SlideShare uma empresa Scribd logo
1º trimestre de 2017 lição 3 15 de Janeiro de 2017
A organização da Igreja
Título: A Igreja de Jesus
Cristo — Sua origem,
doutrina, ordenanças e
destino eterno
Comentarista:
Alexandre Coelho
SÍNTESE
Agendadeleitura
SEGUNDA — Fp 1.1
Bispos e diáconos em Filipos
AGENDA DE LEITURA
TERÇA — 1Co 4.9
Apóstolos vinham por último
QUINTA — At 6.8
Milagres por meio de Estêvão
SÁBADO — At 8.5
Um diácono evangelista
SEXTA — At 2.42
Perseverança na doutrina dos apóstolos
QUARTA — 1Co 14.40
Tudo deve ser feito com decência e ordem
Objetivos
COMPREENDER que a
igreja, como qualquer
instituição, precisa de
organização;
DISTINGUIR os
modelos de governos
eclesiásticos existentes
em nossos dias;
IDENTIFICAR os cargos
Oficiais pertencentes à
Igreja local
Objetivos
TextoBíblico
Tito 1.1-9.
1 — Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, segundo a fé dos eleitos de Deus e o conhecimento da
verdade, que é segundo a piedade,
2 — em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos
séculos,
3 — mas, a seu tempo, manifestou a sua palavra pela pregação que me foi confiada segundo o mandamento
de Deus, nosso Salvador,
4 — a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da
do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador.
5 — Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de
cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei:
6 — aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser
acusados de dissolução nem são desobedientes.
7 — Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem
iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância;
8 — mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante,
9 — retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar
com a sã doutrina como para convencer os contradizentes.
Introdução
Nesta lição, veremos a importância de se ter pessoas na igreja
que a organizem, liderem e a mantenham dentro dos
parâmetros esperados por Deus. Também aprenderemos
sobre os três modelos de governo eclesiástico e veremos quais
são os tipos de obreiros mencionados no Novo Testamento,
que ajudam a organização e direção da igreja.
I. A NECESSIDADE DE LIDERANÇAS NA IGREJA
Por que precisamos de organização nas igrejas?
1
1
Toda instituição precisa ser organizada, e o mesmo ocorre com a
igreja local. Uma igreja deve ser organizada para receber bem seus
membros e visitantes, ter pessoas responsáveis atuando nos
diversos ministérios e departamentos, checar se o santuário está
aberto e em condições de receber pessoas para os momentos de
culto e orações. Entretanto, mais do que os aspectos citados, a
igreja precisa ser organizada, porque isso agrada a Deus. O Senhor
tem planos e Ele anuncia seus planos aos seus filhos fazendo com
que sejam realizados, e isso é organização. Se Deus preza por
organização, não poderíamos imaginar que a sua Igreja deveria
seguir um padrão diferente. Uma igreja desorganizada não reflete a
perfeição do Evangelho.
Direção.
1
2
A Igreja do Senhor precisa ter dirigentes que a conduzam e
apascentem. Atos 20.28 fala que Paulo rogou aos anciãos de Éfeso:
“Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito
Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus,
que ele resgatou com seu próprio sangue”. Já na Igreja Primitiva
havia a consciência de que a liderança das igrejas locais deveria ser
exercida por homens que entendessem que a Igreja de Cristo foi
fruto do amor de Cristo, demonstrado no alto preço que pagou por
todos nós que o recebemos como Salvador.
Dar ordem aos trabalhos.
1
3
E para quem pensa que não precisamos de organização
em nossas igrejas, é preciso deixar claro que desde a
Criação, Deus nos deu um exemplo de como todas as
coisas devem ser ordenadas e organizadas. Ele primeiro
fez e organizou o mundo em que o homem viveria, para
depois criar o homem e colocá-lo na Terra. Imagine se Ele
decidisse fazer o processo inverso, criando o homem
primeiro para, depois, ir acomodando toda a criação em
seu devido lugar...
Uma igreja sem
organização tem
possibilidade de crescer
e representar o Reino de
Deus de forma
adequada neste
mundo?
Pense
Organização na
igreja é algo tão
necessário quanto a
pregação da Palavra
de Deus e o seu
ensino.
Ponto importante!
II. FORMAS DE GOVERNO NA IGREJA
A Igreja Cristã possui hoje pelo menos três modelos de governo, ou seja, formas como deve ser gerida.
Episcopal
Se baseia na liderança de um
ministro, que toma as decisões
da congregação
Congregacional
A congregação tem a palavra
final nas questões
relacionadas a gestão e culto.
Congregacional
Condução de pessoas eleitas como
presbíteros, agrupadas em um
colégio ou assembleia.
Episcopal.
1
1
Esse modelo de governo eclesiástico é o mais comum. Ele se baseia
na liderança de um ministro, que toma as decisões na congregação.
Esse modelo deriva da palavra episkopos, que significa
“supervisor”, alguém que observa de uma posição superior (a
preposição epi, sobre, e o verbo skopeuo, que significa examinar),
onde o pastor tem a autoridade sobre os componentes do
ministério e sobre a congregação. Por estar esse modelo de
governo sob a responsabilidade de um líder, é notório que, nele, a
tomada de decisões seja menos engessada, mais ágil do que as
demais formas de governo. Neste modelo, o pastor é auxiliado por
outros obreiros, que cooperam em sua tomada de decisões.
Congregacional.
1
2
Nesse modelo, a congregação tem a palavra final
nas questões relacionadas à gestão e ao culto. O
pastor tem a função de pregar a Palavra e ensiná-la,
e os demais assuntos são trazidos para a
assembleia, e ela decide o que vai ser feito em
relação àqueles temas. Uma vez tomada a decisão,
todo o grupo acata o que foi decidido.
Presbiteral.
1
3
Este sistema é marcado pela condução de pessoas
eleitas como presbíteros, agrupadas em um
“colégio” ou assembleia. O pastor tem a função de
pregar e zelar pela doutrina, e os presbíteros
administram a congregação nos demais assuntos.
É preciso entender que cada um desses sistemas
tem suas funcionalidades, e que há igrejas que se
adequam mais a um sistema do que a outro. O que
não pode é haver uma igreja local sem um governo
que a organize e administre.
Organização na
igreja é algo
necessário e de
extrema
importância.
Pense
Os modelos de governo
eclesiástico adequam-
se conforme o
entendimento que a
liderança e a igreja
possuem, dentro de
grupos específicos.
Ponto importante!
III. OFICIAIS DA IGREJA
Bispos e pastores.
1
1
O Novo Testamento apresenta os bispos e ministros como sendo os líderes voltados
ao exercício da pregação, discipulado, evangelismo e ensino. Eles também tinham o
dever de agir trazendo ordem ao culto.
O trabalho pastoral exige muitas responsabilidades e deveres dos pastores. Além de
zelar pela coerente pregação da Palavra de Deus, esses ministros devem zelar pelo
cuidado do rebanho.
O apóstolo Paulo enumerou algumas características necessárias ao exercício do
ministério: o pastor deve ser honesto, marido de uma mulher, sóbrio, apto para
ensinar, não pode ser uma pessoa violenta nem avarenta; deve ser moderado e ter
um bom testemunho dos que estão fora da igreja (1Tm 3.2-7). Por essas
características, podemos observar que Deus exige de seus ministros um alto padrão
de qualidade e vida moral para estar diante de uma congregação. A Palavra ainda
exige que o pastor não seja neófito, ou seja, uma pessoa sem experiência, não
madura (1Tm 3.6). O motivo dessa ordem é para que o pastor, por imaturidade ou
falta de experiência, não se torne soberbo e não caia na condenação do Diabo. São
muitas, realmente, as exigências para os que aspiram ao santo ministério.
Presbíteros.
1
2
Originalmente, presbíteros eram os chamados anciãos. Por
força da experiência de vida, homens de mais idade eram
requisitados para auxiliar no exercício da liderança,
aconselhamento e na tomada de decisões. O Sinédrio,
(gerousia), era composto por setenta anciãos (gerontos; da
raiz geron vem a expressão geriatria), pessoas de mais
idade.
A palavra grega referente ao Conselho de Presbíteros
é presbyterion, ou presbitério, que traz a ideia de um
grupo de homens maduros, experimentados.
Diáconos.
1
3
Ser um diácono na igreja primitiva era uma posição de grande honra, e ao mesmo
tempo de grande responsabilidade. Atos 6.3 nos fala que os primeiros diáconos
deveriam ser homens de boa reputação (boa fama e serem pessoas confiáveis),
cheios do Espírito Santo e de sabedoria. Eles deveriam ser reconhecidos como
pessoas de caráter ilibado.
Outros requisitos ao diaconato foram acrescentados pelo apóstolo Paulo quando
escreveu a Timóteo indicando-lhe, como ser homem de palavra, não ganancioso,
marido de uma mulher e ter uma consciência limpa. Os diáconos deveriam cuidar das
atribuições relacionadas às questões administrativas e sociais nas igrejas locais,
auxiliando, dessa forma, os apóstolos, para que estes estivessem livres para se
dedicarem à oração e ao ministério da Palavra.
Em que pese o fato de os diáconos terem uma função mais ligada ao trabalho social,
houve diáconos que se destacaram como pregadores. O primeiro mártir, Estêvão, era
um diácono a quem Deus usou com sabedoria e operação de milagres (At 6.5,8);
Estêvão foi a primeira pessoa que, após a ressurreição do Senhor, viu Jesus, em pé, ao
lado de Deus (At 7.56). Felipe, outro diácono, foi usado por Deus na área do
evangelismo e milagres em Samaria, evangelizou o eunuco etíope no deserto e teve
uma experiência de ser arrebatado daquele lugar para outra localidade (At 8).
O Novo Testamento
nos mostra os
diversos tipos de
líderes da igreja e as
suas atribuições no
funcionamento das
igrejas.
Pense
O respeito às autoridades
da igreja sempre foi
necessário, seja porque
trabalham como servos de
Deus e possuem autoridade
dada por Deus, seja por
sua experiência de vida e
serviços junto à igreja local.
Ponto importante!
Nesta lição, vimos como é importante
a igreja ser organizada e ter líderes
que zelem por transmitir as verdades
das Sagradas Escrituras por meio da
pregação e do ensino, e que ajudem
com sua experiência as demais
atividades da igreja local.
Horadarevisão
1. Por que precisamos de organização nas igrejas?
Uma igreja deve ser organizada para receber bem seus membros e visitantes, ter pessoas responsáveis atuando nos
diversos ministérios e departamentos, checar se o santuário possui as condições de receber pessoas para os momentos
de culto e orações.
2. Cite três modelos de governo da igreja.
Episcopal, congregacional e presbiteral.
3. Qual é o modelo de governo eclesiástico mais comum?
Episcopal.
4. Quais são os líderes voltados para o exercício da pregação e do discipulado?
Bispos e pastores.
5. Quais as características necessárias ao exercício do ministério?
O candidato deve ser honesto, marido de uma mulher, sóbrio, apto para ensinar, não pode ser uma pessoa violenta
nem avarenta; deve ser moderado e ter um bom testemunho dos que estivessem fora da igreja (1Tm 4.3).
A seguir.
Canais que auxiliam a lição
Para aprofundar o estudo.
Na lição de Adultos:
A igreja e o seu testemunho tem um estudo
Que pode auxiliar na sua aula. Segue o link:
http://auxilioebd.blogspot.com.br/2015/09/licao-11-organizacao-de-uma-igreja-local.html
Abaixo alguns vídeos que complementam

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismo
Ines Pozzagnolo
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Éder Tomé
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
faculdadeteologica
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Éder Tomé
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Éder Tomé
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
Natalino das Neves Neves
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
EB112-a igreja missionária
EB112-a  igreja  missionáriaEB112-a  igreja  missionária
EB112-a igreja missionária
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
DanielSantana688069
 
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
Joziran Vieira joziran
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
Isaias Christal
 
Treinamento para professores da EBD
Treinamento para professores da EBDTreinamento para professores da EBD
Treinamento para professores da EBD
Jose Carlos Rodrigues
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 
1 aula educacao crista
1 aula   educacao crista1 aula   educacao crista
1 aula educacao crista
RODRIGO FERREIRA
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
Filipe Rhuan
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
André Rocha
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Ana Paula Baptista
 
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profetaLição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Sergio Silva
 

Mais procurados (20)

EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
EBD CPAD lições bíblicas 1°trimestre 2016 lição 1 Escatologia , o estudo das ...
 
Apresentação evangelismo
Apresentação evangelismoApresentação evangelismo
Apresentação evangelismo
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Disciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia PastoralDisciplina de Teologia Pastoral
Disciplina de Teologia Pastoral
 
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicosLição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
Lição 3 – Conhecendo a Igreja a partir dos títulos e símbolos bíblicos
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
 
EB112-a igreja missionária
EB112-a  igreja  missionáriaEB112-a  igreja  missionária
EB112-a igreja missionária
 
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
9 Marcas de uma igreja saudável - aula.pdf
 
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
Treinamento para professores da EBD
Treinamento para professores da EBDTreinamento para professores da EBD
Treinamento para professores da EBD
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
1 aula educacao crista
1 aula   educacao crista1 aula   educacao crista
1 aula educacao crista
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
 
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte IITreinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
Treinamento de professores Escola Bíblica Dominical -parte II
 
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profetaLição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
Lição 11 - O governo do anticristo e o falso profeta
 

Destaque

Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
boasnovassena
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igrejaLBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
Natalino das Neves Neves
 
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da IgrejaLição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Maxsuel Aquino
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
Natalino das Neves Neves
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
boasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
boasnovassena
 
LBJ Lição 9 - A missão ensinadora da igreja
LBJ Lição 9 -  A missão ensinadora da igrejaLBJ Lição 9 -  A missão ensinadora da igreja
LBJ Lição 9 - A missão ensinadora da igreja
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 10 - A missão social da igreja
LBJ Lição 10 - A missão social da igrejaLBJ Lição 10 - A missão social da igreja
LBJ Lição 10 - A missão social da igreja
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituaisLBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
Natalino das Neves Neves
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
boasnovassena
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
Natalino das Neves Neves
 
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidosLBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
Natalino das Neves Neves
 
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8   a igreja e os dons espirituaisLbj liçao 8   a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
boasnovassena
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
boasnovassena
 
Trabalho de administração eclesiástica
Trabalho de administração eclesiásticaTrabalho de administração eclesiástica
Trabalho de administração eclesiástica
Bruno Torres Cerqueira
 
Lbj lição 6 O sustento da igreja
Lbj lição 6   O sustento da igrejaLbj lição 6   O sustento da igreja
Lbj lição 6 O sustento da igreja
boasnovassena
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
boasnovassena
 
Lbj lição 10 a missão social da igreja
Lbj lição 10    a missão social da igrejaLbj lição 10    a missão social da igreja
Lbj lição 10 a missão social da igreja
boasnovassena
 

Destaque (20)

Lbj lição 4 - O ministério da igreja
Lbj lição 4 -  O ministério da igrejaLbj lição 4 -  O ministério da igreja
Lbj lição 4 - O ministério da igreja
 
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igrejaLBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
LBJ Lição 13 - O que posso fazer por minha igreja
 
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestanteLBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
LBJ Lição 7 - A igreja na reforma protestante
 
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igrejaLBJ Lição 6 - O sustento da igreja
LBJ Lição 6 - O sustento da igreja
 
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da IgrejaLição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
Lição 01- A Origem e Desenvolvimento da Igreja
 
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igrejaLBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
LBJ Lição 5 - Ordenanças da igreja
 
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
Lbj lição 5   Ordenanças da igrejaLbj lição 5   Ordenanças da igreja
Lbj lição 5 Ordenanças da igreja
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
LBJ Lição 9 - A missão ensinadora da igreja
LBJ Lição 9 -  A missão ensinadora da igrejaLBJ Lição 9 -  A missão ensinadora da igreja
LBJ Lição 9 - A missão ensinadora da igreja
 
LBJ Lição 10 - A missão social da igreja
LBJ Lição 10 - A missão social da igrejaLBJ Lição 10 - A missão social da igreja
LBJ Lição 10 - A missão social da igreja
 
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituaisLBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
LBJ Lição 8 - A igreja e os dons espirituais
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidosLBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
LBJ Lição 12 - A igreja e a salvação dos perdidos
 
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8   a igreja e os dons espirituaisLbj liçao 8   a igreja e os dons espirituais
Lbj liçao 8 a igreja e os dons espirituais
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
 
Trabalho de administração eclesiástica
Trabalho de administração eclesiásticaTrabalho de administração eclesiástica
Trabalho de administração eclesiástica
 
Lbj lição 6 O sustento da igreja
Lbj lição 6   O sustento da igrejaLbj lição 6   O sustento da igreja
Lbj lição 6 O sustento da igreja
 
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7   A igreja na reforma protestanteLbj lição 7   A igreja na reforma protestante
Lbj lição 7 A igreja na reforma protestante
 
Lbj lição 10 a missão social da igreja
Lbj lição 10    a missão social da igrejaLbj lição 10    a missão social da igreja
Lbj lição 10 a missão social da igreja
 

Semelhante a Lbj lição 3 a organização da igreja

E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
Joel Silva
 
Teologia pastoral
Teologia pastoralTeologia pastoral
Teologia pastoral
ibaderj
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Roberto Trindade
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbitero
Heron20
 
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciaoLicao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
pralucianaevangelista
 
Razões da nossa fé lição 8
Razões da nossa fé   lição 8Razões da nossa fé   lição 8
Razões da nossa fé lição 8
Mariângela Domeniche Perdomo
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Éder Tomé
 
Liderança santa
Liderança santaLiderança santa
Liderança santa
Antonio Rodrigues
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
Joel Silva
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
Antonio Fernandes
 
Lição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconosLição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconos
Regio Davis
 
Teologia pastoral ibaderj
Teologia pastoral ibaderjTeologia pastoral ibaderj
Teologia pastoral ibaderj
Dangelo Nascimento
 
Teologia Pastoral
Teologia PastoralTeologia Pastoral
Teologia Pastoral
Ad Junior
 
Oração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãsOração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãs
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Celso Napoleon
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
Joel Silva
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
Natalino das Neves Neves
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
Joel Silva
 

Semelhante a Lbj lição 3 a organização da igreja (20)

E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
Teologia pastoral
Teologia pastoralTeologia pastoral
Teologia pastoral
 
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - EclesiologiaDoutrinas Bíblicas - Eclesiologia
Doutrinas Bíblicas - Eclesiologia
 
Curso para presbitero
Curso para presbiteroCurso para presbitero
Curso para presbitero
 
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciaoLicao 11 presbitero, bispo ou anciao
Licao 11 presbitero, bispo ou anciao
 
Razões da nossa fé lição 8
Razões da nossa fé   lição 8Razões da nossa fé   lição 8
Razões da nossa fé lição 8
 
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua OrganizaçãoLição 9 - A Igreja e sua Organização
Lição 9 - A Igreja e sua Organização
 
Liderança santa
Liderança santaLiderança santa
Liderança santa
 
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
2021 2º Trimestre Adulto Lição 11.pptx
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
 
Lição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconosLição 04 - Pastores e diáconos
Lição 04 - Pastores e diáconos
 
Teologia pastoral ibaderj
Teologia pastoral ibaderjTeologia pastoral ibaderj
Teologia pastoral ibaderj
 
Teologia Pastoral
Teologia PastoralTeologia Pastoral
Teologia Pastoral
 
Oração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãsOração e recomendação às mulheres cristãs
Oração e recomendação às mulheres cristãs
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptxLição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
Lição 6 - Igreja: Organismo e Organização.pptx
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
2014 2 tri lição 11 - O presbítero, bispo ou ancião
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
 

Mais de boasnovassena

LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempoLBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
boasnovassena
 
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
boasnovassena
 
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
Lbj lição 7   A ansiedade pela vidaLbj lição 7   A ansiedade pela vida
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
boasnovassena
 
Lbj lição 6 O pai-nosso
Lbj lição 6   O pai-nossoLbj lição 6   O pai-nosso
Lbj lição 6 O pai-nosso
boasnovassena
 
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesusLbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
boasnovassena
 
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
boasnovassena
 
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3   a lei e a justiça no reinoLbj lição 3   a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
boasnovassena
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
boasnovassena
 
1 chuva de graça
1   chuva de graça1   chuva de graça
1 chuva de graça
boasnovassena
 
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVORLBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
boasnovassena
 
572 Vencera
572    Vencera572    Vencera
572 Vencera
boasnovassena
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
boasnovassena
 
577 Em fervente oração
577    Em fervente oração577    Em fervente oração
577 Em fervente oração
boasnovassena
 
Lbj lição 10 a adoração sem conhecimento
Lbj lição 10  a adoração sem conhecimento Lbj lição 10  a adoração sem conhecimento
Lbj lição 10 a adoração sem conhecimento
boasnovassena
 
Lbj lição 9 a adoração integral ensinada por jesus
Lbj lição 9   a adoração integral ensinada por jesusLbj lição 9   a adoração integral ensinada por jesus
Lbj lição 9 a adoração integral ensinada por jesus
boasnovassena
 
Lbj lição 7 Quando o legalismo substitui a adoração
Lbj lição 7   Quando o legalismo substitui a adoraçãoLbj lição 7   Quando o legalismo substitui a adoração
Lbj lição 7 Quando o legalismo substitui a adoração
boasnovassena
 
Lbj lição 4 adoração como cumprimento da vontade de deus
Lbj lição 4    adoração como cumprimento da vontade de deusLbj lição 4    adoração como cumprimento da vontade de deus
Lbj lição 4 adoração como cumprimento da vontade de deus
boasnovassena
 
Lição 02 a obediência como adoração
Lição 02   a obediência como adoraçãoLição 02   a obediência como adoração
Lição 02 a obediência como adoração
boasnovassena
 
2016 3 tri lição 13 promessas a respeito do messias como servo sofredor
2016 3 tri lição 13   promessas a respeito do messias como servo sofredor2016 3 tri lição 13   promessas a respeito do messias como servo sofredor
2016 3 tri lição 13 promessas a respeito do messias como servo sofredor
boasnovassena
 
2016 3 tri lição 12 profecias de salvação e esperança
2016 3 tri lição 12   profecias de salvação e esperança2016 3 tri lição 12   profecias de salvação e esperança
2016 3 tri lição 12 profecias de salvação e esperança
boasnovassena
 

Mais de boasnovassena (20)

LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempoLBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
LBJ 2017 3 TRI Lição 5- Ansiedade, a antecipação do tempo
 
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundoLição 4  diga não ao ritmo de vida deste mundo
Lição 4 diga não ao ritmo de vida deste mundo
 
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
Lbj lição 7   A ansiedade pela vidaLbj lição 7   A ansiedade pela vida
Lbj lição 7 A ansiedade pela vida
 
Lbj lição 6 O pai-nosso
Lbj lição 6   O pai-nossoLbj lição 6   O pai-nosso
Lbj lição 6 O pai-nosso
 
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesusLbj lição 5   As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
Lbj lição 5 As exigências básicas da justiça sob a ótica de jesus
 
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei Lbj lição 4    Jesus e sua interpretação da lei
Lbj lição 4 Jesus e sua interpretação da lei
 
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3   a lei e a justiça no reinoLbj lição 3   a lei e a justiça no reino
Lbj lição 3 a lei e a justiça no reino
 
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2   sal da terra e luz do mundoLbj lição 2   sal da terra e luz do mundo
Lbj lição 2 sal da terra e luz do mundo
 
1 chuva de graça
1   chuva de graça1   chuva de graça
1 chuva de graça
 
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVORLBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
LBJ LIÇÃO 12 - MODISMOS NA ADORAÇAO E NO LOUVOR
 
572 Vencera
572    Vencera572    Vencera
572 Vencera
 
Lbj lição 11 A forma do culto
Lbj lição 11   A forma do cultoLbj lição 11   A forma do culto
Lbj lição 11 A forma do culto
 
577 Em fervente oração
577    Em fervente oração577    Em fervente oração
577 Em fervente oração
 
Lbj lição 10 a adoração sem conhecimento
Lbj lição 10  a adoração sem conhecimento Lbj lição 10  a adoração sem conhecimento
Lbj lição 10 a adoração sem conhecimento
 
Lbj lição 9 a adoração integral ensinada por jesus
Lbj lição 9   a adoração integral ensinada por jesusLbj lição 9   a adoração integral ensinada por jesus
Lbj lição 9 a adoração integral ensinada por jesus
 
Lbj lição 7 Quando o legalismo substitui a adoração
Lbj lição 7   Quando o legalismo substitui a adoraçãoLbj lição 7   Quando o legalismo substitui a adoração
Lbj lição 7 Quando o legalismo substitui a adoração
 
Lbj lição 4 adoração como cumprimento da vontade de deus
Lbj lição 4    adoração como cumprimento da vontade de deusLbj lição 4    adoração como cumprimento da vontade de deus
Lbj lição 4 adoração como cumprimento da vontade de deus
 
Lição 02 a obediência como adoração
Lição 02   a obediência como adoraçãoLição 02   a obediência como adoração
Lição 02 a obediência como adoração
 
2016 3 tri lição 13 promessas a respeito do messias como servo sofredor
2016 3 tri lição 13   promessas a respeito do messias como servo sofredor2016 3 tri lição 13   promessas a respeito do messias como servo sofredor
2016 3 tri lição 13 promessas a respeito do messias como servo sofredor
 
2016 3 tri lição 12 profecias de salvação e esperança
2016 3 tri lição 12   profecias de salvação e esperança2016 3 tri lição 12   profecias de salvação e esperança
2016 3 tri lição 12 profecias de salvação e esperança
 

Último

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 

Lbj lição 3 a organização da igreja

  • 1. 1º trimestre de 2017 lição 3 15 de Janeiro de 2017 A organização da Igreja Título: A Igreja de Jesus Cristo — Sua origem, doutrina, ordenanças e destino eterno Comentarista: Alexandre Coelho
  • 2.
  • 4. Agendadeleitura SEGUNDA — Fp 1.1 Bispos e diáconos em Filipos AGENDA DE LEITURA TERÇA — 1Co 4.9 Apóstolos vinham por último QUINTA — At 6.8 Milagres por meio de Estêvão SÁBADO — At 8.5 Um diácono evangelista SEXTA — At 2.42 Perseverança na doutrina dos apóstolos QUARTA — 1Co 14.40 Tudo deve ser feito com decência e ordem
  • 5. Objetivos COMPREENDER que a igreja, como qualquer instituição, precisa de organização; DISTINGUIR os modelos de governos eclesiásticos existentes em nossos dias; IDENTIFICAR os cargos Oficiais pertencentes à Igreja local Objetivos
  • 6. TextoBíblico Tito 1.1-9. 1 — Paulo, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo, segundo a fé dos eleitos de Deus e o conhecimento da verdade, que é segundo a piedade, 2 — em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos, 3 — mas, a seu tempo, manifestou a sua palavra pela pregação que me foi confiada segundo o mandamento de Deus, nosso Salvador, 4 — a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador. 5 — Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei: 6 — aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. 7 — Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; 8 — mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, 9 — retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes.
  • 7. Introdução Nesta lição, veremos a importância de se ter pessoas na igreja que a organizem, liderem e a mantenham dentro dos parâmetros esperados por Deus. Também aprenderemos sobre os três modelos de governo eclesiástico e veremos quais são os tipos de obreiros mencionados no Novo Testamento, que ajudam a organização e direção da igreja.
  • 8. I. A NECESSIDADE DE LIDERANÇAS NA IGREJA
  • 9. Por que precisamos de organização nas igrejas? 1 1 Toda instituição precisa ser organizada, e o mesmo ocorre com a igreja local. Uma igreja deve ser organizada para receber bem seus membros e visitantes, ter pessoas responsáveis atuando nos diversos ministérios e departamentos, checar se o santuário está aberto e em condições de receber pessoas para os momentos de culto e orações. Entretanto, mais do que os aspectos citados, a igreja precisa ser organizada, porque isso agrada a Deus. O Senhor tem planos e Ele anuncia seus planos aos seus filhos fazendo com que sejam realizados, e isso é organização. Se Deus preza por organização, não poderíamos imaginar que a sua Igreja deveria seguir um padrão diferente. Uma igreja desorganizada não reflete a perfeição do Evangelho.
  • 10. Direção. 1 2 A Igreja do Senhor precisa ter dirigentes que a conduzam e apascentem. Atos 20.28 fala que Paulo rogou aos anciãos de Éfeso: “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue”. Já na Igreja Primitiva havia a consciência de que a liderança das igrejas locais deveria ser exercida por homens que entendessem que a Igreja de Cristo foi fruto do amor de Cristo, demonstrado no alto preço que pagou por todos nós que o recebemos como Salvador.
  • 11. Dar ordem aos trabalhos. 1 3 E para quem pensa que não precisamos de organização em nossas igrejas, é preciso deixar claro que desde a Criação, Deus nos deu um exemplo de como todas as coisas devem ser ordenadas e organizadas. Ele primeiro fez e organizou o mundo em que o homem viveria, para depois criar o homem e colocá-lo na Terra. Imagine se Ele decidisse fazer o processo inverso, criando o homem primeiro para, depois, ir acomodando toda a criação em seu devido lugar...
  • 12. Uma igreja sem organização tem possibilidade de crescer e representar o Reino de Deus de forma adequada neste mundo? Pense
  • 13. Organização na igreja é algo tão necessário quanto a pregação da Palavra de Deus e o seu ensino. Ponto importante!
  • 14. II. FORMAS DE GOVERNO NA IGREJA A Igreja Cristã possui hoje pelo menos três modelos de governo, ou seja, formas como deve ser gerida. Episcopal Se baseia na liderança de um ministro, que toma as decisões da congregação Congregacional A congregação tem a palavra final nas questões relacionadas a gestão e culto. Congregacional Condução de pessoas eleitas como presbíteros, agrupadas em um colégio ou assembleia.
  • 15. Episcopal. 1 1 Esse modelo de governo eclesiástico é o mais comum. Ele se baseia na liderança de um ministro, que toma as decisões na congregação. Esse modelo deriva da palavra episkopos, que significa “supervisor”, alguém que observa de uma posição superior (a preposição epi, sobre, e o verbo skopeuo, que significa examinar), onde o pastor tem a autoridade sobre os componentes do ministério e sobre a congregação. Por estar esse modelo de governo sob a responsabilidade de um líder, é notório que, nele, a tomada de decisões seja menos engessada, mais ágil do que as demais formas de governo. Neste modelo, o pastor é auxiliado por outros obreiros, que cooperam em sua tomada de decisões.
  • 16. Congregacional. 1 2 Nesse modelo, a congregação tem a palavra final nas questões relacionadas à gestão e ao culto. O pastor tem a função de pregar a Palavra e ensiná-la, e os demais assuntos são trazidos para a assembleia, e ela decide o que vai ser feito em relação àqueles temas. Uma vez tomada a decisão, todo o grupo acata o que foi decidido.
  • 17. Presbiteral. 1 3 Este sistema é marcado pela condução de pessoas eleitas como presbíteros, agrupadas em um “colégio” ou assembleia. O pastor tem a função de pregar e zelar pela doutrina, e os presbíteros administram a congregação nos demais assuntos. É preciso entender que cada um desses sistemas tem suas funcionalidades, e que há igrejas que se adequam mais a um sistema do que a outro. O que não pode é haver uma igreja local sem um governo que a organize e administre.
  • 18. Organização na igreja é algo necessário e de extrema importância. Pense
  • 19. Os modelos de governo eclesiástico adequam- se conforme o entendimento que a liderança e a igreja possuem, dentro de grupos específicos. Ponto importante!
  • 21. Bispos e pastores. 1 1 O Novo Testamento apresenta os bispos e ministros como sendo os líderes voltados ao exercício da pregação, discipulado, evangelismo e ensino. Eles também tinham o dever de agir trazendo ordem ao culto. O trabalho pastoral exige muitas responsabilidades e deveres dos pastores. Além de zelar pela coerente pregação da Palavra de Deus, esses ministros devem zelar pelo cuidado do rebanho. O apóstolo Paulo enumerou algumas características necessárias ao exercício do ministério: o pastor deve ser honesto, marido de uma mulher, sóbrio, apto para ensinar, não pode ser uma pessoa violenta nem avarenta; deve ser moderado e ter um bom testemunho dos que estão fora da igreja (1Tm 3.2-7). Por essas características, podemos observar que Deus exige de seus ministros um alto padrão de qualidade e vida moral para estar diante de uma congregação. A Palavra ainda exige que o pastor não seja neófito, ou seja, uma pessoa sem experiência, não madura (1Tm 3.6). O motivo dessa ordem é para que o pastor, por imaturidade ou falta de experiência, não se torne soberbo e não caia na condenação do Diabo. São muitas, realmente, as exigências para os que aspiram ao santo ministério.
  • 22. Presbíteros. 1 2 Originalmente, presbíteros eram os chamados anciãos. Por força da experiência de vida, homens de mais idade eram requisitados para auxiliar no exercício da liderança, aconselhamento e na tomada de decisões. O Sinédrio, (gerousia), era composto por setenta anciãos (gerontos; da raiz geron vem a expressão geriatria), pessoas de mais idade. A palavra grega referente ao Conselho de Presbíteros é presbyterion, ou presbitério, que traz a ideia de um grupo de homens maduros, experimentados.
  • 23. Diáconos. 1 3 Ser um diácono na igreja primitiva era uma posição de grande honra, e ao mesmo tempo de grande responsabilidade. Atos 6.3 nos fala que os primeiros diáconos deveriam ser homens de boa reputação (boa fama e serem pessoas confiáveis), cheios do Espírito Santo e de sabedoria. Eles deveriam ser reconhecidos como pessoas de caráter ilibado. Outros requisitos ao diaconato foram acrescentados pelo apóstolo Paulo quando escreveu a Timóteo indicando-lhe, como ser homem de palavra, não ganancioso, marido de uma mulher e ter uma consciência limpa. Os diáconos deveriam cuidar das atribuições relacionadas às questões administrativas e sociais nas igrejas locais, auxiliando, dessa forma, os apóstolos, para que estes estivessem livres para se dedicarem à oração e ao ministério da Palavra. Em que pese o fato de os diáconos terem uma função mais ligada ao trabalho social, houve diáconos que se destacaram como pregadores. O primeiro mártir, Estêvão, era um diácono a quem Deus usou com sabedoria e operação de milagres (At 6.5,8); Estêvão foi a primeira pessoa que, após a ressurreição do Senhor, viu Jesus, em pé, ao lado de Deus (At 7.56). Felipe, outro diácono, foi usado por Deus na área do evangelismo e milagres em Samaria, evangelizou o eunuco etíope no deserto e teve uma experiência de ser arrebatado daquele lugar para outra localidade (At 8).
  • 24. O Novo Testamento nos mostra os diversos tipos de líderes da igreja e as suas atribuições no funcionamento das igrejas. Pense
  • 25. O respeito às autoridades da igreja sempre foi necessário, seja porque trabalham como servos de Deus e possuem autoridade dada por Deus, seja por sua experiência de vida e serviços junto à igreja local. Ponto importante!
  • 26. Nesta lição, vimos como é importante a igreja ser organizada e ter líderes que zelem por transmitir as verdades das Sagradas Escrituras por meio da pregação e do ensino, e que ajudem com sua experiência as demais atividades da igreja local.
  • 27. Horadarevisão 1. Por que precisamos de organização nas igrejas? Uma igreja deve ser organizada para receber bem seus membros e visitantes, ter pessoas responsáveis atuando nos diversos ministérios e departamentos, checar se o santuário possui as condições de receber pessoas para os momentos de culto e orações. 2. Cite três modelos de governo da igreja. Episcopal, congregacional e presbiteral. 3. Qual é o modelo de governo eclesiástico mais comum? Episcopal. 4. Quais são os líderes voltados para o exercício da pregação e do discipulado? Bispos e pastores. 5. Quais as características necessárias ao exercício do ministério? O candidato deve ser honesto, marido de uma mulher, sóbrio, apto para ensinar, não pode ser uma pessoa violenta nem avarenta; deve ser moderado e ter um bom testemunho dos que estivessem fora da igreja (1Tm 4.3).
  • 28. A seguir. Canais que auxiliam a lição
  • 29. Para aprofundar o estudo. Na lição de Adultos: A igreja e o seu testemunho tem um estudo Que pode auxiliar na sua aula. Segue o link: http://auxilioebd.blogspot.com.br/2015/09/licao-11-organizacao-de-uma-igreja-local.html Abaixo alguns vídeos que complementam