SlideShare uma empresa Scribd logo
E.E.PROFº LUIZ GONZAGA
RIGHINI
LEPTOSPIROSE
2015
Leptospirose
 É uma doença infecciosa causada por uma
bactéria chamada Leptospira presente na
urina de ratos e outros animais, transmitida ao
homem principalmente nas enchentes.
Bovinos, suínos e cães também podem
adoecer e transmitir a leptospirose ao homem.
Causas
 Em situações de enchentes e inundações, a urina dos ratos,
presente em esgotos e bueiros, mistura-se à enxurrada e à
lama das enchentes. Qualquer pessoa que tiver contato com
a água das chuvas ou lama contaminadas poderá se infectar.
As leptospiras presentes na água penetram no corpo
humano pela pele, principalmente se houver algum arranhão
ou ferimento.
 Entrar em contato com água contaminada é a maneira mais
comum de contrair leptospirose
 O contato com água ou lama de esgoto, lagoas ou rios
contaminados e terrenos baldios com a presença de ratos
também podem facilitar a transmissão da leptospirose.
Veterinários e tratadores de animais podem adquirir a
doença pelo contato com a urina de animais doentes ou
convalescentes.
Leptospirose 1 A
Sintomas de Leptospirose
 Os mais frequentes são parecidos com os de
outras doenças, como a gripe e a dengue. Os
principais são: febre, dor de cabeça, dores pelo
corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da-
perna), podendo também ocorrer vômitos, diarreia
e tosse. Nas formas mais graves geralmente
aparece icterícia (coloração amarelada da pele e
dos olhos) e há a necessidade de cuidados
especiais em caráter de internação hospitalar. O
doente pode apresentar também hemorragias,
meningite, insuficiência renal, hepática e
respiratória, que podem levar à morte.
Sintomas na pele
Leptospirose 1 A
Tratamento de Leptospirose
 Medicamentos para Leptospirose
 Os medicamentos mais usados para o tratamento
de leptospirose são:
 Doxiciclina
 Somente um médico pode dizer qual o
medicamento mais indicado para o seu caso, bem
como a dosagem correta e a duração do
tratamento. Siga sempre à risca as orientações
do seu médico e NUNCA se automedique. Não
interrompa o uso do medicamento sem consultar
um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez
ou em quantidades muito maiores do que a
prescrita, siga as instruções na bula.
Leptospirose 1 A
Prevenção
 Para o controle da leptospirose, são necessárias
medidas ligadas ao meio ambiente, tais como
obras de saneamento básico (abastecimento de
água, lixo e esgoto), melhorias nas habitações
humanas e o combate aos ratos.
 Deve-se evitar o contato com água ou lama de
enchentes e impedir que crianças nadem ou
brinquem nessas águas ou outros ambientes que
possam estar contaminados pela urina dos ratos.
Pessoas que trabalham na limpeza de lamas,
entulhos e desentupimento de esgoto devem usar
botas e luvas de borracha (se isto não for
possível, usar sacos plásticos duplos amarrados
nas mãos e nos pés).
O hipoclorito de sódio a 2,5% (água sanitária) mata as leptospiras e deverá ser
utilizado para desinfetar reservatórios de água (um litro de água sanitária para
cada 1000 litros de água do reservatório), locais e objetos que entraram em
contato com água ou lama contaminada (um copo de água sanitária em um
balde de 20 litros de água). Durante a limpeza e desinfecção de locais onde
houve inundação recente, deve-se também proteger pés e mãos do contato
com a água ou lama contaminada.
Dentre as medidas de combate aos ratos, deve-se destacar o acondicionamento
e destino adequado do lixo e o armazenamento apropriado de alimentos. A
desinfecção de caixas d´água e sua completa vedação são medidas preventivas
que devem ser tomadas periodicamente. As medidas de desratização consistem
na eliminação direta dos roedores através do uso de raticidas e devem ser
realizadas por equipes técnicas devidamente capacitadas.
A pessoa que apresentar febre, dor de cabeça e dores no corpo, alguns dias
depois de ter entrado em contato com as águas de enchente ou esgoto, deve
procurar imediatamente o Centro de Saúde mais próximo. A leptospirose é uma
doença curável, para a qual o diagnóstico e o tratamento precoces são a melhor
solução.
Leptospirose 1 A
BIBLIOGRAFIA
 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/86lepto.ht
ml
Componentes do grupo
 Guilherme Cezar Stein Paes N49
 Alexandre manaia N01
 1ºA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
Ylla Cohim
 
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Juracir Bezerra
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Aryelle Fernandes
 
Acidentes Ofdicos
Acidentes OfdicosAcidentes Ofdicos
Acidentes Ofdicos
douglas silva
 
Eventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | MaculosaEventos de massa | Maculosa
Trabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva SlaidesTrabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva Slaides
Daniela José Arozi
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
Michel Oliveira
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Wagner Oliveira
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
Rodrigo Abreu
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
feraps
 
Profilaxia da Raiva
Profilaxia da RaivaProfilaxia da Raiva
Profilaxia da Raiva
Alexandre Naime Barbosa
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
Brendha Soares
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Trabalho colera
Trabalho coleraTrabalho colera
Trabalho colera
191298amor
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
Maira Veruska
 
Leptospirose 1 A
Leptospirose 1 ALeptospirose 1 A
Leptospirose 1 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Mais procurados (20)

Rotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomieliteRotavírus e poliomielite
Rotavírus e poliomielite
 
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
Raiva: aspectos gerais e protocolo de atendimento.
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Acidentes Ofdicos
Acidentes OfdicosAcidentes Ofdicos
Acidentes Ofdicos
 
Eventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | MaculosaEventos de massa | Maculosa
Eventos de massa | Maculosa
 
Trabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva SlaidesTrabalho Raiva Slaides
Trabalho Raiva Slaides
 
Leptospirose em cães
Leptospirose em cãesLeptospirose em cães
Leptospirose em cães
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da VacinaçãoRaiva e a Importância da Campanha da Vacinação
Raiva e a Importância da Campanha da Vacinação
 
Profilaxia da Raiva
Profilaxia da RaivaProfilaxia da Raiva
Profilaxia da Raiva
 
Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)Escabiose (sarna)
Escabiose (sarna)
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Trabalho colera
Trabalho coleraTrabalho colera
Trabalho colera
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
 
Raiva e EEB
Raiva e EEBRaiva e EEB
Raiva e EEB
 
Leptospirose 1 A
Leptospirose 1 ALeptospirose 1 A
Leptospirose 1 A
 

Destaque

Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)
Samara Viana
 
Leptospirose
Leptospirose Leptospirose
Leptospirose
CBPortfolio
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nome Sobrenome
 
Leptospirose final
Leptospirose  finalLeptospirose  final
Leptospirose final
Iris Ricardo Rossin
 
Trabalho de leptospirose
Trabalho de leptospiroseTrabalho de leptospirose
Trabalho de leptospirose
Daniela Santos
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Christovam Barcellos
 
Microorganismo prof Oto
Microorganismo prof OtoMicroorganismo prof Oto
Microorganismo prof Oto
OTO SABINO
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Universidade de Brasília
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
eld09
 
Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
Cms Nunes
 
Leptospirosis
LeptospirosisLeptospirosis
Leptospirosis
Juan Hoz
 
Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5
profsempre
 
Apostila toxicologia básica
Apostila toxicologia básicaApostila toxicologia básica
Apostila toxicologia básica
João Siqueira da Mata
 
Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
sramosq
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética

Destaque (15)

Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)Resposta imune a leptospirose(1)
Resposta imune a leptospirose(1)
 
Leptospirose
Leptospirose Leptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Leptospirose final
Leptospirose  finalLeptospirose  final
Leptospirose final
 
Trabalho de leptospirose
Trabalho de leptospiroseTrabalho de leptospirose
Trabalho de leptospirose
 
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
Mudanças Climáticas e doenças infecciosas Março 2008
 
Microorganismo prof Oto
Microorganismo prof OtoMicroorganismo prof Oto
Microorganismo prof Oto
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
 
Trab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-CotucaTrab Bio Doenças-Cotuca
Trab Bio Doenças-Cotuca
 
Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
 
Leptospirosis
LeptospirosisLeptospirosis
Leptospirosis
 
Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5Toxicologia Ambiental aula 5
Toxicologia Ambiental aula 5
 
Apostila toxicologia básica
Apostila toxicologia básicaApostila toxicologia básica
Apostila toxicologia básica
 
Roedores
RoedoresRoedores
Roedores
 
Slide Genética
Slide GenéticaSlide Genética
Slide Genética
 

Semelhante a Leptospirose 1 A

002 leptospirose
002   leptospirose002   leptospirose
002 leptospirose
Jonatas Barros
 
Ester
EsterEster
Construções Rurais - Saneamento Rural
Construções Rurais - Saneamento RuralConstruções Rurais - Saneamento Rural
Construções Rurais - Saneamento Rural
ComissodeObrasSUPELR
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Lúhh Sousa
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
Odair Medrado
 
Saiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentesSaiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentes
fabiovalvassoribitencourt
 
Saiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentesSaiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentes
prefeituracriciuma
 
Veiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptxVeiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptx
adrianaalves784598
 
Higiene habitação
Higiene habitaçãoHigiene habitação
Higiene habitação
Rosa Vinteesete
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
Tiago Silva
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
Nathy Oliveira
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
prevencaonline
 
Tratamento da agua
Tratamento da aguaTratamento da agua
Tratamento da agua
rogerio rocha
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
André Luiz Fachardo
 
Leptospriose
LeptosprioseLeptospriose
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
Med. Veterinária 2011
 
Trabalho de saude ambiental. abilio
Trabalho de saude ambiental. abilioTrabalho de saude ambiental. abilio
Trabalho de saude ambiental. abilio
Artemosfera Cia de Artes
 
Doenças água
Doenças águaDoenças água
Doenças água
Ariane Martins
 
003 cólera
003   cólera003   cólera
003 cólera
Jonatas Barros
 
Hidraulica job
Hidraulica jobHidraulica job
Hidraulica job
idelsondejesusmarrin
 

Semelhante a Leptospirose 1 A (20)

002 leptospirose
002   leptospirose002   leptospirose
002 leptospirose
 
Ester
EsterEster
Ester
 
Construções Rurais - Saneamento Rural
Construções Rurais - Saneamento RuralConstruções Rurais - Saneamento Rural
Construções Rurais - Saneamento Rural
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
 
Doencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao HidricaDoencas de Veiculacao Hidrica
Doencas de Veiculacao Hidrica
 
Saiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentesSaiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentes
 
Saiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentesSaiba como agir em caso de enchentes
Saiba como agir em caso de enchentes
 
Veiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptxVeiculação Hídrica 2.pptx
Veiculação Hídrica 2.pptx
 
Higiene habitação
Higiene habitaçãoHigiene habitação
Higiene habitação
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
 
Tratamento da agua
Tratamento da aguaTratamento da agua
Tratamento da agua
 
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doençasÁgua não tratada é porta aberta para várias doenças
Água não tratada é porta aberta para várias doenças
 
Leptospriose
LeptosprioseLeptospriose
Leptospriose
 
Copasa doenças
Copasa doençasCopasa doenças
Copasa doenças
 
Trabalho de saude ambiental. abilio
Trabalho de saude ambiental. abilioTrabalho de saude ambiental. abilio
Trabalho de saude ambiental. abilio
 
Doenças água
Doenças águaDoenças água
Doenças água
 
003 cólera
003   cólera003   cólera
003 cólera
 
Hidraulica job
Hidraulica jobHidraulica job
Hidraulica job
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Maria Teresa Iannaco Grego
 

Mais de Maria Teresa Iannaco Grego (20)

Abelha azul 2º A
Abelha azul 2º AAbelha azul 2º A
Abelha azul 2º A
 
Morsa 3ºB
Morsa 3ºBMorsa 3ºB
Morsa 3ºB
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Tubarão 2º c II
Tubarão 2º c IITubarão 2º c II
Tubarão 2º c II
 
Foca 1º C
Foca  1º CFoca  1º C
Foca 1º C
 
Aquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º AAquecimento global 2º A
Aquecimento global 2º A
 
Baleias 3º A
Baleias 3º ABaleias 3º A
Baleias 3º A
 
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°BEfeito da-poluição-nos-corais-1°B
Efeito da-poluição-nos-corais-1°B
 
Pinguins-2º C
Pinguins-2º CPinguins-2º C
Pinguins-2º C
 
A vila socó 2º c
A vila socó 2º cA vila socó 2º c
A vila socó 2º c
 
Lixo nas grandes cidades 1º D
Lixo nas grandes cidades  1º DLixo nas grandes cidades  1º D
Lixo nas grandes cidades 1º D
 
Plantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 CPlantas carnívoras 3 C
Plantas carnívoras 3 C
 
Desastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º ADesastres naturais 2º A
Desastres naturais 2º A
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Pinguins2ºC
Pinguins2ºCPinguins2ºC
Pinguins2ºC
 
Leão 1 B
Leão 1 BLeão 1 B
Leão 1 B
 
Panda 1 C
Panda 1 CPanda 1 C
Panda 1 C
 
Girafas 1 C
Girafas  1 CGirafas  1 C
Girafas 1 C
 
ÁGuia 1 A
ÁGuia 1 AÁGuia 1 A
ÁGuia 1 A
 
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico  e meio ambiente -3ºAAgrotoxico  e meio ambiente -3ºA
Agrotoxico e meio ambiente -3ºA
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 

Leptospirose 1 A

  • 2. Leptospirose  É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina de ratos e outros animais, transmitida ao homem principalmente nas enchentes. Bovinos, suínos e cães também podem adoecer e transmitir a leptospirose ao homem.
  • 3. Causas  Em situações de enchentes e inundações, a urina dos ratos, presente em esgotos e bueiros, mistura-se à enxurrada e à lama das enchentes. Qualquer pessoa que tiver contato com a água das chuvas ou lama contaminadas poderá se infectar. As leptospiras presentes na água penetram no corpo humano pela pele, principalmente se houver algum arranhão ou ferimento.  Entrar em contato com água contaminada é a maneira mais comum de contrair leptospirose  O contato com água ou lama de esgoto, lagoas ou rios contaminados e terrenos baldios com a presença de ratos também podem facilitar a transmissão da leptospirose. Veterinários e tratadores de animais podem adquirir a doença pelo contato com a urina de animais doentes ou convalescentes.
  • 5. Sintomas de Leptospirose  Os mais frequentes são parecidos com os de outras doenças, como a gripe e a dengue. Os principais são: febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da- perna), podendo também ocorrer vômitos, diarreia e tosse. Nas formas mais graves geralmente aparece icterícia (coloração amarelada da pele e dos olhos) e há a necessidade de cuidados especiais em caráter de internação hospitalar. O doente pode apresentar também hemorragias, meningite, insuficiência renal, hepática e respiratória, que podem levar à morte.
  • 8. Tratamento de Leptospirose  Medicamentos para Leptospirose  Os medicamentos mais usados para o tratamento de leptospirose são:  Doxiciclina  Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.
  • 10. Prevenção  Para o controle da leptospirose, são necessárias medidas ligadas ao meio ambiente, tais como obras de saneamento básico (abastecimento de água, lixo e esgoto), melhorias nas habitações humanas e o combate aos ratos.  Deve-se evitar o contato com água ou lama de enchentes e impedir que crianças nadem ou brinquem nessas águas ou outros ambientes que possam estar contaminados pela urina dos ratos. Pessoas que trabalham na limpeza de lamas, entulhos e desentupimento de esgoto devem usar botas e luvas de borracha (se isto não for possível, usar sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés).
  • 11. O hipoclorito de sódio a 2,5% (água sanitária) mata as leptospiras e deverá ser utilizado para desinfetar reservatórios de água (um litro de água sanitária para cada 1000 litros de água do reservatório), locais e objetos que entraram em contato com água ou lama contaminada (um copo de água sanitária em um balde de 20 litros de água). Durante a limpeza e desinfecção de locais onde houve inundação recente, deve-se também proteger pés e mãos do contato com a água ou lama contaminada. Dentre as medidas de combate aos ratos, deve-se destacar o acondicionamento e destino adequado do lixo e o armazenamento apropriado de alimentos. A desinfecção de caixas d´água e sua completa vedação são medidas preventivas que devem ser tomadas periodicamente. As medidas de desratização consistem na eliminação direta dos roedores através do uso de raticidas e devem ser realizadas por equipes técnicas devidamente capacitadas. A pessoa que apresentar febre, dor de cabeça e dores no corpo, alguns dias depois de ter entrado em contato com as águas de enchente ou esgoto, deve procurar imediatamente o Centro de Saúde mais próximo. A leptospirose é uma doença curável, para a qual o diagnóstico e o tratamento precoces são a melhor solução.
  • 14. Componentes do grupo  Guilherme Cezar Stein Paes N49  Alexandre manaia N01  1ºA