SlideShare uma empresa Scribd logo
ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE
SAÚDE NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE
CORTE
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS
UNIDADE DESCENTRALISADA DE IPAMERI
CURSO DE AGRONOMIA
IPAMERI - GO
ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE SAÚDE
NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE
Professor: Dr. Luiz Alberto
IPAMERI - GO
INTRODUÇÃO
Garantir a saúde do plantel é fundamental
O programa de biossegurança é uma
ferramenta indispensável para proteger a
saúde dos plantéis
Nesse programa são determinadas
normas de procedimentos quanto a
localização do aviário
1 – Programa de vacinação dos Frangos
 Programas de vacinação para frangos de corte
não são utilizados com freqüência
 Vacinação incorreta ou inadequada pode ser
tão prejudicial quanto não vacinar.
Recomenda-se vacinar em horários com
temperaturas amenas evitando-se estressar
excessivamente as aves.
Todos os aviários devem ter uma ficha de
controle com o histórico do lote em que constem
informações sobre as vacinações.
FICHA PARA ACOMPANHAMENTO TÉCNICO DO LOTE
1-Data do alojamento:
2-Nº. de aves:
3-Informações sobre as vacinas administradas
Data (Dia/Mês)
Via de administração Vacina utilizada N° aves vacinadas
4-Medicamento administrados:
Data
Identificação do aviário
Idade das aves
Principais sintomas
Medicamento administrado (nome comercial e princípio
ativo
Via de administração
Dose administrada
Período de administração
5-Mortalidade diária:
Semana
Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Total
1ª
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
7ª
Outras Observações: _______________________________
2 – Doenças tratáveis com
medicamentos
É fundamental a conscientização de todos
os funcionários da granja
as principais viroses que podem ser
controladas através de vacinação são:
a doença de Marek, a doença de
Gumboro, doença de Newcastle,
bronquite infecciosa das aves e varíola
aviária
3 – Doenças Modernas
3.1 – Síndrome da Morte Súbita
Um sério problema da indústria avícola
Compromete a função cardiovascular
A etiopatogenia dessas síndromes é bastante
complexa
apresenta incidências muito variáveis nos
diferentes países, que vão desde 1,25% até
9,62% da mortalidade total
O pico de mortalidade na síndrome de morte
súbita tem sido observado entre o 21º e o 27º
dias de idade
 No Brasil, podem ser esperadas perdas de 2 a
3% na produção
Em geral, as síndromes metabólicas
apresentam uma incidência do problema 70%
maior nos machos do que nas fêmeas
Essas síndromes são conseqüência de
desarranjos metabólicos e fisiológicos
3.2 – Síndrome da Ascite
Não é um problema infeccioso mas de origem
genética
Caracteriza-se pelo acúmulo de líquido na
cavidade abdominal
Frangos com ascite mostram-se apáticos,
apresentando crista e barbela arroxeadas e
penas eriçadas.
As perdas por ascite são elevadas em
conseqüência da morte de frangos a campo,
durante o transporte e devido a condenação no
abatedouro, pelo aspecto repugnante das
carcaças afetadas
Os frangos com ascite apresentam o coração
aumentado de tamanho e flácidos (amolecidos)
Os pulmões estão congestos e edematoso
(inchados) rompendo-se facilmente.
O fígado apresenta-se congesto (com acúmulo
anormal de sangue) e com as bordas
aumentadas.
Todas as condições que direta ou indiretamente
reduzem o suprimento de oxigênio ou que
aumentem a necessidade desse pelas aves,
predispõem à ascite.
Os principais fatores que aceleram a
manifestação da Ascite são:
• Linhagens com rápido ganho de peso inicial;
• aves do sexo masculino;
• altitudes elevadas no local de criação;
• grandes oscilações de temperatura;
• ventilação inadequada nos galpões;
• estresse excessivo;
• elevados níveis de amônia e gás carbônico
dentro dos aviários;
• doenças respiratórias;
• alimentos que promovam o aumento a pressão
sangüínea, como o Cloreto de Sódio;
• elevados níveis nutricionais na ração.
O controle da ascite, baseia-se em reduzir todas
as condições que predisponham às aves a um
quadro de deficiente oxigenação
Sendo assim recomenda-se os seguintes
cuidados:
• não alojar frangos de corte machos em locais de
altitudes elevadas, (acima de 1.500 metros);
• não estimular excessivamente o crescimento
corporal dos frangos, nas duas primeiras
semanas de vida;
• observar o nível de Sódio na dieta. Na água são
toleráveis níveis de até 50 ppm de Sódio para
14 ppm de Cloro. Já na ração, deve permanecer
de 0.16% a 0.20%;
• evitar o excesso de poeira no aviário, mantendo
adequada ventilação;
• manter uniforme e adequada a temperatura
interna do aviário, principalmente durante as
três primeiras semanas das aves, evitando-se
variações acima de 2ºC. Para tanto podem ser
utilizadas as chamadas "estufas" ou cortinas
suplementares. A temperatura ambiente junto
aos pintinhos na primeira semana, deverá ser
de 32ºC, reduzindo-se 3ºC a cada semana, até
atingir 20ºC na quinta semana de vida;
• reduzir as causas de comprometimento
pulmonar tais como doenças respiratórias,
aspergiloses, excesso de poeira, alta
concentração de amônia (níveis abaixo de 11,00
ppm) e de monóxido de carbono (níveis abaixo
de 70 ppm);
• utilizar rações de boa qualidade;
• a redução da densidade energética da ração
também é recomendada, porém mudanças nos
valores nutricionais devem ser analisados
quanto ao ganho de peso final desejado, pois
essa medida acarretará menor desempenho do
lote.
3.3 – Síndrome da Cabeça Inchada
 é uma enfermidade que acomete criações de galinhas e
está disseminada praticamente por todo mundo
 Em matrizes e poedeiras a enfermidade leva a um
quadro respiratório, com edema facial e submandibular,
presença de sinais nervosos, queda na produção e na
qualidade dos ovos.
 Em frangos de corte são observados secreção nasal,
depressão e edema subcutâneo
 Com freqüência os quadros são agravados pela
presença de infecções secundárias, principalmente E.
coli.
Em matrizes e poedeiras a mortalidade fica em
torno de 1% a 3%, porém ocorrem perdas
devido à queda de postura de 1% a 10%
durante 2 a 3 semanas e aumento da morte
embrionária em incubadora em torno de 3% a
10%.
A Síndrome da Cabeça Inchada pode
apresentar-se de forma aguda ou sub-clínica.
O curso da doença (sintomas, duração e
mortalidade) é muito variável e depende de
vários fatores, como; tipo de exploração, idade,
infecção bacteriana secundária, outras
infecções virais, má ventilação, contaminação
do ambiente, poeira, alta densidade
populacional e falta de higiene.
4 – O Abate e o Processamento dos
Frangos
 Boa qualidade final do produto
 Em condições normais de abate e
processamento, a retirada de ração é feita de 6
a 8 horas antes da apanha das aves
 A escalda, depena e evisceração são pontos
importantes de contaminação cruzada
 Períodos prolongados de jejum podem afetar o
pH das diversas partes do intestino,
aumentando a presença de Salmonella
 sugerem-se pesquisas nas seguintes áreas:
• definir o tempo ótimo de jejum;
• minimizar a contaminação e otimizar os
parâmetros de qualidade de carcaça;
• estudar os efeitos de períodos prolongados de
jejum sobre o pH e a colonização do papo, pró-
ventrículo, moela, intestino delgado, intestino
grosso e cecos por enterobactérias, como
Salmonella, por exemplo;
• efeito do jejum sobre o tamanho e cor do fígado
4.1 – Transporte da Granja ao Abatedouro
 Aves ornamentais:
• Guia de Trânsito Animal - GTA.
• Vacinação contra a Doença de New Castle.
• Vacinação contra o Epitelioma Contagioso.
• Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas.
• Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou
lavadas e desinfetadas com produtos registrados.
• Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa
nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias.
• Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e
desinfetados.
• Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
• Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou
lavadas e desinfetadas com produtos registrados.
 Aves silvestres
• Guia de Trânsito Animal - GTA.
• Vacinação contra a Doença de New Castle.
• Vacinação contra o Epitelioma Contagioso.
• Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas.
• Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou
lavadas e desinfetadas com produtos registrados.
• Guia de Transporte fornecida pelo Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente - IBAMA.
• Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa
nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias.
• Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e
desinfetados.
• Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
 Galinhas e frango de corte
 Abate de frango de corte
• Guia de Trânsito Animal - GTA.
• Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New
Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos
últimos 30 dias.
• Devem ser transportados em embalagens novas e
apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos
registrados.
• Os veículos transportadores devem ser previamente
lavados e desinfetados.
• Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
 Abate de matrizes industriais e postura comercial
(descarte)
• Guia de Trânsito Animal - GTA.
• Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New
Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos
últimos 30 dias.
• Vacinação contra a Doença de New Castle.
• Devem ser transportados em embalagens novas e
apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos
registrados.
• Os veículos transportadores devem ser previamente
lavados e desinfetados.
• Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
4.2 – Linha de Processamento
Recepção
As aves chegam ao frigorífico em caminhões,
dentro de gaiolas
Em dias quentes, recomenda-se colocar poucos
frangos nas gaiolas
As gaiolas podem ser de madeira ou de plástico
Pendura
Após o descarregamento, os frangos
permanecem parados por um período de
aproximadamente 2 horas ou mais na
plataforma.
Os frangos estressados apresentam um rápido
declínio do pH da carcaça no período "pós-
mortem".
Esta queda brusca de pH causa desnaturação
das proteínas musculares levando a uma
alteração qualitativa do produto final.
Os frangos são pendurados pelos pés em
ganchos em uma linha contínua.
Insensibilização ou atordoamento
Após a pendura, os frangos passam pelo
insensibilizador
Esta voltagem pode variar de 40 a 80 watts
 Este processo não pode matar a ave
A insensibilização também facilita a operação
de sangria
Sangria
Após a insensibilização, os frangos pendurados
nos ganchos recebem um corte manual ou
mecânico nas veias.
Depois da secção das veias, os frangos
percorrem um túnel de gotejamento de sangue
onde ficam por aproximadamente 6 a 7 minutos.
A completa sangria é de extrema importância.
 Escaldagem
 Logo após o esgotamento do sangue no túnel de
sangria, os frangos seguem para a escaldadeira.
 Usa-se a escaldadeira com a finalidade de uma prévia
lavagem da ave e o afrouxamento das penas, para
facilitar a depenagem.
 A seção de escaldagem deve ser efetuada em
instalações próprias.
 Esta seção deve possuir ventilação suficiente para
exaustão do vapor d'água, proveniente da escaldagem e
das impurezas em suspensão.
Depenagem
Utilizam-se, em geral, três depenadeiras em
série
Ao passar pela primeira depenadeira, grande
parte das penas são removidas, principalmente
da sambiqueira e do peito
A depenadeira final retira a cutícula da
superfície dos pés dos frangos
As penas retiradas caem sobre canaletas
 Corte dos pés
Logo após a saída da máquina de depenagem,
os frangos têm seus pés cortados
mecanicamente através de um disco afiado
girando em torno do próprio eixo.
Os pés são encaminhados para a graxaria ou
separados para a venda.
Evisceração
A evisceração é uma das operações mais
importantes na linha de abate.
Todas as operações do processo de
evisceração, podem ser feitas através de
eviseradora automática.
Quando não automatizados, as etapas básicas
realizadas antes e após a evisceração
propriamente dita são:
• corte da pele do pescoço, traquéia e
esôfago;
• extração da cloaca;
• corte do abdome;
• eventração;
• retirada de vísceras;
• retirada do papo, traquéia e esôfago;
• extração dos pulmões;
• reinspeção;
• limpeza final.
 Pré-resfriamento
 Esta operação é realizada em dois equipamentos em
série, o pré-chiller e o chiller.
 A reidratação tem por finalidade a recuperação da água
perdida durante o transporte e nas operações iniciais.
 O resfriamento tem por finalidade eliminar o calor "pós-
mortem" adquirido durante as fases iniciais de abate.
 Este processo de resfriamento leva de 30 a 40 minutos
Gotejamento
Os frangos saem do chiller através de
uma esteira.
A finalidade da etapa de gotejamento é
eliminar o excesso d'água adquirida na
operação de pré-resfriamento.
Classificação
As carcaças são classificadas por
funcionários, que podem destiná-la para a
embalagem como peça inteira ou para a
sala de cortes
As carcaças de aparência mais perfeitas
são embaladas inteiras, as de aparência
estranha (com manchas de sangue, por
exemplo) são destinadas ao corte.
Considerações Finais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leiteAula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leite
Fabio Freitas
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
Layane Ribeiro Mascarenhas
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
Killer Max
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animal
wellison nascimento
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Universidade de São Paulo
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
Carls Tavares
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Marília Gomes
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
Daniel Jovana Joaquim
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
Rodrigo Padilha
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
garciagotaeficiente
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
Kelwin Souza
 
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucroManejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Fabio Nunes
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
Nayara Michelle
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Michel Oliveira
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 

Mais procurados (20)

Aula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leiteAula pecu€ ¦ária de leite
Aula pecu€ ¦ária de leite
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Proteínas na alimentação animal
 Proteínas na alimentação animal Proteínas na alimentação animal
Proteínas na alimentação animal
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
 
produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia Aula ezoogenosia
Aula ezoogenosia
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucroManejo  pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
Manejo pré abate e pega do frango-como reduzir perdas e maximizar o lucro
 
Nutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de posturaNutrição e instalação para aves de postura
Nutrição e instalação para aves de postura
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 

Destaque

Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
Felipe Tavares
 
Tabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviáriaTabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviária
Boi Forte Distribuidora
 
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
David Quintino
 
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
Tecalvet Avicultura
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
matheush
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
mvezzone
 
Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
Joyce Muzy
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
claudioagroecologia
 
Avicultura
Avicultura Avicultura
Avicultura
Killer Max
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Aula reprodução de aves
Aula reprodução de avesAula reprodução de aves
Aula reprodução de aves
Alana Cristina Vinhote da Silva
 

Destaque (11)

Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
 
Tabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviáriaTabelas de vacinação aviária
Tabelas de vacinação aviária
 
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
Apresentação sobre a exploração de frangos da Quinta do Bonito (Avicultura)
 
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
Avanços na nutrição e manejo da fase pré-inicial de frangos de corte - Dr. Se...
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
 
Criacao organica de_aves
Criacao organica de_avesCriacao organica de_aves
Criacao organica de_aves
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Avicultura
Avicultura Avicultura
Avicultura
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Aula reprodução de aves
Aula reprodução de avesAula reprodução de aves
Aula reprodução de aves
 

Semelhante a Apresentação aves (2)

Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
Marília Gomes
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovino
adelmosantana
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo
 
Gripe Aviária
Gripe Aviária Gripe Aviária
Gripe Aviária
AmandaCardin3
 
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
Wargney
 
Reovirose art19
Reovirose   art19Reovirose   art19
Reovirose art19
Luiz Artur Venas
 
Powerpoint 6 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
Powerpoint 6   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)Powerpoint 6   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
Powerpoint 6 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
Nuno Correia
 
PNSA.pptx
PNSA.pptxPNSA.pptx
PNSA.pptx
ssuser45a5cd
 
1513
15131513
1513
Pelo Siro
 
Oovo (1)
Oovo (1)Oovo (1)
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Cutrim Junior
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornas
NDINHO
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
Evelyn Golin
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
salgadokk
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
Núbia Fernanda
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
monimatos
 
Exame de fezes e necropsia de aves
Exame de fezes e necropsia de avesExame de fezes e necropsia de aves
Exame de fezes e necropsia de aves
Antonio Silva
 
Doenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosDoenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentos
KetlenBatista
 
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.comPoliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Antonio Silva
 
Geral1
Geral1Geral1
Geral1
thiagopetra
 

Semelhante a Apresentação aves (2) (20)

Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Sanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovinoSanidade de caprino e ovino
Sanidade de caprino e ovino
 
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de TupãApresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
Apresentação PESA - Reunião Técnica - EDA de Tupã
 
Gripe Aviária
Gripe Aviária Gripe Aviária
Gripe Aviária
 
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
08 AULA - PRINCIPAIS DOENÇAS DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO.pdf
 
Reovirose art19
Reovirose   art19Reovirose   art19
Reovirose art19
 
Powerpoint 6 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
Powerpoint 6   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)Powerpoint 6   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
Powerpoint 6 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Ii (Animais)
 
PNSA.pptx
PNSA.pptxPNSA.pptx
PNSA.pptx
 
1513
15131513
1513
 
Oovo (1)
Oovo (1)Oovo (1)
Oovo (1)
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
 
Criacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornasCriacao e maneio de codornas
Criacao e maneio de codornas
 
Coelho
CoelhoCoelho
Coelho
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
Relatório de estágio  abatedouro frigoríficoRelatório de estágio  abatedouro frigorífico
Relatório de estágio abatedouro frigorífico
 
Exame de fezes e necropsia de aves
Exame de fezes e necropsia de avesExame de fezes e necropsia de aves
Exame de fezes e necropsia de aves
 
Doenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentosDoenças transmitidas por alimentos
Doenças transmitidas por alimentos
 
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.comPoliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Poliomavirose - www.veterinariodeaves.blogspot.com
 
Geral1
Geral1Geral1
Geral1
 

Apresentação aves (2)

  • 1. ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE SAÚDE NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIDADE DESCENTRALISADA DE IPAMERI CURSO DE AGRONOMIA IPAMERI - GO
  • 2. ALGUNS ASPECTOS SANITÁRIOS E DE SAÚDE NA CRIAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE Professor: Dr. Luiz Alberto IPAMERI - GO
  • 3. INTRODUÇÃO Garantir a saúde do plantel é fundamental O programa de biossegurança é uma ferramenta indispensável para proteger a saúde dos plantéis Nesse programa são determinadas normas de procedimentos quanto a localização do aviário
  • 4. 1 – Programa de vacinação dos Frangos  Programas de vacinação para frangos de corte não são utilizados com freqüência  Vacinação incorreta ou inadequada pode ser tão prejudicial quanto não vacinar. Recomenda-se vacinar em horários com temperaturas amenas evitando-se estressar excessivamente as aves. Todos os aviários devem ter uma ficha de controle com o histórico do lote em que constem informações sobre as vacinações.
  • 5. FICHA PARA ACOMPANHAMENTO TÉCNICO DO LOTE 1-Data do alojamento: 2-Nº. de aves: 3-Informações sobre as vacinas administradas Data (Dia/Mês) Via de administração Vacina utilizada N° aves vacinadas
  • 6. 4-Medicamento administrados: Data Identificação do aviário Idade das aves Principais sintomas Medicamento administrado (nome comercial e princípio ativo Via de administração Dose administrada Período de administração
  • 7. 5-Mortalidade diária: Semana Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Total 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª Outras Observações: _______________________________
  • 8. 2 – Doenças tratáveis com medicamentos É fundamental a conscientização de todos os funcionários da granja as principais viroses que podem ser controladas através de vacinação são: a doença de Marek, a doença de Gumboro, doença de Newcastle, bronquite infecciosa das aves e varíola aviária
  • 9. 3 – Doenças Modernas 3.1 – Síndrome da Morte Súbita Um sério problema da indústria avícola Compromete a função cardiovascular A etiopatogenia dessas síndromes é bastante complexa apresenta incidências muito variáveis nos diferentes países, que vão desde 1,25% até 9,62% da mortalidade total
  • 10. O pico de mortalidade na síndrome de morte súbita tem sido observado entre o 21º e o 27º dias de idade  No Brasil, podem ser esperadas perdas de 2 a 3% na produção Em geral, as síndromes metabólicas apresentam uma incidência do problema 70% maior nos machos do que nas fêmeas Essas síndromes são conseqüência de desarranjos metabólicos e fisiológicos
  • 11. 3.2 – Síndrome da Ascite Não é um problema infeccioso mas de origem genética Caracteriza-se pelo acúmulo de líquido na cavidade abdominal Frangos com ascite mostram-se apáticos, apresentando crista e barbela arroxeadas e penas eriçadas. As perdas por ascite são elevadas em conseqüência da morte de frangos a campo, durante o transporte e devido a condenação no abatedouro, pelo aspecto repugnante das carcaças afetadas
  • 12. Os frangos com ascite apresentam o coração aumentado de tamanho e flácidos (amolecidos) Os pulmões estão congestos e edematoso (inchados) rompendo-se facilmente. O fígado apresenta-se congesto (com acúmulo anormal de sangue) e com as bordas aumentadas. Todas as condições que direta ou indiretamente reduzem o suprimento de oxigênio ou que aumentem a necessidade desse pelas aves, predispõem à ascite.
  • 13. Os principais fatores que aceleram a manifestação da Ascite são: • Linhagens com rápido ganho de peso inicial; • aves do sexo masculino; • altitudes elevadas no local de criação; • grandes oscilações de temperatura; • ventilação inadequada nos galpões; • estresse excessivo; • elevados níveis de amônia e gás carbônico dentro dos aviários; • doenças respiratórias; • alimentos que promovam o aumento a pressão sangüínea, como o Cloreto de Sódio; • elevados níveis nutricionais na ração.
  • 14. O controle da ascite, baseia-se em reduzir todas as condições que predisponham às aves a um quadro de deficiente oxigenação Sendo assim recomenda-se os seguintes cuidados: • não alojar frangos de corte machos em locais de altitudes elevadas, (acima de 1.500 metros); • não estimular excessivamente o crescimento corporal dos frangos, nas duas primeiras semanas de vida; • observar o nível de Sódio na dieta. Na água são toleráveis níveis de até 50 ppm de Sódio para 14 ppm de Cloro. Já na ração, deve permanecer de 0.16% a 0.20%;
  • 15. • evitar o excesso de poeira no aviário, mantendo adequada ventilação; • manter uniforme e adequada a temperatura interna do aviário, principalmente durante as três primeiras semanas das aves, evitando-se variações acima de 2ºC. Para tanto podem ser utilizadas as chamadas "estufas" ou cortinas suplementares. A temperatura ambiente junto aos pintinhos na primeira semana, deverá ser de 32ºC, reduzindo-se 3ºC a cada semana, até atingir 20ºC na quinta semana de vida;
  • 16. • reduzir as causas de comprometimento pulmonar tais como doenças respiratórias, aspergiloses, excesso de poeira, alta concentração de amônia (níveis abaixo de 11,00 ppm) e de monóxido de carbono (níveis abaixo de 70 ppm); • utilizar rações de boa qualidade; • a redução da densidade energética da ração também é recomendada, porém mudanças nos valores nutricionais devem ser analisados quanto ao ganho de peso final desejado, pois essa medida acarretará menor desempenho do lote.
  • 17. 3.3 – Síndrome da Cabeça Inchada  é uma enfermidade que acomete criações de galinhas e está disseminada praticamente por todo mundo  Em matrizes e poedeiras a enfermidade leva a um quadro respiratório, com edema facial e submandibular, presença de sinais nervosos, queda na produção e na qualidade dos ovos.  Em frangos de corte são observados secreção nasal, depressão e edema subcutâneo  Com freqüência os quadros são agravados pela presença de infecções secundárias, principalmente E. coli.
  • 18. Em matrizes e poedeiras a mortalidade fica em torno de 1% a 3%, porém ocorrem perdas devido à queda de postura de 1% a 10% durante 2 a 3 semanas e aumento da morte embrionária em incubadora em torno de 3% a 10%. A Síndrome da Cabeça Inchada pode apresentar-se de forma aguda ou sub-clínica. O curso da doença (sintomas, duração e mortalidade) é muito variável e depende de vários fatores, como; tipo de exploração, idade, infecção bacteriana secundária, outras infecções virais, má ventilação, contaminação do ambiente, poeira, alta densidade populacional e falta de higiene.
  • 19. 4 – O Abate e o Processamento dos Frangos  Boa qualidade final do produto  Em condições normais de abate e processamento, a retirada de ração é feita de 6 a 8 horas antes da apanha das aves  A escalda, depena e evisceração são pontos importantes de contaminação cruzada  Períodos prolongados de jejum podem afetar o pH das diversas partes do intestino, aumentando a presença de Salmonella
  • 20.  sugerem-se pesquisas nas seguintes áreas: • definir o tempo ótimo de jejum; • minimizar a contaminação e otimizar os parâmetros de qualidade de carcaça; • estudar os efeitos de períodos prolongados de jejum sobre o pH e a colonização do papo, pró- ventrículo, moela, intestino delgado, intestino grosso e cecos por enterobactérias, como Salmonella, por exemplo; • efeito do jejum sobre o tamanho e cor do fígado
  • 21. 4.1 – Transporte da Granja ao Abatedouro  Aves ornamentais: • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Vacinação contra o Epitelioma Contagioso. • Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados.
  • 22.  Aves silvestres • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Vacinação contra o Epitelioma Contagioso. • Atestado de que as aves não possuem ectoparasitas. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Guia de Transporte fornecida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente - IBAMA. • Proceder de granja onde não ocorreu doença infecto-contagiosa nos últimos 90 dias e, nas circunvizinhanças, nos últimos 30 dias. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  • 23.  Galinhas e frango de corte  Abate de frango de corte • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos últimos 30 dias. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  • 24.  Abate de matrizes industriais e postura comercial (descarte) • Guia de Trânsito Animal - GTA. • Proceder de granja onde não ocorreu Doença de New Castle nos últimos 90 dias e num raio de 10km nos últimos 30 dias. • Vacinação contra a Doença de New Castle. • Devem ser transportados em embalagens novas e apropriadas ou lavadas e desinfetadas com produtos registrados. • Os veículos transportadores devem ser previamente lavados e desinfetados. • Nota Fiscal de Produtor ou outro documento fiscal.
  • 25. 4.2 – Linha de Processamento Recepção As aves chegam ao frigorífico em caminhões, dentro de gaiolas Em dias quentes, recomenda-se colocar poucos frangos nas gaiolas As gaiolas podem ser de madeira ou de plástico
  • 26. Pendura Após o descarregamento, os frangos permanecem parados por um período de aproximadamente 2 horas ou mais na plataforma. Os frangos estressados apresentam um rápido declínio do pH da carcaça no período "pós- mortem". Esta queda brusca de pH causa desnaturação das proteínas musculares levando a uma alteração qualitativa do produto final. Os frangos são pendurados pelos pés em ganchos em uma linha contínua.
  • 27. Insensibilização ou atordoamento Após a pendura, os frangos passam pelo insensibilizador Esta voltagem pode variar de 40 a 80 watts  Este processo não pode matar a ave A insensibilização também facilita a operação de sangria
  • 28. Sangria Após a insensibilização, os frangos pendurados nos ganchos recebem um corte manual ou mecânico nas veias. Depois da secção das veias, os frangos percorrem um túnel de gotejamento de sangue onde ficam por aproximadamente 6 a 7 minutos. A completa sangria é de extrema importância.
  • 29.  Escaldagem  Logo após o esgotamento do sangue no túnel de sangria, os frangos seguem para a escaldadeira.  Usa-se a escaldadeira com a finalidade de uma prévia lavagem da ave e o afrouxamento das penas, para facilitar a depenagem.  A seção de escaldagem deve ser efetuada em instalações próprias.  Esta seção deve possuir ventilação suficiente para exaustão do vapor d'água, proveniente da escaldagem e das impurezas em suspensão.
  • 30. Depenagem Utilizam-se, em geral, três depenadeiras em série Ao passar pela primeira depenadeira, grande parte das penas são removidas, principalmente da sambiqueira e do peito A depenadeira final retira a cutícula da superfície dos pés dos frangos As penas retiradas caem sobre canaletas
  • 31.  Corte dos pés Logo após a saída da máquina de depenagem, os frangos têm seus pés cortados mecanicamente através de um disco afiado girando em torno do próprio eixo. Os pés são encaminhados para a graxaria ou separados para a venda.
  • 32. Evisceração A evisceração é uma das operações mais importantes na linha de abate. Todas as operações do processo de evisceração, podem ser feitas através de eviseradora automática. Quando não automatizados, as etapas básicas realizadas antes e após a evisceração propriamente dita são:
  • 33. • corte da pele do pescoço, traquéia e esôfago; • extração da cloaca; • corte do abdome; • eventração; • retirada de vísceras; • retirada do papo, traquéia e esôfago; • extração dos pulmões; • reinspeção; • limpeza final.
  • 34.  Pré-resfriamento  Esta operação é realizada em dois equipamentos em série, o pré-chiller e o chiller.  A reidratação tem por finalidade a recuperação da água perdida durante o transporte e nas operações iniciais.  O resfriamento tem por finalidade eliminar o calor "pós- mortem" adquirido durante as fases iniciais de abate.  Este processo de resfriamento leva de 30 a 40 minutos
  • 35. Gotejamento Os frangos saem do chiller através de uma esteira. A finalidade da etapa de gotejamento é eliminar o excesso d'água adquirida na operação de pré-resfriamento.
  • 36. Classificação As carcaças são classificadas por funcionários, que podem destiná-la para a embalagem como peça inteira ou para a sala de cortes As carcaças de aparência mais perfeitas são embaladas inteiras, as de aparência estranha (com manchas de sangue, por exemplo) são destinadas ao corte.