SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Durante o movimento:
Há forças que se opõem ao
movimento, na superfície de contacto
com o ar.
de um ciclista na bicicleta
Há forças que se opõem ao
movimento, na superfície de contacto
com o solo e com o ar.
de um balão de ar quente
Forças de atrito e de resistência do ar
Durante o movimento de:
um nadador
Há forças que se opõem ao movimento, na superfície de contacto
com a água e com o ar.
Forças de atrito e de resistência do ar
Logo que se exerce uma força no caixote,
surge uma força oposta e com igual
intensidade.
O caixote continua em
repouso
Estas forças anulam-se.
Por que motivo um caixote não desliza logo que se exerce
uma força?
Então,
Forças de atrito e de resistência do ar
Resulta da interação das superfícies em contacto e, neste caso,
impede o movimento do caixote.
Representa-se sempre por um vetor com sentido oposto ao do
deslizamento.
Como é a força de atrito
A força que surge com sentido oposto
ao da força aplicada no caixote, ,
designa-se por força de atrito, .
Forças de atrito e de resistência do ar
A intensidade da força de atrito aumenta à medida que aumenta a
intensidade da força aplicada no caixote.
Como é a força de atrito
Forças de atrito e de resistência do ar
O deslizamento inicia-se no momento em que a intensidade da força
aplicada é superior à da força de atrito.
Quando é que o caixote começa a deslizar?
A força resultante, , passa a ser diferente de zero.
Em repouso Em movimento
Forças de atrito e de resistência do ar
Ao deixar de se exercer força no caixote, a força de atrito continua a
existir enquanto houver movimento.
O que acontece quando deixa de ser exercida força no caixote?
A força resultante é a força de atrito.
Sentido do movimento
?
A força de atrito acaba por parar o caixote.
Caixote
em
repouso
Forças de atrito e de resistência do ar
De que depende a intensidade da força de atrito?
Superfícies de
contacto mais rugosas
Maior intensidade da
força de atrito
Superfície com tampo de vidro polido
Superfície revestida com lixa rugosa
A força mínima
necessária para
deslocar o bloco
é maior.
A força mínima
necessária para
deslocar o bloco é
menor.
0 N
0 N
Forças de atrito e de resistência do ar
Maior reação normal
da superfície sobre o
corpo que se move
Menor peso
Maior peso
A força mínima
necessária para
deslocar o bloco é
maior.
A força mínima
necessária para
deslocar o bloco é
menor.
Maior intensidade da
força de atrito
0 N
0 N
De que depende a intensidade da força de atrito?
Forças de atrito e de resistência do ar
A intensidade da força
de atrito
Não depende da área
da superfície de
contacto
Menor superfície de contacto
Maior superfície de contacto
A força mínima necessária
para deslocar os blocos com o
mesmo peso, mas com áreas
diferentes da superfície de
contacto, é igual nos dois
casos.
0 N
0 N
De que depende a intensidade da força de atrito?
Forças de atrito e de resistência do ar
Usando rolamentos bem lubrificados, as
superfícies deixam de raspar, passando a
rolar umas sobre as outras. O atrito passa a
ser menor.
As estradas são asfaltadas para reduzir o
atrito. Num terreno irregular ou na areia, o
atrito é muito grande.
As dobradiças das portas são lubrificadas
para reduzir o atrito, facilitando o movimento.
Para facilitar o movimento dos corpos é importante reduzir as forças de
atrito.
Redução da força de atrito
Forças de atrito e de resistência do ar
Mas… o atrito também pode ser muito útil
Por vezes, para
tornar o
movimento
mais seguro,
recorre-se a
processos que
aumentam o
atrito.
A rugosidade e a
natureza da borracha
permitem aumentar o
atrito.
A rugosidade das luvas
do guarda-redes
permitem aumentar o
atrito com a bola.
Alguns atletas usam um pó
branco nas mãos para
eliminar o suor e aumentar o
atrito.
Forças de atrito e de resistência do ar
Força de resistência do ar
Sentido do movimento
Quando um corpo em movimento contacta com o ar, surge no corpo uma
força que se opõe ao movimento devido à interação entre a superfície do
corpo e o ar.
Força de resistência,
Forças de atrito e de resistência do ar
Resistência a reduzir e resistência útil
Alterando a
superfície de
contacto, dando-lhe
forma aerodinâmica.
Os ciclistas dobram-se
sobre a bicicleta para
diminuir a força de
resistência do ar e
aumentar a velocidade.
Alguns veículos têm
formas aerodinâmicas
para reduzir a força de
resistência do ar e
aumentar a velocidade.
Para facilitar o movimento é importante reduzir a força de resistência do
ar.
Forças de atrito e de resistência do ar
• A força de atrito,
►Surge sempre num corpo que desliza ou tenta deslizar em relação a outro;
► Resulta da interação entre as duas superfícies em contacto;
► Opõe-se ao deslizamento do corpo;
Em síntese
► É importante minimizar o atrito para facilitar o movimento, o que se
consegue, por exemplo, reduzindo a rugosidade ou alterando a natureza
das superfícies de contacto.
► O atrito é indispensável para que haja movimento e para o tornar seguro.
► Por vezes é importante aumentar o atrito, o que se consegue aumentando
a aderência e a rugosidade das superfícies de contacto.
Forças de atrito e de resistência do ar
• A força de resistência,
► Surge sempre num corpo que se movimenta no ar;
► Resulta da interação entre a superfície do corpo e o ar;
► Opõe-se ao movimento do corpo;
► É importante minimizar a força de resistência sempre que se pretende
facilitar o movimento, o que se consegue, por exemplo, dando aos
corpos formas aerodinâmicas.
► Quando é importante aumentar a força de resistência aumenta-se a
superfície de contacto com o ar e recorre-se a formas côncavas.
Em síntese
Forças de atrito e de resistência do ar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitona
Ana Garcez
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
adelinoqueiroz
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
rmmpr
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
Rosária Zamith
 
7oano formacao de_montanhas powerpoint
7oano formacao de_montanhas powerpoint7oano formacao de_montanhas powerpoint
7oano formacao de_montanhas powerpoint
Agostinho Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Ozono na estratosfera
Ozono na estratosferaOzono na estratosfera
Ozono na estratosfera
 
Seguranca e prevenção- 9º ano
Seguranca e prevenção- 9º anoSeguranca e prevenção- 9º ano
Seguranca e prevenção- 9º ano
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Al2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitonaAl2.2. bola saltitona
Al2.2. bola saltitona
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Violência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito DesportivoViolência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito Desportivo
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 
forcas_de_atrito.pptx
forcas_de_atrito.pptxforcas_de_atrito.pptx
forcas_de_atrito.pptx
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
 
3ª lei de newton
3ª lei de newton3ª lei de newton
3ª lei de newton
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Funções 10 - novo programa
Funções 10 - novo programaFunções 10 - novo programa
Funções 10 - novo programa
 
Cantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescasCantigas trovadorescas
Cantigas trovadorescas
 
Os diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidadesOs diferentes tipos de plantas das cidades
Os diferentes tipos de plantas das cidades
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Obstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimentoObstáculos ao desenvolvimento
Obstáculos ao desenvolvimento
 
7oano formacao de_montanhas powerpoint
7oano formacao de_montanhas powerpoint7oano formacao de_montanhas powerpoint
7oano formacao de_montanhas powerpoint
 

Semelhante a FQ - FORÇA DE ATRITO

Semelhante a FQ - FORÇA DE ATRITO (10)

Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
 
Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Forças atritas
Forças atritasForças atritas
Forças atritas
 
Forças de Atrito - Fisíca
Forças de Atrito - FisícaForças de Atrito - Fisíca
Forças de Atrito - Fisíca
 
Forças de contato
Forças de contatoForças de contato
Forças de contato
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
 
Aula05 forças
Aula05 forçasAula05 forças
Aula05 forças
 
Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 

Mais de Luís Ferreira

Mais de Luís Ferreira (20)

HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
 
CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
 
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIOCN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
HIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTILHIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTIL
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
 
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROHIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
 
EMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕESEMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕES
 
ING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TESTING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TEST
 
EV - TRABALHO
EV - TRABALHOEV - TRABALHO
EV - TRABALHO
 
HIS - 1 GRANDE GUERRA
HIS - 1 GRANDE GUERRAHIS - 1 GRANDE GUERRA
HIS - 1 GRANDE GUERRA
 
GEO - TEMA D
GEO - TEMA DGEO - TEMA D
GEO - TEMA D
 
GEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURAGEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURA
 
PORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETAPORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETA
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 

FQ - FORÇA DE ATRITO

  • 1. Durante o movimento: Há forças que se opõem ao movimento, na superfície de contacto com o ar. de um ciclista na bicicleta Há forças que se opõem ao movimento, na superfície de contacto com o solo e com o ar. de um balão de ar quente Forças de atrito e de resistência do ar
  • 2. Durante o movimento de: um nadador Há forças que se opõem ao movimento, na superfície de contacto com a água e com o ar. Forças de atrito e de resistência do ar
  • 3. Logo que se exerce uma força no caixote, surge uma força oposta e com igual intensidade. O caixote continua em repouso Estas forças anulam-se. Por que motivo um caixote não desliza logo que se exerce uma força? Então, Forças de atrito e de resistência do ar
  • 4. Resulta da interação das superfícies em contacto e, neste caso, impede o movimento do caixote. Representa-se sempre por um vetor com sentido oposto ao do deslizamento. Como é a força de atrito A força que surge com sentido oposto ao da força aplicada no caixote, , designa-se por força de atrito, . Forças de atrito e de resistência do ar
  • 5. A intensidade da força de atrito aumenta à medida que aumenta a intensidade da força aplicada no caixote. Como é a força de atrito Forças de atrito e de resistência do ar
  • 6. O deslizamento inicia-se no momento em que a intensidade da força aplicada é superior à da força de atrito. Quando é que o caixote começa a deslizar? A força resultante, , passa a ser diferente de zero. Em repouso Em movimento Forças de atrito e de resistência do ar
  • 7. Ao deixar de se exercer força no caixote, a força de atrito continua a existir enquanto houver movimento. O que acontece quando deixa de ser exercida força no caixote? A força resultante é a força de atrito. Sentido do movimento ? A força de atrito acaba por parar o caixote. Caixote em repouso Forças de atrito e de resistência do ar
  • 8. De que depende a intensidade da força de atrito? Superfícies de contacto mais rugosas Maior intensidade da força de atrito Superfície com tampo de vidro polido Superfície revestida com lixa rugosa A força mínima necessária para deslocar o bloco é maior. A força mínima necessária para deslocar o bloco é menor. 0 N 0 N Forças de atrito e de resistência do ar
  • 9. Maior reação normal da superfície sobre o corpo que se move Menor peso Maior peso A força mínima necessária para deslocar o bloco é maior. A força mínima necessária para deslocar o bloco é menor. Maior intensidade da força de atrito 0 N 0 N De que depende a intensidade da força de atrito? Forças de atrito e de resistência do ar
  • 10. A intensidade da força de atrito Não depende da área da superfície de contacto Menor superfície de contacto Maior superfície de contacto A força mínima necessária para deslocar os blocos com o mesmo peso, mas com áreas diferentes da superfície de contacto, é igual nos dois casos. 0 N 0 N De que depende a intensidade da força de atrito? Forças de atrito e de resistência do ar
  • 11. Usando rolamentos bem lubrificados, as superfícies deixam de raspar, passando a rolar umas sobre as outras. O atrito passa a ser menor. As estradas são asfaltadas para reduzir o atrito. Num terreno irregular ou na areia, o atrito é muito grande. As dobradiças das portas são lubrificadas para reduzir o atrito, facilitando o movimento. Para facilitar o movimento dos corpos é importante reduzir as forças de atrito. Redução da força de atrito Forças de atrito e de resistência do ar
  • 12. Mas… o atrito também pode ser muito útil Por vezes, para tornar o movimento mais seguro, recorre-se a processos que aumentam o atrito. A rugosidade e a natureza da borracha permitem aumentar o atrito. A rugosidade das luvas do guarda-redes permitem aumentar o atrito com a bola. Alguns atletas usam um pó branco nas mãos para eliminar o suor e aumentar o atrito. Forças de atrito e de resistência do ar
  • 13. Força de resistência do ar Sentido do movimento Quando um corpo em movimento contacta com o ar, surge no corpo uma força que se opõe ao movimento devido à interação entre a superfície do corpo e o ar. Força de resistência, Forças de atrito e de resistência do ar
  • 14. Resistência a reduzir e resistência útil Alterando a superfície de contacto, dando-lhe forma aerodinâmica. Os ciclistas dobram-se sobre a bicicleta para diminuir a força de resistência do ar e aumentar a velocidade. Alguns veículos têm formas aerodinâmicas para reduzir a força de resistência do ar e aumentar a velocidade. Para facilitar o movimento é importante reduzir a força de resistência do ar. Forças de atrito e de resistência do ar
  • 15. • A força de atrito, ►Surge sempre num corpo que desliza ou tenta deslizar em relação a outro; ► Resulta da interação entre as duas superfícies em contacto; ► Opõe-se ao deslizamento do corpo; Em síntese ► É importante minimizar o atrito para facilitar o movimento, o que se consegue, por exemplo, reduzindo a rugosidade ou alterando a natureza das superfícies de contacto. ► O atrito é indispensável para que haja movimento e para o tornar seguro. ► Por vezes é importante aumentar o atrito, o que se consegue aumentando a aderência e a rugosidade das superfícies de contacto. Forças de atrito e de resistência do ar
  • 16. • A força de resistência, ► Surge sempre num corpo que se movimenta no ar; ► Resulta da interação entre a superfície do corpo e o ar; ► Opõe-se ao movimento do corpo; ► É importante minimizar a força de resistência sempre que se pretende facilitar o movimento, o que se consegue, por exemplo, dando aos corpos formas aerodinâmicas. ► Quando é importante aumentar a força de resistência aumenta-se a superfície de contacto com o ar e recorre-se a formas côncavas. Em síntese Forças de atrito e de resistência do ar