SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
&
 Chamamos de texto tudo aquilo que COMUNICA – que possui
SENTIDO.
 Os textos podem se apresentar de forma verbal (escrito ou
falados) ou não verbal (em forma de imagens ou sons). Eles são
agrupados de duas formas distintas: em gêneros e em tipologias.
TIPOLOGIA TEXTUAL
Comumente relatamos sobre um acontecimento, um fato
presenciado ou ocorrido conosco, expomos nossa opinião sobre
determinado assunto, ou descrevemos algum lugar pelo qual
visitamos, e ainda, fazemos um retrato verbal sobre alguém que
acabamos de conhecer ou ver.
É de fundamental importância sabermos classificar os textos
dos quais travamos convivência no nosso dia a dia. Para isso,
precisamos saber que existem tipos textuais e gêneros textuais.
TIPOLOGIA TEXTUAL
• Narração;
• Descrição;
• Dissertação;
• Exposição;
• Injunção.
Narração – é a modalidade de redação na qual contamos um ou
mais fatos que ocorreram em determinado tempo e lugar,
envolvendo certos personagens.
Descrição – é o tipo de redação na qual se apontam as características
que compõem um determinado objeto, pessoa, ambiente ou
paisagem.
Dissertação – é o tipo de composição na qual expomos ideias gerais,
seguidas da apresentação de argumentos que as comprovem.
Exposição - tem como função principal INFORMAR. Quem
escreve um texto expositivo tem como objetivo EXPLICAR um
tema para o seu interlocutor. Usamos a tipologia expositiva para:
esclarecer um conceito, apresentar um problema e soluções,
analisar diferentes explicações e implicações sobre um
fenômeno. Ex. Artigo Científico, palestras, seminários.
Injunção - indica como realizar uma ação. Utiliza linguagem
objetiva e simples. Os verbos são, na sua maioria, empregados
no modo imperativo, porém nota-se também o uso
do infinitivo e o uso do futuro do presente do modo indicativo.
Ex: Receitas culinárias, manuais, leis, bula de remédio,
convenções, regras e eventos).
NARRAÇÃO
Características da narração
Narração é o relato dos fatos ordenados em sequência
lógica com inclusão de personagens.
São elementos fundamentais da narração: o fato, o
episódio ou o incidente (O que?); a personagem ou
personagens envolvidos nela (Quem?)
Ocorre, contudo, a presença facultativa de outras circunstância,
seguindo o seguinte esquema:
Como? Modo como se desenvolvem os fatos
Onde? Local ou locais de ocorrência
Quando? Tempo, epóca e momento em que se deu o fato
Por quê? Causa ou motivo do acontecimento
Por isso. Consequência ou resultado
Estrutura da Narração
Uma Narração contém as seguintes partes:
Introdução ou Exposição: é uma apresentação do assunto ou tema, geralmente
coincide com o começo da história; é o momento em que o narrador apresenta
os fatos iniciais, as personagens e, às vezes, o tempo e o espaço.
Complicação: é o desenrolar dos acontecimentos, ação das personagens ou
conflito entre personagens e situações
Clímax: é o auge do conflito, o ponto culminante da história ou o suspense da
narrativa
Desfecho: é a resolução do conflito, é a conclusão da história, pode ser
surpreendente, trágica, cômica e corresponde ao final da história.
Narração
“Em uma noite chuvosa do mês de agosto, Paulo
e o irmão caminhavam pela rua mal iluminada
que conduzia à sua residência. Subitamente foram
abordados por um homem estranho. Pararam,
atemorizados, e tentaram saber o que homem
queria, receosos de que se tratasse de um assalto.
Era, entretanto, somente um bêbado que tentava
encontrar, com dificuldade, o caminho de sua
casa.”
Tempo
Cronológico (histórico)
•Chamado também de linear, diacrônico, é mensurável e segue a organização do dia-a-dia. Tem
o ritmo do calendário ou do relógio e pode, muitas vezes, ser apontado por situações
adverbiais: à noite, naquela manhã, no outono de 1997. Outros índices temporais podem ser
levados em consideração: durante a adolescência, por um instante. 
Psicológico (interior ou pessoal)
•Decorre "dentro" das criaturas. E sempre imaterial, não mensurável, particular. A única
maneira de medi-lo é através das associações com a duração dos sentimentos. 
 
Exemplo do cotidiano: Você marca um encontro, o primeiro, com quem ama, às 7 da noite. Às
cinco em ponto você já tomou banho, escolheu a roupa. Olha o relógio que não move os
ponteiros. Estas duas horas que separam vocês serão infinitamente longas, embora o tempo real
tenha sido marcado nos relógios de maneira idêntica a todas as horas. 
Um outro exemplo: sentado(a) na carteira do vestibular, com a aflição das inúmeras questões
pela frente, seu relógio voa quatro horas são céleres demais. 
Espaço
• Nenhuma personagem, em qualquer tipo de narrativa,
está solta no espaço. A especialidade existe sob a
forma de ambiente onde se insiram as personagens. E
numa classificação simplista, podem ser qualificados;
de abertos (o campo, uma praça) e fechados (uma
casa, um cômodo, uma sala). Os espaços, muitas vezes,
singularizam as criaturas.
Espaço Físico ou Geográfico
• É o lugar onde acontecem os fatos que envolvem as
personagens: uma rua movimentada, uma cidade, um
cinema, uma escola, um cômodo de uma casa, etc. O
espaço.
• O espaço pode ser descrito detalhadamente ou suas
características podem aparecer diluídas na narração.
Espaço Social (ambiente)
• É o espaço relativo às condições socioeconômicas,
morais e psicológicas que dizem respeito às
personagens. O espaço social situas as personagens na
época, no grupo social e nas condições em que se
passa a históira.
Ação
• Muito cuidado para não confundir ação com enredo,
história ou argumento narrativos. Podemos definir
ação como uma sequência de acontecimentos na
narração e, como se encadeiam numa ordem natural
de causa e efeito, acabam por formar o todo de que
se alimenta a história. 
Dessa forma, um conjunto de ações feitas ou
recebidas pelas personagens, encadeadas entre si,
geram o enredo. 
Personagens principais e
secundárias
a) Protagonistas - sustentam, servem como eixo, para todos os fatos inerentes à
narrativa.
b) Antagonistas - designação atual para o antigo vilão. Cabe a elas impedir, dificultar,
atormentar a "vida" das personagens protagonistas. Como observação, seria bom
lembrar que as antagonistas não precisam ser propriamente pessoas; às vezes, são
representadas por sentimentos, grupos sociais, peculiaridades de ordem física,
psicológica ou social dos indivíduos e até podem representar instituições. Suponhamos
que você tenha uma história onde dois indivíduos do mesmo sexo se amem e queiram
casar. O antagonista será o Estado, a sociedade, a Constituição que os impedirá de
concretizarem seus desejos. 
c) Coadjuvantes – o mesmo que secundárias. Dão suporte à continuidade da história,
intermediando as ações e girando ao redor das principais como seres complementares. 
Foco narrativo
• Ao lermos uma história, há alguém que desempenha o
importante papel de nos contar os fatos ocorridos
nela, não é verdade? Esse alguém se chama narrador,
mas precisamos saber também a forma da qual ele se
utiliza para realizar essa importante tarefa. Pronto!
Descobrimos o que é o foco narrativo, ou seja, a
forma com que o narrador relata o discurso.
Poema tirado de uma notícia de jornal
“João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da
Babilônia num barracão sem número”
Uma noite, ele chegou no bar Vinte de Novembro
Bebeu
Cantou
Dançou
Depois se atirou na lagoa Rodrigues de Freitas e morreu afogado.
(Manuel Bandeira, 1974)
Quem? João Gostoso
Quando? Uma noite
O que? Chegou no bar
Bebeu
Cantou
Dançou
Depois se atirou na lagoa
Por isso morreu afogado
DESCRIÇÃO
Descrição
“Sua estatura era alta e seu corpo esbelto. A pele morena
refletia o sol dos trópicos. Os olhos negros e amendoados
espalhavam a luz interior de sua alegria de viver e
jovialidade. Os traços bem desenhados compunham uma
fisionomia calma, que mais parecia uma pintura”.
Descrição
Observe o texto a seguir:
Ele é nojento, asqueroso. Um inseto mesmo. E é tão pequeno, tão
baixo, que ninguém nota sua presença. Mas ele nunca está sozinho.
Iguais a ele existem aos milhões só em sua casa. E, olha, não se
iluda: eles são todos iguais. Totalmente sem escrúpulos, fazem mal a
moças e rapazes, adultos e crianças. Ele é um ser tão desprezível,
que respirar perto dele pode causar até alergia. E sabe o que ele
gosta mais de comer? Restos de pele humana.
DISSERTAÇÃO
Estrutura básica da dissertação
O texto dissertativo, assim como o narrativo e o
descritivo, deve apresentar-se organizado, obedecendo à
seguinte divisão:
Introdução

Serve para preparar o leitor;

Deve estar relacionada com o que se vai discutir
ou expor no desenvolvimento;

Deve ser breve, apenas um parágrafo;

Não deve desviar-se do que estará contido no
desenvolvimento;

Deve ser objetiva, portanto sem rodeios.
Desenvolvimento

É a parte mais significativa da redação;

São apresentados os raciocínios lógicos, a
argumentação, as controvérsias e deduções;

É a substância do trabalho;

Não pode ser menor que a introdução.
Conclusão

É o fecho da redação;

Nela, o redator pode resumir os pontos de vista;

Apresentar uma síntese das ideias contidas no desenvolvimento;

Não pode ser dispensada;

Deve ser breve e ter caráter geral;

Apenas um parágrafo.
Dissertação
“Muitos debates tem havido sobre a eficiência do sistema
educacional brasileiro. Argumentam alguns que ele deve ter por
objetivo despertar o estudante a capacidade de absorver
informações dos mais diferentes tipos e relacioná-las com a
realidade circundante. Um sistema de ensino voltado para a
compreensão dos problemas sócio-econômicos e que despertasse
no aluno a curiosidade científica seria por demais desejável.”
Tema e Título
Tema: é a ideia sobre a qual o texto deverá ser desenvolvido; é o assunto
sobre o qual se escreverá.
Título: é uma expressão geralmente curta, colocada antes do início da
redação; é uma referência ao assunto de que tratará o texto.
Exemplo:
Tema: As grandes capitais dos Estados brasileiros são depositárias de graves
problemas sociais.
Título: As capitais e os seus problemas
Estruturando uma dissertação: argumentação
Imagine que você queira dissertar sobre o seguinte tema: “O mundo
moderno caminha atualmente para sua própria destruição”
Sua primeira provicência deve ser copiar este tema em uma folha de
rascunho e fazer a pergunta: Por quê?
Ao iniciar sua reflexão sobre o tema proposto e sobre uma possível
resposta para a questão procure recordar-se do que já leu ou ouvir a
respeito dele.
O ideal, para que sua dissertação explore suficientemente o
assunto, é que você obtenha duas ou três respostas para a
questão formulada; estas respostas denominam-se
argumentos.
Observe agora que argumentos podemos encontrar para este
tema. Uma possibilidade é pensar que o mundo pode vir a
destruir-se por causa dos inúmeros conflitos internacionais
que tem ocorrido nestes últimos tempos. Assim, já teríamos o
primeiro argumento:
Tem havido inúmeros conflitos internacionais
Pensando um pouco mais sobre o porquê de estarmos à
beira da destruição, podemos ter mais dois argumentos:
-
o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério
desequilíbrio ecológico;
- permanece o perigo de uma catástrofe nuclear.
Desta maneira, obtermos o seguine quadro:
Tema: O mundo moderno caminha atualmente para a sua própria
destruição
Porquê? (argumentos)
1.Tem havido inúmeros conflitos internacionais
2.O meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio
ecológico
3.Permanece o perigo de uma catástrofe nuclear
Para elaborar a introdução, basta copiar o
tema e acrescentar a ele os argumentos. Na
introdução, os argumentos são apenas
mencionados. Neste primeiro parágrafo
informamos apenas o assunto de que a
dissertação vai tratar.
Observe:
(tema)
O mundo moderno caminha atualmente para a sua própria destruição,
(argumento 1)
pois tem havido inúmeros conflitos internacionais,
(argumento 2)
o meio ambiente encontra-se ameaçado por série desequilíbrio
ecológico e, além do mais,
(argumento 3)
permanece o perigo de uma catástrofe nuclear.
•
No desenvolvimento, cada argumento
deverá ser convenientemente desenvolvido
em parágrafos.
•
Na conclusão basta só um parágrafo. Nele
deve estar presente novemente o proposto
no início.
Resumindo todos os procedimentos que utilizamos para
construir uma dissertação, chegamos ao esquema:
TÍTULO
1° Parágrafo: Tema + Argumento 1 + Argumento 2 + Argumento 3
2° Parágrafo: Desenvolvimento do Argumento 1
3° Parágrafo:Desenvolvimento do Argumento 2
4° Parágrafo: Desenvolvimento do Argumento 3
5° Parágrafo: Expressão inicial + reafirmação do TEMA + observação final + proposta de
intervenção
Exposição
O telefone celular 
A história do celular é recente, mas remonta ao passado –– e às telas
de cinema. A mãe do telefone móvel é a austríaca Hedwig Kiesler (mais
conhecida pelo nome artístico Hedy Lamaar), uma atriz de Hollywood
que estrelou o clássico Sansão e Dalila (1949). 
Hedy tinha tudo para virar celebridade, mas pela inteligência. Ela foi
casada com um austríaco nazista fabricante de armas. O que sobrou de
uma relação desgastante foi o interesse pela tecnologia. 
Já nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, ela soube
que alguns torpedos teleguiados da Marinha haviam sido interceptados
por inimigos. Ela ficou intrigada com isso, e teve a ideia: 
um sistema no qual duas pessoas podiam se comunicar mudando o canal,
para que a conversa não fosse interrompida. Era a base dos celulares,
patenteada em 1940. 
Injunção
GÊNERO TEXTUAL
São as estruturas com que se compõem os
textos, sejam eles orais ou escritos. Essas
estruturas são socialmente reconhecidas, pois se
mantêm sempre muito parecidas, com
características comuns, procuram atingir intenções
comunicativas semelhantes e ocorrem em
situações específicas. Pode-se dizer que se tratam
das variadas formas de linguagem que circulam em
nossa sociedade, sejam eles formais ou informais.
Cada gênero textual tem seu estilo próprio,
podendo então, ser identificado e diferenciado dos
demais através de suas características.
Notícia: podemos perfeitamente identificar características
narrativas, o fato ocorrido que se deu em um determinado
momento e em um determinado lugar, envolvendo determinadas
personagens. Características do lugar, bem como dos
personagens envolvidos são, muitas vezes, minuciosamente
descritos.
Reportagem: é um gênero textual jornalístico de caráter
dissertativo-expositivo. A reportagem tem, por objetivo, informar
e levar os fatos ao leitor de uma maneira clara, com linguagem
direta.
Carta ao leitor: é um gênero textual do tipo dissertativo-
argumentativo que possui uma linguagem mais pessoal e leve,
em que se escreve aos leitores.
Propaganda: é um gênero textual dissertativo-expositivo onde há a
o intuito de propagar informações sobre algo, buscando sempre
atingir e influenciar o leitor apresentando, na maioria das vezes,
mensagens que despertam as emoções e a sensibilidade do mesmo.
Bula de remédio: é um gênero textual descritivo, dissertativo-
expositivo e injuntivo que tem por obrigação fornecer as
informações necessárias para o correto uso do medicamento.
Receita: é um gênero textual descritivo e injuntivo que tem por
objetivo informar a fórmula para preparar tal comida, descrevendo
os ingredientes e o preparo destes, além disso, com verbos no
imperativo, dado o sentido de ordem, para que o leitor siga
corretamente as instruções.
Editorial: é um gênero textual dissertativo-argumentativo que
expressa o posicionamento da empresa sobre determinado assunto,
sem a obrigação da presença da objetividade.
Tutorial: é um gênero textual injuntivo que consiste num guia que
tem por finalidade explicar ao leitor, passo a passo e de maneira
simplificada, como fazer algo.
Entrevista: é um gênero textual dissertativo-expositivo que é
representado pela conversação de duas ou mais pessoas, o
entrevistador e o(s) entrevistado(s), para obter informações sobre ou
do entrevistado ou de algum outro assunto.
História em quadrinhos: é um gênero textual narrativo que
consiste em enredos contados em pequenos quadros através de
diálogos diretos entre seus personagens, gerando uma espécie de
conversação.
Charge: é um gênero textual narrativo onde se faz uma espécie de
ilustração cômica, através de caricaturas, com o objetivo de
realizar uma sátira, crítica ou comentário sobre algum
acontecimento atual, em sua grande maioria.
Narrador –
ouvintes/telespecta-
dores
Mídia esportivaRádio/TVNarrarNARRAÇÃO DE
JOGO DE
FUTEBOL
Apresentador públicoMídiaJornal TV rádioRelatarNOTICIÁRIO
Empresa
(jornal/revista) leitor
Mídia jornal
impresso
Jornal /revista
impressos
Argumentar/ExporEDITORIAL
Cliente - bancoBancáriaTalão de chequeExpor/InstruirCHEQUE
Empresa indústria
cliente
Indústria-comércio
(mercantil)
Folheto, folder,
livro impresso
InstruirMANUAL DE
INSTRUÇÃO DE
TV
Escritor/LeitorIndústria LiteráriaLivroRelatarBIOGRAFIA
Universidade/Escola
Prefeitura
Acadêmico escolar
oficial
Folha papel
timbrado e
envelope
Expor/ArgumentarCARTA OFÍCIO
Jornalista e
entrevistado/leitor
Mídia escritaRevistaInterativo/DialogalENTREVISTA
 
Escritor leitorIndústria literáriaLivroNarrarROMANCE
Escritor leitor de
jornal/revista
Mídia impressa
jornal/revista
Seção coluna de
jornal/revista
Expor / ArgumentarCRÔNICA
Autores
telespectadores
Mídia televisivaTelevisãoNarrarNOVELA
INTERAÇÃO VERBAL
ENUNCIADORES
AMBIENTE
DISCURSIVO
SUPORTE DO
TEXTO
MODALIDADE
DISCURSIVA
GÊNERO
TEXTUA
L
Terminologia
Gêneros literários
Gênero Narrativo:
Na Antiguidade Clássica, os padrões literários reconhecidos eram apenas o épico, o
lírico e o dramático. Nesta classificação, no gênero épico há a presença de um narrador
que fundamentalmente conta a história passada de terceiros. Isso implica certo
distanciamento entre o narrador e o assunto tratado, coisa que não ocorre no gênero
lírico. Os verbos e os pronomes quase sempre estão na 3ª pessoa. Além disso, os textos
épicos pressupõem a presença de uma ouvinte ou de uma plateia, que estaria escutando
o narrador.
Com o passar dos anos, o gênero épico passou a ser considerado apenas uma variante
do gênero literário narrativo, devido ao surgimento de concepções de prosa com
características diferentes, uma diversidade de gêneros: o romance, a novela, o conto, a
crônica, a fábula. Porém, praticamente todas as obras narrativas possuem elementos
estruturais e estilísticos em comum e devem responder a questionamentos, como:
quem? o que? quando? onde? por quê?
Vejamos a seguir:
• Épico (ou Epopeia): os textos épicos são geralmente longos e narram
histórias de um povo ou de uma nação, envolvem aventuras, guerras,
viagens, gestos heroicos, etc. Normalmente apresentam um tom de
exaltação, isto é, de valorização de seus heróis e seus feitos. Três belos
exemplos são Os Lusíadas, de Luís de Camões, e Odisséia, de Homero.
• Romance: é um texto completo, com tempo, espaço e personagens bem
definidos e de caráter mais verossímil. Também conta as façanhas de um
herói, mas principalmente uma história de amor vivida por ele e uma
mulher, muitas vezes, “proibida” para ele. Apesar dos obstáculos que o
separam, o casal vive sua paixão proibida, física, adúltera, pecaminosa e,
por isso, costuma ser punido no final. É o tipo de narrativa mais comum na
Idade Média. Ex: Tristão e Isolda.
Novela: é um texto caracterizado por ser intermediário entre a
longevidade do romance e a brevidade do conto. Como exemplos de
novelas, podem ser citadas as obras O Alienista, de Machado de
Assis, e A Metamorfose, de Kafka.
Conto: é um texto narrativo breve, e de ficção, geralmente em prosa,
que conta situações rotineiras, anedotas e até folclores (conto
popular). Caracteriza-se por personagens previamente retratados.
Inicialmente, fazia parte da literatura oral. Boccaccio foi o primeiro a
reproduzi-lo de forma escrita com a publicação de Decamerão.
Fábula: é um texto de caráter fantástico que busca ser inverossímil.
As personagens principais são não humanos e a finalidade é
transmitir alguma lição de moral.
Crônica: é uma narrativa informal, breve, ligada à vida cotidiana, com
linguagem coloquial. Pode ter um tom humorístico ou um toque de crítica
indireta, especialmente, quando aparece em seção ou artigo de jornal,
revistas e programas da TV..
Crônica narrativo-descritiva: Apresenta alternância entre os momentos
narrativos e manifestos descritivos.
Ensaio: é um texto literário breve, situado entre o poético e o didático,
expondo ideias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo
tema. É menos formal e mais flexível que o tratado. Consiste também na
defesa de um ponto de vista pessoal e subjetivo sobre um tema
(humanístico, filosófico, político, social, cultural, moral, comportamental,
etc.), sem que se paute em formalidades como documentos ou provas
empíricas ou dedutivas de caráter científico. Exemplo: Ensaio sobre a
cegueira, de José Saramago e Ensaio sobre a tolerância, de John Locke.
Gênero dramático:
Trata-se do texto escrito para ser encenado no teatro. Nesse tipo de texto, não há
um narrador contando a história. Ela “acontece” no palco, ou seja, é representada
por atores, que assumem os papéis das personagens nas cenas.
Tragédia: é a representação de um fato trágico, suscetível de provocar
compaixão e terror. Aristóteles afirmava que a tragédia era "uma
representação duma ação grave, de alguma extensão e completa, em
linguagem figurada, com atores agindo, não narrando, inspirando dó e terror".
Ex: Romeu e Julieta, de Shakespeare.
Farsa: é uma pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural, que critica a
sociedade e seus costumes; baseia-se no lema latino ridendo castigat mores
(rindo, castigam-se os costumes). A farsa consiste no exagero do cômico,
graças ao emprego de processos grosseiros, como o absurdo, as
incongruências, os equívocos, os enganos, a caricatura, o humor primário, as
situações ridículas.
Comédia: é a representação de um fato inspirado na vida e no sentimento
comum, de riso fácil. Sua origem grega está ligada às festas populares.
Tragicomédia: modalidade em que se misturam elementos
trágicos e cômicos. Originalmente, significava a mistura do real
com o imaginário.
Poesia de cordel: texto tipicamente brasileiro em que se retrata,
com forte apelo linguístico e cultural nordestinos, fatos diversos
da sociedade e da realidade vivida por este povo.
Gênero lírico
É certo tipo de texto no qual um eu lírico (a voz que fala no poema e que nem sempre
corresponde à do autor) exprime suas emoções, ideias e impressões em face do mundo
exterior. Normalmente os pronomes e os verbos estão em 1ª pessoa e há o predomínio da
função emotiva da linguagem.
Elegia: é um texto de exaltação à morte de alguém, sendo
que a morte é elevada como o ponto máximo do texto. O
emissor expressa tristeza, saudade, ciúme, decepção, desejo de
morte. É um poema melancólico. Um bom exemplo é a peça
Roan e Yufa, de William Shakespeare.
Epitalâmia: é um texto relativo às noites nupciais líricas, ou
seja, noites românticas com poemas e cantigas. Um bom
exemplo de epitalâmia é a peça Romeu e Julieta nas noites
nupciais.
Ode (ou hino): é o poema lírico em que o emissor faz uma
homenagem à pátria (e aos seus símbolos), às divindades, à
mulher amada, ou a alguém ou algo importante para ele. O hino é
uma ode com acompanhamento musical;
Idílio (ou écloga): é o poema lírico em que o emissor expressa
uma homenagem à natureza, às belezas e às riquezas que ela dá
ao homem. É o poema bucólico, ou seja, que expressa o desejo de
desfrutar de tais belezas e riquezas ao lado da amada (pastora),
que enriquece ainda mais a paisagem, espaço ideal para a paixão.
A écloga é um idílio com diálogos (muito rara);
Sátira: é o poema lírico em que o emissor faz uma crítica a
alguém ou a algo, em tom sério ou irônico.
Acalanto: ou canção de ninar;
Acróstico: (akros = extremidade; stikos = linha), composição
lírica na qual as letras iniciais de cada verso formam uma palavra
ou frase;
Balada: uma das mais primitivas manifestações poéticas, são
cantigas de amigo (elegias) com ritmo característico e refrão
vocal que se destinam à dança;
Canção (ou Cantiga, Trova): poema oral com acompanhamento
musical;
Gazal (ou Gazel): poesia amorosa dos persas e árabes; odes do
oriente médio;
Haicai: expressão japonesa que significa “versos cômicos” (=sátira).
E o poema japonês formado de três versos que somam 17 sílabas
assim distribuídas: 1° verso= 5 sílabas; 2° verso = 7 sílabas; 3° verso
5 sílabas;
Soneto: é um texto em poesia com 14 versos, dividido em dois
quartetos e dois tercetos, com rima geralmente em: a-b-a-b / a-b-b-a /
c-d-c / d-c-d.
Vilancete: são as cantigas de autoria dos poetas vilões (cantigas de
escárnio e de maldizer); satíricas, portanto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enemJosi Motta
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaJosilene Borges
 
Aulas gêneros e tipos textuais
Aulas   gêneros e tipos textuaisAulas   gêneros e tipos textuais
Aulas gêneros e tipos textuaisMairus Prete
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesIsis Barros
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosRenally Arruda
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoElaine Maia
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentocristina resende
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enemLuciene Gomes
 

Mais procurados (20)

Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Aulas gêneros e tipos textuais
Aulas   gêneros e tipos textuaisAulas   gêneros e tipos textuais
Aulas gêneros e tipos textuais
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
 
Diferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumentoDiferença entre tese e argumento
Diferença entre tese e argumento
 
O texto descritivo
O texto descritivoO texto descritivo
O texto descritivo
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 

Destaque

Apostila jogos na matematica
Apostila   jogos na matematicaApostila   jogos na matematica
Apostila jogos na matematicaMarcia MMs
 
Jogos para Alfabetização
Jogos para AlfabetizaçãoJogos para Alfabetização
Jogos para AlfabetizaçãoGraça Sousa
 
(Lurdes)jogos na alfabetização bingo 1
(Lurdes)jogos  na  alfabetização bingo 1(Lurdes)jogos  na  alfabetização bingo 1
(Lurdes)jogos na alfabetização bingo 1Leisy Anne Tebaldi
 
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualmarcelocaxias
 
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do Sal
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do SalSugestão de jogos para alfabetização Arroio do Sal
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do SalSimone Dias
 
Projeto jogos e brincadeiras
Projeto jogos e brincadeiras Projeto jogos e brincadeiras
Projeto jogos e brincadeiras repari
 
Professoras conhecendo os Jogos de Alfabetização
Professoras conhecendo os Jogos de AlfabetizaçãoProfessoras conhecendo os Jogos de Alfabetização
Professoras conhecendo os Jogos de AlfabetizaçãoBete Feliciano
 
Jogos Pnaic-Matemática
Jogos Pnaic-MatemáticaJogos Pnaic-Matemática
Jogos Pnaic-MatemáticaGraça Sousa
 
Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.
 Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil. Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.
Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.Leila da Conceição
 
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10Adriana Avila
 
5º gênero e tipologia textual
5º gênero e tipologia textual5º gênero e tipologia textual
5º gênero e tipologia textualJunior Paixão
 
Matemática com jogos
Matemática com jogosMatemática com jogos
Matemática com jogoselieneudocia
 

Destaque (20)

Jogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçaoJogos de alfabetizaçao
Jogos de alfabetizaçao
 
Slide e proinfo Miriam
Slide e proinfo MiriamSlide e proinfo Miriam
Slide e proinfo Miriam
 
Apostila jogos na matematica
Apostila   jogos na matematicaApostila   jogos na matematica
Apostila jogos na matematica
 
Jogos de alfabetização
 Jogos de alfabetização Jogos de alfabetização
Jogos de alfabetização
 
Jogos para Alfabetização
Jogos para AlfabetizaçãoJogos para Alfabetização
Jogos para Alfabetização
 
(Lurdes)jogos na alfabetização bingo 1
(Lurdes)jogos  na  alfabetização bingo 1(Lurdes)jogos  na  alfabetização bingo 1
(Lurdes)jogos na alfabetização bingo 1
 
jogos de alfabetização
  jogos de alfabetização  jogos de alfabetização
jogos de alfabetização
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textualAul 02 tipolo_e_gênero_textual
Aul 02 tipolo_e_gênero_textual
 
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do Sal
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do SalSugestão de jogos para alfabetização Arroio do Sal
Sugestão de jogos para alfabetização Arroio do Sal
 
Projeto jogos e brincadeiras
Projeto jogos e brincadeiras Projeto jogos e brincadeiras
Projeto jogos e brincadeiras
 
Professoras conhecendo os Jogos de Alfabetização
Professoras conhecendo os Jogos de AlfabetizaçãoProfessoras conhecendo os Jogos de Alfabetização
Professoras conhecendo os Jogos de Alfabetização
 
Oficina consciência fonológica (apostila)
Oficina  consciência fonológica (apostila)Oficina  consciência fonológica (apostila)
Oficina consciência fonológica (apostila)
 
Jogos Pnaic-Matemática
Jogos Pnaic-MatemáticaJogos Pnaic-Matemática
Jogos Pnaic-Matemática
 
Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.
 Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil. Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.
Jogos e Materiais Didáticos no Ensino de Matemática para a Educação Infantil.
 
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10
Aprendendo Matemática de um modo criativo: Jogo nunca 10
 
Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2
 
5º gênero e tipologia textual
5º gênero e tipologia textual5º gênero e tipologia textual
5º gênero e tipologia textual
 
Matemática com jogos
Matemática com jogosMatemática com jogos
Matemática com jogos
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 

Semelhante a Tipologia e gênero textual

tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdfWandersonBarros16
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdfmarina cangussu starling
 
TIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.pptTIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.pptJaymeTavares2
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxEdilmaBrando1
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.pptRoseli Gomes Martins
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.pptkeilaoliveira69
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.markedHELIO ALVES
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de textomanuela016
 
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesaAula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesamarcelosallas14021
 
Apostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portuguesApostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portuguesMaria Solidade de Sá
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisNome Sobrenome
 

Semelhante a Tipologia e gênero textual (20)

tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02.pdf
 
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdftipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
tipologiatextual-130813142120-phpapp02_(1).pdf
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Resumo De Portugues
Resumo De PortuguesResumo De Portugues
Resumo De Portugues
 
TIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.pptTIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.ppt
 
TIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.pptTIPOLOIA TEXTUAL.ppt
TIPOLOIA TEXTUAL.ppt
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Aula 08 português.text.marked
Aula 08   português.text.markedAula 08   português.text.marked
Aula 08 português.text.marked
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
984
984984
984
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesaAula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
Aula 2 - Tipos Textuais Língua portuguesa
 
Apostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portuguesApostila resumo-e-exercicios-de-portugues
Apostila resumo-e-exercicios-de-portugues
 
Tipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros TextuaisTipos e Gêneros Textuais
Tipos e Gêneros Textuais
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 

Mais de Andriane Cursino

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoAndriane Cursino
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersAndriane Cursino
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração românticaAndriane Cursino
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoAndriane Cursino
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersAndriane Cursino
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoAndriane Cursino
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoAndriane Cursino
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteAndriane Cursino
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteAndriane Cursino
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Andriane Cursino
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXAndriane Cursino
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosAndriane Cursino
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoAndriane Cursino
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) Andriane Cursino
 

Mais de Andriane Cursino (20)

Resumos obras - Romantismo
Resumos obras - RomantismoResumos obras - Romantismo
Resumos obras - Romantismo
 
Simple present tense - Answers
Simple present tense - AnswersSimple present tense - Answers
Simple present tense - Answers
 
Gabarito - Romantismo
Gabarito -  RomantismoGabarito -  Romantismo
Gabarito - Romantismo
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Romantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geraçãoRomantismo - introdução e 1ª geração
Romantismo - introdução e 1ª geração
 
Exercises simple past - Answers
Exercises simple past - AnswersExercises simple past - Answers
Exercises simple past - Answers
 
Gabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ ArcadismoGabarito Barroco/ Arcadismo
Gabarito Barroco/ Arcadismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Classicismo / Renascimento
Classicismo / RenascimentoClassicismo / Renascimento
Classicismo / Renascimento
 
O velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil VicenteO velho da horta - Gil Vicente
O velho da horta - Gil Vicente
 
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil VicenteFarsa de Inês Pereira - Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAXO PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
O PARALELISMO COMO RECURSO ESTILÍSTICO DAS CANTIGAS DE MARTIM CODAX
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Exercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literáriosExercícios sobre gêneros literários
Exercícios sobre gêneros literários
 
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / ConcretismoModernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
Modernismo (1945 - atuais) 3ª fase / Concretismo
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 

Último

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

Tipologia e gênero textual

  • 1. &
  • 2.  Chamamos de texto tudo aquilo que COMUNICA – que possui SENTIDO.  Os textos podem se apresentar de forma verbal (escrito ou falados) ou não verbal (em forma de imagens ou sons). Eles são agrupados de duas formas distintas: em gêneros e em tipologias.
  • 3. TIPOLOGIA TEXTUAL Comumente relatamos sobre um acontecimento, um fato presenciado ou ocorrido conosco, expomos nossa opinião sobre determinado assunto, ou descrevemos algum lugar pelo qual visitamos, e ainda, fazemos um retrato verbal sobre alguém que acabamos de conhecer ou ver. É de fundamental importância sabermos classificar os textos dos quais travamos convivência no nosso dia a dia. Para isso, precisamos saber que existem tipos textuais e gêneros textuais.
  • 4. TIPOLOGIA TEXTUAL • Narração; • Descrição; • Dissertação; • Exposição; • Injunção.
  • 5. Narração – é a modalidade de redação na qual contamos um ou mais fatos que ocorreram em determinado tempo e lugar, envolvendo certos personagens. Descrição – é o tipo de redação na qual se apontam as características que compõem um determinado objeto, pessoa, ambiente ou paisagem. Dissertação – é o tipo de composição na qual expomos ideias gerais, seguidas da apresentação de argumentos que as comprovem.
  • 6. Exposição - tem como função principal INFORMAR. Quem escreve um texto expositivo tem como objetivo EXPLICAR um tema para o seu interlocutor. Usamos a tipologia expositiva para: esclarecer um conceito, apresentar um problema e soluções, analisar diferentes explicações e implicações sobre um fenômeno. Ex. Artigo Científico, palestras, seminários. Injunção - indica como realizar uma ação. Utiliza linguagem objetiva e simples. Os verbos são, na sua maioria, empregados no modo imperativo, porém nota-se também o uso do infinitivo e o uso do futuro do presente do modo indicativo. Ex: Receitas culinárias, manuais, leis, bula de remédio, convenções, regras e eventos).
  • 8.
  • 9. Características da narração Narração é o relato dos fatos ordenados em sequência lógica com inclusão de personagens. São elementos fundamentais da narração: o fato, o episódio ou o incidente (O que?); a personagem ou personagens envolvidos nela (Quem?)
  • 10. Ocorre, contudo, a presença facultativa de outras circunstância, seguindo o seguinte esquema: Como? Modo como se desenvolvem os fatos Onde? Local ou locais de ocorrência Quando? Tempo, epóca e momento em que se deu o fato Por quê? Causa ou motivo do acontecimento Por isso. Consequência ou resultado
  • 11. Estrutura da Narração Uma Narração contém as seguintes partes: Introdução ou Exposição: é uma apresentação do assunto ou tema, geralmente coincide com o começo da história; é o momento em que o narrador apresenta os fatos iniciais, as personagens e, às vezes, o tempo e o espaço. Complicação: é o desenrolar dos acontecimentos, ação das personagens ou conflito entre personagens e situações Clímax: é o auge do conflito, o ponto culminante da história ou o suspense da narrativa Desfecho: é a resolução do conflito, é a conclusão da história, pode ser surpreendente, trágica, cômica e corresponde ao final da história.
  • 12. Narração “Em uma noite chuvosa do mês de agosto, Paulo e o irmão caminhavam pela rua mal iluminada que conduzia à sua residência. Subitamente foram abordados por um homem estranho. Pararam, atemorizados, e tentaram saber o que homem queria, receosos de que se tratasse de um assalto. Era, entretanto, somente um bêbado que tentava encontrar, com dificuldade, o caminho de sua casa.”
  • 13.
  • 14. Tempo Cronológico (histórico) •Chamado também de linear, diacrônico, é mensurável e segue a organização do dia-a-dia. Tem o ritmo do calendário ou do relógio e pode, muitas vezes, ser apontado por situações adverbiais: à noite, naquela manhã, no outono de 1997. Outros índices temporais podem ser levados em consideração: durante a adolescência, por um instante.  Psicológico (interior ou pessoal) •Decorre "dentro" das criaturas. E sempre imaterial, não mensurável, particular. A única maneira de medi-lo é através das associações com a duração dos sentimentos.    Exemplo do cotidiano: Você marca um encontro, o primeiro, com quem ama, às 7 da noite. Às cinco em ponto você já tomou banho, escolheu a roupa. Olha o relógio que não move os ponteiros. Estas duas horas que separam vocês serão infinitamente longas, embora o tempo real tenha sido marcado nos relógios de maneira idêntica a todas as horas.  Um outro exemplo: sentado(a) na carteira do vestibular, com a aflição das inúmeras questões pela frente, seu relógio voa quatro horas são céleres demais. 
  • 15. Espaço • Nenhuma personagem, em qualquer tipo de narrativa, está solta no espaço. A especialidade existe sob a forma de ambiente onde se insiram as personagens. E numa classificação simplista, podem ser qualificados; de abertos (o campo, uma praça) e fechados (uma casa, um cômodo, uma sala). Os espaços, muitas vezes, singularizam as criaturas.
  • 16. Espaço Físico ou Geográfico • É o lugar onde acontecem os fatos que envolvem as personagens: uma rua movimentada, uma cidade, um cinema, uma escola, um cômodo de uma casa, etc. O espaço. • O espaço pode ser descrito detalhadamente ou suas características podem aparecer diluídas na narração.
  • 17. Espaço Social (ambiente) • É o espaço relativo às condições socioeconômicas, morais e psicológicas que dizem respeito às personagens. O espaço social situas as personagens na época, no grupo social e nas condições em que se passa a históira.
  • 18. Ação • Muito cuidado para não confundir ação com enredo, história ou argumento narrativos. Podemos definir ação como uma sequência de acontecimentos na narração e, como se encadeiam numa ordem natural de causa e efeito, acabam por formar o todo de que se alimenta a história.  Dessa forma, um conjunto de ações feitas ou recebidas pelas personagens, encadeadas entre si, geram o enredo. 
  • 19. Personagens principais e secundárias a) Protagonistas - sustentam, servem como eixo, para todos os fatos inerentes à narrativa. b) Antagonistas - designação atual para o antigo vilão. Cabe a elas impedir, dificultar, atormentar a "vida" das personagens protagonistas. Como observação, seria bom lembrar que as antagonistas não precisam ser propriamente pessoas; às vezes, são representadas por sentimentos, grupos sociais, peculiaridades de ordem física, psicológica ou social dos indivíduos e até podem representar instituições. Suponhamos que você tenha uma história onde dois indivíduos do mesmo sexo se amem e queiram casar. O antagonista será o Estado, a sociedade, a Constituição que os impedirá de concretizarem seus desejos.  c) Coadjuvantes – o mesmo que secundárias. Dão suporte à continuidade da história, intermediando as ações e girando ao redor das principais como seres complementares. 
  • 20. Foco narrativo • Ao lermos uma história, há alguém que desempenha o importante papel de nos contar os fatos ocorridos nela, não é verdade? Esse alguém se chama narrador, mas precisamos saber também a forma da qual ele se utiliza para realizar essa importante tarefa. Pronto! Descobrimos o que é o foco narrativo, ou seja, a forma com que o narrador relata o discurso.
  • 21. Poema tirado de uma notícia de jornal “João Gostoso era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número” Uma noite, ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Rodrigues de Freitas e morreu afogado. (Manuel Bandeira, 1974)
  • 22. Quem? João Gostoso Quando? Uma noite O que? Chegou no bar Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Por isso morreu afogado
  • 24. Descrição “Sua estatura era alta e seu corpo esbelto. A pele morena refletia o sol dos trópicos. Os olhos negros e amendoados espalhavam a luz interior de sua alegria de viver e jovialidade. Os traços bem desenhados compunham uma fisionomia calma, que mais parecia uma pintura”.
  • 25.
  • 26. Descrição Observe o texto a seguir: Ele é nojento, asqueroso. Um inseto mesmo. E é tão pequeno, tão baixo, que ninguém nota sua presença. Mas ele nunca está sozinho. Iguais a ele existem aos milhões só em sua casa. E, olha, não se iluda: eles são todos iguais. Totalmente sem escrúpulos, fazem mal a moças e rapazes, adultos e crianças. Ele é um ser tão desprezível, que respirar perto dele pode causar até alergia. E sabe o que ele gosta mais de comer? Restos de pele humana.
  • 28.
  • 29. Estrutura básica da dissertação O texto dissertativo, assim como o narrativo e o descritivo, deve apresentar-se organizado, obedecendo à seguinte divisão:
  • 30. Introdução  Serve para preparar o leitor;  Deve estar relacionada com o que se vai discutir ou expor no desenvolvimento;  Deve ser breve, apenas um parágrafo;  Não deve desviar-se do que estará contido no desenvolvimento;  Deve ser objetiva, portanto sem rodeios.
  • 31. Desenvolvimento  É a parte mais significativa da redação;  São apresentados os raciocínios lógicos, a argumentação, as controvérsias e deduções;  É a substância do trabalho;  Não pode ser menor que a introdução.
  • 32. Conclusão  É o fecho da redação;  Nela, o redator pode resumir os pontos de vista;  Apresentar uma síntese das ideias contidas no desenvolvimento;  Não pode ser dispensada;  Deve ser breve e ter caráter geral;  Apenas um parágrafo.
  • 33. Dissertação “Muitos debates tem havido sobre a eficiência do sistema educacional brasileiro. Argumentam alguns que ele deve ter por objetivo despertar o estudante a capacidade de absorver informações dos mais diferentes tipos e relacioná-las com a realidade circundante. Um sistema de ensino voltado para a compreensão dos problemas sócio-econômicos e que despertasse no aluno a curiosidade científica seria por demais desejável.”
  • 34. Tema e Título Tema: é a ideia sobre a qual o texto deverá ser desenvolvido; é o assunto sobre o qual se escreverá. Título: é uma expressão geralmente curta, colocada antes do início da redação; é uma referência ao assunto de que tratará o texto. Exemplo: Tema: As grandes capitais dos Estados brasileiros são depositárias de graves problemas sociais. Título: As capitais e os seus problemas
  • 35. Estruturando uma dissertação: argumentação Imagine que você queira dissertar sobre o seguinte tema: “O mundo moderno caminha atualmente para sua própria destruição” Sua primeira provicência deve ser copiar este tema em uma folha de rascunho e fazer a pergunta: Por quê? Ao iniciar sua reflexão sobre o tema proposto e sobre uma possível resposta para a questão procure recordar-se do que já leu ou ouvir a respeito dele.
  • 36. O ideal, para que sua dissertação explore suficientemente o assunto, é que você obtenha duas ou três respostas para a questão formulada; estas respostas denominam-se argumentos. Observe agora que argumentos podemos encontrar para este tema. Uma possibilidade é pensar que o mundo pode vir a destruir-se por causa dos inúmeros conflitos internacionais que tem ocorrido nestes últimos tempos. Assim, já teríamos o primeiro argumento: Tem havido inúmeros conflitos internacionais
  • 37. Pensando um pouco mais sobre o porquê de estarmos à beira da destruição, podemos ter mais dois argumentos: - o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico; - permanece o perigo de uma catástrofe nuclear.
  • 38. Desta maneira, obtermos o seguine quadro: Tema: O mundo moderno caminha atualmente para a sua própria destruição Porquê? (argumentos) 1.Tem havido inúmeros conflitos internacionais 2.O meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico 3.Permanece o perigo de uma catástrofe nuclear
  • 39. Para elaborar a introdução, basta copiar o tema e acrescentar a ele os argumentos. Na introdução, os argumentos são apenas mencionados. Neste primeiro parágrafo informamos apenas o assunto de que a dissertação vai tratar.
  • 40. Observe: (tema) O mundo moderno caminha atualmente para a sua própria destruição, (argumento 1) pois tem havido inúmeros conflitos internacionais, (argumento 2) o meio ambiente encontra-se ameaçado por série desequilíbrio ecológico e, além do mais, (argumento 3) permanece o perigo de uma catástrofe nuclear.
  • 41. • No desenvolvimento, cada argumento deverá ser convenientemente desenvolvido em parágrafos. • Na conclusão basta só um parágrafo. Nele deve estar presente novemente o proposto no início.
  • 42. Resumindo todos os procedimentos que utilizamos para construir uma dissertação, chegamos ao esquema: TÍTULO 1° Parágrafo: Tema + Argumento 1 + Argumento 2 + Argumento 3 2° Parágrafo: Desenvolvimento do Argumento 1 3° Parágrafo:Desenvolvimento do Argumento 2 4° Parágrafo: Desenvolvimento do Argumento 3 5° Parágrafo: Expressão inicial + reafirmação do TEMA + observação final + proposta de intervenção
  • 43. Exposição O telefone celular  A história do celular é recente, mas remonta ao passado –– e às telas de cinema. A mãe do telefone móvel é a austríaca Hedwig Kiesler (mais conhecida pelo nome artístico Hedy Lamaar), uma atriz de Hollywood que estrelou o clássico Sansão e Dalila (1949).  Hedy tinha tudo para virar celebridade, mas pela inteligência. Ela foi casada com um austríaco nazista fabricante de armas. O que sobrou de uma relação desgastante foi o interesse pela tecnologia.  Já nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, ela soube que alguns torpedos teleguiados da Marinha haviam sido interceptados por inimigos. Ela ficou intrigada com isso, e teve a ideia:  um sistema no qual duas pessoas podiam se comunicar mudando o canal, para que a conversa não fosse interrompida. Era a base dos celulares, patenteada em 1940. 
  • 45. GÊNERO TEXTUAL São as estruturas com que se compõem os textos, sejam eles orais ou escritos. Essas estruturas são socialmente reconhecidas, pois se mantêm sempre muito parecidas, com características comuns, procuram atingir intenções comunicativas semelhantes e ocorrem em situações específicas. Pode-se dizer que se tratam das variadas formas de linguagem que circulam em nossa sociedade, sejam eles formais ou informais. Cada gênero textual tem seu estilo próprio, podendo então, ser identificado e diferenciado dos demais através de suas características.
  • 46. Notícia: podemos perfeitamente identificar características narrativas, o fato ocorrido que se deu em um determinado momento e em um determinado lugar, envolvendo determinadas personagens. Características do lugar, bem como dos personagens envolvidos são, muitas vezes, minuciosamente descritos. Reportagem: é um gênero textual jornalístico de caráter dissertativo-expositivo. A reportagem tem, por objetivo, informar e levar os fatos ao leitor de uma maneira clara, com linguagem direta. Carta ao leitor: é um gênero textual do tipo dissertativo- argumentativo que possui uma linguagem mais pessoal e leve, em que se escreve aos leitores.
  • 47. Propaganda: é um gênero textual dissertativo-expositivo onde há a o intuito de propagar informações sobre algo, buscando sempre atingir e influenciar o leitor apresentando, na maioria das vezes, mensagens que despertam as emoções e a sensibilidade do mesmo. Bula de remédio: é um gênero textual descritivo, dissertativo- expositivo e injuntivo que tem por obrigação fornecer as informações necessárias para o correto uso do medicamento. Receita: é um gênero textual descritivo e injuntivo que tem por objetivo informar a fórmula para preparar tal comida, descrevendo os ingredientes e o preparo destes, além disso, com verbos no imperativo, dado o sentido de ordem, para que o leitor siga corretamente as instruções.
  • 48. Editorial: é um gênero textual dissertativo-argumentativo que expressa o posicionamento da empresa sobre determinado assunto, sem a obrigação da presença da objetividade. Tutorial: é um gênero textual injuntivo que consiste num guia que tem por finalidade explicar ao leitor, passo a passo e de maneira simplificada, como fazer algo. Entrevista: é um gênero textual dissertativo-expositivo que é representado pela conversação de duas ou mais pessoas, o entrevistador e o(s) entrevistado(s), para obter informações sobre ou do entrevistado ou de algum outro assunto.
  • 49. História em quadrinhos: é um gênero textual narrativo que consiste em enredos contados em pequenos quadros através de diálogos diretos entre seus personagens, gerando uma espécie de conversação. Charge: é um gênero textual narrativo onde se faz uma espécie de ilustração cômica, através de caricaturas, com o objetivo de realizar uma sátira, crítica ou comentário sobre algum acontecimento atual, em sua grande maioria.
  • 50. Narrador – ouvintes/telespecta- dores Mídia esportivaRádio/TVNarrarNARRAÇÃO DE JOGO DE FUTEBOL Apresentador públicoMídiaJornal TV rádioRelatarNOTICIÁRIO Empresa (jornal/revista) leitor Mídia jornal impresso Jornal /revista impressos Argumentar/ExporEDITORIAL Cliente - bancoBancáriaTalão de chequeExpor/InstruirCHEQUE Empresa indústria cliente Indústria-comércio (mercantil) Folheto, folder, livro impresso InstruirMANUAL DE INSTRUÇÃO DE TV Escritor/LeitorIndústria LiteráriaLivroRelatarBIOGRAFIA Universidade/Escola Prefeitura Acadêmico escolar oficial Folha papel timbrado e envelope Expor/ArgumentarCARTA OFÍCIO Jornalista e entrevistado/leitor Mídia escritaRevistaInterativo/DialogalENTREVISTA   Escritor leitorIndústria literáriaLivroNarrarROMANCE Escritor leitor de jornal/revista Mídia impressa jornal/revista Seção coluna de jornal/revista Expor / ArgumentarCRÔNICA Autores telespectadores Mídia televisivaTelevisãoNarrarNOVELA INTERAÇÃO VERBAL ENUNCIADORES AMBIENTE DISCURSIVO SUPORTE DO TEXTO MODALIDADE DISCURSIVA GÊNERO TEXTUA L Terminologia
  • 51. Gêneros literários Gênero Narrativo: Na Antiguidade Clássica, os padrões literários reconhecidos eram apenas o épico, o lírico e o dramático. Nesta classificação, no gênero épico há a presença de um narrador que fundamentalmente conta a história passada de terceiros. Isso implica certo distanciamento entre o narrador e o assunto tratado, coisa que não ocorre no gênero lírico. Os verbos e os pronomes quase sempre estão na 3ª pessoa. Além disso, os textos épicos pressupõem a presença de uma ouvinte ou de uma plateia, que estaria escutando o narrador. Com o passar dos anos, o gênero épico passou a ser considerado apenas uma variante do gênero literário narrativo, devido ao surgimento de concepções de prosa com características diferentes, uma diversidade de gêneros: o romance, a novela, o conto, a crônica, a fábula. Porém, praticamente todas as obras narrativas possuem elementos estruturais e estilísticos em comum e devem responder a questionamentos, como: quem? o que? quando? onde? por quê?
  • 52. Vejamos a seguir: • Épico (ou Epopeia): os textos épicos são geralmente longos e narram histórias de um povo ou de uma nação, envolvem aventuras, guerras, viagens, gestos heroicos, etc. Normalmente apresentam um tom de exaltação, isto é, de valorização de seus heróis e seus feitos. Três belos exemplos são Os Lusíadas, de Luís de Camões, e Odisséia, de Homero. • Romance: é um texto completo, com tempo, espaço e personagens bem definidos e de caráter mais verossímil. Também conta as façanhas de um herói, mas principalmente uma história de amor vivida por ele e uma mulher, muitas vezes, “proibida” para ele. Apesar dos obstáculos que o separam, o casal vive sua paixão proibida, física, adúltera, pecaminosa e, por isso, costuma ser punido no final. É o tipo de narrativa mais comum na Idade Média. Ex: Tristão e Isolda.
  • 53. Novela: é um texto caracterizado por ser intermediário entre a longevidade do romance e a brevidade do conto. Como exemplos de novelas, podem ser citadas as obras O Alienista, de Machado de Assis, e A Metamorfose, de Kafka. Conto: é um texto narrativo breve, e de ficção, geralmente em prosa, que conta situações rotineiras, anedotas e até folclores (conto popular). Caracteriza-se por personagens previamente retratados. Inicialmente, fazia parte da literatura oral. Boccaccio foi o primeiro a reproduzi-lo de forma escrita com a publicação de Decamerão. Fábula: é um texto de caráter fantástico que busca ser inverossímil. As personagens principais são não humanos e a finalidade é transmitir alguma lição de moral.
  • 54. Crônica: é uma narrativa informal, breve, ligada à vida cotidiana, com linguagem coloquial. Pode ter um tom humorístico ou um toque de crítica indireta, especialmente, quando aparece em seção ou artigo de jornal, revistas e programas da TV.. Crônica narrativo-descritiva: Apresenta alternância entre os momentos narrativos e manifestos descritivos. Ensaio: é um texto literário breve, situado entre o poético e o didático, expondo ideias, críticas e reflexões morais e filosóficas a respeito de certo tema. É menos formal e mais flexível que o tratado. Consiste também na defesa de um ponto de vista pessoal e subjetivo sobre um tema (humanístico, filosófico, político, social, cultural, moral, comportamental, etc.), sem que se paute em formalidades como documentos ou provas empíricas ou dedutivas de caráter científico. Exemplo: Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago e Ensaio sobre a tolerância, de John Locke.
  • 55. Gênero dramático: Trata-se do texto escrito para ser encenado no teatro. Nesse tipo de texto, não há um narrador contando a história. Ela “acontece” no palco, ou seja, é representada por atores, que assumem os papéis das personagens nas cenas. Tragédia: é a representação de um fato trágico, suscetível de provocar compaixão e terror. Aristóteles afirmava que a tragédia era "uma representação duma ação grave, de alguma extensão e completa, em linguagem figurada, com atores agindo, não narrando, inspirando dó e terror". Ex: Romeu e Julieta, de Shakespeare. Farsa: é uma pequena peça teatral, de caráter ridículo e caricatural, que critica a sociedade e seus costumes; baseia-se no lema latino ridendo castigat mores (rindo, castigam-se os costumes). A farsa consiste no exagero do cômico, graças ao emprego de processos grosseiros, como o absurdo, as incongruências, os equívocos, os enganos, a caricatura, o humor primário, as situações ridículas. Comédia: é a representação de um fato inspirado na vida e no sentimento comum, de riso fácil. Sua origem grega está ligada às festas populares.
  • 56. Tragicomédia: modalidade em que se misturam elementos trágicos e cômicos. Originalmente, significava a mistura do real com o imaginário. Poesia de cordel: texto tipicamente brasileiro em que se retrata, com forte apelo linguístico e cultural nordestinos, fatos diversos da sociedade e da realidade vivida por este povo.
  • 57. Gênero lírico É certo tipo de texto no qual um eu lírico (a voz que fala no poema e que nem sempre corresponde à do autor) exprime suas emoções, ideias e impressões em face do mundo exterior. Normalmente os pronomes e os verbos estão em 1ª pessoa e há o predomínio da função emotiva da linguagem. Elegia: é um texto de exaltação à morte de alguém, sendo que a morte é elevada como o ponto máximo do texto. O emissor expressa tristeza, saudade, ciúme, decepção, desejo de morte. É um poema melancólico. Um bom exemplo é a peça Roan e Yufa, de William Shakespeare. Epitalâmia: é um texto relativo às noites nupciais líricas, ou seja, noites românticas com poemas e cantigas. Um bom exemplo de epitalâmia é a peça Romeu e Julieta nas noites nupciais.
  • 58. Ode (ou hino): é o poema lírico em que o emissor faz uma homenagem à pátria (e aos seus símbolos), às divindades, à mulher amada, ou a alguém ou algo importante para ele. O hino é uma ode com acompanhamento musical; Idílio (ou écloga): é o poema lírico em que o emissor expressa uma homenagem à natureza, às belezas e às riquezas que ela dá ao homem. É o poema bucólico, ou seja, que expressa o desejo de desfrutar de tais belezas e riquezas ao lado da amada (pastora), que enriquece ainda mais a paisagem, espaço ideal para a paixão. A écloga é um idílio com diálogos (muito rara); Sátira: é o poema lírico em que o emissor faz uma crítica a alguém ou a algo, em tom sério ou irônico.
  • 59. Acalanto: ou canção de ninar; Acróstico: (akros = extremidade; stikos = linha), composição lírica na qual as letras iniciais de cada verso formam uma palavra ou frase; Balada: uma das mais primitivas manifestações poéticas, são cantigas de amigo (elegias) com ritmo característico e refrão vocal que se destinam à dança; Canção (ou Cantiga, Trova): poema oral com acompanhamento musical;
  • 60. Gazal (ou Gazel): poesia amorosa dos persas e árabes; odes do oriente médio; Haicai: expressão japonesa que significa “versos cômicos” (=sátira). E o poema japonês formado de três versos que somam 17 sílabas assim distribuídas: 1° verso= 5 sílabas; 2° verso = 7 sílabas; 3° verso 5 sílabas; Soneto: é um texto em poesia com 14 versos, dividido em dois quartetos e dois tercetos, com rima geralmente em: a-b-a-b / a-b-b-a / c-d-c / d-c-d. Vilancete: são as cantigas de autoria dos poetas vilões (cantigas de escárnio e de maldizer); satíricas, portanto.