SlideShare uma empresa Scribd logo
O mundo industrializado
O mundo industrializadono séc. XIXno séc. XIX
A geografia da
A geografia da
Industrialização
Industrialização
INGLATERRA: Do século XIX até à I Guerra
 Hegemonia inglesa:
- Possuía o maior rendimento
per capita;
- Era o maior produtor de
carvão, ferro fundido, aço;
- Londres era o maior
entreposto comercial e
financeiro do globo;
- Possuía a maior frota
marítima que possibilitava o
controlo do tráfico mundial.
 Revelou:
- Dificuldades em superar os
rivais;
- Cansaço na inovação e
criatividade;
- Perda de competitividade nas
técnicas e meios de produção;
- Menor ousadia dos
empresários;
- Redução do ritmo de
crescimento e produção.
 Era o maior investidor de capitais no estrangeiro;
 Controlava vastos mercados, assegurando desta forma o
abastecimento de matérias-primas e o escoamento da sua
produção;
 A “Partilha de África”, na Conferência de Berlim (1884/85),
favoreceu a construção de um império africano vastíssimo, ligando
o Cabo ao Cairo, e reforçou a sua posição privilegiada de controlo
de mercados e locais estratégicos (estreitos, golfos, canais…);
 A libra esterlina e os títulos bancários ingleses circulavam por todo
o mundo.
 Nas vésperas da I Guerra Mundial a Inglaterra manifestava já algum
atraso face à Alemanha e aos Estados Unidos, mas…
ALEMANHA
 O grande arranque da industrialização ocorreu a
partir de 1840.
 A capacidade para uma rápida industrialização alemã foi fruto de uma
série de condicionalismos:
 Riqueza mineira (ferro, carvão);
 Transformações ocorridas no sector agrícola: novas culturas, abolição
do pousio, uma revolução demográfica…
 O Zollverein;
 A guerra franco-prussiana, e a inclusão nos territórios alemães da
Alsácia e da Lorena, regiões de importantes recursos minerais e têxteis.
ESTADOS UNIDOS
 Realizou uma industrialização muito rápida, auxiliada por
diferentes fatores:
 Território extenso e progressivamente alargado ao longo do
século XIX.
 Cedência de territórios e de exploração de recursos naturais a
particulares.
 Grande abundância de recursos naturais.
 A chegada de grandes vagas emigratórias.
ESTADOS UNIDOS
 Incentivo às inovações e invenções, à rápida mecanização e à
organização do trabalho em novos moldes, mais racionais e
científicos.
 O nível de instrução elevado facilitador do recrutamento de
mão-de-obra e da especialização nas indústrias.
 A necessidade de comunicação entre grandes distâncias, que
levou à construção de caminhos –de- ferro, dinamizadores do
mercado interno.
 Uma política aduaneira adequada, facilitando e consolidando
a industrialização.
FRANÇA
 Só a partir de 1848, depois do triunfo do segundo Império, pega nas
técnicas, nos técnicos e nas máquinas inglesas e inicia a
industrialização do sector têxtil de forma lenta e sem take off.
Industrializa-se apenas à medida das suas necessidades.
 Desenvolve primeiro os setores têxtil e do carvão.
 A partir de 1860 expandem-se as linhas férreas e nos inícios do séc.
XX, a indústria automóvel:
A EMERGÊNCIA DO JAPÃO
 Até ao século XIX:
 O Japão reunificou-se e tornou-se um estado centralizado, com um
senhor da guerra, um Xogum, que durou até 1867.
 O Japão entrou numa nova era, o período Meiji:
 Reestruturou-se o poder político e submeteram-se
os senhores feudais;
 Suprimiram-se os direitos feudais;
 Instituiu-se uma monarquia constitucional.
 Nas vésperas de 1ª Guerra possuía a sétima frota mundial, derrotara as
forças armadas dos czares (1905); a Coreia foi anexada em 1910, tendo
permanecido na sua posse até 1945.
A expansão da
A expansão da
revolução industrial
revolução industrial
Novos inventos e novas fontes de energia
 A segunda revolução industrial inicia-se também na Inglaterra,
mas alarga-se a outros locais.
 Surgem novas fontes de energia: petróleo e eletricidade (que
provocam grandes alterações no quotidiano).
Novos inventos e novas fontes de energia
 Desenvolvem-se as ciências,
criando novos equipamentos, que
irão contribuir para a expansão
industrial (telégrafo, motor de
explosão…).
 Opera-se uma estreita ligação entre
a ciência que se desenvolvia e a
técnica, cada vez mais necessária.
 Primazia da indústria química
(medicamentos, corantes sintéticos,
perfumes…) e metalúrgica
(trabalho do aço, do cobre…).
Consequências dos processos cumulativos
 Os cientistas patrocinados pela indústria
fizeram progredir a ciência com criações
adaptadas por engenheiros e técnicos;
 Descida dos preços e dos custos de produção;
 Crescimento da produção;
 Aumento dos lucros;
 Concentração empresarial;
 Racionalização do trabalho.
Taylorismo / Fordismo
 Obsessão pela produtividade;
 Automatização das tarefas;
 “Scientific managment”: tarefas
estandardizadas;
 Aumento dos lucros;
 Linha de produção – trabalho
em cadeia;
 Salário em função do
rendimento.
Revolução nos transportes
 A dinamização da produção industrial assenta na
melhoria dos sistemas de comunicação e transportes:
 implementação do sistema de MacAdam: estradas
macadamizadas (pedra triturada e areia);
 implementação de novas formas de transporte como o
automóvel, o avião ou mesmo a bicicleta;
 construção de infraestruturas como pontes, terminais, vias
de acesso, estaleiros...
 desenvolvimento dos sistemas navais e de caminhos de
ferro.
Revolução nos transportes: consequências
 Aumentou a circulação de pessoas, bens e serviços;
 Permitiu a difusão de ideias, novidades e notícias;
 Diminuiu os custos, logo permitiu o incremento das vendas;
 Permitiu o alargamento dos mercados e a expansão do consumo;
 Aumentou a oferta de trabalho;
 Facilitou a circulação de matérias-primas e produção;
 Incrementou o sector metalúrgico;
 Desenvolveu as atividades bancárias, pela mobilização de capitais;
Revolução nos transportes: consequências
 Desenvolveu atividades e indústrias relacionadas como os
transportes;
 Desenvolveu as zonas industriais;
 Melhorou a acessibilidade das populações e consequentemente,
certas localidades;
 Permitiu a internacionalização do capital.
CAPITALISMO INDUSTRIAL E FINANCEIRO
A fase do capitalismo industrial estendeu-se do século XVIII ao
XX e foi marcada pela Primeira e pela Segunda Revolução
Industrial. A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro,
e o trabalho assalariado passou a ser a relação típica do
capitalismo: quem recebia um salário acabava por ser o
consumidor dos produtos que ajudava a fabricar. O trabalho
tornou–se uma mercadoria.
O capitalismo financeiro desenvolveu-se após a Primeira
Guerra Mundial (1914-1918). A união do capital industrial com o
capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital
financeiro, que é a própria essência do capitalismo.
As crises do capitalismo
No Antigo Regime – causadas por subprodução;
No período capitalista – causadas por uma superprodução. Os
períodos de crise coincidem com fases de recessão demográfica,
aumento da criminalidade, da agitação social e dos conflitos entre
nações.
LEI DA OFERTA E DA PROCURA
Lugar onde os agentes económicos levam a
cabo a troca de bens por moeda ou por
outros bens.
Quantidade de bens ou
serviços que os consumidores
estão dispostos a adquirir, por
um determinado preço.
Quantidade de bens
ou serviços que os
vendedores estão
dispostos a colocar no
mercado.
Valor atribuído a
determinado produto
e que corresponde à
quantia de moeda
que é necessário
obter.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução industial
Revolução industialRevolução industial
Revolução industial
Roseni Stel De Paula
 
Novo
NovoNovo
A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
António Luís Catarino
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Cap. 14 - Segunda Revolução Industrial
Cap. 14 - Segunda Revolução IndustrialCap. 14 - Segunda Revolução Industrial
Cap. 14 - Segunda Revolução Industrial
vbrizante
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Maria Gomes
 
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
José Carlos
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
monica10
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Wendell Junior
 
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
José Carlos
 
As transformações do século xix
As transformações do século xixAs transformações do século xix
As transformações do século xix
profnelton
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
Inês Alexandre
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
A civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIXA civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIX
Death212
 
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrialA prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
Helena Lobo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Paulo Alexandre
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
Margarida Moreira
 
segunda revolução industrial a 1 guerra
  segunda revolução industrial a 1 guerra  segunda revolução industrial a 1 guerra
segunda revolução industrial a 1 guerra
Marcelo Ferreira Boia
 
Novas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industriaNovas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industria
maria40
 

Mais procurados (20)

Revolução industial
Revolução industialRevolução industial
Revolução industial
 
Novo
NovoNovo
Novo
 
A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]A ii revolucao-industrial[1]
A ii revolucao-industrial[1]
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
 
Cap. 14 - Segunda Revolução Industrial
Cap. 14 - Segunda Revolução IndustrialCap. 14 - Segunda Revolução Industrial
Cap. 14 - Segunda Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
 
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo3º ano  cap 1 industrialização e imperialismo
3º ano cap 1 industrialização e imperialismo
 
As transformações do século xix
As transformações do século xixAs transformações do século xix
As transformações do século xix
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
A civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIXA civilização Industrial do Século XIX
A civilização Industrial do Século XIX
 
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrialA prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Hegemonia Inglesa
Hegemonia InglesaHegemonia Inglesa
Hegemonia Inglesa
 
segunda revolução industrial a 1 guerra
  segunda revolução industrial a 1 guerra  segunda revolução industrial a 1 guerra
segunda revolução industrial a 1 guerra
 
Novas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industriaNovas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industria
 

Destaque

Trabalho escrito aeim[1]
Trabalho escrito   aeim[1]Trabalho escrito   aeim[1]
Trabalho escrito aeim[1]
Ana Barreiros
 
PermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia TradicionalPermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia Tradicional
luisant
 
Historia 5 de 0utubro
Historia 5 de 0utubroHistoria 5 de 0utubro
Historia 5 de 0utubro
Ana Barreiros
 
Cursos humanísticos
Cursos humanísticosCursos humanísticos
Cursos humanísticos
Ana Barreiros
 
Sociedade e Cultura num mundo em mudança
Sociedade e Cultura num mundo em mudançaSociedade e Cultura num mundo em mudança
Sociedade e Cultura num mundo em mudança
cattonia
 
Um olhar sobre a republica ii
Um olhar sobre a republica iiUm olhar sobre a republica ii
Um olhar sobre a republica ii
Ana Barreiros
 
Um olhar sobre a republica iii
Um olhar sobre a republica iiiUm olhar sobre a republica iii
Um olhar sobre a republica iii
Ana Barreiros
 
O meu olhar sobre a república
O meu olhar sobre a repúblicaO meu olhar sobre a república
O meu olhar sobre a república
Ana Barreiros
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
cattonia
 
Artes
ArtesArtes
1º Republica B
1º Republica B1º Republica B
1º Republica B
Ana Barreiros
 
Sara e jessica
Sara e jessicaSara e jessica
Sara e jessica
Ana Barreiros
 
A ligação ao mundo
A ligação ao mundoA ligação ao mundo
A ligação ao mundo
cattonia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
cattonia
 
As primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homemAs primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homem
Ana Barreiros
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
cattonia
 
A Europa cristã e o Islão
A Europa cristã e o IslãoA Europa cristã e o Islão
A Europa cristã e o Islão
Ana Barreiros
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
cattonia
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
cattonia
 
Piramides do egipto
Piramides do egiptoPiramides do egipto
Piramides do egipto
Ana Barreiros
 

Destaque (20)

Trabalho escrito aeim[1]
Trabalho escrito   aeim[1]Trabalho escrito   aeim[1]
Trabalho escrito aeim[1]
 
PermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia TradicionalPermanêNcias Da Economia Tradicional
PermanêNcias Da Economia Tradicional
 
Historia 5 de 0utubro
Historia 5 de 0utubroHistoria 5 de 0utubro
Historia 5 de 0utubro
 
Cursos humanísticos
Cursos humanísticosCursos humanísticos
Cursos humanísticos
 
Sociedade e Cultura num mundo em mudança
Sociedade e Cultura num mundo em mudançaSociedade e Cultura num mundo em mudança
Sociedade e Cultura num mundo em mudança
 
Um olhar sobre a republica ii
Um olhar sobre a republica iiUm olhar sobre a republica ii
Um olhar sobre a republica ii
 
Um olhar sobre a republica iii
Um olhar sobre a republica iiiUm olhar sobre a republica iii
Um olhar sobre a republica iii
 
O meu olhar sobre a república
O meu olhar sobre a repúblicaO meu olhar sobre a república
O meu olhar sobre a república
 
Portugal
PortugalPortugal
Portugal
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
1º Republica B
1º Republica B1º Republica B
1º Republica B
 
Sara e jessica
Sara e jessicaSara e jessica
Sara e jessica
 
A ligação ao mundo
A ligação ao mundoA ligação ao mundo
A ligação ao mundo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
As primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homemAs primeiras conquistas do homem
As primeiras conquistas do homem
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
A Europa cristã e o Islão
A Europa cristã e o IslãoA Europa cristã e o Islão
A Europa cristã e o Islão
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
 
A sociedade industrial e urbana parte 2
A sociedade industrial e urbana   parte 2A sociedade industrial e urbana   parte 2
A sociedade industrial e urbana parte 2
 
Piramides do egipto
Piramides do egiptoPiramides do egipto
Piramides do egipto
 

Semelhante a Md ind

RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Jojo Cruz
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Claudenilson da Silva
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
seixasmarianas
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
Ivanilson Lima
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Espaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial EuropeuEspaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial Europeu
Jonatha Ronchi
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Paulo Alexandre
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
leonardocollyer
 
Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
GabrielaLimaPereira
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Paulo Roberto
 
revolução industrial.pptx
revolução industrial.pptxrevolução industrial.pptx
revolução industrial.pptx
BetinaKleinAntunes1
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Mariana Carniel
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
Vinicius Wenning Koboldt
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
Vinicius Wenning Koboldt
 

Semelhante a Md ind (20)

RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Espaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial EuropeuEspaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial Europeu
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
 
Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
Revolução industrial pdf
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução Revolucao Industrial parte I: Introdução
Revolucao Industrial parte I: Introdução
 
revolução industrial.pptx
revolução industrial.pptxrevolução industrial.pptx
revolução industrial.pptx
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 

Último (20)

cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 

Md ind

  • 1. O mundo industrializado O mundo industrializadono séc. XIXno séc. XIX
  • 2. A geografia da A geografia da Industrialização Industrialização
  • 3. INGLATERRA: Do século XIX até à I Guerra  Hegemonia inglesa: - Possuía o maior rendimento per capita; - Era o maior produtor de carvão, ferro fundido, aço; - Londres era o maior entreposto comercial e financeiro do globo; - Possuía a maior frota marítima que possibilitava o controlo do tráfico mundial.  Revelou: - Dificuldades em superar os rivais; - Cansaço na inovação e criatividade; - Perda de competitividade nas técnicas e meios de produção; - Menor ousadia dos empresários; - Redução do ritmo de crescimento e produção.
  • 4.  Era o maior investidor de capitais no estrangeiro;  Controlava vastos mercados, assegurando desta forma o abastecimento de matérias-primas e o escoamento da sua produção;  A “Partilha de África”, na Conferência de Berlim (1884/85), favoreceu a construção de um império africano vastíssimo, ligando o Cabo ao Cairo, e reforçou a sua posição privilegiada de controlo de mercados e locais estratégicos (estreitos, golfos, canais…);  A libra esterlina e os títulos bancários ingleses circulavam por todo o mundo.  Nas vésperas da I Guerra Mundial a Inglaterra manifestava já algum atraso face à Alemanha e aos Estados Unidos, mas…
  • 5. ALEMANHA  O grande arranque da industrialização ocorreu a partir de 1840.  A capacidade para uma rápida industrialização alemã foi fruto de uma série de condicionalismos:  Riqueza mineira (ferro, carvão);  Transformações ocorridas no sector agrícola: novas culturas, abolição do pousio, uma revolução demográfica…  O Zollverein;  A guerra franco-prussiana, e a inclusão nos territórios alemães da Alsácia e da Lorena, regiões de importantes recursos minerais e têxteis.
  • 6. ESTADOS UNIDOS  Realizou uma industrialização muito rápida, auxiliada por diferentes fatores:  Território extenso e progressivamente alargado ao longo do século XIX.  Cedência de territórios e de exploração de recursos naturais a particulares.  Grande abundância de recursos naturais.  A chegada de grandes vagas emigratórias.
  • 7. ESTADOS UNIDOS  Incentivo às inovações e invenções, à rápida mecanização e à organização do trabalho em novos moldes, mais racionais e científicos.  O nível de instrução elevado facilitador do recrutamento de mão-de-obra e da especialização nas indústrias.  A necessidade de comunicação entre grandes distâncias, que levou à construção de caminhos –de- ferro, dinamizadores do mercado interno.  Uma política aduaneira adequada, facilitando e consolidando a industrialização.
  • 8. FRANÇA  Só a partir de 1848, depois do triunfo do segundo Império, pega nas técnicas, nos técnicos e nas máquinas inglesas e inicia a industrialização do sector têxtil de forma lenta e sem take off. Industrializa-se apenas à medida das suas necessidades.  Desenvolve primeiro os setores têxtil e do carvão.  A partir de 1860 expandem-se as linhas férreas e nos inícios do séc. XX, a indústria automóvel:
  • 9. A EMERGÊNCIA DO JAPÃO  Até ao século XIX:  O Japão reunificou-se e tornou-se um estado centralizado, com um senhor da guerra, um Xogum, que durou até 1867.  O Japão entrou numa nova era, o período Meiji:  Reestruturou-se o poder político e submeteram-se os senhores feudais;  Suprimiram-se os direitos feudais;  Instituiu-se uma monarquia constitucional.  Nas vésperas de 1ª Guerra possuía a sétima frota mundial, derrotara as forças armadas dos czares (1905); a Coreia foi anexada em 1910, tendo permanecido na sua posse até 1945.
  • 10. A expansão da A expansão da revolução industrial revolução industrial
  • 11. Novos inventos e novas fontes de energia  A segunda revolução industrial inicia-se também na Inglaterra, mas alarga-se a outros locais.  Surgem novas fontes de energia: petróleo e eletricidade (que provocam grandes alterações no quotidiano).
  • 12. Novos inventos e novas fontes de energia  Desenvolvem-se as ciências, criando novos equipamentos, que irão contribuir para a expansão industrial (telégrafo, motor de explosão…).  Opera-se uma estreita ligação entre a ciência que se desenvolvia e a técnica, cada vez mais necessária.  Primazia da indústria química (medicamentos, corantes sintéticos, perfumes…) e metalúrgica (trabalho do aço, do cobre…).
  • 13. Consequências dos processos cumulativos  Os cientistas patrocinados pela indústria fizeram progredir a ciência com criações adaptadas por engenheiros e técnicos;  Descida dos preços e dos custos de produção;  Crescimento da produção;  Aumento dos lucros;  Concentração empresarial;  Racionalização do trabalho.
  • 14. Taylorismo / Fordismo  Obsessão pela produtividade;  Automatização das tarefas;  “Scientific managment”: tarefas estandardizadas;  Aumento dos lucros;  Linha de produção – trabalho em cadeia;  Salário em função do rendimento.
  • 15. Revolução nos transportes  A dinamização da produção industrial assenta na melhoria dos sistemas de comunicação e transportes:  implementação do sistema de MacAdam: estradas macadamizadas (pedra triturada e areia);  implementação de novas formas de transporte como o automóvel, o avião ou mesmo a bicicleta;  construção de infraestruturas como pontes, terminais, vias de acesso, estaleiros...  desenvolvimento dos sistemas navais e de caminhos de ferro.
  • 16. Revolução nos transportes: consequências  Aumentou a circulação de pessoas, bens e serviços;  Permitiu a difusão de ideias, novidades e notícias;  Diminuiu os custos, logo permitiu o incremento das vendas;  Permitiu o alargamento dos mercados e a expansão do consumo;  Aumentou a oferta de trabalho;  Facilitou a circulação de matérias-primas e produção;  Incrementou o sector metalúrgico;  Desenvolveu as atividades bancárias, pela mobilização de capitais;
  • 17. Revolução nos transportes: consequências  Desenvolveu atividades e indústrias relacionadas como os transportes;  Desenvolveu as zonas industriais;  Melhorou a acessibilidade das populações e consequentemente, certas localidades;  Permitiu a internacionalização do capital.
  • 18. CAPITALISMO INDUSTRIAL E FINANCEIRO A fase do capitalismo industrial estendeu-se do século XVIII ao XX e foi marcada pela Primeira e pela Segunda Revolução Industrial. A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro, e o trabalho assalariado passou a ser a relação típica do capitalismo: quem recebia um salário acabava por ser o consumidor dos produtos que ajudava a fabricar. O trabalho tornou–se uma mercadoria. O capitalismo financeiro desenvolveu-se após a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). A união do capital industrial com o capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital financeiro, que é a própria essência do capitalismo.
  • 19. As crises do capitalismo No Antigo Regime – causadas por subprodução; No período capitalista – causadas por uma superprodução. Os períodos de crise coincidem com fases de recessão demográfica, aumento da criminalidade, da agitação social e dos conflitos entre nações.
  • 20. LEI DA OFERTA E DA PROCURA Lugar onde os agentes económicos levam a cabo a troca de bens por moeda ou por outros bens. Quantidade de bens ou serviços que os consumidores estão dispostos a adquirir, por um determinado preço. Quantidade de bens ou serviços que os vendedores estão dispostos a colocar no mercado. Valor atribuído a determinado produto e que corresponde à quantia de moeda que é necessário obter.