministros de
Deus !
Deus, perdoa este
péssimo testemunho!
c) Não avarento
Não ter amor ao dinheiro. O evangélho vem sofrendo por causa dos
mercenários. Paulo disse: “Tu porém, ó homem de Deus foge dessas
coisas”. 1 Tm 6.6-14
d) Conhecimento da Palavra de Deus e vida de oração
O Pastor/Ministro negligente na leitura da Bíblia e na oração
também será na vida cristã e ministerial. A oração e o estudo da
Palavra não é uma sugestão de Deus ao homem, e sim um
mandamento – “Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face
continuamente” (1 Cr 16.11); “... Não se aparte da tua boca o livro
desta lei...”(Js 1.8). Disse Martinho Lutero: “ ...A comunhão com o
Senhor é a coisa mais importante em minha vida...”. John Wesley
afirmou: “Tenho sempre tantas coisas para fazer, mas só posso
me desabrigar dessas árduas terefas após prolongado período de
oração.
d) Bom testemunho
O Ministro deve ter boa reputação, ser bem conceituado e
respeitado. O ministro de má reputação deve ser descartado como
Pastor. Uma boa reputação é essencial para a proclamação do
evangelho. Um Ministro sem reputação é um inútil junto aos seus
líderes.
2 Rs 4.8-9
...Sucedeu também certo dia que
Eliseu foi a Suném, onde havia
uma mulher rica que o reteve
para comer; e todas as vezes que
ele passava por ali, lá se dirigia
para comer. E ela disse a seu
marido: Tenho observado que
este que passa sempre por nós é
um santo homem de Deus...
f) Preparo para o ministério
O ministério é coisa muito séria, por isso a primeira condição para
exercê-lo é que o candidato não seja inexperiente. Paulo disse: “
Ministro/Pastor não deve ser neófito (1 Tm 3.6). Só se deve assumir
o ministério pastoral, alguém que já tenha demonstrado provas
convincentes de estar preparado.
Com apenas 11 anos de idade
foi ordenado como ministro em
Washington, nos Estados
Unidos. O menino agora é pastor
na igreja de sua família se
tornando um dos mais jovens
pastores americanos.
Alguns exemplos de desastres
ministeriais
1. Há Pastores não convertidos no ministério
Prega, prega, mas ainda não se converteu a Cristo.
2. Há Pastores não vocacionados
Nunca foram chamados por Deus. São voluntários
, mas não vocacionados. Entraram pelas portas da
influência em busca de status.
3. Há Pastores preguiçosos
São preguiçosos e relaxados. Não trabalham nada e
querem muito. Querem laureis, jamais a fadiga. Querem
os bónus e não o ónus. Dormem muito, trabalham
pouco.
4. Há Pastores gananciosos
Estão mais interessados no dinheiro das ovelhas do que
a salvação delas.
5. Há Pastores instáveis emocionalmente no ministério
Há Pastores doentes emocionalmente. Em vez de
pastorear deveriam ser pastoreados. São muito assim!
6. Há Pastores com medo de fracassar no ministério
O medo é mais que um sentimento, é um espírito. Paulo
disse a Timóteo: “ Deus não nos deu espírito de
covardia, mas poder... (2 Tm 1.7).
7. Há Pastores confusos teologicamente
Em razão de viverem num babel de novidades, há
Pastores que não têm firmeza no aspecto doutrinário,
isto é, hoje diz uma coisa, amanhã outra (Pastores
Marqueteiros).
8. Há Pastores despóticos no ministério
São Pastores que agem com truculência e autoritarismo.
Tripudiam aqueles que questionam o seu modelo.
9. Há Pastores sendo vítimas de
despotismo no ministério
Há Pastores reféns de líderes e manipuladores. Esses
pseudolíderes tratam o Pastor meramente como um
empregado deles.
10. Há Pastores iludidos no ministério
O ministério não é um mar de rosas, mas um campo de
lutas renhidas. Há oposição de fora e pressão por
dentro; há batalhas externas e internas.
11. Há Pastores descontrolados financeiramente no ministério
O pastor não pode ser homem envolvido com dívidas,
enrolado financeiramente e sem crédito na praça.
Pegam emprestado e não pagam. Esses são os mais
infiéis nas contribuições.
12. Há Pastores que pecam no ministério
Um ministro infiel é pior do que um incrédulo. Charles
Spurgeon dizia que um ministro infiel é o maior agente
do diabo em uma igreja. Combate o pecado no púlpito, e
pratica em secreto.
5. O Sustento Pastoral
a) O Pastor: Ministro de Cristo
O pastor é um ministro de Cristo para cumprir
com recursos humanos, logísticos e financeiros a
grande missão de edificação espiritual da igreja.
Neste sentido, Paulo pôde dizer: “ Importa que os
homens nos considerem como ministros de
Cristo...” (1 Co 4.1)
O Pastor de tempo integral
O pastor de tempo integral é aquele que dedica a
totalidade do seu tempo em prol de uma igreja
bem como no exercício de outras atividades
relacionadas com o Reino de Deus. Sendo
assim, a igreja é responsável pelo sustento
integral do seu pastor, de modo que tanto o
ministro do Senhor como sua família possa viver
dignamente.
Outras atividades do Pastor de
tempo integral
1. Participações em juntas ou na diretoria de
associações e convenções;
2. Cátedra em instituições de ensino teológico;
3. Coordenação duma campanha de
evangelização;
4. Visitação nos lares.
Pensamento errôneo de alguns
crentes
Muitos crentes não entendem o pastorado de
tempo integral, principalmente aqueles que só
vão aos cultos de oração e aos domingos. Eles
acham que o pastor só trabalha quando tem de
dirigir uma reunião, ficando à toa o resto do
tempo.
As atividades do pastor de tempo
intregal vai muito além de apenas
dirigir uma reunião na igreja, pois,
ele também se preocupa com:
1. Todos os preparativos para a reunião;
2. O cuidade da vida administrativa e espiritual da
igreja;
3. As visitações aos crentes e suas famílias;
4. A evangelização dos perdidos;
5. A representação da igreja perante a comunidade
Em toda igreja do Senhor, não
importando o tamanho, há muito
trabalho para ser executado.
Uma igreja, não importando o tamanho, tem serviço
para um homem dinâmico trabalhar o dia todo,
todos os dias da semana, inclusive o sábado e
especialmente o domingo.
b) O pastor e seu preparo
Um pastor compromissado com sua igreja
agradece a Deus pelo tempo integral que lhe foi
franqueado e procura com muito empenho
desenvolver o lado intelectual e espiritual em prol
de sua igreja.
1) O preparo intelectual
Já foi comprovado, através de cálculos, que o
preparo de um sermão consome oito horas. Nos
sermões de domingo dezesseis horas. O pastor
precisa estudar, ler livros, jornais e revistas para
poder ficar atualizado com o presente século. Não
se tira água de uma fonte seca. Se o pastor não
estiver abastecendo suas fontes intelectuais, logo
se tornará repetitivo e enfadonho. O próprio
apóstolo Paulo sentiu falta dos seus livros já velho
na prisão (2 Tm 4.13).
Aqueles que acham que o pastor não precisa de
tempo integral são os primeiros a reclamar que só
estão recebendo “palha” em lugar de alimento
fresco.
2) O preparo espiritual
E aqui está um ponto delicadíssimo desta questão:
muito mais importante que o preparo intelectual do
pastor é o seu preparo espiritual. O exercício do
pastorado exige longas horas de oração, de leitura
e meditação da Bíblia, e que o pastor gaste muito
tempo a sós com Deus.
O pastor que não gasta longas horas com Deus
nunca terá impacto e unção nos seus ensinamentos
e mensagens.
c) O direito ao sustento
A Bíblia nos ensina no Antigo Testameno (Dt 25:4;
Lv 6:16,26; 7:6) e no Novo Testamento (Mt 10:10; Lc
10:7), que aqueles que se dedicam ao ensinamento
e proclamação da Palavra de Deus devem ser
sustentados por aqueles que desse trabalho
recebem bênçãos espirituais.
O apóstolo Paulo em 1 Co 9.7-13, usa cinco exemplos de
pessoas que são sustentadas no que fazem.
1. Soldado (vs.7)
Paulo está usando uma linguagem da época, pois as
guerras eram financiadas pela sociedade através dos
impostos. Nenhum soldado vão a guerra se não tiver apoio
financeiro.
2. Agricultor (vs.7)
Paulo se refere ao trabalhador rural. Ele prepara a terra, faz
a semeadura, irriga e tem direito de comer o que se
plantou.
3. O pecuarista (vs.7)
A pessoa que lida todos os dias cuidando de seus animais.
O pecuarista tem o direito de usufruir do que produzem os
animais.
4. O boi de canga (vs.9-10)
Paulo chega a comparar o obreiro do Senhor a um boi que
trabalha, e esse boi, diz Paulo, precisa ser alimentado, do
contrário como conseguirá trabalhar.
5. O sacerdote (vs.13)
Paulo ilustra a necessidade do sustento do obreiro com a
figura do sacerdote que comia dos sacrifícios trazidos ao
altar.
Vejamos os benefícios de uma igreja que tem um pastor de
tempo integral:
1) Terão um pastor que apascenta o rebanho;
2) Visita e cultos nos lares;
3) Mais presença e força física nas necessidades do seu
povo;
4) Esta igreja crescerá para com Deus, pois conhecerá Ele
melhor;
5) Crescerá em amor para com o próximo e pelos de fora,
através do ensinamento eficaz da Palavra;
6) Esta igreja crescerá em fé, qualitativa equantitativa.
Vejamos os resultados de um pastor bem suprido:
1) Terá mais tempo na Palavra (Rm 10.17)
2) Mais tempo na oração (1 Ts 5.17);
3) Mais dependência do Senhor (Pv 3.5);
4) Ensinará melhor (2 Pe 3.18);
5) Crescerá na fé (2Co 10.15);
6. O Pastor e a Vida Familiar
a) O pastor como pessoa
1) Para sermos filho de Deus;
2) Para sermos maridos;
3) Para sermos pai;
4) Para sermos discípulos
É bom ressaltar que existem muitas pessoas que acham
que o pastor é uma figura inabalável, um super homem e
que não tem dificuldades.
Antes de sermos chamados para o pastorado, fomos
chamados :
Note que, em último lugar há o chamado ao pastorado,
porque se não estivermos aprovados como: filho de Deus,
maridos, pais e discípulos, como seremos bons pastores ?
b) O pastor como esposo
1) O pastor também precisa pensar no seu
relacionamento conjugal;
2) Ele precisa ser um homem cristão que lidere o seu lar e
ame a sua esposa;
3) Nunca esquecer que ele é um homem que tem sua
função de pai;
4) Sabemos pela Bíblia que nem todos homens de Deus
tiveram sérios problemas familiares. Contudo, outros
homens de Deus passaram por problemas familiares,
como: Samuel, Isaque, Abraão, Arão e Eli.
Dentro das prioridades pastoral, abaixo do relacionamento
com DEUS, está o relacionamento como esposo. Neste
sentido, deve-se considerá os seguintes pontos:
c) O relacionamento com os filhos
Criar filhos exige toda criatividade e energia possível por
parte dos pais, cuja função é ensinar os filhos nos
preceitos do Senhor e prepará-los para que sejam jovens
cristãos responsáveis com capacidades de tomar suas
próprias decisões. Portanto, o alvo a ser atingido é fazer
com que seus filhos, quando atingirem a adolescência,
posssam assumir o compromisso de amar a Deus de todo
o seu coração, toda sua alma e todo o seu entendimento.
Questões comuns relacionadas aos filhos.
a) Como instruir nossos filhos nos preceitos de Deus ?
b) Como podemos ensinar valores morais aos nossos
filhos?
c) Como podemos ensinar a criança a dividir seus
doces com seus coleguinhas ?
d) Como podemos ensinar o adolescente a cuidar de
seu quarto ?
e) Como podemos incutir na criança virtudes como
higiene, pontualidade, honestidade, lealdade, respeito
aos direitos dos outros e obediência às autoridades.
Deus instituiu a família e estabeleceu as regras para
se construir um lar feliz.
A Palavra de Deus é nossa fonte de conhecimento e
sabedoria para superarmos qualquer desafio na
educação dos filhos. Contudo, faz-se importante
lembrarmos que a responsabilidade principal na
educação e disciplina dos filhos é dos pais; não da
igreja, nem da escola e muito menos da televisão.
Texto base da Bíblia para a educação dos filhos:
“ E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas
criai-os na disciplina e admoestação do Senhor ”. Ef 6.4
No texto acima, Paulo primeiro dá aos pais uma ordem
negativa, quando diz: “ E vós, pais, não provoqueis à ira
vossos filhos. Assim, os pais não devem provocar seus
filhos à raiva, com exigências sem sentido e excessiva
severidade. Em seguida, temos duas ordens positivas: “
Criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”. Quanto
a disciplina, esta não deve ser entendida simplismente
com castigo, pois, ela tem como alvo criar nos filhos as
qualidades do Espírito Santo. Portanto, disciplinar os
filhos é um ato de fé, onde devemos esperar com
paciência os frutos de justiva na vida dos filhos (Hb
12.11)
Poderações Finais
 O objetivo deste curso foi nos colocar diante
das necessidades que ora enfrentamos no meio
evangélico.
 Acreditamos que, cada participante ou
professor sentiu algumas razões de
melhoramentos nos conceitos: cultural e
espiritual.
 Concluindo, esperamos em Deus que sempre
venha nos habilitarnos para suprirmos mais a
obra Shekinah.
Obrigado pela atenção e até a
próxima oportunidade!
www.shekinahmoreno.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
José Ribeiro
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide onlineMódulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
Luiz Siles
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
Junior Cesar Santiago
 
6 a missão da igreja
6 a missão da igreja6 a missão da igreja
6 a missão da igreja
faculdadeteologica
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristã
Reginaldo Pacheco
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
O discipulado na prática
O discipulado na práticaO discipulado na prática
O discipulado na prática
Joary Jossué Carlesso
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slides
Jose Ventura
 
O Grupo de Discipulado na Prática
O Grupo de Discipulado na PráticaO Grupo de Discipulado na Prática
O Grupo de Discipulado na Prática
Joary Jossué Carlesso
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
suzyanne2010
 
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivoApostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
Izabela Oliveira
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
DanielSantana688069
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
Wander Sousa
 
A história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igrejaA história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igreja
Giovani Luiz Zimmermann Jr.
 

Mais procurados (20)

Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide onlineMódulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
Módulo ii treinamento prático para evangelização urbano no dia do ide online
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
6 a missão da igreja
6 a missão da igreja6 a missão da igreja
6 a missão da igreja
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristã
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
O discipulado na prática
O discipulado na práticaO discipulado na prática
O discipulado na prática
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slides
 
O Grupo de Discipulado na Prática
O Grupo de Discipulado na PráticaO Grupo de Discipulado na Prática
O Grupo de Discipulado na Prática
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
 
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivoApostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
Apostila para formação de evangelismo pessoal e coletivo
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
 
Lição 18 Apostasia da Fé
Lição 18   Apostasia da FéLição 18   Apostasia da Fé
Lição 18 Apostasia da Fé
 
A história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igrejaA história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igreja
 

Destaque

O Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus okO Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus ok
Michele L D Pain
 
O Chamado de Deus
O Chamado de DeusO Chamado de Deus
O Chamado de Deus
Fabiano EducarCristão
 
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
Marcos Nassif
 
OT Programa Visão do Futuro 2013
OT Programa Visão do Futuro 2013OT Programa Visão do Futuro 2013
OT Programa Visão do Futuro 2013
Claudia Elisabete Silva
 
Minha missão é servir
Minha missão é servirMinha missão é servir
Minha missão é servir
Glauber Menezes
 
Vocações
VocaçõesVocações
Vocações
Milton Junior
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
Joel Silva
 
Vocação
VocaçãoVocação
Vocação
wilsondani
 
Vocação à vida
Vocação à vidaVocação à vida
Vocação à vida
irmaspaulinas
 
Artigo cientifico
Artigo cientificoArtigo cientifico
Artigo cientifico
Wildete Silva
 
Deuteronomio 6
Deuteronomio 6Deuteronomio 6
Deuteronomio 6
Elisa Schenk
 
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
Vanildo Zugno
 
Projeto Jovens Irmaos
Projeto Jovens IrmaosProjeto Jovens Irmaos
Projeto Jovens Irmaos
Joaquim Alberto
 
Vocação chamado e segmento a jesus cristo
Vocação chamado e segmento a jesus cristoVocação chamado e segmento a jesus cristo
Vocação chamado e segmento a jesus cristo
Benedilosn
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!
Vanildo Zugno
 
A carta a pergamo
A carta a pergamoA carta a pergamo
A carta a pergamo
Edivaldo Pereira
 
Informativo ofícial da província de campo grande diagramado
Informativo ofícial da província de campo grande diagramadoInformativo ofícial da província de campo grande diagramado
Informativo ofícial da província de campo grande diagramado
Leutherio
 
A vontade de deus e a nossa vontade
A vontade de deus e a nossa vontadeA vontade de deus e a nossa vontade
A vontade de deus e a nossa vontade
João Eduardo
 
O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Vocacao para a felicidade 1
Vocacao para a felicidade 1Vocacao para a felicidade 1
Vocacao para a felicidade 1
Mensagens Virtuais
 

Destaque (20)

O Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus okO Chamado De Deus ok
O Chamado De Deus ok
 
O Chamado de Deus
O Chamado de DeusO Chamado de Deus
O Chamado de Deus
 
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
5 verdades que identificam nosso chamado ministerial
 
OT Programa Visão do Futuro 2013
OT Programa Visão do Futuro 2013OT Programa Visão do Futuro 2013
OT Programa Visão do Futuro 2013
 
Minha missão é servir
Minha missão é servirMinha missão é servir
Minha missão é servir
 
Vocações
VocaçõesVocações
Vocações
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
Vocação
VocaçãoVocação
Vocação
 
Vocação à vida
Vocação à vidaVocação à vida
Vocação à vida
 
Artigo cientifico
Artigo cientificoArtigo cientifico
Artigo cientifico
 
Deuteronomio 6
Deuteronomio 6Deuteronomio 6
Deuteronomio 6
 
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
Vida Religiosa Leiga: presente e perspectivas.
 
Projeto Jovens Irmaos
Projeto Jovens IrmaosProjeto Jovens Irmaos
Projeto Jovens Irmaos
 
Vocação chamado e segmento a jesus cristo
Vocação chamado e segmento a jesus cristoVocação chamado e segmento a jesus cristo
Vocação chamado e segmento a jesus cristo
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!
 
A carta a pergamo
A carta a pergamoA carta a pergamo
A carta a pergamo
 
Informativo ofícial da província de campo grande diagramado
Informativo ofícial da província de campo grande diagramadoInformativo ofícial da província de campo grande diagramado
Informativo ofícial da província de campo grande diagramado
 
A vontade de deus e a nossa vontade
A vontade de deus e a nossa vontadeA vontade de deus e a nossa vontade
A vontade de deus e a nossa vontade
 
O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus
 
Vocacao para a felicidade 1
Vocacao para a felicidade 1Vocacao para a felicidade 1
Vocacao para a felicidade 1
 

Semelhante a O chamado ministerial

PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
Samarone Melo
 
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
Joel Silva
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
Mara Rúbia Alfarth
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
Joel Silva
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
MINISTERIO IPCA.
 
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
boasnovassena
 
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
Natalino das Neves Neves
 
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdfAPOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
evanil2
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
PASTOR CARLOS SILVA
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Éder Tomé
 
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja localSlide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Vilma Longuini
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
Pr. Gerson Eller
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
Antonio Fernandes
 
Lição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconosLição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconos
Regio Davis
 
Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros
Sara Ribeiro
 
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
Joel Silva
 
Lição 9 o ministerio de pastor
Lição 9   o ministerio de pastorLição 9   o ministerio de pastor
Lição 9 o ministerio de pastor
pralucianaevangelista
 

Semelhante a O chamado ministerial (20)

PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
PASTORES E DIÁCONOS - LIÇÃO 04
 
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
Pastores e Diáconos - Lição 04 - 3º Trimestre de 2015
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
Apostila obreiros
Apostila obreirosApostila obreiros
Apostila obreiros
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
 
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
 
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdfAPOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja localSlide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
Slide licao 5 3 t - 2019 - a mordomia da igreja local
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
 
Lição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconosLição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconos
 
Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros Cursoparaobreiros
Cursoparaobreiros
 
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 01.pptx
 
Lição 9 o ministerio de pastor
Lição 9   o ministerio de pastorLição 9   o ministerio de pastor
Lição 9 o ministerio de pastor
 

Mais de Wilson Paulo de Santana Paulo

A completuda da bíblia
A completuda da bíbliaA completuda da bíblia
A completuda da bíblia
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
A Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
A Clareza e Supremacia da Palavra de DeusA Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
A Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
A Infalibilidade das Sagradas Escrituras
A Infalibilidade das Sagradas EscriturasA Infalibilidade das Sagradas Escrituras
A Infalibilidade das Sagradas Escrituras
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
A Inerrância da Palavra de Deus
A Inerrância da Palavra de Deus A Inerrância da Palavra de Deus
A Inerrância da Palavra de Deus
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Missão do Discípulo
Missão do DiscípuloMissão do Discípulo
Missão do Discípulo
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
A igreja primitiva
A igreja primitivaA igreja primitiva
A igreja primitiva
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Batismo no Espírito santo
Batismo no Espírito santo Batismo no Espírito santo
Batismo no Espírito santo
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Lição 3 tentação
Lição 3   tentação Lição 3   tentação
Lição 3 tentação
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Lição 2 jejum
Lição 2   jejumLição 2   jejum
Lição 1 oração
Lição 1   oração Lição 1   oração
Lição 1 oração
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Lição 2 jejum
Lição 2   jejumLição 2   jejum
Lição 1 oração
Lição 1   oração Lição 1   oração
Lição 1 oração
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Modulo i 4 atualizado
Modulo i 4 atualizadoModulo i 4 atualizado
Modulo i 4 atualizado
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Modulo i 3 atualizado
Modulo i 3 atualizadoModulo i 3 atualizado
Modulo i 3 atualizado
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Modulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizadoModulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizado
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Modulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizadoModulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizado
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
1º encontro do corpo diaconal shekinah cópia
1º encontro do corpo diaconal shekinah   cópia1º encontro do corpo diaconal shekinah   cópia
1º encontro do corpo diaconal shekinah cópia
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
Teologia econômica financeira
Teologia econômica financeira Teologia econômica financeira
Teologia econômica financeira
Wilson Paulo de Santana Paulo
 

Mais de Wilson Paulo de Santana Paulo (19)

A completuda da bíblia
A completuda da bíbliaA completuda da bíblia
A completuda da bíblia
 
A Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
A Clareza e Supremacia da Palavra de DeusA Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
A Clareza e Supremacia da Palavra de Deus
 
A Infalibilidade das Sagradas Escrituras
A Infalibilidade das Sagradas EscriturasA Infalibilidade das Sagradas Escrituras
A Infalibilidade das Sagradas Escrituras
 
A Inerrância da Palavra de Deus
A Inerrância da Palavra de Deus A Inerrância da Palavra de Deus
A Inerrância da Palavra de Deus
 
Missão do Discípulo
Missão do DiscípuloMissão do Discípulo
Missão do Discípulo
 
A igreja primitiva
A igreja primitivaA igreja primitiva
A igreja primitiva
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
 
Batismo no Espírito santo
Batismo no Espírito santo Batismo no Espírito santo
Batismo no Espírito santo
 
Lição 3 tentação
Lição 3   tentação Lição 3   tentação
Lição 3 tentação
 
Lição 2 jejum
Lição 2   jejumLição 2   jejum
Lição 2 jejum
 
Lição 1 oração
Lição 1   oração Lição 1   oração
Lição 1 oração
 
Lição 2 jejum
Lição 2   jejumLição 2   jejum
Lição 2 jejum
 
Lição 1 oração
Lição 1   oração Lição 1   oração
Lição 1 oração
 
Modulo i 4 atualizado
Modulo i 4 atualizadoModulo i 4 atualizado
Modulo i 4 atualizado
 
Modulo i 3 atualizado
Modulo i 3 atualizadoModulo i 3 atualizado
Modulo i 3 atualizado
 
Modulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizadoModulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizado
 
Modulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizadoModulo i 2 atualizado
Modulo i 2 atualizado
 
1º encontro do corpo diaconal shekinah cópia
1º encontro do corpo diaconal shekinah   cópia1º encontro do corpo diaconal shekinah   cópia
1º encontro do corpo diaconal shekinah cópia
 
Teologia econômica financeira
Teologia econômica financeira Teologia econômica financeira
Teologia econômica financeira
 

O chamado ministerial

  • 1. CURSO TEOLÓGICO INFORMATIVO O CHAMADO MINISTERIAL Igreja Pentecostal Shekinah Ministério Moreno-Pe
  • 15. Sumário 1) Características do chamado 2) Métodos do chamado 3) Finalidade do ministério pastoral 4) Qualificações para o ministério pastoral 5) O sustento pastoral 6) O pastor e a vida familiar
  • 16.  O chamado é de Deus para a sua obra.  Não é a pessoa que decide  Deus escolhe e convence Primeira Segunda Terceira 1. Características do Chamado
  • 17.  Quem é chamado não pode impor condições, mas agradece o chamado, porque Deus já definiu.  Deus tem um ministério certo, para a pessoa certa, na hora certa.  A igreja reconhece, o ministério ordena, mas a chamada é divina.Divina Pessoal Definitiva Charles Spurgeon disse: “Nem todos são chamados” O Novo Testamento apresenta as seguintes características:
  • 18. 2. Métodos do Chamado A Bíblia registra vários servos de Deus sendo chamado;  Deus tem chamado homens de um modo direto e indireto.
  • 19. Homens chamados por Deus de um modo direto
  • 20. Noé viveu em época terrível e foi chamado para construir uma arca (Gn cap.6).
  • 21. Abraão vivia em Ur dos Caldeus. Foi chamado para uma terra que não conhecia (Gn cap. 12).
  • 22. Profeta Isaias - Uma chamada através de visão. (Is cap. 6)
  • 23. uma chamada teofônica. (Jr. Cap 1) Profeta Jeremias teve
  • 24. Os doze Apóstolos teve uma chamada cara-a-cara.
  • 25. O Apóstolo Paulo teve uma chamada teofônica em Damasco.
  • 26. Homens chamados por Deus de um modo indireto
  • 27. Deus usou as circunstâncias desfavoráveis e o fez governador do Egito.
  • 28. Josué Batalha de Jericó fruto do discipulado de Moisés.
  • 29. Timóteo foi um discípulo contínuo de Paulo. 2 Tm 4.2 “... prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino...”
  • 30. Muitos pastores dirigem/pregam em suas igrejas sem ter uma noção clara da finalidade ministerial. Os Apóstolos sabiam suas finalidades, conforme está escrito nas Escrituras: “...Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra...”. (At 6.4) 3. Finalidade do Ministério Pastoral
  • 31. 3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral 1) Aperfeiçoamento dos Crentes Esmerar-se em apresentar ao Senhor pessoas maduras e adultas na fé. 2) Capacitar os Cristãos Concientizar os cristãos a serem mutuamente servidores uns aos outros .
  • 32. 3.1 Principais Finalidades do Ministério Pastoral 3) Preservar a Unidade da Igreja Essa tarefa do pastor focaliza-se nos inter- relacionamentos (pessoas/grupos) que funcione apropriadamente. Esta função complexa de uma igreja, como um “corpo” apóia o ensino de Paulo sobre os quatro ministérios de liderança da igreja: “E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres”.
  • 33. 4. Qualificações para o ministério pastoral O êxito do ministério pastoral está fundamentalmente ligado ao caráter santificado do ministro. O ministro lidera, logo, é exigido que a vida do pastor seja autêntica, isto é, transparente aos olhos dos liderados. A fim de estudarmos melhor o referido tema, selecionamos alguns tópicos do caráter de um ministro, os quais apresentaremos a partir de agora.
  • 34. a) Pureza de coração Um ministro precisa ser puro, consagrado e preparado. Quando Deus vocaciona, Ele exige santidade e pureza de coração.
  • 35. b) Não violento Também traduzido como espancador e briguento. Aqui também incluída a violência verbal. Quantos escândalos já aconteceram em vários ministérios. Pastores não briguem, vocês são ministros de Deus ! Deus, perdoa este péssimo testemunho!
  • 36. c) Não avarento Não ter amor ao dinheiro. O evangélho vem sofrendo por causa dos mercenários. Paulo disse: “Tu porém, ó homem de Deus foge dessas coisas”. 1 Tm 6.6-14
  • 37. d) Conhecimento da Palavra de Deus e vida de oração O Pastor/Ministro negligente na leitura da Bíblia e na oração também será na vida cristã e ministerial. A oração e o estudo da Palavra não é uma sugestão de Deus ao homem, e sim um mandamento – “Buscai ao Senhor e a sua força; buscai a sua face continuamente” (1 Cr 16.11); “... Não se aparte da tua boca o livro desta lei...”(Js 1.8). Disse Martinho Lutero: “ ...A comunhão com o Senhor é a coisa mais importante em minha vida...”. John Wesley afirmou: “Tenho sempre tantas coisas para fazer, mas só posso me desabrigar dessas árduas terefas após prolongado período de oração.
  • 38. d) Bom testemunho O Ministro deve ter boa reputação, ser bem conceituado e respeitado. O ministro de má reputação deve ser descartado como Pastor. Uma boa reputação é essencial para a proclamação do evangelho. Um Ministro sem reputação é um inútil junto aos seus líderes. 2 Rs 4.8-9 ...Sucedeu também certo dia que Eliseu foi a Suném, onde havia uma mulher rica que o reteve para comer; e todas as vezes que ele passava por ali, lá se dirigia para comer. E ela disse a seu marido: Tenho observado que este que passa sempre por nós é um santo homem de Deus...
  • 39. f) Preparo para o ministério O ministério é coisa muito séria, por isso a primeira condição para exercê-lo é que o candidato não seja inexperiente. Paulo disse: “ Ministro/Pastor não deve ser neófito (1 Tm 3.6). Só se deve assumir o ministério pastoral, alguém que já tenha demonstrado provas convincentes de estar preparado. Com apenas 11 anos de idade foi ordenado como ministro em Washington, nos Estados Unidos. O menino agora é pastor na igreja de sua família se tornando um dos mais jovens pastores americanos.
  • 40. Alguns exemplos de desastres ministeriais
  • 41. 1. Há Pastores não convertidos no ministério Prega, prega, mas ainda não se converteu a Cristo.
  • 42. 2. Há Pastores não vocacionados Nunca foram chamados por Deus. São voluntários , mas não vocacionados. Entraram pelas portas da influência em busca de status.
  • 43. 3. Há Pastores preguiçosos São preguiçosos e relaxados. Não trabalham nada e querem muito. Querem laureis, jamais a fadiga. Querem os bónus e não o ónus. Dormem muito, trabalham pouco.
  • 44. 4. Há Pastores gananciosos Estão mais interessados no dinheiro das ovelhas do que a salvação delas.
  • 45. 5. Há Pastores instáveis emocionalmente no ministério Há Pastores doentes emocionalmente. Em vez de pastorear deveriam ser pastoreados. São muito assim!
  • 46. 6. Há Pastores com medo de fracassar no ministério O medo é mais que um sentimento, é um espírito. Paulo disse a Timóteo: “ Deus não nos deu espírito de covardia, mas poder... (2 Tm 1.7).
  • 47. 7. Há Pastores confusos teologicamente Em razão de viverem num babel de novidades, há Pastores que não têm firmeza no aspecto doutrinário, isto é, hoje diz uma coisa, amanhã outra (Pastores Marqueteiros).
  • 48. 8. Há Pastores despóticos no ministério São Pastores que agem com truculência e autoritarismo. Tripudiam aqueles que questionam o seu modelo.
  • 49. 9. Há Pastores sendo vítimas de despotismo no ministério Há Pastores reféns de líderes e manipuladores. Esses pseudolíderes tratam o Pastor meramente como um empregado deles.
  • 50. 10. Há Pastores iludidos no ministério O ministério não é um mar de rosas, mas um campo de lutas renhidas. Há oposição de fora e pressão por dentro; há batalhas externas e internas.
  • 51. 11. Há Pastores descontrolados financeiramente no ministério O pastor não pode ser homem envolvido com dívidas, enrolado financeiramente e sem crédito na praça. Pegam emprestado e não pagam. Esses são os mais infiéis nas contribuições.
  • 52. 12. Há Pastores que pecam no ministério Um ministro infiel é pior do que um incrédulo. Charles Spurgeon dizia que um ministro infiel é o maior agente do diabo em uma igreja. Combate o pecado no púlpito, e pratica em secreto.
  • 53. 5. O Sustento Pastoral
  • 54. a) O Pastor: Ministro de Cristo O pastor é um ministro de Cristo para cumprir com recursos humanos, logísticos e financeiros a grande missão de edificação espiritual da igreja. Neste sentido, Paulo pôde dizer: “ Importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo...” (1 Co 4.1)
  • 55. O Pastor de tempo integral O pastor de tempo integral é aquele que dedica a totalidade do seu tempo em prol de uma igreja bem como no exercício de outras atividades relacionadas com o Reino de Deus. Sendo assim, a igreja é responsável pelo sustento integral do seu pastor, de modo que tanto o ministro do Senhor como sua família possa viver dignamente.
  • 56. Outras atividades do Pastor de tempo integral 1. Participações em juntas ou na diretoria de associações e convenções; 2. Cátedra em instituições de ensino teológico; 3. Coordenação duma campanha de evangelização; 4. Visitação nos lares.
  • 57. Pensamento errôneo de alguns crentes Muitos crentes não entendem o pastorado de tempo integral, principalmente aqueles que só vão aos cultos de oração e aos domingos. Eles acham que o pastor só trabalha quando tem de dirigir uma reunião, ficando à toa o resto do tempo.
  • 58. As atividades do pastor de tempo intregal vai muito além de apenas dirigir uma reunião na igreja, pois, ele também se preocupa com: 1. Todos os preparativos para a reunião; 2. O cuidade da vida administrativa e espiritual da igreja; 3. As visitações aos crentes e suas famílias; 4. A evangelização dos perdidos; 5. A representação da igreja perante a comunidade
  • 59. Em toda igreja do Senhor, não importando o tamanho, há muito trabalho para ser executado. Uma igreja, não importando o tamanho, tem serviço para um homem dinâmico trabalhar o dia todo, todos os dias da semana, inclusive o sábado e especialmente o domingo.
  • 60. b) O pastor e seu preparo Um pastor compromissado com sua igreja agradece a Deus pelo tempo integral que lhe foi franqueado e procura com muito empenho desenvolver o lado intelectual e espiritual em prol de sua igreja.
  • 61. 1) O preparo intelectual Já foi comprovado, através de cálculos, que o preparo de um sermão consome oito horas. Nos sermões de domingo dezesseis horas. O pastor precisa estudar, ler livros, jornais e revistas para poder ficar atualizado com o presente século. Não se tira água de uma fonte seca. Se o pastor não estiver abastecendo suas fontes intelectuais, logo se tornará repetitivo e enfadonho. O próprio apóstolo Paulo sentiu falta dos seus livros já velho na prisão (2 Tm 4.13). Aqueles que acham que o pastor não precisa de tempo integral são os primeiros a reclamar que só estão recebendo “palha” em lugar de alimento fresco.
  • 62. 2) O preparo espiritual E aqui está um ponto delicadíssimo desta questão: muito mais importante que o preparo intelectual do pastor é o seu preparo espiritual. O exercício do pastorado exige longas horas de oração, de leitura e meditação da Bíblia, e que o pastor gaste muito tempo a sós com Deus. O pastor que não gasta longas horas com Deus nunca terá impacto e unção nos seus ensinamentos e mensagens.
  • 63. c) O direito ao sustento A Bíblia nos ensina no Antigo Testameno (Dt 25:4; Lv 6:16,26; 7:6) e no Novo Testamento (Mt 10:10; Lc 10:7), que aqueles que se dedicam ao ensinamento e proclamação da Palavra de Deus devem ser sustentados por aqueles que desse trabalho recebem bênçãos espirituais.
  • 64. O apóstolo Paulo em 1 Co 9.7-13, usa cinco exemplos de pessoas que são sustentadas no que fazem. 1. Soldado (vs.7) Paulo está usando uma linguagem da época, pois as guerras eram financiadas pela sociedade através dos impostos. Nenhum soldado vão a guerra se não tiver apoio financeiro. 2. Agricultor (vs.7) Paulo se refere ao trabalhador rural. Ele prepara a terra, faz a semeadura, irriga e tem direito de comer o que se plantou. 3. O pecuarista (vs.7) A pessoa que lida todos os dias cuidando de seus animais. O pecuarista tem o direito de usufruir do que produzem os animais.
  • 65. 4. O boi de canga (vs.9-10) Paulo chega a comparar o obreiro do Senhor a um boi que trabalha, e esse boi, diz Paulo, precisa ser alimentado, do contrário como conseguirá trabalhar. 5. O sacerdote (vs.13) Paulo ilustra a necessidade do sustento do obreiro com a figura do sacerdote que comia dos sacrifícios trazidos ao altar.
  • 66. Vejamos os benefícios de uma igreja que tem um pastor de tempo integral: 1) Terão um pastor que apascenta o rebanho; 2) Visita e cultos nos lares; 3) Mais presença e força física nas necessidades do seu povo; 4) Esta igreja crescerá para com Deus, pois conhecerá Ele melhor; 5) Crescerá em amor para com o próximo e pelos de fora, através do ensinamento eficaz da Palavra; 6) Esta igreja crescerá em fé, qualitativa equantitativa.
  • 67. Vejamos os resultados de um pastor bem suprido: 1) Terá mais tempo na Palavra (Rm 10.17) 2) Mais tempo na oração (1 Ts 5.17); 3) Mais dependência do Senhor (Pv 3.5); 4) Ensinará melhor (2 Pe 3.18); 5) Crescerá na fé (2Co 10.15);
  • 68. 6. O Pastor e a Vida Familiar
  • 69. a) O pastor como pessoa 1) Para sermos filho de Deus; 2) Para sermos maridos; 3) Para sermos pai; 4) Para sermos discípulos É bom ressaltar que existem muitas pessoas que acham que o pastor é uma figura inabalável, um super homem e que não tem dificuldades. Antes de sermos chamados para o pastorado, fomos chamados : Note que, em último lugar há o chamado ao pastorado, porque se não estivermos aprovados como: filho de Deus, maridos, pais e discípulos, como seremos bons pastores ?
  • 70. b) O pastor como esposo 1) O pastor também precisa pensar no seu relacionamento conjugal; 2) Ele precisa ser um homem cristão que lidere o seu lar e ame a sua esposa; 3) Nunca esquecer que ele é um homem que tem sua função de pai; 4) Sabemos pela Bíblia que nem todos homens de Deus tiveram sérios problemas familiares. Contudo, outros homens de Deus passaram por problemas familiares, como: Samuel, Isaque, Abraão, Arão e Eli. Dentro das prioridades pastoral, abaixo do relacionamento com DEUS, está o relacionamento como esposo. Neste sentido, deve-se considerá os seguintes pontos:
  • 71. c) O relacionamento com os filhos Criar filhos exige toda criatividade e energia possível por parte dos pais, cuja função é ensinar os filhos nos preceitos do Senhor e prepará-los para que sejam jovens cristãos responsáveis com capacidades de tomar suas próprias decisões. Portanto, o alvo a ser atingido é fazer com que seus filhos, quando atingirem a adolescência, posssam assumir o compromisso de amar a Deus de todo o seu coração, toda sua alma e todo o seu entendimento.
  • 72. Questões comuns relacionadas aos filhos. a) Como instruir nossos filhos nos preceitos de Deus ? b) Como podemos ensinar valores morais aos nossos filhos? c) Como podemos ensinar a criança a dividir seus doces com seus coleguinhas ? d) Como podemos ensinar o adolescente a cuidar de seu quarto ? e) Como podemos incutir na criança virtudes como higiene, pontualidade, honestidade, lealdade, respeito aos direitos dos outros e obediência às autoridades.
  • 73. Deus instituiu a família e estabeleceu as regras para se construir um lar feliz. A Palavra de Deus é nossa fonte de conhecimento e sabedoria para superarmos qualquer desafio na educação dos filhos. Contudo, faz-se importante lembrarmos que a responsabilidade principal na educação e disciplina dos filhos é dos pais; não da igreja, nem da escola e muito menos da televisão.
  • 74. Texto base da Bíblia para a educação dos filhos: “ E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor ”. Ef 6.4 No texto acima, Paulo primeiro dá aos pais uma ordem negativa, quando diz: “ E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos. Assim, os pais não devem provocar seus filhos à raiva, com exigências sem sentido e excessiva severidade. Em seguida, temos duas ordens positivas: “ Criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”. Quanto a disciplina, esta não deve ser entendida simplismente com castigo, pois, ela tem como alvo criar nos filhos as qualidades do Espírito Santo. Portanto, disciplinar os filhos é um ato de fé, onde devemos esperar com paciência os frutos de justiva na vida dos filhos (Hb 12.11)
  • 75. Poderações Finais  O objetivo deste curso foi nos colocar diante das necessidades que ora enfrentamos no meio evangélico.  Acreditamos que, cada participante ou professor sentiu algumas razões de melhoramentos nos conceitos: cultural e espiritual.  Concluindo, esperamos em Deus que sempre venha nos habilitarnos para suprirmos mais a obra Shekinah.
  • 76. Obrigado pela atenção e até a próxima oportunidade! www.shekinahmoreno.blogspot.com