SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL
UNIDADE ACADÊMICA DE MEDICINA VETERINÁRIA
2/27
Sumário
• Introdução;
• Leptospira;
– Classificação;
– Caracterização;
• Leptospirose;
– Espécies Susceptíveis;
• Leptospirose em cães;
– Etiologia;
– Características clínicas;
– Transmissão;
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
3/27
Sumário
– Patogenia;
– Patologia;
– Diagnóstico;
– Tratamento;
– Imunização;
• Conclusão.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
4/27
Introdução
• Leptospirose é uma zoonose susceptível a qualquer espécie de
mamífero, causada por uma bactéria do gênero Leptospira;
• A leptospirose tem no rato o seu principal reservatório,
seguido pelo cão. Os cães representam uma fonte comum de
infecção para o homem;
• A doença ocorre tanto na zona rural quanto na zona urbana e
está intimamente relacionada aos períodos de chuva.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
5/27
Leptospira
• Classificação:
– O gênero Leptospira juntamente com Leptonema e Turneria pertence a
família Leptospiraceae. O gênero leptospira tem 20 espécies;
– Os principais sorovares associados às infecções de carnívoros são:
Canicola e Icterohaemorrhagiae.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
6/27
Leptospira
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
• Caracterização:
– A Leptospira é uma bactéria classificada como espiroqueta devido sua
forma helicoidal;
7/27
Leptospira
– São organismos filamentosos, helicoidais e móveis (FAINE;
STALLMAN, 1982);
– Tem aproximadamente 10 a 20 µm de comprimento e 0,1 a 0,2 µm de
largura (FAINE; STALLMAN, 1982);
– São Gram negativas e vivem em tecidos de animais, no solo úmido, na
lama e em águas paradas (FAINE; STALLMAN, 1982);
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
8/27
Leptospira
– Apresentam nas extremidades endoflagelos;
– Apresentam uma membrane externa.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
FONTE: www.lookfordiagnosis.com
9/27
Leptospirose
• Susceptível a qualquer espécie de mamíferos (BHARTI et al.,
2013);
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
10/27
Leptospirose em cães
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
• Em cães, a doença é frequentemente fatal e, desde meados da
década de 1990 recebeu o status de reemergente na América
(SYKES et al., 2011);
• Afeta cães de ambos os sexos, de todas as raças, independente
da idade;
11/27
Etiologia
• Sorovares comuns entre cães: L. Canicola e L.
Icterohaemorrhagiae;
• As leptospiras penetram no organismo pela pele lesada ou
mucosa intactas;
• Após a penetração multiplicam-se rapidamente na circulação
sanguínea;
• Período de incubação de 4 a 12 dias;
• Alvos primários são os rins, fígado e placenta.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
12/27
Características clínicas
• Sintomas iniciais:
– Febre;
– Depressão;
– Letargia;
– Sede constante;
– Perda de apetite;
– Andar encurvado;
– Taquipnéia;
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
13/27
Características clínicas
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
• Sintomas posteriores:
– Úlceras na boca e língua;
– Fezes escurecidas;
– Vômito;
– Diarréia;
– Mialgia;
– Icterícia;
14/27
Características clínicas
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
• Em filhotes ocorre septicemia fulminante de no máximo 3 dias
de evolução, é observado:
– Tendência a hemorragias;
– Hematêmese;
– Melena;
– Epistaxe;
– Petéquias nas membranas mucosas.
15/27
Transmissão
• Segundo BOLIN (1996), a transmissão pode ser:
– Direta: Ocorre através do contato com urina infectada, através do
sangue, de envoltórios e líquidos fetais;
– Indireta: Quando cães são expostos ao solo e água contaminada.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
16/27
Patogenia
• O período de incubação da doença dura de 4-12 dias;
• As leptospiras multiplicam-se ativamente a nível intersticial e
nos humores orgânicos (sangue, linfa e liquor), caracterizando
um quadro agudo septicêmico denominado de leptospiremia;
• Inflamação generalizada durante o período de invasão tecidual;
• Colonização renal ocorre na maioria dos animais infectados;
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
17/27
Patogenia
• Leptospirúria e imunidade;
– Estabelecimento das leptospiras em locais de difícil acesso aos
mesmos;
– Pode ser intermitente e durar de meses a anos.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
18/27
Patologia
• Na necropsia os cães apresentavam icterícia;
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
19/27
Patologia
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
• O fígado apresentava alterações macroscópicas em vários cães:
– Mudança na cor do órgão, acentuação do padrão lobular e aumento
difuso de volume
20/27
Patologia
• Alterações renais macroscópicas:
– Descolorações, estriações brancas, aumento difuso de volume, e
discreta irregularidade da superfície capsular;
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
21/27
Patologia
• No pulmão ocorreu edema e hemorragia:
– Apresentavam variável quantidade de espuma amarela, rósea ou
vermelha no interior da traqueia.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
22/27
Diagnóstico
• Material coletado para diagnóstico:
– Sangue;
– Urina;
– Líquor;
– Tecidos: rim e fígado;
– Sêmen.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
23/27
Diagnóstico
• Método de detecção de anticorpo:
– ELISA.
• Métodos de detecção de antígeno:
– Imunofluorescência;
– Microscopia de campo escuro;
– Reação em cadeia de polimerase (PCR);
– Histoquímica e imuno-histoquímica.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
24/27
 Leptospira canicola ;
 Leptospira icterohaemorrhagiae;
 Leptospira grippotyphosa;
 Leptospira pomona.
Imunização
• Vacina administrada em três doses quando o cão estiver com
respectivamente 45, 66 e 87 dias de vida;
• É indicado reforço a cada 6 meses para animais que estão
altamente expostos ao risco de infecção;
• A vacina protege contra o desenvolvimento da doença, mas
nem sempre previne contra instalação das leptospiras no rim.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
 Leptospira canicola ;
 Leptospira icterohaemorrhagiae.
25/27
Tratamento
• O tratamento para leptospirose canina consiste basicamente em
antibiótico terapia e tratamento de suporte. Os antibióticos de
escolha utilizados no tratamento da leptospirose, são:
penicilina G procaína na dose de 40. 0000 U/Kg a
80.000U/Kg, a cada 12 horas, na fase de leptospiremia e
doxiciclina na dose de 2,5 a 5,0 mg/Kg,
• Tratamentos para aumentar o fluxo sanguíneo renal:
fluidoterapia, manitol, furosemida ou dopamina.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
26/27
Conclusão
• A leptospirose é de fácil transmissão para o cão;
• O manejo adequado pode evitar a contaminação;
• Leptospirose é responsável por 2,2% das causas de morte ou
razão para eutanásia de cães e corresponde à quarta doença
infecciosa mais frequente diagnosticada nessa espécie, com
prevalência de 6,4%.
LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
OBRIGADO!
michelolliveira@live.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
gecoufba
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
Marcos Stopa
 
Sistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterináriaSistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterinária
Marília Gomes
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Carolina Trochmann
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
Raimundo Tostes
 
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
Anatomia topográfica   acessos - abdome 1Anatomia topográfica   acessos - abdome 1
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
Vivian Leao
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
Marília Gomes
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
Universidade Federal de Viçosa
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
UFPEL
 
Dirofilariose canina
Dirofilariose caninaDirofilariose canina
Dirofilariose canina
Mariane Gomes
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
Raimundo Tostes
 
Rinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos SuínosRinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos Suínos
Vitória Gusmão
 
Dermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em CãesDermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em Cães
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Tripanossomose bovina
Tripanossomose bovinaTripanossomose bovina
Tripanossomose bovina
Maria Alice Sene
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animalSistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Marília Gomes
 
Apostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet QualittasApostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet Qualittas
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Babesiose
BabesioseBabesiose
Babesiose
Maria Alice Sene
 
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandoraCistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Carolina Trochmann
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
feraps
 

Mais procurados (20)

Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
Haemonchus apresentação final [modo de compatibilidade]
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
 
Sistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterináriaSistema respiratório veterinária
Sistema respiratório veterinária
 
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção? Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
Leptospira spp em gatos: estamos subestimando essa infecção?
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
 
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
Anatomia topográfica   acessos - abdome 1Anatomia topográfica   acessos - abdome 1
Anatomia topográfica acessos - abdome 1
 
Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145Protozoologia - vet145
Protozoologia - vet145
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
 
Dirofilariose canina
Dirofilariose caninaDirofilariose canina
Dirofilariose canina
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Rinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos SuínosRinite Atrófica dos Suínos
Rinite Atrófica dos Suínos
 
Dermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em CãesDermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em Cães
 
Tripanossomose bovina
Tripanossomose bovinaTripanossomose bovina
Tripanossomose bovina
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animalSistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
 
Apostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet QualittasApostila - DermaVet Qualittas
Apostila - DermaVet Qualittas
 
Babesiose
BabesioseBabesiose
Babesiose
 
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandoraCistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
Cistite Intersticial Felina e Síndrome de pandora
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 

Destaque

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Leptospirose 1 A
Leptospirose 1 ALeptospirose 1 A
Leptospirose 1 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)
Samara Viana
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Guida Abreu
 
Leptospirose
Leptospirose Leptospirose
Leptospirose
CBPortfolio
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nome Sobrenome
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Aryelle Fernandes
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
Maira Veruska
 
Leptospirose final
Leptospirose  finalLeptospirose  final
Leptospirose final
Iris Ricardo Rossin
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
ACSHospitais
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Mariinazorzi
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Christovam Barcellos
 
Microorganismo prof Oto
Microorganismo prof OtoMicroorganismo prof Oto
Microorganismo prof Oto
OTO SABINO
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Universidade de Brasília
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
Evelyn Monte
 
Trabalho de leptospirose
Trabalho de leptospiroseTrabalho de leptospirose
Trabalho de leptospirose
Daniela Santos
 
Micoplasmosis aviar
Micoplasmosis aviarMicoplasmosis aviar
Micoplasmosis aviar
juanalbertop
 
Mycoplasma aves
Mycoplasma avesMycoplasma aves
Mycoplasma aves
Marisol Londoño Gil
 
Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)
SirJoão DeMolay
 

Destaque (19)

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose 1 A
Leptospirose 1 ALeptospirose 1 A
Leptospirose 1 A
 
Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
Leptospirose Leptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
 
Leptospirose final
Leptospirose  finalLeptospirose  final
Leptospirose final
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
 
Microorganismo prof Oto
Microorganismo prof OtoMicroorganismo prof Oto
Microorganismo prof Oto
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
 
Trabalho de leptospirose
Trabalho de leptospiroseTrabalho de leptospirose
Trabalho de leptospirose
 
Micoplasmosis aviar
Micoplasmosis aviarMicoplasmosis aviar
Micoplasmosis aviar
 
Mycoplasma aves
Mycoplasma avesMycoplasma aves
Mycoplasma aves
 
Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)
 

Semelhante a Leptospirose em cães

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
Nathy Oliveira
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
FilipeBezerra15
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
EvertonMonteiro19
 
Leptospriose
LeptosprioseLeptospriose
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdksskesporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
GiuliaCordeiro2
 
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Carolina Paixão
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Wagner Oliveira
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
Lívia Zadra
 
Manual leishmaniose
Manual leishmanioseManual leishmaniose
Manual leishmaniose
layaneholanda
 
E3019d01
E3019d01E3019d01
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
naiellyrodrigues
 
Picornavírus
PicornavírusPicornavírus
Picornavírus
biologia-conectado
 
Doenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitosDoenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitos
Universidade Federal da Fronteira Sul
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Apresentação .pdf levantamento epidemiológico
Apresentação .pdf levantamento epidemiológicoApresentação .pdf levantamento epidemiológico
Apresentação .pdf levantamento epidemiológico
LydiaKethlynFerreira
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
Elismmelo55
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Lucia Tavares
 
Programas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
Programas de Desparasitação e Vacinação em SuínosProgramas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
Programas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
Job Ferreira
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
FranciscaalineBrito
 

Semelhante a Leptospirose em cães (20)

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
 
Leptospriose
LeptosprioseLeptospriose
Leptospriose
 
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdksskesporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
esporotricose felina kkdkskskaskskdkdkssk
 
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
 
Manual leishmaniose
Manual leishmanioseManual leishmaniose
Manual leishmaniose
 
E3019d01
E3019d01E3019d01
E3019d01
 
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
 
Picornavírus
PicornavírusPicornavírus
Picornavírus
 
Doenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitosDoenças transmitidas por mosquitos
Doenças transmitidas por mosquitos
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Apresentação .pdf levantamento epidemiológico
Apresentação .pdf levantamento epidemiológicoApresentação .pdf levantamento epidemiológico
Apresentação .pdf levantamento epidemiológico
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
Relação parasito hospedeiro apresentação(1)
 
Programas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
Programas de Desparasitação e Vacinação em SuínosProgramas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
Programas de Desparasitação e Vacinação em Suínos
 
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptxAULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
AULA 03 DOENCAS POR INSETOS.........pptx
 

Leptospirose em cães

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL UNIDADE ACADÊMICA DE MEDICINA VETERINÁRIA
  • 2. 2/27 Sumário • Introdução; • Leptospira; – Classificação; – Caracterização; • Leptospirose; – Espécies Susceptíveis; • Leptospirose em cães; – Etiologia; – Características clínicas; – Transmissão; LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 3. 3/27 Sumário – Patogenia; – Patologia; – Diagnóstico; – Tratamento; – Imunização; • Conclusão. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 4. 4/27 Introdução • Leptospirose é uma zoonose susceptível a qualquer espécie de mamífero, causada por uma bactéria do gênero Leptospira; • A leptospirose tem no rato o seu principal reservatório, seguido pelo cão. Os cães representam uma fonte comum de infecção para o homem; • A doença ocorre tanto na zona rural quanto na zona urbana e está intimamente relacionada aos períodos de chuva. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 5. 5/27 Leptospira • Classificação: – O gênero Leptospira juntamente com Leptonema e Turneria pertence a família Leptospiraceae. O gênero leptospira tem 20 espécies; – Os principais sorovares associados às infecções de carnívoros são: Canicola e Icterohaemorrhagiae. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 6. 6/27 Leptospira LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES • Caracterização: – A Leptospira é uma bactéria classificada como espiroqueta devido sua forma helicoidal;
  • 7. 7/27 Leptospira – São organismos filamentosos, helicoidais e móveis (FAINE; STALLMAN, 1982); – Tem aproximadamente 10 a 20 µm de comprimento e 0,1 a 0,2 µm de largura (FAINE; STALLMAN, 1982); – São Gram negativas e vivem em tecidos de animais, no solo úmido, na lama e em águas paradas (FAINE; STALLMAN, 1982); LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 8. 8/27 Leptospira – Apresentam nas extremidades endoflagelos; – Apresentam uma membrane externa. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES FONTE: www.lookfordiagnosis.com
  • 9. 9/27 Leptospirose • Susceptível a qualquer espécie de mamíferos (BHARTI et al., 2013); LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 10. 10/27 Leptospirose em cães LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES • Em cães, a doença é frequentemente fatal e, desde meados da década de 1990 recebeu o status de reemergente na América (SYKES et al., 2011); • Afeta cães de ambos os sexos, de todas as raças, independente da idade;
  • 11. 11/27 Etiologia • Sorovares comuns entre cães: L. Canicola e L. Icterohaemorrhagiae; • As leptospiras penetram no organismo pela pele lesada ou mucosa intactas; • Após a penetração multiplicam-se rapidamente na circulação sanguínea; • Período de incubação de 4 a 12 dias; • Alvos primários são os rins, fígado e placenta. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 12. 12/27 Características clínicas • Sintomas iniciais: – Febre; – Depressão; – Letargia; – Sede constante; – Perda de apetite; – Andar encurvado; – Taquipnéia; LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 13. 13/27 Características clínicas LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES • Sintomas posteriores: – Úlceras na boca e língua; – Fezes escurecidas; – Vômito; – Diarréia; – Mialgia; – Icterícia;
  • 14. 14/27 Características clínicas LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES • Em filhotes ocorre septicemia fulminante de no máximo 3 dias de evolução, é observado: – Tendência a hemorragias; – Hematêmese; – Melena; – Epistaxe; – Petéquias nas membranas mucosas.
  • 15. 15/27 Transmissão • Segundo BOLIN (1996), a transmissão pode ser: – Direta: Ocorre através do contato com urina infectada, através do sangue, de envoltórios e líquidos fetais; – Indireta: Quando cães são expostos ao solo e água contaminada. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 16. 16/27 Patogenia • O período de incubação da doença dura de 4-12 dias; • As leptospiras multiplicam-se ativamente a nível intersticial e nos humores orgânicos (sangue, linfa e liquor), caracterizando um quadro agudo septicêmico denominado de leptospiremia; • Inflamação generalizada durante o período de invasão tecidual; • Colonização renal ocorre na maioria dos animais infectados; LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 17. 17/27 Patogenia • Leptospirúria e imunidade; – Estabelecimento das leptospiras em locais de difícil acesso aos mesmos; – Pode ser intermitente e durar de meses a anos. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 18. 18/27 Patologia • Na necropsia os cães apresentavam icterícia; LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 19. 19/27 Patologia LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES • O fígado apresentava alterações macroscópicas em vários cães: – Mudança na cor do órgão, acentuação do padrão lobular e aumento difuso de volume
  • 20. 20/27 Patologia • Alterações renais macroscópicas: – Descolorações, estriações brancas, aumento difuso de volume, e discreta irregularidade da superfície capsular; LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 21. 21/27 Patologia • No pulmão ocorreu edema e hemorragia: – Apresentavam variável quantidade de espuma amarela, rósea ou vermelha no interior da traqueia. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 22. 22/27 Diagnóstico • Material coletado para diagnóstico: – Sangue; – Urina; – Líquor; – Tecidos: rim e fígado; – Sêmen. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 23. 23/27 Diagnóstico • Método de detecção de anticorpo: – ELISA. • Métodos de detecção de antígeno: – Imunofluorescência; – Microscopia de campo escuro; – Reação em cadeia de polimerase (PCR); – Histoquímica e imuno-histoquímica. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 24. 24/27  Leptospira canicola ;  Leptospira icterohaemorrhagiae;  Leptospira grippotyphosa;  Leptospira pomona. Imunização • Vacina administrada em três doses quando o cão estiver com respectivamente 45, 66 e 87 dias de vida; • É indicado reforço a cada 6 meses para animais que estão altamente expostos ao risco de infecção; • A vacina protege contra o desenvolvimento da doença, mas nem sempre previne contra instalação das leptospiras no rim. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES  Leptospira canicola ;  Leptospira icterohaemorrhagiae.
  • 25. 25/27 Tratamento • O tratamento para leptospirose canina consiste basicamente em antibiótico terapia e tratamento de suporte. Os antibióticos de escolha utilizados no tratamento da leptospirose, são: penicilina G procaína na dose de 40. 0000 U/Kg a 80.000U/Kg, a cada 12 horas, na fase de leptospiremia e doxiciclina na dose de 2,5 a 5,0 mg/Kg, • Tratamentos para aumentar o fluxo sanguíneo renal: fluidoterapia, manitol, furosemida ou dopamina. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES
  • 26. 26/27 Conclusão • A leptospirose é de fácil transmissão para o cão; • O manejo adequado pode evitar a contaminação; • Leptospirose é responsável por 2,2% das causas de morte ou razão para eutanásia de cães e corresponde à quarta doença infecciosa mais frequente diagnosticada nessa espécie, com prevalência de 6,4%. LEPTOSPIRAS – LEPTOSPIROSE EM CÃES