SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho elaborado por:
Carla Teixeira Nº7
Sara Dionísio Nº 28
Disciplina : História
Professor: Rogério Gonçalves
Este presente trabalho realizado para a disciplina de História tem como objetivo o
estudo de dois temas: ”A Industrialização Portuguesa no século XIX” e “A
Emigração Portuguesa no século XIX”.
Apresentamos nos seguintes dispositivos o estudo sobre os temas bem como
imagens que nos ajudam a entender melhor a história do seculo XIX.
Este trabalho é muito importante, porque ambos os temas fazem parte da História
do nosso país.
 A indústria é uma actividade económica surgida na Primeira Revolução
Industrial, no fim do século XVIII e início do século XIX, na Inglaterra, e
que tem por finalidade transformar matéria-prima em produtos
comercializáveis, utilizando para isto força humana, máquinas e energia.
Portugal no século XIX tinha um desenvolvimento económico
bastante fraco.
A agricultura era a principal actividade económica, mas havia um
conjunto de problemas que impedia o seu desenvolvimento.
Foi no período conhecido por Regeneração que Portugal arrancou
para a modernização. Destacou-se neste período Fontes Pereira de
Melo.
 Este homem considerava que Portugal só se desenvolvia se
estivesse “apoiado” por um conjunto de infra-estruturas de
comunicação e transporte.
Fontes Pereira de Melo começou então a construir caminhos de
ferro; construir pontes, viadutos e estradas; criou um
estabelecimento de rede telegráfica, de telefone, alargou os serviços
postais e por fim apostou no arranque dos barcos a vapor.
E foram estas medidas que provocaram a modernização do país
e fizeram com que a economia progredisse,  assistiu-se então a um
aumento da circulação de pessoas e produtos, deste modo o
mercado nacional também evoluiu.
Portugal teve que fazer um empréstimo, e ficou assim dependente
economicamente do estrangeiro.
No séc. XIX a indústria utilizava as máquinas para fazer quase tudo.
A maioria destas máquinas era movida pela força da água, do
vento, do Homem e pelos animais.
O objectivo do governo, com a industrialização da indústria, foi
sempre produzir mais e melhor. Mas a revolução da indústria só se
deu com a chegada das máquinas a vapor.
A primeira máquina a vapor que apareceu em Portugal foi em 1835.
As indústrias que mais se modernizaram foram a têxtil, a do papel, a do
tabaco e a das conservas de peixe. Estas indústrias já ocupavam as
chamadas fábricas em que crianças e mulheres eram os que mais
trabalhavam nestes locais.
Nos finais do séc. XIX, as grandes áreas industriais eram a zonas do
Porto, Braga, Guimarães e da grande Lisboa, do Barreiro e de Setúbal,
mas Portugal continuava atrasado em relação aos outros países.
Produzir em maior quantidade;
Que a produção fosse mais rápida;
Produzir em série;
Utilizar a divisão de tarefas;
Tornar os produtos mais baratos.
Apesar destas melhorias, Portugal
encontrava-se mais atrasado em relação à Grã-
Bretanha, à Alemanha ou à França.
A insuficiente formação das pessoas ligadas à
indústria, as dificuldades na obtenção de
crédito industrial e os juros elevados, a
concorrência estrangeira e a falta de
combustíveis e matérias-primas eram os
principais problemas.
A burguesia portuguesa deixou os sectores-
chave da economia nas mãos dos estrangeiros.
Os caminhos-de-ferro nasceram do encontro de duas técnicas: o ferro e a máquina a vapor. Os
carris eram já utilizados no século XVIII.
Consequências dos caminhos-de-ferro
Provocaram profundas implicações económicas, sociais e até culturais:
A agricultura encontrou novos mercados e pôde vender géneros de pequena duração em zonas
distanciadas, assim como especializar as suas produções.
Os centros urbanos foram abastecidos com regularidade, evitando-se crises de fornecimento.
Favoreceram-se as operações financeiras, mediante o lançamento de acções e empréstimos por
obrigações; construiu-se o aparelho bancário moderno; criaram-se sociedades por acções, o tipo
mais aperfeiçoado de empresa capitalista no período da segunda revolução industrial.
Reduziram-se as tarifas e os custos dos transportes; estimulou-se o consumo de massas.
Absorveu-se, também, mão-de-obra disponível, através de novas profissões, como ferroviários,
carregadores...
Facilitaram a correspondência.
 Concluindo, as distâncias encurtaram-se, circularam ideias novas, o Capitalismo triunfou.
O petróleo e a electricidade permitiram a invenção de novas máquinas como o
motor de explosão e o motor eléctrico, estes foram substituídos pela máquina a
vapor que é alimentada a água e a carvão.
A electricidade foi uma fonte de energia que fez com que a área das comunicações
se desenvolvesse bastante. O telégrafo inventado em 1837 , estabeleceu uma
relação com a descoberta do telefone a com a transmissão sem fios.
A indústria metalúrgica teve um grande desenvolvimento. A nível químico,
também existiu uma verdadeira revolução.
Inicia-se então a Segunda Revolução Industrial.
Em Fafe existem três indústrias têxteis importantes que tiveram origem
na iniciativa direta de emigrantes de retorno do Brasil. Uma dessas
indústrias está ligada aos refrigerantes, que já desapareceu com a
mesma origem.
A Companhia de Fiação e Tecidos de Fafe resultou da iniciativa do
Brasileiro (emigrante do Brasil) José Ribeiro Vieira de Castro que no
dia 15 de Dezembro de 1886 sugeriu  a alteração dos objetivos da
Companhia Industrial de Fafe, instalada numa queda de água no rio
Ferro, na freguesia de Fafe e que se dedicava à moagem de cereais,
passando a dedicar-se ao ramo têxtil.
1890- António Joaquim de Morais, José Ribeiro Vieira de Castro e João Evangelista da Silva Matos
foram quem dirigiu a sociedade anónima , tendo este último abandonado a direcção em 1890.;
1897- António Joaquim de Morais é substituído por Manuel de Lemos e, por morte de José Ribeiro
Vieira de Castro, em 4 de Julho de 1905, Manuel Cardoso Martins, que guarda-livros da fábrica desde
1897, sucede-lhe na gerência;
1916- Entrou para a direcção o sobrinho do fundador José Ribeiro Vieira de Castro;
1909- empregava 450 operários e em 1927 é equipada com três turbinas eléctricas;
1947- A fábrica dispunha de dezoito mil fusos e setecentos e oitenta e três teares mecânicos e cerca de
mil e trezentos operários.
Esta fábrica foi-se desenvolvendo sempre até aos dias de hoje.
Trabalho ..
Em 1815 e 1914 a população aumentou bastante, isto fez com que os salários diminuíssem,
o desemprego aumentou ou seja, a miséria era cada vez maior. Tudo isto, aliado a crises
agrícolas, que provocavam a falta dos alimentos, fez com que o preço aumentasse e a
fome em regiões rurais onde habita mais população existisse em maior quantidade.
Um dos principais motivos que terá levado à emigração foram as condições económicas.
A industrialização contribuiu de diversas maneiras também para esta ligação. A rápida
influência da industrialização em alguns países provocou, entre outros aspectos, a
exploração do patronato e as más condições de trabalho que reforçou a decisão de
emigrar.
Os progressos da navegação facilitavam a emigração visto que com os novos meios de
comunicação as viagens ficavam mais baratas e seguras. Algumas pessoas também
emigravam atraídas pelas riquezas dos novos países e outros fugiam.
 Estas são as principais causas que levavam as pessoas a saírem da sua terra natal.
 Tinham uma grande preferência pela Europa, em particular pela França.
 985 emigrantes em 1955; 3593 em 1960; 32641 em 1964 e 27234 em 1969. Com
destino ao Brasil: 18486 emigrantes em 1955; 12451 emigrantes em 1960; 4929
emigrantes em 1964 e apenas 2537 emigrantes em 1969.
A emigração para a Europa, dirige-se sobretudo para Espanha mas a partir do fim
do século também foram dirigidas para França.
 Existiram muitas saídas clandestinas nos anos de 1969, 1970 e 1971.
 O Canadá não é tão importante, mas também é um dos mais escolhidos.
 O incremento da colonização de África faz igualmente disparar o números de
emigrantes que se instalam nos planaltos de Angola, Moçambique, etc. Em 1914
houve pouca emigração.
 Desde 1800 a 1914 os Europeus povoaram o mundo através das fortes vagas
migratórias.

 O Século XIX é a época em que se verifica o retorno do emigrante
português enriquecido no Brasil. Este retorno é um poderoso fator de
difusão cultural em muitos elementos que se encontram em Portugal. O
Minho, por exemplo, é o lugar das evidências do retorno do “Brasileiro”,
onde observamos as representações desse tempo, sobretudo nas casas
uma vez que com os primeiros lucros do Brasil o emigrante investia na
sua luxuosa habitação.
 As representações feitas através da localização, da arquitetura e da
decoração das fachadas de casas constituem alguns dos elementos que
configuraram a personagem do “Brasileiro” e a teatralidade do seu
tempo.
  
Imagens de museus em homenagem ao emigrante
do século XIX
Trabalho ..
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ind%C3%BAstria
http://www.google.com/imgres?um=1&hl=pt
PT&biw=1525&bih=697&tbm=isch&tbnid=VXDT8R1TfiHk8M:&imgrefurl=http://www.eb23cmdtconceicao
silva.rcts.pt/sev/hgp/13.4.htm&docid=IgXuY2WTY2TLkM&imgurl=http://www.eb23-cmdt-conceicao
silva.rcts.pt/sev/hgp/13.fabrica_seixal.jpg&w=788&h=551&ei=a9O4T7XqMcL58QPniMCjCg&zoom=1&iact=rc&dur=378&sig=101544182798677728295&p
ge=1&tbnh=162&tbnw=214&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:15,s:0,i:101&tx=96&ty=108
http://6avqhgp.blogspot.pt/
http://stor.pt.cx/lucilia/2010/10/17/a-civilizacao-industrial-no-sec-xix-o-caso-portugues/
http://mcquintas.paginas.sapo.pt/index46.html
http://www.google.com/imgres?num=10&um=1&hl=pt
PT&biw=1525&bih=697&tbm=isch&tbnid=HodFOHL2sD6YdM:&imgrefurl=http://lusoluena.home.sapo.pt/Caminho%2520de%2520Ferro%2520de%252
Benguela.htm&docid=0NAMbcAHdP9pRM&imgurl=http://lusoluena.home.sapo.pt/The%252520Garratt%252520Locomotive.jpg&w=745&h=510&ei=eQ
CT_HTCeWu0QWB6uTXCg&zoom=1&iact=hc&vpx=311&vpy=194&dur=47&hovh=186&hovw=271&tx=142&ty=115&sig=101544182798677728295&sqi=
&page=1&tbnh=143&tbnw=179&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:1,s:0,i:84
http://www.google.com/imgres?um=1&hl=pt-
PT&biw=1525&bih=697&tbm=isch&tbnid=xzEY7WKRjoMyzM:&imgrefurl=http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/o_intrincado_quebra
cabeca_da_saude_do_trabalhador_3.html&docid=HJ4zKSr17r3q_M&imgurl=http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/img/trabalhador3.jpg&w=27
&h=350&ei=cRHCT6mDL6
M0wWxrOnbCg&zoom=1&iact=hc&vpx=1162&vpy=318&dur=2355&hovh=253&hovw=199&tx=128&ty=92&sig=101544182798677728295&page=1&tbnh=
44&tbnw=114&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:12,s:0,i:120
http://www.google.com/imgres?um=1&hl=pt
PT&sa=N&biw=1525&bih=697&tbm=isch&tbnid=defuhvogBqZm5M:&imgrefurl=http://www.museu
emigrantes.org/viagem-brasil.htm&docid=4L-lYP0laGTRnM&imgurl=http://www.museu-emigrantes.org/imagens/cidades
brasil-patrmonio/manaus_02.jpg&w=400&h=246&ei=cBnCT-X
IOrJ0QX1upHGCg&zoom=1&iact=hc&vpx=183&vpy=350&dur=5429&hovh=176&hovw=286&tx=211&ty=97&sig=1015441827
8677728295&page=1&tbnh=130&tbnw=211&start=0&ndsp=21&ved=1t:429,r:7,s:0,i:85
http://www.museu-emigrantes.org/Fabrica-de-Ferro.htm
http://www.google.com/imgres?hl=pt-PT&gbv=2&biw=1525&bih=697&tbm=isch&tbnid=40Roj8NZwHyJ7M:&imgrefurl=http://www.museu
emigrantes.org/Fabrica-de-Ferro.htm&docid=tmAdWEb52Ok0KM&imgurl=http://www.museu-emigrantes.org/imagens/fafe-postais
antigos/Fbr_Ferro%281860-1930%293.jpg&w=400&h=248&ei=TSDCT
Mn46LRBcWBgdMK&zoom=1&iact=hc&vpx=193&vpy=171&dur=664&hovh=177&hovw=285&tx=196&ty=115&sig=101544182798677728295&page=1&tb
h=161&tbnw=231&start=0&ndsp=18&ved=1t:429,r:0,s:0,i:68
http://neh.no.sapo.pt/documentos/emigracao_no_seculo_xix.htm
http://www.ub.edu/geocrit/sn-94-30.htm
Manual de História 8ºAno

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIXA civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIX
Death212
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
Janayna Lira
 
Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
BeatrizMarques25
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
NAPNE
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
Nuno Eusébio
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
Kerol Brombal
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Isabel Aguiar
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Alterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociaisAlterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociais
maria40
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
guest541661c7
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Guilherme Drumond
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Paulo Roberto
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrialA revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
Anabela Sousa Pinho
 
Segunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismoSegunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismo
Daniel Correia
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 

Mais procurados (20)

A civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIXA civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIX
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
Rev industrial
Rev industrialRev industrial
Rev industrial
 
Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
Revolução industrial pdf
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Alterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociaisAlterações nas estruturas sociais
Alterações nas estruturas sociais
 
A IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os TransportesA IndúStria E Os Transportes
A IndúStria E Os Transportes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrialA revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
A revoluo-agrcola-e-o-arranque-da-revoluo-industrial
 
Segunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismoSegunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismo
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 

Destaque

Sistema operacional embarcado
Sistema operacional embarcadoSistema operacional embarcado
Sistema operacional embarcado
Gabriela Azambuja Mendes
 
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
Aldo Gómez
 
100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau
Tamires Ramos
 
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
FolhaNR
 
Encontros e desencontros 3
Encontros e desencontros 3Encontros e desencontros 3
Encontros e desencontros 3
Simone Alves
 
Tecnología de la información y la comunicación
Tecnología de la información y la comunicaciónTecnología de la información y la comunicación
Tecnología de la información y la comunicación
Diego Figueroa Vargas
 
Comunicación grafica
Comunicación graficaComunicación grafica
Comunicación grafica
alee-rodriguez93
 
Acomvip - Manual de Identidade Visual
Acomvip  - Manual de Identidade VisualAcomvip  - Manual de Identidade Visual
Acomvip - Manual de Identidade Visual
Cleiton Fabiano
 
Examen 2
Examen 2Examen 2
Examen 2
Angela Contento
 
Musical Point
Musical Point Musical Point
Musical Point
Olga Gascon
 
247 los que invade la arena
247   los que invade la arena247   los que invade la arena
247 los que invade la arena
Mike Garcia
 
Oficina 06
Oficina 06Oficina 06
Oficina 06
natielemesquita
 
Krone
KroneKrone
O unico lugar de adoração
O unico lugar de adoraçãoO unico lugar de adoração
O unico lugar de adoração
Marcos Ribeiro
 
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a jovesCurs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
Museu Marítim de Barcelona
 
Integrantes
IntegrantesIntegrantes
Integrantes
luzneidamatute
 
Piloto_Mini_aula_GVT
Piloto_Mini_aula_GVTPiloto_Mini_aula_GVT
Piloto_Mini_aula_GVT
Welisson Silva
 
Otimizacao de conteudo
Otimizacao de conteudoOtimizacao de conteudo
Otimizacao de conteudo
Léo Cardoso
 

Destaque (20)

Ddum
DdumDdum
Ddum
 
Sistema operacional embarcado
Sistema operacional embarcadoSistema operacional embarcado
Sistema operacional embarcado
 
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
Charla de Privacidad y Seguridad On Line en el IPET 247 (Ex ENET N° 2)
 
100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau
 
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
Folha Notícias Regionais® | Oeste Paulista - Edição 116
 
Projectes expositius en cooperació
Projectes expositius en cooperacióProjectes expositius en cooperació
Projectes expositius en cooperació
 
Encontros e desencontros 3
Encontros e desencontros 3Encontros e desencontros 3
Encontros e desencontros 3
 
Tecnología de la información y la comunicación
Tecnología de la información y la comunicaciónTecnología de la información y la comunicación
Tecnología de la información y la comunicación
 
Comunicación grafica
Comunicación graficaComunicación grafica
Comunicación grafica
 
Acomvip - Manual de Identidade Visual
Acomvip  - Manual de Identidade VisualAcomvip  - Manual de Identidade Visual
Acomvip - Manual de Identidade Visual
 
Examen 2
Examen 2Examen 2
Examen 2
 
Musical Point
Musical Point Musical Point
Musical Point
 
247 los que invade la arena
247   los que invade la arena247   los que invade la arena
247 los que invade la arena
 
Oficina 06
Oficina 06Oficina 06
Oficina 06
 
Krone
KroneKrone
Krone
 
O unico lugar de adoração
O unico lugar de adoraçãoO unico lugar de adoração
O unico lugar de adoração
 
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a jovesCurs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
Curs d'iniciació a la fotografia en el medi marí per a joves
 
Integrantes
IntegrantesIntegrantes
Integrantes
 
Piloto_Mini_aula_GVT
Piloto_Mini_aula_GVTPiloto_Mini_aula_GVT
Piloto_Mini_aula_GVT
 
Otimizacao de conteudo
Otimizacao de conteudoOtimizacao de conteudo
Otimizacao de conteudo
 

Semelhante a Trabalho ..

revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Carlos Duarte Castanheira
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
Resumos historia
Resumos historiaResumos historia
Resumos historia
Elisa Dias
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
Luís Ferreira
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Jojo Cruz
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
José Palma
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Rodrigo Teixeira
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
Raphael Santos Silva
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
Laerciolns12
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
BiancaNogueira42
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
Vítor Santos
 
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Carlos Vaz
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
martamariafonseca
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Maida Marciano
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
Patrícia Costa Grigório
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
Fabiana Severiano
 

Semelhante a Trabalho .. (20)

revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
Resumos historia
Resumos historiaResumos historia
Resumos historia
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
As cidades se c xix final
As cidades se c xix finalAs cidades se c xix final
As cidades se c xix final
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
 
Trabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrialTrabalho revolução industrial
Trabalho revolução industrial
 
1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial1ª Revolução Industrial
1ª Revolução Industrial
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
 
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIXHgp6   4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
Hgp6 4.4 - Portugal na segunda metade do século XIX
 
Portugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIXPortugal na 2ª metade do século XIX
Portugal na 2ª metade do século XIX
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
 
A Revolução Industrial
A Revolução IndustrialA Revolução Industrial
A Revolução Industrial
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 

Trabalho ..