SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE
        PERNAMBUCO – IFPE CAMPUS PESQUEIRA
              COORDENADORIA DA SAÚDE
 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM - BACHARELADO




     LEPTOSPIROSE


                    PESQUEIRA – PE
                        2011
LEPTOSPIROSE


   Doença infecciosa febril de início abrupto,
    que pode variar desde um processo
    inaparente até formas graves com alta
    letalidade.
                                    (MS, 2010)
AGENTE CAUSADOR
   É causada por bactéria do gênero
    Leptospira que possui cerca de 14
    espécies patogênicas, sendo a mais
    importante a L. interrogans. Essa bactéria
    tem como reservatórios essenciais
    animais domésticos sinantrópicos e
    selvagens tais como: ratos, caninos,
    suínos, bovinos, equinos, ovinos e
    caprinos sendo o rato o reservatório mais
    comum.
    GOMES, 2011
 O     gênero       Leptospira
  pertence       à       família
  Leptospiraceae, distribuídas
  em 3 diferentes gêneros:
  Leptospira, Leptonema e
  Turneriella.
 São bactérias com 0,1 a 0,2
  mm de diâmetro e 6-12 mm
  de comprimento;
 forma   fina e espiralada;
  apresentam      extremidades
  com     ganchos;      móveis
                         GOMES, 2011
  graças a dois flagelos
MODO DE TRANSMISSÃO


   A infecção humana resulta da exposição
    direta ou indireta à urina de animais
    infectados. O microrganismo penetra na
    pele com lesões, em pele íntegra imersa
    por tempo elevado em água contaminada
    ou através das mucosas. A transmissão
    entre humanos é rara.
   PERÍODO DE INCUBAÇÃO: de 01 a 30
    dias(em média, de 05 a 14 dias);

   PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE:
    os animais infectados podem eliminar a
    leptospira através da urina durante meses,
    anos ou por toda a vida;
   A doença é bifásica com apresentações
    clínicas distintas. Está dividida em:

 FASE PRECOCE (ou septicêmica);
 FASE TARDIA (ou imune).
FASE PRECOCE


   Duração de 3 a 7 dias, início súbito de
    febre, cefaléia, mialgias (dor muscular),
    anorexia, náuseas e vômitos, podendo
    apresentar ainda dor torácica, diarreia,
    tosse seca.
FASE TARDIA
 Inicia após a primeira semana da doença;
 A manifestação clássica é a síndrome de
  Weil, caracterizada pela tríade: icterícia
  rubínica, insuficiência renal aguda – IRA e
  hemorragias, mais comumente pulmonar;
 Pode ocorrer ainda cefaléia intensa, sinais
  de     irritação    meníngea,    miocardite,
  arritmias,       distúrbios    neurológicos,
  petéquias.
DIAGNÓSTICO
 A suspeita clínica deve ser confirmada
  através     de     exames     laboratoriais
  específicos
 Na primeira semana (fase precoce) as
  leptospiras podem ser encontradas no
  sangue;
 Na fase tardia as leptospiras podem ser
  encontradas na urina.
 Os testes mais utilizados são o ELISA-IgM
  e a microaglutinação (MAT).
TRATAMEMTO
 É    feito   a    base     de  antibióticos
  independente da fase;
 Na    fase precoce deve-se usar a
  Amoxacilina 500mg em adultos e
  50mg/kg/dia em crianças durante 5 a 7
  dias, ou ainda a Doxicilina 100mg.
 Na fase tardia utiliza-se Penicilina G
  Cristalina1,5 milhões de UI, Anpicilina 1g
  ou Cefotaxina 1g.
TRATAMENTO
 Reposição hídrica;
 Assistência cardiorrespiratória;

 Nutrição enteral ou parenteral;

 Transfusão de sangue;

 Proteção gástrica.
ASPÉCTOS
                  EPDEMIOLÓGICOS
   No Brasil é uma doença
    endêmica podendo ser
    epidêmica em épocas de
    chuvas      devido    a
    ocorrência de enchentes
    associadas a condições
    inadequadas          de
    saneamento básico e
    alta   infestação    de
    roedores infectados
BRASIL: CASOS
CONFIRMADOS

 Casos confirmados no Brasil em 2010:
    3.758 casos, sendo 271 casos em
               Pernambuco;
 Casos confirmados no Brasil em 2011:
    4.732 casos, sendo 363 casos em
               Pernambuco.
PREVENÇÃO E CONTROLE
 Controle dos roedores;
 Descarte e acondicionamento adequado do
  lixo;
 Tratamento adequado da água;
 Eliminação de objetos ou materiais em geral
  em desuso que possam servir de abrigo para
  roedores;
 Imunização de animais domésticos (cães,
  bovinos e suínos) com vacinas de uso
  veterinário.
 Vigilância sanitária de alimentos de consumo
  humano.
 Evitar exposição a água de enchentes por
A leptospirose é um problema de
         saúde pública.

     Toda a população deve
fazer sua parte eliminando os
focos de roedores a partir do
descarte adequado do lixo. O
Governo por sua vez deve dar
suporte a população melhorando
as condições de saneamento
básico, tratamento da água e
coleta adequada do lixo.
REFERÊNCIAS

   BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde.
    Departamentos de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e
    parasitárias: guia de bolso. 8 ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010, p.
    274-282.

   BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Leptospirose:
    o que é e como prevenir. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em:
    http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/folder/leptos_folder.pdf. Acesso em:
    27 fev 2012.

   GOMES, Marcos. Gênero Leptospira spp. Microbiologia Clínica Veterinária Vet
    3225 Área de Bacteriologia, UFRGS, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
Gildo Crispim
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Ediones Costa
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Monara Bittencourt
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Aryelle Fernandes
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
Nelmidia Alves
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
Evelyn Monte
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Ricardo Alanís
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
Jakelyne Bezerra
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
nynynha
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
Raiva
RaivaRaiva
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Silmara da Rocha Moura
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Jaqueline Almeida
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 

Mais procurados (20)

Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Raiva.
Raiva.Raiva.
Raiva.
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Doenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospiroseDoenças transmissíveis leptospirose
Doenças transmissíveis leptospirose
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Raiva
RaivaRaiva
Raiva
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a MaláriaAula de Parasitologia Médica sobre a Malária
Aula de Parasitologia Médica sobre a Malária
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 

Semelhante a Leptospirose

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
Nathy Oliveira
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
EvertonMonteiro19
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
Nathy Oliveira
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
Maila Murad Balduino
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
DiegoOliveira520215
 
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.pptDOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
Gladys126266
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
Adriano Antonholi
 
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
naiellyrodrigues
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
2° Ta - cotuca
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
eld09
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 
Meio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e SaúdeMeio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e Saúde
Alan Delamaykon
 
Meio ambiente e saúde slide
Meio ambiente e saúde slideMeio ambiente e saúde slide
Meio ambiente e saúde slide
Alan Delamaykon
 
Meio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e SaúdeMeio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e Saúde
Alan Delamaykon
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
2° PD
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
EdnaMMA
 
Febre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rjFebre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rj
Hosana maniero
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
dirleyvalderez1
 

Semelhante a Leptospirose (20)

Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
leptospirose
leptospiroseleptospirose
leptospirose
 
Curso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagemCurso de bacharelado em enfermagem
Curso de bacharelado em enfermagem
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Parasitoses maila
Parasitoses mailaParasitoses maila
Parasitoses maila
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
 
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.pptDOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
 
Trabalho de Biologia
Trabalho de BiologiaTrabalho de Biologia
Trabalho de Biologia
 
Doenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCADoenças-Biologia-COTUCA
Doenças-Biologia-COTUCA
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Meio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e SaúdeMeio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e Saúde
 
Meio ambiente e saúde slide
Meio ambiente e saúde slideMeio ambiente e saúde slide
Meio ambiente e saúde slide
 
Meio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e SaúdeMeio Ambiente e Saúde
Meio Ambiente e Saúde
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Febre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rjFebre maculosa jun 2013 ses rj
Febre maculosa jun 2013 ses rj
 
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).pptAMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
AMEBIASE E GIARDIASE (AULA 1).ppt
 

Mais de Nathy Oliveira

Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressorasQuestionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
Nathy Oliveira
 
Fisio urinario-zago
Fisio urinario-zagoFisio urinario-zago
Fisio urinario-zago
Nathy Oliveira
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
Nathy Oliveira
 
Fisiologia humana v sistema excretor modo de compatibilidade
Fisiologia humana v  sistema excretor modo de compatibilidadeFisiologia humana v  sistema excretor modo de compatibilidade
Fisiologia humana v sistema excretor modo de compatibilidade
Nathy Oliveira
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
Nathy Oliveira
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
Nathy Oliveira
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
Nathy Oliveira
 
Leo Cristóvão na IEBP
Leo Cristóvão na IEBPLeo Cristóvão na IEBP
Leo Cristóvão na IEBP
Nathy Oliveira
 
Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1
Nathy Oliveira
 
Iallycosta
IallycostaIallycosta
Iallycosta
Nathy Oliveira
 
Carlos henrique
Carlos henriqueCarlos henrique
Carlos henrique
Nathy Oliveira
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Questionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e ParasitaQuestionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
Nathy Oliveira
 
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças InfecciosasResumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Nathy Oliveira
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
Nathy Oliveira
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Nathy Oliveira
 
Novo resumo
Novo resumoNovo resumo
Novo resumo
Nathy Oliveira
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
Nathy Oliveira
 

Mais de Nathy Oliveira (20)

Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressorasQuestionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
Questionário substâncias antinflamatórias e imunossupressoras
 
Fisio urinario-zago
Fisio urinario-zagoFisio urinario-zago
Fisio urinario-zago
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
 
Fisiologia humana v sistema excretor modo de compatibilidade
Fisiologia humana v  sistema excretor modo de compatibilidadeFisiologia humana v  sistema excretor modo de compatibilidade
Fisiologia humana v sistema excretor modo de compatibilidade
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
 
Antinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressoresAntinflamatórios e imunossupressores
Antinflamatórios e imunossupressores
 
Leo Cristóvão na IEBP
Leo Cristóvão na IEBPLeo Cristóvão na IEBP
Leo Cristóvão na IEBP
 
Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1Cópia de apresentação1
Cópia de apresentação1
 
Iallycosta
IallycostaIallycosta
Iallycosta
 
Carlos henrique
Carlos henriqueCarlos henrique
Carlos henrique
 
Resumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e ParasitaResumo Hospedeiro e Parasita
Resumo Hospedeiro e Parasita
 
Questionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e ParasitaQuestionário Hospedeiro e Parasita
Questionário Hospedeiro e Parasita
 
Seminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e ParasitaSeminário Hospedeiro e Parasita
Seminário Hospedeiro e Parasita
 
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças InfecciosasResumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
Resumo e Perguntas sobre Patogenia das Doenças Infecciosas
 
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
PATOGENIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS
 
Parte slide
Parte slideParte slide
Parte slide
 
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
Seminario saneamento básico Lei 11.445/2007
 
Novo resumo
Novo resumoNovo resumo
Novo resumo
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 

Leptospirose

  • 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO – IFPE CAMPUS PESQUEIRA COORDENADORIA DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM - BACHARELADO LEPTOSPIROSE PESQUEIRA – PE 2011
  • 2. LEPTOSPIROSE  Doença infecciosa febril de início abrupto, que pode variar desde um processo inaparente até formas graves com alta letalidade. (MS, 2010)
  • 3. AGENTE CAUSADOR  É causada por bactéria do gênero Leptospira que possui cerca de 14 espécies patogênicas, sendo a mais importante a L. interrogans. Essa bactéria tem como reservatórios essenciais animais domésticos sinantrópicos e selvagens tais como: ratos, caninos, suínos, bovinos, equinos, ovinos e caprinos sendo o rato o reservatório mais comum. GOMES, 2011
  • 4.  O gênero Leptospira pertence à família Leptospiraceae, distribuídas em 3 diferentes gêneros: Leptospira, Leptonema e Turneriella.  São bactérias com 0,1 a 0,2 mm de diâmetro e 6-12 mm de comprimento;  forma fina e espiralada; apresentam extremidades com ganchos; móveis GOMES, 2011 graças a dois flagelos
  • 5. MODO DE TRANSMISSÃO  A infecção humana resulta da exposição direta ou indireta à urina de animais infectados. O microrganismo penetra na pele com lesões, em pele íntegra imersa por tempo elevado em água contaminada ou através das mucosas. A transmissão entre humanos é rara.
  • 6.
  • 7. PERÍODO DE INCUBAÇÃO: de 01 a 30 dias(em média, de 05 a 14 dias);  PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE: os animais infectados podem eliminar a leptospira através da urina durante meses, anos ou por toda a vida;
  • 8. A doença é bifásica com apresentações clínicas distintas. Está dividida em:  FASE PRECOCE (ou septicêmica);  FASE TARDIA (ou imune).
  • 9. FASE PRECOCE  Duração de 3 a 7 dias, início súbito de febre, cefaléia, mialgias (dor muscular), anorexia, náuseas e vômitos, podendo apresentar ainda dor torácica, diarreia, tosse seca.
  • 10. FASE TARDIA  Inicia após a primeira semana da doença;  A manifestação clássica é a síndrome de Weil, caracterizada pela tríade: icterícia rubínica, insuficiência renal aguda – IRA e hemorragias, mais comumente pulmonar;  Pode ocorrer ainda cefaléia intensa, sinais de irritação meníngea, miocardite, arritmias, distúrbios neurológicos, petéquias.
  • 11. DIAGNÓSTICO  A suspeita clínica deve ser confirmada através de exames laboratoriais específicos  Na primeira semana (fase precoce) as leptospiras podem ser encontradas no sangue;  Na fase tardia as leptospiras podem ser encontradas na urina.  Os testes mais utilizados são o ELISA-IgM e a microaglutinação (MAT).
  • 12. TRATAMEMTO  É feito a base de antibióticos independente da fase;  Na fase precoce deve-se usar a Amoxacilina 500mg em adultos e 50mg/kg/dia em crianças durante 5 a 7 dias, ou ainda a Doxicilina 100mg.  Na fase tardia utiliza-se Penicilina G Cristalina1,5 milhões de UI, Anpicilina 1g ou Cefotaxina 1g.
  • 13. TRATAMENTO  Reposição hídrica;  Assistência cardiorrespiratória;  Nutrição enteral ou parenteral;  Transfusão de sangue;  Proteção gástrica.
  • 14. ASPÉCTOS EPDEMIOLÓGICOS  No Brasil é uma doença endêmica podendo ser epidêmica em épocas de chuvas devido a ocorrência de enchentes associadas a condições inadequadas de saneamento básico e alta infestação de roedores infectados
  • 15.
  • 16. BRASIL: CASOS CONFIRMADOS  Casos confirmados no Brasil em 2010: 3.758 casos, sendo 271 casos em Pernambuco;  Casos confirmados no Brasil em 2011: 4.732 casos, sendo 363 casos em Pernambuco.
  • 17. PREVENÇÃO E CONTROLE  Controle dos roedores;  Descarte e acondicionamento adequado do lixo;  Tratamento adequado da água;  Eliminação de objetos ou materiais em geral em desuso que possam servir de abrigo para roedores;  Imunização de animais domésticos (cães, bovinos e suínos) com vacinas de uso veterinário.  Vigilância sanitária de alimentos de consumo humano.  Evitar exposição a água de enchentes por
  • 18. A leptospirose é um problema de saúde pública. Toda a população deve fazer sua parte eliminando os focos de roedores a partir do descarte adequado do lixo. O Governo por sua vez deve dar suporte a população melhorando as condições de saneamento básico, tratamento da água e coleta adequada do lixo.
  • 19.
  • 20. REFERÊNCIAS  BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamentos de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8 ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010, p. 274-282.  BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Leptospirose: o que é e como prevenir. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/folder/leptos_folder.pdf. Acesso em: 27 fev 2012.  GOMES, Marcos. Gênero Leptospira spp. Microbiologia Clínica Veterinária Vet 3225 Área de Bacteriologia, UFRGS, 2011.