SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO
 Definitivamente, o homem moderno não está preparado para sofrer.
Os membros de muitas igrejas evangélicas, através da Teologia da
Prosperidade, têm se iludido com a filosofia enganosa do "não
sofrimento".
 O resultado é que quando o iludido sofre o infortúnio, perde a fé em
"Deus". Mas, que se entenda bem, num "deus" que nada tem com as
Escrituras! A lição dessa semana tem o objetivo de resgatar esse
ensinamento evangélico (Tg 1.2).
 Aprenderemos acerca da tentação, do sofrimento e da provação, não
como consequência de uma vida de pecado ou de falta de fé, mas
como o caminho delineado por Deus para o nosso aperfeiçoamento.
 Ninguém melhor do que Jesus Cristo, com seu exemplo de vida, para
nos ensinar tal lição (Hb 5.8). O convite do Mestre é um chamado ao
sofrimento por amor do seu nome (Jo 16.33; Mt 5.10-12).
I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS
TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)
 1. O que é tentação.
 O termo empregado na Bíblia tanto no hebraico, massah, quanto no grego,
peirasmos, para tentação, significa "prova", "provação" ou "teste".
 A expressão pode estar relacionada também ao conflito moral, isto é, a uma
incitação ao pecado. De fato, como mostram as Escrituras, a tentação é uma
provação, uma espécie de teste. O pecado, por sua vez, já se trata de um ato
imoral consumado. Por isso, a tentação não é, em si mesma, pecado, pois
ninguém peca quando passa pelo processo "probatório".
 A própria vida terrena do Senhor Jesus demonstra, com clareza, a distinção entre
tentação e pecado. A Epístola aos Hebreus afirma que Jesus, o nosso Senhor, em
tudo foi tentado. Ele foi provado e testado em todas as coisas. Todavia, o Mestre
não pecou (Hb 4.14-16).
 Portanto, confiantes de que Jesus Cristo é o nosso Sumo Sacerdote perfeito,
devemos nos aproximar, com fé, do trono da graça sabendo que Ele conhece as
nossas tentações e pode nos dar a força necessária para resistirmos (1 Co 10.13).
I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS
TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)
 2. Fortalecimento após a tentação (v.2).
 Do mesmo modo que o ouro precisa do fogo para ser refinado ou purificado,
o cristão passa pelas tentações para se aperfeiçoar no Reino de Deus (1 Pe
1.7).
 Quando tentado, o crente é posto à prova para mostrar-se aprovado tal como
Cristo, que foi conduzido ao deserto para ser tentado por Satanás e embora
debilitado e provado espiritualmente, saiu do deserto vitorioso e fortalecido,
tendo em seguida iniciado seu ministério terreno de pregação a respeito do
Reino de Deus (Lc 4.1-13).
 À luz do exemplo de Cristo, compreendemos bem o que Tiago quer dizer
quando exorta-nos a termos "grande gozo quando [cairmos] em várias
tentações". Tal conselho aponta para a certeza de que ao passar pela
tentação, além de paciente e maduro, o crente se sentirá ainda mais
fortalecido pela graça de Deus.
I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS
TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)
 3. Felicidade pela tentação (v.12).
 Quando o cristão é submetido às tentações há uma tendência de
ele entregar-se à tristeza e à angústia. Mas atentemos para esta
expressão: "Bem-aventurado o varão que sofre a tentação".
 Em outras palavras, como é feliz, realizado ou atingiu a
felicidade aquele crente que é provado, não em uma, mas em
várias tentações (v.2). Ser participantes dos sofrimentos de
Cristo e ao mesmo tempo felizes parece paradoxal.
 A Bíblia, porém, orienta-nos a que nos alegremos em Deus
porque a tribulação produz a paciência, e esta, a experiência
que, finalmente, culmina na esperança (Rm 5.3-5).
I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS
TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)
 3. Felicidade pela tentação (v.12).
 Isto mesmo! Vivemos sob a esperança de receber diretamente
de Jesus a coroa da vida. Uma recompensa preparada de
antemão pelo nosso Senhor para os que o amam.
 Você ama ao Senhor? É discípulo dEle? Então, não tema passar
pela tentação. Há uma promessa: Você "receberá a coroa da
vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam".
 Alegre-se e regozije-se em ser participante das aflições de
Cristo, pois é justamente nessa condição - de felicidade
verdadeira -, que Ele nos deixará por toda a eternidade quando
da revelação da sua glória (1 Pe 4.12,13)!
R. O termo empregado na Bíblia tanto no
hebraico, massah, quanto no grego, peirasmos,
para tentação, significa "prova", "provação" ou
"teste".
II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)
 1. A tentação é humana.
 Embora a tentação objetive provar o crente, as Escrituras afirmam
que ela não vem da parte de Deus, mas da fragilidade humana (Tg
1.13). O ser humano é atraído por aquilo que deseja.
 A história de Adão e Eva nos mostra o primeiro casal sendo tentado
por aquilo que lhe atraía (Gn 3.2-6). Mesmo sabendo que não
poderiam tocar na árvore no centro do Jardim do Éden, depois de
atraídos pelo desejo, Adão e Eva entregaram-se ao pecado (Gn 3.6-9).
 A Epístola de Tiago aplica o termo "gerar", utilizado no versículo 15,
à ideia de que ninguém peca sem desejar o pecado. Assim, antes de
ser efetivamente consumada, a transgressão passa por um processo de
gestação interior no ser humano. Portanto, a origem da tentação está
nos desejos humanos e jamais no Altíssimo, "porque Deus [...] a
ninguém tenta".
II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)
 2. Atração pela própria concupiscência.
 O texto bíblico é claro ao dizer que "cada um é tentado, quando
atraído e engodado pela sua própria concupiscência" (v.14).
 A tentação exterioriza o vício, os desejos, a malignidade da
natureza humana, isto é, a concupiscência. Ser tentado é sentir-
se aliciado pela própria malícia ou os sentimentos mais reclusos
de nossa natureza má.
 Você tem ouvido o ressoar das suas malícias? Elas te atraem?
Ouça a Epístola de Tiago! Não dê vazão às pulsões interiores,
antes procure imitar Jesus afastando-se do pecado. Assim, não
darás luz ao pecado e viverás.
II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)
 3. Deus nos fortalece na tentação.
 Embora a tentação seja fruto da fragilidade humana, quando
ouvimos o Espírito Santo, Deus nos dá o escape em tempo
oportuno: "Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas
fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis,
antes com a tentação dará também o escape, para que a possais
suportar" (1 Co 10.13).
 O Santo Espírito nos fará lembrar a Palavra de Deus para não
pecarmos contra o nosso Senhor Altíssimo (Is 30.21; Jo 14.26).
Todavia, para que isso seja uma realidade em nossa vida,
precisamos cultivar a Palavra de Deus em nossos corações (Sl
119.11).
R. Os desejos humanos. O ser humano é
atraído por aquilo que deseja.
III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)
 1. Para provar a nossa fé (v.3).
 Na época de Tiago, os cristãos estavam desanimados por passarem
duras provas de perseguição. No versículo três, o meio-irmão do
Senhor utiliza então o termo "sabendo", o qual se deriva do verbo
grego ginosko e significa saber, reconhecer ou compreender, para
encorajá-los a compreenderem o propósito das lutas enfrentadas na lida
cristã: Deus prova a nossa fé (Tg 1.12).
 À semelhança do aluno que estuda e pesquisa para submeter-se a uma
prova e, em seguida, ser aprovado e diplomado, os filhos de Deus são
testados para amadurecer a fé uma vez dada aos santos (Jo 16.33; Jd 3).
 O capítulo 11 da epístola aos Hebreus lista inúmeras pessoas que
tiveram sua fé provada, porém, terminaram vitoriosas e aprovadas. Por
isso o referido texto bíblico é conhecido como a "galeria dos heróis da
fé".
III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)
 2. Produzir a paciência (vv.3,4).
 No grego, "paciência" deriva de hupomone e denota a capacidade de
perseverar, ser constante, ser firme, suportar as circunstâncias difíceis.
 A palavra aparece em o Novo Testamento ao lado de "tribulações" (Rm
5.3), aflições (2 Co 6.4) e perseguições (2 Ts 1.4). Mas também está
ligada à esperança (Rm 5.3-5; 15.4,5; 1 Ts 1.3), à alegria (Cl 1.11) e,
frequentemente, à vida eterna (Lc 21.19; Rm 2.7; Hb 10.36).
 O termo ilustra a capacidade de uma pessoa permanecer firme em meio
à alguma pressão, pois quem é portador da paciência bíblica não
desiste facilmente, mesmo sob as circunstâncias das provas extremas
(Jó 1.13-22; 2.10).
 Tiago encoraja-nos então a alegrarmo-nos diante do enfrentamento das
várias tentações (v.1), pois a paciência é resultado da prova da nossa fé.
III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)
 3. Chegar à perfeição.
 A habilidade de perseverar ou desenvolver a paciência não
acontece da noite para o dia. Envolve tempo, experiência e
maturidade.
 O meio-irmão do Senhor destaca na epístola a paciência para
que o leitor seja estimulado a chegar à perfeição e,
consequentemente, à completude da vida cristã, que se dará na
eternidade.
 A expressão "obra perfeita" traz a ideia de algo gradual, em
desenvolvimento constante, com vistas à maturidade espiritual.
 O motivo pelo qual o cristão é provado não é outro senão para
que persevere na vida cristã e atinja o modelo de perfeição
segundo Cristo Jesus (Sl 119.67; Hb 5.8; Ef 4.13).
R. A expressão "obra perfeita" traz a ideia de algo gradual,
em desenvolvimento constante, com vistas à maturidade
espiritual.
R. O motivo pelo qual o cristão é provado não é outro senão
para que persevere na vida cristã e atinja o modelo de
perfeição segundo Cristo Jesus (Sl 119.67; Hb 5.8; Ef 4.13).
R. Cada tentação vencida pelo crente, significa um avanço rumo
ao amadurecimento espiritual.
CONCLUSÃO
 Sabemos que todo cristão passa por aflições e tentações ao
longo da vida. Talvez você esteja vivendo tal situação. Lembre-
se de que o nosso Senhor Jesus passou por inúmeras tribulações
e tentações, mas venceu todas, tornando-se o maior exemplo de
vida para os seus seguidores.
 Cada tentação vencida pelo crente, significa um avanço rumo
ao amadurecimento espiritual. Um dia ele atingirá a estatura de
varão perfeito à medida da estatura de Cristo (Ef 4.13). Este é o
nosso objetivo na jornada cristã! Deus nos recompensará!
Estejamos firmes no Senhor Jesus, pois Ele já venceu por nós e
por isso somos mais que vencedores.
www.proaviva.blogspot.com
ACESSE O NOSSO SITE
www.escola-dominical.com
www.proaviva.blogspot.com
Produção dos slides
Ev. Ismael Pereira de Oliveira
&
Ismael Isidio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
igreja-crista
 
Licao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Licao 9 - O Perigo da Indiferença EspiritualLicao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Licao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Éder Tomé
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Éder Tomé
 
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristãoLição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Éder Tomé
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Éder Tomé
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Erberson Pinheiro
 
Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018
Hamilton Souza
 
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a VidaLição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Éder Tomé
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de JesusAs parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus
Quenia Damata
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática ii
ssuser2f0b10
 
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
Hamilton Souza
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Éder Tomé
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Erberson Pinheiro
 
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Éder Tomé
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Éder Tomé
 
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande ReiLição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
Éder Tomé
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Alexsandro Martins
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Éder Tomé
 
Lição 9 - A Mordomia do Trabalho
Lição 9 - A Mordomia do TrabalhoLição 9 - A Mordomia do Trabalho
Lição 9 - A Mordomia do Trabalho
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
 
Licao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Licao 9 - O Perigo da Indiferença EspiritualLicao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Licao 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
 
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristãoLição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
 
Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018
 
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a VidaLição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de JesusAs parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática ii
 
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
REVISTA ADULTO - 4º Trimestre de 2018 - As Parábolas de Jesus As Verdades e P...
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
 
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande ReiLição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
Lição 11 - Despertemos para a Vinda do Grande Rei
 
Lição 01
Lição 01Lição 01
Lição 01
 
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
 
Lição 9 - A Mordomia do Trabalho
Lição 9 - A Mordomia do TrabalhoLição 9 - A Mordomia do Trabalho
Lição 9 - A Mordomia do Trabalho
 

Destaque

Bíblia e Tecnologia
Bíblia e TecnologiaBíblia e Tecnologia
Bíblia e Tecnologia
ALTAIR GERMANO
 
Os Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do CasamentoOs Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do Casamento
ALTAIR GERMANO
 
Unção para restauraçãofamiliar
Unção para restauraçãofamiliarUnção para restauraçãofamiliar
Unção para restauraçãofamiliar
Ricardo Revoredo
 
VENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕESVENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕES
Nilson Dias Carla
 
Hieronymus Bosch ;)
Hieronymus Bosch ;)Hieronymus Bosch ;)
Hieronymus Bosch ;)
marianna.sunset
 
Amor é...
Amor é...Amor é...
Amor é...
Profmaria
 
Civismo?
Civismo?Civismo?
Civismo?
Francisco Gomes
 
2. o propósito da tentação
2. o propósito da tentação2. o propósito da tentação
2. o propósito da tentação
Adenísio dos Reis
 
A infidelidade conjugal
A infidelidade conjugalA infidelidade conjugal
A infidelidade conjugal
Moisés Sampaio
 
Ebook Mais forte que adultério
Ebook Mais forte que  adultérioEbook Mais forte que  adultério
Ebook Mais forte que adultério
Pr Ismael Carvalho
 
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas ConsequênciasUm Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
Silvio Hauffe
 
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3  As Bases do Casamento Cristão- professoresLição 3  As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
João Paulo Silva Mendes
 
9 regras para um casamento feliz
9 regras para um  casamento feliz9 regras para um  casamento feliz
9 regras para um casamento feliz
Washington Luiz Fagundes
 
Pornografia Resposta BíBlica FáBio
Pornografia Resposta BíBlica   FáBioPornografia Resposta BíBlica   FáBio
Pornografia Resposta BíBlica FáBio
Marcello Tolentino
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentação
Moisés Sampaio
 
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo RabelloO Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
Paulo Rabello
 
A tres passos de uma alegria conjugal
A tres passos de uma alegria conjugalA tres passos de uma alegria conjugal
A tres passos de uma alegria conjugal
Pr Ismael Carvalho
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
Oração conjugal ens
Oração conjugal ensOração conjugal ens
Oração conjugal ens
Presentepravoce SOS
 
Palestra - Hábitos dos casais felizes
Palestra - Hábitos dos casais felizesPalestra - Hábitos dos casais felizes
Palestra - Hábitos dos casais felizes
Pr Ismael Carvalho
 

Destaque (20)

Bíblia e Tecnologia
Bíblia e TecnologiaBíblia e Tecnologia
Bíblia e Tecnologia
 
Os Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do CasamentoOs Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do Casamento
 
Unção para restauraçãofamiliar
Unção para restauraçãofamiliarUnção para restauraçãofamiliar
Unção para restauraçãofamiliar
 
VENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕESVENCENDO AS TENTAÇÕES
VENCENDO AS TENTAÇÕES
 
Hieronymus Bosch ;)
Hieronymus Bosch ;)Hieronymus Bosch ;)
Hieronymus Bosch ;)
 
Amor é...
Amor é...Amor é...
Amor é...
 
Civismo?
Civismo?Civismo?
Civismo?
 
2. o propósito da tentação
2. o propósito da tentação2. o propósito da tentação
2. o propósito da tentação
 
A infidelidade conjugal
A infidelidade conjugalA infidelidade conjugal
A infidelidade conjugal
 
Ebook Mais forte que adultério
Ebook Mais forte que  adultérioEbook Mais forte que  adultério
Ebook Mais forte que adultério
 
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas ConsequênciasUm Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
Um Estudo Sobre a Pornografia e Suas Consequências
 
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3  As Bases do Casamento Cristão- professoresLição 3  As Bases do Casamento Cristão- professores
Lição 3 As Bases do Casamento Cristão- professores
 
9 regras para um casamento feliz
9 regras para um  casamento feliz9 regras para um  casamento feliz
9 regras para um casamento feliz
 
Pornografia Resposta BíBlica FáBio
Pornografia Resposta BíBlica   FáBioPornografia Resposta BíBlica   FáBio
Pornografia Resposta BíBlica FáBio
 
O propósito da tentação
O propósito da tentaçãoO propósito da tentação
O propósito da tentação
 
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo RabelloO Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
O Fantasma da Pornografia - Pr. Paulo Rabello
 
A tres passos de uma alegria conjugal
A tres passos de uma alegria conjugalA tres passos de uma alegria conjugal
A tres passos de uma alegria conjugal
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
Oração conjugal ens
Oração conjugal ensOração conjugal ens
Oração conjugal ens
 
Palestra - Hábitos dos casais felizes
Palestra - Hábitos dos casais felizesPalestra - Hábitos dos casais felizes
Palestra - Hábitos dos casais felizes
 

Semelhante a Lição 02 – o propósito da tentação

Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.
Lourinaldo Serafim
 
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014 O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
Pr. Andre Luiz
 
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014 O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
Pr. Andre Luiz
 
O Propósito da Tentação
O Propósito da TentaçãoO Propósito da Tentação
O Propósito da Tentação
pralucianaevangelista
 
Lição 2 - O propósito da tentação
Lição 2 - O propósito da tentaçãoLição 2 - O propósito da tentação
Lição 2 - O propósito da tentação
Natalino das Neves Neves
 
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdftoaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
JuliaAlmeida312773
 
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado iLição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
Erberson Pinheiro
 
Lição 10 Vencendo as Tentações
Lição 10   Vencendo as TentaçõesLição 10   Vencendo as Tentações
Lição 10 Vencendo as Tentações
Wander Sousa
 
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptxLição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 02 ester
Lição 02 esterLição 02 ester
Lição 02
Lição 02Lição 02
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
Andrew Guimarães
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Celso Napoleon
 
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
Gerson G. Ramos
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Erberson Pinheiro
 
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo ILição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
Éder Tomé
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
UEPB
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Pr. Gerson Eller
 
Lição 05 artigo
Lição 05   artigoLição 05   artigo
Lição 05 artigo
Carlos Franco Almeida
 
Aula 5 filipenses e colossenses
Aula 5   filipenses e colossensesAula 5   filipenses e colossenses
Aula 5 filipenses e colossenses
Pastor W. Costa
 

Semelhante a Lição 02 – o propósito da tentação (20)

Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.
 
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014 O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
 
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014 O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 - 3°TRI.2014
 
O Propósito da Tentação
O Propósito da TentaçãoO Propósito da Tentação
O Propósito da Tentação
 
Lição 2 - O propósito da tentação
Lição 2 - O propósito da tentaçãoLição 2 - O propósito da tentação
Lição 2 - O propósito da tentação
 
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdftoaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
toaz.info-escola-de-lideres-modulo-2-pr_36be3f574fc99285a43d65c96402e096.pdf
 
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado iLição 11 - O processo de formação do discipulado i
Lição 11 - O processo de formação do discipulado i
 
Lição 10 Vencendo as Tentações
Lição 10   Vencendo as TentaçõesLição 10   Vencendo as Tentações
Lição 10 Vencendo as Tentações
 
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptxLição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
Lição 9 - Resistindo à Tentação no Caminho.pptx
 
Lição 02 ester
Lição 02 esterLição 02 ester
Lição 02 ester
 
Lição 02
Lição 02Lição 02
Lição 02
 
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 01 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
 
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptxLição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
Lição 11 – Cultivando a Convicção Cristã.pptx
 
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
O aperfeiçoamento da fé_Lição_original com textos_242014
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo ILição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
 
A Epistola de Tiago
A Epistola de TiagoA Epistola de Tiago
A Epistola de Tiago
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
 
Lição 05 artigo
Lição 05   artigoLição 05   artigo
Lição 05 artigo
 
Aula 5 filipenses e colossenses
Aula 5   filipenses e colossensesAula 5   filipenses e colossenses
Aula 5 filipenses e colossenses
 

Mais de Ismael Isidio

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
Ismael Isidio
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
Ismael Isidio
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Ismael Isidio
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
Ismael Isidio
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
Ismael Isidio
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Ismael Isidio
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
Ismael Isidio
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
Ismael Isidio
 

Mais de Ismael Isidio (16)

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
 

Lição 02 – o propósito da tentação

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. INTRODUÇÃO  Definitivamente, o homem moderno não está preparado para sofrer. Os membros de muitas igrejas evangélicas, através da Teologia da Prosperidade, têm se iludido com a filosofia enganosa do "não sofrimento".  O resultado é que quando o iludido sofre o infortúnio, perde a fé em "Deus". Mas, que se entenda bem, num "deus" que nada tem com as Escrituras! A lição dessa semana tem o objetivo de resgatar esse ensinamento evangélico (Tg 1.2).  Aprenderemos acerca da tentação, do sofrimento e da provação, não como consequência de uma vida de pecado ou de falta de fé, mas como o caminho delineado por Deus para o nosso aperfeiçoamento.  Ninguém melhor do que Jesus Cristo, com seu exemplo de vida, para nos ensinar tal lição (Hb 5.8). O convite do Mestre é um chamado ao sofrimento por amor do seu nome (Jo 16.33; Mt 5.10-12).
  • 7.
  • 8. I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)  1. O que é tentação.  O termo empregado na Bíblia tanto no hebraico, massah, quanto no grego, peirasmos, para tentação, significa "prova", "provação" ou "teste".  A expressão pode estar relacionada também ao conflito moral, isto é, a uma incitação ao pecado. De fato, como mostram as Escrituras, a tentação é uma provação, uma espécie de teste. O pecado, por sua vez, já se trata de um ato imoral consumado. Por isso, a tentação não é, em si mesma, pecado, pois ninguém peca quando passa pelo processo "probatório".  A própria vida terrena do Senhor Jesus demonstra, com clareza, a distinção entre tentação e pecado. A Epístola aos Hebreus afirma que Jesus, o nosso Senhor, em tudo foi tentado. Ele foi provado e testado em todas as coisas. Todavia, o Mestre não pecou (Hb 4.14-16).  Portanto, confiantes de que Jesus Cristo é o nosso Sumo Sacerdote perfeito, devemos nos aproximar, com fé, do trono da graça sabendo que Ele conhece as nossas tentações e pode nos dar a força necessária para resistirmos (1 Co 10.13).
  • 9.
  • 10. I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)  2. Fortalecimento após a tentação (v.2).  Do mesmo modo que o ouro precisa do fogo para ser refinado ou purificado, o cristão passa pelas tentações para se aperfeiçoar no Reino de Deus (1 Pe 1.7).  Quando tentado, o crente é posto à prova para mostrar-se aprovado tal como Cristo, que foi conduzido ao deserto para ser tentado por Satanás e embora debilitado e provado espiritualmente, saiu do deserto vitorioso e fortalecido, tendo em seguida iniciado seu ministério terreno de pregação a respeito do Reino de Deus (Lc 4.1-13).  À luz do exemplo de Cristo, compreendemos bem o que Tiago quer dizer quando exorta-nos a termos "grande gozo quando [cairmos] em várias tentações". Tal conselho aponta para a certeza de que ao passar pela tentação, além de paciente e maduro, o crente se sentirá ainda mais fortalecido pela graça de Deus.
  • 11.
  • 12. I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)  3. Felicidade pela tentação (v.12).  Quando o cristão é submetido às tentações há uma tendência de ele entregar-se à tristeza e à angústia. Mas atentemos para esta expressão: "Bem-aventurado o varão que sofre a tentação".  Em outras palavras, como é feliz, realizado ou atingiu a felicidade aquele crente que é provado, não em uma, mas em várias tentações (v.2). Ser participantes dos sofrimentos de Cristo e ao mesmo tempo felizes parece paradoxal.  A Bíblia, porém, orienta-nos a que nos alegremos em Deus porque a tribulação produz a paciência, e esta, a experiência que, finalmente, culmina na esperança (Rm 5.3-5).
  • 13. I - O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (Tg 1.2,12)  3. Felicidade pela tentação (v.12).  Isto mesmo! Vivemos sob a esperança de receber diretamente de Jesus a coroa da vida. Uma recompensa preparada de antemão pelo nosso Senhor para os que o amam.  Você ama ao Senhor? É discípulo dEle? Então, não tema passar pela tentação. Há uma promessa: Você "receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam".  Alegre-se e regozije-se em ser participante das aflições de Cristo, pois é justamente nessa condição - de felicidade verdadeira -, que Ele nos deixará por toda a eternidade quando da revelação da sua glória (1 Pe 4.12,13)!
  • 14.
  • 15. R. O termo empregado na Bíblia tanto no hebraico, massah, quanto no grego, peirasmos, para tentação, significa "prova", "provação" ou "teste".
  • 16.
  • 17. II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)  1. A tentação é humana.  Embora a tentação objetive provar o crente, as Escrituras afirmam que ela não vem da parte de Deus, mas da fragilidade humana (Tg 1.13). O ser humano é atraído por aquilo que deseja.  A história de Adão e Eva nos mostra o primeiro casal sendo tentado por aquilo que lhe atraía (Gn 3.2-6). Mesmo sabendo que não poderiam tocar na árvore no centro do Jardim do Éden, depois de atraídos pelo desejo, Adão e Eva entregaram-se ao pecado (Gn 3.6-9).  A Epístola de Tiago aplica o termo "gerar", utilizado no versículo 15, à ideia de que ninguém peca sem desejar o pecado. Assim, antes de ser efetivamente consumada, a transgressão passa por um processo de gestação interior no ser humano. Portanto, a origem da tentação está nos desejos humanos e jamais no Altíssimo, "porque Deus [...] a ninguém tenta".
  • 18.
  • 19. II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)  2. Atração pela própria concupiscência.  O texto bíblico é claro ao dizer que "cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência" (v.14).  A tentação exterioriza o vício, os desejos, a malignidade da natureza humana, isto é, a concupiscência. Ser tentado é sentir- se aliciado pela própria malícia ou os sentimentos mais reclusos de nossa natureza má.  Você tem ouvido o ressoar das suas malícias? Elas te atraem? Ouça a Epístola de Tiago! Não dê vazão às pulsões interiores, antes procure imitar Jesus afastando-se do pecado. Assim, não darás luz ao pecado e viverás.
  • 20.
  • 21. II - A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15)  3. Deus nos fortalece na tentação.  Embora a tentação seja fruto da fragilidade humana, quando ouvimos o Espírito Santo, Deus nos dá o escape em tempo oportuno: "Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar" (1 Co 10.13).  O Santo Espírito nos fará lembrar a Palavra de Deus para não pecarmos contra o nosso Senhor Altíssimo (Is 30.21; Jo 14.26). Todavia, para que isso seja uma realidade em nossa vida, precisamos cultivar a Palavra de Deus em nossos corações (Sl 119.11).
  • 22.
  • 23. R. Os desejos humanos. O ser humano é atraído por aquilo que deseja.
  • 24.
  • 25. III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)  1. Para provar a nossa fé (v.3).  Na época de Tiago, os cristãos estavam desanimados por passarem duras provas de perseguição. No versículo três, o meio-irmão do Senhor utiliza então o termo "sabendo", o qual se deriva do verbo grego ginosko e significa saber, reconhecer ou compreender, para encorajá-los a compreenderem o propósito das lutas enfrentadas na lida cristã: Deus prova a nossa fé (Tg 1.12).  À semelhança do aluno que estuda e pesquisa para submeter-se a uma prova e, em seguida, ser aprovado e diplomado, os filhos de Deus são testados para amadurecer a fé uma vez dada aos santos (Jo 16.33; Jd 3).  O capítulo 11 da epístola aos Hebreus lista inúmeras pessoas que tiveram sua fé provada, porém, terminaram vitoriosas e aprovadas. Por isso o referido texto bíblico é conhecido como a "galeria dos heróis da fé".
  • 26.
  • 27. III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)  2. Produzir a paciência (vv.3,4).  No grego, "paciência" deriva de hupomone e denota a capacidade de perseverar, ser constante, ser firme, suportar as circunstâncias difíceis.  A palavra aparece em o Novo Testamento ao lado de "tribulações" (Rm 5.3), aflições (2 Co 6.4) e perseguições (2 Ts 1.4). Mas também está ligada à esperança (Rm 5.3-5; 15.4,5; 1 Ts 1.3), à alegria (Cl 1.11) e, frequentemente, à vida eterna (Lc 21.19; Rm 2.7; Hb 10.36).  O termo ilustra a capacidade de uma pessoa permanecer firme em meio à alguma pressão, pois quem é portador da paciência bíblica não desiste facilmente, mesmo sob as circunstâncias das provas extremas (Jó 1.13-22; 2.10).  Tiago encoraja-nos então a alegrarmo-nos diante do enfrentamento das várias tentações (v.1), pois a paciência é resultado da prova da nossa fé.
  • 28.
  • 29. III - O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (Tg 1.3,4,12)  3. Chegar à perfeição.  A habilidade de perseverar ou desenvolver a paciência não acontece da noite para o dia. Envolve tempo, experiência e maturidade.  O meio-irmão do Senhor destaca na epístola a paciência para que o leitor seja estimulado a chegar à perfeição e, consequentemente, à completude da vida cristã, que se dará na eternidade.  A expressão "obra perfeita" traz a ideia de algo gradual, em desenvolvimento constante, com vistas à maturidade espiritual.  O motivo pelo qual o cristão é provado não é outro senão para que persevere na vida cristã e atinja o modelo de perfeição segundo Cristo Jesus (Sl 119.67; Hb 5.8; Ef 4.13).
  • 30.
  • 31. R. A expressão "obra perfeita" traz a ideia de algo gradual, em desenvolvimento constante, com vistas à maturidade espiritual. R. O motivo pelo qual o cristão é provado não é outro senão para que persevere na vida cristã e atinja o modelo de perfeição segundo Cristo Jesus (Sl 119.67; Hb 5.8; Ef 4.13). R. Cada tentação vencida pelo crente, significa um avanço rumo ao amadurecimento espiritual.
  • 32.
  • 33. CONCLUSÃO  Sabemos que todo cristão passa por aflições e tentações ao longo da vida. Talvez você esteja vivendo tal situação. Lembre- se de que o nosso Senhor Jesus passou por inúmeras tribulações e tentações, mas venceu todas, tornando-se o maior exemplo de vida para os seus seguidores.  Cada tentação vencida pelo crente, significa um avanço rumo ao amadurecimento espiritual. Um dia ele atingirá a estatura de varão perfeito à medida da estatura de Cristo (Ef 4.13). Este é o nosso objetivo na jornada cristã! Deus nos recompensará! Estejamos firmes no Senhor Jesus, pois Ele já venceu por nós e por isso somos mais que vencedores.
  • 35. ACESSE O NOSSO SITE www.escola-dominical.com www.proaviva.blogspot.com Produção dos slides Ev. Ismael Pereira de Oliveira & Ismael Isidio