SlideShare uma empresa Scribd logo
Em meados do séc. XIX, o avanço da maquinaria nas fábricas inglesas tornou desnecessário
o emprego da força muscular para a produção, permitindo o uso de mão-de-obra feminina
e infantil.
O TRABALHO INFANTIL
Podiam movimentar-se por espaços estreitos. As crianças arrastavam-se por baixo do tear
para recolher os restos de lã que caíam da máquina. Os retalhos eram catados e retornavam
às máquinas de fiar para que não houvesse desperdício de matéria-prima. As crianças que
faziam isso corriam o risco de serem esmagadas pelas máquinas.
Entre os trabalhadores europeus do século XIX havia muitas crianças
Para os patrões era vantajoso empregar crianças: elas costumavam ser mais submissas
do que os adultos, recebiam salários ainda mais baixos.
“Além de uma legislação que permitia até 6 horas o trabalho para meninos com
menos de 13 anos, os empregadores burlavam essa legislação através da
falsificação de documentos e de atestados “(MARX, 1985).
”A exploração do trabalho infantil era de tal forma alarmante em meados do séc.
XIX, que, nas manufaturas metalúrgicas em Birmingham, Inglaterra, era empregado
o trabalho de cerca de 30 000 crianças. Eram atividades extremamente insalubres,
nas fundições de cobre, na fabricação de botões, nas oficinas de esmaltar, de
galvanizar e de laquear. Em Londres, as impressoras de livros e de jornais exigiam
um trabalho tão excessivo que eram denominadas de matadouros” (MARX, 1985).
Em 1866, nas olarias da Grã-Bretanha, a jornada de trabalho durava das 5
horas da manhã até às 8 horas da noite, e chegava-se a empregar crianças de 6 e
até de 4 anos, ocupadas pelo mesmo número de horas dos adultos ou mais. Nas
fábricas de renda, o trabalho nos domicílios era ainda mais cruel, algumas crianças
começavam a trabalhar com menos de 5 anos de idade, enfrentando uma jornada
diária de 12 horas em ambientes fétidos e insalubres.
Muitas vezes as crianças ficavam cansadas, sonolentas, e não conseguiam manter a
velocidade exigida pelas máquinas. Quando isso ocorria, em geral apanhavam para
trabalharem mais depressa ou tinham a cabeça mergulhada em água fria para
ficarem acordadas.
"Sou encarregada de abrir e fechar as portas de ventilação na mina de
Gauber, tenho de fazer isso sem luz e estou assustada. Entro às quatro, e
às vezes às três e meia da manhã, e saio às cinco e meia. Nunca durmo. Às
vezes canto quando tenho luz, mas não no escuro: não ouso cantar.”
Esta é a descrição feita por uma menina de oito anos, Sarah Gooder, de um dia nas
minas, em meados do século XIX. As revelações de Sarah e de outras crianças
levaram finalmente a uma legislação proibindo o emprego de crianças nas minas -
quer dizer, crianças abaixo de dez anos de idade! (POSTMAN,1999, p.67).
TRABALHO NAS MINAS
Relembremos também o alto índice de acidentes de trabalho junto às máquinas de
estomentar o linho, cujas consequências levavam, na maioria das vezes, à morte ou
a graves mutilações. Sem mencionar as inúmeras e constantes doenças pulmonares
como a tuberculose, ocasionadas, entre outros factores, pelo insuficiente oxigénio
nos ambientes de trabalho e habitação. (MARX, 1985).
Um testemunho de Eça de Queiroz:
"A criança de sete a dez anos, já conduz os bois, guarda o gado, apanha a
lenha, acarreta, sacha, colabora na cultura. Tem a altura de uma enxada e a
utilidade de um homem. Sai de madrugada, recolhe às trindades, com o seu
dia rudemente trabalhado. Mandá-lo à escola, de manhã e de tarde, umas
poucas de horas, é diminuir a força produtora do casal. Um aluno de mais na
escola é assim um braço de menos na lavoura. Ora uma família de lavradores
não pode luxuosamente diminuir as suas forças vivas. Não é por o filho saber
soletrar a cartilha que a terra lhe dará mais pão. Portanto tiram a criança à
escola para a empregar na terra.”
Uma Campanha Alegre (Volume II, Capítulo XXII: Melancólicas reflexões
sobre a instrução pública em Portugal) por Eça de Queirós
O trabalho nas fábricas e o desconhecimento legal de direitos
elementares suscitaram entre os operários um sentimento de
insatisfação e de descontentamento, que se manifestou de modo
violento. Deste modo, na década de quarenta e cinquenta do século
XIX surgiram as primeiras lutas das trabalhadoras, sendo uma das
primeiras queixas, a realidade contra o desemprego em
consequência das frequentes crises industriais. As primeiras
manifestações operárias que conhecemos na revolução industrial
são contra as máquinas, nas quais o operário via um competidor
(máquina) que favorecia a descida dos salários e provocava o
desemprego, facto que não deixa de ser muito interessante tendo em
conta a nossa atualidade.
É neste contexto que surge a manifestação do dia 8 de Março de 1857
esta foi uma das mais significativas, pois teve como consequência a morte
das 130 operárias tecelãs. Este ato totalmente desumano nunca foi esquecido
entre os trabalhadores/ras da época e foi um dos acontecimentos que veio
originar o 1º de Maio.
O 1º de Maio surgiu no seguimento de uma manifestação que ocorreu
em 1886 na cidade de Chicago, Estados Unidos da América. A manifestação
tinha como finalidade reivindicar a redução de trabalho para 8 horas diárias e
teve a participação de 500 mil trabalhadores, a maioria eram mulheres. Nesse
dia, devido a tal manifestação teve também início uma greve geral nos EUA.
No dia 3 de Maio a polícia entreviu e consequentemente, morreram
alguns manifestantes. No dia seguinte, 4 de Maio, uma nova manifestação foi
organizada como protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores, neste
dia, morreram mais doze pessoas e dezenas ficaram feridas. Estes
acontecimentos passaram a ser conhecidos como a Revolta de Haymarket
HIS - O TRABALHO INFANTIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
13_ines_silva
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
Jorge Almeida
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
cattonia
 
Portugal na 2ª metade do século XIX.
 Portugal na 2ª metade do século XIX. Portugal na 2ª metade do século XIX.
Portugal na 2ª metade do século XIX.
martamariafonseca
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
Carlos Vieira
 
Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa
eb23ja
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
Susana Simões
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
guestbfbc7a
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
vanessasequeira
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
Carlos Vieira
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
Gina Rodrigues
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
inessalgado
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
Jorge Almeida
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
Joana Algodão Doce
 

Mais procurados (20)

A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
O Fontismo
O FontismoO Fontismo
O Fontismo
 
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xixPortugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
Portugal do seculo_xviii_ao_seculo_xix
 
Portugal na 2ª metade do século XIX.
 Portugal na 2ª metade do século XIX. Portugal na 2ª metade do século XIX.
Portugal na 2ª metade do século XIX.
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa Constituição da República Portuguesa
Constituição da República Portuguesa
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIXPORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
PORTUGAL NA 2ª METADE DO SÉC. XIX
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
A Crise Da Monarquia
A Crise Da MonarquiaA Crise Da Monarquia
A Crise Da Monarquia
 
A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)A modernização do reino,... (história 6º ano)
A modernização do reino,... (história 6º ano)
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974A Revolução de 25 de Abril de 1974
A Revolução de 25 de Abril de 1974
 
Trabalho 25 de abril 2
Trabalho 25 de abril   2 Trabalho 25 de abril   2
Trabalho 25 de abril 2
 

Destaque

PORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETAPORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETA
Luís Ferreira
 
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESEHIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
Luís Ferreira
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
Luís Ferreira
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
Luís Ferreira
 
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROHIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
Luís Ferreira
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
Luís Ferreira
 
ING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TESTING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TEST
Luís Ferreira
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
Luís Ferreira
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
Luís Ferreira
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
Luís Ferreira
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
Luís Ferreira
 
CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
Luís Ferreira
 
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIOCN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
Luís Ferreira
 
EMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕESEMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕES
Luís Ferreira
 
FQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITOFQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITO
Luís Ferreira
 
CN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMOCN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMO
Luís Ferreira
 
GEO - TEMA D
GEO - TEMA DGEO - TEMA D
GEO - TEMA D
Luís Ferreira
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
Luís Ferreira
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
Luís Ferreira
 
GEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURAGEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURA
Luís Ferreira
 

Destaque (20)

PORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETAPORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETA
 
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESEHIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
 
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROHIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
 
ING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TESTING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TEST
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
 
CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
 
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIOCN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
 
EMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕESEMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕES
 
FQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITOFQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITO
 
CN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMOCN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMO
 
GEO - TEMA D
GEO - TEMA DGEO - TEMA D
GEO - TEMA D
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
GEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURAGEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURA
 

Semelhante a HIS - O TRABALHO INFANTIL

David 8ºd trabalho
David 8ºd trabalhoDavid 8ºd trabalho
David 8ºd trabalho
eb23ja
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
Kerol Brombal
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Elisa Oliveira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Beatriz Xavier
 
Depoimentos Revolução Industrial
Depoimentos Revolução IndustrialDepoimentos Revolução Industrial
Depoimentos Revolução Industrial
Rivea Leal
 
trabalho infantil industrial.pptx
trabalho infantil industrial.pptxtrabalho infantil industrial.pptx
trabalho infantil industrial.pptx
adriana miranda
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
WAGNER OLIVEIRA
 
Texto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrialTexto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrial
Julia Selistre
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
TrabalhosdeEscola
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
marcusejoao
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Viegas Fernandes da Costa
 
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
Renata Telha
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
historiando
 
Gv
GvGv
O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xix
maria40
 
Celsohistoriamaterialnonoanoaula
CelsohistoriamaterialnonoanoaulaCelsohistoriamaterialnonoanoaula
Celsohistoriamaterialnonoanoaula
DiedNuenf
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
eb23ja
 
Revolução Industrial - Parte II: Transformações
Revolução Industrial - Parte II: Transformações Revolução Industrial - Parte II: Transformações
Revolução Industrial - Parte II: Transformações
Paulo Roberto
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Janaina Flavia Santos Azevedo
 

Semelhante a HIS - O TRABALHO INFANTIL (20)

David 8ºd trabalho
David 8ºd trabalhoDavid 8ºd trabalho
David 8ºd trabalho
 
2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial2˚ ano revolução industrial
2˚ ano revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Depoimentos Revolução Industrial
Depoimentos Revolução IndustrialDepoimentos Revolução Industrial
Depoimentos Revolução Industrial
 
trabalho infantil industrial.pptx
trabalho infantil industrial.pptxtrabalho infantil industrial.pptx
trabalho infantil industrial.pptx
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
 
Texto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrialTexto complementar rev. industrial
Texto complementar rev. industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)2013  08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
2013 08 ano, os impactos da revolução industrial inglesa (2)
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Gv
GvGv
Gv
 
O mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xixO mundo industrializado no século xix
O mundo industrializado no século xix
 
Celsohistoriamaterialnonoanoaula
CelsohistoriamaterialnonoanoaulaCelsohistoriamaterialnonoanoaula
Celsohistoriamaterialnonoanoaula
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Revolução Industrial - Parte II: Transformações
Revolução Industrial - Parte II: Transformações Revolução Industrial - Parte II: Transformações
Revolução Industrial - Parte II: Transformações
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 

HIS - O TRABALHO INFANTIL

  • 1. Em meados do séc. XIX, o avanço da maquinaria nas fábricas inglesas tornou desnecessário o emprego da força muscular para a produção, permitindo o uso de mão-de-obra feminina e infantil. O TRABALHO INFANTIL
  • 2. Podiam movimentar-se por espaços estreitos. As crianças arrastavam-se por baixo do tear para recolher os restos de lã que caíam da máquina. Os retalhos eram catados e retornavam às máquinas de fiar para que não houvesse desperdício de matéria-prima. As crianças que faziam isso corriam o risco de serem esmagadas pelas máquinas. Entre os trabalhadores europeus do século XIX havia muitas crianças Para os patrões era vantajoso empregar crianças: elas costumavam ser mais submissas do que os adultos, recebiam salários ainda mais baixos.
  • 3. “Além de uma legislação que permitia até 6 horas o trabalho para meninos com menos de 13 anos, os empregadores burlavam essa legislação através da falsificação de documentos e de atestados “(MARX, 1985). ”A exploração do trabalho infantil era de tal forma alarmante em meados do séc. XIX, que, nas manufaturas metalúrgicas em Birmingham, Inglaterra, era empregado o trabalho de cerca de 30 000 crianças. Eram atividades extremamente insalubres, nas fundições de cobre, na fabricação de botões, nas oficinas de esmaltar, de galvanizar e de laquear. Em Londres, as impressoras de livros e de jornais exigiam um trabalho tão excessivo que eram denominadas de matadouros” (MARX, 1985). Em 1866, nas olarias da Grã-Bretanha, a jornada de trabalho durava das 5 horas da manhã até às 8 horas da noite, e chegava-se a empregar crianças de 6 e até de 4 anos, ocupadas pelo mesmo número de horas dos adultos ou mais. Nas fábricas de renda, o trabalho nos domicílios era ainda mais cruel, algumas crianças começavam a trabalhar com menos de 5 anos de idade, enfrentando uma jornada diária de 12 horas em ambientes fétidos e insalubres.
  • 4. Muitas vezes as crianças ficavam cansadas, sonolentas, e não conseguiam manter a velocidade exigida pelas máquinas. Quando isso ocorria, em geral apanhavam para trabalharem mais depressa ou tinham a cabeça mergulhada em água fria para ficarem acordadas.
  • 5. "Sou encarregada de abrir e fechar as portas de ventilação na mina de Gauber, tenho de fazer isso sem luz e estou assustada. Entro às quatro, e às vezes às três e meia da manhã, e saio às cinco e meia. Nunca durmo. Às vezes canto quando tenho luz, mas não no escuro: não ouso cantar.” Esta é a descrição feita por uma menina de oito anos, Sarah Gooder, de um dia nas minas, em meados do século XIX. As revelações de Sarah e de outras crianças levaram finalmente a uma legislação proibindo o emprego de crianças nas minas - quer dizer, crianças abaixo de dez anos de idade! (POSTMAN,1999, p.67). TRABALHO NAS MINAS
  • 6. Relembremos também o alto índice de acidentes de trabalho junto às máquinas de estomentar o linho, cujas consequências levavam, na maioria das vezes, à morte ou a graves mutilações. Sem mencionar as inúmeras e constantes doenças pulmonares como a tuberculose, ocasionadas, entre outros factores, pelo insuficiente oxigénio nos ambientes de trabalho e habitação. (MARX, 1985).
  • 7. Um testemunho de Eça de Queiroz: "A criança de sete a dez anos, já conduz os bois, guarda o gado, apanha a lenha, acarreta, sacha, colabora na cultura. Tem a altura de uma enxada e a utilidade de um homem. Sai de madrugada, recolhe às trindades, com o seu dia rudemente trabalhado. Mandá-lo à escola, de manhã e de tarde, umas poucas de horas, é diminuir a força produtora do casal. Um aluno de mais na escola é assim um braço de menos na lavoura. Ora uma família de lavradores não pode luxuosamente diminuir as suas forças vivas. Não é por o filho saber soletrar a cartilha que a terra lhe dará mais pão. Portanto tiram a criança à escola para a empregar na terra.” Uma Campanha Alegre (Volume II, Capítulo XXII: Melancólicas reflexões sobre a instrução pública em Portugal) por Eça de Queirós
  • 8. O trabalho nas fábricas e o desconhecimento legal de direitos elementares suscitaram entre os operários um sentimento de insatisfação e de descontentamento, que se manifestou de modo violento. Deste modo, na década de quarenta e cinquenta do século XIX surgiram as primeiras lutas das trabalhadoras, sendo uma das primeiras queixas, a realidade contra o desemprego em consequência das frequentes crises industriais. As primeiras manifestações operárias que conhecemos na revolução industrial são contra as máquinas, nas quais o operário via um competidor (máquina) que favorecia a descida dos salários e provocava o desemprego, facto que não deixa de ser muito interessante tendo em conta a nossa atualidade.
  • 9. É neste contexto que surge a manifestação do dia 8 de Março de 1857 esta foi uma das mais significativas, pois teve como consequência a morte das 130 operárias tecelãs. Este ato totalmente desumano nunca foi esquecido entre os trabalhadores/ras da época e foi um dos acontecimentos que veio originar o 1º de Maio. O 1º de Maio surgiu no seguimento de uma manifestação que ocorreu em 1886 na cidade de Chicago, Estados Unidos da América. A manifestação tinha como finalidade reivindicar a redução de trabalho para 8 horas diárias e teve a participação de 500 mil trabalhadores, a maioria eram mulheres. Nesse dia, devido a tal manifestação teve também início uma greve geral nos EUA. No dia 3 de Maio a polícia entreviu e consequentemente, morreram alguns manifestantes. No dia seguinte, 4 de Maio, uma nova manifestação foi organizada como protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores, neste dia, morreram mais doze pessoas e dezenas ficaram feridas. Estes acontecimentos passaram a ser conhecidos como a Revolta de Haymarket