SlideShare uma empresa Scribd logo
O DIACONATO
2º Trimestre de 2014
Lição 12
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
2
"Porque os que servirem bem como
diáconos adquirirão para si uma boa
posição e muita confiança na fé que há
em Cristo Jesus"
(1 Tm 3.13).
VERDADE PRÁTICA
Pr. Moisés Sampaio de Paula
3
Embora o diaconato seja um ministério
específico, a diaconia é uma missão de
todo o crente.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
4
I N T E R A Ç Ã O
Servir: uma ordenança de nosso Senhor (Mc 12.30,31). O ministério de
serviço ao próximo é o símbolo de amor na instituição dos diáconos relatada
no livro dos Atos dos Apóstolos, no sexto capítulo. Aqui, os apóstolos foram
coerentes com o ensinamento de Jesus de Nazaré. Há muito, o nosso Senhor
havia ensinado sobre a urgência de resolver questões sociais e de caráter
humanitário de quem quer que fosse. O problema registrado em Atos 6 foi de
caráter étnico, mas hoje outros grandes problemas afligem muitos membros
da igreja local. Que o serviço dos diáconos de Cristo nos inspire a cultivar um
estilo de vida diaconal baseado na história de Jesus de Nazaré.
Uma Pergunta
Qual o conceito de diácono?
Pr. Moisés Sampaio de Paula
5
OBJETIVOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
6
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
 Analisar o estilo de vida diaconal de Jesus.
 Explicar a instituição do ministério do diácono.
 Discorrer sobre o perfil e a função do diácono.
Pr. Moisés Sampaio de Paula
7
O R I E N T A Ç Ã O P E D A G Ó G I C A
Prezado professor, para concluir a presente lição, sugerimos uma atividade
prática para executá-la junto à classe. Procure o secretário da igreja e se
informe sobre as pessoas enfermas que não podem ir aos cultos rotineiros. De
acordo com a quantidade de enfermos, e após a Escola Dominical, separe
grupos de três ou quatro pessoas (depende da quantidade de alunos) para
fazerem uma visita. Ao chegar no lar da pessoa visitada, ore, leia a Palavra e
cante para ela. Converse um pouco de modo que ela sinta-se bem acolhida.
Ao final da atividade, reúna todos os grupos e explique-lhes que esta é uma
prática diaconal transbordante de amor e baseada no ensino de Jesus de
Nazaré (Mt 25.36,43).
Palavra chave
Pr. Moisés Sampaio de Paula
8
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
1. Significado do termo.
2. Serviço de escravo.
3. O discípulo é um serviçal.
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
1. O conceito da função.
2. Origem do diaconato.
3. A escolha dos diáconos.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
1. Qualificações do diácono.
2. A função dos diáconos em Atos 6.
3. A função dos diáconos hoje.
Esboço da Lição
Pr. Moisés Sampaio de Paula
9
INTRODUÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
10
 No primeiro século da era
cristã, a Igreja cresceu sob o
avivamento do Espírito e
expandiu-se pelo mundo.
 Na mesma medida em que
cresceu, surgiram também
problemas na esfera social,
demandando urgentes
providências.
INTRODUÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
11
 Por uma sábia e unânime
decisão, em assembleia, a
igreja de Jerusalém escolheu
sete homens de moral ilibada e
cheios do Espírito Santo, para
administrarem esse
"importante negócio" (At 6.3).
INTRODUÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
12
 Nesta lição estudaremos esse
importante ministério de
serviço que, por causa de uma
crise étnica na igreja, levou os
apóstolos a propor medidas
que serviram de base para
instituir a função diaconal. Esta,
até hoje, faz parte do ministério
ordenado pelas igrejas cristãs.
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
13
1. Significado do termo.
2. Serviço de escravo.
3. O discípulo é um serviçal.
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
14
 O termo grego diaconia
significa "ministério" ou
"serviço".
 A vida inteira de Jesus aqui
na Terra demonstrou o
verdadeiro sentido da
diaconia em todos os seus
aspectos.
1. Significado do termo
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
15
 Na realidade, o ministério terreno de
Jesus evidenciou o quanto Ele foi:
1. Significado do termo
• "apóstolo da nossa confissão" (Hb
3.1),
• profeta (Lc 24.19),
• evangelista (Lc 4.18,19),
• pastor (Jo 10.11),
• mas principalmente, diácono por
excelência (Mt 20.28).
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
16
 O apóstolo Paulo disse que
Jesus, "sendo em forma de
Deus, não teve por usurpação
ser igual a Deus. Mas
aniquilou-se a si mesmo,
tomando a forma de servo,
fazendo-se semelhante aos
homens" (Fp 2.6-7).
1. Significado do termo
A expressão "tomando a forma de
servo" denota o sentido de uma
condição humilde.(Bíblia de Estudo
Palavras-Chave)
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
17
 Na véspera da sua
crucificação, o Senhor Jesus
reuniu os seus doze discípulos
para comer a última ceia.
Tomando uma toalha e uma
bacia com água, ele começou
a lavar os pés dos discípulos,
um a um (Jo 13.4,5).
2. Serviço de escravo.
 Não há atitude mais
comovente do nosso Senhor
como o relato do lava-pés,
demonstrando serviço,
exemplo e humildade.
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
18
 A "diaconia da toalha e
da bacia" é a
convocação
cristocêntrica para uma
vida de serviço humilde
(Jo 13.12-17).
2. Serviço de escravo.
Diaconia
Pr. Moisés Sampaio de Paula
19
 Refere-se ao ministério da Igreja relativo às
necessidades humanas materiais, promocionais, de
assistência ou de solidariedade. A diaconia seria o
serviço da Igreja no campo sócio-político-cultural.
• assistência
social
• solidariedade • ações de
transformação
.
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
20
 Certa vez, Tiago e João pediram ao
Senhor lugares de destaques, "à
direita" e "à esquerda" de Jesus,
quando da implantação do seu
Reino (Mc 10.35-37).
 Os discípulos ainda não haviam
compreendido a mensagem de
Jesus.
3. O discípulo é um serviçal.
"entre vós não será assim; antes, qualquer que, entre vós, quiser ser grande será
vosso serviçal [diakonos]. E qualquer que, dentre vós, quiser ser o primeiro será
servo de todos. Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido,
mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos" (Mc 10.43-45).
I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
21
 A proposta do Nazareno nunca foi a
de estabelecer uma hierarquia de
poder temporal para a sua igreja,
mas a de serviço conforme
demonstra sua resposta a eles:
3. O discípulo é um serviçal.
SINOPSE DO TÓPICO (1)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
22
A diaconia de Jesus Cristo
está centralizada na
disponibilidade em servir o
próximo.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula
23
1. Qual o significado do termo grego
"diaconia"?
R. "Ministério" ou "serviço".
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula
24
2. Qual o significado da "diaconia da
toalha e da bacia"?
R. Significa a convocação cristocêntrica para
uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17).
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
25
1. O conceito da função.
2. Origem do diaconato.
3. A escolha dos diáconos.
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
26
 A palavra diácono (gr.
diakonos), refere-se àquele
que presta trabalhos
voluntários aludindo aos
exemplos dos criados
domésticos dos tempos do
Novo Testamento. (segundo o
Dicionário Vine)
1. O conceito da função.
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
27
 O termo destaca, em
especial, a função de um
mestre ou de um pastor
cristão, entrelaçando o
sentido técnico do diácono
ou diaconisa.
1. O conceito da função.
Servir
Pr. Moisés Sampaio de Paula
28
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
29
 Outra palavra grega
relacionada a "diácono" é
doulos.
 Esta refere-se a "um servo" ou
"um escravo" (Mt 13.27,28; Jo
4.51).
1. O conceito da função.
A função do diácono é a do
serviço voluntário
prestado, pelo "ministro", o
"servo" ou o "assistente",
para alguém.
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
30
 São palavras-chave para o
advento do ministério formal
dos diáconos em o Novo
Testamento:
2. Origem do diaconato.
A bênção
A reivindicação
O problema
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
31
 Foi o extraordinário
crescimento da igreja local
em Jerusalém.
2. Origem do diaconato.
A bênção
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
32
 A questão étnica causada
pela situação social de
muitos que aceitavam a fé,
especialmente envolvendo
viúvas judias de fala hebraica
e as de fala grega (At 6.1).
2. Origem do diaconato.
O problema
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
33
 Pode ser vista na manifestação
verbal destas viúvas que,
sentindo-se injustiçadas pelo
que elas interpretaram ser uma
forma de discriminação dos
líderes da igreja de Jerusalém,
cobraram sua assistência (At
6.1).
2. Origem do diaconato.
A reivindicação
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
34
 Os apóstolos para resolver o
impasse:
1. Oraram
2. Impuseram as mãos
3. Separaram sete irmãos para
administrar uma questão
étnica e social (At 6.2-7).
3. A escolha dos diáconos.
Solução
1. De boa reputação,
2. Cheios do Espírito
Santo
3. Cheios de sabedoria
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
35
 Foi uma decisão de caráter
pacificador e de muito
bom-senso para a igreja
não se perder em
permanentes
desentendimentos.
3. A escolha dos diáconos.
II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula
36
 O objetivo era estimulá-la a
resolver a questão reconhecendo
o caminho equivocado antes
aderido pelos líderes até aquele
momento.
3. A escolha dos diáconos.
Eles puderam executar as mudanças
necessárias e resolveram uma questão
que poderia trazer sérios problemas para
a igreja de Jerusalém.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
37
O livro dos Atos dos Apóstolos,
no capítulo 6, descreve a
instituição do ministério de
diácono.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula
38
3. Quais as qualificações para o
diaconato?
R. Caráter moral, caráter espiritual e caráter
familiar.
Uma Pergunta
Qual a função do diácono?
Pr. Moisés Sampaio de Paula
39
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
40
1. Qualificações do diácono.
2. A função dos diáconos em Atos 6.
3. A função dos diáconos hoje.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
41
 1. Qualificações do diácono.
As qualificações dos diáconos
descritas no livro de Atos e na
primeira carta a Timóteo
revelam que em nada elas
diferem da atribuição ética
exigida aos bispos (1 Timóteo e
Tito).
1. Qualificações do diácono.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
42
 a) Caráter moral (1 Tm 3.8). Os
diáconos devem ser pessoas
honradas, dignas, corretas e
íntegras. Não pode haver
"língua dobre" neles, isto é, a
sua palavra deve ser sim, sim e
não, não.
1. Qualificações do diácono.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
43
 a) Caráter moral (1 Tm 3.8). A
ganância por dinheiro tem de
passar longe da sua vida, pois
sua função é exatamente a de
executar trabalhos
administrativos da igreja local,
como auxiliar nas tarefas do
culto e acompanhar as viúvas e
os pobres da Igreja do Senhor.
1. Qualificações do diácono.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
44
 b) Caráter espiritual (1 Tm
3.9,10). Ter a plena convicção
do que é crer no Evangelho. O
diácono guarda a revelação de
Deus que está em Cristo Jesus,
o nosso Senhor (cf. Rm 16.25).
Por isso, a liderança e a igreja
local devem avaliar o candidato
ao diaconato levando em conta
o seu caráter moral e
espiritual.
1. Qualificações do diácono.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
45
 c) Caráter familiar. O candidato
deve ser:
1. Marido de uma mulher,
2. Fiel à sua esposa e
3. Bom pai.
4. Devem ser zelosos com o seu lar,
5. Amar as suas esposas com amor
sacrifical.
6. Respeitar os seus filhos, para
obterem deles o mesmo respeito.
1. Qualificações do diácono.
O "serviço" do diácono à sua
família revelará como ele servirá
a igreja local.
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
46
 2. A função dos diáconos em
Atos 6. Quando foram
instituídos diáconos, setes
homens de fala grega foram
separados para assistir
socialmente as viúvas: tanto as
de fala hebraica como as de
fala grega.
2. A função dos diáconos em Atos 6
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
47
 Os diáconos não podiam
permitir que houvesse
injustiças de caráter social na
igreja do primeiro século. A
função do diaconato era
fundamentalmente de caráter
social.
2. A função dos diáconos em Atos 6
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
48
 Atualmente, a função
primordial do diácono é
auxiliar a igreja local através
das orientações do seu
pastor em atividades ligadas
a visitar:
 os enfermos,
 os necessitados e
 os desviados,
3. A função dos diáconos hoje
III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO
Pr. Moisés Sampaio de Paula
49
 Cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto,
1. como a distribuir os elementos da Ceia do Senhor,
2. recolher as contribuições para a manutenção da igreja
local (dízimos e ofertas) e
3. auxiliar na ordem e
4. na segurança da liturgia do culto, bem como de
outras tarefas já mencionadas.
3. A função dos diáconos hoje
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Pr. Moisés Sampaio de Paula
50
Para o perfil e a função do
diácono deve-se levar em
conta o caráter moral, o
caráter espiritual e o caráter
familiar do candidato.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula
51
4. Qual a função dos diáconos em Atos 6?
R. Assistir socialmente as viúvas: tanto as de
fala hebraica como as de fala grega.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula
52
5. Qual a função dos diáconos hoje?
R. Auxiliar a igreja local através das orientações do seu
pastor em atividades ligadas a visitar os enfermos, os
necessitados e os desviados, bem como cuidar das
tarefas espirituais ligadas ao culto, como distribuir os
elementos da Ceia do Senhor, recolher as contribuições
para a manutenção da igreja local (dízimos e ofertas) e
auxiliar na ordem e na segurança do culto, bem como
de outras tarefas para as quais for designado.
Conclusão
Pr. Moisés Sampaio de Paula
53
 O diaconato foi instituído pelos
apóstolos de Cristo quando a
comunidade cristã cresceu e
precisou ter pessoas que
pudessem resolver questões
relacionadas a problemas sociais
que demandavam atenção e
cuidado.
Conclusão
Pr. Moisés Sampaio de Paula
54
 Hoje, os diáconos servem à igreja
e a Deus em trabalhos
diferentes, e a liderança das
igrejas locais deve valorizar o seu
trabalho e reconhecê-los como
excelentes servidores do Reino
de Deus, pois, no sentido lato,
todos somos diáconos da Igreja
de Deus.
Subsídio Bibliológico
Pr. Moisés Sampaio de Paula
55
A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I
Subsídio Teológico
"Comunhão Quebrada: A Comunidade Escolhe Sete Diáconos
Os crentes se dedicam a formar uma comunidade de comunhão (At 2.42), que acha expressão
em compartilhar as possessões com os necessitados. Como exemplo positivo de comunhão, Lucas
chamou atenção a Barnabé (At 4.36,37); em contraste, Ananias e sua esposa são exemplos
negativos (At 5.1-11). No capítulo 6, Lucas informa um desarranjo na comunhão causado pela
negligência da comunidade para com suas viúvas gregas. No meio de tremendo progresso da
Igreja, este problema coloca a unidade eclesiástica em sério perigo.
Nesta época, a comunidade cristã consiste em dois grupos: os judeus gregos (hellenistai,
'crentes de fala grega') e os judeus hebreus (hebraioi, 'crentes de fala aramaica'). Os judeus
gregos de Atos 6 são crentes que foram fortemente influenciados pela cultura grega,
provavelmente enquanto viviam fora da Palestina, ao passo que os judeus hebreus são cristãos
que sempre viveram na terra nativa da Palestina" (STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L.
(Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 1: Mateus a Atos. 4.ed. Rio de
Janeiro: CPAD, 2009, p.657).
Subsídio Bibliológico
Pr. Moisés Sampaio de Paula
56
A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I I
Subsídio Teológico
"[Sobre a Escolha dos diáconos]
[…] Lucas não declara como é feita a escolha dos sete homens, mas a congregação como um todo vê a sensatez da
proposta dos apóstolos (v.5) e participa na escolha destes diáconos. A qualificação básica é a espiritualidade, mas eles devem ser
distintos de duas maneiras.
Eles têm de ser 'cheios do Espírito Santo'. Em vez de ser meros bons administradores ou gerentes de recursos, esta
qualificação lhes exige que sejam capacitados pelo Espírito na ordem dos discípulos no Dia de Pentecostes. Quer dizer, eles
devem ter o poder de uma fé que faz milagres.
Eles também têm de ser 'cheios [...] de sabedoria'. Complementar aos atos de poder está o discurso inspirado pelo Espírito.
Os diáconos têm de ser poderosos em obras e palavras. Como pessoas competentes e maduras que são inspiradas pelo Espírito,
elas têm de ter bom senso prático e serem capazes de lidar com delicados problemas de propriedade. Seu ministério inclui
negócios empresariais e a distribuição de ajuda para os necessitados, mas também deve ser espiritual e carismático. Eles devem
exercer quaisquer dons espirituais que Deus lhes concedeu.
Entre os sete homens escolhidos para servir como diáconos estão Estêvão e Filipe (os únicos dois sobre quem Lucas
apresenta detalhes). Filipe se destaca como pregador carismático (At 8.4-8,26-40; 21.8); ele é o primeiro a fundar uma igreja
entre os samaritanos. Estêvão é descrito como 'homem cheio de fé' (v.5), sem dúvida significando a fé que faz milagres. Ele faz
'prodígios e grandes sinais entre o povo' (v.8), e seus oponentes não sabem como lidar com a pregação que ele faz (v.10). O
ministério destes dois homens ilustra os ministérios dos diáconos carismáticos, os quais se estendem muito além das
preocupações práticas do dia a dia da Igreja.
A ordenação dos sete diáconos fornece bom modelo para ministrar as minorias da Igreja. Como na Igreja primitiva,
devemos nos preocupar com o modo como as minorias - os pobres, as viúvas, os órfãos e as pessoas de diferentes origens
raciais - são tratadas. Semelhante às viúvas crentes de fala grega, tais pessoas são indefesas, e suas necessidades podem ser
negligenciadas. Cada congregação deve ter um programa próprio para ministrar aos que estão em desvantagem e às minorias, e
entregar este ministério àqueles que são espiritualmente dotados e compromissados a cuidar deles" (STRONSTAD, Roger;
ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 1: Mateus a Atos. 4.ed. Rio de Janeiro:
CPAD, 2009, pp.657-8).
Pr. Moisés Sampaio de Paula
57

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
Danilo Lemos
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
Moisés Sampaio
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
Pastor W. Costa
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Éder Tomé
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
Moisés Sampaio
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
PASTOR CARLOS SILVA
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
faculdadeteologica
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Ana Paula Baptista
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbitero
Heron20
 
Curso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para EvangelistaCurso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para Evangelista
Sergio Silva
 
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristãoLição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Éder Tomé
 
Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBD
Sergio Silva
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
Filipe Rhuan
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 

Mais procurados (20)

Aula02 cristologia
Aula02 cristologiaAula02 cristologia
Aula02 cristologia
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
E deu dons aos homens
E deu dons aos homensE deu dons aos homens
E deu dons aos homens
 
Cristologia aula02
Cristologia aula02Cristologia aula02
Cristologia aula02
 
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da TrindadeLição 1 - A Doutrina da Trindade
Lição 1 - A Doutrina da Trindade
 
O propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituaisO propósito dos dons espirituais
O propósito dos dons espirituais
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUSAPOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
APOSTILA DO OBREIRO NO SERVIR A DEUS
 
1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia1 introdução à missiologia
1 introdução à missiologia
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbitero
 
Curso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para EvangelistaCurso de Capacitação para Evangelista
Curso de Capacitação para Evangelista
 
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristãoLição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
Lição 11 - O discipulado de Jesus e o serviço cristão
 
Curso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBDCurso de capacitação de professores da EBD
Curso de capacitação de professores da EBD
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 

Semelhante a O diaconato

O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
MINISTERIO IPCA.
 
Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.
Lourinaldo Serafim
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
Adenísio dos Reis
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
Osmair Ribeiro da Silva
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
Joel Silva
 
A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral
Alípio Vallim
 
2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
Carlos Santos
 
2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
Carlos Santos
 
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
Bernadetecebs .
 
Oração nº 25, setor 3 das CEBs
Oração  nº 25, setor 3 das CEBsOração  nº 25, setor 3 das CEBs
Oração nº 25, setor 3 das CEBs
Bernadetecebs .
 
Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2
Renata R. Lucas
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhida
Seminario Emaus
 
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
Natalino das Neves Neves
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Éder Tomé
 
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Lição 6 as funções da igreja
Lição  6  as funções da igrejaLição  6  as funções da igreja
Lição 6 as funções da igreja
César Aguiar
 
Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
Alex Camargo
 
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdfescolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
vinicius252017
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
DELSOCORREIA
 
Contact outubro
Contact outubroContact outubro
Contact outubro
Leutherio
 

Semelhante a O diaconato (20)

O diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison PereiraO diaconato bispo Cleimison Pereira
O diaconato bispo Cleimison Pereira
 
Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.Lição 12 O Diaconato.
Lição 12 O Diaconato.
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
O diaconato lição 12
O diaconato lição 12O diaconato lição 12
O diaconato lição 12
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 12.pptx
 
A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral A igreja como agente de transformação integral
A igreja como agente de transformação integral
 
2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
 
2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat2 t2016 l12_josaphat
2 t2016 l12_josaphat
 
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
Celebração da palavra nas Comunidades Eclesiais de Base (fevereiro 2013)
 
Oração nº 25, setor 3 das CEBs
Oração  nº 25, setor 3 das CEBsOração  nº 25, setor 3 das CEBs
Oração nº 25, setor 3 das CEBs
 
Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2Apresentação ponto 1 e 2
Apresentação ponto 1 e 2
 
O que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhidaO que é pastoral da acolhida
O que é pastoral da acolhida
 
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
2014 2 tri lição 12 - O Diaconato
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
 
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
LIÇÃO 08 - IGREJA - AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE1)
 
Lição 6 as funções da igreja
Lição  6  as funções da igrejaLição  6  as funções da igreja
Lição 6 as funções da igreja
 
Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
 
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdfescolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
escolabblica-eclesiologiaslides-230726114336-bd31763c.pdf
 
Ano Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptxAno Vocacional 2023.pptx
Ano Vocacional 2023.pptx
 
Contact outubro
Contact outubroContact outubro
Contact outubro
 

Mais de Moisés Sampaio

AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário proféticoAS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
Moisés Sampaio
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário proféticoAS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
AS SETENTA semanas de Daniel o calendário profético
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 

Último

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 

Último (14)

9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 

O diaconato

  • 1. O DIACONATO 2º Trimestre de 2014 Lição 12 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO Pr. Moisés Sampaio de Paula 2 "Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus" (1 Tm 3.13).
  • 3. VERDADE PRÁTICA Pr. Moisés Sampaio de Paula 3 Embora o diaconato seja um ministério específico, a diaconia é uma missão de todo o crente.
  • 4. Pr. Moisés Sampaio de Paula 4 I N T E R A Ç Ã O Servir: uma ordenança de nosso Senhor (Mc 12.30,31). O ministério de serviço ao próximo é o símbolo de amor na instituição dos diáconos relatada no livro dos Atos dos Apóstolos, no sexto capítulo. Aqui, os apóstolos foram coerentes com o ensinamento de Jesus de Nazaré. Há muito, o nosso Senhor havia ensinado sobre a urgência de resolver questões sociais e de caráter humanitário de quem quer que fosse. O problema registrado em Atos 6 foi de caráter étnico, mas hoje outros grandes problemas afligem muitos membros da igreja local. Que o serviço dos diáconos de Cristo nos inspire a cultivar um estilo de vida diaconal baseado na história de Jesus de Nazaré.
  • 5. Uma Pergunta Qual o conceito de diácono? Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
  • 6. OBJETIVOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 6 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:  Analisar o estilo de vida diaconal de Jesus.  Explicar a instituição do ministério do diácono.  Discorrer sobre o perfil e a função do diácono.
  • 7. Pr. Moisés Sampaio de Paula 7 O R I E N T A Ç Ã O P E D A G Ó G I C A Prezado professor, para concluir a presente lição, sugerimos uma atividade prática para executá-la junto à classe. Procure o secretário da igreja e se informe sobre as pessoas enfermas que não podem ir aos cultos rotineiros. De acordo com a quantidade de enfermos, e após a Escola Dominical, separe grupos de três ou quatro pessoas (depende da quantidade de alunos) para fazerem uma visita. Ao chegar no lar da pessoa visitada, ore, leia a Palavra e cante para ela. Converse um pouco de modo que ela sinta-se bem acolhida. Ao final da atividade, reúna todos os grupos e explique-lhes que esta é uma prática diaconal transbordante de amor e baseada no ensino de Jesus de Nazaré (Mt 25.36,43).
  • 8. Palavra chave Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO 1. Significado do termo. 2. Serviço de escravo. 3. O discípulo é um serviçal. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS 1. O conceito da função. 2. Origem do diaconato. 3. A escolha dos diáconos. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO 1. Qualificações do diácono. 2. A função dos diáconos em Atos 6. 3. A função dos diáconos hoje. Esboço da Lição Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. INTRODUÇÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 10  No primeiro século da era cristã, a Igreja cresceu sob o avivamento do Espírito e expandiu-se pelo mundo.  Na mesma medida em que cresceu, surgiram também problemas na esfera social, demandando urgentes providências.
  • 11. INTRODUÇÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 11  Por uma sábia e unânime decisão, em assembleia, a igreja de Jerusalém escolheu sete homens de moral ilibada e cheios do Espírito Santo, para administrarem esse "importante negócio" (At 6.3).
  • 12. INTRODUÇÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 12  Nesta lição estudaremos esse importante ministério de serviço que, por causa de uma crise étnica na igreja, levou os apóstolos a propor medidas que serviram de base para instituir a função diaconal. Esta, até hoje, faz parte do ministério ordenado pelas igrejas cristãs.
  • 13. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 13 1. Significado do termo. 2. Serviço de escravo. 3. O discípulo é um serviçal.
  • 14. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 14  O termo grego diaconia significa "ministério" ou "serviço".  A vida inteira de Jesus aqui na Terra demonstrou o verdadeiro sentido da diaconia em todos os seus aspectos. 1. Significado do termo
  • 15. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 15  Na realidade, o ministério terreno de Jesus evidenciou o quanto Ele foi: 1. Significado do termo • "apóstolo da nossa confissão" (Hb 3.1), • profeta (Lc 24.19), • evangelista (Lc 4.18,19), • pastor (Jo 10.11), • mas principalmente, diácono por excelência (Mt 20.28).
  • 16. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 16  O apóstolo Paulo disse que Jesus, "sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens" (Fp 2.6-7). 1. Significado do termo A expressão "tomando a forma de servo" denota o sentido de uma condição humilde.(Bíblia de Estudo Palavras-Chave)
  • 17. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 17  Na véspera da sua crucificação, o Senhor Jesus reuniu os seus doze discípulos para comer a última ceia. Tomando uma toalha e uma bacia com água, ele começou a lavar os pés dos discípulos, um a um (Jo 13.4,5). 2. Serviço de escravo.  Não há atitude mais comovente do nosso Senhor como o relato do lava-pés, demonstrando serviço, exemplo e humildade.
  • 18. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 18  A "diaconia da toalha e da bacia" é a convocação cristocêntrica para uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17). 2. Serviço de escravo.
  • 19. Diaconia Pr. Moisés Sampaio de Paula 19  Refere-se ao ministério da Igreja relativo às necessidades humanas materiais, promocionais, de assistência ou de solidariedade. A diaconia seria o serviço da Igreja no campo sócio-político-cultural. • assistência social • solidariedade • ações de transformação .
  • 20. I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 20  Certa vez, Tiago e João pediram ao Senhor lugares de destaques, "à direita" e "à esquerda" de Jesus, quando da implantação do seu Reino (Mc 10.35-37).  Os discípulos ainda não haviam compreendido a mensagem de Jesus. 3. O discípulo é um serviçal.
  • 21. "entre vós não será assim; antes, qualquer que, entre vós, quiser ser grande será vosso serviçal [diakonos]. E qualquer que, dentre vós, quiser ser o primeiro será servo de todos. Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos" (Mc 10.43-45). I. A DIACONIA DE JESUS CRISTO Pr. Moisés Sampaio de Paula 21  A proposta do Nazareno nunca foi a de estabelecer uma hierarquia de poder temporal para a sua igreja, mas a de serviço conforme demonstra sua resposta a eles: 3. O discípulo é um serviçal.
  • 22. SINOPSE DO TÓPICO (1) Pr. Moisés Sampaio de Paula 22 A diaconia de Jesus Cristo está centralizada na disponibilidade em servir o próximo.
  • 23. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 23 1. Qual o significado do termo grego "diaconia"? R. "Ministério" ou "serviço".
  • 24. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 24 2. Qual o significado da "diaconia da toalha e da bacia"? R. Significa a convocação cristocêntrica para uma vida de serviço humilde (Jo 13.12-17).
  • 25. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 25 1. O conceito da função. 2. Origem do diaconato. 3. A escolha dos diáconos.
  • 26. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 26  A palavra diácono (gr. diakonos), refere-se àquele que presta trabalhos voluntários aludindo aos exemplos dos criados domésticos dos tempos do Novo Testamento. (segundo o Dicionário Vine) 1. O conceito da função.
  • 27. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 27  O termo destaca, em especial, a função de um mestre ou de um pastor cristão, entrelaçando o sentido técnico do diácono ou diaconisa. 1. O conceito da função.
  • 29. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 29  Outra palavra grega relacionada a "diácono" é doulos.  Esta refere-se a "um servo" ou "um escravo" (Mt 13.27,28; Jo 4.51). 1. O conceito da função. A função do diácono é a do serviço voluntário prestado, pelo "ministro", o "servo" ou o "assistente", para alguém.
  • 30. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 30  São palavras-chave para o advento do ministério formal dos diáconos em o Novo Testamento: 2. Origem do diaconato. A bênção A reivindicação O problema
  • 31. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 31  Foi o extraordinário crescimento da igreja local em Jerusalém. 2. Origem do diaconato. A bênção
  • 32. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 32  A questão étnica causada pela situação social de muitos que aceitavam a fé, especialmente envolvendo viúvas judias de fala hebraica e as de fala grega (At 6.1). 2. Origem do diaconato. O problema
  • 33. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 33  Pode ser vista na manifestação verbal destas viúvas que, sentindo-se injustiçadas pelo que elas interpretaram ser uma forma de discriminação dos líderes da igreja de Jerusalém, cobraram sua assistência (At 6.1). 2. Origem do diaconato. A reivindicação
  • 34. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 34  Os apóstolos para resolver o impasse: 1. Oraram 2. Impuseram as mãos 3. Separaram sete irmãos para administrar uma questão étnica e social (At 6.2-7). 3. A escolha dos diáconos. Solução 1. De boa reputação, 2. Cheios do Espírito Santo 3. Cheios de sabedoria
  • 35. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 35  Foi uma decisão de caráter pacificador e de muito bom-senso para a igreja não se perder em permanentes desentendimentos. 3. A escolha dos diáconos.
  • 36. II. - A INSTITUIÇÃO DOS DIÁCONOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 36  O objetivo era estimulá-la a resolver a questão reconhecendo o caminho equivocado antes aderido pelos líderes até aquele momento. 3. A escolha dos diáconos. Eles puderam executar as mudanças necessárias e resolveram uma questão que poderia trazer sérios problemas para a igreja de Jerusalém.
  • 37. SINOPSE DO TÓPICO (2) Pr. Moisés Sampaio de Paula 37 O livro dos Atos dos Apóstolos, no capítulo 6, descreve a instituição do ministério de diácono.
  • 38. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 38 3. Quais as qualificações para o diaconato? R. Caráter moral, caráter espiritual e caráter familiar.
  • 39. Uma Pergunta Qual a função do diácono? Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
  • 40. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 40 1. Qualificações do diácono. 2. A função dos diáconos em Atos 6. 3. A função dos diáconos hoje.
  • 41. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 41  1. Qualificações do diácono. As qualificações dos diáconos descritas no livro de Atos e na primeira carta a Timóteo revelam que em nada elas diferem da atribuição ética exigida aos bispos (1 Timóteo e Tito). 1. Qualificações do diácono.
  • 42. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 42  a) Caráter moral (1 Tm 3.8). Os diáconos devem ser pessoas honradas, dignas, corretas e íntegras. Não pode haver "língua dobre" neles, isto é, a sua palavra deve ser sim, sim e não, não. 1. Qualificações do diácono.
  • 43. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 43  a) Caráter moral (1 Tm 3.8). A ganância por dinheiro tem de passar longe da sua vida, pois sua função é exatamente a de executar trabalhos administrativos da igreja local, como auxiliar nas tarefas do culto e acompanhar as viúvas e os pobres da Igreja do Senhor. 1. Qualificações do diácono.
  • 44. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 44  b) Caráter espiritual (1 Tm 3.9,10). Ter a plena convicção do que é crer no Evangelho. O diácono guarda a revelação de Deus que está em Cristo Jesus, o nosso Senhor (cf. Rm 16.25). Por isso, a liderança e a igreja local devem avaliar o candidato ao diaconato levando em conta o seu caráter moral e espiritual. 1. Qualificações do diácono.
  • 45. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 45  c) Caráter familiar. O candidato deve ser: 1. Marido de uma mulher, 2. Fiel à sua esposa e 3. Bom pai. 4. Devem ser zelosos com o seu lar, 5. Amar as suas esposas com amor sacrifical. 6. Respeitar os seus filhos, para obterem deles o mesmo respeito. 1. Qualificações do diácono. O "serviço" do diácono à sua família revelará como ele servirá a igreja local.
  • 46. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 46  2. A função dos diáconos em Atos 6. Quando foram instituídos diáconos, setes homens de fala grega foram separados para assistir socialmente as viúvas: tanto as de fala hebraica como as de fala grega. 2. A função dos diáconos em Atos 6
  • 47. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 47  Os diáconos não podiam permitir que houvesse injustiças de caráter social na igreja do primeiro século. A função do diaconato era fundamentalmente de caráter social. 2. A função dos diáconos em Atos 6
  • 48. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 48  Atualmente, a função primordial do diácono é auxiliar a igreja local através das orientações do seu pastor em atividades ligadas a visitar:  os enfermos,  os necessitados e  os desviados, 3. A função dos diáconos hoje
  • 49. III. O PERFIL E FUNÇÃO DO DIÁCONO Pr. Moisés Sampaio de Paula 49  Cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto, 1. como a distribuir os elementos da Ceia do Senhor, 2. recolher as contribuições para a manutenção da igreja local (dízimos e ofertas) e 3. auxiliar na ordem e 4. na segurança da liturgia do culto, bem como de outras tarefas já mencionadas. 3. A função dos diáconos hoje
  • 50. SINOPSE DO TÓPICO (3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 50 Para o perfil e a função do diácono deve-se levar em conta o caráter moral, o caráter espiritual e o caráter familiar do candidato.
  • 51. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 51 4. Qual a função dos diáconos em Atos 6? R. Assistir socialmente as viúvas: tanto as de fala hebraica como as de fala grega.
  • 52. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 52 5. Qual a função dos diáconos hoje? R. Auxiliar a igreja local através das orientações do seu pastor em atividades ligadas a visitar os enfermos, os necessitados e os desviados, bem como cuidar das tarefas espirituais ligadas ao culto, como distribuir os elementos da Ceia do Senhor, recolher as contribuições para a manutenção da igreja local (dízimos e ofertas) e auxiliar na ordem e na segurança do culto, bem como de outras tarefas para as quais for designado.
  • 53. Conclusão Pr. Moisés Sampaio de Paula 53  O diaconato foi instituído pelos apóstolos de Cristo quando a comunidade cristã cresceu e precisou ter pessoas que pudessem resolver questões relacionadas a problemas sociais que demandavam atenção e cuidado.
  • 54. Conclusão Pr. Moisés Sampaio de Paula 54  Hoje, os diáconos servem à igreja e a Deus em trabalhos diferentes, e a liderança das igrejas locais deve valorizar o seu trabalho e reconhecê-los como excelentes servidores do Reino de Deus, pois, no sentido lato, todos somos diáconos da Igreja de Deus.
  • 55. Subsídio Bibliológico Pr. Moisés Sampaio de Paula 55 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I Subsídio Teológico "Comunhão Quebrada: A Comunidade Escolhe Sete Diáconos Os crentes se dedicam a formar uma comunidade de comunhão (At 2.42), que acha expressão em compartilhar as possessões com os necessitados. Como exemplo positivo de comunhão, Lucas chamou atenção a Barnabé (At 4.36,37); em contraste, Ananias e sua esposa são exemplos negativos (At 5.1-11). No capítulo 6, Lucas informa um desarranjo na comunhão causado pela negligência da comunidade para com suas viúvas gregas. No meio de tremendo progresso da Igreja, este problema coloca a unidade eclesiástica em sério perigo. Nesta época, a comunidade cristã consiste em dois grupos: os judeus gregos (hellenistai, 'crentes de fala grega') e os judeus hebreus (hebraioi, 'crentes de fala aramaica'). Os judeus gregos de Atos 6 são crentes que foram fortemente influenciados pela cultura grega, provavelmente enquanto viviam fora da Palestina, ao passo que os judeus hebreus são cristãos que sempre viveram na terra nativa da Palestina" (STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 1: Mateus a Atos. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.657).
  • 56. Subsídio Bibliológico Pr. Moisés Sampaio de Paula 56 A U X Í L I O B I B L I O G R Á F I C O I I Subsídio Teológico "[Sobre a Escolha dos diáconos] […] Lucas não declara como é feita a escolha dos sete homens, mas a congregação como um todo vê a sensatez da proposta dos apóstolos (v.5) e participa na escolha destes diáconos. A qualificação básica é a espiritualidade, mas eles devem ser distintos de duas maneiras. Eles têm de ser 'cheios do Espírito Santo'. Em vez de ser meros bons administradores ou gerentes de recursos, esta qualificação lhes exige que sejam capacitados pelo Espírito na ordem dos discípulos no Dia de Pentecostes. Quer dizer, eles devem ter o poder de uma fé que faz milagres. Eles também têm de ser 'cheios [...] de sabedoria'. Complementar aos atos de poder está o discurso inspirado pelo Espírito. Os diáconos têm de ser poderosos em obras e palavras. Como pessoas competentes e maduras que são inspiradas pelo Espírito, elas têm de ter bom senso prático e serem capazes de lidar com delicados problemas de propriedade. Seu ministério inclui negócios empresariais e a distribuição de ajuda para os necessitados, mas também deve ser espiritual e carismático. Eles devem exercer quaisquer dons espirituais que Deus lhes concedeu. Entre os sete homens escolhidos para servir como diáconos estão Estêvão e Filipe (os únicos dois sobre quem Lucas apresenta detalhes). Filipe se destaca como pregador carismático (At 8.4-8,26-40; 21.8); ele é o primeiro a fundar uma igreja entre os samaritanos. Estêvão é descrito como 'homem cheio de fé' (v.5), sem dúvida significando a fé que faz milagres. Ele faz 'prodígios e grandes sinais entre o povo' (v.8), e seus oponentes não sabem como lidar com a pregação que ele faz (v.10). O ministério destes dois homens ilustra os ministérios dos diáconos carismáticos, os quais se estendem muito além das preocupações práticas do dia a dia da Igreja. A ordenação dos sete diáconos fornece bom modelo para ministrar as minorias da Igreja. Como na Igreja primitiva, devemos nos preocupar com o modo como as minorias - os pobres, as viúvas, os órfãos e as pessoas de diferentes origens raciais - são tratadas. Semelhante às viúvas crentes de fala grega, tais pessoas são indefesas, e suas necessidades podem ser negligenciadas. Cada congregação deve ter um programa próprio para ministrar aos que estão em desvantagem e às minorias, e entregar este ministério àqueles que são espiritualmente dotados e compromissados a cuidar deles" (STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 1: Mateus a Atos. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp.657-8).
  • 57. Pr. Moisés Sampaio de Paula 57