SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO
Nessa lição veremos o quanto o crente deve ser
cuidadoso na maneira de falar com os outros.
Tema do terceiro capítulo da epístola, o meio-irmão do
Senhor escreve sobre um pequeno membro do nosso
corpo: a língua.
Este acanhado, mas poderoso órgão humano, pode
destruir ou edificar a vida das pessoas.
Por isso, a nossa língua deve ser controlada pelo
Espírito Santo a fim de sermos canais de bênçãos para
aqueles que nos ouve.
I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)
 1. O rigor com os mestres.
 A palavra hebraica para mestre é rabbi, cujo significado é "meu
mestre". Os mestres eram honrados em toda a comunidade judaica,
gozando de grande respeito e prestígio.
 Na realidade, o ofício rabínico era uma das posições mais almejadas
pelos judeus, pois era notória a influência dos mestres sobre as pessoas
(Mt 23.1-7).
 Daí o porquê de muitos ambicionarem tal posição. E é exatamente
alarmado por isso que Tiago inicia então o capítulo três, referindo-se
aos que acalentavam essa aspiração, visando obter prestígio, privilégio
e fama, a que tivessem cuidado (v.1).
 Antes de almejarmos o ministério da Palavra devemos estar cônscios
de nossa responsabilidade e de que um dia o Altíssimo nos pedirá conta
dos atos e dos talentos a nós dispensados.
I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)
 2. A seriedade com os mestres na igreja (v.1).
 Em Mateus 5.19 lemos sobre a advertência de Jesus quanto à
seriedade e a fidelidade dos discípulos no ensino do
Evangelho.
 Devido a sua importância, Jesus estabeleceu o ensino como
um meio de propagar o Evangelho a toda criatura e, assim,
ordenou a sua Igreja que fizesse seguidores do Caminho pelo
mundo (Mt 28.19,20).
 É interessante notarmos o paralelo que Tiago faz em relação
à advertência proferida por Jesus em tempo anterior: Quem
foi vocacionado para ser mestre não pode ter o "espírito" dos
fariseus, mas o de Cristo (Mc 12.38-40).
I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)
 3. Perfeição que domina o corpo (v.2).
 Quem domina ou controla a sua língua, sem cometer delitos
(excessos, descontroles, julgamentos precipitados,
difamações, etc.), sem dúvida, é "perfeito".
 O controle da língua significa que a pessoa tem a capacidade
de controlar as demais áreas da vida, pois a língua é poderosa
"para também refrear todo o corpo".
 Quem tem domínio sobre a língua, tem igualmente o coração
preservado, pois a boca fala do que o coração está cheio.
 Discipline-se! Faça um propósito com Deus e consigo
mesmo: não empreste os seus lábios para fazer o mal.
R. A palavra hebraica para mestre é rabbi, cujo
significado é "meu mestre".
R. Jesus estabeleceu o ensino como um meio de
propagar o Evangelho a toda criatura e, assim,
ordenou a sua Igreja que fizesse seguidores do
caminho pelo mundo (Mt 28.19,20).
R. O controle da língua significa que a pessoa tem a capacidade de controlar as demais
áreas da vida, pois a língua é poderosa "para também refrear todo o corpo".
II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)
 1. As pequenas coisas no governo do todo (v.3-5).
 Tiago faz uma analogia acerca da nossa capacidade de usarmos
a língua. Ele remete-nos ao exemplo do leme dos navios e do
freio dos cavalos.
 Apesar de tais objetos serem pequenos, porém, são
fundamentais para controlar e dirigir transportes grandes e
pesados.
 Assim, o apóstolo nos mostra que, apesar de pequena, a língua
é capaz de realizar grandes empreendimentos - edificantes ou
destrutivos.
 Como um pequeno membro é capaz de "acender um bosque
inteiro"?
II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)
 2. "A língua também é um fogo" (vv.6,7).
 Quantas pessoas não frequentam mais as nossas reuniões
porque foram feridas com palavras?
 Você já se fez essa pergunta?
 É preciso usar nossa língua sabiamente, pois "a morte e a vida
estão no poder da língua [...]" (Pv 18.21).
 Grande parte dos incêndios nas florestas inicia através de uma
pequena fagulha. Todavia, essa faísca alastra-se podendo
destruir grandes áreas de vegetação.
 Da mesma forma, são as palavras por nós pronunciadas. Se não
forem proclamadas com bom senso, muitas tragédias podem
acontecer.
II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)
 3. Para dominar a língua.
 Ainda no versículo sete, Tiago faz outra ilustração em relação ao tema
do uso da língua. Ele mostra que a natureza humana conseguiu domar
e adestrar as bestas-feras, as aves, os répteis e os animais do mar.
 Mas a língua do ser humano até hoje não houve quem fosse capaz de
dominar. Por esforço próprio o homem não terá forças para domar o
seu desejo e as suas vontades.
 Mas quando Deus passa a nos governar, a língua do crente deixa de
ser um órgão de destruição e passa a ser um instrumento poderoso e
abençoador, usado para o louvor da glória do Eterno.
 A fim de dominar a nossa língua, devemos entregar o nosso coração
inteiramente ao Senhor, "Pois do que há em abundância no coração,
disso fala a boca" (Mt 12.34).
R. A fim de dominar a nossa língua, devemos
entregar o nosso coração inteiramente ao Senhor,
"pois do que há em abundância no coração, disso
fala a boca" (Mt 12.34).
III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA
(Tg 3.10-12)
 1. Bênção e maldição (v.10).
 Tiago até reconhece a possibilidade de alguém usar a língua de
modo ambíguo.
 Entretanto, deve a mesma língua que expressa o amor a Deus,
deixar-se usar para destruir pessoas? Apesar de o meio-irmão do
Senhor dizer que tudo que existe obedece sua própria natureza, se
experimentamos o novo nascimento, tornamo-nos uma nova
criação, isto é, adquirimos outra natureza.
 Esta tem de ser manifesta em nosso falar e agir. Portanto, se você
foi transformado pela graça de Deus mediante a fé de Cristo, a sua
língua não pode ser um instrumento maligno.
 A fofoca, a mentira, a calúnia e a difamação são obras carnais e
não podem ter lugar em nossa vida.
III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA
(Tg 3.10-12)
2. Exemplos da natureza (vv.11,12).
O líder da igreja de Jerusalém usa dois exemplos da
natureza para apontar a incoerência de agirmos
duplamente. Tiago questiona a possibilidade de a fonte que
jorra água doce jorrar igualmente água salgada.
Para provar a impossibilidade natural deste fenômeno, o
meio-irmão do Senhor pergunta, de maneira retórica, se
uma figueira poderia produzir azeitonas, e a videira, figos.
Naturalmente, a resposta é um sonoro não! Portanto, a
pessoa que bendiz ao Senhor não maldiz o próximo. Se
Deus é amor, como podemos odiar alguém?
III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA
(Tg 3.10-12)
3. Uma única fonte.
Aquele que bebe da água da vida não pode fazer jorrar
água para morte. Quem bebe da água limpa do Cristo
de Deus não pode transbordar água suja.
Portanto, a palavra proferida por um discípulo de
Cristo deve edificar os irmãos, dar graça aos que
ouvem e sarar quem se encontra ferido.
R. As palavras da boca do homem são águas
profundas (Pv 18.4).
CONCLUSÃO
Uma vez Salomão disse que a boca do justo é
manancial de vida (Pv 10.11), e que as palavras da
boca do homem são águas profundas (Pv 18.4).
Tomemos o devido cuidado com a maneira como
usamos a nossa língua. Não esqueçamos que, no dia
do Juízo, daremos conta a Deus de toda palavra ociosa
proferida pela nossa boca (Mt 12.36).
ACESSE O NOSSO SITE
www.escola-dominical.com
www.proaviva.blogspot.com
Produção dos slides
Ev. Ismael Pereira de Oliveira
&
Ismael Isidio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obras
Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obrasLição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obras
Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obrasNatalino das Neves Neves
 
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas ObrasAlexsandro Martins
 
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1igreja-crista
 
Lição 3 - O Crescimento do Reino de Deus
Lição 3 - O Crescimento do Reino de DeusLição 3 - O Crescimento do Reino de Deus
Lição 3 - O Crescimento do Reino de DeusÉder Tomé
 
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lourinaldo Serafim
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoÉder Tomé
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de JesusAs parábolas de Jesus
As parábolas de JesusQuenia Damata
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresÉder Tomé
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática iissuser2f0b10
 
Conferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilConferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilHelio Diniz
 
A fé se manifesta em obras
A fé se manifesta em obrasA fé se manifesta em obras
A fé se manifesta em obrasMoisés Sampaio
 
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOS
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOSEPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOS
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOSESCRIBAVALDEMIR
 
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS Carlos Oliveira
 
13405570 chamada-da-meia-noite-10-2006
13405570 chamada-da-meia-noite-10-200613405570 chamada-da-meia-noite-10-2006
13405570 chamada-da-meia-noite-10-2006antonio ferreira
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasÉder Tomé
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaErberson Pinheiro
 
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)leniogravacoes
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusÉder Tomé
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoErberson Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obras
Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obrasLição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obras
Lição 1 - TIAGO Fé que se mostra pelas obras
 
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
 
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
Uma vida equilibrada (carta de Tiago) - Parte 1
 
Lição 3 - O Crescimento do Reino de Deus
Lição 3 - O Crescimento do Reino de DeusLição 3 - O Crescimento do Reino de Deus
Lição 3 - O Crescimento do Reino de Deus
 
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
 
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito SantoLição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
Lição 1 - A Pessoa do Espírito Santo
 
As parábolas de Jesus
As parábolas de JesusAs parábolas de Jesus
As parábolas de Jesus
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática ii
 
Conferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilConferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasil
 
A fé se manifesta em obras
A fé se manifesta em obrasA fé se manifesta em obras
A fé se manifesta em obras
 
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOS
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOSEPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOS
EPÍSTOLA DE TIAGO COM COMENTÁRIOS
 
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
ESTUDOS NO NOVO TESTAMENTO AS CARTAS PAULINAS
 
Reino de deus
Reino de deusReino de deus
Reino de deus
 
13405570 chamada-da-meia-noite-10-2006
13405570 chamada-da-meia-noite-10-200613405570 chamada-da-meia-noite-10-2006
13405570 chamada-da-meia-noite-10-2006
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
 
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
COMENTARIO BIBLICO-2 timóteo (moody)
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
 
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito SantoLição 5 - A identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A identidade do Espírito Santo
 

Destaque

LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOIsmael Isidio
 
O presbítero, bispo ou ancião
O presbítero, bispo ou anciãoO presbítero, bispo ou ancião
O presbítero, bispo ou anciãoMoisés Sampaio
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORIsmael Isidio
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSIsmael Isidio
 
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaIsmael Isidio
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURAIsmael Isidio
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 124turmasintoniafraterna
 

Destaque (8)

LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
O presbítero, bispo ou ancião
O presbítero, bispo ou anciãoO presbítero, bispo ou ancião
O presbítero, bispo ou ancião
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
 
A Conduta do Pastor
A Conduta do PastorA Conduta do Pastor
A Conduta do Pastor
 
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
 
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
Instituição dos diaconos slides 1 ao 12
 

Semelhante a LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA

LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.Lourinaldo Serafim
 
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 -
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 - O Cuidado Com a Língua - Lição 8 -
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 - Pr. Andre Luiz
 
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUANatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDEIsmael Isidio
 
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014Pr. Andre Luiz
 
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUS
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUSLIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUS
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUSLourinaldo Serafim
 
07. como deus nos fala
07. como deus nos fala07. como deus nos fala
07. como deus nos falapohlos
 
O Cuidado com aquilo que falamos.
O Cuidado com aquilo que falamos.O Cuidado com aquilo que falamos.
O Cuidado com aquilo que falamos.Antonio Fernandes
 
Lição 5 o poder da intercessão
Lição 5   o poder da intercessãoLição 5   o poder da intercessão
Lição 5 o poder da intercessãoprvladimir
 
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptxSlide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptxssuserc15eea1
 
A fé pela qual eu vivo egw
A fé pela qual eu vivo   egwA fé pela qual eu vivo   egw
A fé pela qual eu vivo egwAlex Olivindo
 
Manual para novos convertidos2
Manual para novos convertidos2Manual para novos convertidos2
Manual para novos convertidos2Willams Alfaia
 
A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos  A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Gerson G. Ramos
 

Semelhante a LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA (20)

LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.
LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA.
 
Lição 07
Lição 07Lição 07
Lição 07
 
O cuidado com a língua
O cuidado com a línguaO cuidado com a língua
O cuidado com a língua
 
O cuidado com a lingua
O cuidado com a linguaO cuidado com a lingua
O cuidado com a lingua
 
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 -
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 - O Cuidado Com a Língua - Lição 8 -
O Cuidado Com a Língua - Lição 8 -
 
Boletim cbg 22_set_2013
Boletim cbg 22_set_2013Boletim cbg 22_set_2013
Boletim cbg 22_set_2013
 
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA
2014 3 TRI LIÇÃO 8 - O CUIDADO COM A LÍNGUA
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
 
O cuidado com a língua
O cuidado com a línguaO cuidado com a língua
O cuidado com a língua
 
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014
O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA - LIÇÃO 5 - 3°TRI.2014
 
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUS
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUSLIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUS
LIÇÃO 11 – O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTENCEM A DEUS
 
07. como deus nos fala
07. como deus nos fala07. como deus nos fala
07. como deus nos fala
 
"O poder da Língua"
"O poder da Língua""O poder da Língua"
"O poder da Língua"
 
A língua
A línguaA língua
A língua
 
O Cuidado com aquilo que falamos.
O Cuidado com aquilo que falamos.O Cuidado com aquilo que falamos.
O Cuidado com aquilo que falamos.
 
Lição 5 o poder da intercessão
Lição 5   o poder da intercessãoLição 5   o poder da intercessão
Lição 5 o poder da intercessão
 
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptxSlide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptx
Slide - EBD ADEB 2022 Licao 07 1Trim (1).pptx
 
A fé pela qual eu vivo egw
A fé pela qual eu vivo   egwA fé pela qual eu vivo   egw
A fé pela qual eu vivo egw
 
Manual para novos convertidos2
Manual para novos convertidos2Manual para novos convertidos2
Manual para novos convertidos2
 
A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos  A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
A vida cristã_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 

Mais de Ismael Isidio

LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTAIsmael Isidio
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETAIsmael Isidio
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosIsmael Isidio
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoIsmael Isidio
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poderIsmael Isidio
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOIsmael Isidio
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituaisIsmael Isidio
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homensIsmael Isidio
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSIsmael Isidio
 

Mais de Ismael Isidio (9)

LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
 

Último

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

LIÇÃO 08 – O CUIDADO COM A LÍNGUA

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. INTRODUÇÃO Nessa lição veremos o quanto o crente deve ser cuidadoso na maneira de falar com os outros. Tema do terceiro capítulo da epístola, o meio-irmão do Senhor escreve sobre um pequeno membro do nosso corpo: a língua. Este acanhado, mas poderoso órgão humano, pode destruir ou edificar a vida das pessoas. Por isso, a nossa língua deve ser controlada pelo Espírito Santo a fim de sermos canais de bênçãos para aqueles que nos ouve.
  • 8.
  • 9. I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)  1. O rigor com os mestres.  A palavra hebraica para mestre é rabbi, cujo significado é "meu mestre". Os mestres eram honrados em toda a comunidade judaica, gozando de grande respeito e prestígio.  Na realidade, o ofício rabínico era uma das posições mais almejadas pelos judeus, pois era notória a influência dos mestres sobre as pessoas (Mt 23.1-7).  Daí o porquê de muitos ambicionarem tal posição. E é exatamente alarmado por isso que Tiago inicia então o capítulo três, referindo-se aos que acalentavam essa aspiração, visando obter prestígio, privilégio e fama, a que tivessem cuidado (v.1).  Antes de almejarmos o ministério da Palavra devemos estar cônscios de nossa responsabilidade e de que um dia o Altíssimo nos pedirá conta dos atos e dos talentos a nós dispensados.
  • 10.
  • 11. I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)  2. A seriedade com os mestres na igreja (v.1).  Em Mateus 5.19 lemos sobre a advertência de Jesus quanto à seriedade e a fidelidade dos discípulos no ensino do Evangelho.  Devido a sua importância, Jesus estabeleceu o ensino como um meio de propagar o Evangelho a toda criatura e, assim, ordenou a sua Igreja que fizesse seguidores do Caminho pelo mundo (Mt 28.19,20).  É interessante notarmos o paralelo que Tiago faz em relação à advertência proferida por Jesus em tempo anterior: Quem foi vocacionado para ser mestre não pode ter o "espírito" dos fariseus, mas o de Cristo (Mc 12.38-40).
  • 12.
  • 13. I - A SERIEDADE DOS MESTRES (Tg 3.1,2)  3. Perfeição que domina o corpo (v.2).  Quem domina ou controla a sua língua, sem cometer delitos (excessos, descontroles, julgamentos precipitados, difamações, etc.), sem dúvida, é "perfeito".  O controle da língua significa que a pessoa tem a capacidade de controlar as demais áreas da vida, pois a língua é poderosa "para também refrear todo o corpo".  Quem tem domínio sobre a língua, tem igualmente o coração preservado, pois a boca fala do que o coração está cheio.  Discipline-se! Faça um propósito com Deus e consigo mesmo: não empreste os seus lábios para fazer o mal.
  • 14.
  • 15. R. A palavra hebraica para mestre é rabbi, cujo significado é "meu mestre". R. Jesus estabeleceu o ensino como um meio de propagar o Evangelho a toda criatura e, assim, ordenou a sua Igreja que fizesse seguidores do caminho pelo mundo (Mt 28.19,20). R. O controle da língua significa que a pessoa tem a capacidade de controlar as demais áreas da vida, pois a língua é poderosa "para também refrear todo o corpo".
  • 16.
  • 17. II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)  1. As pequenas coisas no governo do todo (v.3-5).  Tiago faz uma analogia acerca da nossa capacidade de usarmos a língua. Ele remete-nos ao exemplo do leme dos navios e do freio dos cavalos.  Apesar de tais objetos serem pequenos, porém, são fundamentais para controlar e dirigir transportes grandes e pesados.  Assim, o apóstolo nos mostra que, apesar de pequena, a língua é capaz de realizar grandes empreendimentos - edificantes ou destrutivos.  Como um pequeno membro é capaz de "acender um bosque inteiro"?
  • 18.
  • 19. II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)  2. "A língua também é um fogo" (vv.6,7).  Quantas pessoas não frequentam mais as nossas reuniões porque foram feridas com palavras?  Você já se fez essa pergunta?  É preciso usar nossa língua sabiamente, pois "a morte e a vida estão no poder da língua [...]" (Pv 18.21).  Grande parte dos incêndios nas florestas inicia através de uma pequena fagulha. Todavia, essa faísca alastra-se podendo destruir grandes áreas de vegetação.  Da mesma forma, são as palavras por nós pronunciadas. Se não forem proclamadas com bom senso, muitas tragédias podem acontecer.
  • 20.
  • 21. II - A CAPACIDADE DA LÍNGUA (Tg 3.3-9)  3. Para dominar a língua.  Ainda no versículo sete, Tiago faz outra ilustração em relação ao tema do uso da língua. Ele mostra que a natureza humana conseguiu domar e adestrar as bestas-feras, as aves, os répteis e os animais do mar.  Mas a língua do ser humano até hoje não houve quem fosse capaz de dominar. Por esforço próprio o homem não terá forças para domar o seu desejo e as suas vontades.  Mas quando Deus passa a nos governar, a língua do crente deixa de ser um órgão de destruição e passa a ser um instrumento poderoso e abençoador, usado para o louvor da glória do Eterno.  A fim de dominar a nossa língua, devemos entregar o nosso coração inteiramente ao Senhor, "Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca" (Mt 12.34).
  • 22.
  • 23. R. A fim de dominar a nossa língua, devemos entregar o nosso coração inteiramente ao Senhor, "pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca" (Mt 12.34).
  • 24.
  • 25. III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA (Tg 3.10-12)  1. Bênção e maldição (v.10).  Tiago até reconhece a possibilidade de alguém usar a língua de modo ambíguo.  Entretanto, deve a mesma língua que expressa o amor a Deus, deixar-se usar para destruir pessoas? Apesar de o meio-irmão do Senhor dizer que tudo que existe obedece sua própria natureza, se experimentamos o novo nascimento, tornamo-nos uma nova criação, isto é, adquirimos outra natureza.  Esta tem de ser manifesta em nosso falar e agir. Portanto, se você foi transformado pela graça de Deus mediante a fé de Cristo, a sua língua não pode ser um instrumento maligno.  A fofoca, a mentira, a calúnia e a difamação são obras carnais e não podem ter lugar em nossa vida.
  • 26.
  • 27. III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA (Tg 3.10-12) 2. Exemplos da natureza (vv.11,12). O líder da igreja de Jerusalém usa dois exemplos da natureza para apontar a incoerência de agirmos duplamente. Tiago questiona a possibilidade de a fonte que jorra água doce jorrar igualmente água salgada. Para provar a impossibilidade natural deste fenômeno, o meio-irmão do Senhor pergunta, de maneira retórica, se uma figueira poderia produzir azeitonas, e a videira, figos. Naturalmente, a resposta é um sonoro não! Portanto, a pessoa que bendiz ao Senhor não maldiz o próximo. Se Deus é amor, como podemos odiar alguém?
  • 28.
  • 29. III - NÃO PODEMOS AGIR DE DUPLA MANEIRA (Tg 3.10-12) 3. Uma única fonte. Aquele que bebe da água da vida não pode fazer jorrar água para morte. Quem bebe da água limpa do Cristo de Deus não pode transbordar água suja. Portanto, a palavra proferida por um discípulo de Cristo deve edificar os irmãos, dar graça aos que ouvem e sarar quem se encontra ferido.
  • 30.
  • 31. R. As palavras da boca do homem são águas profundas (Pv 18.4).
  • 32.
  • 33. CONCLUSÃO Uma vez Salomão disse que a boca do justo é manancial de vida (Pv 10.11), e que as palavras da boca do homem são águas profundas (Pv 18.4). Tomemos o devido cuidado com a maneira como usamos a nossa língua. Não esqueçamos que, no dia do Juízo, daremos conta a Deus de toda palavra ociosa proferida pela nossa boca (Mt 12.36).
  • 34.
  • 35. ACESSE O NOSSO SITE www.escola-dominical.com www.proaviva.blogspot.com Produção dos slides Ev. Ismael Pereira de Oliveira & Ismael Isidio