SlideShare uma empresa Scribd logo
LIÇÃO 6- AS FUNÇÕES
DA IGREJA
Por uma igreja forte e triunfante
Atos 6 - NVT
1 À medida que o número de discípulos crescia, surgiam murmúrios de
descontentamento. Os judeus de fala grega se queixavam dos de fala hebraica,
dizendo que suas viúvas estavam sendo negligenciadas na distribuição diária de
alimento.
2 Por isso, os Doze convocaram uma reunião com todos os discípulos e disseram:
"Nós, apóstolos, devemos nos dedicar ao ensino da palavra de Deus, e não à
distribuição de alimentos.
3 Sendo assim, irmãos, escolham sete homens respeitados, cheios do Espírito e de
sabedoria, e nós os encarregaremos desse serviço.
4 Então nós nos dedicaremos à oração e ao ensino da palavra".
5 A ideia agradou a todos, e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito
Santo, e também Filipe, Prócoro, Nicanor, Timom, Pármenas e Nicolau de Antioquia,
que antes havia se convertido ao judaísmo.
6 Esses sete foram apresentados aos apóstolos, que oraram por eles e lhes
impuseram as mãos.
7 Assim, a mensagem de Deus continuou a se espalhar. O número de discípulos se
multiplicava em Jerusalém, e muitos sacerdotes também se converteram.
INTRODUÇÃO
O texto-base dessa lição revela que a igreja, embora viva com esperança de
morar no céu, tem seus pés na terra e não pode fechar os olhos para questões
tão comuns que afligem cotidianamente os membros do Corpo de Cristo. Atos
6:1-7 trata de problemas sociais na igreja.
A maior parte da literatura sobre igreja descreve sua utilidade em termos de
funções e ministérios. Muitas vezes se vê a igreja primariamente como uma
grande estrutura. E não são respondidas perguntas essenciais sobre sua
natureza e finalidade na cidade. Ela se torna apenas uma serie de eventos e
programas, estruturas e grupos para serem administrados, melhorados e
avaliados. Assim, os resultados numéricos, a eficácia organizacional, o
cumprimento de metas em prazos determinados definem o sucesso. Porem,
igreja não é empresa; igreja é organismo vivo e, como tal, terá seu crescimento
natural. Vamos, a partir da visão, estudar hoje quatro funções principais da
igreja nos seus ministérios: Comunhão, proclamação, serviço e testemunho.
I – GERAR COMUNHÃO
A) A FONTE DE COMUNHÃO.
Jesus disse que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor (Jo 13:35). Por
isso, ensinou que o cristão deve amar a Deus sobre todas as coisas e ao
próximo como a si mesmo (Lc 10:27). O apóstolo Pedro recomendou a seus
leitores: “amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (1 Pe 1:22).
E João lembrou seus leitores que quem odeia seu irmão é assassino (1 Jo
3:15). Quem não ama permanece na morte (1 Jo 3:14).
B) O MODELO DE RECONCILIAÇÃO.
Na igreja estão pessoas que foram reconciliadas com Deus e umas com as
outras, em Cristo. Assim, a igreja agasalha sob sua sombra o ministério da
reconciliação (2 Co5).
No NT, a palavra grega para comunhão é Koinonia. O termo aparece em
diversos textos, como, por exemplo: At 2:42; 1 Co 1:9, 10:16; 2 Co 6:14; Fp2:1.
Portanto, a “comunhão dos santos” é um grupo de homens e mulheres que
crêem em Jesus Cristo como Salvador e Senhor de suas vidas.
C) A FONTE DE VIDA DO POVO DE DEUS.
A igreja, em união com o Cristo ressurreto, compartilha da vida do Senhor
e sai energia interior flui para dentro dela. Na união com ele, concretizada
pelo arrependimento e fé, os pecadores salvos pela graça de Deus são
indissoluvelmente incorporados nesta comunidade, unidos ao corpo de
Cristo. Esta Koinonia cristã é a nova humanidade. A igreja dá prioridade à
sua formação pelo Espírito como uma comunidade de discipulado mútuo
e discernimento comunitário.
D) A CENSURA À FALTA DA UNIDADE.
Essa ideia de Koinonia é fundamental para nossa compreensão da igreja.
Para que sejam eficazes, seus ministérios precisam de uma demonstração da
unidade. A igreja precisa ser modelo de reconciliação e paz antes que possa
sequer falar de reconciliação, paz ou participar de qualquer mediação
significativa em conflitos. O NT condena, duramente, qualquer cisão no
Corpo de Cristo. Veja as criticas de Paulo às cisões, em 1 Co 1:10-17; Fp 2:2.
II – FAZER A PROCLAMAÇÃO
A proclamação autêntica do evangelho é outra marca indispensável para se
plantar uma igreja saudável e vê-la crescer. A igreja tem uma grande história
a contar e não pode calar-se. A confissão “Jesus é o Senhor” implica
obrigatoriamente em movimento para fora, em direção ao mundo (Rm 10:9).
A) A MENSAGEM DA CHEGADA DO REINO.
Os evangelhos se inclinam dando destaque à mensagem pregada por João
Batista: “... está próximo o reino dos céus” (Mt 3:2). Com ousadia, ele
chamou seus ouvintes fariseus de “raça de víboras” e disse que aqueles
homens precisavam produzir “frutos dignos de arrependimento” (Mt 3:1-
10). Jesus declarou ter sido enviado para anunciar “ o evangelho de reino
de Deus” (Lc 4:43). O ministério de Jesus envolvia ensino e pregação do
evangelho do reino (Mt 9:35-38).
B) A MENSAGEM APOSTÓLICA.
O centro da mensagem da igreja primitiva era a morte e ressurreição de
Cristo (At 2:30-36; 3:14-17; 4:10; 13:27-31). Por onde iam, os cristãos
anunciavam essa verdade.
C) A AMPLITUDE DO SENHORIO DE CRISTO.
Textos como Romanos 11:25-26; 16:25; Efésios 1:9-10, 3:3-11, 5:32;
Colossences 1:26-27 e 1 Timóteo 3:16, demonstram que o senhorio de Cristo
não se resume apenas no seu domínio sobre a vida dos crentes. Ele tem
proporções universais. Por isso, é preciso proclamar a todos que Cristo é o
Senhor.
D) O QUE PROCLAMAR?
A mensagem a ser pregada é que, em Jesus, Deus já derrotou “as potestades e
principados”, possibilitando que homens e mulheres se tornassem
“herdeiros” do Criador.
Portanto, agora há descanso, paz, restauração e redenção, pela fé nele.
Observemos a orientação de Paulo a Timóteo: “Prega a palavra, insta, quer
seja oportuno, quer não” ( 2Tm 4:2).
III – SERVIÇOS
A) LIÇÕES DE SERVIÇOS NO MINISTÉRIO DE JESUS (Mc 10:35-45).
A ideia de serviço no ministério cristão nasce a partir dos ensinos de Jesus.
Ao observar certa inclinação à ufania em seus discípulos, disse-lhes eu
precisavam aprender a servir (Mc 10:35-45).
B) DIACONIA NA IGREJA PRIMITIVA.
A palavra grega diakonia pode ser traduzida pelo serviço e ministério. O
termo é usado em Atos 6:2 para designar o trabalho de “servir Às mesas” e,
em Atos 6:4, para referir-se ao “ministério da palavra”. Em Atos 6, Lucas
registra um arranjo do jovem igreja em Jerusalém para resolver um
problema social. Os apóstolos, dedicados à pregação e ao atendimento
espiritual, não podiam cuidar devidamente no trabalho diaconal.
Desenvolveu-se um novo modelo de ministério – o diaconato.
Esse aspecto do discipulado espalhou-se rapidamente. Lucas fala sobre
Dorcas, cujo serviço de diakonia era valorizado pelos irmãos de Jope. Quando
Dorcas faleceu, Pedro foi convocado para ir de Lida a Jope a fim de fazê-la
reviver (At 9:36-42). Os pobres não podiam ficar sem as roupas que ela fazia.
IV – TESTEMUNHO
Finalizando este estudo, lembramos que o testemunho também se inclui
nas funções da igreja. A palavra grega traduzida por testemunho é
“marturia”. O testemunho cristão provou ser arriscado e perigoso dentro e
fora do império romano. Quantas testemunhas do evangelho foram
levadas ao martírio! Ainda hoje, hoje milhares de cristãos são mortos em
todo o mundo por causa de sua fé.
Paulo advertiu Timóteo de que todos os que
quiserem viver piedosamente em Cristo
sofrerão perseguições (2 Tm 3:12). Os
mártires da igreja foram testemunhas fieis de
Jesus Cristo em palavras e atitudes, ainda
que tivessem de perder a vida. Será que
estamos prontos para, também, dar a nossa
vida pela fé que abraçamos?
PROXIMA LIÇÃO...
07 – Planejamento estratégico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentao comunho a marca da igreja primitiva
Apresentao   comunho a marca da igreja primitivaApresentao   comunho a marca da igreja primitiva
Apresentao comunho a marca da igreja primitiva
Jairosoliveira
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
José Vieira Dos Santos
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
José Luiz Silva Pinto
 
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES teolodia
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES  teolodia1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES  teolodia
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES teolodia
Liana Plentz
 
Homilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramentalHomilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramental
José Luiz Silva Pinto
 
A Homilia
A HomiliaA Homilia
A Homilia
hilemorfismo
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
boasnovassena
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da Palavra
ParoquiaStaCruz
 
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRAFORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
José Luiz Silva Pinto
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
Natalino das Neves Neves
 
Liturgia na História
Liturgia na HistóriaLiturgia na História
Liturgia na História
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5   Poder irresistível da comunhão na igrejaLição 5   Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
Wander Sousa
 
Liçao- 04
Liçao- 04  Liçao- 04
Liçao- 04
Edson Soeiro
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Éder Tomé
 
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
Kleber Silva
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Éder Tomé
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
Estevão Ribeiro
 
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES - rito
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES -   rito2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES -   rito
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES - rito
Liana Plentz
 
A assembleia litúrgica
A assembleia litúrgicaA assembleia litúrgica
A assembleia litúrgica
Samuel Elanio
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Robson Rocha
 

Mais procurados (20)

Apresentao comunho a marca da igreja primitiva
Apresentao   comunho a marca da igreja primitivaApresentao   comunho a marca da igreja primitiva
Apresentao comunho a marca da igreja primitiva
 
Eucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola VivencialEucaristia: Escola Vivencial
Eucaristia: Escola Vivencial
 
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
VIVÊNCIA LITÚRGICA PARTE II
 
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES teolodia
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES  teolodia1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES  teolodia
1 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES teolodia
 
Homilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramentalHomilia – e realidade sacramental
Homilia – e realidade sacramental
 
A Homilia
A HomiliaA Homilia
A Homilia
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da Palavra
 
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRAFORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
 
Liturgia na História
Liturgia na HistóriaLiturgia na História
Liturgia na História
 
Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5   Poder irresistível da comunhão na igrejaLição 5   Poder irresistível da comunhão na igreja
Lição 5 Poder irresistível da comunhão na igreja
 
Liçao- 04
Liçao- 04  Liçao- 04
Liçao- 04
 
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igrejaLição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
Lição 5 – Avivamento e Missões na história da igreja
 
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
A Palavra de Deus na vida do leitor (a)
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
 
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES - rito
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES -   rito2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES -   rito
2 OFÍCIO DIVINO DAS COMUNIDADES - rito
 
A assembleia litúrgica
A assembleia litúrgicaA assembleia litúrgica
A assembleia litúrgica
 
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo Apostila   os  Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
Apostila os Ministérios e Dons da Igreja de Jesus Cristo
 

Semelhante a Lição 6 as funções da igreja

teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
alexandrepsantos
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Celso Napoleon
 
A igreja que deus deseja pedro júnior
A igreja que deus deseja   pedro júniorA igreja que deus deseja   pedro júnior
A igreja que deus deseja pedro júnior
Pedro Júnior
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
José Carlos Polozi
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Éder Tomé
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
Zé Vitor Rabelo
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
Joel Silva
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Marcos Masini
 
Lição 6 o ministerio de apostolo
Lição 6 o ministerio de apostoloLição 6 o ministerio de apostolo
Lição 6 o ministerio de apostolo
pralucianaevangelista
 
Aula 8 missoes e a educação crista
Aula 8   missoes e a educação cristaAula 8   missoes e a educação crista
Aula 8 missoes e a educação crista
Carla Geanfrancisco Falasca
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
Rodrigo Oliveira
 
A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral
Alípio Vallim
 
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
Frederico Fonseca
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
Comunidade Católica NS Candelária Indaiatuba
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
JUERP
 
Conquistando vidas para o Reino de Deus
Conquistando vidas para o Reino de DeusConquistando vidas para o Reino de Deus
Conquistando vidas para o Reino de Deus
Quenia Damata
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
Rev. Jouberto Heringer
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Celso Napoleon
 
Liçao 04
Liçao 04  Liçao 04
Liçao 04
Edson Soeiro
 

Semelhante a Lição 6 as funções da igreja (20)

teologia eclesiologia e missiologia
teologia   eclesiologia e missiologiateologia   eclesiologia e missiologia
teologia eclesiologia e missiologia
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptxLição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
Lição 5 - A Missão da Igreja de Cristo.pptx
 
A igreja que deus deseja pedro júnior
A igreja que deus deseja   pedro júniorA igreja que deus deseja   pedro júnior
A igreja que deus deseja pedro júnior
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 13 - A missão profética da Igreja | ...
 
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano DivinoLição 1 - A Igreja e o Plano Divino
Lição 1 - A Igreja e o Plano Divino
 
Tese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologiaTese 10 eclesiologia
Tese 10 eclesiologia
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 08
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
Lição 6 o ministerio de apostolo
Lição 6 o ministerio de apostoloLição 6 o ministerio de apostolo
Lição 6 o ministerio de apostolo
 
Aula 8 missoes e a educação crista
Aula 8   missoes e a educação cristaAula 8   missoes e a educação crista
Aula 8 missoes e a educação crista
 
Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 
A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral
 
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
Ebd licao 8-1o semestre2015_Eu Creio na Igreja de Cristo_22/02
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
 
Conquistando vidas para o Reino de Deus
Conquistando vidas para o Reino de DeusConquistando vidas para o Reino de Deus
Conquistando vidas para o Reino de Deus
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
 
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptxLição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
Lição 12 - O Papel da Pregação no Culto.pptx
 
Liçao 04
Liçao 04  Liçao 04
Liçao 04
 

Último

A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (12)

A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

Lição 6 as funções da igreja

  • 1. LIÇÃO 6- AS FUNÇÕES DA IGREJA Por uma igreja forte e triunfante
  • 2. Atos 6 - NVT 1 À medida que o número de discípulos crescia, surgiam murmúrios de descontentamento. Os judeus de fala grega se queixavam dos de fala hebraica, dizendo que suas viúvas estavam sendo negligenciadas na distribuição diária de alimento. 2 Por isso, os Doze convocaram uma reunião com todos os discípulos e disseram: "Nós, apóstolos, devemos nos dedicar ao ensino da palavra de Deus, e não à distribuição de alimentos. 3 Sendo assim, irmãos, escolham sete homens respeitados, cheios do Espírito e de sabedoria, e nós os encarregaremos desse serviço. 4 Então nós nos dedicaremos à oração e ao ensino da palavra". 5 A ideia agradou a todos, e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e também Filipe, Prócoro, Nicanor, Timom, Pármenas e Nicolau de Antioquia, que antes havia se convertido ao judaísmo. 6 Esses sete foram apresentados aos apóstolos, que oraram por eles e lhes impuseram as mãos. 7 Assim, a mensagem de Deus continuou a se espalhar. O número de discípulos se multiplicava em Jerusalém, e muitos sacerdotes também se converteram.
  • 3. INTRODUÇÃO O texto-base dessa lição revela que a igreja, embora viva com esperança de morar no céu, tem seus pés na terra e não pode fechar os olhos para questões tão comuns que afligem cotidianamente os membros do Corpo de Cristo. Atos 6:1-7 trata de problemas sociais na igreja. A maior parte da literatura sobre igreja descreve sua utilidade em termos de funções e ministérios. Muitas vezes se vê a igreja primariamente como uma grande estrutura. E não são respondidas perguntas essenciais sobre sua natureza e finalidade na cidade. Ela se torna apenas uma serie de eventos e programas, estruturas e grupos para serem administrados, melhorados e avaliados. Assim, os resultados numéricos, a eficácia organizacional, o cumprimento de metas em prazos determinados definem o sucesso. Porem, igreja não é empresa; igreja é organismo vivo e, como tal, terá seu crescimento natural. Vamos, a partir da visão, estudar hoje quatro funções principais da igreja nos seus ministérios: Comunhão, proclamação, serviço e testemunho.
  • 4. I – GERAR COMUNHÃO A) A FONTE DE COMUNHÃO. Jesus disse que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor (Jo 13:35). Por isso, ensinou que o cristão deve amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo (Lc 10:27). O apóstolo Pedro recomendou a seus leitores: “amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (1 Pe 1:22). E João lembrou seus leitores que quem odeia seu irmão é assassino (1 Jo 3:15). Quem não ama permanece na morte (1 Jo 3:14).
  • 5. B) O MODELO DE RECONCILIAÇÃO. Na igreja estão pessoas que foram reconciliadas com Deus e umas com as outras, em Cristo. Assim, a igreja agasalha sob sua sombra o ministério da reconciliação (2 Co5). No NT, a palavra grega para comunhão é Koinonia. O termo aparece em diversos textos, como, por exemplo: At 2:42; 1 Co 1:9, 10:16; 2 Co 6:14; Fp2:1. Portanto, a “comunhão dos santos” é um grupo de homens e mulheres que crêem em Jesus Cristo como Salvador e Senhor de suas vidas.
  • 6. C) A FONTE DE VIDA DO POVO DE DEUS. A igreja, em união com o Cristo ressurreto, compartilha da vida do Senhor e sai energia interior flui para dentro dela. Na união com ele, concretizada pelo arrependimento e fé, os pecadores salvos pela graça de Deus são indissoluvelmente incorporados nesta comunidade, unidos ao corpo de Cristo. Esta Koinonia cristã é a nova humanidade. A igreja dá prioridade à sua formação pelo Espírito como uma comunidade de discipulado mútuo e discernimento comunitário.
  • 7. D) A CENSURA À FALTA DA UNIDADE. Essa ideia de Koinonia é fundamental para nossa compreensão da igreja. Para que sejam eficazes, seus ministérios precisam de uma demonstração da unidade. A igreja precisa ser modelo de reconciliação e paz antes que possa sequer falar de reconciliação, paz ou participar de qualquer mediação significativa em conflitos. O NT condena, duramente, qualquer cisão no Corpo de Cristo. Veja as criticas de Paulo às cisões, em 1 Co 1:10-17; Fp 2:2.
  • 8. II – FAZER A PROCLAMAÇÃO A proclamação autêntica do evangelho é outra marca indispensável para se plantar uma igreja saudável e vê-la crescer. A igreja tem uma grande história a contar e não pode calar-se. A confissão “Jesus é o Senhor” implica obrigatoriamente em movimento para fora, em direção ao mundo (Rm 10:9).
  • 9. A) A MENSAGEM DA CHEGADA DO REINO. Os evangelhos se inclinam dando destaque à mensagem pregada por João Batista: “... está próximo o reino dos céus” (Mt 3:2). Com ousadia, ele chamou seus ouvintes fariseus de “raça de víboras” e disse que aqueles homens precisavam produzir “frutos dignos de arrependimento” (Mt 3:1- 10). Jesus declarou ter sido enviado para anunciar “ o evangelho de reino de Deus” (Lc 4:43). O ministério de Jesus envolvia ensino e pregação do evangelho do reino (Mt 9:35-38).
  • 10. B) A MENSAGEM APOSTÓLICA. O centro da mensagem da igreja primitiva era a morte e ressurreição de Cristo (At 2:30-36; 3:14-17; 4:10; 13:27-31). Por onde iam, os cristãos anunciavam essa verdade.
  • 11. C) A AMPLITUDE DO SENHORIO DE CRISTO. Textos como Romanos 11:25-26; 16:25; Efésios 1:9-10, 3:3-11, 5:32; Colossences 1:26-27 e 1 Timóteo 3:16, demonstram que o senhorio de Cristo não se resume apenas no seu domínio sobre a vida dos crentes. Ele tem proporções universais. Por isso, é preciso proclamar a todos que Cristo é o Senhor.
  • 12. D) O QUE PROCLAMAR? A mensagem a ser pregada é que, em Jesus, Deus já derrotou “as potestades e principados”, possibilitando que homens e mulheres se tornassem “herdeiros” do Criador. Portanto, agora há descanso, paz, restauração e redenção, pela fé nele. Observemos a orientação de Paulo a Timóteo: “Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não” ( 2Tm 4:2).
  • 13. III – SERVIÇOS A) LIÇÕES DE SERVIÇOS NO MINISTÉRIO DE JESUS (Mc 10:35-45). A ideia de serviço no ministério cristão nasce a partir dos ensinos de Jesus. Ao observar certa inclinação à ufania em seus discípulos, disse-lhes eu precisavam aprender a servir (Mc 10:35-45).
  • 14. B) DIACONIA NA IGREJA PRIMITIVA. A palavra grega diakonia pode ser traduzida pelo serviço e ministério. O termo é usado em Atos 6:2 para designar o trabalho de “servir Às mesas” e, em Atos 6:4, para referir-se ao “ministério da palavra”. Em Atos 6, Lucas registra um arranjo do jovem igreja em Jerusalém para resolver um problema social. Os apóstolos, dedicados à pregação e ao atendimento espiritual, não podiam cuidar devidamente no trabalho diaconal. Desenvolveu-se um novo modelo de ministério – o diaconato.
  • 15. Esse aspecto do discipulado espalhou-se rapidamente. Lucas fala sobre Dorcas, cujo serviço de diakonia era valorizado pelos irmãos de Jope. Quando Dorcas faleceu, Pedro foi convocado para ir de Lida a Jope a fim de fazê-la reviver (At 9:36-42). Os pobres não podiam ficar sem as roupas que ela fazia.
  • 16. IV – TESTEMUNHO Finalizando este estudo, lembramos que o testemunho também se inclui nas funções da igreja. A palavra grega traduzida por testemunho é “marturia”. O testemunho cristão provou ser arriscado e perigoso dentro e fora do império romano. Quantas testemunhas do evangelho foram levadas ao martírio! Ainda hoje, hoje milhares de cristãos são mortos em todo o mundo por causa de sua fé. Paulo advertiu Timóteo de que todos os que quiserem viver piedosamente em Cristo sofrerão perseguições (2 Tm 3:12). Os mártires da igreja foram testemunhas fieis de Jesus Cristo em palavras e atitudes, ainda que tivessem de perder a vida. Será que estamos prontos para, também, dar a nossa vida pela fé que abraçamos?
  • 17. PROXIMA LIÇÃO... 07 – Planejamento estratégico