SlideShare uma empresa Scribd logo

Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5

1 de 15
Baixar para ler offline
GÊNEROS TEXTUAIS: DEFINIÇÃO E
FUNCIONALIDADE
Luís Antônio Marcuschi
1. Gêneros textuais como
práticas sócio-históricas
• Contribuem para ordenar e estabilizar
as atividades comunicativas do dia-a-
dia;
• São entidades sócio discursivas e
formas de ação social incontornáveis
em qualquer situação comunicativa;
• Os gêneros textuais surgem situam-
se e integram-se funcionalmente nas
culturas em que se desenvolvem e
caracterizam-se muito mais por suas
funções comunicativas, cognitivas e
institucionais do que por suas
peculiaridades linguísticas e
estruturais
2. Novos gêneros e velhas
bases
• As novas tecnologias, ou seja, a intensidade
do uso das tecnologias e suas interferências
nas atividades comunicativas diárias
propiciaram o surgimento de novos gêneros
textuais, formas inovadoras. Fato já notado
por Bakhtin(1997) quando falava na
transmutação dos gêneros e na assimilação
de um gênero por outro gerando novos.
Exemplos: a) conversa -> telefonema
b) bilhete -> carta -> e-mail
• Os limites entre a oralidade e a escrita
tornam-se menos visíveis, a isto chama-se
hibridismo que desafia as relações entre
oralidade e escrita e inviabiliza de forma
definitiva a visão dicotômica.
• Os gêneros híbridos permitem observar
melhor a integração entre os vários tipos de
semioses: signos verbais, sons, imagens e
formas em movimento.
Definição de tipo e gênero
textual
• É impossível se comunicar verbalmente a
não ser por algum gênero, assim como é
impossível se comunicar verbalmente a
não ser por algum texto.
• Esta visão segue a noção de língua como
atividade social, histórica e cognitiva,
privilegia a natureza funcional e
interativa. A língua é tida como uma
forma de ação social e histórica e que,
ao dizer, também constitui a realidade
sem contudo cair num subjetivismo ou
idealismo ingênuo. Neste contexto os
gêneros textuais se constituem como
ações sócio-discursivas para agir sobre o
mundo e dizer o mundo, constituindo-o
de algum modo.
 Texto é uma entidade
concreta realizada
materialmente e corporificada
em algum gênero textual.
 Discurso é aquilo que um
texto produz ao se manifestar
em alguma instância
discursiva. O discurso se
realiza nos textos.
Domínio Discursivo
• Uma esfera ou instância de
produção discursiva ou de
atividade humana. Não são
textos nem discursos, mas
propiciam o surgimento de
discursos bastante
específicos. Discurso jurídico,
discurso jornalístico, discurso
religioso, discurso político,
etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2nixsonmachado
 
Coesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaCoesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaAlex lemos
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO Sônia Maciel Alves
 
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaMarco Mendes
 
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem   Catia DelatorreIntertextualidade e linguagem   Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem Catia DelatorreCatia Delatorre
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativaAna Castro
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão DriiQuirino
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoJamille Rabelo
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 

Mais procurados (20)

Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2Gêneros e Tipos Textuais 2
Gêneros e Tipos Textuais 2
 
Coesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêiticaCoesão exóforica ou dêitica
Coesão exóforica ou dêitica
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha CríticaResumo, Resenha e Resenha Crítica
Resumo, Resenha e Resenha Crítica
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem   Catia DelatorreIntertextualidade e linguagem   Catia Delatorre
Intertextualidade e linguagem Catia Delatorre
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Gêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuaisGêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuais
 
Pragmática
PragmáticaPragmática
Pragmática
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 

Destaque

Quadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadasQuadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadasBete Feliciano
 
Folha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os gruposFolha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os gruposBete Feliciano
 
Modelos de rotinas - Unidade 2
Modelos de rotinas - Unidade 2Modelos de rotinas - Unidade 2
Modelos de rotinas - Unidade 2Bete Feliciano
 
Retomada das regras do jogo textos de apoio
Retomada das regras do jogo   textos de apoioRetomada das regras do jogo   textos de apoio
Retomada das regras do jogo textos de apoioBete Feliciano
 
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5Bete Feliciano
 
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5Bete Feliciano
 
Jogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizarJogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizarBete Feliciano
 
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Bete Feliciano
 
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanal
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanalSugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanal
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanalBete Feliciano
 
Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Bete Feliciano
 
Materiais de alfabetização mec
Materiais  de alfabetização mecMateriais  de alfabetização mec
Materiais de alfabetização mecBete Feliciano
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológicaBete Feliciano
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléBete Feliciano
 
1º encontro quadro de acompanhamento
1º encontro     quadro  de acompanhamento1º encontro     quadro  de acompanhamento
1º encontro quadro de acompanhamentoBete Feliciano
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisElaine Cruz
 

Destaque (20)

JOGO DO NIM
JOGO DO NIMJOGO DO NIM
JOGO DO NIM
 
Cinderela
CinderelaCinderela
Cinderela
 
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadasQuadros de monitoramento de atividades realizadas
Quadros de monitoramento de atividades realizadas
 
Folha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os gruposFolha com as perguntas para os grupos
Folha com as perguntas para os grupos
 
Modelos de rotinas - Unidade 2
Modelos de rotinas - Unidade 2Modelos de rotinas - Unidade 2
Modelos de rotinas - Unidade 2
 
Retomada das regras do jogo textos de apoio
Retomada das regras do jogo   textos de apoioRetomada das regras do jogo   textos de apoio
Retomada das regras do jogo textos de apoio
 
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5
Oficina de análise das produções textuais - Unidade 5
 
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5
Atividades para analisar gênero jornal - Unidade 5
 
Jogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizarJogos para alfabetizar
Jogos para alfabetizar
 
Oficina de gêneros
Oficina de gênerosOficina de gêneros
Oficina de gêneros
 
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
Proposta de agrupamento de gêneros - Unidade 5
 
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanal
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanalSugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanal
Sugestão de pauta de observação para anál ise de rotina semanal
 
Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4
 
Materiais de alfabetização mec
Materiais  de alfabetização mecMateriais  de alfabetização mec
Materiais de alfabetização mec
 
Tipo de jogo
Tipo de jogoTipo de jogo
Tipo de jogo
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
 
1º encontro quadro de acompanhamento
1º encontro     quadro  de acompanhamento1º encontro     quadro  de acompanhamento
1º encontro quadro de acompanhamento
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros TextuaisUnidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
Unidade 5 - PNAIC - Gêneros Textuais
 

Semelhante a Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5

Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Éric Santos
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06silvia-9616
 
Simone marcuschi
Simone marcuschiSimone marcuschi
Simone marcuschiFALE - UFMG
 
Ltt faramacia - Genero textuais
Ltt   faramacia - Genero textuaisLtt   faramacia - Genero textuais
Ltt faramacia - Genero textuaisnenhuma
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevanetlfleite
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglêsFALE - UFMG
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comsilvania-dias
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comsilvania-dias
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comsilvania-dias
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaElieneDias
 

Semelhante a Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5 (20)

Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9Generostextuais 1227649741760018-9
Generostextuais 1227649741760018-9
 
Grupo 06 generos textuais grupo 06
Grupo 06 generos textuais  grupo 06Grupo 06 generos textuais  grupo 06
Grupo 06 generos textuais grupo 06
 
Gt tae
Gt taeGt tae
Gt tae
 
Simone marcuschi
Simone marcuschiSimone marcuschi
Simone marcuschi
 
Ltt faramacia - Genero textuais
Ltt   faramacia - Genero textuaisLtt   faramacia - Genero textuais
Ltt faramacia - Genero textuais
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
Slide ivan generos2
Slide ivan generos2Slide ivan generos2
Slide ivan generos2
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Material oficinas inglês
Material oficinas inglêsMaterial oficinas inglês
Material oficinas inglês
 
Escrita e interação
Escrita e interaçãoEscrita e interação
Escrita e interação
 
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.comwww.raiosdesabedoria.blogpot.com
www.raiosdesabedoria.blogpot.com
 
raios de sabedoria
raios de sabedoriaraios de sabedoria
raios de sabedoria
 
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.comwww.raiosdesabedoria.blogspot.com
www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
Slides de taelp 2
Slides de taelp 2Slides de taelp 2
Slides de taelp 2
 
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.comhttp://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
http://www.raiosdesabedoria.blogspot.com
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 

Mais de Bete Feliciano

Leitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O TempoLeitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O TempoBete Feliciano
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Bete Feliciano
 
Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2Bete Feliciano
 
Pauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1noPauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1noBete Feliciano
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Bete Feliciano
 
Leitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começaLeitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começaBete Feliciano
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Bete Feliciano
 
Branca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete AnõesBranca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete AnõesBete Feliciano
 
Diversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana BelinkyDiversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana BelinkyBete Feliciano
 
Portifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - OrientaçõesPortifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - OrientaçõesBete Feliciano
 
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijamaSequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijamaBete Feliciano
 

Mais de Bete Feliciano (20)

Leitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O TempoLeitura Deleite: O Tempo
Leitura Deleite: O Tempo
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
 
Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2Pauta Caderno 1 - Parte 2
Pauta Caderno 1 - Parte 2
 
Pauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1noPauta do 1º encontro cader1no
Pauta do 1º encontro cader1no
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Caderno 1 - Parte 1
 
Leitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começaLeitura Deleite: Como começa
Leitura Deleite: Como começa
 
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
Organização do Trabalho Pedagógico - Parte 1
 
Calendário 2014
Calendário 2014Calendário 2014
Calendário 2014
 
Slides Unidade 8
Slides Unidade 8Slides Unidade 8
Slides Unidade 8
 
Branca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete AnõesBranca de Neve e os Sete Anões
Branca de Neve e os Sete Anões
 
Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8Pauta Unidade 8
Pauta Unidade 8
 
Diversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana BelinkyDiversidade - Tatiana Belinky
Diversidade - Tatiana Belinky
 
Unidade 7
Unidade 7Unidade 7
Unidade 7
 
Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7Pauta Unidade 7
Pauta Unidade 7
 
Portifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - OrientaçõesPortifólio do PACTO - Orientações
Portifólio do PACTO - Orientações
 
Amigo chocolate
Amigo chocolateAmigo chocolate
Amigo chocolate
 
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijamaSequência didática do livro viviana rainha do pijama
Sequência didática do livro viviana rainha do pijama
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 
Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6Pauta Unidade 6
Pauta Unidade 6
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 

Generos textuais luís antônio marcuschi - Unidade 5

  • 1. GÊNEROS TEXTUAIS: DEFINIÇÃO E FUNCIONALIDADE Luís Antônio Marcuschi
  • 2. 1. Gêneros textuais como práticas sócio-históricas • Contribuem para ordenar e estabilizar as atividades comunicativas do dia-a- dia; • São entidades sócio discursivas e formas de ação social incontornáveis em qualquer situação comunicativa; • Os gêneros textuais surgem situam- se e integram-se funcionalmente nas culturas em que se desenvolvem e caracterizam-se muito mais por suas funções comunicativas, cognitivas e institucionais do que por suas peculiaridades linguísticas e estruturais
  • 3. 2. Novos gêneros e velhas bases • As novas tecnologias, ou seja, a intensidade do uso das tecnologias e suas interferências nas atividades comunicativas diárias propiciaram o surgimento de novos gêneros textuais, formas inovadoras. Fato já notado por Bakhtin(1997) quando falava na transmutação dos gêneros e na assimilação de um gênero por outro gerando novos. Exemplos: a) conversa -> telefonema b) bilhete -> carta -> e-mail • Os limites entre a oralidade e a escrita tornam-se menos visíveis, a isto chama-se hibridismo que desafia as relações entre oralidade e escrita e inviabiliza de forma definitiva a visão dicotômica. • Os gêneros híbridos permitem observar melhor a integração entre os vários tipos de semioses: signos verbais, sons, imagens e formas em movimento.
  • 4. Definição de tipo e gênero textual • É impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum texto. • Esta visão segue a noção de língua como atividade social, histórica e cognitiva, privilegia a natureza funcional e interativa. A língua é tida como uma forma de ação social e histórica e que, ao dizer, também constitui a realidade sem contudo cair num subjetivismo ou idealismo ingênuo. Neste contexto os gêneros textuais se constituem como ações sócio-discursivas para agir sobre o mundo e dizer o mundo, constituindo-o de algum modo.
  • 5.  Texto é uma entidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gênero textual.  Discurso é aquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva. O discurso se realiza nos textos.
  • 6. Domínio Discursivo • Uma esfera ou instância de produção discursiva ou de atividade humana. Não são textos nem discursos, mas propiciam o surgimento de discursos bastante específicos. Discurso jurídico, discurso jornalístico, discurso religioso, discurso político, etc.
  • 7. TIPOS TEXTUAIS definição Espécie de seqüênciateoricamente definida pela natureza lingüística de suacomposição(aspectoslexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas) abrangem • narração • argumentação • exposição • descrição • injunção são Constructos teóricos por propriedades lingüísticas intrínsecas constituem Seqüências lingüísticas ou de enunciados no interior dos gêneros e não são textos empíricos
  • 8. Tipos Textuais – Classificação segundo Werlich(1973) Descritiva Estrutura simples com um verbo estático no presente ou imperfeito, um complemento e uma indicação circunstancial de lugar. Ex.: Sobre a mesa havia milhares de vidros. Expositiva Exposição sintética pelo processo de composição. Um sujeito e um predicado(no presente) e um complemento com um grupo nominal. Enunciado de identificação de fenômenos. Ex.: Uma parte do cérebro é o córtex. Exposição analítica pelo processo de decomposição. Um sujeito, um verbo da família do verbo ter(ou verbos como contém, consiste, compreende) e um complemento que estabelece com o sujeito uma relação parte-todo.Enunciado de ligação de fenômenos.Ex.: O cérebro tem dez milhões de neurônios.
  • 9. Tipos Textuais – Classificação segundo Werlich(1973) Narrativa Verbo de mudança no passado, um circunstancial de tempo e lugar. Enunciado indicativo de ação. Ex.: Os passageiros aterrissaram em Nova York no meio da noite. Argumentativa Uma forma verbal com o verbo ser no presente e um complemento. Enunciado de qualidade. Ex.: A obsessão com a durabilidade nas Artes não é permanente. Injuntiva Um verbo no imperativo. Enunciados incitadores à ação. Podem assumir configuração mais longe onde o imperativo é substituído por “deve”. Ex.: Pare! Seja razoável. Todos brasileiros acima de 18 anos do sexo masculino devem comparecer ao exército para alistarem-se.
  • 10. Gêneros textuais Realizações lingüísticas concretas definidas por propriedades sócio- comunicativas . Textos empiricamente realizados cumprindo funções em situações comunicativas Abrange um conjunto aberto e praticamente ilimitado de designações concretas determinadas pelo canal, estilo, conteúdo, composição e função. Exemplos de gêneros: telefonema, sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, aula expositiva, reunião de condomínio, horóscopo, receita culinária, lista de compras, cardápio, instruções de uso, outdoor, resenha, inquérito policial, conferência, bate-papo virtual, etc
  • 11. Observações sobre Gêneros Textuais • Quando dominamos um gênero textual, dominamos uma forma de realizar lingüisticamente objetivos específicos em situações sociais particulares.”A apropriação dos gêneros é um mecanismo fundamental de socialização, de inserção prática nas atividades comunicativas humanas” -> Bronckart(1999) Os gêneros operam, em certos contextos, como formas de legitimação discursiva, já que se situam numa relação sócio-histórica com fontes de produção que lhes dão sustentação muito além da justificativa individual.
  • 12. Observações sobre Gêneros Textuais • Intertextualidade inter-gêneros = um gênero com função de outro • Intertextualidade tipológica = um gênero com a presença de vários tipos • A possibilidade de operação e maleabilidade dá aos gêneros enorme capacidade de adaptação e ausência de rigidez. Miller(1984) considera o gênero como “ação social” e diz: “uma definição de gênero não deve centrar-se na substância nem na forma do discurso, mas na ação em que ele aparece para realizar-se.” • Bakhtin(1997) indicava a “construção composicional”, ao lado do “conteúdo temático” e do “estilo” como as três características dos gêneros. • Os gêneros são, em última análise, o reflexo das estruturas sociais recorrentes e típicas de cada cultura.
  • 13. Gêneros textuais e ensino • Ter em mente a questão da relação oralidade e escrita no contexto dos gêneros textuais, desde os mais informais até os mais formais e em todos os contextos e situações de vida cotidiana. • Os gêneros são modelos comunicativos e servem, muitas vezes para criar uma expectativa no interlocutor e prepará-lo para determinada reação. Operam prospectivamente, abrindo o caminho da compreensão, como frisou Bakhtin(1997). • Os interlocutores seguem em geral três critérios para designarem seus textos: [Elizabeth Gulich(1986)] – Canal/ meio de comunicação(telefonema, carta, telegrama) – Critérios formais(discussão, conto, debate, contrato, ata, poema) – Natureza do conteúdo(piada, prefácio de livro, receita culinária, bula de remédio)
  • 14. Gêneros textuais e ensino • Para Douglas Bilber(1988), os gêneros são geralmente determinados com base nos objetivos dos falantes e na natureza do tópico tratado. • Os gêneros textuais se fundem em critérios externos(sócio-comunicativos e discursivos) e os tipos textuais fundam-se em critérios internos(lingüísticos e formais). • Adequação tipológica que diz respeito à relação que deveria haver, na produção de cada gênero textual, entre os seguintes aspectos: – Natureza da informação ou do conteúdo veiculado; – Nível de linguagem(formal, informal, dialetal, culta, etc) – Tipo de situação em que o gênero se situa(pública, privada, corriqueira, solene, etc) – Relação entre os participantes(conhecidos, desconhecidos, nível social, formação, etc) – Natureza dos objetivos das atividades desenvolvidas.
  • 15. Observações Finais • O trabalho com gêneros será uma forma de dar conta do ensino dentro de um dos vetores da proposta oficial dos PCNs.